Francisco cândido xavier



Baixar 1.33 Mb.
Página1/17
Encontro13.12.2017
Tamanho1.33 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17




RENÚNCIA

FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

ROMANCE DITADO PELO ESPÍRITO EMMANUEL

ÍNDICE
VELHAS RECORDAÇÕES
PRIMEIRA PARTE

CAPÍTULO 1 = Sacrifícios do amor

CAPÍTULO 2 = Anseios da mocidade

CAPÍTULO 3 = A caminho da América

CAPÍTULO 4 = A varíola

CAPÍTULO 5 = Na infância de Alcione

CAPÍTULO 6 = Novos rumos

CAPÍTULO 7 = Caminhos de luta


SEGUNDA PARTE

CAPÍTULO 1 = O padre Carlos

CAPÍTULO 2 = Novamente em Paris

CAPÍTULO 3 = Testemunhos de fé

CAPÍTULO 4 = Reencontro

CAPÍTULO 5 = Provas redentoras

CAPÍTULO 6 = Solidão amarga

CAPÍTULO 7 = A despedida



VELHAS RECORDAÇÕES
Quem poderá deter as velhas recordações que iluminam os caminhos da eternidade?

Lembramo-nos de Alcione, desde os dias de sua infância. Muitas vezes a vi, com o Padre Damiano, num velho adro de Espanha, passeando ao pôr do Sol.

Não raro, levantava o semblante infantil para o céu e perguntava, atenciosa:

— Padre Damiano, quem terá feito as nuvens, que parecem flores grandes e pesadas, que nunca chegam a cair no chão?

Deus minha filha — dizia o sacerdote.

Mas, como se no coração pequenino não devesse existir esquecimento das coisas simples e humildes, voltava ela a interrogar:

E as pedras? — quem teria criado as pedras que seguram o chão?

— Foi Deus também.

Então, após meditar de olhos mergulhados no grande crepúsculo, a pequenina exclamava:

— Ah! como Deus é bom! Ninguém ficou es­quecido!

E era de ver-se a sua bondade singular, o inte­resse pelo dever cumprido, dedicação à verdade e ao bem.

Cedo compreendi que a família afetuosa de Ávila se constituía de amizades vigorosas, cujas ori­gens se perdiam no tempo.

Os anos — minutos do relógio da eternidade —correram sempre movimentados e cheios de amor. A criança de outros tempos tornara-se na benfeitora cheia de sabedoria. Sua vida não representava um feixe de atos comuns, mas um testemunho perma­nente de sacrifícios santificantes. Desde a primeira juventude, Alcione transformara-se em centro de afeições, em fonte de luz viva, onde se podiam vis­lumbrar as claridades augustas do Céu. Sua condu­ta, na alegria e na dor, na facilidade e no obstáculo, era um ensinamento generoso, em tõdas as circuns­tâncias.

Creio mesmo que ela nunca satisfez a um desejo próprio, mas nunca foi encontrada em desatenção aos desígnios de Deus. Jamais a vi preocupada com a felicidade pessoal; entretanto, interessava-se com ardor pela paz e pelo bem de todos. Demonstrava cuidado singular em subtrair, aos olhos alheios, seus gestos de perfeição espiritual, porém queria sempre revelar as idéias nobres de quantos a ro­deavam, a fim de os ver amados, otimistas, felizes.

Minhas experiências rolaram deva garinho para os arcanos do Tempo, a morte do corpo arrastou-me a novos caminhos e, no entanto, jamais pude es que­cer a meiga figura de anjo, em trânsito pela Terra.

Mais tarde, pude beijar-lhe os pés e com preen­der-lhe a história divina. O resultado dêsse conhe­cimento vibra neste esfôrço singelo, que não tem pretensões a obra literária.

Este é um livro de sentimento, para quem apre­cie a experiência humana através do coração. Em particular, falará a todos os que se encontrem en­carcerados, sentenciados, esquecidos daquele amor que cobre a multidão dos pecados, consoante os ensinamentos de Jesus. A maioria dos aprendizes do Evangelho deixa-se tomar, em sentido absoluto, pelas idéias de resgate escabroso, de olho por olho, ou, então, pela preocupação de recompensas na Terra ou no Céu. Aqui, comentam-se reencarna­ções criminosas; ali, esperam-se tão só prantos amargos; além, existem corações anelantes de re­mansado e ocioso pousio. A esperança e a respon­sabilidade parecem tesouros esquecidos. É razoável que se não possa negar o caráter incorruptível da Justiça, porém, não se deverá esquecer o otimismo, a confiança, a dedicação e tôdas as energias que o amor procura despertar no âmago das consciências.

Para as almas sinceras, que ainda solucem nos laços do desânimo e desalento, a história de Alcione é um bálsamo reconfortador. Naturalmente que ela própria, qual amorosa visão da Espiritualidade eter­na, emergirá das páginas luminosas da sua expe­riência, perguntando ao leitor que se sinta oprimido e exausto:

— Por que reténs a noção dos castigos implacá­veis, quando Nosso Pai nos oferece o manancial inexaurível do seu amor? Por que atribuis tamanha importância ao sofrimento? Levanta-te! Esqueces­te Jesus? Já que o Mestre padeceu por todos, sem culpa, onde estás que não sentes prazer em traba­lhar, de qualquer forma, por amor ao seu nome?

A psicologia de Alcione é bem mais complexa do que se possa imaginar ao primeiro exame. Na grandeza da sua dedicação, vemos o amor renun­ciando à glória da luz, a fim de se mergulhar no mundo da morte. Com seu gesto divino, a Terra não é apenas um lugar de expiação destinado a exílio amarguroso, mas, também, uma escola sublime, dig­na de ser visitada pelos gênios celestes. Dentro dos horizontes do Planêta, ainda vigem a sombra, a morte, a lágrima... Isso é incontestável. Mas, quem seguir nas estradas que Alcione trilhou, converterá todo esse patrimônio em tesouros opinos para a vida imortal.

Aqui, pois, oferecemos-te, leitor amigo, tão ve­lhas recordações.

Crê, no entanto, que, por velhas, não são menos preciosas. São heranças sagradas do escrínio do co­ração, jóias de subido valor que espalharemos a êsmo, recordando que, se muita gente presume ha­ver alcançado os êxitos retumbantes e a felicidade ilusória no campo vasto do mundo, em verdade ainda não aprendeu nem mesmo a estabelecer a vitória da paz, na experiência sagrada que se veri­fica entre as paredes de um lar.


Pedro Leopoldo, 11 de janeiro de 1942.
EMMANUEL

PRIMEIRA PARTE

1

Sacrifícios do amor

Capítulo 10, item 11
A paisagem era formada de sombras, numa região indefinível na linguagem humana. Substâncias diferentes das que compõem o solo terrestre constituíam a sua crosta sulcada de caminhos tor­tuosos entre arbustos mirrados, à semelhança dos cactos próprios das zonas áridas. Os horizontes perdiam-se ao longe, nas linhas escuras do quadro melancólico, como se aquela hora assinalasse pe­sado crepúsculo.

Fazia frio, agravado pelas rajadas fortes do vento úmido, que soprava rijo, deixando no espaço vaga expressão de doloroso lamento. O lugar dava a impressão de triste país de exílio, destinado a criminosos condenados a penas ingratas.

Entretanto, ouviam-se vozes que a ventania quase abafava, como de prisioneiros cheios de expectação e de esperança.

Em singular e sombrio recôncavo, pequeno grupo de espíritos culposos comentava largos projetos de atividades futuras. Suas túnicas exóticas e grandes capuzes pareciam identificá-los como es­tranhos ministros de um culto ignorado na Terra. Alguns se revelavam inquietos, taciturnos, outros deixavam transparecer nos olhos enorme desalento.

— Agora — dizia um que evidenciava posi­ção de relêvo — necessitamos renovar ideais, imprimir novo impulso à nossa voliçâo enfraquecida. O passado vai longe e faz-se imprescindível arregi­mentar tôdas as fôrças para as lutas que vêm perto. A providência misericordiosa do Todo-Poderoso nos concede ensanchas de novas experiências na Terra. Meditemos em nossas quedas dolorosas no redemoi­nho das paixões do mundo e firmemo-nos nos santos propósitos de triunfo. Quantos anos temos perdido em amarissimos sofrimentos, no plano dos remôrsos devastadores?... Recordemos as angústias da via expiatória e agradeçamos a Deus o ensejo de voltar às tarefas purificadoras. Esqueçamos a vaidade que nos envileceu o coração; a ambição e o egoísmo que nos torturam a alma ingrata, e preparemo-nos para as experiências justas e necessárias.

A voz do locutor, porém, embargava-se afogada em lágrimas. A lembrança dolorosa do passado em­polgava o grupo de antigos sacerdotes desviados do nobre caminho que o Senhor lhes havia traçado.

Iniciara-se a troca de impressões entre todos. Alguns expunham dificuldades íntimas, outros co­mentavam a intenção de trabalhar devotadamente, até à vitória.

— O que mais me impressiona — proclamava um companheiro — é o fantasma do esquecimento que nos obscurece o espirito, lá na Terra. Antes da experiência, arquitetamos mil projetos de esfôrço, dedicação, perseverança; somos nababos de precio­sas intenções, mas, chegado o momento de as exe­cutar, revelamos as mesmas fraquezas ou incidimos nas mesmas faltas que nos compeliram aos desfila­deiros do crime e das reparações acerbas.

— Mas, onde estaria o mérito — explicava o amigo a quem eram dirigidas aquelas observações — se o Criador não nos felicitasse com êsse olvido temporário? Quem poderia aguardar o êxito desejável, defrontando velhos inimigos, sem o bál­samo dessa bênção celestial sôbre a chaga da lembrança? Sem a paz do esquecimento transitório, talvez a Terra deixasse de ser escola abençoada para ser ninho abominável de ódios perpétuos.

— Entretanto — objetava o interlocutor — se­melhante situação me atemoriza. Sinto enorme an­gústia só em pensar que perderei novamente a memória, que ficarei quase inconsciente de meu patrimônio espiritual, ao palmilhar as estradas ter­restres, qual enterrado vivo a quem fôsse subtraida a faculdade de respirar.

— Mas, como aprenderias a humildade com as reminiscências ativas do orgulho? Poderias, acaso, beijar um filho, sentindo nele a presença de um inimigo figadal? Conseguirias, de pronto, a força precisa para santificar, pelos elos conjugais, a mu­lher que manchaste noutros tempos, induzindo-a ao meretrício e às aventuras infames? Não percebes, no olvido terreno uma das mais poderosas mani­festações da bondade divina para com as criaturas criminosas e transviadas? Concordo em que a expe­riencia humana para quem observou, mesmo de lon­ge, como aconteceu a nós outros, as resplendências da vida espiritual, significa, de fato, a reparação laboriosa no seio de um sepulcro; mas nós, meu caro Menandro, estamos desde há muito mumifica­dos no crime. Nossa consciência necessita do toque das expiações salvadoras. A morte mais terrível é a da queda, mas a Terra nos oferece a medicação justa, proporcionando-nos a santa possibilidade de nos reerguermos. Renasceremos em suas formas perecíveis e, em cada dia da experiência humana, morreremos um pouco, até que tenhamos eliminado, com o auxílio da poeira do mundo, os monstros infernais que habitam em nós mesmos...

O amigo pareceu meditar aquêles conceitos profundos e, dando a entender que se convencera, interrogou com atenção, encaminhando a palestra para outros rumos:

- Quando se verificará nossa localização defi­nitiva nos fluidos terrestres, com vistas à nova expe­riência?

— A qualquer momento. Como sabes, muitos dos nossos já partiram. Os benfeitores de nosso destino, que advogaram a concessão de novas opor­tunidades ao nosso esfôrço remissor, já nos envia­ram a mensagem derradeira, desejando-nos realiza­ções felizes nos trabalhos futuros.


Nesse instante, sucedeu qualquer coisa que o grupo de almas sofredoras e esperançosas não con­seguiu perceber. Uma forma luminosa descia do plano constelado, semelhante a uma estréia des­prendida do imenso colar dos astros da noite, que agora se caracterizava pela sombra mais envolvente e profunda. Quase ao tocar no centro da paisagem escura, tomou a forma humana, embora não se lhe pudesse determinar os traços fisionômicos, tal a sua auréola de ofuscante esplendor. No entanto, como acontece no círculo das impressões humanas condicionadas às necessidades de cada criatura, nenhum dos circunstantes lhe registrou, de maneira absoluta, a presença generosa, senão mediante uma íntima alegria, permeada de santas esperanças. Ninguém poderia definir o sentimento de bom ânimo que se estabelecera, de modo geral. Elevada perspectiva de vitória no porvir palpitava, agora, nas conversações. Alguém declarou que naquele instante, por certo, estavam descendo novas bên­çãos de Deus sôbre o grupo antes receoso e abatido.

Menandro e Pólux, os dois amigos cuja palestra foi particularmente registrada, salientaram a subli­me alegria que lhes inundava o coração e o mais santo entusiasmo perdurou, entre todos, até que a pequena assembléia se dissolveu em meio de como­vedoras despedidas e compromissos sagrados.

Pólux, todavia, ainda ali ficou longos minutos a meditar na magnanimidade do Altíssimo e na magnitude do porvir. Não percebia a presença da sublime entidade envôlta em luz, que se conservava a seu lado, em atitude carinhosa, mas profundas emoções se lhe apoderaram do espírito, conduzin­do-o às reminiscências do pretérito remoto. Naquele instante, sentia-se tocado por sentimentos intra­duzíveis. Por que razão havia caído tantas vêzes ao longo dos caminhos humanos? Numerosas lutas sustentara, a fim de unir-se a Deus para sempre, através do amor purificado e divino. Experiências laboriosas havia empreendido no Evangelho de Jesus, para servi-lo em espírito e verdade, e contudo, na luta consigo mesmo, as paixões subalternas sem­pre saíam vencedoras, em sinistros triunfos. Em que constelação permaneceria Alcione, a alma de sua alma, vida de sua vida? E recordava as renún­cias e sacrifícios dela, em prol da sua redenção, lem­brando que, se a sua alma de santa estava sempre repleta de abnegação, êle, por si, fôra quase invariàvelmente frágil e vacilante, agravando os pró­prios fracassos. Principiara, de alguns séculos, a tarefa de resgate e aperfeiçoamento sob as clari­dades do Evangelho de Jesus-Cristo; procedera nobremente até certo ponto, mas, no instante de coroar a obra para a vida eterna, caíra miseràvelmente, como criminoso comum. Desesperara-se. Chafurdara-se no lodo cruel. A revolta, porém, agravara-lhe as penas íntimas, compelindo-o a ceder ante o cêrco apertado de novas tentações. Reme-morava, agora, a figura da alma bem amada, com lágrimas de amarguroso enternecimento. Sua me­mória parecia mais lúcida. À sua retina espiritual, desenhavam-se os séculos transcorridos. Alcione sempre pura e devotada, êle sempre incorrigível e cruel. Nas últimas experiências havia pedido o há­bito de sacerdote do catolicismo romano, desejoso de entregar-se ao ascetismo regenerador. Preferira ten­tar o esfôrço de abster-se das comodidades santas de um lar, a fim de sofrer o insulamento e as neces­sidades profundas do coração, buscando gravar no espírito, com o ferrete de padecimentos íntimos, o amor acrisolado e fiel. Mas, nas recapitulações pe­rigosas, tal propósito falhara sempre. Conspurcara os santuários, traira os deveres santos, esquecera os compromissos sagrados e saíra novamente do mun­do como criminoso revel. Pólux considerou os erros do passado execrável e, premido pelas angústias da consciência, começou a chorar.

Onde estava Alcione que parecia estranha às suas desventuras? Muitos anos haviam decorrido sôbre as suas peregrinações, como espírito desolado, entre remorsos acerbos, e nunca obtivera a dita de lhe beijar as mãos carinhosas e benfeitoras. De quando em quando, recebia-lhe as mensagens de in­citamento e confôrto sagrado; no entanto, não con­seguia saciar a saudade torturante, nem evitar o próprio desalento do espírito caído no resvaladouro das amarguras crueis.

Em palestra com os amigos. Pólux encontrava sempre poderosos argumentos para convencer os mais rebeldes ou consolar os mais tristes. Suas vastas reservas de conhecimento conferiam-lhe re­cursos espirituais que os demais não possuiam.

E contudo, naquela hora da sua eternidade, sentia-se profundamente só e desventurado.

Sob o jugo de atrozes recordações, sentindo que o instante de retôrno ao orbe terráqueo estava próximo, procurou o refúgio caricioso da oração e murmurou baixinho, de olhos erguidos para o alto:

— Jesus, Mestre querido e generoso, conce­dei-me fôrças ao coração enfêrmo e perverso!... Dignai-vos cerrar os olhos para as minhas fraque­zas e vêde, Senhor, quanto sofro!... Fortalecei minha vontade vacilante e, se possível, meu Sal­vador, dai-me a graça de ouvir Alcione, antes de partir!.

Mas, a essa evocação direta da bem-amada, o pranto lhe embargou a prece comovedora e dolo­rosa. Em atitude humilde, baixou os olhos nevoa­dos de lágrimas e soluçou, discretamente, como se estivesse envergonhado da própria dor.

Nesse instante, a entidade amorosa que o assis­tia pareceu orar intensamente, despendendo notável esfõrço para se lhe tornar visível. Gradualmente, extinguiram-Se os raios de luz que a envolviam em reflexos divinos. A sombra da paisagem cercou-a inteiramente, e uma jovem de singular beleza tocou o penitente nos ombros, num gesto de ternura en­cantadora.

— Pólux! — murmurou com indizível doçura. Êle ergueu a fronte e soltou um grito de ine­fável surprêsa.

— Alcione!... Alcione!... — respondeu com júbilo incoercível, postando-se de joelhos ao mesmo tempo que lhe osculava as mãos reconhecidamente.

— Há quanto tempo me vejo privado dos teus cari­nhos! Meus dias são milênios de inenarráveis an­gústias. Vieste atender ao mísero que sou?. .. Ah! sim, Deus sempre envia seus anjos aos desgraçados, como enviou Jesus aos pecadores...

— Levanta-te para o testemunho de amor ao Altíssimo — disse ela com angélica ternura —; não te julgues abandonado nos caminhos da regenera­ção. O Senhor está conosco, como estou sempre contigo. Anima-te para novas experiências! Jesus não desampara nossos propósitos elevados. Sofre e trabalha, Pólux, e, um dia, nos reuniremos para sempre na radiosa eternidade. Deus é a fonte da alegria imortal, e quando houvermos triunfado de tôda a imperfeição, banhar-nos-emos nessa fonte de júbilos infinitos.

— Ai de mim! — replicou revelando amargu­rosa desesperança.

Não lamentes! — tornou a entidade generosa — não perseveres em lastimar, quando o Todo Poderoso nos faculta o direito de renovar o esfôrço para as divinas conquistas. Novas tarefas te aguar­dam no seio amigo da Terra generosa. Solicitaste uma oportunidade nova de consagração a Deus, e a Providência te concedeu êsse precioso ensejo.

Sim — esclareceu Pólux desfeito em lágri­mas roguei a recapituLação do esfôrço dos sacer­dotes devotados ao labor divino. Uma vez mais, quero tentar as provas da abnegação e do ascetis­mo, na exemplificação do amor ao próximo. Mobi­lizarei tôdas as minhas energias para avançar al­guns graus na distância imensa que nos separa na escala evolutiva. Quero viver sem lar e sem filhos carinhosos, quero conhecer a solidão que muitas vêzes já experimentaste no mundo, nos estrênuos sacrifícios por mim. Minhas noites hão de ser desertas e tristes, caminharei junto dos que caem e padecem sôbre a Terra, no propósito de servir a Jesus, através da sua seara de amor e perdão.

Alcione contemplou-o embevecidamente, olhos mareados de pranto, numa doce emoção de júbilo e reconhecimento. As afirmativas e promessas do amado penetravam-lhe o coração como brandas ca­rícias. De há muito trabalhava com fervor pela obtenção daquele minuto divino, em que Pólux con­seguisse compreender e sentir o Mestre no coração antes de interpretá-lo intelectualmente, apenas.

— Jesus abençoará nossas esperanças — ex­clamou afetuosa. — Nós que saímos juntos do mes­mo sôpro de vida, chegaremos juntos aos braços amoráveis do Eterno.

Pólux soluçou convulsivamente.

Esperar-te-ei — disse ela — através dos caminhos do Infinito. Lutarei ao teu lado nos dias mais ásperos, dar-te-ei as mãos sôbre os abismos tenebrosos.

Perdoaste-me, como sempre? interrogou Pólux, voz entrecortada pela emoção do encontro.

— Os que se amam fundem as almas no en­tendimento recíproco. Deus perdoa, concedendo-nos a oportunidade da redenção, e nós nos compreende­mos uns aos outros.

E, evidenciando o desejo de restaurar as ener­gias do amado, continuou:

— Quantas vêzes também caí nas estradas longas e ríspidas. Acaso tenho um passado sem mácula?... Não és o único a padecer nos resgates justos e penosos. Milhões de almas, neste mesmo instante, clamam as desventuras do remorso e in­vocam as bênçãos do Altíssimo para o trabalho retificador. E não será razão de infinita alegria a certeza da concessão divina para recomeçar? Já recebeste a permissão do Senhor para o reinício da luta, avizinha-se o instante bendito do retôrno à tarefa e pensaste, acaso, nas torturas imensas de quantos, neste minuto, se sentem oprimidos e amar­gurados, na expectativa ansiosa de alcançar a dá­diva que já obtiveste?.

Pólux contemplou-a reconfortado, mas, objetou melancolicamente

— Ah! sinto que poderia atingir culminânciaS nas necessárias reparações; entretanto, Alcione, precisava para isso da tua constante assistência. Sei que preciso recorrer a provas difíceis de abnegação e de ascetismo, mas... se pudesse, ao menos, ver-te na Terra... Serias, para a minha tarefa, a radiosa estrêla d’Alva e, à noite, quando fluíssem do céu as bênçãos da paz, lembrar-me-ia de ti e encontraria nessa recordação o manancial da cora­gem e dos estímulos santos!.

Ela pareceu meditar profundamente e re­dargüiu:

— Implorarei a Jesus me conceda a alegria de voltar à Terra a fim de atender ao meu ideal, que se constitui, aos meus olhos, de sacrossantos deveres.

— Tu! Voltares? — perguntou o precito, ébrio de esperança.

— Por que não? — explicou Alcione com mei­guice. — O planêta terrestre não será um local situado igualmente no Céu? Esqueceste o que a Terra nos tem ensinado qual mãe carinhosa, na grandeza de suas experiências? Muitas vêzes, nós, na qualidade de filhos dela, manchamos-lhe a face generosa com delitos execráveis e, entretanto, foi em seu seio que o Mestre surgiu na manjedoura singela e levantou a cruz divina, encaminhando-nos ao serviço da remissão.

— Ah! se Deus permitisse ao mísero penitente que sou — disse Pólux dominado por indisfarçável alegria — a ventura de ouvir-te no estreito circulo terrestre, acredito que nada teria a temer na senda reparadora...

Alcione notou-lhe o surto de alegria transbor­dante e, ponderando-lhe as observações, palavra por palavra, obtemperou:

- Antes da minha, precisarás ouvir a voz do Cristo, e se Ele com sua infinita bondade permitir minha volta à Terra, jamais olvidemos que vamos lá regressar, não para auferir gozos prematuros, mas para sofrer juntos no caminho redentor, até podermos desferir o vôo supremo de felicidade e união, em demanda de esferas mais altas. Na obra de Deus, a paz sem trabalho é ociosidade com usur­pação. Não afastes os olhos do quadro de sacrifí­cios que nos compete fazer a favor de nós mesmos!

— Sim, Alcione, tu és o meu anjo bom — mur­murou êle entre lágrimas. — Ensina-me a percorrer as estradas depuradoras. Não me desam pares. Dize-me como devo proceder na Terra. Repete que te não afastarás do meu caminho. Inspira-me o desejo santo de resgatar meus pesados débitos, até ao fim...

Sentado, em atitude humilde, o mísero sofredor guardava a cabeça entre as mãos, enxugando as lágrimas copiosas.

Alcione afagou-lhe os cabelos com ternura e falou docemente:

— Não temas a prova de purificação que te conduzirá ao júbilo na senda eterna, O cálice do remédio deve ser estimado por sua virtude cura­tiva, não pelo travo do conteúdo, que apenas produz a penosa sensação de alguns segundos. Sê reconhe­cido a Deus nos sacrifícios, Pólux! Não desejes, nem esperes regalias na escola de edificação, onde o próprio Mestre encontrou a bofetada e a cruz do martírio. Não escutes as falsas promessas nem atendas aos caprichos perniciosos que nascem do coração. Obedece ao Pai e toma Jesus por cireneu de tôdas as horas. A porta estreita, ainda e sempre, é o maravilhoso símbolo para a divina iluminação. Foge das fantasias envenenadas que trabalham contra as santificantes aspirações do espírito. Re­corda as angustiosas experiências que tantas vêzes empreendemos na Terra, para a conquista de nossa perpétua união. Não temos sêde de enganosas sa­tisfações. Temos sêde de Deus, Pólux! O infinito amor que nos transfunde as almas tem sua origem sagrada em sua misericórdia paternal. Quero-te eternamente, como sei que a união comigo é a tua sublime aspiração: entretanto, seria justo encerrar nosso júbilo num círculo egoístico, tão somente? Amamo-nos para sempre, a eternidade nos santifica os destinos, mas o Pai está acima de nós. Entre­guemo-nos ao seu amor, no santo trabalho de suas obras. Em suas mãos augustas, meu querido, pal­pita a luz que enche os abismos. Haverá maior glória que praticar-lhe a divina vontade, que se traduz em amor, dedicação e alegria? Nos cami­nhos novos a percorrer, lembra o Pai Amado e atende-o em tôdas as circunstâncias. Não acalentes no coração os germes da vaidade e do egoísmo. Sacrifica-te. Dá combate a ti mesmo. Os triunfos exteriores são aparentes e podem ser mentirosos. A vitória espiritual pertence à alma heróica que soube unir-se ao céu, através de tôdas as tempes­tades do mundo, trabalhando por burilar-se a si própria.

Pólux chorava, compungidamente, mas rogou com expressão comovedora:

— Compreendo-te as palavras sábias e afetuo­sas! Farei tudo por unir-me a Deus e a ti, eternamente.­ Pede por mim a Jesus para que eu tenha reflexão e bondade no mundo...

No entanto, como se experimentasse um cho­que inesperado, levou as mãos ao peito, calou-se por momentos, para depois retomar a palavra, espan­tado e hesitante:

— Alcione, querida, não sei se a emoção desta hora divina abalou minhas energias mais profun­das; contudo, sinto que algo me envolve a fronte, uma fôrça incoercível parece ameaçar o cérebro vacilante: experimento penosas sensações, como quando perdemos as fôrças devagarinho, antes de cair...

E, após outra pausa ligeira, voltava a excla­mar, revelando amarga estranheza:

— Chamam por mim... ouço vozes que me chegam de longe... que vem a ser isto?...

O rosto se lhe cobrira de intenso livor, de pro­funda palidez, e, deixando perceber que escutava interpelações de um mundo diferente, interrogou entre atemorizado e surpreendido:

— Como interpretar êstes apelos? É êste o triste momento? Ah! não, não pode ser!...

Mas, nesse instante, a jovem sentou-se a seu lado; carinhosa, tomou-lhe a fronte cansada no re­gaço generoso e, afagando-lhe os cabelos com extre­ma ternura, esclareceu:

— Acalma-te. Chamam-te da Terra. Vais ador­mecer para despertar na experiência nova, nos círculos da vida humana. Partirás de meus braços para o seio da afetuosa mãezinha que Jesus te des­tinou.

Pólux experimentava estranhas sensações, ca­racterizadas por súbito abatimento; mas, sentindo-se conchegado ao amoroso regaço de Alcione, tinha a impressão de ser a mais venturosa das criaturas. Impressões dominadoras de sono senhoreavam-no e, no entanto, lutava desesperadamente contra elas, tentando dilatar a ventura daqueles momentos su­blimes, obtemperando carinhosamente:

— Não desejaria outra mãe, senão tu mesma. Reúnes, para mim, todos os sagrados requisitos de mãe, de irmã, de companheira e noiva bem-amada...

Ela, que também demonstrava grande emoção nos olhos rasos d’água, acrescentou com meiguice:

— Sim, somos dois corações numa só alma, sob os desígnios do Altíssimo!

Pólux, agora, evidenciava intraduzível angús­tia. Os olhos moviam-se inquietos, obedecendo às ansiosas expectativas do seu mundo interior. O peito arfava dolorosamente, como se o coração ten­tasse romper o tórax, causando-lhe indefinível an­gústia. Seu estado geral dava a impressão de um moribundo na Terra, nas vascas da morte. Fixou os olhos inquietos na bem-amada, tal qual criança necessitada de carinho, e falou com dificuldade:

— Alcione, não será êste padecimento igual ao da morte que conhecemos no mundo?... (1)

— Sim, meu querido, tua angústia de agora éoutra crise periódica.

— Reconheço — disse êle completando o ra­ciocínio — e estou certo de que terei crises seme­lhantes na Terra, ou noutros planos, até que me liberte da morte no pecado... Um dia encontrarei a ressurreição eterna, a harmonia sem fim... Per­manecerei a teu lado para sempre!...

A jovem aconchegou-o ao coração, com mais ternura.

— Alcione — murmurou dificilmente —, não sei se me perdoaste a ponto de permitir ao meu espírito miserável a solicitação de uma dádiva ce­lestial...


(1) Os fenômenos da reencarnação, como aque­les que assinalam o desprendimento do espírito no mundo, abrangem as mais variadas formas e se veri­ficam de acôrdo com as necessidades de cada um. — Nota de Emmanuel
Ela adivinhou-lhe os pensamentos mais secre­tos e, todavia, com a delicadeza de quem não deseja parecer superior, retrucou carinhosamente:

— Dize, Pólux! Que não farei por tua feli­cidade?

— Desejava... que me beijasses... ao menos uma só vez, antes de partir...

Lágrimas ardentes repontaram nos olhos da noiva espiritual, que, estreitando-o ternamente de encontro ao coração, como se atendesse a tenra criança, replicou cheia de brandura:

— Antes disso, elevemos a Jesus nosso beijo de amor e reconhecimento. Roguemos ao seu cora­ção magnânimo proteção e amparo ao nosso ideal divino,

O interlocutor fixou no seu rosto angélico os grandes olhos atormentados e murmurou:

— Acompanharei tuas preces...

Alcione ergueu o olhar lúcido ao céu conste-lado, que esplendia além das sombras que envolviam aquela região de amargura, e orou fervorosamente:

— Mestre amado...
Depois da pausa natural, Pólux repetiu comovedoramente:

— Mestre amado...


A jovem sentiu que o pranto quase lhe embar­gava a voz, mas, seguida por êle, continuou:

— Com veneração e carinho, nós, meu Jesus, desejamos oscular vossos pés. Recebei no santuá­rio de vossas glórias divinas a pobre lembrança dos servos humildes e necessitados, Nossas almas estão cheias de gratidão à vossa bondade, Permiti, meu Salvador, que Possamos honrar O vosso nome traba­lhando na seara de perdão, de verdade e de amor, com a vossa doutrina, Abençoai nossas lutas sal­vadoras, dai-nos a fôrça para vos testemunhar eterna fidelidade, amparai nossos espíritos até ao dia em que nos possamos unir em vosso seio, na claridade sem fim da eternidade luminosa!...

Alcione interrompeu a oração, que se asseme­lhava a um cântico divino fragmentado por doce estacato. Na paisagem desolada, fizera-se luz in­tensa, que Pólux não conseguia perceber. Generosos emissários acercaram-se dos dois filhos de Deus, que imploravam, de todo o coração, o amparo de Jesus.

A jovem, nesse momento, inclinou-se para o bem-amado e, na compostura de mãe carinhosa e desvelada, beijou-o longamente nos lábios com in­finita ternura.

Pólux desejou proclamar seu precioso júbilo, dizer da suave emoção que lhe banhava o espírito, suplicar a dilação daquela hora gloriosa do caminho eterno, mas não conseguiu articular palavra. As lágrimas ardentes, porém, que lhe rolavam dos olhos qual lúcido colar de pérolas divinas, diziam bem alto da sua comoção indefinível. Olhar fixo em Alcione, qual agonizante na Terra que desejasse guardar para sempre o quadro mais querido, cerrou as pálpebras cansadas e rendeu-se ao grande sono.

Foi aí que os mensageiros do Cristo se apro­ximaram da comovida jovem, que lhes entregou o bem-amado com profundo desvêlo, falando-lhes brandamente:

— Irmãos, não esqueçais de que vos confio um tesouro!...

Em seguida, tomou sua roupagem de luz e afastou-se da paisagem nevoenta, dando a impres­são de uma estrêla solitária que regressava ao paraíso.

Pouco depois, ei-la que aporta em portentosa esfera, inconfundível em magnificência e grandeza. O espetáculo maravilhoso de suas perspectivas ex­cedia a tudo que pudesse caracterizar a beleza no sentido humano. A sagrada visão do conjunto per­manecia muito além da famosa cidade dos santos, idealizada pelos pensadores do Cristianismo. Três sóis rutilantes despejavam no solo arminhoso ocea­nos de luz inirífica, em cambiâncias inéditas, como lampadários celestes acesos para edênico festim de gênios imortais. Primorosas construções, engala­nadas de flores indescritiveis, tomavam a forma de castelos talhados em filigrana dourada, com irra­diações de efeitos policromos. Sêres alados iam e vinham, obedecendo a objetivos santificados, num trabalho de natureza superior, inacessível à com­preensão dos terrícolas.

Alcione penetrou num templo de majestosas proporções, dominada por pensamentos intraduzí­veis. Muito acima da nave radiosa, elevava-se uma tôrre translúcida, trabalhada em substância sólida e transparente, semelhante ao cristal, de cujo in­terior jorravam melodias harmoniosas.

O santuário augusto era uma vasta colmeia de trabalho e oração.

Alcione passou por companheiros muito ama­dos, atravessou compartimentos repletos de luz ni­tente e, aproximando-se de Antênio — a entidade angelical que, por sua excelsa posição hierárquica, ali cumpria as ordenações de Jesus, falou com hu­mildade:

— Anjo amigo, deliberei suplicar ao Senhor a permissão de voltar temporariamente às tarefas terrenas.

— Como assim? — inquiriu Antênio admirado —. acaso todos nós permanecemos aqui impossibi­litados de auxiliar o planêta terreno? Não estamos a serviço do Cristo, no afã espiritual de reerguer êsse orbe?

— Explico-me — disse a recém-chegada timi­damente —: rogo a concessão de um corpo carnal, caso Jesus me conceda essa dádiva.

O generoso mentor contemplou-a com amoroso respeito, compreendeu-lhe as intenções mais ínti­mas, esboçou um sorriso de bondade e perguntou:

— Mas, teus trabalhos no sistema de Sírius? Não estás cooperando com os benfeitores da Arte terreal? Acredito não vir longe a época de serem levados ao mundo terreno os necessários elementos de inspiração, depois do resultado de tantos esfor­ços para a solução de certos problemas do ritmo e da harmonia.

— Se possível — acrescentou a jovem com emoção — desejaria interromper essas pesquisas que me falam gratamente à alma, para retomá-las no porvir.

— Mas, Alcione — obtemperou o orientador dando fôrça às palavras —, porque um novo e arris­cado compromisso? Compreendo as razões que inter­ferem na tua súplica; entretanto, pondero que podes trabalhar aqui mesmo, a favor daqueles a quem amas, encorajando-os e assistindo-os da esfera em que te encontras.

— Confesso-te, porém, bondoso Antênio, que profundas saudades me lancinam rudemente o co­ração. Será condenável o desejo firme de alcançar a felicidade através das renúncias do amor e nos propósitos de semear o bem? Perdoa-me se a pre­sente rogativa causa estranheza à tua alma cari­nhosa, que tanto me tem amado no glorioso cami­nho para Deus. Releva-a, recordando que o próprio Jesus teve saudade de Lázaro e, ainda agora, na ma­jestade da sua glória divina, experimenta cuidados pelos discípulos caídos, que padecem e choram!...

A bondosa e sábia entidade ouviu-a comovida, em afetuoso silêncio.

— Além disso — prosseguiu mais animada —não desejo regressar à forma estruturada em poeira, tão sômente para seguir o amado Pólux, a quem me permitiste advertir e consolar. Quase todos os meus companheiros bem-amados, no esfôrço evolu­tivo de outras eras, estão atualmente no Planêta, mas, em sua generalidade, envenenados por conse­qüências sinistras de oportunidades menosprezadas e perdidas. As vêzes, suas queixas dolorosas e afli­tivas me repercutem penosamente nalma, ouço-lhes as preces ansiosas e nossos cooperadores nos fluidos pesados do orbe me enviam mensagens que são verdadeiros brados de socorro, aos quais não pOSSO ficar insensível, por mais que me procure confugir à perfeita confiança no Todo-Poderoso.

— Sim — atalhou Antênio, sensibilizado —, co­nheço os teus motivos sacrossantos.

E, como quem desejava ministrar todos os es­clarecimentos possíveis ao seu alcance, continuou:

— Apesar de nossos bons desejos, querida Alcione, não creio que Pólux obtenha desta vez o êxito imprescindível. Seu esfôrço de agora será uma experiência proveitosa, mas, possivelmente, ainda não logrará a coroa da vida. Embora a dedi­cação que me compele a falar-te em têrmos tão sinceros, devo acrescentar que essa é a verdade clara aos nossos olhos. Entretanto, também sei que outros velhos amigos teus caíram em tenebro­sos desvios de impiedade, traindo sagradas obriga­ções. Os que te foram pais, algumas vêzes, per­deram-se na embriaguez da autoridade e nas fan­tasias da fortuna; os que te foram irmãos e fami­liares tombaram vencidos no despotismo e na des­vairada ambição. E o mais lamentável é que se complicaram mütuamente, alimentando a fornalha do ódio com a lenha do egoísmo, carbonizando in­tenções generosas e anulando estrênuos esforços de quantos os auxiliam com abnegação e nobreza. Nenhum cedeu em caprichos, ninguém perdoou nem esqueceu o mal. As ervas daninhas invadiram o campo de tuas esperanças divinas. Teus compro­missos com o Senhor sofrem pesadas ameaças. Justifico, dêsse modo, as tuas razões, embora não possa aplaudir a extensão dos sacrifícios que pre­tendes fazer.

A jovem demonstrou, no olhar, sincero reconhe­cimento por semelhantes palavras de compreensão e exclamou:

— Anjo amigo, tenho tanto desejo de acariciar aquela que me foi mãe desvelada em outros tempos!... Não será justo procurar assistir aos que, noutras eras, me auxiliaram a penetrar as sendas da redenção?

— Ouve, porém, Alcione observou Antênio solenemente —, tuas rogativas são louváveis e tuas aspirações são mais que justas; mas, assim como te aconselhei advertir Pólux, devo também exor­tar-te por minha vez. Deves saber o volume dos trabalhos e responsabilidades que solicitas do Mestre.

— Sim, replicou a jovem sem hesitação, estou disposta a procurar minhas dracmas perdidas, se mo permitires em nome do Senhor.

— Já ponderaste nos obstáculos imensos? Lembra que o próprio Jesus, penetrando na região terrena, foi compelido a se aniquilar em sacrifí­cios pungentes. Recorda que as leis planetárias não afetam sômente os espíritos em aprendizado ou reparação, mas, também, os missionários da mais elevada estirpe. Experimentarás, igualmente, o olvido transitório e, embora não tanto agravados em virtude das tuas conquistas, sentirás o mesmo desejo de compreensão e a mesma sêde de afeto que palpitam nos outros mortais. Para esclareci­mento dêsses problemas, minha querida, o Mestre deixou à comunidade dos discípulos profundos ensi­namentos no Evangelho. O mundo, representado por maus sacerdotes e falsos doutores, buscou ten­tar o próprio Jesus. Já meditaste na tua aproxi­mação de Pólux, investida num corpo de carne? Sabemos que Pólux parte com deveres de suma im­portância, em função de coletividade; e tu te sentes preparada para neutralizar a poderosa lei da atra­ção das almas? Não o digo no sentido de preocupa­ções subalternas, mas ponderando a grandeza dos teus sentimentos afetivos, em relação à grandeza mais sublime das obrigações assumidas para com Deus. Terás ânimo para lhe ouvir no mundo os rogos amorosos, mantendo-o no seu pôsto, incó­lume e sobranceiro à solidão de si mesmo? Sem dúvida, a lei terrestre te encherá de desejos e te induzirá a considerar a possibilidade de proporcionar-lhe filhos afetuosos, em obediência aos seus princípios naturais. Além disso, teus afetos de outras épocas, como, por exemplo, os que te foram pais amorosos, receberão a palma de lutas ásperas e agudas provações. A senda de quase todos os teus amigos está semeada de espinhos, que êles próprios plantaram no seu desapêgo à misericórdia do Todo-Poderoso. Sentes-te bastante forte para assumir tão grave compromisso? Conheço nume­rosos irmãos que, depois de pedirem missões arris­cadas como esta, voltaram onerados de mil proble­mas a resolver, retardando assim preciosas aqui­sições.

— Conheço a gravidade da minha decisão —esclareceu a jovem com muita humildade — mas, sa­bendo-me fraca pelo muito que amo, espero que o Senhor me fortaleça nos dias de sombra e aflição. Pela cruz que sua magnanimidade aceitou em nosso benefício na Terra, rendo-me à sua augusta vonta­de, mantendo, contudo, minha sincera rogativa!...

Antênio contemplou-a tomado de nobre admi­ração e sentenciou:

— Louvo os teus propósitos firmes e sei que tua poderosa confiança no Cristo é penhor sagrado de vitória; mas, devo ainda lembrar-te que a si­tuação terrena dos que se propÕem ao serviço legí­timo da virtude — ainda e sempre — é inçada de sofrimentos atrozes. Não desconheces que, nessas missões sublimes, a criatura disputa o direito de acompanhar o Mestre em seus passos divinos, O discípulo da verdade e do amor, no mundo, é alguma coisa de Jesus e de Deus, e a massa vulgar não lhe perdoa tal condição, sobrecarregando-o de pesados amargores, porque seus sentimentos não são aná­logos àqueles que a conduzem a incoerências e de­satinos. Não poderá haver acôrdo entre a virtude e o pecado. E como o pecado ainda domina o mun­do, a tarefa apostólica em seus trâmites será sempre um doloroso espetáculo de sacrifício para as almas comuns. Todos os que seguiram Jesus foram obrigados a identificar o destino com o sinal do martírio. Os que se não desprendem da Terra, crucificados nas dores públicas, retiram-se ao de­samparo, esmagados pelos opróbrios humanos, calu­niados, humilhados, encarcerados, feridos. Raros triunfaram conservando a serenidade e o amor ima­culado, até ao fim!... Ponderaste semelhantes experiências em que tua alma peregrinará por al­gum tempo, retalhada de angústias!...

Sim, querido amigo, refleti em tudo isso e estou resolvida ao testemunho, por mais cruel que seja o meu roteiro.

— Venturosa serás se puderes aceitar o sofri­mento na Terra, dentro dêsse conceito — exclamou o mentor com grande tranqüilidade. — O homem comum, nos seus interêsses mesquinhos, não con­sidera a dor senão como resgate e pagamento, des­conhecendo o gôzo de padecer por cooperar sincera-mente na edificação do Reino do Cristo.

— Jesus, que vê o meu coração, ensinar-me-áa transformar a tortura em cântico de graças e me auxiliará a esquecer as cogitações menos dignas, de que me possam cercar os espíritos vulgares, rela­tivamente ao trabalho porfiado e difícil da reden­ção e do engrandecimento da vida.

Antênio comoveu-se profundamente em face de tão valorosa resolução e respondeu, afinal:

— Pois bem, já que te firmas em propósitos tão altos e guardas todos os preceitos justos e im­prescindíveis à situação, permito o teu regresso àTerra, em nome do Senhor.

Alcione transbordava de júbilo santo. A suave emoção daquela hora abria-lhe portas resplande­centes de esperança e alegria inexcedíveis.

— Considerando — disse o amoroso instrutor — que partirás não mais ocasionalmente e sim para uma transformação sacrificial, que exigirá muito trabalho e renúncia, ficas desde já desligada de tuas obrigações nesta esfera, a fim de te adapta­res, vencendo as situações adversas das regiões inferiores que nos separam do mundo, no que, pressinto-o, deverás gastar quase dez anos ter­restres.

Alcione, vertendo lágrimas de alegria e gra­tidão, aproximou-se, tomou a destra de Antênio e murmurou:

— Deus te recompense!...

— Que a sua misericórdia te abençoe! — ex­clamou o instrutor acariciando-lhe os cabelos. —Seguir-te-ei daqui com as minhas preces e espe­rar-te-ei confiante na vitória futura!.

A criatura amada de Pólux ainda se conservou no templo, até ao fim do dia.

Ao crepúsculo, quando se despediam no espaço os raios dos três sóis diferentes, em deslumbra­mento de côres, Alcione reuniu-se a numeroso grupo de amigos e orou com fervor, suplicando as bênçãos do Pai misericordioso.

O firmamento enchia-se de claridades policrômi­cas e deslumbrantes. Satélites de prodigiosa beleza começavam a surgir na imensidade, envolvendo a paisagem divina num oceano de luz.

A carinhosa benfeitora osculou a fronte dos companheiros de serviço divino e partiu...

Daí a instantes, chegava ao templo pequena caravana de entidades jubilosas. Era a reduzida expedição que operava nas esferas de Sírius. Um dos seus componentes, depois de fitar a vastidão do céu, entrou no templo e dirigiu-se a Antênio, in­terrogando:

— Quem é o viajor que vai seguindo na direção das Faixas Negras?

— É Alcione, que se propôs novo trabalho entre os espíritos encarnados na Terra.

— Que dizes? — indagou tomado de espanto

— Alcione beberá novamente o cálice amargo de tamanha renúncia?

— São os sacrifícios do amor, meu filho! —respondeu o preposto do Cristo, evidenciando com­preensão e serenidade. — Só o amor poderia com­peli-la a permanecer ausente do nosso Amado Lar.

Então, saíram todos para o jardim resplen­dente que rodeava o santuário, e, contemplando a figura luminosa que se afastava rumo às zonas obscuras, enviaram à abnegada companheira, que partia para tão longa e perigosa viagem, seus votos de confiança e amor, em preces sinceras.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal