Herculano Pires Parapsicologia Hoje e Amanhã



Baixar 498.76 Kb.
Página7/28
Encontro29.11.2017
Tamanho498.76 Kb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   28

6.
Pk – A mecânica da vida


Os Profs. Thouless e Tischner, respectivamente inglês e alemão, consideram, como o faz Rhine e toda a sua escola, absolutamente comprovada a existência de Pk ou psikapa, na sua modalidade de psicocinesia ou psicoquinesia. E vão além, pois procuram explicar através dela a mecânica da vida. Pk é a ação da mente sobre a matéria, sem qualquer forma de intermediário. Ação direta. Rhine explica assim o fenômeno: “A mente, que não é física, servindo-se de vias não-físicas, age sobre o mundo físico”. E isso tem dado muito pano para manga. Podemos trocar toda essa questão em miúdo, dizendo simplesmente o seguinte: o pensamento age sobre a matéria.

As experiências de laboratório, para verificação da existência ou não desses fenômenos, começaram na Duke University em 1934. Somente nove anos depois, em 1943, os pesquisadores resolveram dar a público os resultados obtidos. Os dados dessas experiências, como afirma Rhine, estão até hoje à disposição dos estudiosos que pretenderem examiná-los, naquela Universidade. Além disso, as pesquisas a respeito se multiplicaram por todo o mundo. A conclusão de Rhine é decisiva: “A mente possui uma força capaz de agir sobre a matéria. Produz sobre o meio físico efeitos inexplicáveis por qualquer fator ou energia conhecidos pela Física”.

Mas Robert Amadou põe em dúvida a existência do fenômeno. Não se satisfaz com as experiências de laboratório realizadas até agora. Pretende que novas e mais intensas pesquisas sejam efetuadas. A cisão teórica do campo parapsicológico aumenta com o problema da psicocinesia. Mas, ao mesmo tempo, a variedade de experiências realizadas no mundo oferece resultados positivos a favor da existência do fenômeno, aliás já investigado em maior profundidade na fase metapsíquica. E Rhine propõe a observação dos fenômenos que podemos chamar de comuns ou naturais e que comprovam a ação da mente sobre a matéria. Esses fenômenos, conhecidos em todo o mundo – como os de cura de verrugas, bicheiras, hérnias etc. por simples benzedura – aparecem como formas de comprovação natural ou espontânea das experiências de laboratório.

Assim como as experiências de psigama foram feitas com cartas de baralho, as de psikapa começaram com o jogo de dados. E isso por motivos circunstanciais, como logo mais se verá, mas também pela maior facilidade que os dados oferecem, à semelhança das cartas, para a boa verificação do fenômeno e a precisa avaliação dos resultados. Muitas críticas foram feitas, e ainda o são, a essa preferência de Rhine pelos dados. Correm por conta da incompreensão e da prevenção, quando não do sectarismo científico ou religioso que atuam invariavelmente em questões desta natureza.

Paralelamente às experiências de Duke, outros tipos de investigação foram idealizados e realizados em várias partes do mundo. Na França, Chevalier e Hardy realizaram experiências com gotas d'água, através de engenhosos mecanismos. As gotas caíam sobre uma lâmina, sendo cortadas ao meio, e os sujets agiam no sentido de desviá-las da queda natural, atraindo-as para si ou afastando-as. Hardy construiu outros mecanismos, o primeiro para acender lâmpadas elétricas por ação mental num complicado aparelho eletrônico; o segundo para mover uma pequena balança de precisão ou prolongar os seus movimentos pela influência do pensamento.

As experiências mais tocantes foram realizadas pelo casal Paul Vase, na França, e por Nigel Richmond, na Inglaterra. Os primeiros realizaram experiências semelhantes às dos faquires indianos sobre a germinação e crescimento de plantas. Obtiveram resultados favoráveis, pois a ação da mente acelerou a germinação e o desenvolvimento de semeaduras especiais, enquanto a parte não submetida à influência mental cresceu de maneira normal, lentamente. Richmond dirigiu os movimentos de paramécios ao microscópio, em direções determinadas. E Richard da Silva experimentou com sucesso impedir o desenvolvimento de bactérias em solução de ágar-ágar.

Todas essas experiências, e muitas outras, foram postas em dúvida por falta de métodos rigorosos de registro e controle dos resultados. Mas outras pesquisas foram e continuam a ser feitas. Em Atenas, por exemplo, o Professor Tanagras observou o fenômeno de pirovasia (andar sobre as brasas de uma fogueira com os pés nus), chegando a conclusões curiosas a respeito. Posteriormente, formulou uma teoria da união dos fenômenos de telepatia e psicocinesia para explicação de alguns fatos de precognição. Esse fenômeno misto, que ele denominou de psicobolia, seria produzido da seguinte maneira: a previsão de um desastre, por meio de um sonho, poderia despertar no inconsciente do sujet as forças psicocinéticas, que agiriam à distância sobre o objeto, produzindo o efeito sonhado. Não se trataria, entretanto, de uma verdadeira previsão, e sim de uma sugestão provinda do sonho e realizada pelo poder psicocinético.

Aliás, essa teoria de Tanagras, aparentemente absurda, obrigou os pesquisadores a tomarem cautelas especiais nas experiências de precognição para evitarem as possíveis influências psicocinéticas. Por outro lado, foram formuladas teorias de efeito contrário, explicando a psicocinesia pela precognição. O zoólogo C. B. Nash, seguido de outros experimentadores, sugeriu que os fenômenos psicocinéticos não seriam mais do que precognições. O sujet não dirigia a caída dos dados da maneira que queria, mas da maneira que previa. Rhine considera que a melhor experiência para anular essa hipótese foi realizada por Thouless, na Universidade de Cambridge, já várias vezes citada nestas páginas.

Cada uma dessas hipóteses ou teorias obrigava os pesquisadores a realizar numerosas experiências com o fim de verificar a sua possibilidade ou anulá-la. Em geral, o curioso dessas hipóteses é que elas admitem efeitos muito maiores que os comprovados pelas experiências, para negarem efeitos infinitamente menores que os pesquisadores procuram alcançar. A teoria da psicobolia é um exemplo disso. Também a da ação psicocinética sobre o embaralhamento mecânico de cartas, para negar a precognição. Supunha-se a possibilidade de influência psicocinética na máquina de embaralhar, de maneira que as cartas seriam dispostas na ordem determinada pelo sujet. Assim, não haveria precognição, mas psicocinesia. É fácil compreendermos que a ação mental sobre a máquina, com a enorme precisão suposta no embaralhamento de cartas, representaria um resultado psicocinético muito superior a todos os obtidos experimentalmente até então. Mas a finalidade dessas hipóteses era precisamente apurar os meios de investigação, permitindo uma definição precisa de cada tipo de fenômeno.

As objeções à existência da psicocinesia decorrem de uma alegação única: as experiências realizadas até agora são ainda muito poucas para autorizar as conclusões de Rhine e sua escola. Quando Rhine contesta com os resultados das experiências, rigorosamente anotados e tratados, surgem evasivas desta natureza: os dados empregados não eram do tipo mais indicado; houve muitas experiências com dados defeituosos ou pelo menos que se podem supor defeituosos, pois não eram fabricados especialmente; houve resultados que, nas revisões, mostraram a ocorrência de erros de registro. A todas essas evasivas Rhine e sua equipe respondem com o relato minucioso das experiências e sustentam a realidade da psicocinesia, experimentalmente comprovada, não obstante admitam a necessidade de que as experiências continuem e se intensifiquem.

Ao contrário da telecinesia – movimentos de objetos à distância, aportes, levitações de objetos e pessoas, inclusive dos próprios sensitivos –, que constituiu um dos campos mais vastos de experiências na Metapsíquica, a psicocinesia é considerada como ação da mente sobre a matéria sem qualquer intermediário físico, como acentuamos no início do capítulo. Ficam assim excluídas as hipóteses metapsíquicas da ectoplasmia. Para Richet esses movimentos eram produzidos por meio de um elemento físico: o ectoplasma, emanação orgânica do médium. O Professor Crawford, catedrático de mecânica da Universidade Real de Belfast, na Irlanda, chegou a realizar numerosas experiências sobre a mecânica do ectoplasma.

As investigações de Crawford foram consideradas como esclarecedoras do processo. Richet as incluiu em seu Tratado de Metapsíquica. Crawford realmente provou, através de experiências minuciosas e rigorosamente controladas, com as repetições e diversificações necessárias, a existência daquilo que William Crookes chamou de força psíquica, ou seja, de emanações do corpo do sensitivo em condições variadas, diminuindo o peso deste quando em grande quantidade. Por exemplo: colocado o sensitivo sobre uma balança de controle-relógio, verificou-se que o peso do mesmo diminuía ao levitar-se um objeto pesado, como uma grande mesa ou um piano, e aumentava com a soma do peso do objeto quando este era leve, como uma cadeira ou uma banqueta. Isso demonstrava que a força emanada do médium tomava a forma de um pseudópodo, erguendo os objetos leves como se faz com o braço, mas apoiando-se no solo, em forma de alavanca, para o caso dos objetos pesados.

O Coronel Albert De Rochas, que foi diretor do Instituto Politécnico de Paris e notabilizou-se pelos seus trabalhos experimentais sobre a exteriorização da sensibilidade e da motricidade em processos hipnóticos e para-hipnóticos, fez importante comunicação ao Congresso Internacional de História das Ciências, realizado em 1900, em Paris, sobre a levitação. Remontou o estudo da levitação aos gregos, referindo-se aos pequenos tratados de Heron e Filon sobre Autômatos e Pneumatômatos, por ele mesmo traduzidos para o francês e publicados em Paris pela Livraria Masson, em 1882. Isso demonstra a razão de Rhine ao afirmar que os fenômenos parapsicológicos são novos apenas para as Ciências modernas.

Os estudos e as pesquisas de Eugene Osty e Gustave Geley, no Instituto de Metapsíquica de Paris, sobre a força psíquica de Crookes, que é o mesmo ectoplasma de Richet, revalidaram modernamente as velhas observações gregas, mas acabaram sendo postos de lado pela evolução técnica do nosso tempo. Tendo em vista a posição atual da Ciência em face desses fatos, a Parapsicologia age com prudência, tratando preliminarmente da psicocinesia como ação direta da mente sobre a matéria, através de pesquisas em plano rudimentar. Daí o apelo ao jogo de dados, à queda de gotas d'água, à movimentação dos pratos de pequenas balanças de precisão. As próprias experiências com plantas e bactérias, por implicarem menor complexidade, são realizadas apenas por alguns experimentadores mais audaciosos, que em geral as interrompem, temerosos das conseqüências que os seus trabalhos podem acarretar-lhes no campo profissional. Há uma história da acomodação científica que ainda um dia será escrita em todos os seus pormenores.

As experiências de Pk em laboratório são, portanto, limitadas e condicionadas, como o são as de percepção extra-sensorial. Rhine já advertiu que esse condicionamento e essa limitação, exigidos pelo método científico – e não podemos esquecer que este método corresponde às condições da pesquisa material – determinam uma redução dos fenômenos. Os casos espontâneos, ocorridos no mundo inteiro, revelam sempre maior densidade. Daí o interesse, por exemplo, que a Dra. Louise Rhine vem dedicando ao exame sistemático desses casos, devidamente colhidos e comprovados por processos especiais. O método científico só nos permite colher uma parte mínima dos efeitos, em fenômenos provocados, pois desde que estes são de ordem psíquica manifestam natural suscetibilidade em situações experimentais. Soal foi dos primeiros a observar que a criação de um ambiente de familiaridade entre pesquisadores e sujeitos favorecia a produção mais abundante dos fenômenos. Essa familiaridade não quer dizer afrouxamento dos meios de controle experimental, mas apenas a diminuição de constrangimentos para o sujeito.

A concepção do fluido é hoje uma heresia científica, ao menos provisoriamente. Foi afastada do magnetismo e do hipnotismo e a Parapsicologia também a põe de lado, ou pelo menos entre parênteses, como vemos no caso da psicocinesia. O ectoplasma figura na mesma pauta de condenação e a força psíquica de Crookes, embora ainda sobreviva nas doutrinas energéticas da telepatia, entre russos e franceses, é considerada em geral como suspeita. Carington, com sua teoria das estruturas de psícons, e Jung, com sua teoria da sincronicidade, procuram substituir a concepção energética. Mas parapsicólogos do renome científico de Thoules, Soal, Price, Tischner, Pratt e outros tendem a admitir que a ação psicocinética, integrada nos processos vitais, dispõe de meios específicos de manifestação.

Para Thouless e Tischner, como acentuamos no início do capítulo, a psicocinesia explica a mecânica da vida. Sua manifestação é de natureza dupla. Interiormente ela se manifesta na movimentação do corpo. A mente age através do sistema nervoso sobre os músculos, produzindo assim os efeitos motrizes. Exteriormente age sobre o mundo material através de meios ainda não-conhecidos, que para Rhine são extrafísicos, mas para Vassiliev, na Rússia, são de natureza física ainda não identificada. Soal, por exemplo, realizou na Universidade de Cambridge experiências bem sucedidas de voz direta. Trata-se de um fenômeno espirítico bem conhecido que implica a psicocinesia e a telecinesia, pois temos a levitação da corneta de papelão ou de metal, a sua movimentação no ambiente e a produção de uma voz aparentemente autônoma, que parece soar sem ligação com o aparelho vocal do sensitivo.

Seja-nos permitido lembrar aqui algumas experiências pessoais que justificam a nossa posição favorável à ectoplasmia. Em 1938, em Cerqueira César, na Sorocabana, realizamos experiências com o médium Ciro Milton de Abreu e sua esposa D. Adelaide. Reuníamo-nos numa sala retangular, de seis metros de comprimento por quatro de largura, com apenas duas portas: uma de passagem interior e outra para a rua. Pequeno grupo: Dadício de Oliveira, então assessor do coletor federal local; sua esposa, D. Catarina de Oliveira; Maria Virgínia Ferraz Pires e Bonina Amaral Simonetti Pires (esposa e mãe do autor) ; às vezes, o médico Dr. Adalberto de Assis Nazareth e sua esposa e mais duas ou três pessoas. O médium, ferroviário da E. F. Sorocabana, era porteiro da estação local; ele e esposa dotados de sensibilidade variada. Tentamos experiências de escrita direta com lápis e prancheta, sobre papel em branco, folha rubricada pelos presentes, fechada à chave na gaveta de uma mesa colocada à distância do grupo. Portas fechadas à chave, ambiente de luz vermelha, todos perfeitamente visíveis. Local tranqüilo sem ruídos. Na primeira experiência e nas seguintes, durante meia dúzia de sessões, obtivemos apenas pequenos ruídos e sinais levemente luminosos sob as cadeiras dos médiuns, quando em transe. Depois, obtivemos a grafia, em letras grandes e mais ou menos trêmulas, no papel, dentro da gaveta fechada, da palavra: Paz. Na sessão posterior, a escrita aumentou. Obtivemos: Paz, continuem, com a mesma letra graúda e trêmula. Depois disso, infelizmente, por motivo de doença na família dos médiuns, não pudemos prosseguir. Mudanças posteriores dissolveram o grupo.

Mais tarde, visitando a cidade, tivemos oportunidade de assistir a um trabalho realizado com quase as mesmas pessoas e com o mesmo médium, na sala de frente da residência do Sr. Dadício de Oliveira. Aliás, o próprio médium insistiu para que participássemos de algumas sessões, pois nada percebia durante os trabalhos e os relatos que posteriormente lhe faziam pareciam suspeitos. Tinha receios de estar fraudando inconscientemente, sem que os participantes do trabalho o percebessem. Maior era a sua desconfiança diante do entusiasmo revelado por todo o grupo. Presenciamos então a um dos fenômenos mais curiosos de ectoplasmia de que já tínhamos noticia pela leitura de livros especializados. Na sala escura, mas não totalmente, pois não dispunha de forro e a luz filtrava levemente pelas telhas – o médium em transe, cercado pelo grupo – a emissão de ectoplasma começou com leve característica: luminosidade sob a sua cadeira, seguida da expansão, com cheiro cada vez mais acentuado de ozona, de um leve nevoeiro que se adensava progressivamente. Quando a sala estava completamente tomada por esse nevoeiro leitoso, começaram curiosos fenômenos de explosão ectoplásmica, semelhantes, em proporções relativas, a descargas elétricas na atmosfera. Pequenos relâmpagos estrelejavam no ambiente, cortando o ar de um lado para outro, sempre em sentido descendente, produzindo odor mais forte de ozona. Esses efeitos duraram por mais de duas horas, de maneira que pudemos observá-los à vontade.

Noutra sessão o mesmo médium foi levitado de forma estranha. Sentado numa cadeira, encostado à parede, foi arrancado da mesma e deslizou pela parede até o teto, sendo colocado em pé no alto da parede. Acesa a luz, vimo-lo equilibrando-se no alto, mas de corpo curvado para a frente, o que dava a impressão de que ia cair. Ficou nessa posição por dois minutos cronometrados. A seguir, apagamos a luz elétrica e ouvimos imediatamente novo ruído de arrasto, como se o seu corpo fosse levado de arrastão. Ele era colocado de pernas entrançadas no madeirame do teto e de cabeça para baixo. Acesa a luz, pudemos vê-lo assim durante um minuto. Apagada a luz, em apenas dois ou três segundos (foi impossível o cálculo exato, dada a rapidez do fenômeno) o médium se encontrava de novo na cadeira, sentado e em transe, de cabeça deitada para trás, apoiada na parede, exatamente como se achava antes do início dessa seqüência de movimentos.

Os fenômenos de voz direta obtidos mais tarde, em Marília, com o médium Urbano de Assis Xavier, e em São Paulo com a médium D. Hilda Negrão, esposa do jornalista Odilon Negrão, confirmaram esses efeitos telecinéticos. Em todas essas experiências, realizadas em pequenos grupos familiares e em ambientes fechados e restritos, sem a menor possibilidade de fraude – mormente tendo-se em conta a amplitude dos efeitos – tivemos oportunidade de verificar a realidade dos fenômenos metapsíquicos de que somente agora, e timidamente, a Parapsicologia vem tomando conhecimento. Compartilhamos da opinião de Wathely Carington, de Soal, de Price e de Thoules de que esses fenômenos não revelam apenas a emanação de uma força psíquica do médium, mas também a existência de uma enteléquia de Shi (segundo a expressão de Soal) ou da alma humana, do espírito humano. Só poderíamos admitir o contrário se as experiências provassem o contrário – o que até agora não foi feito –, enquanto as provas a favor, como se vê pela opinião dos parapsicólogos citados, continuam a produzir-se, mesmo com as limitações extremas da pesquisa científica de tipo quantitativo.

A psicocinesia é assim o primeiro passo da Parapsicologia para a redescoberta da telecinesia, com suas inevitáveis implicações energéticas. Se para a percepção extra-sensorial, que por sua própria natureza psíquica (ou puramente psicológica, como pretende Rhine) podemos admitir a ação direta da mente sem intermediário, pelo menos de natureza física, já o mesmo não se dá com a psicocinesia, porque os fenômenos psicocinéticos, sendo objetivos, exigem a participação de elementos orgânicos. A mente pode agir diretamente no plano mental, mas no plano material ela necessita de instrumentos. A tese de Rhine, de ação direta da mente sobre a matéria, parece menos aceitável que a de Tischner, que considera essa possibilidade somente no plano das relações alma-corpo, exigindo para as ações exteriores um instrumento orgânico. Esse instrumento, como já o demonstrou a pesquisa metapsíquica, só pode ser o pseudópodo de ectoplasma que Richet denominou Alavanca de Crawford em homenagem ao injustiçado pesquisador de Belfast.

Neste ponto incidimos na teoria da polaridade de Rhine, que tenta explicar a psicocinesia como o pólo oposto de percepção extra-sensorial. Quer dizer: a polaridade de psi revelando-se nos efeitos recíprocos, subjetivos e objetivos. O simples fato da percepção representa, segundo Rhine, uma ação da mente sobre a matéria e vice-versa. Isso justifica a sua tese da ação direta em psicocinesia. Mas se percebemos diretamente, isso só acontece na percepção extra-sensorial, pois a percepção normal se verifica através dos sentidos físicos. E toda ação mental depende, para se efetivar no mundo físico, da mediação de elementos materiais, ao menos pelo que sabemos até agora. O problema é bastante complexo, como vemos, e seria inoportuno tentar aprofundá-lo aqui. Parece-nos suficiente advertir que a comprovação já feita em tantas experiências científicas ou leigas, experimentais ou ocasionais, da existência do ectoplasma, deve servir para uma posição mais cautelosa no tocante à teoria dos fenômenos psicocinéticos.

Por que todos esses trabalhos são relegados ao esquecimento? Pelo fato de um Paul Heuzé ou um Silva Mello contestá-los, sem as credenciais científicas e o acervo de experiências de um Zöllner, de um Aksakof, de um Paul Gibier, de um Osty ou um Geley? As experiências de Crookes, como afirmou Richet: são de granito. Não obstante, pretendem contestá-las com suposições ridículas.

Remy Chauvin, diretor de laboratórios do Instituto de Altos Estudos de Paris, formulou recentemente a teoria da alergia ao futuro, para explicar essas contradições. Essa forma de alergia tem impedido o desenvolvimento de pesquisas que se destinam a abrir novos horizontes para o homem. Os que se apegam ao presente, ao acervo de conquistas já realizadas pelas Ciências, lançam mão de todos os recursos para evitar o avanço do conhecimento em rumos que lhes parecem perigosos. Simples manifestação cultural do instinto de conservação.

Segundo Chauvin, a própria evolução da cultura exige a ação contraditória das forças de impulsão e retenção. As primeiras impelem a cultura em direção a novas conquistas, as segundas retêm a cultura em seu estado atual. Esse jogo de forças, existente em todas as coisas, estabelece o equilíbrio de cada entidade, permitindo-lhe evoluir sem prejuízo das conquistas já consolidadas. Mas quando as forças de retenção sobrepassam as de impulsão, o processo evolutivo está ameaçado. O mesmo acontece no caso inverso. Nas Ciências atuais as forças de retenção (a inércia) estão ameaçando as de impulsão (a cinética) em vários campos. A maioria dos cientistas prefere acomodar-se.




Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   28


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal