Formulário padrão para apresentaçÃo de projetos



Baixar 43.89 Kb.
Encontro10.02.2018
Tamanho43.89 Kb.


PREFERÊNCIAS E ESCOLHAS ALIMENTARES: O OLHAR DE TABAGISTAS NO PROCESSO DE ABANDONO DO CIGARRO

Cíntia Quintanilha de Souza Aluna do Curso de Nutrição da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL); Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Instituição (PIBIC/CNPq/UNISUL); Silvia Cardoso Bittencourt Médica, Doutora em Ciências Humanas, Professora do Curso de Medicina da UNISUL; silviafln@gmail.com (Orientador).


RESUMO

As preferências, escolhas alimentares e a dieta variam de acordo com valores socioculturais e momentos da vida. O objetivo deste trabalho foi conhecer preferências e escolhas alimentares de tabagistas em abandono que participaram de grupo de apoio, no SUS. Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CAAE 58644516.7.0000.5369). A abordagem de pesquisa foi qualitativa. Os entrevistados relataram mudanças na alimentação ao abandonar o cigarro. Foram identificadas as categorias “Sem Fome/Comida sem sabor” (no tempo em que fumavam), “Comida com Prazer” (quando deixaram o cigarro e passaram a apreciar os alimentos), “Comida para Acalmar” (ocupando o lugar do cigarro para lidar com a ansiedade) e “Comida do Lugar” (associada a aspectos de socialização). Esses achados corroboram o que aponta a literatura, sobre o tabaco e a alimentação para lidar com a ansiedade e como fonte de prazer. Além disso, a comida passa a (re)ocupar papel importante no cotidiano desses indivíduos.


Palavras-chave: Preferências Alimentares, Abandono do Uso de Tabaco, Práticas Alimentares.
INTRODUÇÃO

O tabagismo é um problema de saúde pública, relacionado a várias doenças crônicas não transmissíveis, com impacto econômico e social (DCNT) (BRASIL, 2015; RIVIERE; BARDACH; PINTO, 2015). Alguns fatores que dificultam a cessação do tabagismo são situações de estresse, ansiedade e alterações na forma de se alimentar com consequente ganho de peso, que pode ser fator dificultador desse processo (BRASIL, 2015; ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD, 2009). Sabe-se que existem padrões alimentares que são considerados saudáveis no que se refere ao aspecto nutricional, no entanto, a dimensão sociocultural faz parte das escolhas e práticas alimentares (CANESQUI; GARCIA, 2005; FREITAS; MINAYO; FONTES, 2011), inclusive durante o abandono do tabaco. O objetivo deste trabalho foi conhecer as preferências e escolhas alimentares dos tabagistas em abandono do cigarro que participaram de grupo de apoio para tabagistas no Sistema único de Saúde (SUS), em Palhoça-SC.



MÉTODOS

Esta é uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa (CANESQUI, 2009; MINAYO, 2013). Todos os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, conforme aprovação do Comitê de Ética (CAAE 58644516.7.0000.5369). Foram identificados 38 participantes (fevereiro de 2014 a julho de 2016) do Grupo de Tabagismo que compareceram pelo menos uma vez às reuniões e 12 aceitaram participar das entrevistas realizadas entre setembro de 2016 e abril de 2017. Cada entrevistado foi identificado por um código (F1, F2, [...,], F12) para garantir o anonimato. As categorias de análise, por análise de conteúdo, foram construídas a partir dos achados de campo e discutidas a partir de referenciais teóricos da Antropologia e Sociologia da Nutrição.



RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os entrevistados relataram mudanças na sua alimentação no processo de abandono do cigarro. Foram identificadas falas agrupadas nas categorias “Sem Fome/Comida sem Sabor”, “Comida com Prazer”, “Comida para Acalmar” e “Comida do Lugar”. A primeira relacionada ao tempo em que fumavam e não sentiam fome, nem havia atrativo no sabor dos alimentos, assim, comiam menos:



[...]" já eu não comia, pois, não sentia o gosto sabe, não sentia prazer em comer" (F1).

[...]"Pode estar com a maior fome, tu fuma um cigarro e acabou" (F6).
Essas falas corroboram o que aponta a literatura sobre a ação anorexígena do tabaco (BRASIL, 2015; OMS, 2009) e trazem a questão do prazer que aparece de forma inversa nas falas sobre a “Comida com Sabor”, quando deixaram o cigarro e passaram a apreciar o sabor dos alimentos:

[..]"Antes eu comia muito corrido, ai quando parei de fumar eu passei a comer verdura e essas coisas; comia de tudo, mas sempre fui bom de boca, sempre comi bastante. Mas sentia mais o gosto da comida [quando parou de fumar]" (F 12).
Quase todos relataram que a comida passou a ocupar o lugar do cigarro para lidar com a ansiedade, fator dificultador para seu abandono (BRASIL, 2015; MAIA; NASCIMENTO, 2015):

[..]"Olha, ali eu posso dizer pra ti que eu passei assim umas três ou quatro semanas no desespero, sabe? Eu ia roendo tudo o que via pela frente, porque batia aquela ansiedade assim de querer fumar então eu não deixava faltar uma bolacha em casa (F1).
Alguns voltaram a fumar durante o processo de abandono do tabaco. Esses achados corroboram o que aponta a literatura, sobre o uso do tabaco e da alimentação para lidar com a ansiedade, pois, ambos têm papéis relacionados ao metabolismo físico e a aspectos psíquicos relativos ao prazer (BRASIL, 2015; OMS, 2009). Nessa direção, ocorreram mudanças nas preferências e escolhas alimentares para alimentos com “mais sabor” ao deixar o cigarro. Por exemplo, alimentos da infância, frutas e verduras e “alimentos não saudáveis”, tais como balas e bolachas. Vale lembrar, como apontam Vasconcellos e colaboradores (2015) que a “fome” pode ter outros significados além da “fome de comida” no sentido de alimento/nutrição e pode incluir outras necessidades subjetivas. Por fim, a “Comida do Lugar” foi identificada como aquela que esteve presente em diferentes fases de vida (infância, lugares em que trabalhou), relacionadas ao contexto sociocultural (CANESQUI; GARCIA, 2005; FREITAS; MINAYO; FONTES, 2011), e, como já foi apontado, algumas delas voltaram a ocupar o lugar do cigarro por ocasião do seu abandono:

[...]"Faz dois meses que não estou fumando, comecei a me alimentar mais, hoje sinto o gosto da comida, tenho prazer em comer arroz, feijão galinha ensopada com batata, carne assada de panela" (F3).
Quadro 1. Características dos participantes de grupo de apoio para abandono do tabagismo do SUS1 entrevistados na pesquisa “Preferências e escolhas alimentares: o olhar de tabagistas no processo de abandono do cigarro, Palhoça - SC, 2016/2017”.


Entrevistado

Idade (anos)

Sexo

Situação atual fumo

Associações cigarro durante diferentes fases de vida

N reuniões *

Categorias de análise **

F1

65

M

Não

Socialização Grupo

47

A, B, C, D

F2

59

F

Sim

Socialização Grupo/Ansiedade

6

A, B, C, D

F3

45

F

Não

Socialização Grupo

12

A, B, D

F4

65

F

Não

Socialização Grupo/Ansiedade

4

A, D

F5

66

F

Sim

Socialização Grupo

1

B, C, D

F6

62

F

Não

Socialização Grupo

10

A, B, C, D

F7

69

F

Sim

Família

1

A, D

F8

60

F

Sim

Família/Prazer/Socialização Grupo

9

B, C, D

F9

51

F

Sim

Família

4

A, B, C, D

F10

37

F

Sim

Família/Prazer

2

A, B, C, D

F11

50

F

Não

Família/Socialização Grupo

2

A, B, D

F12

60

F

Não

Família/Socialização Grupo

8

A, B, D

1 Sistema Único de Saúde

* Número de reuniões que o entrevistado participou.

** Falas dos entrevistados apontando os tipos de comidas nas categorias (A) Sem Fome/Sem Sabor ; (B) Comida com Prazer; (C) Comida para Acalmar e (D) Comida do lugar.
CONCLUSÕES

Foi possível observar que alimentação e nutrição, além de processos fisiológicos do corpo, envolvem aspectos socioculturais que se traduzem nas preferências e práticas alimentares. Ao abandonar o cigarro o indivíduo se confronta com períodos de ansiedade/estresse que antes eram minimizados pelo uso do cigarro. Além disso, modifica seu paladar, o que faz com que relembre sabores que estavam esquecidos. Ao reencontrar esses sabores voltam a buscar prazer e se socializar com a comida. A busca de conforto e prazer na alimentação, muitas vezes, serve para lidar com a ansiedade que antes era amenizada com o tabaco. Dessa forma, valorizar o papel que a “comida” volta a ocupar na vida do indivíduo pode ser importante para essa nova etapa, incluindo aspectos subjetivos, ao invés de apenas orientar para “dietas ideais” no sentido nutricional. Vale lembrar, como destacam Freitas e colaboradores (FREITAS; MINAYO; FONTES, 2011, p. 32) que “‘Comida’ é o alimento na expressão da cultura” e ocupa diferentes papéis em diferentes momentos da trajetória do fumante. Levando em conta esse contexto, sugere-se que os nutricionistas podem desempenhar papel importante no auxílio do abandono do cigarro (OMS, 2009), reconhecendo e respeitando valores socioculturais e a “comida” em diferentes momentos de vida, além de considerar as necessidades fisiológicas nutricionais.


REFERÊNCIAS

BRASIL. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: o cuidado da pessoa tabagista. 2015. Brasília, Ministério da Saúde.


CANESQUI, M.C.; GARCIA, R.W.D (Org.). Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz. 2005.
CANESQUI, A.M. Pesquisas qualitativas em nutrição e alimentação. Rev. Nutr.,  Campinas. 22,(1): 125-139, 2009.
FREITAS, M.C.S. MINAYO, M. C.S; FONTES, G. A.V. Sobre o campo da Alimentação e Nutrição na perspectiva das teorias compreensivas. Ciênc. saúde coletiva. 16 (1): 31-38, 2011.
MAIA, L.I.H; NASCIMENTO, E.G. C. Percepções e dificuldades de fumantes na cessação do hábito de fumar. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 13 (2):105-116, 2015.
MINAYO, M. C. S. O Desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; Abrasco. 2013.
ORGANIZACIÓN MUNDIAL DE LA SALUD (OMS). Manual Nacional para El Abordajedel Tabaquismo en el Primer Nivel de Atención, 2009.
RIVIERE, A. P.; BARDACH A.; PINTO, M. T. Estimativa da carga do tabagismo no Brasil: mortalidade, morbidade e custos. Cad. Saúde Pública. 31(6): 1283-1297, 2015.
VASCONCELLOS, F. A.G.; VASCONCELOS, M.p.; VASCONCELOS, I.H. G. Fome, comida e bebida na música popular brasileira: um breve ensaio. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.22 (3): 723-741, 2015.
Fomento: O trabalho teve a concessão de Bolsa pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).




Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal