Figura 1 Capa Descrição da capa



Baixar 0.89 Mb.
Página1/13
Encontro02.12.2017
Tamanho0.89 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13



Figura 1 - Capa

Descrição da capa: a capa, criada pela designer Aracy Bernardes, com fundo ocre e tons que vão do vinho ao marrom, é ilustrada por metade de um rosto com destaque para olho e parte da boca no lado direito, três imagens desfocadas, sobrepostas e transparentes do meio para o lado esquerdo superior, um fluxo de letras saindo da boca da pessoa sobre fotos descoloridas de praia e flor na parte inferior. O título: Audiodescrição: Transformando Imagens em Palavras e os nomes dos organizadores: Lívia Maria Villela de Mello Motta e Paulo Romeu Filho, estão escritos com letras pretas sobre fundo ocre na parte superior e inferior da capa.

Audiodescrição

Transformando Imagens em Palavras

Lívia Maria Villela de Mello Motta

Paulo Romeu Filho

Organizadores

2010

Logo da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Audiodescrição : transformando imagens em

palavras / Lívia Maria Villela de Mello Motta,

Paulo Romeu Filho , organizadores. -- São Paulo :

Secretaria dos Direitos da Pessoa com

Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

Vários autores.

Bibliografia

ISBN 978-85-4047-00-6

1. Acessibilidade cultural 2. Audiodescrição

3. Deficientes visuais 4. Deficientes visuais -

Serviços de acessibilidade 5. Direito à informação

6. Inclusão social 7. Meios de comunicação

8. Políticas públicas 9. Tecnologia I. Motta, Lívia

Maria Villela de Mello. II. Romeu Filho, Paulo.

10-12127 CDD-303.32

Índices para catálogo sistemático:

1. Deficiência visual e a audiodescrição :



Sociologia da acessibilidade cultural e comunicacional 303.32

AGRADECIMENTOS

À Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, pelo apoio na publicação deste livro.

Aos autores dos artigos e depoimentos, por participarem da construção da história da audiodescrição brasileira.

Ao Marco Antonio de Queiroz, MAQ, autor do prefácio e nosso interlocutor na organização deste livro, pelas contribuições e discussões.

À Fernanda Cardoso, pela revisão competente e pelo envolvimento com o tema.

À Aracy Bernardes, designer da capa, pela criação e paciência para entender e traduzir o conceito.

SUMÁRIO

Apresentação: Lívia Maria Villela de Mello Motta e Paulo Romeu Filho

Prefácio: Marco Antonio de Queiroz - MAQ

PARTE I – ARTIGOS

  1. Audiodescrição: Breve Passeio Histórico: Eliana Paes Cardoso Franco e Manoela Cristina Correia Carvalho da Silva

  2. Políticas públicas de acessibilidade para pessoas com deficiência: Paulo Romeu Filho

  3. A Audiodescrição vai à Ópera: Lívia Maria Villela de Mello Motta

  4. Audiodescrição e Voice Over no Festival Assim Vivemos: Graciela Pozzobon

  5. A Formação de Audiodescritores no Ceará e em Minas Gerais: uma proposta baseada em pesquisa acadêmica: Vera Lúcia Santiago Araújo

  6. Blind Tube: conceito, audiodescrição e perspectivas: Lara Pozzobon

  7. A Primeira Audiodescrição na Propaganda da TV Brasileira: Natura Naturé um banho de acessibilidade: Maurício Santana

  8. O Signo da Cidade: Rodrigo Campos

  9. Ponto de Cultura Cinema em Palavras – a filosofia no projeto de inclusão social e digital: Bell Machado

  10. A Importância da Audiodescrição na Comunicação das Pessoas com Deficiência: Laercio Sant´Anna

  11. Olhares Cegos”: A Audiodescrição e a Formação de Pessoas com Deficiência Visual: Iracema Vilaronga

  12. A pessoa com Deficiência Visual e a Audiodescrição – relato pessoal de uma trajetória de luta por inclusão: Naziberto Lopes de Oliveira

  13. A Experiência da Vivo: Pioneirismo e Multiplicação: Luis Fernando Guggenberger e Eduardo Valente

  14. Vida em Movimento – primeiro documentário brasileiro com audiodescrição: Marta Gil

PARTE II – A PRIMEIRA AUDIODESCRIÇÃO A GENTE NUNCA ESQUECE

  1. Audiodescrição: poucas e precisas palavras: Sidney Tobias de Souza

  2. Em algum lugar do passado: Joana Belarmino

  3. A Incompletude do Olhar: Elizabet Dias de Sá

  4. Por mares nunca dantes navegados: Cristiana Mello Cerchiari

  5. Um Caminho sem Volta: Lothar Antenor Bazanella

  6. Eu ouço, eu vejo, eu sinto as mesmas emoções: Antonio Carlos Barqueiro

  7. Vendo o que a outra pessoa vê: Marcos André Leandro

  8. Fechamento de um Processo: Roger Martins Marques

  9. Enxergar sem Ver: Jucilene Braga

PARTE III – OLHOS QUE FALAM

  1. O Outro Lado da Moeda: Letícia Schwartz

  2. A Grande História da Água: Leonardo Rossi Lazzari

  3. E com a palavra os audiodescritores do Teatro Vivo: Carlos Eduardo Marçal da Silva, Marli Fernanda Nunes, Milena de Oliveira Leite, Pilar Garcia Alava, Rosilene Cortes Almeida

  4. Emprestar o Olhar: Rosângela Barqueiro

  5. A Audiodescrição no Centro Cultural São Paulo: Ana Maria Campanhã, Ana Maria Rebouças, Camila Feltre, Carmita Muylaert Moreira, Iris Fernandes, Lizette T. Negreiros, Maria Adelaide Pontes


APRESENTAÇÃO
É com muito prazer que apresentamos aos caros leitores o primeiro livro brasileiro sobre audiodescrição, uma mostra significativa da produção intelectual brasileira sobre o tema, que reúne trabalhos de professores e profissionais da área, além de artigos e depoimentos de pessoas cegas e videntes engajadas na luta pela implementação do recurso no Brasil, mais especificamente na TV brasileira.
A audiodescrição é um recurso de acessibilidade que amplia o entendimento das pessoas com deficiência visual em eventos culturais, gravados ou ao vivo, como: peças de teatro, programas de TV, exposições, mostras, musicais, óperas, desfiles e espetáculos de dança; eventos turísticos, esportivos, pedagógicos e científicos tais como aulas, seminários, congressos, palestras, feiras e outros, por meio de informação sonora. É uma atividade de mediação linguística, uma modalidade de tradução intersemiótica, que transforma o visual em verbal, abrindo possibilidades maiores de acesso à cultura e à informação, contribuindo para a inclusão cultural, social e escolar. Além das pessoas com deficiência visual, a audiodescrição amplia também o entendimento de pessoas com deficiência intelectual, idosos e disléxicos.
O livro objetiva informar profissionais de TV, cinema, teatro, museus e outras artes visuais, assim como professores e alunos de cursos de audiodescrição, profissionais da área de Letras, Tradução, Comunicação e Artes, Educação e outras ligadas a questões de acessibilidade. Além disso, servirá como material de referência e apoio técnico-teórico para pessoas que buscam conhecer a técnica, que frequentam os cursos de formação de audiodescritores e que já trabalham com pessoas com deficiência visual. Para isso, discute o conceito, o panorama mundial e brasileiro, o histórico, a experiência brasileira em teatro, TV, festivais de cinema, óperas, filmes, exposições, comerciais, animações e documentários.

Divide-se em três partes: a primeira é composta de artigos que apresentam e discutem leis e decretos, práticas e aspectos teóricos; a segunda, entitulada: A Primeira Audiodescrição a Gente Nunca Esquece, apresenta depoimentos de pessoas com deficiência visual sobre suas experiências com audiodescrição, enfatizando a relevância do recurso. Na terceira parte, Olhos que Falam, estão os depoimentos de audiodescritores, os quais relatam suas práticas com diversos gêneros de espetáculos como: comerciais, animação, peças de teatro, exposições, cinema, com destaque para o quanto a atividade contribui para o desenvolvimento pessoal e profissional de cada um. O prefácio, escrito por Marco Antonio de Queiroz, certamente, motivará os caros leitores a empreenderem uma viagem estimulante e inusitada aos caminhos já percorridos pela audiodescrição no Brasil. Aproveitem!!!

Lívia Maria Villela de Mello Motta e Paulo Romeu Filho

Prefácio

Marco Antonio de Queiroz – MAQ

Ao ser convidado para prefaciar este livro senti-me duplamente entusiasmado. Em primeiro lugar, porque a audiodescrição tem sido muito debatida entre nós, pessoas  com deficiência visual e audiodescritores, como um dos recursos de tecnologia assistiva nos meios de comunicação que mais traz autonomia às pessoas com deficiência  que dela necessitam. Discutimos  quais os melhores caminhos para a produção de uma audiodescrição de qualidade; quais técnicas devem ser levadas em conta para que  ela seja o mais informativa possível; quem é realmente gabaritado para ministrar cursos de capacitação para futuros profissionais;  quais metodologias devem ser  utilizadas nesses cursos; qual o papel das pessoas com deficiência na produção da audiodescrição; quem e quantos são os reais usuários dessa acessibilidade; a posição  insustentável da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão – ABERT – e, finalmente, as políticas públicas dos governos para garantir sua obrigatoriedade.  Essas discussões estão neste livro e o leitor conhecerá muito de audiodescrição ao tomar contato com elas.

 Fiquei entusiasmado também, em segundo lugar, devido à forma como entrei nesse barco, como essa "praia" me invadiu, como vim parar aqui para escrever sobre este livro para seus leitores, no final, todos nós. O que me deixa arrepiado até hoje foi a emoção que senti ao vivenciar, pela primeira vez, a audiodescrição. Temos, com este livro, a oportunidade de mostrar ao leitor a experiência de cada um, seja como usuário, seja como produtor, seja como pessoa com deficiência e/ou audiodescritor, deixando ao leitor um leque de experiências práticas e teóricas, que poderão contribuir para a divulgação e o crescimento da audiodescrição no Brasil, um dos objetivos desta publicação.

 

Minha experiência com a audiodescrição começou certo dia, no início de agosto de 2007.  Estava em frente ao meu computador fazendo algum trabalho quando recebi um  telefonema. Meu telefone fixo tem bina falante, acessível e, mesmo não reconhecendo o número que tocava, atendi. Era Lara Pozzobon, curadora do, na época, 3º Festival  Internacional de Filmes sobre Deficiência. Ela me convidava para ser jurado do festival. Aquela desconhecida estava propondo que eu fosse jurado de um festival internacional  de cinema?



 Tudo bem, algumas pessoas não entendem como posso desenvolver acessibilidade em sites na web, criar códigos, dar consultoria e, para quem enxerga e não convive com  pessoas cegas como eu, acham que o que faço é algo impensável para uma pessoa com a minha deficiência. Mas, se pessoas com deficiência visual podem fazer o que faço, por que não outras coisas que não se conhece? Daí a achar que eu poderia encontrar um jeito alternativo de enxergar a tela do cinema e julgar filmes internacionais, mesmo sendo sobre deficiências, era uma coisa que até eu duvidava.

 – Você sabe que eu sou cego? Fui logo direto, sem expressões como "pessoa com deficiência visual" ou qualquer outra, para não restar nenhuma dúvida.

 – Eu estou te convidando justamente porque você é cego. Chamei o Paulo Romeu Filho, ele não pôde vir e indicou você. Pensei logo... bem, o Paulo Romeu é cego, se  ela o chamou e depois a mim é porque ela quer um jurado cego mesmo... e adicionando ao meu pensamento: corajosa essa mulher! (complementei ainda: "Que doida"!)

 – E como eu, cego, poderei avaliar um filme? – A palavra audiodescrição estava na ponta da minha língua, mas como nunca tinha assistido nada com essa técnica, será  que Lara sabia que só assim eu poderia exercer o que ela estava propondo? Por coincidência, conheci a audiodescrição através de um depoimento de Paulo Romeu sobre  o primeiro filme com audiodescrição produzido no Brasil em DVD e existente nas locadoras. Era um texto entusiasmado sobre acessibilidade e cidadania. Além disso,  sobre essa técnica,  apenas tinha lido alguns escritos  e colocava a audiodescrição como um item da lista de acessibilidades para pessoas com deficiência...


Lara explicou:

– São 34 filmes e todos com audiodescrição, que é a descrição em palavras das imagens dos filmes que não são mencionadas pelo áudio original.

 – Ah, sei... (dei uma de entendido para não declarar a minha quase total ignorância sobre o assunto). Eu topo! respondi já não disfarçando minha alegria, preocupação e arrepio na espinha...

 Não poderia deixar de contar para os leitores, mesmo sendo este texto o prefácio, a  forte emoção de quando assisti ao primeiro filme com audiodescrição.  Eu tinha de prestar  atenção absoluta aos filmes do Festival e julgá-los durante 12 dias. Iria assistir a 34 curtas, médias e longas metragens depois de quase 30 anos sem assistir a um filme sozinho, pois perdi a visão aos 21 anos e gostava muito de ir ao cinema. O primeiro filme do festival era um curta de 13 minutos  com  uma música norte-americana de fundo. Depois de uns 5 minutos escutando a audiodescrição e voice over feita por Graciela Pozzobon, e percebendo que, sem ela, aquele filme seria totalmente inacessível para mim, pois não havia diálogos, só a música, entrei em um estado de surpresa e de letargia... E, por mais que quisesse assistir somente ao filme, fiquei imaginando simultaneamente o futuro das pessoas com a minha deficiência: poderíamos ir aos cinemas com autonomia, como eu já estava fazendo naquele momento; a teatros, como o da Vivo, que já com contava com a audiodescrição feita por Lívia Motta; assistir a vídeos de toda a ordem, como os já existentes na época, da série "Vida em Movimento", propostos por Marta Gil, que corri atrás para conhecer e divulgar; assistir aos programas  das TVs entendendo tudo, como os posteriores programas da TV Brasil e Cultura; a vídeos como o filme do artigo do Paulo Romeu, único que conhecia naquele momento e que, atualmente, estão aumentando em número; os comerciais da Natura, marca de cosméticos, realizados por Maurício Santana e Leonardo Rossi mostrando-nos de forma acessível produtos que já poderíamos ser consumidores a mais tempo, enfim... estampei um sorriso bobo no rosto, um ar aéreo, um "mundo da lua" nessa imaginação futura, demorada e feliz que, hoje, como mostrei rapidamente acima e conheceremos através de seus próprios autores, já se tornou passado realizado e começa a crescer em qualidade e quantidade.

 Quem me visse naquele instante poderia me confundir com um drogado. Na verdade, eu estava mesmo era embasbacado com aquele recurso que nasceu com a cegueira, utilizado por nossos familiares com boa vontade e habilidades pessoais e não por profissionais atentos, estudiosos, como naquele momento. A descrição doméstica de cenas, roupas, expressões estava no lugar certo e na hora certa, feita agora por especialistas de forma nada caseira. Tive de assistir novamente a esse filme para poder julgá-lo, pois a emoção não me deixava fazê-lo naquele momento. Apesar de ter consciência de que aquela técnica não me substituiria a visão perdida, decididamente ela estava permitindo que eu visse. Dali em diante estou junto à audiodescrição. Emocionei-me com essa nossa sensação, como escreveu Jucilene Braga: "a audiodescrição é totalmente indispensável. Por meio dela é como se eu enxergasse sem ver".

 A questão básica é a de acesso à informação, assim como explicita Rosângela Barqueiro: "nem sempre a informação está disponível e/ou acessível. Uma simples informação pode interferir na vida de forma positiva ou negativa – em menor ou maior grau de importância. Mas o fato é que interfere". Os leitores terão a oportunidade de ler depoimentos como esse, cada qual com a sua peculiaridade, no decorrer deste livro. Amigos com a minha deficiência  contam para todos a sua primeira vez e em todos percebemos com emoção a importância da audiodescrição. Antes dela, como Lothar Antenor Basanela escreve  "gostava mais de ouvir o relato sobre filmes do que propriamente assisti-los". Muitos de nós deixamos de assistir a produtos audiovisuais porque a falta de informações os deixa vazios. Identificamo-nos com a citação   de Sidnei Tobias quando, emprestada de Nietzsche, nos diz: "A arte deve antes de tudo e em primeiro lugar embelezar a vida". E é isso que definitivamente queremos: a beleza da arte em sua totalidade ou, ao menos, ao máximo que ela possa nos dar.

  A descrição de imagens apesar de parecer para nós "coisa antiga", como revela Marcos André Leandro em seu depoimento, já feita "por minha avó", profissionalmente é mais que nova, o que faz resultar no que Cristiana Ceschiari de modo muito objetivo afirma: "Como estamos navegando 'por mares nunca dantes navegados', como escreveu Camões, não sei exatamente onde vamos aportar, mas sei que quero estar neste barco".

 Lendo sobre os diversos gêneros de espetáculos já produzidos com audiodescrição, surpreendemo-nos com a audiodescrição em óperas... quem diria que poderíamos assistir a uma  com independência? Lívia Motta, audiodescritora que começou esse trabalho, nos revela como foi realizado e Antonio Carlos Barqueiro nos mostra o resultado em seu depoimento: "Uma grande experiência para mim foi assistir à ópera Cavalleria Rusticana, no Teatro São Pedro em São Paulo, julho de 2009. Através da audiodescrição, pude entender a mensagem, acompanhar as ações e, ao final do espetáculo, me emocionar como em poucas ocasiões. E, principalmente: podendo comentar com qualquer pessoa e até mesmo com qualquer crítico”. Elizabet Dias de Sá nos revela a importância da audiodescrição em sua vida no texto "A Incompletude do Olhar".

 Mas a audiodescrição não significa só pessoas com deficiência apaixonadas por sua liberdade e autonomia, ela é, em si, um conjunto de técnicas e estratégias, o trabalho de um grupo, experiência e arte. Tenho certeza de que os leitores interessados no tema ficarão fascinados ao conhecerem o que há por trás de cada palavra ou frase audiodescritiva, nas aulas verdadeiramente didáticas que nossos audiodescritores, como Vera Santiago, Maurício Santana, Graciela e Lara Pozzobon, ministram escrevendo sobre o assunto; e, também, como coordenadores de projetos começam a inserir a audiodescrição em seus trabalhos. Muito importante ainda é ela não ser apenas aceita, como impulsionada por empresas.

Ficamos felizes lendo Letícia Schwartz ao dizer: "Audiodescrever me deixa feliz. Simples assim. Discutir metodologias e sistemáticas, assistir a um mesmo filme até quase conhecê-lo de cor, estudar e me informar sobre assuntos que não domino para melhor compreender as imagens. Garimpar palavras que correspondam exatamente àquilo que quero descrever, cortar-ajustar-encaixar narrações nos espaços disponíveis como quem monta um quebra-cabeças. Ouvir o filme de olhos fechados e perceber que ele se torna compreensível". Mesmo assim, com toda essa arte e desejo, percebemos, através dos pontos que Iracema Vilaronga  e Laércio Santana destacam em seus artigos, a complementaridade de motivos para que a audiodescrição ainda seja uma técnica pouco conhecida, apesar de ser uma acessibilidade tão importante  para inúmeros meios de comunicação. Segundo Iracema, "Os autores de produtos audiovisuais, enquanto arte visuocêntrica, ainda não se deram conta de que pessoas com deficiência visual também gostam, vivenciam e precisam de tais experiências. Grande parte desse público fica privada do lazer e da expressão cultural através de tais produtos, por estar socialmente vinculado à experiência estética o sentido da visão". E para Laércio, "aí está, certamente, o maior desafio da audiodescrição. Devido ao pouco estímulo oferecido aos produtos audiovisuais graças à falta de acessibilidade, as pessoas com deficiência, em sua grande maioria, não desenvolveram uma cultura para o teatro, cinema ou televisão. Despertá-las para estes ‘novos canais de comunicação’ é preponderante para torná-las consumidoras de produtos audiodescritos”.

 Através de iniciativas como a de Rodrigo Campos, audiodescritor totalmente alinhado às nossas perspectivas, podemos conhecer "de camarote", como surgiu, como foi feita passo a passo, a audiodescrição e closed caption do O Signo da Cidade, 1ª sessão da história do cinema nacional em que surdos e cegos vivenciaram a estreia de um filme do circuito comercial. Por outro lado, eu diria, do mesmo lado, Naziberto Lopes, nos narra sua experiência na Espanha, qualificada por ele como marcante,  ao presenciar a estreia do filme  Quem quer ser um milionário, lançado em circuito comercial na cidade de Madri. Naziberto nos conta: “Foi extremamente gratificante estar naquela sala de cinema junto com tantas outras pessoas com e sem deficiência, todas assistindo o mesmo filme e no mesmo momento, cada uma tendo sua especificidade atendida e podendo desfrutar do prazer e da emoção daquele entretenimento. Confesso que mesmo com a barreira do idioma, dublado e audiodescrito em espanhol, consegui ter uma compreensão ampla da trama podendo discuti-la com meu colega que não possui deficiência

Joana Belarmino destaca a questão do consumo de produtos audiovisuais por pessoas cegas: "Quando reflito sobre a realidade da cegueira, associando-a ao desenvolvimento histórico e sociocultural, percebo o grande salto dado com a era tecnológica, no sentido da sua potencialidade para a democratização da comunicação,trazendo à tona inúmeras perspectivas para a ampliação do consumo adequado de inúmeros produtos da cultura, sobretudo os produtos audiovisuais". E parece que a VIVO penetrou em sua reflexão ao escrever sobre essa ampliação no teatro, através de seus representantes Luis Fernando Guggenberger e Eduardo Valente: "O Teatro Vivo, endereço do circuito cultural de São Paulo que integra as instalações do prédio sede da Vivo na capital paulista, foi o primeiro da América Latina a oferecer audiodescrição para pessoas com deficiência visual. A novidade, que seria incorporada definitivamente à rotina da casa, estreou em julho de 2006, na peça O Santo e a Porca. (...) A aceitação do público e a repercussão na imprensa não deixavam dúvidas: ali estava uma semente a ser cultivada". E foi: o Teatro Vivo possui audiodescrição uma vez por semana em todas as suas peças realizada através de seus voluntários capacitados pela audiodescritora Lívia Motta.

 Tenho certeza também de que, mesmo que você pouco ou nunca tenha ouvido falar sobre audiodescrição, seja você pessoa com deficiência, candidato a audiodescritor, coordenador de projetos que atendam à acessibilidade universal, gestor do governo ou de empresas particulares, responsável por políticas públicas ou um mero e distraído leitor que não tem ideia de como esse livro caiu em suas mãos, a audiodescrição e tudo que a envolve vai te pegar em cada linha pela sua importância, pela emoção, pela arte – diria Bell Machado – pela filosofia e você, sem perceber, ao final, pode querer ir além, estar mais perto e entre nós também expressando sua experiência.

 

Eliana Franco e Manuela Carvalho nos oferecem um histórico interessantíssimo sobre a audiodescrição no mundo e aqui entre nós. Nesse sentido, este livro virá adicionar à pouca literatura brasileira sobre o assunto, uma contribuição importante para o conhecimento das várias experiências existentes no mercado e na academia. Estas, no Brasil, se fundindo cada vez mais.



 Os vários enfoques abordados pelos que aqui escrevem, como já disse, abrem um leque imenso de caminhos para todos nós. Entretanto, sabemos que a audiodescrição ainda é uma acessibilidade pontual nos produtos audiovisuais e cênicos, mas todos são unânimes em dizer que ela é uma necessidade fundamental e que deve ser introjetada na cultura social  e, especialmente, no cotidiano das pessoas com deficiência. A maioria de nós ainda a desconhece e, se nós a desconhecemos, não sentimos falta consciente dela. A maior parte dos trabalhos de audiodescrição sofrem de descontinuidade e acabam por não atingir o grande público de seus usuários.

 Pelo censo IBGE de 2000, prestes a ser refeito, éramos 16,5 milhões  de pessoas com deficiência visual no Brasil, 2,8 milhões de pessoas com deficiência intelectual, entre autistas, síndrome de Down e outras, além das pessoas com transtorno de aprendizagem como os disléxicos,  que podem se beneficiar também com a audiodescrição, por ser um segundo canal sensorial a ser aproveitado para uma compreensão mais rápida das informações visuais. Assim, este livro também cumpre a função de divulgador desse recurso de tecnologia assistiva.

Ninguém sabe tão bem quanto Paulo Romeu sobre a luta pelo direito à audiodescrição. Como ele mesmo vai nos revelar, há muito tempo que estamos batalhando  pela regulamentação de leis já existentes, logo, por direitos já adquiridos. Por vezes,  temos de relaxar para podermos recobrar forças, por outras lutar por esses direitos judicialmente e mostrar que somos cidadãos, assim como consumidores de informação, cultura, produtos e serviços como todo mundo. 

 

Finalmente, para deixar aqui algo além do conhecimento que cada um de vocês poderá desfrutar neste livro, deixo também a receita de um bolo:



Meu bolo é de massa comum,  bem gostosa, daquela que a vovó fazia para tomarmos o café com pão da tarde. O mais importante desse bolo  caseiro, são os sonhos, não os de Valsa, mas os que surgem a cada mordida. Sonhos grandes, açucarados, confortantes, aguados de simples desejos. Não são sonhos impossíveis, apenas sonhados enquanto mordemos, sonhos de alguém, de um beijo quase esquecido, da visão do amor que um dia existiu ou mesmo do amor latente e estocado que só percebemos quando aparece para nos deixar felizes. Sonhos de mães e pais para seus filhos, sonhos de filhos com suas namoradas e namorados, sonhos de vó para neto que nunca crescerá, mas que já é um homem. A cada mordida uma viagem, a cada viagem inúmeras dores esquecidas, mágoas lavadas, boca salivada. Um bolo que, como tudo, acaba e que pode ser refeito. Entretanto, lá no fundo, onde o bolo se apoiou para que o pudéssemos partir e saborear, o maior dos sonhos possíveis escrito com chocolate, relevo, luta, amor e liberdade...
um sonho audível: AUDIODESCRIÇÃO JÁ!

Aos organizadores dessa obra conjunta, Lívia Maria Villela de Mello Motta e Paulo Romeu Filho,  meus sinceros agradecimentos pela oportunidade de estar nela, presente, e parabéns por essa feliz iniciativa. Aos autores destes significativos artigos e depoimentos, gostaria de lhes declarar minha imensa felicidade por terem compartilhado suas experiências. Aos leitores, desejo o melhor proveito de suas informações, inspiração para o surgimento de outras obras e, o que é mais importante, a curtição de tudo de bom e de novo que possam conhecer com ela.

 Verão, início de 2010.


PARTE I
ARTIGOS
AUDIODESCRIÇÃO: BREVE PASSEIO HISTÓRICO1

Eliana Paes Cardoso Franco

Manoela Cristina Correia Carvalho da Silva

A audiodescrição2 consiste na transformação de imagens em palavras para que informações-chave transmitidas visualmente não passem despercebidas e possam também ser acessadas por pessoas cegas ou com baixa visão. O recurso, cujo objetivo é tornar os mais variados tipos de materiais audiovisuais (peças de teatro, filmes, programas de TV, espetáculos de dança, etc.) acessíveis a pessoas não-videntes, conta com pouco mais de trinta anos de existência. Uma realidade em países da Europa e nos Estados Unidos, a AD vem paulatinamente ganhando maior visibilidade e projeção também em outros locais, à medida que o direito da pessoa com deficiência visual à informação e ao lazer é reconhecido e garantido.

O objetivo deste texto é oferecer um breve panorama histórico da AD em nível nacional e internacional. Como a promoção da acessibilidade encontra-se em estágios diferentes em diferentes países, há locais, como no caso do Brasil, onde a AD ainda dá seus primeiros passos. Esperamos com este texto, portanto, contribuir para gerar maior interesse sobre o tema e informar o público em geral sobre suas origens. Para tanto, apresentamos algumas das pesquisas, publicações e opções em termos de formação em AD hoje disponíveis.

1. Breve panorama da AD no mundo

1.1 As origens3

A prática de se descrever o mundo visual para pessoas não-videntes é imemorial. No entanto, enquanto atividade técnica e profissional, a AD nasceu em meados da década de 70 nos Estados Unidos, a partir das ideias desenvolvidas por Gregory Frazier em sua dissertação de mestrado.

Apesar de esse trabalho datar do ano de 1975, a AD teve seu debut somente na década seguinte graças ao trabalho do casal Margaret e Cody Pfanstiehl. Margaret Rockwell, portadora de deficiência visual e fundadora do serviço de ledores via rádio The Metropolitan Washington Ear, e seu futuro marido, o voluntário Cody Pfanstiehl, foram responsáveis pela audiodescrição de Major Barbara, peça exibida no Arena Stage Theater em Washington DC em 1981. Na época, o Arena Stage Theater havia recebido recursos públicos para tornar suas produções mais acessíveis e Margaret Rockwell foi contatada para ajudar nessa empreitada. Ela, por sua vez, buscou o auxílio de Cody Pfanstiehl e o casal, então, passou a audiodescrever as produções teatrais. Eles também foram responsáveis pelas primeiras audiodescrições em fita cassete usadas em visitas a museus, parques e monumentos nos EUA, além de contribuir de maneira significativa para levar a AD à televisão.

Em 1982, eles audiodescreveram a série de TV American Playhouse, transmitida pela Public Broadcasting Service (PBS). Enquanto o programa era exibido, a audiodescrição era transmitida simultaneamente via rádio. Os primeiros testes para transmitir programas televisivos com AD pré-gravada em rede nacional começaram quatro anos depois. A estação de TV WGBH, afiliada da PBS em Boston, anteviu a possibilidade de usar o recém-criado Programa de Áudio Secundário (SAP) para esse fim. A partir de 1986 e com o auxílio do Metropolitan Washington Ear, a WGBH começou a realizar vários testes de recepção com espectadores com deficiência visual. Esses testes culminaram na criação do Descriptive Vídeo Services (DVS), o primeiro provedor de material audiodescrito pré-gravado para televisão dos EUA. O DVS foi oficialmente lançado em 1990.4

Ainda em 1990, quatro organizações foram premiadas pela National Academy of Television Arts and Sciences por suas importantes contribuições para levar a AD à televisão: o AudioVision Institute, criado pelos Drs. Gregory Frazier e August Coppola em 1987 na San Francisco State University; a Narrative Television Network (NTN), fundada por James Stovall em 1989; o Metropolitan Washington Ear; e a WGBH. O AudioVision Institute, além de promover cursos em audiodescrição e pesquisar diversas aplicações para a técnica, foi responsável pela exibição do primeiro filme com AD nos EUA, Tucker de Francis Ford Coppola, irmão de August Coppola. James Stovall havia começado a audiodescrever filmes em vídeo em 1988 e, em seguida, fundado a NTN para audiodescrever filmes para a TV a cabo, inicialmente sem a tecnologia SAP. Já a parceria entre o Metropolitan Washington Ear e a WGBH havia resultado na criação do DVS.

Após sua estreia na televisão, a AD passou também a ser oferecida em óperas e no cinema. Em 1994, o Metropolitan Washington Ear audiodescreveu Madame Butterfly para a companhia Washington Opera. Já em 1992, a WGBH deu início ao projeto Motion Picture Access (MoPix) para levar a AD ao cinema em escala comercial. Vários testes foram feitos até que, em 1999, a primeira sala de cinema a contar com a tecnologia desenvolvida pelo grupo exibiu o filme O Chacal. Hoje, centenas de salas dispõem dos equipamentos e podem exibir filmes com audiodescrição nos EUA.

Uma década após seu nascimento, a AD foi gradativamente ganhando espaço também fora do território americano. A Europa foi apresentada à técnica em meados da década de 80, mais precisamente em 1985. As produções amadoras do pequeno teatro Robin Hood em Averham, na Inglaterra, foram as primeiras a contar com o recurso. Exibições de caráter profissional e em larga escala passaram a ser oferecidas no Theatre Royal em Windsor a partir de 1988, sendo a primeira delas a peça Stepping Out. Na televisão e no DVD, o RNIB (Royal National Institute of Blind People), a maior instituição de cegos do país, tem sido responsável pela promoção da audiodescrição em larga escala, elevando o país ao primeiro posto em volume de audiodescrição oferecida ao cidadão com deficiência visual.

Após a Inglaterra, a AD, na forma pela qual a conhecemos hoje, chega à Espanha.5 Em 1987, a Organización Nacional de Ciegos Españoles (ONCE) audiodescreve o filme O último Tango em Paris. Em seguida, é a vez da França. O país é apresentado à técnica durante o Festival de Cannes de 1989. Dois extratos de filmes com AD, resultado de um curso de formação em audiodescrição realizado por estudantes franceses junto ao AudioVision Institute nos EUA, são exibidos na ocasião. Ainda em 1989, os franceses audiodescrevem seu primeiro filme, Indiana Jones e a Última Cruzada. Nesse mesmo ano, as primeiras sessões especiais de cinema com AD são organizadas na Alemanha, fruto dos relatos ouvidos sobre a exibição dos filmes em Cannes. Na televisão, a rede de TV bávara Bayerishes Rundfunk, de Munique, foi pioneira em oferecer alguns itens de sua programação audiodescritos e por fazer uso sistemático de um consultor com deficiência visual durante o processo de audiodescrição desses itens. E assim, de país em país, a AD vai gradativamente ganhando espaço dentro e fora da Europa.

Hoje, além dos Estados Unidos, os países que mais investem na audiodescrição, tanto na televisão como no cinema e no teatro são Inglaterra, França, Espanha, Alemanha, Bélgica, Canadá, Austrália e Argentina.

1.2 Pesquisas e publicações

Apesar de ter sua origem no contexto acadêmico, a AD logo adquiriu um caráter mais prático-técnico e utilitário. Não causa surpresa, portanto, o fato de que pesquisas sobre o tema só tenham começado a ser relatadas na década de 90, quase vinte anos após o seu surgimento.

Os primeiros estudos foram conduzidos nos EUA e Inglaterra, nações com maior tradição em AD, e surgiram no contexto da implantação do recurso na TV. Nos EUA, muitas dessas pesquisas contaram com o apoio da American Foundation for the Blind (AFB) e envolveram o DVS. Na Inglaterra, a maioria dos estudos contou com o apoio do Royal National Institute of Blind People (RNIB) e aconteceu como parte integrante do projeto Audio Described Television (AUDETEL), um consórcio multinacional formado para investigar os diversos aspectos (técnicos, logísticos, artísticos, etc.) envolvidos na transmissão de programas audiodescritos pela TV na Europa. Muitos desses estudos deram origem a artigos publicados em periódicos especializados ligados à questão da deficiência visual como o Journal of Visual Impairment & Blindness (EUA) e o British Journal of Visual Impairment (Inglaterra). São exemplos dessa primeira fase, os trabalhos de Kuhn (1992 apud SCHMEIDLER & KIRCHNER, 2001)6; Kuhn e Kirchner (1992 apud SCHMEIDLER & KIRCHNER, 2001)7; Katz e Turcotte (1993 apud SCHMEIDLER & KIRCHNER, 2001)8; Frazier e Coutinho-Johnson (1995 apud SCHMEIDLER & KIRCHNER, 2001)9; Packer (1996); Pettitt, Sharpe e Cooper (1996); Peli, Fine e Labianca (1996); Packer e Kirchner (1997); e Schmeidler e Kirchner (2001).

Nessa fase inicial, as pesquisas procuravam traçar um perfil da população com deficiência visual e seus hábitos televisivos, estabelecer se a audiodescrição seria um recurso apreciado por seu público alvo, e determinar se o seu uso contribuiria para que esse público compreendesse materiais audiovisuais mais facilmente. Essas pesquisas foram de fundamental importância, pois, além de tornarem mais clara a relação das pessoas com deficiência visual com a televisão e o vídeo, suas necessidades e preferências, elas também demonstraram a validade da AD para seus usuários.

De acordo com esses trabalhos, a AD não só aumentaria a compreensão dos programas, como traria uma série de outros benefícios. Segundo Packer (1996), por exemplo, a AD auxiliaria a aquisição de conhecimentos sobre o mundo visual, especialmente aqueles ligados a normas de interação social (linguagem corporal, estilos de roupa, etc.); tornaria a experiência com a TV mais agradável e educativa; proporcionaria um sentimento de maior independência, igualdade e inclusão; e desobrigaria familiares e amigos da tarefa de descrever os programas. Segundo Schmeidler e Kirchner (2001), a AD traria ainda o benefício de deixar o público com deficiência visual mais confortável para conversar com pessoas videntes sobre os programas a que assistiam.

Os resultados desses primeiros estudos, portanto, foram bastante positivos e abriram caminho para novas linhas de investigação sobre o tema. Pesquisas que aproximaram a audiodescrição da Ciência da Computação, especialmente das áreas de multimídia e inteligência artificial, por exemplo, foram empreendidas pelo Departamento de Computação da University of Surrey (2002-2005) durante o período de vigência do projeto Television in Words (TIWO)10; Piety (2003) dedicou sua dissertação de mestrado à investigação da audiodescrição enquanto sistema de comunicação; o Royal National Institute of Blind People e a Vocaleyes (2003) realizaram pesquisas sobre o uso da audiodescrição em museus, galerias e sites históricos e culturais; e o Alliance Library System empreendeu projeto de pesquisa para estudar a aplicação da técnica a acervos digitais (PETERS; BELL, 2006).

Foi, entretanto, a área de Estudos da Tradução aquela que mais produziu material acerca da AD a partir do início dos anos 2000. Como o recurso começou a ser entendido como um exemplo de tradução intersemiótica e um modo de tradução audiovisual, muitas publicações especializadas na área passaram a tratar do assunto. As primeiras referências podem ser encontradas em uma edição especial da revista The Translator. Em sua introdução, Gambier (2003) discorre sobre as 12 diferentes modalidades que compõem o gênero Tradução Audiovisual, citando entre elas a audiodescrição. A partir daí, artigos sobre AD começaram a ser publicados em revistas como META, Quaderns, Translation Watch Quarterly, Translating Today, TRANS. Revista de Traductología e Linguistica Antverpiensia. Podem ser citados, entre esses trabalhos, os de Benecke (2004); Hernández-Bartolomé e Mendiluce-Cabrera (2004); Orero (2005a, 2005b, 2005c); Snyder (2005); Díaz Cintas (2005); Díaz Cintas, Orero e Remael (2007); Matamala (2005, 2007); Pujol e Orero (2007); Orero, Pereira e Utray (2007); Fuertes e Martinez (2007); Badia e Matamala (2007); Matamala e Orero (2007 apud REMAEL & NEVES, 2007)11; Remael e Vercauteren (2007); Remael e Neves (2007); Hurtado (2007b apud REMAEL & NEVES, 2007)12; e Braun (2007 apud REMAEL & NEVES, 2007)13.

Em geral, esses trabalhos se ocuparam em traçar um breve histórico da AD; detalhar as etapas do processo de audiodescrição; apresentar as especificidades da AD para o cinema, TV, teatro ou ópera e os modelos e normas adotados em diferentes países; delinear as competências necessárias aos profissionais; e discutir questões ligadas à formação de audiodescritores.

Durante esse período, vários trabalhos sobre audiodescrição também foram apresentados em seminários e congressos, entre eles Languages and the Media (2002, 2004, 2006, 2008) em Berlim; In So Many Words (2004) em Londres; Media For All em Barcelona (2005) e Leiria (2007); MuTra: Multidimensional Translation em Saarbrücken (2005), Copenhagen (2006) e Viena (2007); Audio Description for Visually Impaired People (2007) em Guildford; e Congreso de Accesibilidad a los Medios para Personas con Discapacidad, AMADIS em Madri (2006), Granada (2007) e Barcelona (2008). Alguns desses encontros, inclusive, deram origem a livros sobre o assunto. Em 2007, é lançado o livro Accesibilidad a los Medios Audiovisuales para Personas con Discapacidad - AMADIS’ 06 (MEZCUA; DELGADO, 2007), reunindo trabalhos sobre legendagem para pessoas com deficiência auditiva, AD e acessibilidade à Web. Os textos abordam questões as mais variadas como a formação, a normatização, a pesquisa e os aspectos técnicos envolvidos no processo de se tornar materiais audiovisuais acessíveis a diferentes públicos.

Nesse mesmo ano, também é lançado o livro Media for All: Subtitling for the Deaf, Audio Description and Sign Language (DÍAZ CINTAS; ORERO; REMAEL, 2007). Nove dos trabalhos incluídos na publicação versam sobre audiodescrição. Os textos tratam de assuntos os mais diversos, desde trabalhos baseados na Linguística de Corpus até a análise contrastiva da AD de um mesmo filme em duas línguas diferentes, passando por trabalhos dedicados à AD de obras de arte e espetáculos de balé, e um primeiro esboço do que poderia ser um guia único internacional para a criação de roteiros de AD.

Ainda em 2007, é publicado o livro Traducción y Accesibilidad: subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos: nuevas modalidades de Traducción Audiovisual (HURTADO, 2007a). Apesar de seu título sugerir a presença de textos tanto sobre a tradução para cegos quanto para surdos, a publicação dedica-se quase que exclusivamente à AD.

Quatorze dos dezesseis trabalhos incluídos na publicação versam sobre audiodescrição. Tal como no livro Media for All mencionado anteriormente, podem ser encontrados textos sobre temas bastante variados como, por exemplo, a relação entre a linguagem cinematográfica e a AD ou entre a AD e a linguagem literária, a chuchotagem audiodescritiva (audiodescrição sussurrada), a audiodescrição com apoio táctil, a caracterização dos personagens nos roteiros audiodescritos, e o uso da AD como ferramenta didática de ensino do processo de tradução.

Já em 2008, é lançado o livro Accesibilidad a los Medios Audiovisuales para Personas con Discapacidad - AMADIS’ 07 (HURTADO & DOMÍNGUEZ, 2008). No que tange à AD, são apresentados os resultados de uma pesquisa sobre as preferências de videntes e não-videntes quanto à audiodescrição14; e o embrião de um sistema de audiodescrição baseado em entornos virtuais de trabalho colaborativo, uma alternativa para tornar o processo mais ágil e econômico. Também é discutida a questão da formação de audiodescritores, tema de nossa próxima seção.

1.3 Formação

Três têm sido os modelos utilizados para a formação em AD: o treinamento através de cursos de curta duração ministrados por audiodescritores com experiência de mercado; o treinamento em serviço promovido por empresas que trabalham com AD; e a formação acadêmica, em geral na forma de módulos em cursos de mestrado em Tradução Audiovisual, ou cursos certificados em nível de extensão. Os EUA têm dado preferência pelos dois primeiros modelos, enquanto a Europa tem adotado os dois últimos. No entanto, cresce entre os europeus o movimento por uma maior normatização e profissionalização na área. Cresce também a crença na necessidade de uma formação sólida para que se possa projetar, de forma eficaz, o resultado da percepção visual sobre o discurso. Por isso, a formação universitária pode eventualmente vir a ser privilegiada. Hoje, são exemplos de instituições de ensino superior que oferecem formação em AD o The Open College Network West and North Yorkshire (curso certificado) e a University of Surrey (mestrado) na Inglaterra, a Universitat Autònoma de Barcelona (mestrado) na Espanha e a University College Antwerp (mestrado) na Bélgica. Após esse breve passeio pela AD em nível internacional, é hora de descrevermos o cenário brasileiro.



2. Breve panorama da AD no Brasil

2.1 As origens

No Brasil, a AD foi utilizada em público, pela primeira vez, em 2003, durante o festival temático Assim Vivemos: Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência, que reproduz a ideia do festival Wie Wir Leben (Como Nós Vivemos) de Munique, na Alemanha, e que acontece a cada dois anos. Dois anos mais tarde, em 2005, foi lançado em DVD o primeiro filme audiodescrito do país, Irmãos de Fé, seguido de Ensaio sobre a Cegueira em 2008, que constituem até o momento os únicos filmes audiodescritos que foram lançados em circuito comercial. Em 2008 surgiu também na televisão a primeira propaganda acessível para pessoas com deficiência, promovida pela marca Natura. O Festival de Cinema de Gramado, em sua edição de 2007, e o Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo, nas edições de 2006 e 2007, foram as primeiras mostras não-temáticas a exibirem filmes audiodescritos. No teatro, a peça Andaime, exibida em São Paulo em 2007, foi o primeiro espetáculo teatral a contar com o recurso. Já a montagem Os Três Audíveis foi o primeiro espetáculo de dança audiodescrito, que aconteceu em Salvador (maio de 2008) e em Curitiba (junho de 2009). E em maio de 2009, em Manaus, o público com deficiência visual pôde apreciar a primeira ópera audiodescrita do país, Sansão e Dalila, atração do XIII Festival Amazonas de Ópera.

Num outro âmbito, a audiodescrição também começou a ser promovida para um público com deficiência visual mais restrito, com as sessões mensais de filmes audiodescritos ao vivo na Associação Laramara, em São Paulo, e através do projeto do Ponto de Cultura – Cinema em Palavras – promovido pelo Centro Cultural Louis Braille, em Campinas. Com o intuito de fortalecer e promover a audiodescrição no país, foi formada a primeira associação de audiodescritores do Brasil, a MIDIACE – Associação Mídia Acessível, em setembro de 2008, formada basicamente por integrantes das universidades federais de Minas Gerais, Bahia e da universidade estadual do Ceará. Em outubro do mesmo ano, aconteceu o 1º. Encontro Nacional de Audiodescritores realizado em São Paulo.15 E, no final de 2008, as pessoas com deficiência visual também ganharam seu primeiro site de filmes acessíveis, o , uma iniciativa da Lavoro Produções, Educs e Cinema Falado.

Todas essas ações pioneiras foram amplamente bem recebidas. Contudo, sua continuidade tem dependido muito mais de iniciativas privadas do que do apoio das autoridades dos meios de comunicação no que diz respeito ao cumprimento da lei que garante o acesso da população brasileira com deficiência visual aos meios audiovisuais. Desde a promulgação da lei 10.098 (BRASIL, 2000), regulamentada pelo Decreto 5.296 (BRASIL, 2004), alterado pelo Decreto 5.645 (BRASIL, 2005) e pelo Decreto 5.762 (BRASIL, 2006b), o recurso da audiodescrição tornou-se um direito garantido pela legislação brasileira. Após consulta e audiência públicas e a oficialização da Norma Complementar nº1 (BRASIL, 2006a), as emissoras de TV foram obrigadas a oferecer, num prazo máximo de dois anos, duas horas diárias de sua programação com audiodescrição. A quantidade de horas diárias deveria aumentar gradativamente para que, num prazo máximo de dez anos, ou seja, 2016, toda a programação estivesse acessível. No entanto, desde que o referido prazo foi vencido, em 27 de junho de 2008, três portarias já foram publicadas, numa clara demonstração de que os interesses das emissoras de TV ainda falam mais alto.

A Portaria 403 (BRASIL, 2008c) suspendeu a obrigatoriedade do recurso da audiodescrição por 30 dias. A Portaria 466 (BRASIL, 2008b), de 30 de julho de 2008, restabeleceu a obrigatoriedade do recurso e concedeu prazo de 90 dias para que as emissoras iniciassem a transmissão de programas com audiodescrição. A Portaria 661 (BRASIL, 2008a), de 14 de outubro do mesmo ano, suspendeu novamente a aplicação do recurso para realização de uma nova consulta pública sobre a questão, com prazo até 30 de janeiro de 2009, sendo possível sua prorrogação sine die e a convocação de mais uma audiência pública (ROMEU FILHO, 2008). Em novembro de 2009, o Ministério das Comunicações lança a Portaria 985, que abre uma nova consulta pública para propor alterações na Norma Complementar no 1/2006.

A questão está, agora, nas mãos dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, que devem julgar uma ação movida pelo Conselho Nacional dos Centros de Vida independente (CVI - Brasil) e pela Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD) com vistas a suspender a Portaria 661. Enquanto o entrave legal não se resolve, o direito de acesso aos meios para os não-videntes continua em suspenso. No Brasil, portanto, diferentemente da realidade das nações europeias e dos EUA descritas anteriormente, a luta é para que o direito à AD “saia do papel” e que cidadãos brasileiros com deficiência visual também possam ter acesso às produções culturais exibidas em território nacional.



2.2 Pesquisas e publicações

A pesquisa em AD no país, ainda que escassa, está sendo liderada pelas universidades federais da Bahia, de Pernambuco, Minas Gerais e pela universidade estadual do Ceará. A bibliografia específica ainda é muito restrita e resume-se a um artigo de autoria de Franco (2006b) na revista Ciência e Cultura da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), e a outros três artigos: de Orero (2007), Casado (2007) e Franco (2007a) num número especial da TradTerm: Revista do Centro Interdepartamental de Tradução e Terminologia da Universidade de São Paulo (USP), organizado pelas Profas. Dras. Eliana Paes Cardoso Franco (UFBa) e Vera Lúcia Santiago Araújo (UECE). O primeiro artigo (FRANCO, 2006b) trata da questão da acessibilidade aos meios e traz referências à legenda fechada e à audiodescrição. Os três últimos discutem a audiolegendagem16 para a ópera (ORERO, 2007), a audiodescrição sob um ponto de vista histórico e técnico (CASADO, 2007), e os primeiros resultados de uma pesquisa de recepção em audiodescrição realizada na cidade de Salvador pelo grupo TRAMAD (Tradução, Mídia e Audiodescrição) (FRANCO, 2007a).

O TRAMAD é um grupo de pesquisa certificado pelo CNPq e pioneiro no Brasil, tendo iniciado suas atividades no ano de 2004. Coordenado pela Dra. Eliana Franco (UFBA), o TRAMAD reúne pesquisadores voluntários graduados e pós-graduados, dentre eles, uma consultora com deficiência visual. O grupo realiza estudos com vistas a elaborar um modelo de audiodescrição que vá ao encontro das necessidades e preferências do público brasileiro com deficiência visual. É de autoria do grupo o artigo “Confronting amateur and academic audiodescription: a case study” (FRANCO et al, 2008) a ser publicado nos anais do seminário Audio Description for Visually Impaired People, realizado na University of Surrey, em Guildord, Inglaterra, em julho de 2007.

Além do referido artigo, o TRAMAD vem representando o Brasil na pesquisa sobre audiodescrição, em encontros internacionais, em países tais como a Espanha (FRANCO; ARAÚJO, 2005); Dinamarca (FRANCO, 2006a); Inglaterra (FRANCO, 2007b); e França (FRANCO, 2008). No âmbito nacional, o grupo tem promovido parcerias com outras áreas do conhecimento, como o projeto TRAMADAN (Tradução, Mídia, Audiodescrição e Dança), que resultou na audiodescrição do primeiro espetáculo de dança do Brasil mencionado anteriormente. É também de autoria de um dos integrantes do grupo a primeira dissertação de mestrado em AD do país (SILVA, 2009), fruto de pesquisa intensiva com o público infanto-juvenil com deficiência visual.17 A partir do início de 2008, o grupo tem desenvolvido trabalhos para o cinema, o teatro e a dança.

Outro grupo de pesquisa que vem se dedicando ao assunto é o LEAD (Legendagem e Audiodescrição), coordenado pela Dra.Vera Lúcia Santiago Araújo, da Universidade Estadual do Ceará (UECE). O LEAD tem como objeto de pesquisa a acessibilidade audiovisual para cegos e surdos. O grupo vem apresentando trabalhos sobre AD em eventos e desenvolvendo iniciativas, como a audiodescrição de filmes e peças, a promoção de festivais de cinema acessíveis, além de visitas guiadas a teatros, no próprio estado do Ceará. Mais recentemente, o grupo LEAD tem desenvolvido o importante projeto DVD Acessível, que busca promover a audiodescrição de filmes em DVD junto a seus produtores.

Além da UFBA e UECE, outras duas unidades de ensino contam com pesquisadores interessados no tema da AD, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Podem ser citados entre esses pesquisadores a Dra. Célia Magalhães e a Dra. Adriana Pagano da UFMG, e o Dr. Francisco Lima da UFPE. No entanto, como a promoção da acessibilidade é um tema que vem ganhando cada vez mais adeptos, a tendência é a de que a AD venha a conquistar maior visibilidade e a atrair um maior número de pesquisadores em território nacional.



2.3 Formação

No Brasil, dois têm sido os modelos utilizados para a formação em AD: o treinamento através de cursos informais promovidos pela iniciativa privada e a formação universitária certificada no nível de especialização ou extensão. No primeiro caso, destacam-se os trabalhos da Dra. Lívia Motta, responsável pela preparação dos audiodescritores do Teatro Vivo em São Paulo, e de Graciela Pozzobon, audiodescritora do festival Assim Vivemos e treinadora de audiodescritores no Rio de Janeiro.

No contexto universitário, os Professores Eliana Franco, Vera Santiago Araújo e Francisco Lima vêm ministrando cursos de extensão e especialização para a formação de audiodescritores, a primeira em Salvador (UFBa) e Maranhão (UFMA), a segunda em Fortaleza (UECE), Belo Horizonte (UFMG e PUC-MINAS) e Natal (UERN), e o terceiro em Recife (UFPE). Juntos, já introduziram a audiodescrição para cerca de 200 alunos.

Sejam certificados ou não, formal ou informalmente, mais e mais audiodescritores estão sendo treinados para suprir o mercado que inevitavelmente se abrirá com a devida implementação da lei de acessibilidade.



3 Conclusão

Desde seu nascimento até aqui, a AD já percorreu um longo caminho, cruzando continentes e levando a diferentes países a perspectiva de se oferecer maior acesso à informação, à cultura e ao lazer. Apesar dessa trajetória promissora, é importante frisar que a AD não se encontra no mesmo estágio de desenvolvimento em todas as partes do mundo. Em países como o Brasil, por exemplo, o recurso ainda dá seus primeiros passos. É vital, portanto, que pesquisas na área sejam estimuladas e que o recurso ganhe maior visibilidade entre o público em geral, inclusive o vidente. Quanto mais pesquisas, mais publicações e mais cursos formais na área, maior será a consolidação do direito à acessibilidade audiovisual pelas pessoas com deficiência visual, direito esse materializado através da audiodescrição.

Enquanto isso, os nomes que começaram a construir a história da AD no Brasil e que batalham incansavelmente para sua implementação, tais como Lara e Graciela Pozzobon, Lívia Motta, Eliana Franco, Vera Santiago Araújo, Francisco Lima, Bell Machado, Maurício Santana, além, é claro, de seus maiores apoiadores, como Paulo Romeu Filho, Marco Antonio Queiroz e Iracema Vilaronga, começam a ganhar seguidores cada vez mais entusiasmados que estão dispostos a fazer com que a AD saia do papel e ganhe os teatros, salas de cinema, museus e telas de computador e TV do Brasil afora. E que assim seja.

Referências Bibliográficas

BADIA, Toni; MATAMALA, Anna. La docencia en accesibilidad en los medios. TRANS.Revista de Traductología, Málaga, n. 11, 2007, p. 61-71.

BENECKE, Bernd. Audio-Description. Meta, Montréal, v.49, n.1, p.78-80, abr. 2004. Disponível em:



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal