Historia do Espiritismo



Baixar 1.7 Mb.
Página1/28
Encontro31.12.2017
Tamanho1.7 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28




HISTÓRIA DO ESPIRITISMO
ARTHUR CONAN DOYLE

ÍNDICE
CONAN DOYLE E A HISTÓRIA DO ESPIRITISMO

UMA CHAVE-DE-ABÓBADA

CRITÉRIO HISTÓRICO

A NOVA REVELAÇÃO

O PROBLEMA DA REENCARNAÇÃO

A INVASÃO ORGANIZADA

O “PRECONCEITO CULTURAL”

NOTA DO TRADUTOR

SIR ARTHUR CONAN DOYLE - ESBOÇO BIOGRÁFICO

PREFACIO
CAPÍTULO 1 = A HISTÓRIA DO ESPIRITISMO - A História de Swedenborg

CAPÍTULO 2 = Edward Irving: os «shakers»

CAPÍTULO 3 = O Profeta da Nova Revelação

CAPÍTULO 4 = O Episódio de Hydesville

CAPÍTULO 5 = A Carreira das Irmãs Fox

CAPÍTULO 6 = Primeiras Manifestações na América

CAPÍTULO 7 = A Aurora na Inglaterra

CAPÍTULO 8 = Progressos Contínuos na Inglaterra

CAPÍTULO 9 = A Carreira de D. D. Home

CAPÍTULO 10 = Os Irmãos Davenport

CAPÍTULO 11 = As pesquisas de Sir William Crookes - de 1870 até o ano de 1874

CAPÍTULO 12 = Os Irmãos Eddy e os Holmes

CAPÍTULO 13 = Henry Slade e o Doutor Monck

CAPÍTULO 14 = Investigações Coletivas sobre o Espiritismo

CAPÍTULO 15 = A Carreira de Eusapia Palladino

CAPÍTULO 16 = Grandes Médiuns de 1870 a 1900: Charles H. Foster, Madame d’Esperamce, William Eglinton, Stainton Moses

CAPÍTULO 17 = A Sociedade de Pesquisas Psíquicas

CAPÍTULO 18 = Ectoplasma

CAPÍTULO 19 = Fotografia Espírita


CAPÍTULO 20 = Vozes Mediúnicas e Moldagens

CAPÍTULO 21 = Espiritismo francês, alemão e italiano

CAPÍTULO 22 = Grandes Médiuns Modernos

CAPÍTULO 23 = O Espiritismo e a Guerra

CAPÍTULO 24 = Aspecto Religioso do Espiritismo

CAPÍTULO 25 = O Depois-da-Morte Visto pelos Espíritas
APÊNDICE 1 - NOTAS AO CAPÍTULO 4 - PROVA DA ASSOMBRAÇÃO DA CASA DE HYDESVILLE ANTES DE SER HABITADA PELA FAMÍLIA FOX

APÊNDICE 2 - NOTAS AO CAPÍTULO 6 - BICO DE PENA DO LAGO HARRIS POR LAURENCE OLIPHANT

APÊNCICE 3 - NOTAS AO CAPÍTULO 7 - TESTEMUNHO ADICIONAL DO PROFESSOR E DA SENHORA DE MORGAN

APÊNDICE 4 - NOTAS AO CAPÍTULO 10 - OS DAVENPORTS ERAM JOGRAIS OU ESPÍRITAS?

APÊNDICE 5 - NOTAS AO CAPÍTULO 16 - A MEDIUNIDADE DO REVERENDO STAINTON MOSES

APÊNDICE 6 - NOTAS AO CAPÍTULO 25 - ESCRITA AUTOMÁTICA DE MR. WALES

CONAN DOYLE E A HISTÓRIA DO ESPIRITISMO
CONAN DOYLE, cujo nome repercute por todo o mundo, é um dos escritores mais lidos da moderna literatura inglesa. O poder extraordinário de sua imaginação, a comunicabilidade natural do seu estilo, a espontaneidade de suas criações, fizeram dele um escritor universal, admirado e amado por todos os povos. No Brasil, nossa gente o incluiu, há muito, entre os seus ídolos literários. É tanto assim, que ainda agora a Melhoramentos está lançando as obras de Conan Doyle em edições sucessivas, divi­didas em três linhas de lançamentos: a Série Sherlock Holmes, a

Série Ficção Histórica e a Série Contos e Novelas Fantásticas.

Não se precisaria de mais nada para demonstrar o interêsse do público brasileiro pelas obras de Conan Doyle. Nem de mais nada para se demonstrar a grandeza literária dêsse verdadeiro gigante das letras inglêsas. Não obstante, as três séries acima não abrangem tôda a obra de Conan Doyle. O famoso precursor dos métodos científicos de pesquisa policial foi também um histo­riador, tendo escrito obras como “The Great Boer War” e “His­tory of the British Campaign in France and Flanders”. Foi ainda um dos maiores e mais lúcidos escritores espíritas dos últimos tempos, em todo o mundo, revelando admirável compreensão do problema espírita em seu aspecto global, como ciência, filosofia e religião.

Vemos, assim, que há mais duas series de obras — a de história e a de espiritismo — que podem ser consideradas como os afluentes diretos dêste verdadeiro delta literário da vida de Conan Doyle, que é a “História do Espiri­tismo”.

UMA CHAVE-DE-ABÓBADA
Neste livro, realmente, tôdas as qualidades do escritor e do homem estão presentes. Nêle confinem os resultados de todos os seus estudos, de tôdas as suas experiências. Trata-se, pois, de um livro de interêsse fundamental, para o estudo da vida e da obra do grande escritor. E só não o chamaremos básico, porque êle não está no alicerce, mas na cúpula. Ë aquilo a que os engenheiros chamam “chave-de-abóbada”. Para que o leitor não pense que estamos exagerando, vamos tentar uma rápida explicação dêsse fenómeno de convergência.

Conan Doyle aplica neste livro as suas qualidades de escritors estilo direto, vivo, objetivo, extraordinária capacidade de síntese, precisão descritiva e narrativa, agilidade quase nervosa no enca­deamento do enrêdo, brilho e colorido nas expressões. Aplica ainda a capacidade de análise e a perspicácia sherloquianas, o rigor do método histórico, a capacidade de visão panorâmica dos acontecimentos. Ao lado disso tudo, temos a grande compreen­são humana dos numerosos episódios e problemas enfrentados, essa compreensão que o leva a explicar as quedas mediúnicas de alguns personagens e a perdoar generosamente os que não sou­beram explicá-las. O escritor e o homem, depois de uma vida e uma obra, se fundem neste livro, que é feito ao mesmo tempo de papel e tinta, músculos e sangue, cérebro e nervos.

O historiador está presente neste livro, que é sobretudo uma obra de história, O romancista e o novelista aqui estão, na múltipla tessitura das narrativas que se sucedem, capítulo por capítulo. O autor policial, na perspicácia de apreensão dos fatos, na maneira segura com que vai conduzindo o leitor através dos enigmas do enrêdo. O criador de ficção histórica, no apro­veitamento dos fatos reais para a construção da grande trama do livro, O autor de histórias fantásticas, na capacidade de penetrar o mistério, de invadir o reino do invisível, de enxergar o que apenas se entremostra nos lampejos das manifestações mediúnicas. O espírita se manifesta no interêsse pelos fatos e pela sua interpretação, na compreensão da grandeza e da impor­tância do movimento espiritista mundial, O médico Arthur Conan Doyle, o homem voltado para os problemas científicos, o pensador, debruçado sôbre as questões filosóficas, e o religioso, que percebe o verdadeiro sentido da palavra religião — todos êles estão presentes nesta obra gigantesca, suficiente para imor­talizar um escritor que já não se houvesse imortalizado.

Esta, pois, é uma obra de confluência. Um delta literário, no qual o fenômeno Conan Doyle se consuma, e pelo qual, afinal, se transcende a si mesmo, para se expandir na universalidade do movimento espírita, como revelação divina.

CRITÉRIO HISTÓRICO
Ao sair a primeira edição desta obra, a revista inglêsa “Light” comentou o equilíbrio e a imparcialidade com que o autor se portou no trato do assunto - Uma extensa nota, assinada por D. N. G., acentuou que os críticos haviam sido “agradàvel­mente surpreendidos”, pois Conan Doyle, conhecido então como ardoroso propagandista espírita, não a colorira “com os mais carregados preconceitos a favor do assunto e dos seus corifeus” E acrescentava o articulista: “Uma obra de história, escrita com prejuízos favoráveis ou contrários, seria, pelo menos, anti-artística, pecado jamais cometido pelo autor de “The White Com­pany”, em nenhum dos seus trabalhos”.

Essa opinião confirma plenamente o que dissemos acima, quanto ao critério histórico seguido por Conan Doyle na elabo­ração dêste livro. Aliás, êle mesmo acentua êsse critério, ao falar do seu desejo de contribuir para que o Espiritismo tivesse a sua história, apontando inclusive as deficiências de tentativas anteriores, como vemos no prefácio. Seu intuito, ao elaborar êste livro, não era o de fazer propaganda de suas convicções, mas o de historiar o movimento espírita. Para tanto, coloca-se numa posição serena e imparcial, como observador dos fatos que se desenrolam aos seus olhos, através do tempo e do espaço.

Reconhece a amplitude do trabalho a realizar e pede auxílio a outros. Encontra em Mrs. Lesiie Curnow uma colaboradora eficiente e dedicada, e com a sua ajuda prossegue nas investi­gações necessárias, até completar a obra. Ë o primeiro a re­conhecer que não fêz um trabalho completo, pois não dispunha de tempo e recursos para tanto. Mas tem a satisfação de veri­ficar que fêz o que lhe era possível, e mais do que isso, o que era possível no momento, diante da extensão e complexidade do assunto e das condições do próprio movimento espírita de então.

A NOVA REVELAÇÃO
Conan Doyle, que nasceu a 22 de maio de 1859, em Edim­burgo, faleceu a 7 de julho de 1930, em Cowborough (Sussex). Em junho de 1887 escreveu uma carta ao editor da revista “Light”, explicando os motivos da sua conversão ao Espiritismo. Essa carta foi publicada na edição de 2 de julho do mesmo ano, daquela revista, que a reproduziu mais tarde, na edição de 27 de agosto de 1927. A 15 de julho de 1929, a “Revista Internacional de Espiritismo”, de Matão, dirigida por Cairbar Schutel, publicou no Brasil a primeira tradução integral dessa carta, que é um documento valioso, mostrando, como acentua a revista, que o jovem médico em 1887 já revelava a mais ampla compreensão do Espiritismo e da sua significação para o mundo.

Além dêsse documento, Conan Doyle escreveu um pequeno livro, traduzido para a nossa língua por Guillon Ribeiro e já em segunda edição, intitulado “A Nova Revelação”, em que descreve minuciosamente o processo da sua conversão. Posteriormente, escreveu outras obras doutrinárias de grande valor, como “A Religião Psíquica”, na qual revela perfeita compreensão do problema religioso do Espiritismo, afirmando a condição essencialmente psíquica da religião espírita.

O leitor brasileiro estranhará que Conan Doyle comece a sua história pela vida e a obra de Swedenborg, e que, depois de passar pelo episódio de Hydesville, só se refira a Allan Kardec ao tratar, no capítulo vinte e um, do “Espiritismo francês, alemão e italiano”. Kardec aparece, assim, como uma espécie de figura secundária, de influência reduzida ao âmbito nacional do movi­mento espírita francês. É que, no movimento espírita, como em todos os movimentos, as coisas vão se definindo aos poucos, através do tempo, não se mostrando logo com a precisão neces­sária. Sômente agora, quase trinta anos depois da morte de Conan Doyle, é que a figura de Kardec, reconhecida há muito, nos países latinos, como o codificador do Espiritismo, vai se impondo também, nas suas verdadeiras dimensões, ao mundo anglo-saxão.

Conan Doyle fêz o que pôde, como dissemos atrás, procuran­do traçar a história do Espiritismo de acôrdo com as perspectivas que a sua posição lhe proporcionava. Hoje, como se pode ver pela excelente edição da revista argentina “Constancia”, come­morativa do primeiro centenário do Espiritismo, a compreensão exata da posição de Kardec se generaliza. Escritores da Ingla­terra, da Alemanha, dos Estados Unidos e do Canadá proclamam, nas colaborações para aquêle número, a significação fundamental da obra do codificador.

O PROBLEMA DA REENCARNAÇÃO
É bastante conhecida a divergência entre o que se conven­cionou chamar o Espiritismo latino e o anglo-saxão. Essa diver­gência se verificou em tôrno de um ponto essencial: a doutrina da reencarnação. Os anglo-saxões, particularmente os inglês es e americanos, aceitaram a revelação espírita com uma restrição, não admitindo o princípio reencarnacionista. Por muito tempo, êsse fato serviu de motivo a ataques e críticas ao Espiritismo, o que não impediu que o movimento seguisse naturalmente o seu curso.

A codificação kardequiana, cujos princípios giram pratica­mente em tôrno da lei da reencarnação, foi repelida pelos anti-­reencarnacionistas. Veja-se como Comam Doyle se refere ao Espiritismo francês, logo no início do capítulo vinte e um dêste livro: “O Espiritismo na França se concentra na figura de Allan Kardec, cuja teoria característica consiste na crença da reencarnação”. Não obstante, o próprio Conan Doyle, e outros grandes espíritas inglêses e americanos, admitiam a reencarna­ção. E a resistência do meio tem sido bastante minada, na Inglaterra e nos Estados Unidos, principalmente depois da última guerra.

Em “A Nova Revelação”, Conan Doyle se coloca numa posição curiosa, que dará ao leitor brasileiro uma idéia exata da sua atitude neste livro. Logo no prefácio, declara que muitos estudiosos têm sido atraidos pelo aspecto religioso do Espiritismo, e outros pelo científico, acrescentando: “Até agora, porém, que eu saiba, ainda ninguém tentou demonstrar a exata relação que existe entre os dois aspectos do problema. Entendo que, se me fôsse dado lançar alguma luz sôbre êsse ponto, muito teria eu contribuído para a solução da questão que mais importa à humanidade”.

Isto era escrito entre 1927 e 28, cêrca de sessenta anos após o passamento de Kardec. E todos sabemos que Kardec deixou perfeitamente solucionado o problema, ao apresentar o Espiritismo como uma doutrina tríplice: filosófica, científica e religiosa. Vemos, assim, que Conan Doyle, neste ponto como em tantos outros, pensava paralelamente a Kardec, esperando, por assim dizer, o momento em que a codificação kardequiana aparecesse no mundo, sem suspeitar que ela já existia e estava ali mesmo, ao seu lado, para lá do Estreito da Mancha.

Em nada, porém, êsses fatos prejudicam o valor e a signifi­cação desta obra. Servem mesmo para documentar uma fase do imenso processo de desenvolvimento do Espiritismo.

Os estu­diosos da doutrina e da sua história terão neste livro uma visão panorâmica dêsse fato histórico extraordinário, ainda não com­preendido pelo mundo, que é o aparecimento e a propagação de uma nova revelação espiritual, nos tempos modernos. E nada melhor para exprimi-lo do que a admirável imagem usada por Conan Doyle, logo no capítulo primeiro, ao comparar as modernas manifestações espíritas a “uma invasão devidamente organizada”, invasão do mundo por um exército espiritual, incumbido de dominá-lo pela fôrça do bem e orientá-lo para os rumos finais da perfeição humana.

A INVASÃO ORGANIZADA
Conan Doyle se defronta, nesse capítulo, com a dificuldade de fixar uma data para o aparecimento do Espiritismo. Lembra que Os fatos espíritas existiram desde todos os tempos, e que os espíritas inglêses e americanos costumam indicar como data inicial do movimento moderno a de 31 de março de 1848, que assinala o episódio mediúnico de Hydesville.

Prefere, entretanto, começar a sua história por Swendenborg, considerando que “uma invasão pode ser precedida pelos exploradores de vanguarda”. Reconhe­ce, assim, a existência de uma época a que podemos chamar a pré-história do Espiritismo, com os fatos da Antigüidade e da Idade Média, e uma época de preparação do advento do Espiri­tismo, já nos tempos modernos.

Nessa época aparecem os patrulheiros, os elementos que exer­cem a função de pontas-de-lança, os que efetuam uma espécie de reconhecimento do terreno e de preparação da “invasão organizada”, que virá logo mais. Essa concepção de Conan Doyle está de pleno acôrdo com as explicações que os Espíritos deram a Kardec, a respeito do assunto. Só faltou a Conan Doyle, por­tanto, para bem colocar o problema, o conhecimento completo da codificação. Com êsse conhecimento, o grande escritor não teria dúvidas em admitir que o Espiritismo, como doutrina, só apareceu no mundo a 18 de abril de 1857 — numa data exata — aquela em que surgiram nas livrarias de Paris os primeiros volumes de “O Livro dos Espíritos”.

Fazendo justiça a Swendenborg, a Eduardo Irving, a André Jackson Davis, “o profeta da nova revelação”, às irmãs Fox, cuja dolorosa história é contada nestas páginas de maneira compreensiva e ampla, Conan Doyle historia, a seguir, a propagação do movimento espírita nos Estados Unidos, na Inglaterra, na França, na Alemanha, na Itália e nos demais países, dedicando várias páginas a médiuns notáveis como Home, os irmãos Davenport, Eddy e Holmes, Slade, Eusapia Palladino e outros.

Acompanha o desenvolvimento do interêsse pelos fatos espí­ritas nos meios científicos, a realização das grandes experiências de repercussão mundial, como as de Crookes, e trata, por fim, do papel do Espiritismo em face da guerra, do seu aspecto religioso e das descrições do Além pelos Espíritos. Temos, assim, uma obra monumental sôbre o Espiritismo e o movimento espírita, escrita por um dos mais notáveis autores do nosso tempo. A publicação desta obra em português virá contribuir grandemente para maior compreensão do Espiritismo em nosso país, inclusive nos meios espíritas.

O “PRECONCEITO CULTURAL”
Ao lançarem, pois, esta edição, os Editôres estão prestando um grande serviço ao público brasileiro em geral e aos espíritas em particular. As campanhas de difamação que se têm feito no Brasil contra o Espiritismo, a atitude sistemática de oposição assumida pelos religiosos e pelos cientistas, e as próprias defi­ciências culturais do nosso meio, fazem que ainda prevaleçam entre nós Os preconceitos antíespíritas, que muitas vêzes se mani­festam de maneira aguda. Obras como esta, escritas por homens da envergadura intelectual de Conan Doyle, contribuirão forçosamente para modificar essa situação, quebrando, com o seu poderoso impacto, sedimentações e cristalizações mentais pouco reco­mendáveis entre povos civilizados.

Diante do vasto e variado panorama que Conan Doyle nos apresenta neste livro, a começar pelas idéias ainda delirantes de Swendenborg, que, não obstante, era um dos homens dotados de maior cabedal de conhecimentos que o mundo já viu, até às expe­riências rigorosamente científicas de sábios da envergadura de Crookes, o leitor minado pelas idéias feitas, pelos preconceitos religiosos ou científicos, terá de reconhecer a importância do movimento espírita.

Existe um tipo especial de preconceito que dificulta a com­preensão do Espiritismo em nosso país. É o que podemos cha­mar “preconceito cultural”. Numa nação nova como a nossa, sem tradição cultural suficiente, com imensa massa de analfabetos, pontilhada aqui e ali de pequenas ilhas culturais, é grande o receio dos intelectuais, de caírem no ridículo perante os seus colegas do exterior. Por outro lado, a difusão das doutrinas materialistas, como o marxismo, em meios de insuficiente formação filosófica e a difusão, nem sempre em condições adequadas, de princípios científicos objetivos — errôneamente considerados materialistas — afastam muitas pessoas do conhecimento espírita. Um livro como êste servirá, e muito, para mostrar que os homens cultos, no mundo inteiro, não o são menos por se interessarem pelo Espiritismo.

NOTA DO TRADUTOR
VAI para mais de um século, os fenômenos espíritas, antes espo­rádicos, mal interpretados e causadores de perseguições reli­giosas, entraram numa segunda fase — a das manifestações acintosas e sistemáticas, públicas e teimosas, abalando cépticos, acor­dando consciências e amedrontando criminosos impunes e mar­ginais do Código Penal. Foi em 1848, nos Estados Unidos.

O contacto entre dois mundos, antes separados pela divisória da Morte, deixava de ter o aspecto macabro, que lhe empres­taram folhetinistas e criadores de fantasias, para revestir o de suave conversa entre criaturas queridas de um e do outro lado da Vida. Começou, entretanto, pelas chamadas mesas girantes e falantes que, infelizmente, se prestaram à zombaria dos que tudo procuram denegrir ou cobrir de ridículo — inclusive o sen­timento que nutrimos pelos que nos deixaram. Transportadas para a Europa, as mesas girantes e falantes constituíram, durante algum tempo, um divertimento de salão, nas longas e frias noites de inverno.

Um homem sisudo, entretanto, não via nelas mero diver­timento, mas uma coisa muito séria. E pagou arras ao espírito francês, tirando da “dança das mesas” uma filosofia, do mesmo modo que da “dança das rãs” Galvani havia tirado princípios fundamentais da eletricidade e do magnetismo. Êsse homem, típico representante da cultura francesa — médico e astrônomo, filósofo e poliglota, teólogo e matemático, filólogo e biologista — passeou o seu Espírito equilibrado sôbre todos os departamen­tos do saber humano de seu tempo, tudo referindo aos eixos coordenados de um sistema, de modo que os seus variados conhe­cimentos não apresentavam fissuras nem hiatos, paradoxos nem incongruências. Vale dizer que, à luz dos conhecimentos moder­nos, êle sistematizou uma ciência nova, captou os princípios basilares de uma nova filosofia — uma filosofia espiritualista que, ao contrário de suas congêneres, tudo estabelecia a posteriori, isto é, à base de fatos verificados e verificáveis, assim oferecendo ás criaturas honestas — queremos dizer cientificamente honestas — os elementos para a superação do materialismo clássico e do agnosticismo comteano, que estavam avassalando mentes nobres, mas limitadas e prêsas aos preconceitos religiosos, ou a êstes fanaticamente antagônicas.

E como a base da fenomenologia era o fato das manifes­tações das almas dos mortos — e, por vêzes, dos vivos também — aconteceu uma coisa singularíssima. De um lado a Igreja, cujos dirigentes ensinavam uma vida além da morte, mas que nunca souberam, puderam ou quiseram provar, passou a atacar ferozmente os fatos e os únicos individuos através dos quais essa prova é cientificamente possível, e que o faziam e o fazem sem qualquer intuito de combate ou de desdouro às organizações reli­giosas. Perdia a Igreja a grande oportunidade de demonstrar a existência da alma e o seu cortejo de conseqüências e, do mes­mo passo, de levar os seus profitentes para uma nova etapa, além de a êles anexar os que em nada criam — passando-os de fé imposta, do credo quia absurdum, ou do desinterêsse e da negação sistemática para uma fé sistemática, para uma fé racioci­nada, na qual os próprios dogmas e os ritos viriam a ser respei­tados como valores históricos e como símbolos que tinham tido a sua função no espaço e no tempo e dos quais os Espíritos se iam emancipando, à medida de sua mesma evolução. Do outro lado, atraidas pelos fatos, tomando contacto com os seus mortos queridos, as massas menos cultas, ou mesmo incultas, foram, por um compreensível sincretismo religioso, que a ortodoxia não tole­rava, mas que, à fina fôrça, aquelas queriam que subsistisse, transformando o Espiritismo numa religião ritualística.

Se, de um lado, o despreparo geral as empurrava nessa direção, foram acoroçoadas pelos anátemas, pelas excomunhões, pela pressão política exercida pela Igreja contra as massas espíritas e principalmente contra os médiuns. E o Espiritismo, que de início atraira a atenção das camadas mais cultas, pouco a pouco foi sendo por estas abandonado, ou praticado ás ocultas, para que se não comprometessem interêsses materiais — sobretudo os políticos — dado o prestígio que a Igreja desfrutava junto ao poder civil, mesmo nos paÍses em que havia separação legal entre ela e o Estado.

Então a doutrina caiu nas mãos do povo e a sua prática se abastardou.

Mas houve uma diferenciação entre neolatinos e anglo-saxões.

Nos países de origem latina, onde predomninam a Igreja Cató­lica — de tôdas a mais intolerante — os espíritas foram excluí­dos de seu seio. E, teimosamente, ela apresentou aquêle do qual poderia ter feito o seu melhor aliado como um adversário temível, como uma nova religião, embora lhe faltassem os requisitos essen­ciais de uma religião, a saber: um conjunto de dogmas, um ritual e uma hierarquia sacerdotal. De maneira que, se luta existe entre ela e o Espiritismo, não foi êste quem a provocou.

Mas nos países saxônicos a coisa é diferente.

Com a predominância do Protestantismo, os profitentes da religião estão mais íntima e solidamente ligados à sua igreja: são êles e não os pastôres que a administram e desenvolvem as obras assistenciais; com um ritual mais pobre, enriquecem o Es­pírito pelo estudo. Assim, a irrupção dos fenômenos espíritas não foi ignorada nem amaldiçoada, mas recebida como uma prova da sobrevivência da alma e uma confirmação dos ensinos bíblicos.

Por isso, pouco proliferam os centros espíritas. Em com­pensação, há na língua inglêsa mais de cinco mil titulos de obras sôbre o Espiritismo.
*
Os estudiosos dêsses problemas não têm projetado a atenção sôbre essa diferenciação do desenvolvimento do Espiritismo entre neolatinos e anglo-saxões, para lhe penetrar as causas e oferecer elementos para a compreensão do interessante fenômeno.

O assunto merece atenção.

Na França, o Doutor Gustave Geley, a quem tanto deve a Me­dicina, fêz notáveis estudos sôbre o ectoplasma — êsse novo ele­mento cuja importância cresce dia a dia e que vem correndo parelha com o proto plasma na explicação dos fenômenos da vida; que fêz demonstrações insofismáveis das materializações parciais, através das moldagens em cêra fervente, impossível de obter-se por qualquer outro processo que não o da materialização de mãos; que convidou cem cientistas para assistirem às suas experiências — muitas das quais em plena luz e tôdas sob o mais rigoroso contrôle científico; que foi presidente do Insti­tuto de Metapsíquica de Paris, onde se afirmou um legítimo pioneiro; que fêz avançar enormemente os conhecimentos da Psicologia com o seu “Do Inconsciente ao Consciente”; o Doutor Geley, íamos dizendo, assiste ao terrível drama íntimo do Doutor Paul Gibier, essa outra figura de cientista, a quem tanto devem a Microbiologia e os trabalhos iniciados pelo ilustre Pasteur, dada a intolerância da chamada ciência oficial. Gibier teve que aban­donar os laboratórios e a própria pátria, onde o seu trabalho se havia tornado impossível, e foi abrigar-se nos grandes centros norte-americanoS, deixando uma triste advertência a outra figura ainda mais notável — Charles Richet.

Com efeito, êsse grande mestre, talvez o maior de seu tem­po, que investigou tanto os fenômenos espíritas, que, além da sua obra clássica sôbre Metapsiquica, legou—nos “Trinta Anos de Pesquisas Psíquicas”; que assistiu aos testes de Geley com Kluski e com Eusapia Palladino; que teve as mais notáveis provas através da correspondência cruzada; que cunhou o vocábulo ectoplas­ma, por fôrça de tanto estudar essa substância, que é um ver­dadeiro proteu e um novo estado da matéria a responder pelos fenômenos físicos, ou melhor, hiperfísicos, que se passam através dos médiuns; êsse homem, que desfrutava do respeito de seus pares como um legítimo mestre e uma das glórias da cultura francesa, convenceu-se da legitimidade dos pontos de vista espíritas, mas temeu aquelas fôrças negativas que haviam sacrificado o Doutor Gibier. Não teve a coragem de o confessar. Fê-lo apenas em carta reservada ao seu amigo e opositor Ernesto Bozzano, depois de ter tido a franqueza de erigir dezenas de hipóteses que jamais se prestariam a uma generalização amplíssima, como a hipótese espírita.

Do outro lado, vemos na Inglaterra homens de ciência do melhor quilate organizando uma Sociedade de Pesquisas Psíqui­cas que, desde 1882, vem fazendo estudos rigorosos, com muita circunspecção e que toma, por vêzes, uma atitude hostil aos prin­cípios espíritas, mas acaba dando o testemunho dos fatos supra-normais, embora fuja sistemàticamente das generalizações filosó­ficas.

Quem são êsses homens?

Dos mais categorizados: físicos, químicos, fisiologistas, ma­temáticos, Membros da Sociedade Real, honraria raríssima con­cedida na Inglaterra a um homem de ciência.

Daí a atitude de Lord Dowding. Marechal do Ar da Ingla­terra, primo do último rei, Lord Dowding comandou a RAF (Royal Air Forces) durante a última guerra. Protestante, os fatos o convenceram das verdades espíritas. Tanto bastou para que tomasse atitude pública. Como bom inglês, não compreendia que na comunidade britânica alguém sofresse restrições na sua liberdade, da qual uma faceta importante é a liberdade de crença.

Em conseqüência, e liderados por êle, os Espíritas inglêses conseguiram que o Parlamento Inglês, o mais respeitável do mundo, votasse uma lei, reconhecendo o direito ao exercício da mediunidade, com o que os sensitivos ficavam subtraidos as perseguições religiosas, exercitadas nos têrmos de duas leis obso­letas, mas não prescritas: o Vagrancy Act e o Witchcraft Act, através das quais mais de 50.000 médiuns já haviam sido mul­tados ou condenados à pena de prisão. Continuando a sua cam­panha, isto é, procurando levar por diante as conseqüências da nova lei, foi obtido pelos espíritas que o Estado Maior das Fôrças Armadas da Inglaterra determinasse que em todos os corpos de tro­pa onde houvesse instalações para o serviço religioso, também as houvesse para oficiais e soldados espíritas.
*
A obra que tivemos a honra de traduzir é de autoria de um membro da Sociedade de Pesquisas Psíquicas da Inglaterra, ge­ralmente conhecido do nosso público por suas novelas policiais. Como até hoje não se escreveu, no gênero e em qualquer língua, um trabalho semelhante, julgamo-nos no dever de escrever uma ligeira biografia de Sir Arthur Conan Doyle, para que o leitor brasileiro possa aquilatar do valor e das cogitações de um dos mais nobres caracteres da passada geração de escritores e de homens de ciência.

A obra não poderia ser minuciosa e completa. Passa, porém, em revista os maiores médiuns da Europa e dos Estados Unidos, desde o século passado até o comêço dêste século. É, assim, um roteiro magnífico.

A fenomenologia espírita aí aparece bem dividida, por capítulos; os maiores médiuns são apresentados divididos em grupos, conforme as suas peculiaridades. É feita uma crítica muito equilibrada a médiuns e pesquisadores. O leitor atento verá que o autor não sai de uma linha de centro, de um perfil de equilíbrio, de modo que não será nunca confundido com um crente fanático, de vez que é, em tôdas as circunstâncias, o obser­vador percuciente, o filósofo sereno e o cientista que está con­vencido da lei do progresso, do sentido amplíssimo da evolução geral da Vida. Êle não teme aquelas coisas que se apresentam na zona de penumbra do pesquisador, porque usa aquilo que sabe, a fim de avaliar aquilo que lhe falta saber.

Sir Arthur Conan Doyle não nos apresenta uma história puramente descritiva do Espiritismo, mas, na verdade, uma his­tória filosófica do Espiritismo.

A sua obra — unica no gênero — preenche uma lacuna na estante dos espíritas estudiosos; mostra-lhes um mundo de coisas importantes — direi mesmo, indispensáveis — que igno­ravam. E, nessa fase do nosso desenvolvimento intelectual, é de súbito valor para os estudantes das nossas Faculdades de Filosofia.

Achamo-la, sobretudo, inestimável para os dirigentes de sociedades espíritas. Mais esclarecidos por ela, certamente darão novo rumo aos trabalhos ditos de efeitos físicos, já selecionando os médiuns, já excluindo essa prejudicial assistência de curiosos, já — e nisto reside a sua melhor lição — colocando a pesquisa psíquica num plano isento de fanatismo religioso, de intolerância pseudo-cientí fica, sem o que tão cedo êsses fenô­menos não entrarão nos ambientes universitários, onde nem o professor Richet serve de exemplo, porque a atitude acadêmica continua sendo a do avestruz: enterrar a cabeça na areia e negar a tempestade.

Êste é um livro que nos faz pensar.

Que o leiam os nossos homens de ciência; que o leiam os nossos pensadores; que o leiam aquêles que pensam que pen­sam. Os frutos não se farão esperar.
JULIO ABREU FILHO

SIR ARTHUR CONAN DOYLE - ESBOÇO BIOGRÁFICO

O AUTOR da obra que se vai ler era muito conhecido da juventude de uns cinqüenta anos passados, como o criador de Sherlock Holmes. Naquele tempo líamos literatura neo­latina no original e anglo-saxônica através de boas traduções francesas ou em nossa língua.

Hoje a mocidade lê histórias em quadrinhos, onde o vocabulário representa apenas um déci­mo do que manejávamos.

O nível baixou. Se, então, eram as biografias um aspecto pouco explorado em literatura, hoje pouco se conhece das vidas grandes e nobres. Tanto que, quando o autor destas linhas disse que estava traduzindo uma HISTÓRIA DO ESPI­RITISMO de Sir Arthur Conan Doyle, despertou atenção por estas coisas: que o criador de Sherlock Holmes tivesse sido “knighted”, como se diz em inglês; que fôsse algo mais que um escritor de contos policiais; que tivesse tido a cachimônia de levar a sério o Espiritismo e fazer, com aquela proverbial seriedade dos escritores inglêses, uma His­tória do Espiritismo.

Estavam certos — relativamente certos — os interlocuto­res de quem traça estas linhas. Por dois motivos: o primeiro é que o nível dos contos policiais baixou; o segundo é que em geral se ignora, nos países latinos, que os inglêses de cultura universitária não tomam cursos de técnica superior — como em geral os latinos e particularmente os brasileiros —a fim de serem chamados doutôres, ou como um meio fácil de fazer dinheiro. É uma questão de educação, há muito ali resolvida e na qual andamos tateando, sem coragem de modificar o nosso figurino. Sôbre o assunto bastaria reco­mendar três livros de um único escritor inglês, representativo de brilhante período da cultura inglesa - o período vitoriano — Sir John Ruskin — a saber: Sesame and Lulies, The Seven Lamps of Architecture e The Stone of Venice. Na verdade o inglês de certa classe, mesmo de qualquer classe, que hou­vesse atingido mais alto grau de cultura através da universi­dade, não tinha apenas um verniz: os conhecimentos e o am­biente lhe haviam lapidado o espírito, transformado a com­preensão da Vida e criado novos rumos para o seu comportamento social.

Por isso o inglês dêsses níveis mais altos exercia a profissão, parcialmente, para ganhar dos que podiam pagar sem serem explorados, parcialmente, para servir aos que não po­diam pagar, mas deviam sentir que a solidariedade humana não era mero tema para discursos políticos de campanhas elei­torais. Paralelamente, êsses homens de padrão universitário exercem uma atividade extra que, se por um lado contribui para o seu próprio progresso espiritual, por outro ajuda o levantamento da cultura do povo.

Isto é, sem dúvida, um dos mais belos efeitos da con­cepção inglêsa de religião; esta não se separa da vida e a vida é considerada como que vascular, segundo a expressão do Reverendo Stanley Jones, que assim explica: “onde quer que a firamos, ela sangrará”.

Dêste jeito tem o inglês um sentido prático de religião, — que deixa de ser uma fuga para os planos abstratos, que ficam depois dos túmulos, do mesmo passo que tem umj noção mais objetiva de humanismo — que deixa de ser uma verbiagem excitante para ser uma soma de conhecimentos de imprescindível aplicação à Humanidade.

Assim, não é de admirar que um Churchill cultive a pin­tura ainda aos oitenta anos; que um John Ruskin vá para o campo com os universitários trabalhar na reparação de estra­das que se haviam tornado intransitáveis; que Frederic Myers, Lord Balfour, Sir William Crookes, Sir Oliver Lodge e tantos outros, que se encontram no tôpo das graduações científicas de várias especialidades, se apliquem, paralelamente, a outras atividades monetàriamente improdutivas, mas que contribuem largamente para o bem-estar espiritual do povo.

Ora, todos êstes nomes do último grupo deram exemplo de compreensão de quanto o conhecimento do porquê da vida, do porquê da diversificação das existências pode contribuir para o bem-estar geral, depois de ter criado aquela serenidade espiritual que nos torna altamente conscientes e nos subtrai daquele fatalismo da massa muçulmânica, que amesquinha a criatura. Mas não quiseram basear-se em sermões mais ou menos sonoros nem nas citações mais ou menos papagaiadas de textos bíblicos: basearam-se nos fatos. E se o fenômeno espírita era um fato da natureza, até então pouco estudado, estudaram-no; buscaram apreender a lei que os rege. E nisso nada viram daquele ridículo que pseudo sábios ou pseudo­ religiosos procuram lançar sôbre coisas que ignoram. Para êles, verdadeiros sábios, não existe ridículo nem imoralidade nas leis da Natureza, que são as mesmas leis de Deus. Ri­dículo e imoralidade estão em nós, na nossa maneira de ver a vida; constituem, por assim dizer, os óculos da nossa obser­vação.

Mas voltemos a Sir Arthur Conan Doyle.
*
Estamos dizendo que o nível do conto policial havia bai­xado. Baixou, pelo menos daquela cota em que Conan Doyle havia elevado a produção do suposto criador dêsse gênero lite­rário — o escritor francês Gaboriau. Mostra-nos a cronologia que o iniciador dêsse tipo de literatura foi um escritor ame­ricano, também espírita e certamente um médium inconsciente de suas faculdades cripto-psíquicas — o grande poeta americano Edgard Allan Poe, autor do Mary Roger Case e outros contos policiais. Mas não desgarremos; frizemos um contraste essen­cial: enquanto o policial atual é violento, Sherlock é suave; aquêle usa a fôrça muscular, êste o vigor do raciocínio. Dir-se-ia que, mesmo antes de se tornar espírita, Sir Arthur marcava, na sua obra popularíssima, a superioridade do Espírito sôbre a Matéria, da Inteligência sôbre a Fôrça Física, do Conhecimento sôbre a Pistola Colt.

E já que entramos por êste raciocínio, seja-nos permitido admitir que as cidades, como as famílias, parece que têm um certo poder atrativo para determinados tipos de Espíritos. Dir­se-ia que elas possuem aquilo que os orientais chamam de karma coletivo, como o possuem as famílias, e que nos indivíduos é uma espécie de magnetismo espiritual. Não será isso que cerca de encanto a vida de certas universidades e de certas cidades, como, por exemplo, Florença?

Não estará no mesmo caso a cidade escocesa de Edimburgo? De onde o seu nome? De um certo rei Edwin, de Northumber. land, que a fundou no século VII? Edimburgo que foi elevada a cidade por Carlos 3º em 1633, é considerada mais uma cidade intelectual do que industrial, pôsto que seja um importante centro de tecidos de lã, algodão e sêda; tinha fábricas de cristais, destilarias e fundições, além de importante indústria livreira. Mas os seus estabelecimentos de ensino entre os quais se destacam a universidade, a escola de medicina, o conservatório de belas artes e a escola de artes e ofícios, lhe valeram o epíteto de Nova Atenas.

Entre os filhos notáveis que a honram — e dos quais Sir Arthur Conan Doyle não é dos menos celebrados — contam-se John Ogilby, nascido em 1600, tradutor e editor das obras de Virgílio e de Homero e das Fábulas de Esopo; a família Blair, entre cujos membros sobressaem John Blair, ligado à história de sua independência e Hugh Blair (1718, 1800), notável orador e professor na universidade de Saint Andrews, onde seu nome foi ligado à cadeira de retórica e belas letras; a célebre famí­lia Napier ou Neper, segundo a grafia latina, onde aparecem destacados vultos na Marinha e no Exército, mas cujo tronco ilustre foi John Napier ou Joannis Neper, grande matemático e inventor dos logaritmos ditos neperianos, cuja publicação apa­receu com êste longo título, ao gôsto da época: Logarithmorum canonis descripto seu Arithmeticorum supáginasutatwnum marabilis abbreviatio, ejusque usus in utraque trigonometria, ut etiam in omni logistica matematica amplissimi, jacilimi et expeditissimi explicatio, auctore ac inventore Joanne Nepero, barone Merchis­tonii, Scoto (1614).

Não esqueçamos David Hume, filósofo e historiador (1711. 1776), que nos deixou um Tratado sôbre a Natureza Humana, Ensaios Morais e Políticos, História Natural da Religião, Ensaios Sôbre a Imortalidade da Alma, além de vários outros tra­balhos sôbre moral e religião e, de parceria com outros advo­gados, uma História da Inglaterra. Por fim destaquemos um típico escritor escocês — Sir Walter Scott (1771 - 1832). Ini­ciando-se em 1802, com o Canto da Fronteira Escocesa, escreveu mais trinta obras, entre as quais são mundialmente conhecidas e apreciadas A Dama do Lago, que inspirou a Rossini a ópera do mesmo nome, Guy Mannering; A Prisão de Edimburgo; A Noi­va de Lammermoor, de onde foi extraído o libreto da ópera de Donizetti, Lucia de Lanrmermoor; A Formosa Donzela de Penh e Ivanhoe, talvez, de suas obras a mais conhecida e que conta maior número de traduções.

Tôda essa tradição magnífica de sua cidade deve ter influído poderosamente na formação espiritual de Sir Arthur. Sabe-se que seu avô era o caricaturista de nomeada — John Doyle, sôbre o qual, entretanto, temos poucas indicações. Os traços genealó­gicos de que dispomos dizem que seu pai, Charles Doyle, era um artista. Quem seria êsse artista? Certamente era Sir Francis Hastings Charles Doyle, poeta nascido no Condado de York, em 1810 e morto em 1888. Foi funcionário da administração e publicou várias obras, entre as quais Poemas Diversos; Dois Destinos; Édipo, Rei de Tebas; Os Firnerais do Duque; A volta dos Guardas, etc. Foi professor de poética na Universidade de Oxford, entre 1867 e 1872.

Teve, assim, o jovem Arthur um ambiente propício, quer em sua casa e em sua pátria, quer no estrangeiro, onde seu pai estêve a serviço do govêrno, pois se sabe que o nosso biografado fêz parte de sua educação na Alemanha. Nascido a 22 de maio de 1859, sua educação foi feita sucessivamente no Stonyhurst College, na Alemanha e na Universidade de Edimburgo, onde, em 1881, terminou o curso de medicina (M.B.) e quatro anos mais tarde o doutorado em medicina (M.D.)

Sabe-se que viajou muito pelas regiões árticas e pela costa ocidental da África.

Escreveu algumas obras na juventude, que devem ter pas­sado inadvertidas ou que êle próprio teria retirado da circu­lação, pois a primeira citada cronolôgicamente é “A Study in Scarlet”, publicada em 1887, quando já estava clinicando em Southsea. No ano seguinte publicou outro romance — Micah Clarck. A história da rebelião de Monmouth. “The sign of Four”, em 1889 e em 1891 “The White Company”, que obteve grande sucesso, e que foi seguida por um romance da época de Du Guesclin.

Nesse ano de 1891 Sir Arthur Conan Doyle conquistou imen­sa popularidade com as “Aventuras de Sherlock Holmes”, que apareciam em The Strend Magazine. Como indicamos pouco an­tes, dizem que o seu inspirador foi Emile Gaboriau, escritor francês que havia fracassado no gênero romance e que em 1866 publicara, com estrondoso sucesso, em folhetim em Le Pays, um romance judiciário policial intitulado l’Affaire Levou ge, que lhe valera grande nomeada e o sucesso para mais dez outras obras no gênero.

É possível. Mas é mais provável que, dadas as inclinações artísticas e literárias de Sir Arthur, tivesse êle conhecido tôda a obra de Edgard Allan Poe, que é, ao nosso ver, o verdadeiro criador do conto e do romance policial, quer quanto às características literárias, quer quanto à precedência histórica. Em nossa opinião, o criador de Sherlock está mais próximo dos métodos de raciocínio de Poe, que dos de Gaboriau.

Com a importância literária e a popularidade de Sherlock, cujas aventuras se iniciam em “A Study in Scarlet”, a prática da medicina de Sir Arthur Conan Doyle passa para segundo plano, à medida que cresce o escritor. Em 1893 reaparece o herói nas “Memórias de Sherlock Holmes”, seguidas de “O Cão dos Baskervill.es”, em 1902 e de “A Volta de Sherlock Holmes” em 1905.

Enganam-se, porém, os que pensam que Sir Arthur haja cultivado apenas êste gênero literário. Já em 1896 publicava êle estudos históricos em “As Explorações do General Gerard” e em “As Aventuras de Gerard”. Antes, porém, em 1894, havia publi­cado “A História de Waterloo”, na qual Sir Henry Irving havia tomado parte tão saliente. Em 1909 lançou “The Fires oj Fate” e “The House of Tem periey” e em 1913 outro volume interessante — “The Poison Belt”.

A pena de Sir Arthur Conan Doyle estêve, entretanto, ao serviço da pátria, nos momentos críticos. Sem ser um político, na acepção limitada do vocábulo, soube êle prestar valiosos ser­viços políticos ao seu país. Pode a gente discordar de seu ponto de vista particular, em relação à tese por êle defendida; mas há que reconhecer-se que êle não procurou servir a um partido, mas à comunidade britânica. E o fêz com hones­tidade e com elegância. É assim que, em defesa do Exército Britânico na África do Sul, publicou em 1900 “The Great Boer War” e, dois anos depois, um estudo mais minucioso dessa guer­ra, intitulado “The War in South Africa; its Causes and Conduct”.

Durante a primeira Grande Guerra sua pena estêve ao serviço dos Aliados. Escreveu abundantemente. Entre outros trabalhos, largamente traduzidos, podemos citar “Cause and Conduct of the World War”, que logrou traduções em doze línguas.

Suas preocupações pelas colônias inglesas não eram do tipo das de um agente do govêrno, mas das de um pensador de raça. Iniciando-se nesse gênero com a guerra dos boers, pode a rigor dizer-se que aquêles dois livros pouco antes citados foram precedidos por “The Tragedy of the Korosko”, em 1898, que é uma pequena história do Sudão anglo-egípcio e “The Green Flag”, que versa ainda assuntos africanos.

Neste grupo se inclui uma obra lançada em 1906, considerada a sua obra-prima — “Sir Nigel.”

Como obras menores e de temas variados — tôdas, porém, defendendo uma tese de subido interêsse, podem citar-se, crono­lôgicamente, a partir de 1894, até 1912, as seguintes: “Round the Red Lamp”, The Stark Mumro Letters”, “A Duet with an Occasional Chorus”, “Tlironglt the Magic Door”, “A Modern Mo­rality Plity”, “The Crime oJ the Congo”, “Songs of tire Rüad” e “Tire Last World”.

Entre as suas últimas obras uma se conta, de grande importância e que alcança seis volumes, publicados entre 1915 e 1920: “History of the Britislr Compaign in France and Flan­ders” e que representa a sua última contribuição para a sua terra e para a sua gente no setor político propriamente dito.
*
É que, a essa altura, grandes médiuns inglêses, americanos e da Europa continental haviam chamado a atenção de conspícuas figuras do mundo científico inglês. Os fenômenos que em in­glês se diziam do neo-espiritismo provocavam estudos e polêmi­cas, entusiasmos e revoltas. Em 1882, fundara-se, em razão disto, a Society for Psychical Research; os nomes mais brilhantes dos céus da ciência se haviam ligado a essa criteriosa organização que, se críticas merece, certamente é por sua teimosia em não querer reconhecer numa fenomenologia amplíssima e constatada sob os mais rigorosos métodos de ensaio, que a geratriz de tantos fenômenos eram os Espíritos dos mortos e, por vêzes também, os Espíritos dos vivos.

Que nomes prestigiavam a SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH?

Os mais brilhantes, com efeito, entre outras notabi­lidades, o Professor Sidgwick, Sir William Crookes, F. W. H. Myers, Frank Podmore, Professor Jomes H. Hyslop, Doutor R. Hodgson, Professor Charks Richet, Sir Oliver Lodge, Professor C. G. Jung, Sir William Barrett, Doutor Gustave Geley, Doutor Edmund Gurney, Professor Von Schrenck-Notzing, Professor Henry Berg­son e tantos outros, muitos dos quais eram membros da Socie­dade Real e da Academia Francesa, vale dizer, portadores das mais altas distinções honoríficas.

Sir Arthur Conan Doyle ingressou na Sociedade de Pes­quisas Psíquicas. Convencido do fenômeno da manifestação do Espírito dos mortos, aderiu à causa do Espiritismo. Fêz pesquisas, por conta própria, com os maiores médiuns da Europa. Lobrigando o alcance religioso e filosófico de tais fenômenos, a êles se dedicou e procurou servir com a honestidade e com a segurança que lhe permitiam um caráter inteiriço e uma enor­me bagagem de conhecimentos científicos.

Não se limitou a ver e ouvir. Viajou, fazendo conferências de propaganda. Estêve mais de uma vez nos Estados Unidos, na África, na Europa continental e no Oriente, até a Austrália e a Nova Zelândia.

Entre outros escritos sôbre o assunto publicou em 1918 “A New Revelation”, dois volumes de recordações dessas viagens, dos quais o último, saído em 1924, tem por título “My Me­mories and Adventures”.

Em 1926 lançou em dois volumes “History o! the Spiritua­lism”, que tivemos o ensejo de traduzir agora para a editôra “O Pensamento”, precedendo-a destas ligeiras notas biográficas e de um prefácio à edição brasileira.

Pode dizer-se que é a única História do Espiritismo surgida até agora. Fora dela o que apareceu até aqui não passa de estudo limitado no tempo e no espaço e que, de forma alguma pode emparelhar-se com o presente volume onde, além da história descritiva, se encontra, realmente, muito de filosofia da história do Espiritismo.

Estas notas foram escritas para mostrar ao leitor menos fami­liarizado com as letras inglêsas que Sir Arthur Conan Doyle não é apenas o criador de Sherlock e o escritor de contos policiais:

é uma figura expressiva nas letras inglêsas e uma das figuras a que o Espiritismo — inclusive o Espiritismo de feição religiosa — muito deve. Em plano internacional a sua obra se inscreve logo depois da de Allan Kardec e se alinha com a dêsses lumi­nares que se chamaram Ernesto Bozzano, Léon Denis, Camille Flammarion, Alexander Aksakof, Vale Owen e Stainton Moses.

Os espíritas de fala portuguêsa estão de parabéns com a apresentação em nossa língua, da obra magnífica de Sir Arthur Conan Doyle.
JULIO ABREU FILHO

PREFÁCIO

ESTA obra surgiu de pequenos capítulos sem conexão, terminan­do numa narrativa que abrange, de certo modo, a história completa do movimento espírita (1). Sua gênese requer uma ligeira explicação. Eu havia escrito alguns estudos sem qual­quer objetivo ulterior a não ser o de me proporcionar, e a outras pessoas, uma visão clara do que se me afigurava episódios im­portantes no moderno desenvolvimento espiritual do gênero hu­mano. Compreendiam estudos sôbre Swendenborg, Irving, A. I. Davis, sôbre o incidente de Hydesville, sôbre a história das irmãs Fox, sôbre os Eddys e sôbre a• vida de D.D. Home. Êstes já se achavam prontos, quando me ocorreu a idéia de ir mais adiante, dando uma história mais completa do movimento espírita, mais completa do que as até então publicadas — uma história que tivesse a vantagem de ser escrita de dentro e com um pessoal conhecimento íntimo dos fatôres característicos dêsse moderno desenvolvimento.


1. Em inglês a forma corrente é spiritualism e suas derivações, para significar o Espiritismo e outros vocábulos derivados. Allan Kardec criou a voz do espiritismo e as suas derivações, para exprimir, evitando as naturais confusões que a linguagem científica e filosófica não poderia permitir, um ramo do espiritualismo, Isto é, da doutrina que admite Deus e a alma. Este ramo, além de admitir Deus, causa primeira, e a alma ou espírito, fôrça atuante e inte­ligente da natureza, instrumento do Criador para a evolução geral da vida, admite, ainda, que o ser humano tem vidas sucessivas, solidárias e sempre progressivas, ao menos na sua feição moral e que Deus não castiga nem premia: a nossa existência, boa ou má, é conseqüência de uma existência anterior. Os vocábulos cunhados por Allan Kardec hoje se acham em todos os grandes léxicons, muito embora na Inglaterra e nos Estados Unidos também se usem, em relação ao Espiritismo, e para evitar confusões, a forma new-spiritualism e suas derivações. — N. do T.
É realmente curioso que êsse movimento, que muitos de nós consideramos como o mais importante na história do mundo desde o episódio de Jesus Cristo, jamais tenha tido um historiador, entre os que a êle estavam ligados, e que possuisse uma larga experiência pessoal de seu desenvolvimento. Mr. Frank Podmore reuniu um grande número de fatos e, desprezando os que não se ajustavam aos seus propósitos, esforçou-se por sugerir a desvalia dos restantes, especialmente os fenómenos físicos que, no seu modo de ver, eram principalmente tidos como produto da fraude. Há uma história do Espiritismo por Mr. McCabe, que reduz tudo a fraude e que é, ela mesma, uma fraude, desde que o público compraria um livro com êsse título certo de que era um registro ao invés de uma mistificação. Há também uma história por J. Arthur Hill, escrita do ponto de vista estritamente da pes­quisa psíquica e que se acha muito longe dos fatos reais prováveis. A seguir temos: “Moderno Espiritismo Americano: um Registro de Vinte anos” e “Milagres do Século XIX”, pela grande e esplêndida propagandista que é a Senhora Emma Hardinge Britten, mas êstes livros apenas se ocupam de fases, embora sejam muito valiosos. Finalmente — e o melhor de todos — há a “Sobrevi­vência do Homem após a Morte”, pelo Reverendo Charles L. Tweedale. Mas se trata, antes, de uma bela exposição relacionada com a verdade do culto do que uma história continuada. Há histórias gerais do Misticismo, como as de Ennetnoser e Howitt, mas não há nenhuma história clara e compreensiva dos desenvolvimentos sucessivos dêsse movimento universal. Quando êste entrava para o prelo apareceu um ittilíssimo compêndio de fatos psíquicos, por Campbell-Holms. O seu título “Os Fatos da Ciência Psíquica e a Filosofia” indica, entretanto, que não pode ser apresentado como uma história metódica.

É claro que semelhante trabalho necessitava muito de inves­tigação — muito mais do que lhe poderia dedicar em minha vida ocupadíssima. É verdade que, de qualquer modo, o meu tempo era dedicado a êle, mas a literatura é vasta e havia muitos aspectos do movimento que me atraíam a atenção. Em tais cir­cunstâncias solicitei e obtive a leal cooperação de Mr. W. Leslie Curnow, cujos conhecimentos do assunto e cuja habilidade de­monstravam ser inapreciáveis. Êle trabalhou assiduamente nessa vasta mina; separou minérios e escória e deu-me enorme assis­tência em todos os sentidos. Inicialmente eu não esperava mais que matéria-prima, mas ocasionalmente êle me apresentava metal puro, do qual me servi, apenas alterando-o de maneira a ter o meu ponto de vista pessoal. Não posso exprimir a leal assistência que me foi dada; e se não inclui o seu nome com o meu no tôpo dêste livro, foi por motivos que êle compreende e com os quais concorda.
ARTHUR CONAN DOYLE
The Psychic Bookshop,

Abbey House,

Victoria Street. S. W.


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   28


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal