Experimento 1: efeito do método de produçÃo de sementes (aps ou pcs) e da árvore matriz (ou clone) na quantidade e tamanho de cones e sementes produzidos e propriedades tecnológicas do lote de sementes



Baixar 0.9 Mb.
Página7/17
Encontro29.11.2017
Tamanho0.9 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   17

1.6 seleçÃo precoce com base em características dE sementes e mudas


Segundo CARNEIRO (1983) os critérios utilizados para classificação da qualidade de mudas baseiam-se em duas premissas: aumento do porcentual de sobrevivência de mudas após o plantio e diminuição da freqüência dos tratos culturais de manutenção do plantio recém-implantado. Bons indicadores morfológicos parecem aumentar o percentual de sobrevivência por assegurar que a absorção de água pelas mudas plantadas iguale ou exceda a perda de umidade. Um favorável balanço hídrico possibilita que as mudas apresentem novas extremidades de raízes no solo, poucos dias após o plantio (CARNEIRO, 1995). Sabe-se ainda que a importância das diferenças na qualidade da muda produzida em viveiro se justifica não apenas pelo comportamento em campo em estágios iniciais de seu desenvolvimento, mas por indicativos de que estas diferenças entre mudas podem persistir por vários anos (GRIGSBY, 1975; SNYDER, 1976; ROBINSON e BUIJTENEN,1979; DUNLAP e BARNETT, 1984).

O diâmetro de colo tem se mostrado a característica mais confiável para a classificação morfológica de mudas em vários estudos. A classificação das mudas baseada apenas em altura apresenta deficiências, pois quando levada em consideração mudas tenras e flácidas e de maior comprimento da parte aérea são aproveitáveis, enquanto que as resistentes e vigorosas, mas com menor comprimento da parte aérea, são descartadas (CARNEIRO, 1976; MALINOVSKI, 1977;). CARNEIRO (1981) não validou o uso da característica altura na classificação de mudas de P. taeda, mas sim o diâmetro de colo.

Outros parâmetros morfológicos que podem ser citados como atributos de vigor são: peso de matéria seca total da muda, peso de matéria seca da parte aérea, peso de matéria seca das raízes, relação parte aérea e sistema radicular (peso ou comprimento) e relação entre altura da parte aérea e diâmetro de colo (H/D), que exprime o equilíbrio de desenvolvimento das mudas, no viveiro, pois conjuga dois parâmetros em apenas um índice.

CARNEIRO (1995) recomenda que a relação H/D em qualquer fase do período de produção de mudas deva situar-se entre os limites de 5,4 e 8,1. Desta forma, a média mínima do diâmetro de colo seria dada pela relação:


H/ 8,1 = média mínima do diâmetro de colo
Vários estudos foram realizados buscando avaliar a correlação entre parâmetros morfológicos de mudas em viveiro e o desenvolvimento destes indivíduos em campo (CARNEIRO, 1976; SURLES et al.,1995; SNYDER, 1976; GRIGSBY,1975; ) .

No estudo conduzido por SURLES et al. (1995) utilizando 64 famílias de polinização aberta de P. elliottii as correlações entre a média da família para peso seco das mudas aos três meses e valores genéticos aditivos parentais para crescimento em volume aos 15 anos foram relativamente altas (a maioria superior a 0,4), porém este valor foi menor para as medidas tomadas aos seis e dez meses. Neste mesmo trabalho, os melhores índices de seleção precoce foram mais efetivos em identificar as famílias de desempenho inferior que as famílias de desempenho superior. Os autores afirmaram, no entanto, que uma técnica de seleção precoce utilizando estas características não seria suficientemente eficiente para suplantar o teste de campo em longo prazo, porém poderia ser utilizada para reduzir o tamanho dos testes em campo via exclusão precoce das famílias de pior desempenho ou para classificação de candidatos por requerimentos de valores mínimos de melhoramento. Segundo SNYDER (1976), os custos de seleção em viveiro são pequenos quando comparados ao de técnicas de melhoramento genético florestal tradicional.

Pesquisando a espécie P. taeda GRIGSBY (1975) concluiu que mudas altas da espécie (média de 30,5 cm) tiveram um volume 16,7% e 8,6% superior ao de mudas com altura intermediária (média de 18,3 cm) após 9 e 12 anos do plantio, respectivamente. A mesma tendência aconteceu com a espécie P. echinata.

Resultados bastante promissores para seleção precoce de P. taeda também foram conseguidos no estudo realizado por SNYDER (1976), que durante 10 anos avaliou o crescimento de mudas que apresentavam cerca de duas vezes a altura de mudas utilizadas como controle no momento do plantio. A intensidade de seleção do estudo foi de 1: 50.000 e o plantio foi realizado em 10 diferentes áreas. A avaliação final foi feita nos plantios com idade variando de 3 a 10 anos. Observou-se que a superioridade em altura das mudas selecionadas por sua altura em viveiro declinou com a idade, como aconteceu no estudo conduzido por GRIGSBY (1975), porém a superioridade em volume permaneceu razoavelmente alta, com as mudas em plantios de 10 anos sendo apenas de 4 a 7% superiores em altura que as mudas controle, porém apresentando de 20 a 46% mais volume. Em plantios de 6 anos a superioridade em volume foi de 68%, 7 anos de 50% e 8 anos de 69%.

CARNEIRO (1976) em experimento com mudas de P. taeda, observou a maior sobrevivência (76%) em mudas mais velhas (11 meses), com diâmetros de colo superiores à média e alturas inferiores à média. A menor sobrevivência (26%) foi observada em mudas mais novas (8 meses), diâmetros inferiores à média (2,3 mm) e altura superiores à média (15 cm). Com relação ao desenvolvimento inicial em campo, o maior crescimento após 15 meses (127 cm), foi observado para mudas mais velhas, diâmetros e alturas superiores às suas médias (3,7 mm e 29 cm) e o menor desenvolvimento (85 cm) para as mudas mais novas, diâmetros superiores às médias (2,3 mm) e altura inferior à sua média (15 cm). Neste mesmo trabalho, o autor recomendou o plantio de mudas com diâmetro de colo superior a 3,7mm.

É importante citar, no entanto, alguns estudos cujos resultados indicaram que nem sempre mudas com características consideradas “superiores” resultam em indivíduos adultos que se encaixam em tal categoria. BARROS et al. (1978), trabalhando com Eucalyptus grandis, constataram que a taxa de crescimento em altura das mudas após o plantio em campo foi inversamente proporcional à altura das mudas em viveiro. Essa depressão no crescimento foi consideravelmente maior nas mudas mais altas com pequenos diâmetros de colo do que com as de maiores diâmetros. BORGES et al. (1980), trabalhando com a mesma espécie, encontraram correlação positiva entre a altura da muda no viveiro e altura no campo seis meses após o plantio, porém aos 18 meses esta correlação, assim como a com o diâmetro, foi negativa. CARNEIRO (1976), trabalhando com P. taeda, também não encontrou diferenças de sobrevivência e crescimento até 15 meses após o plantio entre mudas de raiz nua de diferentes alturas.

Apesar de alguns resultados contraditórios, em geral indivíduos que no início de seu desenvolvimento em campo apresentam um tamanho avantajado em detrimento dos demais tendem a permanecer com alguma vantagem nos anos posteriores ( GRIGSBY, 1975; SLUDER, 1979; SHEAR e PERRY, 1985).

Alguns estudos também foram conduzidos com o intuito de avaliar as correlações existentes entre características das sementes e o desenvolvimento do individuo em campo (CLAIR e ADAMS, 1991; ROBINSON e BUIJTENEN,1979; CASTRO,1999; SLUDER,1979; ) Segundo CLAIR e ADAMS (1991) os efeitos maternos expressados através de diferenças no peso de sementes podem contribuir para diferenças entre famílias nos estágios iniciais de desenvolvimento em testes de progênies florestais.

ROBINSON e BUIJTENEN (1979) avaliaram o estudo iniciado por BROWN e GODDARD (1959), onde inicialmente avaliou-se o peso de 100 sementes, a velocidade de germinação, o diâmetro de colo, a altura, o comprimento do primeiro lançamento, número de lançamentos, porcentagem de mudas com gemas terminais distintas e porcentagem de mudas sem ramos basais de 75 famílias de P. taeda. Após estas observações as mudas foram plantadas em um teste de progênies, com 25 arvores por parcela e três repetições, que foi avaliado aos 5, 10 e 15 anos de idade. Somente três características juvenis mostraram correlação com o volume posterior das famílias: 1. peso da semente; 2. porcentagem de mudas da família com gemas terminais distintas em dezembro e 3. porcentagem de mudas sem ramos basais. A partir de uma regressão ajustada para cálculo do volume esperado aos 15 anos com as variáveis independentes 1. porcentagem de mudas dentro da famílias com gemas terminais bem formadas e 2. porcentagem das mudas dentro da família sem ramos basais (R2 = 0,29) e considerando uma seleção de 20% das famílias ainda em viveiro com base nesta regressão, os autores obtiveram um ganho real de 8% sobre a produtividade/ ha/ ano, um ganho similar ao estimado para a seleção massal em campo nesta idade.

CASTRO (1999) encontrou variação na performance de sementes de P. sylvestris de diferentes famílias plantadas em diferentes solos com relação à emergência e sobrevivência. Neste mesmo trabalho o crescimento inicial das mudas foi positivamente correlacionado com o peso das sementes, porém após uma estação de crescimento o peso da semente não teve correlação alguma com a performance da muda, que dependeu exclusivamente do material de origem. No entanto, a peso médio das sementes produzidas pelas plantas foi positivamente correlacionado com os valores médios dos parâmetros de crescimento. WILCOX (1983) encontrou diferenças no tamanho das sementes resultantes de cruzamentos controlados de P. radiata, o que levou a diferenças significantes no tamanho da muda após 6 meses de viveiro e até dois anos após o plantio; o efeito do tamanho da semente no crescimento em altura, contudo, diminuiu com o tempo. Ainda com relação ao desempenho em campo, ROBINSON e VAN BUIJTENEN (1979) encontraram correlações positivas entre o peso médio da semente por família e o volume aos 15 anos de idade para P. taeda. SLUDER (1979) também encontrou correlações positivas para tamanho de sementes de P. taeda e produtividade aos 15 anos, neste caso, porém, constatou-se que os indivíduos obtidos das maiores sementes foram menores que aqueles originados de sementes médias.

Segundo SURLES et al. (1995) o programa de melhoramento florestal do Western Gulf era, em 1995, o único programa de melhoramento de árvores que utilizava operacionalmente técnicas de seleção precoce. Este programa utilizava medições de peso seco aos 6 meses para excluir 20% da população avaliada, reduzindo os custos dos testes de campo em 17 a 40% (LOWE e VAN BUIJTENEN, 1990).

Futuros estudos de seleção precoce devem incorporar o componente peso da semente a fim de avaliar os impactos desta característica nas correlações adulto-juvenis e seu mérito enquanto fator de seleção, segundo SURLES et al. (1995), bem como comparar as progênies dos indivíduos selecionados precocemente (em viveiro) com as progênies de indivíduos controle para avaliar quanto do ganho fenotípico é realmente genético (SNYDER, 1976).

Também é interessante citar a conclusão de SHEAR e PERRY (1985) em seu estudo com P. taeda. Segundo os autores se metade a três quartos da variação do tamanho da muda pode ser atribuída a fatores não-genéticos e propriedades das sementes não-herdáveis, e se o tamanho da muda é correlacionado com o tamanho da árvore adulta, então a estimativa do ganho genético pode estar sendo superestimado . Quando o ganho genético é calculado em testes de progênies, o efeito do tamanho inicial não é considerado. Portanto, esse efeito é incluído nas estimativas de ganho genético.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   17


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal