Herculano Pires Parapsicologia Hoje e Amanhã



Baixar 498.76 Kb.
Página4/28
Encontro29.11.2017
Tamanho498.76 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28

3.
Cv – A visão sem olhos


Podemos ver sem os olhos? Eis uma questão que, se proposta a uma reunião de sábios, há alguns anos, poderia mandar-nos para um hospício. Hoje, porém, podemos não só formulá-la, mas também respondê-la afirmativamente, dentro de qualquer instituição científica das mais respeitáveis. Porque a função psi, pertencente ao campo de psigama, geralmente designada por Cv – que é a clarividência – está cientificamente provada desde 1940. Há mais de um terço de século, portanto, o mundo científico sabe da existência dessa possibilidade da visão sem olhos.

Mas isso não impediu que, ainda há alguns anos, ilustre professor de medicina publicasse entre nós verdadeiro calhamaço em que negava a existência dessa função e de qualquer outra da mesma natureza. Nem impedirá que, neste mesmo momento, outros livros semelhantes, por autoridades científicas do mesmo gabarito, sejam publicados no Brasil e no Exterior. Porque o preconceito científico é tão cego e surdo como o preconceito religioso, de cujas entranhas nasceu, como já vimos no exemplo do capítulo anterior.

Por sinal que o preconceito religioso continua a criar grandes obstáculos ao desenvolvimento das pesquisas e particularmente à verdadeira interpretação dos seus resultados. O caso da clarividência é típico. Esta função não foi apenas a primeira a ser comprovada cientificamente, mas também a única que ofereceu condições de verificação experimental, sem muita possibilidade de confusão com outras funções. A única, enfim, que pôde ser comprovada como pura, sem mistura com as demais. Mas, apesar disso, foi justamente a telepatia, a mais sujeita a confusões, que serviu para a criação de uma escola parapsicológica que pretende reduzir a clarividência e todas as demais funções psi exclusivamente a ela. O expoente mundial dessa posição é Robert Amadou, na França, cujo facciosismo se desmascarou no seu pequenino livro Os Grandes Médiuns.

As pesquisas de clarividência foram relativamente fáceis, pois era fácil excluir a possibilidade telepática. Para tanto, bastava colocar o sujet em relação com objetos materiais desconhecidos de qualquer pessoa. Por exemplo: um maço de cartas de baralho especial, embaralhado mecanicamente. Ninguém sabia em que ordem as cartas se encontravam. Se o sujet era capaz de revelar essa ordem nas séries de experiências realizadas, de maneira a excluir qualquer possibilidade de acerto por acaso, ficava demonstrado que a telepatia não participara do fenômeno. Excluir a telepatia não era difícil. Mas já o mesmo não se passa com a experiência de telepatia pura, quando se quer excluir a possibilidade de interferência clarividente.

Essa posição cômoda da clarividência foi completamente transtornada quando os fenômenos de precognição se infiltraram nas experiências. Para grande número de parapsicólogos os termos do problema se inverteram. Amadou chega a declarar peremptoriamente: “A telepatia está perfeitamente comprovada; a clarividência, não”. E é com base nessa afirmação que ele reduz todas as funções psi a uma só, a telepática, servindo-se do princípio de economia de hipóteses. Para negar, por exemplo, a clarividência na experiência do maço de cartas, a que acima nos referimos, Amadou apela à telepatia precognitiva. Quer dizer: o sensitivo devia perceber a ordem das cartas na mente do experimentador por meio da precognição, ou seja, vendo no futuro o momento em que o experimentador tomaria conhecimento dessa ordem.

Mas o problema não é tão simples como parece. A hipótese de telepatia precognitiva, para explicar o teste de clarividência com o maço de cartas, choca-se com a dificuldade para explicar a precognição. Rhine considera essas explicações como fantásticas e sustenta a realidade da clarividência. Aliás, o número de experiências e a variedade de condições das mesmas, provando a existência da clarividência, acabou favorecendo a posição de Rhine. Por outro lado, a explicação das funções psi como um todo – e particularmente de psigama como forma sincrônica de funções subjetivas da mente – permite-nos compreender a existência dessas contradições no campo das explicações. A percepção extra-sensorial, como adverte Rhine, é um complexo de funções psi que em geral se entrelaçam da mesma maneira que se entrelaçam os nossos sentidos físicos, apesar de sua especificidade orgânica, para obtermos todas as sensações de um objeto.

Por isso mesmo não é estranhável que muitos psicólogos tenham adotado posições semelhantes à de Amadou. O Professor Whately Carington, da Universidade de Cambridge, procurou também explicar todos os fenômenos psigama pela telepatia. Construiu, aliás, uma curiosa teoria de associacionismo paranormal, de certa maneira ligado à velha psicologia associacionista, que explicaria essa redução. Voltaremos a tratar dessa teoria logo que estudarmos o problema da possível mecânica do processo telepático.

O famoso psicólogo inglês Gardner Murphy, debatendo com Rhine o problema, afirmou que os casos espontâneos de clarividência estavam sempre ligados a pessoas e não a objetos ou locais. Com isso queria dizer que a percepção de um fato, de um objeto ou de um local, nada mais era que uma captação telepática. Amadou considera esse argumento como “de peso”, como importante, a favor da hipótese de sua preferência.

Mas ainda aqui é necessário advertir que a constância da ligação pessoal não é absoluta. E mesmo que o fosse, não significaria muita coisa, pois é evidente que vivemos, todos os seres humanos, envoltos numa atmosfera psíquica. O centro de nossos interesses mais profundos e vitais é sempre a criatura humana, pois ninguém vive isolado, nem poderia, isoladamente, desenvolver as condições da espécie, que são essencialmente psíquicas. Natural, portanto, que as visões à distância não sejam aleatórias, mas estejam sempre ligadas a interesses humanos.

Há casos, porém, que fogem ao esquema telepático. Poderíamos lembrar o famoso caso das manifestações de Hydesville, nos Estados Unidos, com as irmãs Fox, que deu origem às investigações espiríticas. Esse é, na verdade, um episódio-marco do desenvolvimento das pesquisas psíquicas no mundo. Por isso mesmo dos mais combatidos e deturpados. Entretanto, conserva até hoje o seu extraordinário valor probante. Do ponto de vista espirítico, trata-se da prova da sobrevivência espiritual, com a perfeita identificação do espírito comunicante. Mas do ponto de vista parapsicológico, o que ali nos interessa é a prova da clarividência, sem qualquer possibilidade de implicações telepáticas, a menos que se admita a tese do Professor Harry Price, de Oxford, e do Professor Wathely Carington, de Cambridge, de que a mente sobrevive à morte do corpo e pode agir sobre a mente dos vivos. Nesse caso, porém, voltaríamos à tese espirítica.

Vejamos o que nos oferece o caso das irmãs Fox, com as manifestações de Hydesville, fazendo-se exclusão da tese espirítica e suas correspondentes parapsicológicas.

Hydesville, entre 1843 e 44, era um vilarejo do Estado de New York. Num casebre das proximidades vivia um casal da família Bell. A mulher viajou e o marido ficou só em casa. Apareceu um mascate que pediu pouso. Entrou para dormir e desapareceu para sempre. Em 1847, tendo o casal Bell tomado rumo ignorado, a casinha foi alugada por um casal da família Weeckmann, que em breve a abandonou em virtude de ocorrências paranormais, pancadas noturnas nas paredes e no solo, que não os deixavam dormir. Nesse mesmo ano, o metodista John Fox foi morar no local com sua família. Os fenômenos continuaram e as meninas Margaret e Kate, de quinze e onze anos, respectivamente, pareciam ligadas aos mesmos.

A 31 de março de 1848 a menina Kate estabeleceu conversação com as misteriosas pancadas ao pedir que elas se repetissem de acordo com certos números. Dali por diante, através de um código convencionado, estabeleceram-se as conversações. Parapsicologicamente a menina responderia, pelo inconsciente, através de psikapa, produzindo os fenômenos de psicocinesia: as pancadas nas paredes. Essas pancadas informaram que se tratava de Charles Rosma, vendedor ambulante que havia sido assassinado no local por latrocínio. Indicou onde o corpo e o seu baú haviam sido enterrados. Mas a escavação revelou apenas a existência de restos de um cadáver, com fragmentos de ossos e cabelos. O baú não foi encontrado.

Em 1904, cinqüenta e seis anos depois, em virtude de um temporal, ruiu uma parede falsa da casa, no cômodo do porão indicado pelas pancadas. Não se sabia da existência dessa parede, construída paralelamente à outra. Descobriu-se, graças a isso, o esqueleto de Rosma e o seu baú de lata, com a alça para carregá-lo às costas. Estava provada a legitimidade da informação. E o que é mais curioso, como notou Emma Hardinge, escrevendo para o Modern American Spiritualism, estava provado que o esqueleto e o baú haviam sido colocados inicialmente no local indicado pelas pancadas, de onde foram removidos posteriormente, quando as notícias do desaparecimento do mascate puseram em perigo de suspeita a família Bell.

O que há de importante nesse caso, do ponto de vista parapsicológico, é o fato da percepção extra-sensorial de Kate haver-se enganado. Como e por que ela não viu o local em que realmente se encontravam o esqueleto e o baú, mas sim aquele em que os mesmos haviam sido colocados primitivamente? A informação telepática explicaria o caso: ela teria captado o episódio no inconsciente dos Bell em algum lugar, ou o pensamento dos Bell estaria ainda voltado para o local do crime. Mas como explicar que essa captação fosse limitada ao momento da primeira inumação? Todo o complicado processo da retirada posterior do esqueleto e do baú do local primitivo, de sua trasladação secreta para o esconderijo, da construção da parede falsa, teria sido escamoteado pela informação ou pela captação telepática? Poder-se-ia admitir que o desejo de furtar-se à prisão fosse tão poderoso no casal Bell que anulasse a seqüência culposa na mente de ambos?

O Professor Stanley De Brath, citado por Ernesto Bozzano no livro I Morti Ritornano, declara: “Se a informação fosse de origem subjetiva, devia-se naturalmente presumir que o subconsciente da médium teria de conhecer o local em que realmente estava o cadáver”. Concluiu De Brath, como Bozzano, que a única explicação possível é a espirítica: “Pois é razoável presumir que o sepultamento no porão devia corresponder à última lembrança terrena do assassinado”. Parapsicologicamente, parece-nos que a explicação clarividente é mais lógica do que a telepática, pois a sensitiva podia ter a sua atenção atraída para os restos do cadáver que ficaram no local primitivo, e ali se fixado. Os casos de fixação dessa natureza ocorrem até mesmo nas experiências de laboratório.

Outro caso, ainda mais enfático – pois ninguém na Terra sabia do que se havia passado – mostra-nos como é possível, no próprio campo das relações humanas, a ocorrência de fenômenos de clarividência pura. Isso, do ponto de vista parapsicológico, na linha da investigação científica, sem implicações das teorias da supervivência. O Professor Ernesto Bozzano relatou o caso ao filósofo Henry Bergson, que o considerou, se rigorosamente autenticado, como “uma das melhores provas de sobrevivência”. Vejamo-lo.

O Professor Lawrence Jones escreveu à Society for Psychical Reaserch contando o seguinte e sua carta foi publicada no Jornal of S. P. R., número 366-7, de 1918. O irmão do missivista, Herbert Jones, era Bispo de Lewes e Arquidiácono de Chichester. Numa visita pastoral ao condado de Sussex, Inglaterra, ficou sabendo do caso através do pastor do presbitério em que se hospedou. Esse pastor foi procurado por um homem que pediu a sua ajuda num caso de infestação. A esposa do consulente era filha de um ricaço que morrera na paróquia, e que agora lhe aparecia em sonhos, reclamando que haviam construído o seu túmulo sobre a sepultura de outra pessoa. As aparições eram tão freqüentes que a mulher estava a ponto de enlouquecer. Interrogado, o coveiro respondeu que o engano era simplesmente impossível. O caso foi dado por encerrado. Mas o homem voltou logo mais, afirmando que a infestação continuava. Diante disso resolveram providenciar uma verificação legal, constatando-se que, realmente, haviam construído o túmulo sobre uma cova vizinha. O engano foi corrigido e as manifestações desapareceram.

Bozzano ressalta a importância teórica desse caso, pois ninguém havia dado pelo engano. O próprio coveiro e os parentes do morto estavam seguros de que tudo correra de maneira normal. Parapsicologicamente não havia nenhuma possibilidade telepática. Só a clarividência podia ser invocada, como explicação do fenômeno. Acentua ainda Bozzano que “todas as circunstâncias convergem eficazmente para uma demonstração da natureza positivamente extrínseca da insistência dos sonhos, sempre idênticos”. Essa observação é perfeitamente válida para a clarividência, pois no caso o estímulo da percepção extra-sensorial, afastada a explicação espirítica, só poderia vir do próprio objeto material. A linguagem onírica em que essas percepções são geralmente traduzidas produziriam na sensitiva, filha do falecido, as reações do sonho insistente.

Camille Flammarion relata também alguns casos semelhantes. Um dos mais impressionantes é o de um casal francês que perdera um filho na guerra de 1914-18 e cujo corpo desaparecera no campo de batalha. Finda a guerra, o casal se pôs a procurar o possível túmulo sem encontrá-lo. Por fim, conseguiu a informação de que devia estar num cemitério de dois mil túmulos, em Dieppe. Mas como procurá-lo? Inesperadamente, a mãe, olhando desolada pela janela, viu o filho surgir detrás de uma árvore, acompanhado de dois soldados. Um deles parecia russo, o outro, alemão. A visão foi persistente, a ponto de convencê-la da realidade. O corpo foi encontrado depois numa tumba colocada entre a de um soldado russo e a de um alemão.

Nesse caso, que Bozzano reproduz em seu livro citado, a informação não podia ser telepática, pois os cadáveres haviam sido removidos em massa, como desconhecidos. Só foi possível o reconhecimento pelos pais e particularmente pelas insígnias da farda e pela dentadura do cadáver. O estado emocional da mãe provocou a eclosão de suas faculdades clarividentes. Afastada a explicação espirítica, só podemos admitir a da clarividência.

Mais recente, porém, aliás recentíssima, é a ocorrência de que dá notícias o médico e parapsicólogo norte-americano Andrija Puharich, em seu livro The Sacred Mushroom (O Cogumelo Sagrado), Edição Doubleday, 1959. O Dr. Puharich recebeu informação mediúnica, por um pintor holandês residente em New York, e escrita em egípcio arcaico, faraônico, e ao mesmo tempo em inglês atual, da existência de uma espécie de cogumelo nos Estados Unidos do qual podia extrair princípios ativos que atuam como alucinógenos, a exemplo da mescalina e do ácido lisérgico. A história é comprida e cheia de incidentes curiosos. O importante é que os caracteres egípcios foram reconhecidos por especialistas, o nome da entidade que os transmitiu, Ra Ho Tep, autenticado historicamente (2.700 anos a.C.), o cogumelo encontrado “por acaso” nas proximidades de uma estrada no vale do rio Hudson. Eram apenas nove exemplares da amanita muscaria, numa zona em que não existe essa espécie. Puharich procedeu à extração dos elementos indicados e produziu o ungüento receitado por Ra Ho Tep, para aplicações experimentais. Caso semelhante ao da famosa médium Rosemary, em Londres, com o Dr. Wood, quando – pela primeira vez no mundo moderno – foi gravado um discurso em egípcio faraônico, reconhecido pelos especialistas como válido.

Excluídos os elementos históricos do caso, para concentrar-nos apenas no episódio dos cogumelos, temos evidentemente um fato de clarividência que não pode ser explicado pela telepatia. Os nove exemplares, e únicos, dos cogumelos sagrados, usados nos templos egípcios para fins religiosos, encontravam-se no meio do mato, em local não cultivado e distante de habitações. Puharich foi conduzido até o local sem saber como, por simples intuição, chegando mesmo a admitir que “por acaso”. Qual, e de onde a transmissão telepática? No caso de Rosemary, a que acima nos referimos, houve também uma curiosa comprovação histórica de tipo clarividente, uma vez excluída a tese mediúnica. Rosemary referiu-se a uma personagem do tempo de Amenhotep II, que não constava dos registros históricos. Mas os dados e as circunstâncias mencionadas foram de tal ordem que a pesquisa intensiva provou a veracidade da informação.

Mencionamos apenas estes fatos, entre milhares deles, registrados nos anais das pesquisas psíquicas, para oferecer alguns elementos significativos de comprovação da clarividência através de casos espontâneos, que confirmam as conclusões de laboratório da equipe de Rhine. Tanto a mulher do caso do Professor Lawrence Jones, quanto a mãe aflita do relato de Flammarion, ou o pintor holandês do caso de Puharich, como a menina Kate Fox só podiam ter visto o que relataram pela visão sem olhos. A telepatia é incapaz de explicar esses casos. Não obstante, como já advertimos, em muitos casos as duas funções, a telepática e a clarividente, agem em conjugação. Para esses casos de percepção global existe a classificação técnica de Fenômenos GESP, ou seja, fenômenos de General Extra Sensory Perception, que em português teria a sigla de PESG - Percepção Extra-Sensória Geral. Rhine criou essa designação em virtude das dificuldades de separar um fenômeno do outro e da conveniência de realizar experimentos de conjugação, que se mostraram mais produtivos.

O livro da Professora Rhine, Canais Ocultos da Mente, oferece numerosos casos atuais de clarividência pura. Poderíamos citar também alguns casos de nossa experiência e outros, de natureza espontânea, em que figuramos como sujeito. Preferimos citar esses casos históricos, registrados por famosos cientistas, porque a sua autenticidade requer maior dose de má vontade para ser posta em dúvida.



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal