Globalização, educação e direito



Baixar 115.79 Kb.
Página3/6
Encontro18.12.2017
Tamanho115.79 Kb.
1   2   3   4   5   6

Bibliografia

BARRETO, F. União global x racismo. A Tarde, Salvador, 29 abr.2001. Caderno 2, p.1 (Entrevista concedida por Gay McDougall)


BOAVENTURA, E. O doutorado em Educação da Universidade do Québec: interdisciplinar e multicampi. Canadart, Salvador, v.4, p.35-52, jan./dez. 1996.
_____. Abertura planetária da educação global. A Tarde, Salvador, 5 mar.1998.Caderno 1, p.8.
_____. Para além da educação básica. A Tarde, Salvador, 25 jun.1998. Caderno 1, p.8.
_____. Por que educação na perspectiva planetária? A Tarde, Salvador,5.jul.1998. Caderno 2,p.5.
_____. Para além das fronteiras. A Tarde, Salvador, 3 nov.1998. Caderno 1, p.8.
BOAVENTURA, E. & PERISSÉ, P. Educação e globalização: uma perspectiva planetária.

Ensaio: Avaliação e políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, v.7,n.22, p. 83-90.jan./mar.1999.

BUARQUE, S. C. Metodologia de planejamento de desenvolvimento local e municipal sustentável. Bras´lia:IICA,1999.

CETREL S.A., Empresa de Proteção Ambiental. Elementos para a compreensão das questões ambientais. Camaçari, BA, 1998.


CHACON, V. Globalização e estados transnacionais: relações internacionais no século XXI. Brasília: Arko Advice, 1998. ( Cadernos da Política Comparada)
CORBO, C. L´ école des prochaines années: perspectives planetaires, néolibéralismo et identité collective. In: HRIMEC, M.; JUTRAS,F. Défis et enjeux de l´éducation das une perspective polanétaire. Sherbrooke, Québec: CRP, 1997.
DÈCIMO, T. Globalização dá uma força para o espanhol. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 3 maio 1998.
DIAS, G.F. Educação ambiental: princípios e práticas. 5.ed. São Paulo: Gaia, 1998.
É MAIS FÁCIL FALR ESPANHOL DO QUE CONVERNCER OS VIZINHOS A APRENDER PORTUGUÊS. Folha de S. Paulo, São Paulo, 20 nov.1998. Cotidiano 3/8.
IANNI, O. Globalização agrava as questões sociais. A Tarde, Salvador, 24 jun.2001. Local p.12. ( Entrevista concedida a Cleidiana Ramos).
LESSAR, C.; DESROCHES,F; FERRER,C. Pour un monde démocratique: l´ éducation dans une perpspective planétaire. Revue des Sciences de l`Éducation,Montréal, v.23, n.1, p.3-16, 1997 ( numéro thématique).
LEGENDRE, R. Dictionaire actuel de l´éducation. 2.ed. Montréal: Guérin, 1993. ( Le Défi Éducatif Collection).
MISGELD, D. L´éducation mondiale dans une perpspective locale. Revue des Sciences de

l´Éducation, Montréal, v.23,n.1, p.61-76,1997.
MORAES, M. S de. Globalização deve ser “ civilizada”, diz premiê. Folha de S. Paulo, São Paulo, 7 abr.2001. Folha Mundo, A15.
NEIVA, L.P.A. A intervenção do Estado no desenvolvimento local: o caso de Canudos: Açude Cocorobó. 2000. 125 f.. Dissertação ( Mestrado em Ciências Agrárias). - Escola de Agronomia , Universidade Federal da Bahia, Cruz das Almas.

ROSA, P. V. F. Direito Comunitário: 1000 questões. Belo Horizonte: Nova Alvorada, 1998.


SAUVÉ, L. L´approche crtique en éducation relative à l´environnement: origines théoriques et applications à la formation des enseignants. Revue des Sciences de l´ Education, Montréal, v.23, n.1, p.169-187, 1997.

SELBY, D. Global education in the 1990`s: problems and opportunities – visions of 200l. Global Education, jan. p.2-8, 1993.

SILVA, L.C. C. da. A efetividade do Direito Ambiental brasileiro, a partir da concepção de Ockham: estudo de caso da comunidade de Interlagos ( Bahia, anos 90). Salvador, 2000 (Projeto de Pesquisa do Doutorado em Direito – Ciências Jurídicas e Sociais).
WERTHEIN, J. Educação, emprego e cidadania. Folha de S. Paulo, São Paulo, 3 fev.1999. Opinião 1/3.
_____. Por uma cultura da paz. Folha de S. Folha, São Paulo, 30 jul.1999. Opinião 1/3.


2. 1 Comunicação e expansão da economia


As transformações na velocidade dos meios de comunicação e da informação é acelerada pela concorrência entre jornal, rádio, televisão e internet. As forças propulsoras desse movimento permitem chamá-las de planetarização. Os meios de comunicação e a economia são crescentemente submetidos ao liberalismo das relações sociais e econômicas. Busca-se flexibilizar a economia tanto do processo de trabalho , como da acumulação de bens e sua distribuição para o consumo. Organização econômica que se caracteriza pelo estabelecimento de redes, alianças e parcerias que conduzem à formação de blocos de nações. A privatização conduz à liberalização da economia, cujos investimentos e financiamentos ultrapassam as fronteiras nacionais. Globalização que faz aparecer problemas como a deteriorização do meio ambiente, o desrespeito aos direitos do homem e da mulher, guerras localizadas, emigração para diferentes países em diversos continentes, acarretando desafios culturais, lingüísticos e de costumes. Dentre todos esses problemas, sobressai a violência urbana sob todas as formas. Precisa-se, então, de uma educação que estimule a solução pacífica dos conflitos.

A educação escolar, por demais acorrentada às engrenagens do Esrtado-nação, não pode permanecer com currículos fechados aos problemas trazidos pela globalização. As alternativas pedagógicas propostas aos alunos não devem ser as mesmas dos últimos anos. O impacto que a educação está sofrendo em termos de limitações nacionais é considerável. O interesse da aprendizagem transpõe fronteiras. Educar o cidadão responsável no tempo da mundialização faz apelo aos direito humanos, à paz, ao meio ambiente, ao desenvolvimento sustentado e à compreensão internacional



3. As cinco aberturas da educação global.

O enfoque desenvolvido por Gérard Lucas se baseia em cinco aberturas ( volets): recursos humanos, cultura da paz, meio ambiente, desenvolvimento sustentado e compreensão mundial.

3.1 Direitos humanos e educação planetária

Quanto aos valores, a educação global prende-se às quatro gerações dos direitos humanos - civis, políticos, sociais, culturais e coletivos -, buscando-se criar no cidadão responsável uma atitude permanentemente crítica aberta ao universo pluralista. Segundo o abecedário das Nações Unidas, os direitos da pessoa têm origem nas necessidades e capacidades humanas. A principal fonte é a Declaração Universal dos Direitos do Homem, promulgada pela Assembléia Geral , em 10 de dezembro de 1948. Em 1966, dois novos instrumentos internacionais concernentes foram adotados pela ONU: o pacto dos direitos econômicos, sociais e culturais e o pacto dos direitos civis e políticos ( BOAVENTURA, 1998).





Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal