Fernando Aiwass Ligvori



Baixar 0.99 Mb.
Página1/24
Encontro16.01.2018
Tamanho0.99 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24


ALEISTER CROWLEY

&

FERNANDO AIWASS LIGVORI


RITUAIS, DOCUMENTOS

E A

MAGIA SEXUAL DA

ORDO TEMPLI ORIENTIS


SATVRNVS I(11)

EU quero além do mais que tu aprendas, meu querido Filho, a reta Arte de Conduta para com aqueles que Eu te darei para Iniciação. E a Regra aí é uma Regra Única: Faze o que tu deverá ser o todo da Lei. Cuida Constantemente de que esta não seja quebrada; especialmente naquela sua Seção (assim ouso dizer) que reza: Trata da Tua Vida. Isto se aplica igualmente a todos, e o mais perigoso dos Homens (ou das Mulheres, como tem ocorrido, ou Eu erro) é o Intrometido. Ó como nos envergonhamos, e como nos indignamos com os Pecados e as Tolices dos nossos Semelhantes! De todas as Manifestações desta Mazela, a mais comum é o Desejo Sexual insatisfeito; e tu sabes já, mesmo em tua tenra Experiência, como naquele Delírio o Bem-Estar do Universo inteiro parece insignificante. Desprende portanto teus Bebês daquela Infantilidade, e instila o senso de verdadeira Proporção. Pois em verdade este é um Caminho de Loucura, o Amor, a não ser que seja sob Vontade. E curar esta Loucura não é tão bom quanto prevÊ-la; de forma que tu deverias prevenir estas Crianças, mostrando-lhes a reta Importância do Amor: como este deve ser um Rito sagrado, exaltado acima da Personalidade, e um Fogo para iluminar e servir o Homem, não para devorá-lo.”



Aleister Crowley

Prefácio
Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei
É somente quando a consciência se retira do instrumento de desejo (o falo) que o espírito está livre para manifestar-se na forma consoante com o objetivo do rito mágico. O falo (o leão) é para Vontade Mágica o que o Sol é para Sírius; ele é um reflexo na esfera mundana da inteligência trans-terrestre.”

Kenneth Grant
Um dos motivos por querer escrever esse ensaio foi, ou melhor, é a maneira de como a sexualidade ritualística é encarada até hoje. Não é somente na sexualidade ritualística que se encontra o medo dogmático levado ao extremo, causando assim, fobias sexuais e neuroses.

A castração psíquica sexual não envolve somente a Magia Sexual, pelo contrário, a Magia Sexual é bem menos açoitada pelo seu mínimo conhecimento da população em geral, porém, o sexo em si foi e é motivo de perseguição até hoje.

O ato do sexo é o que faz a vida se manifestar, o poder criativo que tudo subjuga no Cosmo e que criou o próprio Cosmo.

O útero é o local sagrado onde o milagre da criação é encenado, ou seja, o sacrifício da semente do homem é despejado em louvor a Deusa.

Mesmo nos dias de hoje o direito humano é negado e esse ensaio luta pela liberdade de expressão sexual.

Embora o tema social da sexualidade não seja amplamente estudado neste ensaio – pois ele toma frente ao estudo mágico da sexualidade – ele é descrito nas entrelinhas.

Sempre que um seguidor e praticante dos Antigos Mistérios toma sua ação de liberdade em divulgar sua filosofia e praticá-la, logo é tomado por críticas por aqueles dogmáticos que acreditam no pecado original. A velha história sempre aparece: “a adoração do diabo” inventada pela Igreja Romana.

Ninguém reclama quando muçulmanos constroem uma mesquita ou um Templo Hindu é construído em uma comunidade de maioria católica, para atender aos seus fiéis, mas basta um grupo de praticantes dos antigos Mistérios acender uma fogueira no topo de uma colina para celebrar Beltane1 que os moradores do local se levantam em protesto. Ninguém comenta nos jornais quando uma procissão sai às ruas para comemorar o Ano-Novo chinês ou o fim do Ramadan2, ou um festival de Ganesha. Porém, se um grupo ocultista realiza um festival para celebrar suas crenças, a imprensa sensacionalista está lá, junto a grupos que se dizem cristãos, com seus cartazes denunciando algo que já era sagrado muito antes da cristandade existir e seus membros começarem a queimar livros, registros e material de valor inestimável, só porque celebravam um estilo de vida diferente do seu.

Um ponto significativo deve ser tratado nessa introdução. Vivemos em um país cristão [o mais católico do mundo] e todos sabem que o homem é o que é o seu meio social, claro, existindo suas exceções. A maneira como pensamos e nos comportamos está condicionada por onde e como vivemos. No que diz respeito ao sexo, praticamente em todos os lugares, ele é tolerado ou condenado.

Isso existe em todos os ramos do conhecimento. Quase sempre o que é ruim para o ocidental e bom para o oriental.

No oriente o sexo é tratado de maneira, digamos, “madura”, ou seja, lá [no oriente] o sexo é visto como um presente da divindade e quase sempre faz parte dos ritos religiosos e faz parte também da cultura social em si.

Há pouco tempo em Juiz de Fora e em cidades ao redor uma lei foi aprovada, o homossexualismo aberto. Agora, todo homem que gostar de outro homem ou o mesmo para mulher, pode andar a vontade, abraçado e beijando como um casal de namorados heterossexuais.

Isso foi motivo de escândalo para a sociedade cristã que não se rebelou por medo, porém, como em toda a parte em que a cultura dogmática domina, só se falava no “absurdo”.

O que eles não sabem (e até ignoram que não sabem) é que isso é normal em países orientais.

O que quero passar é que não há dogmas na sexualidade (ou pelo menos não deveria haver), ou seja, ela deve ser encarada como é, livre e sem preconceitos, apenas segue seu curso.

Nessa sociedade [dogmática], o fator “aceitação” é o mais difícil. Ele até existe, porém, podemos dizer que “passa seco pela garganta”. O ser humano [dogmático], não aceita seu próximo. Eu mesmo conheço mulheres brancas que quando são elogiadas por homens brancos sentem-se maravilhadas e quando são elogiadas por homens negros sentem-se ofendidas e dizem: “esses negros não enxergam seu lugar”. Esses, que assim o fazem, estão cavando sua fossa e deveriam ser jogados aos cães, afinal, todo homem e toda mulher é uma estrela...

Um fator extremo também, no nosso caso, é o uso indevido da corrente sexual.

A energia sexual é a energia da criação, ou seja, é a força mais poderosa do universo. Sendo assim, é necessário um amplo treinamento interno para poder utilizar essa energia com a devida eficiência.

Esse treinamento consiste em Hatta Yôga, meditações, vocalizações e etc.

Então seria bom que o iniciante soubesse que o uso indevido dessa força pode trazer catástrofes sexuais sérias como problemas nos órgãos sexuais, incapacidade sexual e doenças...

A AIDS assola o mundo. Ora, Magia Sexual não se pratica de camisinha. Assim indico ao leitor (se esse não for um iniciado) que pelo menos antes de praticar a Magia Sexual com alguém, tenha plena confiança nessa pessoa, exija exames médicos com intervalos de três meses. Um iniciado sabe que para se praticar “bem” a Magia Sexual, necessita estar com uma Sacerdotisa Iniciada na arte, ou seja, no caso da O.T.O., que ela faça parte do Soberano Santuário da Gnosis.3

Não que não possa praticar com uma iniciada, porém, seria ótimo se a Shakti fosse uma.

O perigo não só da AIDS, mas também de outras DST [doenças sexualmente transmissíveis] pode estragar um trabalho na “Grande Obra”. O sexo é divino e um presente dos Deuses, sendo assim, ele deve ser oferecido a Eles, mas para isso, é necessário estar limpo...

Opus Gnosticum Liber vem ao público como um material de pesquisa referente a Magia Sexual tão difundida nas verdadeiras escolas de mistérios.

Este tema até hoje tem sido mantido em segredo e o próprio Crowley nos diz da seguinte maneira em um de seus comentários4 a respeito de Liber Ágape5: “Este segredo encerra a verdadeira chave da magia, quer dizer, por meio da utilização correta deste segredo, o homem pode impor sua Vontade à natureza, e ainda que todo conhecimento registrado fosse destruído, seria possível para um adepto, em poder deste segredo, restaurar o conhecimento.”

O próprio Crowley nos diz que o supremo segredo da O.T.O. está contido no Liber citado acima e no capítulo XXXVI do Liber CCCXXXIII (333), falsamente chamado de Livro das mentiras.6

Adentraremos no segredo máximo do Santuário da Gnosis, estudaremos a jóia do IX° Ordo Templi Orientis e assim quem sabe o segredo de Liber Ágape se torne difundido para que o ser humano possa perceber a maravilha que é o Templo, a Mulher, o Cálice na Mão de Nossa Senhora BABALON...

Aqui encontra-se o segredo da eucaristia de um só Elemento, o elemento dos elementos, o que conhecemos com o termo de elixir da longa vida.

Desfrute com deleite mágico e tome sua fartura de amor assim como está escrito em nosso santo livro entregue ao profeta. Neste livro encontramos a citação: “Vê ! Isto é revelado por Aiwass o ministro de Hoor-Paar-Kraat. O Khabs está no Khu, não o Khu no Khabs. Adore então o Khabs, e contemple minha luz derramada sobre vós !”

Sobre esta passagem em nosso Livro Santo Kenneth Grant afirma o seguinte: “Khabs é uma palavra egípcia que significa ‘estrela’, e o Khu é a essência ou o poder mágico feminino. A estrela (isto é, Sótis, a estrela de Shaitan) reside no poder mágico da essência geradora da fêmea, pois a Estrela-Cão é Sótis, que também é chamada alma de Ísis. Pela adoração (isto é, utilizando deliberadamente ou ritualmente) desta ‘Estrela’, a luz de Shaitan também é invocada. Estes versos compreendem a fórmula inteira da Magia Sexual e seu modo de utilização.” 7

Retire da mente todos os dogmas crististas e entre em um mundo de êxtase divino e crie, crie como Deus porque tu és uma estrela e como estrela deve brilhar assim como foi escrito “Não existe deus senão o ser humano”.

Eis que em tuas mãos tem o segredo sacro da vida e com ele tu és Sacerdote segundo a ordem de Melkisedeck, tu és Deus e cria como ele, tu és santo e brilha como estrela.

Quando estás a exercer sua função como Deus, quando encontra-se neste estado, nada mais existe senão tua criação e lá, tu crias o que bem entende porque tu és uma estrela. Compreenda isso e aceite a Lei deste novo Æon para que tu rompas com todas as amarras que o prendem.

Viva a luz da liberdade, viva a luz de Thelema e como Deus crie, pois esta é tua função no caminho da iniciação.

Pense apenas em criar para que aquilo de divino em ti floresça pela tua criação.

Amor, êxtase, gozo divino e supremo na Magia da Criação...

Crowley fala de amor em um de seus textos e transcreverei um pouco deste maravilhoso texto:


Portanto, nós consideramos o Amor santo, a religião de nossos corações, a ciência de nossas mentes. Não terá Ele o Seu Rito designado, Seus Sacerdotes e poetas, Seus criadores de Beleza em cor e forma para adorná-Lo, Seus músicos para saudá-Lo? Não deverão Seus Teólogos, adivinhando a natureza Dele, declará-Lo? Não devem mesmo aqueles que apenas varrem o terreno em frente do Seu templo partilhar através disto da pessoa Dele? Não deverá nosso cientista por as mãos Nele, medi-lo, descobrir profundezas, calcular seus cumes, e decifrar as leis de sua Natureza?

Também para nós de Thelema, que assim treinamos nossos corações e mentes para serem peritos engenheiros daquele arranha-céu, o Amor, o navio para voar até o Sol; para nós o ato de Amor é a consagração do corpo ao Amor. Nós queimamos nosso copo no Altar do Amor, para que mesmo o bruto possa servir à Vontade da Alma. Devemos então estudar a arte do Amor Físico. Não devemos frustrar ou trabalhar mal. Devemos ser frios e competentes como cirurgiões; cérebro, olho e mão, os instrumentos perfeitamente treinados a Vontade. Devemos estudar o assunto abertamente e impessoalmente, devemos ler os tratados, ouvir lições, assistir demonstrações, obter nossos diplomas antes de entrarmos na prática.

Não queremos dizer o mesmo que o “cristão” quando dizemos “o ato de Amor”. Para nós não é o gesto grosseiro de um homem sofrendo um ataque, não é uma luta, um espasmo sem senso, uma súbita repulsão de vergonha, como é com ele.

Temos uma arte de expressão; estamos treinados para interpretar a alma e o espírito em termos do corpo. Não negamos a existência do corpo, nem o desprezamos; recusamos, porém, a considerá-lo sob qualquer outra perspectiva que esta: é o órgão do Ente. Deve, no entanto, ser ordenado de acordo com suas próprias leis; aquelas do Ente mental ou moral não se aplicam a ele. Nós Amamos; isto é, nós queremos unir-nos; então um deve estudar o outro, adivinhar toda borboleta pensamento que passa, e oferecer-lhe a flor que ela mais aprecia. O vocabulário do Amor é pequeno, seus termos triviais; buscar novas palavras e frases é ser afetado.

Mas a linguagem do corpo nunca se exaure; nós podemos falar durante uma hora como uma pestana. Existem coisas íntimas, delicadas, sombras das folhas da Árvore da Alma que dançam na brisa do Amor, tão sutis que nem Keats nem Heine em palavras, nem Brahms nem Debussy em música, puderam dar-lhe corpo. É a agonia de todo artista, quanto maior ele é, maior o seu desespero, pois, não consegue expressar todas essas coisas. E aquilo que não podem fazer, nem uma única vez numa vida de ardor, é feito em toda plenitude pelo corpo que, Amando, aprendeu a lição de como Amar.”
Aqui, neste ensaio, além de darmos a conhecer os dois caminhos tântricos, o da mão esquerda e direita, fazemos, ou melhor, damos ênfase ao caminho da mão esquerda, pois este, é o supremo segredo da O.T.O.

Muito se tem falado sobre esse caminho tântrico, diversas escolas o interpretam como Magia Negra, o que difato não é. Vendo essa calamidade irei fazer um breve comentário a esse caminho:

Esse termo, Tantra da Esquerda ou “Vama-Marga” tem sofrido as mais diversas interpretações, a maioria como não poderia deixar de ser – depreciatórias. O termo deve ser usado no senso exclusivo na tradição dos mistérios orientais.

A palavra esquerda não possui qualquer implicação ética, moral ou teológica. Esse é mais um exemplo de como conceitos puramente técnicos foram mal interpretados e mal compreendidos por nossa civilização ocidental.

Vama-Marga é o aspecto esotérico do TANTRA, do qual, o aspecto exotérico é chamado “Dakshina-Marga”. Estas distinções nada têm haver com Magia Branca ou Negra como é erroneamente suposto. Todos sabem que o tantra usa a Sacerdotisa ou “Shakti” em suas operações.

Com relação ao sistema Thelêmico temos:

BABALON (Babal = porta, On = Sol) significa “O Portal do Sol”; Ela admite a ‘força solar’ através de seu portal, canal, passagem e “cat” isto é, gata em inglês, pudenta. Como a gata, Ela é a Lua, ou o Sol refletindo o “Olho de Amentá”; o Olho Esquerdo do espaço assim como o Sol é o direito. Assim Vama-Marga literalmente significa caminho envolvendo o uso da mulher, a fêmea usada e considerada como o esquerdo ou lunar aspecto da Criação.

O nome BABALON é numericamente equivalente a 156, enquanto que a forma corrupta ou apocalíptica BABYLON (Babilônia) soma 165 – um número que não possui qualquer significância particular Qabalística. 156, por outro lado, leva várias idéias relacionadas com a função da “Mulher Escarlate”. Por exemplo, o número de TzIVN, ZION, a Montanha Sagrada e também o número da Cidade das Pirâmides sob a noite de Pã que deve ser penetrada e explorada através do mágico uso de BABALON. Também é, de acordo com Liber CDXVIII (418), o número do CHAOS , que é uma concepção de singular importância na Qabalah, pois assim é um secreto nome da Besta. BABALON está assim identificada com o verdadeiro Senhor.

A Cidade das Pirâmides é Binah, a terceira Sephira da Árvore da Vida. Refere-se a Saturno e, portanto, identifica a mais antiga concepção de ‘Geratriz’. A final destruição do conhecimento de Daath, a falsa Sephira, abre os portais da Cidade das Pirâmides.

Em outra forma de compreensão, a Cidade das Pirâmides compreende as séries de sessões piramidais – 156 em número – ao lado dos quatro lados das Torres do Universo.

É dito na tradição cristã que o Filho se senta ao lado direito de seu Pai. Isso nos faz indagar de quem estaria ao lado esquerdo, pois afinal, esse Pai não teria só o lado direito...

Outros ainda nos perguntam o porque de usar esse caminho tântrico. Quanto a isso podemos observar:


De modo a transformar a energia sexual em energia mágica (ojas), a Serpente de Fogo (Kundalini) adormecida na base da espinha é desperta. Ela então limpa a energia vital de tudo o que é negativo através da virtude purificadora de ser calor extremo. Assim, a função do sêmen no tantra é construir o ‘corpo de luz’, como corpo interior do ser humano. A medida em que o fluído vital se acumula nos testículos, ele é consumido pelo calor da Serpente de Fogo e os vapores voláteis deste sêmen fortalecem o corpo interior.”

Os praticantes deste caminho trabalham com as secreções que fluem da genitália feminina e não com a mera pronúncia de letras do alfabeto que, apesar de sua utilização mântrica para carregar e direcionar os fluídos, tem pouca ou nenhuma utilidade além desta.”

(...) pela veneração tântrica da Serpente de Fogo através da vagina da mulher escolhida para representar a Deusa, a Kundalini relampeja para cima e, finalmente, se une em êxtase ao seu Senhor Shiva no local da Lótus de Mil Pétalas.”
Amor é a lei, amor sob vontade

Fernando Aiwass Ligvori

Juiz de Fora


PARTE I

Fernando Aiwass Ligvori

I
Uma pequena visão histórica

(...) um homem é um Deus até que a última centelha de admiração por quadris sinuosos ou um belo sorriso morra, ou seja, quando ele estiver morto.”

Dolores Ashcroft-Nowicki
A sexualidade foi explorada ritualisticamente por vários povos, grupos e tribos da Antigüidade e até hoje ela continua sendo explorada por um pequeno conjunto de pessoas que se preocupam em manter as antigas tradições. Esse pequeno conjunto de pessoas se dividem em escolas de iniciação e a que mais nos referimos neste ensaio é a O.T.O..8

Observamos que em ritos datados de muitos anos antes do advento do cristianismo ouve a adoração a grande Deusa ou Mãe.

Em tribos a sexualidade era explorada pelos caçadores que obtinham a benção da Grande Mãe pelo conúbio sexual.

Eram realizados festivais da caça anuais. Os caçadores que conseguiam obter as melhoras caças e o maior número de alimento para a tribo ganhava o direito de se deitar com a Sacerdotisa da tribo em um ritual público.

Alguns objetivos eram observados, dentre eles podemos citar que dessa maneira a Sacerdotisa conseguia fazer uma seleção de seu amante que por direito poderia fecundá-la e se deitar com ela durante todo um período que envolvia estações inteiras. Ela sempre ficava com o ganhador e esse era o mais forte. Sendo assim ela iria gerar um filho forte e guerreiro, ou seja, ela se deitava com aquele que poderia lhe introduzir um gen mais forte.

O rito público era realizado – por um lado – para que os perdedores ficassem com inveja e se esforçassem para serem vitoriosos na próxima temporada de caça.

A mulher era o centro da tribo. Sempre uma mulher fértil com fartos seios e largos quadris, aumentados por tantas gestações sucessivas, deveria ter-se tornado o modelo ideal, uma cópia da deusa Mãe. Ela foi o protótipo da Sacerdotisa da Deusa e, portanto, vista pela tribo como sua contra parte terrena.

Quando a Sacerdotisa não podia dar mais a luz com tanta freqüência e já não preenchia mais os requisitos para o cargo ela nomeava sua sucessora. Essa, ficava ligada a antiga Sacerdotisa até sua morte e assim se garantia a reencarnação da manifestação da Deusa.


O útero foi o primeiro, e para o Mago continua sendo o principal, exemplo de Cálice sagrado, com a função se ser o elo de comunicação entre a humanidade e algo superior.”

Dolores Ashcroft-Nowicki
A Sagrada Prostituição
Agora nos deslocamos para as primeiras culturas da história, sociedades agrícolas do Mediterrâneo, mais precisamente na Mesopotâmia e Caldéia.

A sociedade aqui já é mais dividida, existe um sistema estrutural de classes e ordem. Artesãos, soldados, escravos, Sacerdotes, governantes e trabalhadores.

Existem mercados, Templos, um rudimentar sistema monetário se baseando principalmente na troca de produtos e mercadorias e um avançado sistema de ensino – para a época – somente para os membros da classe mais alta, ou seja, os governantes e Sacerdotes.

Neste período o culto a Mãe e ao seu Consorte9 já eram considerados antigos, porém, as características da Mãe tribal e os caçadores recompensados por ela ainda eram mantidas.

Era comum encontrarmos as Hieródulas. Mulheres que ofereciam os favores sexuais da Deusa para os homens que a vinham adorar. Nessa época a prostituição sagrada não era vista com menosprezo, muito pelo contrário, era uma profissão sagrada e um serviço à própria Deusa. Assim vemos que essa é uma das profissões mais antigas do mundo.

O homem chegava ao Templo com algum tipo de pedido a ser feito, sempre com uma oferenda. Chegando lá ele encontrava as representantes da Deusa, as Sacerdotisas – Hieródulas – que seriam capazes de concretizar os pedidos feitos pelo homem.

Ela [a Sacerdotisa] escutava os pedidos do homem e se gostasse de sua performance sexual concedia a ele o seu pedido.

Dessa forma o homem voltava para casa revigorado de energia e confiança, voltava pronto para copular com sua esposa e lhe engendrar uma nova criança, ele saia do Templo entusiasmado a cavar mais canais de irrigação, assim seus campos produziriam mais e ele seria próspero e abençoado pela Deusa.

Essas Sacerdotisas representantes da Deusa eram de vital importância na estrutura hierárquica dos Templos.

No culto à Deusa Milita, na Babilônia, pelo menos uma vez na vida todas as mulheres se postavam frente aos Templos e iam com o primeiro homem que lhes oferecesse dinheiro que era, então, doado ao Templo, como oferenda. Isso era visto como uma taxa justa devido à Deusa, à qual nenhuma mulher podia negar.


Sacerdotisas: Coroadoras e fonte de inspiração
Os Draconianos ou Tiphonianos, óbvios do papel do macho nos mistérios biológicos da procriação, haviam adorado a prostituta e seu bastardo, os quais foram, eras mais tarde, tipificados com a Virgem e a Criança.”

Kenneth Grant
A mulher era a fonte de poder imperial e ao mesmo tempo fonte de inspiração em todas as épocas, e isso, de uma maneira ou de outra, ocorre até hoje.

No Egito, a sucessão imperial era mantida com um rígido controle de pureza sangüínea e isso, muitas vezes, causava aberrações biológicas e desastres genéticos.

Lá a mulher era representante da Deusa na Terra, a persona, símbolo de poder e fertilidade.

Para que um novo Faraó reinasse, ele teria de desposar a rainha ou a filha do Rei anterior. Não importava se ela era sua mãe ou sua irmã, pois de uma forma divina, só ela tinha o poder de coroa-lo e sentá-lo no trono.

Crowley enfatizou em seus escritos que todos os povos sempre tentaram produzir um Messias. Os egípcios tentaram fazê-lo pela união incestuosa.

Freqüentemente vemos Hórus sentado no colo de Ísis. O uso da palavra colo tem sido por muito tempo um eufemismo para a vulva feminina, e ao sentar no colo, ou seja, penetrando sexualmente a Rainha/Deusa, ele estava postulando o trono. Outra frase comumente usada é ir à lua, significando estar tremendamente entusiasmado, em êxtase. Mas ir à lua é outro sinônimo para o ato sexual; a lua é a mulher, deitada sob o homem.

Nessa época (final da IX° dinastia) o culto a Deusa já estava acabando, ele deixava de ser Draconiano (ou Tiphoniano) e passava a ser Osiriano, ou seja, a era deixava de ser matriarcal e passava a ser patriarcal.

Ainda sim o culto matriarcal sobreviveu [em termos], mais precisamente entre a XIII° e a XVI° dinastia e só depois na XXVI° dinastia, porem, onde ele estivesse, a Magia Sexual sempre estava por perto.


A Deusa é, afinal, não só Ísis, a Rainha do Céu; Gaia, a Mãe Terra, mas é também e sempre foi Vênus/Afrodite, a Deusa do Amor sexual. De muitas formas e sob vários disfarces, ela inspirou o macho da espécie e o seduziu para que ele desse o melhor de si ao longo da história.”

Dolores Ashcroft-Nowicki
A mulher foi a fonte de inspiração de todos os grandes pintores e artistas, bem como escritores e outros seres humanos que viram nela a beleza divina, o Templo de redenção a ascensão espiritual.

Foram grandes os pintores e poetas que deixaram sua marca para humanidade, porém, sempre sua fonte de inspiração foi o Templo divino da mulher.

Na poesia e na prosa universal ela foi o pivô, seus dotes triplos de fertilidade, amor e prazer sexual permanecem sobre o triângulo sobre qual grande parte de nossa existência é constituída, uma dádiva que preserva para humanidade a verdadeira Magia, o reconhecimento da divindade do Ser.
Sexualidade na antiga Grécia
Todos são capazes de perceber que na antiga Grécia a sexualidade reinava em todos os ritos públicos, solenes ou fechados.

O estudante encontra na própria mitologia traços dessa sexualidade aguçada e “avançada”. Encontramos deuses que se uniam com humanos e dessa união saiam heróis e heroínas com qualidades humanas e divinas, sendo assim, semideuses.

Estudos extensos sobre a sexualidade grega foram feitos, e nele, encontramos traços de autores que criticavam, dividiam ou idolatravam o sexo na Grécia.

Esses estudos sempre enfatizam que a sexualidade grega tinha uma parte luminosa e outra obscura.

O sexo era natural, divino e sempre era realizados como forma de adoração, sendo assim, era apreciado por todos.

Jamais foi descriminado e o senso de pudor [enfatizado após o advento do cristianismo], não existia porque não havia o “não-divino” na sexualidade grega.

Dizem que a parte obscura da sexualidade grega estava no culto aos Mistérios Femininos de Samatrácia que – dizem – envolvia sacrifício de rapazes em algum ponto da história.

Mas o importante é dizer que a sexualidade grega – em meu ponto de vista pessoal – foi a que mais desenvolveu a sacralidade do rito mágico do sexo, porém, foi a sexualidade grega que – também em um ponto de vista pessoal – degenerou e inspirou a degeneração de seus ritos e mistérios. É nesse ponto que vejo a divisão entre luminoso e obscuro.

A sexualidade foi tão desenvolvida que as mulheres foram divididas em três classes:


  • Hetairas: Prostitutas de alta classe.

  • Diteríadas: Mulheres submissas totalmente aos caprichos masculinos.

  • Auletridas: Mulheres com dons musicais e artísticos.

Todas elas distinguidas com roupas especiais.

Podemos dividi-las em primeira, segunda e terceira classe, como a estrutura acima.

De todas as três classes, as mulheres que mais sofriam eram as da segunda classe que de forma ignorante não tinham direito a nada, muito menos a cidadania. Enquanto isso as outras duas classes eram as mulheres especiais que participavam do mais alto escalão social grego.

O mais sensual dos Deuses gregos é Dionísio,10 o Deus do vinho e do prazer sexual. Seus mistérios eram celebrados com rituais orgiásticos e com bebedeira. Sua contra parte latina era Bacchus, adorado pelas mulheres de forma selvagem e desregrada.

O sexo em grupo [orgias] fazia parte do culto a Dionísio e lá, não havia discriminação pois, como dito antes, o sexo era o presente dos Deuses e sua forma mais sublime de adoração.


Sexualidade em Roma
Assim como na Grécia as mulheres eram divididas em classes, também ocorria essa divisão em Roma, porém, a história nos conta que assim como Roma copiou os Ritos gregos, assim também ela os degenerou e os levou a derrocada para ficarem nas lendas históricas.

As classes de mulheres se dividia da seguinte forma:




  • Delicatae: Mulheres exclusivas dos homens ricos e proeminentes.

  • Famosae: Filhas, irmãs ou esposas de homens ricos. Essas simplesmente adoravam e veneravam o sexo em sua pior característica.

  • Dorae: Mulheres que andavam nuas pela cidade fazendo comércio de seu corpo.

  • Lupae: Mulheres que como as Dorae faziam comércio de seu corpo, porém, andavam vestidas e comerciavam em baixo de pontes, atrás do Coliseu. Eram conhecidas também como mulheres-lobo.

  • Elicariae: Mulheres que ganhavam a vida fazendo pães em formato de Falo.

  • Copae: Mulheres que trabalhavam em tavernas e estalagens. Elas eram contratadas para passar a noite com os viajantes.

  • Noctiliae: Mulheres que caminhavam somente a noite para fazer uso de seu corpo.

A essa última classe de mulheres podemos somar as Bustuariaes, as Blitidae, as Forariae e as Gallinae.

Hoje em dia o comércio do corpo é um ligeiro derivado ou cópia dessa última classe de mulheres. Em alguns lugares ainda encontramos as prostitutas que são a cópia das Copae.

Assim o leitor poderá ver como Roma perdeu a pureza dos ritos sexuais e afundou com a filosofia orgiástica.


Sexualidade Bíblica
Estudiosos sustentam que a divindade dos Judeus, Jeová, era uma divindade fálica.

A história nos mostra que nem sempre os Judeus adoraram uma divindade única e muito menos com características masculinas.

A Deusa Anat ou Anath foi adorada durante muitos séculos por eles; pilares fálicos foram erguidos para a sustentação dos Templos e neles contento escritas mágicas de invocação, provando assim, que não eram simples pilares.

Embora o modo de vida seja totalmente patriarcal, é a mulher quem manda em casa e a mesma tem privilégios na sociedade.

Se uma mulher casa-se com um homem que não é judeu, ela tem uma prole de filhos judeus da mesma forma. Porém, se é o contrário, se um homem se casa com uma mulher não judia, sua prole de filhos também não serão judeus.

A própria bíblia enfatiza a caracterização da mulher com a Deusa. O estudante pode comprovar isso lendo “A Canção de Débora” (Juizes V); pode também comprovar a linguagem sexual bíblica nas “Canções de Salomão”.

Em várias pastagens vimos que Pedro [o Apóstolo] é chamado de “a pedra”. Na doutrina esotérica cristã, vimos que Pedro é “PATAR”, simbolizado como “P.T.R.” no altar dos Gnósticos. Nesse mesmo altar [dos Gnósticos] encontra-se a “ARA”, ou seja, a pedra simbolizando o altar quando o mesmo não é de pedra pura, a Pedra Filosofal.

A “ARA” só não está presente no altar quando o mesmo é de pedra pura [um bloco de 1m de altura por 1m de comprimento e 1m de largura podendo ser de mármore ou outro tipo de pedra] ou uma caixa [nas mesma medidas] contento pedras dentro. A “ARA” sempre tem uma medida que vai de 25cm de largura, altura e comprimento.

Autores sempre enfatizam que o sexo é a pedra de tropeço.

Também vemos que os pilares de Salomão recebem nomes próprios, também indicando que não eram simples colunas.


Olvidaste a Rocha que te gerou...Só Ele é minha Rocha e minha salvação.”

Salmos 62:2
Os termos Rocha e Pedra são usados com freqüência para se referir a testículos, e, desde os primórdios da história até a idade média, os juramentos, votos e promessas eram feitos com a mão colocada sobre a pedra sagrada, ou seja, nos testículos.

Esse costume sobrevive em regiões do oriente ainda.


Sexualidade e criatividade mágica
Encontramos em todo ser humano e também nos ocultistas contemporâneos o vício de se viver no passado.

Antigos rituais são praticados até hoje e esses mesmos Magistas sempre enraizados neles.

Vejo pessoas praticando antigos rituais da Golden Dawn [Aurora Dourada]. Claro que a tradição tem de ser mantida, porém, todos sabem que rituais mágicos revelados publicamente não tem nenhum valor mágico [do contrário Kenneth Grant revelaria os rituais de sua reformulada O.T.O. e Crowley não revelaria os Rituais da Golden Dawn]. Sendo assim, é imprescindível que o Magista saiba que em suas gônadas sexuais encontra-se uma usina de fonte misteriosa que pode dar a ele poderes sobre os elementos e comandar os mistérios da vida e da morte se essa usina for utilizada da maneira correta.

A energia sexual é fonte de inspiração para todo Magista e esse, pode muito bem, formular seus rituais [se a experiência contar como bagagem].


por toda história registrada do mundo e de suas religiões, o poder do sexo sempre foi uma força motivadora, mesmo quando não era reconhecido como tal. Ele foi elevado às alturas e atirado as profundezas mais objetas da humanidade, mas nunca deixou de ser, por si mesmo, o Dom supremo do Criador.”

Dolores Ashcroft-Nowicki
Um breve resumo sobre os preconizadores contemporâneos da Magia Sexual
Autores como Nicolas Flamel (dizem, 1330-1418), Funcanelli e até mesmo Blavatsky falaram sobre a Magia Sexual.

Já no século XIX, Eliphas Levi (1810-1875) já falava veladamente ou nas entrelinhas sobre a Magia Sexual, Bem como Papus (1865-1916) assim também o fez.

De todos os autores ocidentais, somente três escreveram abertamente.

A Magia Sexual foi introduzida na O.T.O. por Karl Kellner (1850-1905), seu fundador. Ele foi iniciado nas doutrinas tântricas por Bhima Sem Pratap e Sri Mahatma Agamya Guru Parahamamsa. Existe ainda uma possibilidade de que o ocultista árabe Soliman Bem Aifha pessoalmente tenha induzido Kellner aos mistérios da Corrente Ofídica como diz Grant.

Aleister Crowley (1875-1947) atordoou a comunidade européia com seus escritos e ao entregar para humanidade o Livro da Lei.

Crowley entra na ordem em 1910 e se torna Rex Summus Sanctissimus em 1912 para as Ilhas Britânicas.

Assim que se tornou chefe da O.T.O. como Cabeça Externa da Ordem (O.H.O.) com o nome mágico de Baphomet X°, introduziu a Lei de Thelema na Ordem.

Dr. Krumm Heller, então membro da AA e da O.T.O., após receber seu VIII°, fundou na América Latina a FRA [Fraternitas Rocicruciana Antiqua], órgão ou escola esotérica. Em seus escritos internos ele descreveu os métodos de Magia Sexual da O.T.O. e desenvolveu seu próprio método. Com esse ele estruturou todo seu sistema de ensino.

Ao Dr. Krumm Heller devemos a vinda da Igreja Gnóstica para a América Latina.

A América Latina ainda desfrutou do conhecimento tântrico de Samael Aun Weor (1917-1972), fundador do Movimento Gnóstico.

Esse autor abalou a América Latina com seus escritos – assim como Crowley fez na Europa.

O problema é que Samael, mesmo com todo o seu conhecimento, nunca foi visto com bons olhos. Isso por vários motivos que vão desde o plágio de outros autores até a mentiras em seus escritos.

Pesquisas mostram que na realidade ele foi um grande copista, principalmente de Krumm Heller [com seu sistema de Magia Sexual] e de Crowley [em seu sistema de rituais mágicos].

Crowley se definiu pelo caminho tântrico da mão esquerda; Krumm Heller parece ter adotado os dois caminhos, enquanto Samael defendeu até a morte o caminho da mão direita.

Todos os três autores defenderam e praticaram a Missa Gnóstica.

Crowley escreveu Liber XV Ecclesiae Gnosticae Catholicae Canon Missae, a Missa da EGC: Ecclesia Gnóstica Catholica, onde diz ter seguido fielmente os antigos ritos.11

Krumm Heller trouxe para a América Latina e a praticou como Crowley a formulou. Depois de sua morte [a de Krumm Heller], ouve uma separação com a FRA, sendo que a brasileira ficou independente da FRA Internacional.

A FRA no Brasil, como já não tinha ligação com o exterior e muito menos com a O.T.O. tomou novos rumos, se tornou cristã e adulterou a Missa formulada por Crowley.

Quem puder assistir a Missa Gnóstica da FRA brasileira notará sua semelhança com a Missa realizada pela Igreja Romana.

Samael Aun Weor fez sua própria Missa Gnóstica baseando-se em Liber XV e na Missa Católica.

Se formos comparar as Missas, a de Samael e a da FRA brasileira são bem semelhantes.

O estudante sério estudará a Missa Gnóstica por que nela estão contidos os segredos da Magia Sexual.

II
Energia
AGORA por fim, ó meu Filho, posso Eu trazer-te à compreensão da Verdade desta Fórmula que está escondida na Missa do Espírito Santo. Pois Horus que é o Senhor do Æon é a Criança coroada e conquistadora. A Fórmula de Osíris era, como tu sabes, uma Palavra de Morte, isto é: a Força jazia longo tempo em Escuridão, e por Putrefação chegava à Ressurreição. Mas nós tomamos Coisas vivas, e derramamos nelas Vida e Espírito da Natureza de nossa própria Vontade, de forma que instantaneamente e sem Corrupção a Criança (como se fosse a Palavra daquela Vontade) é gerada; e de novo imediatamente toma sua Habitação entre nós para se manifestar em Força e Fogo. Esta Missa do Espírito Santo é então a verdadeira Fórmula da Magia do Æon, sim, do Æon de Horus, abençoado seja Ele em Seu Nome Ra-Hoor-Khuit! E tu abençoarás também o Nome de nosso Pai Merlin, Frater Superior da O.T.O., pois que por Sete Anos de Aprendizado em Sua Escola Eu descobri este excelso Caminho de Magia. Sê diligente, ó meu Filho, pois nesta Arte maravilhosa não há mais Esforço, Sofrimento, e Desapontamento, como havia no morto Æon dos Deuses Sacrificados.”

Aleister Crowley
A Energia de Deus no Homem
Tudo vem de Deus e tudo o que se manifesta através do homem como energia, é, na origem, uma energia divina; mas essa energia produz efeitos diversos, consoante o condutor através do qual se manifesta. Podemos compará-la a eletricidade. A eletricidade é uma e energia cuja natureza se ignora, mas que, ao passar através de uma lâmpada, se transforma em luz, se bem que não seja luz. Se passar por um fogão, será calor; por um imã, será magnetismo; por um ventilador, será movimento. Do mesmo modo, existe uma força cósmica original que toma qual ou tal aspecto, conforme o órgão do homem, como se manifesta. Através do cérebro, torna-se inteligência, raciocínio; através do plexo solar, torna-se sensação e sentimento; quando passa pelo sistema muscular, torna-se movimento e, finalmente, quando passa pelos órgãos sexuais, torna-se atração pelo outro sexo. Mas é sempre a mesma energia.

O sexo é uma saída, um veículo para a energia, é uma direção para ela, é onde ela se aplica.

A energia da vida. Ela se manifesta nas mais variadas direções e o sexo é uma delas.

Quando dizemos “energia sexual”, significa energia que flui pelos canais sexuais através das zonas biológicas.

Essa energia, como dito antes, pode ir em várias direções e se expressar de maneiras diferentes no universo.

Quando expressada biologicamente, ela é sexo. Quando expressada emocionalmente ela pode se tornar amor, ódio... Quando expressada intelectualmente, ela pode se tornar matemática, pode ser científica, literária... Quando ela usa o corpo – e sempre usa um corpo – ela pode se tornar física, quando através da mente, mental.

Não existe diferença da energia como tal. Ela é uma só e se manifesta de maneiras diferentes em veículos diferentes, dessa forma notamos que ela é uma só, se manifesta de várias maneiras em manifestações aplicadas.

A energia em si é pura e simples. Quando se manifesta através da porta divina ela torna-se divina também, espiritual.

Os nomes e as formas são sempre levados em consideração com a aptidão manifestada. Nomes e formas são aplicáveis à energia pura como tal.

O interessante é saber distinguir ente a forma e o conteúdo...

A energia sexual vem, pois, de muito alto, mas ao passar pelos órgãos genitais produz sensações, uma excitação, um desejo de aproximação, e pode acontecer que nestas manifestações não exista amor absolutamente nenhum. O amor começa quando essa energia toca, simultaneamente, outros centros do homem: o coração, o cérebro e etc...

Esse momento em que há o impulso, o entusiasmo energisado que aflora o desejo de aproximação, é aclarado, iluminado por pensamentos, por sentimentos, por um gosto estético, já não se procura uma satisfação puramente egoísta...

O amor é sexo... Mas alargado, esclarecido, transformado. É quando não se limita, quase exclusivamente à algumas sensações físicas grosseiras, mas quando se sente os graus superiores dessa força cósmica nos invadir e comungarmos com as regiões celestes. Porém, o alívio físico e também a sensação de fulgor apaixonado e êxtase divino e supremo é compreendido como o amor celeste prazeroso... Enfim, a natureza do amor além se ser incontestável é indiscutível e impronunciável...

A espiritualidade começa justamente quando o amor domina o sexo.

O sexo é de origem divina, porém, enquanto o homem não dominar a si mesmo, as manifestações não serão, evidentemente, divinas.

Ele trabalha para a manifestação mágica da espécie e se encarado somente, única e exclusivamente como prazer, então torna-se atoleiro ao invés de balsa para a eternidade.

É uma pena ver que a humanidade não foi instruída para ver nesse divino sacramento o bem que faz quando conduzido de forma equilibrada para se alcançar as esferas divinas de iluminação.

Em uma relação sexual, são as mesmas carícias, os mesmos beijos e sarros, os mesmos abraços... A diferença se encontra na direção em que as energias são distribuídas. O sexo e o amor não têm, pois, grande diferença no plano físico, mas sim, nos planos mais sutis da natureza. Esses, somente são vistos por aqueles que, sabendo de uma importância universal, se dedicam aos exercícios espirituais. Outros, porém, com capacidades assim, as vezes nascem com o Dom.

O amor... Afinal, é somente uma questão de graus e manifestações que se torna impossível enumerar ou classificar.

O sexo quando conduzido de forma vulgar, produz nos planos sutis da natureza isso que será falado mais adiante como Íncubos e Súcubos, larvas astrais e demais espécies de erupções vulcânicas que se manifestam por meio de formas grosseiras e emanações muito espessas com cores baças, misturadas onde a cor predominante é o vermelho sujo. Todas essas emanações criam essas criaturas tenebrosas que aguardam o momento de seu crescimento e desenvolvimento para aterrorizar a vida de quem os criou inconscientemente.

Essas criaturas, se apossam daqueles que estão usando as forças vitais viris de maneira não natural. São criaturas pouco evoluídas que se alimentam (vampirismo) à custa dos amantes que por desconhecerem certos princípios esotéricos, místicos, ou simplesmente por não possuírem um determinado grau de iniciação (interna), dão à elas o que querem, a energia necessária para crescerem. Quanto mais elas vampirizam mais elas querem...

A natureza humana é muito mutável. Em alguns casos, a troca constante de parceiros não trazem benefícios internos e externos. Alguns se empobrecem: no seu olhar, na cor de seus olhos, nos seus movimentos e em toda sua maneira de ser, aparece qualquer coisa que já não é tão viva e tão luminosa. Isso porque sua troca, seu amor, atraiu e criou essas criaturas ou vampiros psíquicos...

Mas como disse, a natureza humana é muito mutável. Existem casos que o inverso aconteceu e acontece em todos os sentidos. Parece que a troca constante de parceiros gerou mais luz e mais magnetismo, fazendo com que a pessoas brilhasse em todos os campos de sua vida.

Isso nos mostra que o nível psicológico do ser humano tem níveis e níveis de atuação. É como fazer um ritual com o Pentagrama invertido. Aquele que é contagiado pelo dogma do separatismo, ou seja, bem e mal, com certeza acha que o Pentagrama invertido é sinal de Magia Nega. Nesses casos, esses que assim crêem, ao realizar uma operação com o Pentagrama invertido vão atrair essas forças que eles acreditam, ou seja, o mal. Porém aquele que não se contagia com esse dogma separatista, vê que tudo faz parte de uma só coisa, ou seja, vê que Set é tão necessário como Hórus e assim consegue uni-los de forma que essa união (unidade), gera mais poder divino. Ou seja, esse que não é contagiado pelo dogma fará um ritual com o Pentagrama invertido e – vulgarmente – nem notará a estrela. Ele simplesmente absorverá a energia do ritual e mais nada.

Voltando ao assunto, nunca homens e mulheres foram ensinados a se proteger de tais criaturas – e muito menos a criá-las – pois, sua origem encontra-se na ignorância – o verdadeiro mal da humanidade.

Assim, vemos que o sexo é religião em si.

As emoções religiosas brotam do poder animador da natureza sexual. A religião fálica adora o mistério da vida, da criação ou reprodução em todos os seus níveis. O conúbio sexual para os adoradores do sexo é a iluminação do êxtase, o Samadhi.

Toda união é motivo de criação e expressão. O sexo é o amor, é ressurreição.

Aqueles que conduzem a força sexual com destreza são dotados de um fator chave, um gênio indomável que transforma o chumbo da personalidade no ouro do espírito.

A energia de Deus no homem, manifestada na sexualidade demonstrada nos ritos fálicos, transforma os praticantes em estrelas luminosas completamente despertas.

É de suma importância que os praticantes do rito fálico terminem suas operações sem permitir que a mente interfira no ato em si. Eles devem estar completamente concentrados em sua obra, em sua Vontade manifesta na ação e no produto que essa expressar. A mente deve estar completamente desprendida do mundo e dos desejos grosseiros. Esse tema é abordado posteriormente.
Transmutação
É necessário que o estudante saiba que o principio da prática da Magia Sexual é a transmutação de sua energia – sêmen.

Porém, o que vem a ser uma transmutação?

É a transformação de uma substância em outra. Qualquer ser humano transmuta pois isso engloba o que pensamos, o que sentimos, o que comemos e as impressões que recebemos diariamente.

A transmutação sexual é de certa forma fácil, digo isso porque se torna muito difícil para o ser humano transmutar uma emoção inferior em uma superior ou até mesmo um estado de infelicidade eu um estado de felicidade.

Mais difícil torna-se mutar uma energia transmutada.

Assim o homem que segue o caminho da Magia Sexual ou o tântrico ou até mesmo o chamamos de alquimista não é só aquele que transmuta a energia sexual, também, aquele que transmuta os distintos estado emocionais e mentais.

Nesse contexto ele é aquele que sabe mutar todas as suas energias transmutadas.

Mutação – nestes termos – é a sábia utilização das energias transmutadas.


Energia, fator vital para a realização
(...) a quantidade é tão importante quanto a qualidade...”

Aleister Crowley
Os iniciados do santuário da Gnosis poderão comprovar que é necessário sempre um potencial energético transmutado para poder realizar a Obra com a devida perfeição.

Sendo assim o iniciado prático do IX° O.T.O. deve procurar carregar-se de energia e tratar de não perdê-la, porém, isso, deve ser tratado com muita sensibilidade para que não haja confusões no caminho, seja ele o escolhido pelo iniciado. Lembrem-se que tanto o caminho seco quanto o molhado, ou seja, o caminho da Magia Sexual sem e com ejaculação seminal, a energia deve ser mantida. No caminho seco ela não é jogada para fora, porém, no caminho molhado ela o é, assim ela deve ser reabsorvida.

Como podem ver a energia não se perde.
Materia Prima Lapidis Philosophorvm
Essa é a energia sexual que sai do Phallus do varão e na mulher é produzida pelos átomos de sua libido sexual.

Essa energia sexual deve ser aquecida pela parceira ou Sacerdotisa e isso se consegue mediante carícias, beijos e etc.

Muitos iniciados se retiram do coito quando essa energia não está aquecida em 100% e isto é um mal trabalho no que se diz respeito a transmutação desta matéria prima. É necessário dizer que há níveis e níveis de aquecimento desta energia. Cada um com a prática reconhecerá seu nível e saberá aumentá-lo gradativamente a medida que a constância for aumentando.

Lembrem-se do ditado: “A água tem de ferver a 100.º C”, dizem os alquimistas.

O iniciado no Santuário da Gnosis reconhecerá seu nível somente pela prática lembrando-se que nossa divisa é Thelema.

É importante dizer que o iniciado que não espera o ponto limite dos 100% e se retira do coito antes disso não logra a perfeita transmutação de sua energia sexual.


A pureza da energia
A energia sexual é um hidrogênio. Esse hidrogênio é composto por uma série de transmutações anteriores a sua formação e é estritamente necessário que o iniciado tenha um hidrogênio de boa qualidade para seu trabalho com a Magia Sexual, não importando o caminho que se segue, o hidrogênio tem sempre que ter uma boa qualidade.

Para adquirir uma pureza neste hidrogênio devemos ter em mente que ele é o produto de sucessivas transmutações, sendo assim, o iniciado deve se precaver de sempre fazer uma transmutação perfeita em todos os gêneros que esse tema implica, ou seja, o iniciado do IX° O.T.O. deve sempre tomar muito cuidado em transmutar o que pensa, o que sente e o que come.

O objetivo deste hidrogênio é energisar não só o corpo físico mas também os outro corpos existentes no diagrama interno do homem.

O corpo físico deve ser solarizado, bem como todos os outros corpos existentes no ser humano. Falo do corpo etérico, astral, mental e etc.

Agora sabendo disso lhes pergunto, como poderá o iniciado energisar e solarisar seus corpos se sua energia sexual não tem uma boa qualidade?

Neste caso, o resultado é um trabalho imperfeito e todo bom iniciado sabe que é de extrema necessidade ter um perfeito corpo astral para a realização de um trabalho mágico de nível superior.

Aqui também é necessário dizer que não basta apenas ter o cuidado com a transmutação de todos os hidrogênios. O iniciado deve ter uma higiene perfeita, um cuidado com o corpo para que este não se debilite e cuidar sempre de sua saúde através de purificações. Um bom banho de plantas é uma boa purificação não só para com o corpo físico, principalmente para o corpo etérico e astral, sendo estes os que mais sofrem ataques astrais por íncubos, súcubos, larvas e demais vampiros de energia. Tudo isso serve para limpar o iniciado de fluídos e larvas astrais.

As larvas astrais causam danos ao iniciado e entre muitos desses danos um é que com constância eles impedem-no de ter suas lembranças astrais, o que também é muito importante para o caminho da iniciação.

Uma boa medida contra isso é usar enxofre nos sapatos.

Crowley em Os Comentários Mágickos & Filosóficos do Livro da Lei diz: “Se bem que este talismã [sêmen] tem uma tal miraculosa pujança, ele é também intensamente sensitivo. Colocado em um ambiente impróprio, ele pode produzir perversões grotescas e malignas da palavra de seu pai. Não só os pecados do pai, mas os da mãe, sim, e mais, aqueles da sociedade em que os pais vivem, são visitados nos filhos [esses filhos, neste sentido, podem ser o súcubos gerados] até a terceira e Quarta geração. Não, mais, o malfeito nunca pode ser reparado. Um homem pode destruir em um minuto seu reino, herdado de incontáveis dinastias de prudência biológica.



Será também admitido, sem referencia à magia, que o abuso do talismã conduz a infortúnio moral, mental e espiritual. Crime e insanidade, tanto quanto doença e debilidade são constantemente vistos como resultado direto de má administração da vida sexual, quer taticamente, estrategicamente, ou de ambas as maneiras.

O Livro da Lei dá ênfase a importância destas considerações. O ato de amor deve ser espontâneo, em absoluta liberdade. O homem deve ser verdadeiro para consigo mesmo. Romeu não deve ser empurrado em direção a Rosalina por motivos de família, de sociedade, ou de finanças. Desdemona não deve ser barrada de Otelo por razões de raça ou religião. O homossexual não deve blasfemar sua natureza e cometer suicídio espiritual suprimindo amor ou tentando pervertê-lo, como a ignorância e o medo, a vergonha e a fraqueza, tão freqüentemente o induzem a fazer. Qualquer que seja o ato que expressa a alma, aquele ato e nenhum outro é correto.

Mas por outro lado, qualquer que o ato [conúbio sexual] seja, ele é sempre um sacramento; e por mais profano que seja ele é sempre eficiente. Profaná-lo é apenas transformar comida em veneno. O ato deve ser puro e apaixonado. Deve ser tido como a União com Deus no coração do Santo dos Santos. Não devemos jamais esquecer que uma criança [neste caso um súcubo] nascerá daquele ato. Devemos escolher o ambiente apropriado à particular criança que queremos criar. Devemos assegurar que a Vontade consciente é escrita, nas águas puras de uma mente calma, em letras de fogo, pelo Sol da Alma. Não devemos criar confusão no talismã (...). Se nossa Verdadeira Vontade, o motivo de nossa encarnação, é trazer paz sobre a terra, não devemos executar um ato de amor com motivos de ciúme ou emulação.

Devemos fortificar nosso corpo ao máximo e protegê-lo contra todo o desastre, de modo que a substância do talismã possa ser tão perfeita quanto possível. Devemos acalmar a mente, aumentando o conhecimento dela, organizando seus poderes, resolvendo seus emaranhados (...) enquanto, suportando a concentração da Vontade por suas fronteiras fortificadas, e, como entusiasmo unânime, aclamando o senhorio que expressa o ato. A Vontade deve selar-se sobre a substância do talismã. Deve, em linguagem alquímica , ser o Enxofre que fixa o Mercúrio, que determina a natureza do Sal. O homem todo, em sua mais íntima Divindade até a ponta de sua menor pestana, deve ser uma máquina a motora, desembaraçada de qualquer peso morto, sem nada inútil, sem nada inarmônico (...). Deve se entregar completamente naquele ato de amor. Deve cessar de se conhecer como o que quer que seja senão a Vontade. Não deve ter a Vontade; deve se transformar por completo para ser a Vontade.

Por último o ato deve ser supremo. Deve fazer e deve morrer. Daquela morte deve erguer-se de novo, purgado daquela Vontade, tendo-a realizado perfeitamente que nada resta dos elementos dela. Deve ter se esvaziado no veículo. Assim sua criança será inteira de espírito.

(...) Há métodos mágicos para se estabelecer um elo entre a força gerada e a matéria sobre a qual desejamos que a força haja; mas tais são, em sua maior parte, melhor comunicados por instrução privada e desenvolvidos pela prática pessoal. A crua descrição é um mero esqueleto e (assim mesmo) desvia com mais freqüência do que guia.”

O texto acima enfatiza a conduta do iniciado com relação a sua substância mágica, ou seja, seu sêmen, o veículo com o qual o Mago cria no físico e naquele lugar que fica tão longe dos olhos humanos.

Acima está exposto o caráter da ação mágica com relação ao processo da criação – por Vontade ou ignorância – tanto de íncubos como de súcubos.

Outro ponto a ser tratado aqui é a qualidade dos estados internos em relação a energia produzida, ou seja, quando o iniciado se identifica com as casualidades da vida e tem uma descarga de ira, ou uma descarga emocional, ou qualquer manifestação de instinto que produza reação no sistema nervoso, toda a atmosfera pesada – que fica na psique – gerada por tal descarga atrapalha na formação desta energia.

Com a energia contaminada por este tipo de descarga o iniciado não consegue realizar sua Obra, não importa o caminho, tanto o tantra da mão esquerda quando o da mão direita não são possíveis de se completarem com essa energia contaminada.
Energia, matéria e consciência
CONSIDERA, além do mais, meu Filho, a Economia deste Caminho, como é de acordo com o Tao, cumprindo-se por completo dentro de tua própria Esfera. E está perfeitamente harmonizado com tua própria Vontade em todo e cada Plano, de forma que toda e cada Parte da tua Natureza regozija-se com cada outra Parte, comunicando Louvor. Agora então aprende também como esta Fórmula é aquela dal Palavra ABRAHADABRA. Primeiro, HAD é o Triângulo ereto sobre Quadrados gêmeos. De Hadit Eu não preciso escrever, pois Ele Se escondeu no Livro da Lei. A Substância é o Pai, o Instrumento é o Filho, e o Êxtase Metafísico é o Espírito Santo, cujo nome é HRILIU. Estes então são o Sol, Mercúrio e Vênus, cujas letras sagradas são R, B e D. Mas a última das diversas Letras é H, que no Tarô é A Estrela cujo Eidolon é D; e aí está aquele Arcano concernente ao Tao de que Eu já te escrevi. Disto Eu não escreverei com maior clareza. Mas nota isto, que nossa Trindade é nosso Caminho Centrípeto no Sistema Solar, e que H, sendo de Nossa Senhora NUIT Estrelada, é uma Âncora para esta Magia, que de outra forma poderia negar nossa Compleição de Relação com o Externo como com o Interno. Meu Filho, pondera estas Palavras, e lucra delas; pois Eu trabalhei astuciosamente para ocultar ou revelar, de acordo com tua Inteligência, ó meu Filho!”

Aleister Crowley
Essa energia sexual é algo divino e o que mais poderoso possuímos, ela é a espada flamígera do Mago. Sim, este é o poder de seu sêmen.

Este sêmen quando transmutado de maneira certa libera seus vapores seminais que só são liberados após os chamados “100.º C”.

Esses vapores chegam a solarisar até o corpo da Vontade Consciente ou o que chamamos de corpo causal. Esses vapores são os responsáveis pela solarização dos corpos internos. Enquanto isso, ou seja, enquanto esses vapores são liberados o iniciado tem duas opções, ou segue pelo caminho seco e deixa que a matéria seminal seja absorvida pelo corpo e indo direto alimentar o sangue ou seguir pelo caminho molhado e ejaculá-lo dentro da Sacerdotisa para que está matéria prima se mescle com os licores femininos e assim fique com mais energia e potência. Neste último caso o iniciado deve reabsorvê-la pois a função da matéria seminal é energisar o corpo físico. Eis o sentido da Eucaristia.

Como disse antes o sêmen é poderoso e o que não disse é que ele é vivo e qualquer um sabe disso.

Se ele é vivo possui então o que chamamos de uma consciência própria e universal, pois como disse, ele é divino, ele cria.

Essa consciência escapa e une-se a consciência do iniciado na hora exata em que a transmutação ocorre.

Na hora em que o iniciado sente o espasmo é porque a energia encontra-se na temperatura certa. Neste momento ele com suma Vontade aperta os esfíncteres e com imaginação criativa e visualização ele os átomos seminais se soltando da parte física do sêmen e subindo por ida e pingala até atingirem o Cálice, ou seja, a mente.

Assim ele escolhe em reter ou derramar no Cálice de Nossa Senhora BABALON, ou seja, a vulva feminina. Ali, no Cálice, a matéria seminal mescla-se como disse anteriormente com os licores femininos e fica extremamente poderosa para ser reabsorvida pelo iniciado.


Obstáculos para a rota da energia
Os vapores seminais vão subindo e energisando os corpos internos de dimensão em dimensão.

Agora a pouco falei das larvas astrais e aqui novamente toco no assunto pois é importante que o iniciado saiba que se ele possui, grudado em si, algum tipo de larva astral, íncubo ou súcubo, este será um obstáculo a sua energia transmutada, pois como disse antes, estes seres são vampiros e parasitas, assim sendo eles vivem grudados naqueles que mais emitem energia e um iniciado que trabalha com a Magia Sexual torna-se uma bucha literalmente porque sua energia é muito grande.

Assim ele é alvo destes parasitas e o pior de tudo é que se ele não tiver domínio sobre si mesmo ele próprio pode criar seus próprios parasitas.

Um iniciado com a energia bem transmutada pode perdê-la facilmente se estiver sendo parasitado pois o parasita ficará com toda a energia e cada vez mais se tornará mais forte e quanto mais forte for mais energia sugará.

Aqui mais uma vez bato na tecla das purificações diárias, do enxofre nos sapatos – os vapores etéricos liberados limpam o iniciado pois o elemental desta substância é um dos mais poderosos – a prática constante do Pranayama também é muito útil para o domínio do elemento ar, ou seja, os pensamentos. É necessário ter pensamentos serenos para evitar a criação de mais larvas.

Para os iniciados que seguem os caminho molhado esse perigo de formação de larvas é constante – não que aquele que segue o caminho seco não corra esse risco – pois elas necessitam de alimento, porém, como o sêmen é reabsorvido pelo iniciado e ele vem impregnado com os Kalas místicos (vibrações vaginais) emanados pelas Shaktis (Sacerdotisas) na hora da operação, ou seja, quando o iniciado reabsorve a energia impregnada de força e potência, as larvas têm dificuldade em alimentar-se com essa energia.

Kenneth Grant nos diz:
Existem, sem dúvida, algumas divisões tântricas que de fato expressam a Corrente Consciência como o sêmen e, então, reabsorvem-no no sistema por um método no qual o pênis é usado como um sifão. Isto é perigoso, a menos que o praticante seja um adepto. Crowley evitava de certo modo, os perigos ao absorver a substância oralmente durante suas operações mágicas.”
A pouco disse que aqueles que seguem o caminho molhado deveriam tomar mais cuidado e isso é verdade desde o ponto de vista em que se encontra um neófito.

É muito constante ver neófitos que seguem este caminho sem uma orientação; mas o perigo encontra-se as portas desde que o iniciado, seja ele neófito ou alguém experiente, não expresse sua Verdadeira Vontade nessa energia que está sendo gerada e que gerará alguma coisa, seja ela o que for.

Como disse anteriormente o sêmen é uma arma poderosa nas mãos do Mago porque ele cria. O que quero enfatizar aqui é que o sêmen sempre criará, não importa, mesmo que ele não crie um filho físico com certeza criará um filho nas dimensões a que o homem comum não consegue perceber. Esse filho é o que chamamos de súcubo.

Grant continua sua explanação:


aquilo que é ejaculado como sêmen é a energia não absorvida (prana ou ajas) e ele sempre contribui para a criação de formas materiais, alojadas num útero ou não. Caso contrário, o trasbordamento (como na masturbação, sodomia, felação, etc.) é tomado pelo astral e por entidades Qliphóticas e transformados em organismos já existentes nos planos sutis. Paracelso refere-se aos homúnculos (criaturas geradas artificialmente) feitas de esperma independente do organismo feminino e às larvas astrais e monstros parasíticos construídos da substância de imaginações voluptuosas.”
Para que o ato seja sacramentado o iniciado deve ter uma mulher escarlate (Shakti) a altura de seu deleite, porém, por ela sentir algo superior ao que chamamos apenas de luxúria.

Nos comentários de Crowley a respeito dos ritos que envolvem o segredo do IX° O.T.O. ele jamais mencionou como deveria ser a escolha de uma Shakti, mas no Livro da Lei podemos encontrar uma citação que se adequa a isso: “Magníficas bestas de mulheres com longos membros, e fogo e luz em seus olhos, e massas de cabelos flamejantes a sua volta...”

Digo isso porque no momento deste coito mágico o iniciado deve ter em mente a realização da consecução de sua Vontade e se isso não for perfeito, se sua Vontade não for forte o suficiente ele poderá gerar algo que não estava previsto, assim como foi dito acima.

Na minha concepção, a criação de um súcubo jamais poderia ser algo movido pelo inconsciente – mas na maioria das vezes são – e sim algo premeditado pelo próprio iniciado, ou seja, todo aquele que se encontra a estudar o ocultismo deveria saber que tais criaturas são geradas facilmente e que se fosse realmente necessário a existência desse tipo de criatura o Mago deveria criá-la como o resultado de sua Verdadeira Vontade, não algo meramente ligada ao acaso. Infelizmente é isso que acontece, íncubos e súcubos são gerados por pessoas – as vezes até experientes – inconscientemente.

A energia deve ser transmutada e levada a seu ponto máximo de modo que não seja sugada ou abafada em seu percurso até que alimente os corpos internos de um iniciado.
Fixação da energia (mutação) e a disciplina esotérica
Depois que a energia foi transmutada é necessário que ele passe por um processo de mutação para não ser perdida, devemos fixá-la de forma que ele possa continuar a nos dar frutos como uma árvore bem cuidada.

A mutação ou fixação da energia consiste em após a prática de Magia Sexual o Mago realiza algum tipo de ritual, seja ele uma invocação ou evocação, ou pode fazer exercícios que prânicos, meditações ou vocalizações, consagração de Talismãs e etc.12

É importante que o iniciado saia de uma operação envolvendo a Magia Sexual tão energisado como quando entrou.

Crowley nos ensina que a melhor forma de energizar o corpo físico é com o vinho, a música e o amor (Bacchus, Apolo e Afrodite) e isso deve existir em uma operação como a que acabo de citar.13

Se nesta operação existir os três elementos de energização em conjunto com a Magia Sexual não existe possibilidades do Mago sair desernegizado.

A disciplina esotérica consiste na sistemática realizações de operações envolvendo o segredo do IX° O.T.O. para que a energia chegue ao seu limite de 100.°C.

Somente pela realização desta prática o iniciado adquire a disciplina necessária para não deixar que a energia gerada involua e crie as larvas.
A Mutação
Assim que o iniciado transmuta a energia fica estática a fim de ser usada. Assim deverá vir a inspiração. Isso pode vir até o iniciado através de alguma conferência que estiver dando, pode ser que venha pela contemplação de uma paisagem (como sempre ocorria com Crowley no alto das montanhas), pode ser que isso ocorra com o escutar de um bom concerto de música, uma poesia, etc. Cada iniciado deve buscar essas inspiração da melhor forma possível porém, sempre deve haver a contemplação de algo pois isso é a exaltação mágica e o coroamento da mutação.
A mutação, prática de vida
A mutação deve ser o pão diário do sábio, principalmente no que diz respeito a meditação. Por exemplo, as vezes o iniciado sente grande desejo de caminhar só por lugares isolados e cheios de árvores. Muitas vezes ele assim o faz e quando está nestes lugares ele sente-se a vontade e neste momentos sua inspiração é tão sublime que ele se senta ao pé de uma árvore a ali a sente, sente o prana, sente a vida e contempla a beleza de Deus em todas as coisas. Neste momento ele acaba de realizar uma prática de mutação de suas energias, está dando aquela energia transmutada uma oitava superior. Em conseqüência essa energia é jogada em seus corpos internos para que eles possam dar os frutos necessários para sua utilização.

O sentido de mutação é bem mais sublime e elevado do que apenas dar uma oitava em sua energia e sim, e é verdade, viver o momento de instante em instante e contemplar a vida como ele é, sem seu subjetivismo.

Naquele momento em meio as árvores o iniciado senta-se e medita naquilo que acredita e vive o tempo todo – pois se assim não fosse não se dedicaria com afinco ao ocultismo – Deus...

Não é possível falar de mutação da energia sem falar de invocações e evocações que são, sem dúvida, métodos de contemplação e inspiração. Sendo assim, o iniciado se inspira e se exalta neste momentos.

Assim ocorre com os Rituais Dramáticos, a exaltação do Mago na hora de um ritual cerimonial. Isso aos olhos do homem inspirado e sábio é divino.
Exercício de cura pela energia sexual
Comece a fazer assim que se levantar pela manhã.

Tire o travesseiro e deite-se de barriga para cima e relaxe.

Concentre-se em seu centro sexual até que ele comece a aquecer, ou seja, até que você se sinta excitado. Você pode tentar uma visualização sexual, porém, não se masturbe, o interessante não é perder a energia e sim transmutá-la.

Quando sentir que o centro sexual encontra-se excitado, visualize essa energia subindo pela frente de seu corpo energisando todos os chacras e vitalizando todas as glândulas. Você deve imaginar essa energia chegar até a ponta de sua língua.

Após isso concentre-se novamente em seu centro sexual.

Visualize novamente essa energia subindo, porém, desta vez pelas costas. Ela sobe por sua coluna energisando vértebra por vértebra até chegar ao céu da boca.

Agora toque o céu da boca com a ponta da língua unindo as energias.

Dessa forma você fez a união e o elo entre as energias e agora irradia essa força para onde você se propor.

Esse exercício deve ser praticado quantas vezes você quiser, porém, saiba que a concentração é seu melhor amigo nessas horas, por isso desenvolva isso em você.

Você pode utilizar esse exercício para várias coisas, para vários objetivos. Para isso você deverá desenvolvê-lo com um sistema de cores.




  • Vermelho: Vitalidade, força, magnetismo pessoal, vitalidade.

  • Azul: Relaxamento, passividade, calma e introspecção.

  • Verde: Revitalização dos chacras, prosperidade, criatividade.

  • Amarelo, dourado e rosa-forte: Relacionam-se com a cura.

  • Laranja: Bom para aqueles que ganham a vida falando ou escrevendo pois relaciona-se com a laringe.

  • Violeta e índigo: São usados para a produção de melatolina no cérebro. Estimula os sonhos místicos, tântricos e a resolução de problemas.

Seria bom que o leitor consultasse fontes onde se aprofundará em cromoterapia.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   24


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal