I encontro valorizaçÃo da vida 30 agosto de 2008



Baixar 0.58 Mb.
Página1/5
Encontro04.04.2018
Tamanho0.58 Mb.
  1   2   3   4   5

RESUMO GERAL DO EVENTO OCORRIDO NAS DEPENDENCIAS DA IAM NO DIA 30.08.2008



  • Numero de participantes 241

  • Bastidores 18

  • Coordenadores 3


Total Geral de Participantes 262
Centros e Instituições participantes aproximadamente 11

Jovens 110

Adultos 152
Totais de Oficinas 7

Grupos

  • A: 22

  • B: 25

  • C: 25

  • D: 25

  • E: 25

  • F: 55

  • Salão: 67


I ENCONTRO VALORIZAÇÃO DA VIDA 30 AGOSTO DE 2008 – Grupo A
Tema Central: Um Convite a Vida
Sem Armas, Sem Violência, Sem Aborto, Sem Álcool, Sem Tabaco, Sem Drogas
Grupo A: Thaís, Érica, Garcia, Maria Helena, Joaquim
Sub-tema: Jovem, aonde vai? Quais são suas escolhas?
O grupo trabalhou mais especificamente o sub-tema acima, com objetivo de fazer uma reflexão sobre a conseqüência em se fazer escolhas equivocadas.
Primeiro fizemos um quebra gelo chamado Arremesso de Travesseiro. Com uma almofada na mão, cada um falava seu nome e jogava a almofada para outra pessoa, quando todos falaram seus nomes,fizemos uma nova rodada onde cada um jogava a almofada falando o nome da pessoa para quem jogaria. Foi uma atividade descontraída para um primeiro contato do grupo.
O próximo passo foi à aplicação de uma dinâmica com o objetivo de auxiliar a pessoa a vivenciar a pressão social e de grupo, e a defender seus sentimentos e valores.
Dividiram-se os participantes em dois grupos, solicita-se que um grupo fique no centro, a este grupo são dado quatro balões de cores diferentes, os quais são denominados por sentimentos ou valores escolhidos pelo grupo e que eles terão de defender.

Enquanto isso, o outro grupo fica de mãos dadas, circundando o que está dentro e seguirá os códigos dado pelo facilitador: direita, esquerda, dentro, fora.

O grupo de dentro não pode segurar os balões que devem ficar no ar. O grupo de fora não pode soltar as mãos, só faz os movimentos do código.

Em um segundo momento, inverte-se a posição dos grupos, possibilitando que ambos vivenciem a pressão que o grupo exerce e a pressão que sofre.

Terminada a atividade, todos sentaram para conversar e refletir como esse momento mexeu comigo, através de alguns questionamentos feitos pela facilitadora.


  • Como nos sentimos após a dinâmica?

  • Como é pressionar e ser pressionado?

  • Qual a dificuldade do grupo de dentro?

  • Qual a dificuldade do grupo de fora?

  • É melhor pressionar ou ser pressionado?

  • Qual é o objetivo da dinâmica?

  • Como é freqüentar um ambiente onde todos fumam e bebem e nós não?

  • Onde sentimos vontade de mudar devido à pressão?


Com uma classificação que podemos considerar como BOA nos itens interesse, atenção e participação, relatamos abaixo as soluções propostas por integrantes do grupo, antes ressaltamos que a dinâmica usada, foi de identificar situações de pressão que sofremos no nosso dia a dia, quando não compartilhamos com a opinião/atitudes da grande maioria ou do grupo que convivemos e estas situações acabaram sendo discutidas.
As soluções apresentadas são em relação à pressão sofrida no dia a dia, o que faz com que muitas vezes mudamos nossos valores e comportamento.
Foi proposto por um participante quando pressionado ou criticado usar a história do Presente:

Quando recebemos critica ou pressão encararmos a mesma como um presente.

Analisemos se somos merecedores deste presente.

Se chegarmos à conclusão que não o merecemos deixamo-lo com a pessoa que nos deu.

Também tivemos depoimento de pessoa que viveu o mundo das drogas, superou o vicio e incentivou o grupo a permanecerem na escolha do bem e ainda aproveitar a oportunidade de se unir a pessoas que estão indo no caminho negativo por fraqueza e não por maldade.

Outro depoimento para a solução de problemas foi o depoimento de jovens quanto à pressão recebida na escola de colegas para fazerem bagunça, agredirem, atingir professores, ouvir musica durante a aula. E mesmo não participando acabam punidos com todos. Criando-nos mesmos um sentimento de tristeza e até mesmo revolta por não poderem estudar.

Foi proposto a estes que querem estudar se retirarem da aula, comunicar a coordenadora a situação e exigir medidas para os que querem estudar possam fazê-lo.
Foi colocado que dinâmica de grupo também conforta, pois mostra que não somos os únicos a viverem tais problemas.
Para enfeixar o trabalho feito pela dinâmica, apresentamos ao grupo a história de João e Mário, que eram dois irmãos que não se viam mais e tinham tipos de vida completamente diferentes, um era um empresário muito bem sucedido, equilibrado, tendo Deus na vida, de bem com o trabalho, com a família, com os relacionamentos, inclusive fazia trabalhos voluntário para ajudar pessoas. O outro irmão tinha ido ao fundo do posso através da bebida, não parava em emprego, vivia sozinho apesar de três casamentos desfeitos. Ambos questionados sobre o que tinha levado a terem essa vida, o alcoolista respondeu que foi o pai que era alcoólatra, batia na mãe e desestruturou a família. O bem sucedido também falou da mesma condição da família, só que ele fez de tudo para fazer diferente da família de origem.
Essa história mexeu muito com as pessoas que acabam se identificando com o tema e dando depoimentos muito emocionantes como a de uma moça que com a separação dos pais se viu trocada pela mãe dando preferência ao padrasto, disse que apesar do sofrimento tirou proveito desta situação superando todas as adversidades se propondo a ser melhor do que foram seus pais, além de perdoá-lo.
Colocações feitas quando inquirimos o que estavam levando do grupo:


  • Emoções nas nuvens

  • Enriquecedor ouvir vários lados, mais experiências, colocar em prática a história.

  • Independente do exemplo dos pais, fazer nossa parte

  • Independente da situação, todos temos de fazer nossas escolhas e ser felizes.

  • Colocar em prática o que aprendi.

  • Sempre colocar o amor em tudo.

  • Envolvimento de todo grupo.

  • Ver as imperfeições dos pais como exemplo do que não fazer.

.

AVALIAÇÃO DOS CONTEÚDOS E DOS INDICADORES PROPOSTOS
Número de Participantes – 19 pessoas

Grupo heterogêneo com idade de 11 a 70

Grupo participativo incentivado pelas dinâmicas, os participantes falaram de si, exemplificando com situações vividas.

Foi apresentados soluções de problemas já descritos anteriormente.
PONTOS POSITIVOS
As dinâmicas trabalharam para que houvesse integração e união do grupo e as pessoas tiveram a oportunidade de falar de si, contar sua experiência de vida. Foi uma troca muita rica devido a ter jovens e adultos juntos, ou seja, pais e filhos de diferentes famílias tentando ajudar um ao outro com depoimentos e até sugerindo algumas soluções para as dificuldades aparecidas.
Houve oportunidade de se fazer uma profunda reflexão de que apesar de difícil, vale à pena lutar pelos valores que nos levam a passar pela porta estreita colocado por Jesus e que nossa vida está pautada nas opções de escolhas que fazemos a cada momento (Lei de Causa e Efeito).
PONTOS NEGATIVOS
Para um projeto desta envergadura e para podermos alcançar todos os objetivos estabelecidos, teríamos que ter mais tempo para mais dinâmicas, discussões e reflexões.
OBJETIVOS GERAIS ALCANÇADOS
Enfocar a importância da qualidade de vida e o desenvolvimento de valores humanos, éticos, morais e espirituais
Promover o autoconhecimento
Resgatar laços de amizade, união na família, com sentimento de gratidão a Deus
Dizer sim à vida e não as drogas.
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Conhecer a realidade de escolhas equivocadas


Tema central: UM CONVITE À VIDA – Grupo B
(Sem armas, sem violência, sem aborto, sem álcool, sem tabaco)
ORGANIZAÇÃO: AME - ASSOCIAÇÃO MÉDICA ESPÍRITA

Local: IAM – INSTITUIÇÃO ASSISTENCIAL MEIMEI

DATA: 30 de Agosto de 2008 - SBC
OFICINA: DANÇAS CIRCULARES SAGRADAS
I AM THE DAY - EU SOU O DIA
Coreografia: Renata Ramos

Música: Grupo Libera Boys Choir

Formação: Círculo fechado e aberto
Tema Central -
Um convite à vida sem armas, sem violência, sem aborto, sem álcool, sem tabaco, sem drogas.
Objetivos Específicos -
1.1 - compreender a necessidade de respeito à vida, a Deus, à Pátria e à Família.

1.2 – conhecer a realidade de escolhas equivocadas.

1.3 – estabelecer diferença entre Ser x Ter.

1.4 – descobrir que além de corpo físico, somos seres espirituais eternos - somos luz.

1.5 - sentir uma força maior direcionando nossa vida, através da ação da prece.


  • Aprender a ser.

  • Aprender a conviver.

  • Aprender a fazer

  • Aprender a conhecer, para aprender a escolher.


OFICINA DANÇAS CIRCULARES SAGRADAS

Uma proposta de educação e cura – Escutando Sentimentos
Fala Inicial – DR. FERNANDO SANSONE
Queridos!

Estamos reunidos hoje para realizarmos um trabalho de crescimento e conhecimento individual.

Desejamos despertar, em nós mesmos, o conhecimento de nossas capacidades, assumindo a consciência das responsabilidades de nossas opções na vida.

Caminharmos da melhor forma para sermos pessoas equilibradas e úteis para as nossas famílias e para a sociedade, primeiro passo para a transformação de um Mundo bem Melhor.

Ao invés de ficar falando ou ministrar uma aula tradicional, propomos hoje um trabalho gostoso de convivência e autodescoberta proporcionado pelo instrumento da DANÇA CIRCULAR SAGRADA; pois ela tem significados especiais em seus movimentos, propiciando a cada pessoa vivências capazes de identificar valores nobres que temos dentro de nós, esquecidos por várias razões.

No final de nossa reunião faremos um resumo do trabalho realizado, definindo os sentimentos despertados para respondermos às perguntas:


  • Jovem, aonde vais?

  • Quais são suas escolhas?

  • O que trouxemos?

  • O que levamos?



Vamos trabalhar com clareza na mente e alegria no coração.


I ENCONTRO VALORIZAÇÃO DA VIDA 30 AGOSTO DE 2008 – Grupo C
Oficina Psicopedagógica - Dança das Bexigas


  • 25 participantes




  • 5 Facilitadores e 20 participantes e entre eles 5 adultos e 15 jovens


Objetivo:


  1. Refletir sobre a importância do pensamento positivo para o fortalecimento das pessoas.

  2. Estimular o encorajamento e a percepção de que ao enfrentarmos uma situação problema com sabedoria, positividade e persistência é mais fácil chegarmos a uma solução satisfatória.


Dinâmica:
Cada participante põe uma problemática dele no papel e o põe dentro da bexiga que insuflará.
Cada participante brinca com sua bexiga (problema) e apos certo tempo a estoura, como que dissipando os problemas, tudo isso ao som da música “como uma onda” Lulu Santos.
Como o ambiente estava repleto de balões insuflados, estes também foram estourados por todos como que representando todos os problemas do mundo (alegremente).

NOTA: Os balões com os problemas do mundo só foram estourados depois que já tínhamos estourados os nossos.
Todos manifestaram alívio após estourarmos os balões e nos facilitamos abrirmos partilha para quem quisesse manifestar se sobre a dinâmica ou qualquer tipo de aflito.
Perguntas foi surgindo a respeito da droga dicção, sendo sanadas com respostas satisfatórias sob o ponto de vista médico, éticas, moral e espiritual abordando prevenção e tratamento espiritual.
Houve partilhas emocionantes assim como manifestações afetuosas e desejo de melhora em reforma íntima.
Objetivo alcançado.


I ENCONTRO VALORIZAÇÃO DA VIDA 30 AGOSTO DE 2008 – Grupo D
Tema Central: UM CONVITE A VIDA

Sem Armas, Sem Violência, Sem Aborto, Sem Álcool, Sem Tabaco, Sem drogas
Público Alvo

Jovens, Familiares, Educadores, Psicólogos, Médicos, Dirigentes e Trabalhadores de Casas Espíritas
Coordenação

IAM – Instituição Assistencial Meimei

Conselho Espírita de São Bernardo do Campo

AME – Associação Médica Espírita de São Bernardo do Campo

DESENVOLVIMENTO
Os participantes serão distribuídos em sete oficinas psico-pedagógicas para o desenvolvimento dos seguintes temas:
Primeira Parte dentro das Salas

  • JOVENS, AONDE VAI?

  • QUAIS SÃO SUAS ESCOLHAS?


Segunda Parte – Salão João Custódio
Reflexão e Síntese das Atividades – Apresentação dos relatores das oficinas em seguida Palestra do Dr. Cláudio

Vós sóis a Luz do Mundo”



Jesus (Matheus) 5 – 14 a 16
PROGRAMAÇÃO DO ENCONTRO
07h30min h – Recepção e Inscrição para os Estudos e Debates

08h00min h – Solenidade Cívica - Hasteamento da Bandeira Nacional – Responsável Miltes

08h15min h – Atividade de Harmonização / Integração – Dança Circular Sagrada – Responsável – Agda

08h45min h – Encaminhamento para as Salas – Modulo II

09h00min h – Início e Desenvolvimento dos Temas

10h15min h – Café ao lado de cada Sala – Modulo II

10h30min h – Salão João Custódio – Todos – Apresentação dos relatores das oficinas - Reflexão e Síntese das Atividades

12h00min h – Palestra Sra. Miltes – Temas - Jovem, aonde vai? Quais são suas escolhas? Você é luz? Sabia? Família, Jovem e Espiritualidade.

12h30min h – Início do Almoço

13h30min h – Salão João Custódio – Lançamento oficial da AMESBC – Associação Médico Espírita de São Bernardo do Campo

14h00min h – Retomada do Desenvolvimento do Encontro somente à equipe de Facilitadores – Responsáveis: Heloisa – Miltes – Nelson

17h00min h – Encerramento
I - Tema Central -

Um convite à vida sem armas, sem violência, sem aborto, sem álcool, sem tabaco, sem drogas.
II - Sub-temas

  1. Jovem, aonde vai? Quais são suas escolhas?

  2. Você é luz? Sabia?

  3. Família, Jovem e Espiritualidade.



Vós sois a luz do mundo” – Jesus
III – Finalidade
Este primeiro encontro de 2008 servirá de laboratório experimental para realizar um plano de ação do movimento espírita, que viabilize uma tomada de consciência na busca de caminhos à prevenção às drogas psicoativas. Para tanto congregar, inter-relacionar equipe multidisciplinar, compartilhando experiências, incrementando soluções, racionalizando procedimentos, promovendo reflexões, debates e mediações, visando à prevenção primária às drogas.
IV - Histórico do programa que serve de tema central
Desde 1975, o CEOS - centro espírita obreiros do senhor iniciou o grupo de apoio denominado DESAATT - Departamento de socorro e amparo ao alcoolista, toxicômano e tabagista, atual DESADEF - Departamento de socorro e amparo ao dependente e família. A campanha de valorização da vida esteve sempre como foco principal nas programações da iam – instituição assistencial, desde 31 de julho de 1977. O programa “um convite à vida” teve a sua primeira etapa iniciada no dia 13 de março de 1999 e nesses dez anos de atividades ininterruptas obteve sempre excelente avaliação devido os resultados obtidos, cujos indicadores são retratados pelo número de crianças e jovens atendidos. A partir do ano de 2001, o programa passou a ser desenvolvido com base nos paradigmas do desenvolvimento humano e na proposta de educação como um tesouro a descobrir - da UNESCO. Através de uma abordagem educativa e preventiva a meta proposta foi a de fornecer uma melhor qualidade de vida á criança, ao jovem e sua família, proporcionando conhecimento de competências para:

  • Aprender a ser.

  • Aprender a conviver.

  • Aprender a fazer

  • Aprender a conhecer, para aprender a escolher.

Foi implantada também a cultura da paz, entendendo prevenção, no seu sentido amplo, como toda ação que visa compreender, reduzir, evitar, dissolver, contrapor toda e qualquer manifestação de violência, através das mais variadas estratégias. Os relatórios, bem como as filmagens em vídeos, poderão comprovar os objetivos atingidos.
V – Objetivos Gerais


  1. Unir as várias vertentes do movimento espírita para a tomada de consciência da necessidade de um plano piloto para prevenção primária às drogas psicoativas, à luz do evangelho de Jesus e do tríplice aspecto da doutrina espírita, como ciência, filosofia e religião.

  2. Enfocar a importância da qualidade de vida e o desenvolvimento de valores humanos, éticos, morais e espirituais.

  3. Promover o autoconhecimento.

  4. Resgatar laços de amizade, união na família, com sentimento de gratidão a deus.

  5. dizer sim à vida, e não às drogas.” Conscientizar de que tudo nos é lícito, mas nem tudo nos convém.


VI - Objetivos Específicos
(sugestões para as oficinas psico-pedagógicas)
Sub-tema - 1 - Jovem, aonde vai? Quais são suas escolhas?
Levar os participantes a:
1.1 - compreender a necessidade de respeito à vida, a Deus, à Pátria e à Família.

1.2 – conhecer a realidade de escolhas equivocadas.

1.3 – estabelecer diferença entre Ser x Ter.

1.4 – descobrir que além de corpo físico, somos seres espirituais eternos - somos luz.

1.5 - sentir uma força maior direcionando nossa vida, através da ação da prece.
VII - Conteúdo programático das oficinas


  • Técnicas utilizadas (a escolha das equipes)

  • Desenvolvimento

  • Cronograma das atividades (tempo /oficina – 1h15)

  • Divisão de tarefas da equipe de facilitadores

  • Escolha do relator / resumo (em 10 minutos) no Salão João Custodio – Modulo I.

  • Sugestão: cada representante de oficinas relatará as respostas dos participantes a essas perguntas:

    • O que trouxemos para cá?

    • O que levamos?


VIII - Recursos materiais, táteis, visuais, humanos, etc. - Relacionar todos.
IX – Avaliação
Descrever os indicadores que serão avaliados.

Ex: participação ativa da turma/ número de participantes/ interesses/ atenção / solução de problemas/ pontos positivos, e negativos a serem evitados e encaminhamentos vários.
Outros pontos para analise e providencias:
Sugerimos à equipe que integrará o sub-tema 2 - Você é luz. Você sabia?


  1. Há necessidade de elaboração de um planejamento semelhante, pois será valiosa contribuição para o nosso plano piloto, a ser encaminhado ao SENAD. De acordo com Severiano a equipe reunir-se-á, sábado, dia doze, à tarde.

  2. Para a exposição das fotos Kirlyan será a midiateca, ou da diretoria.

  3. As pessoas poderão fazer visitas nesta sala após o encerramento do almoço com explicação dos técnicos sobre o assunto Fotos Kirlyan.

  4. Encerraremos a atividade da manhã, Jovem, família e espiritualidade / a ação da prece / “vós sois a luz do mundo” – Jesus. (Miltes)


Quanto à abertura do encontro pedimos se possível, antes de iniciar a dança circular sagrada, haverá solenidade cívica de Hasteamento da bandeira nacional brasileira na quadra de esportes. Miltes – Prefeitura Mirim da IAM.
Outros detalhes e sugestões serão sempre bem vindos, pois a nossa construção é conjunta, compartilhando e compartrilhando sempre com alegria, para que;

mãos unidas, soluções encontradas.” Com Jesus sempre conosco. Que ele nos abençoe!


Amplitude
Composição por Sala

3 a 5 Monitores
Grupo de Participantes

O Grupo será formado por vinte e cinco ou cinqüenta e cinco pessoas, que serão direcionadas para a quadra no térreo e em seguida para as salas logo após o termino das atividades acima descritas.

Deve-se ter o cuidado de separar os pais dos filhos afim de que eles possam sentir-se mais a vontade nas suas colocações.

Para facilitar a organização os grupos serão identificados por números ou letras.
Orientação aos Monitores / Facilitadores

Fica a cargo de cada monitor formular a forma de integração de cada grupo

O monitor deverá usar toda a sua criatividade.


  • Considerações Importantes

Conversar sempre na primeira pessoa do plural “NÓS”

Deixar os participantes bem à vontade.

Seguir as regras para os grupos, definidas abaixo.

  • Regras para os Grupos

  1. Sem criticas ou maledicências.

  2. O importante é o “como” e não o “porque”.

  3. Ninguém é dono da verdade.

  4. Tudo é de igual para igual.

  5. Não vale contar histórias compridas.

  6. Não vale justificar.

  7. Todos têm o direito de não falar.


SEGUNDA PARTE – PERIODO VESPERTINO das 10h30min até as 12h30min – Salão João Custódio

Avaliação dos conteúdos e dos indicadores propostos e Palestra Sra. Miltes
DIGA SIM A VIDA”


  • Elaboração de um planejamento para levar nas Escolas e Famílias nos finais de semana pela equipe do AME.



(OBS: Escolas Públicas e nas Casas Espíritas)
Livros Sugeridos para Leitura:

  1. Evangelho segundo o Espiritismo/ Allan Kardec.

  2. Livro dos Espíritos/Allan Kardec.

  3. Fora da Educação não há salvação/ Manuel Portasio.

  4. Pequenos descuidos. Grandes problemas/Dr Américo Canhoto

  5. Atitudes para vencer/José Carlos de Luca

  6. A cura espiritual da depressão/ Dr. Alírio Cerqueira Filho

  7. Psicoterapia à luz do Evangelho de Jesus/ Dr. Alírio Cerqueira Filho

  8. Saúde Espiritual/ Dr Alírio Cerqueira Filho

  9. Unidos pelo amor (Ética e Cidadania à luz dos Fundamentos Espíritas)

  10. Ermance Dufaux e Cícero Pereira/ Wanderley Soares de Oliveira

  11. Superando o Cárcere das Emoções – Augusto Cury

  12. O Mestre dos Mestres – Augusto Cury

  13. O Mestre da Vida – Augusto Cury

  14. O Mestre Inesquecível – Augusto Cury

  15. O Mestre de Amor – Augusto Cury

  16. O Mestre da Sensibilidade – Augusto Cury

  17. Escutando Sentimentos – Ermance Dufaux / Wanderley Soares de Oliveira

  18. Mensagem de Dr. Bezerra e Prefácio que Divaldo / Joanna de Angelis – “Peripécias de quatro jovens” - à disposição a quem puder comprar pelo preço de custo. Direitos autorais dos livros – doados a IAM.

  19. Prefácio do Evangelho no lar para crianças de oito a oitenta anos.

  20. Conteúdos demonstram a necessidade de construirmos o homem de bem, objetivo geral do nosso trabalho.

  21. Revista Reformador, do mês de junho (Vigilância e oração), traz excelente reportagem sobre O homem de Bem, de Richard Simonetti.

  22. A FEB tem também uma série de livretos gratuitos à disposição, referentes á prevenção.

  23. A Editora Allan Kardec tem nos ofertado a revistinha Toinzinho, também no campo da prevenção.

  24. Material da SENAD, para fazer parte da bibliografia para consulta.


I ENCONTRO VALORIZAÇÃO DA VIDA 30 AGOSTO DE 2008
Tema Central: UM CONVITE A VIDA

Sem Armas, Sem Violência, Sem Aborto, Sem Álcool, Sem Tabaco, Sem drogas

CRONOGRAMA DOS TRABALHOS DA “EQUIPE LIVRE ARBÍTRIO”

Componentes: Fátima; Fort; Luciano; Marilena; Odmilton; Rosana; Zenaide


Observação: O controle do tempo das atividades - Resp. Luciano
09h00minAPRESENTAÇÕES:


  • Facilitadores – Auto-apresentações – (3min.)




  • AME – Resp. Odmilton e Rosana – (3min.)




  • DESAATT/DESADEF - Experiência com atividades de prevenção às drogas – Resp. Zenaide – (3min.)




  • Tema central: Um convite à vida

Sub-tema: Jovem, onde vai? Quais são suas escolhas? – Resp. Marilena – (3min.)


  • Regras: – Resp. Fátima – (3min.)

    • Sem criticas ou maledicências

    • O importante é o “como” e não o ”porque”

    • Ninguém é dono da verdade

    • Tudo é de igual para igual

    • Não vale contar estórias compridas

    • Não vale justificar

    • Todos têm o direito de não falar


09h15min/09h35min – Desenvolvimento do sub-tema: Jovem, onde vai? Quais são suas escolhas?
Objetivo: refletir sobre as “escolhas” que fazemos a cada instante, não percebemos que através delas vamos “arquitetando” nossa vida, nosso futuro, nossa felicidade ou infelicidade.
DINÂMICA: Resp. Fort e Equipe (20min.)
Foco: “Escolhas” rotineiras que realizamos em nosso ambiente pessoal e/ou profissional.


  • Cada facilitador (4) portará um cartaz com uma das quatro respostas (“escolhas”) possíveis, para que cada um dos participantes possam se posicionar, dirigindo-se à frente do facilitador que representa a sua escolha.

  • Será solicitador que cada um seja sincero no seu posicionamento (“escolhas”)


1ª SITUAÇÃO (escolhas):
Vamos supor que alguém comente algo a seu respeito, sobre sua vida pessoal e/ou profissional, denegrindo sua imagem; e o que está sendo comentado não representa a verdade.
Quais das reações você “escolhe”? (seja sincero ao se posicionar)
a) Ignoro tais comentários; pois acho que ninguém tem nada coma a minha vida pessoal e/ou profissional.
b) Rebato as criticas; pois, se eu não me defender poderão pensar que o que está sendo comentado é verdade.
c) Ignoro; não levando em consideração os “fofoqueiros de plantão”, pois, sempre existirá alguém invejoso em nosso caminho.

d) Posiciono-me de outra forma, bem diferente dessas assertivas.

2ª SITUAÇÃO (escolhas):
Alguém é elogiado em seu circulo familiar (parentes próximos) ou em seu ambiente profissional (colegas de trabalho), e esse elogio é um “tanto -o- quanto” exagerado. Como você acha que devemos nos sentir?
Quais das reações você “escolhe”? (seja sincero ao se posicionar)
a) Feliz, pois você considera que todos independentes de qualquer coisa, merecem consideração e reconhecimento?
b) Desconfiado, perguntando a si mesmo: porque será que tal pessoa recebe tanto elogios, mesmo não merecendo? Chegando a pensar que “outros interesses” estão por trás do referido elogio.
c) Vontade de comentar que o que está sendo manifestado sobre aquela pessoa não é verdade.
d) Não manifestar nenhum dos sentimentos acima.

N
De cada grupo posicionado diante dos facilitadores, escolher um participante para que o mesmo possa dizer o “porque” do seu posicionamento (escolha)
o final, sem julgar qual dos posicionamentos é o mais correto e sem sugerir nenhum posicionamento como o mais adequado, refletiremos que sempre fazemos escolhas em nossas vidas pessoais e profissionais e que essas “escolhas” vão tecendo o nosso destino, a nossa felicidade, a nossa paz, a nossa saúde, etc.

09h35min/10h15min – Debate reflexivo sobre tema e registro das contribuições dos participantes.

Resp. Marilena e Equipe (40min.)
Na medida em que os participantes forem dando dão a suas contribuições, eles serão orientados para apresentarem seus nomes, instituição espírita a que pertence, ou não.
Os facilitadores irão registrando as contribuições.
Ao final, será solicitado para que todos declarem em uma “palavra”, ou “numa frase” no máximo o seguinte:

O que eu trouxe? / O que eu levo?



I Encontro de Valorização da Vida 2008 – Grupo E
Oficina:- VOCÊ É LUZ
LUZIA:- Início:- Recepção dos participantes Pergunta: - O que você espera desse encontro?

Monitores anotam as respostas

Roberto: - Explicar o objetivo deste encontro 5 minutos

João:- Prece inicial

Áurea:- Dinâmica da vela (perguntas para reflexão)

Hilda:- Contar a história

Perguntas:- (anotar as respostas)

  1. Porque ela o confundiu com Jesus?

  2. Quais as atitudes diárias que podem ser confundidas com as atitudes de Jesus?

  3. Que atitudes você reconhece em si mesmo, parecidas com as de Jesus?

DINÂMICA Luz no lar

  1. Que atitudes das pessoas na família funcionam como o papel, impedindo a entrada da Luz Divina? (Anotar as respostas)

  2. Que atitudes das pessoas na família funcionam como o papel, impedindo a entrada da Luz Divina? (Anotar as respostas)

Luzia:- Depoimento

Fechamento da Hilda

Bernadete:- Prece de encerramento e avaliação

Avaliação:- O que você está levando deste encontro? Anotar as respostas
Desenvolvimento da dinâmica da vela: “Que tipo de luz sou eu”

    • Material: 1 vela para cada participante / fósforo para acender/ música suave no ambiente.

    • Objetivos: Refletir sobre a caminhada de cada um, pela vida / Perceber que devemos ser luz em cada lugar por onde passarmos.

    • Desenvolvimento: Combinar, antes do início da oficina, com 3 pessoas, que a um sinal seu, na hora em que as velas estiverem acesas, elas apagarão suas velas, sem deixar ninguém perceber que foi proposital. Pessoas sentadas em círculo são convidadas a fechar os olhos e seguir a voz de comando: Como anda a nossa caminhada pela vida? Que tipo de escolhas temos feito?


Pensem, de vocês para vocês mesmos.


      • O que temos feito que dificulte (complica) a vida dos outros? Pensem verdadeiramente, honestamente. . . No nosso lar, no trabalho, na escola, enfim, em todos os lugares onde convivemos com alguém.

      • O que temos feito que facilite a vida dos outros? Pensem verdadeiramente, honestamente. . . No nosso lar, no trabalho, na escola, enfim, em todos os lugares onde convivemos com alguém.



Jesus declarou há mais de 2.000 anos atrás: “Vós sois luz”.

Será que sentimos que somos luz na vida das pessoas?

Vamos refletir cada qual consigo mesmo, sobre: Que tipo de luz cada um é?

As escolhas que temos feito têm sido acertadas ou equivocadas? Que tipo de conseqüências temos sofrido, em virtude das escolhas que temos feito? Pensemos. . .

Apagar as luzes, distribuir uma vela para cada participante e acender somente uma vela e solicitar que cada um acenda a luz do companheiro a sua direita até fechar o círculo. Levantaram-se todos e aproximaram-se, Tornando a iluminação maior. Comentar como cada um ajudando o outro a acender a sua luz, todo o ambiente se clareia fazendo uma corrente de luz, beneficiando a todos. Que sozinhos somos somente uma pequenina luz e que quando auxiliamos a acender a luz dos outros e quando juntamos à luz de cada participante da família a luz no lar fica mais forte, forma-se uma luz maior que ilumina muito mais. Cuidar especialmente para a sua luz não se apagar!

Dar o sinal para as 3 pessoas apagarem suas velas. Aguardar para ver se alguém acende novamente a sua luz. Comentar em cima do que aconteceu no grupo: Acenderam? Não acenderam? As pessoas ficaram preocupadas somente com a sua luz? Fatos que aconteceram na nossa oficina: Os jovens do nosso grupo, falaram para o outro lado do círculo: Apagou, acende aí! / Algumas pessoas ficaram preocupadas somente em manter acesa a sua luz / Uma pessoa ficou esperando que acendessem a sua luz de um lado e teve que esperar a luz chegar do outro lado do círculo. Comentar como fica um vazio quando a luz de alguém se apaga num grupo. A importância de percebermos se algum amigo, familiar, ou qualquer outra pessoa, está perdendo a sua luz e auxiliá-la no processo de reerguimento de si mesma. Porque, às vezes, não percebemos o outro precisando de nossa ajuda? Será que estamos focados somente em nós mesmos? Há pessoas que sempre estão atentas às necessidades do próximo. Encerrar solicitando que cada um apague a sua vela. Guardar a vela que será reutilizada mais tarde e dizer: “falamos muito em escolhas e a Hilda vai contar para todos nós uma história sobre escolhas.”
História

Um grupo de vendedores foram a uma convenção de vendas. 

Todos haviam prometido a suas esposas que chegariam a tempo de jantar na noite de sexta. No entanto, a convenção terminou um pouco tarde e chegaram já atrasados ao aeroporto. 

Entraram todos com seus bilhetes e maletas, correndo pelos corredores.  
De repente,  sem querer, um dos vendedores tropeçou em uma mesa na qual havia  uma cesta de maças. 


As maças caíram e foram rolando por toda a parte… Sem parar e nem olhar para trás, os vendedores seguiram correndo, conseguindo alcançar e subir no avião. 

Todos menos um.

Este se deteve, respirou fundo e experimentou um  sentimento   de  compaixão pela dona da barraquinha de maçãs. 

Disse aos amigos que seguissem sem ele, e pediu a um deles que ao chegar, ligasse para sua esposa e explicar que ele chegaria em um vôo mais tarde. 

Logo... Voltou ao terminal e encontrou as maçãs atiradas por todo chão. Sua surpresa foi grande quando se deu conta que a dona da barraquinha era uma jovem cega.

Ele a encontrou chorando, com suas lágrimas correndo pelo rosto. Ela palpava o chão em vão, tentando recolher as maçãs. Enquanto isso a multidão passava, vertiginosa, sem se deter e sem se importar com sua desgraça.

O homem se juntou a ela, recolheu as maçãs, as colocou em uma cesta e ajudou a montar a barraquinha novamente.

Porém, não havia se dado conta que muitas das maçãs ao caírem, tinham sido amassadas e estavam estragadas. Separou então essas, e as colocou em outra cesta.

Quando terminou, tirou sua carteira do bolso e disse à moça:

Pegue, por favor, são R$ 100,00 pelos danos que causamos”.  "Está  bem?"



Ela, chorando ainda, acenou positivamente com a cabeça.

Ele continuou dizendo: "Espero não ter arruinado seu dia".

Conforme o vendedor começou a se afastar, a moça gritou:

"Senhor..." Ele parou e olhou para aqueles olhos cegos...

Ela  continuou:  “O senhor é Jesus...?"

Ele parou de repente, depois deu várias voltas antes de se dirigir para pegar seu outro vôo, mas com aquela pergunta martelando e queimando em sua alma:

 “O senhor é Jesus? Analisemos a história:



Porque os outros não voltaram?

Ele escolheu ficar e ajudar.

Escolheu ficar e corrigir o erro que não era só dele!

Que atitudes da família podem levar a pessoa a fazer escolhas erradas? Anotar as respostas

Por outro lado,

  • Porque ela o confundiu com Jesus?

  • Quais as atitudes diárias que podem ser confundidas com as atitudes de Jesus?

  • Que atitudes você reconhece em si mesmo, parecidas com as de Jesus?

  • Vêem? Nós já estamos a caminho,

Porque ser como Jesus é nosso destino.

Como fazer para nos aproximarmos mais de Jesus, como pessoas e como família? Vamos fazer uma representação

Dinâmica:- LUZ NO LAR

Apresentar a casinha como o lar, a lanterna como a Luz Divina, o copo e as lamparinas como a família.

Acender a lanterna por sobre a parte de trás da casa e perguntar: - O que impede a luz de entrar?

Resposta que possívelmente darão (RP): O papel na janela ou as janelas fechadas.

Que atitudes das pessoas na família funcionam como o papel, impedindo a entrada da Luz Divina? (Anotar as respostas)

Monitor: Esta lanterna representa a Luz Divina.

Retiram-se os papéis. A casa ficou completamente clara?

Monitor (M): A luz entra, mas ainda está meio-escuro dentro.

O que podemos fazer para clareá-la ainda mais?

RP: Acender uma vela, uma luz etc.

M.: O copo representa a família e cada pavio é uma pessoa desta família. Para que o lar se ilumine e se harmonize precisamos fazer luz em nós.

Que atitudes deveram cultivar para tornar o lar realmente luminoso?(Anotar as respostas)

RP: Preparar as crianças para agir atendendo aos seus deveres, auxiliá-los a discernir o certo do errado, a escolher acertadamente, etc.

Relembrando: A luz da lanterna representa a Luz Divina que está sempre, continuamente se derramando sobre o lar e a família, quando abrimos o nosso coração e nos ligamos a Deus através da oração, a Luz Divina entra e começa a iluminar o interior da casa e de cada membro da família.

Obs.: A prática do Evangelho no Lar mantém essa luz.

Retomar rapidamente a casinha apagada e, usando as palavras deles recender dizendo:

Então, quando agimos com paciência e tolerância, a luz familiar se acende; (acender um paviozinho)

-quando buscamos ouvir e compreender, a luz se acende;

-quando respeitamos a opinião do outro, a luz se acende;

-quando demonstramos através do carinho o nosso afeto tudo se ilumina em nossa vida, porque a luz forte do amor vai tocando o coração que se afastou, aquecendo e aproximando-o novamente do círculo de luz familiar.

Às vezes por mais que tentemos, não conseguimos resgatar aquele, que para nós parece perdido e nada do que fazemos parece dar certo.

Tudo na vida é questão de escolha, podemos fazer boas e péssimas escolhas.

Quando alguém que a gente ama escolhe errado e enverada pelo caminho das drogas, é possível sim reacender a sua luz

Depoimento: A Luzia pode confirmar isso. Depoimento de mãe com dois filhos em franca recuperação

Finalização: Reacender a vela branca de cada um.

Fala do Monitor: Veja como a chama da vela aumenta espalhando luz.

Fechem os olhos, imagine aí na sua frente à pessoa que você ama e quer ajudar ou a sua família.

Abra o seu coração e deixe o amor crescer como a luz da vela, ele cresce, cresce, cresce até envolver a outra pessoa rogando a Jesus por ele, por você e por toda a família, deixe o seu amor continuar fluindo até que sinta um grande bem estar.

Abra os olhos e apague a sua vela

A luz da vela se apaga, mas a do seu coração, ligado a Jesus, brilhará sempre.

Jesus nos esclareceu: Vós sois a luz do mundo!

E ordenou: Brilhe a vossa luz!

Finalização: Vamos nos ligar a Ele agora através da prece que a Bernadete vai fazer por nós

Prece Final

Avaliação: - O que você está levando desse encontro?
O conteúdo dos cartazes (da expectativa e de avaliação dos participantes da nossa sala);
1º Cartaz: “O que eu espero desse encontro”:


  • Encontrar-me

  • Emocionante

  • Aprender

  • Melhorar-se

  • Evoluir

  • Luz

  • Informar-se

  • Que seja legal

  • Que seja agradável

  • Divertir-se


2º Cartaz: “O que eu estou levando desse encontro”?


  • Mais conhecimento

  • Luz

  • Sabedoria

  • Amor

  • Conscientização

  • Paz interior

  • Responsabilidade

  • Evolução

  • Acreditar em mudança

  • Energia positiva

  • Brilhar a minha luz

  • Qualquer pessoa pode fazer o que acha que não pode

  • Confiança

  • Auto – estima

  • Esperança




  1. A avaliação (parcial) que fizemos, no encerramento (no João Custódio);


Avaliar nossa oficina em comparação com:

. O Todo

. Objetivos Gerais

. Objetivos Específicos

. Indicadores: Participação ativa da turma /Interesse/ Pontos positivos e negativos/

Encaminhamentos.


      • O que planejamos conseguir em relação aos Objetivos Gerais:



Que cada um descobrisse sua Luz Interior / A importância da sua ligação com a Família e com Deus.


      • Nosso grupo (E) avaliou que é impossível atingir a todos os objetivos (gerais e específicos) propostos pela organização em um único encontro de uma hora e quinze minutos. Cada grupo, até pela ajuda da Espiritualidade Maior, deve ter desenvolvido um aspecto da proposta, que no conjunto das oficinas deve ter abrangido o Todo; Nossa Oficina trabalhou todos os objetivos gerais e específicos, de forma superficial.

      • Sugestão: o tempo para o desenvolvimento das técnicas em sala de aula poderia ser maior. Poderia ter sido menor o tempo para o Hino Nacional (somente cantar o Hino) e tirar a Dança Circular Sagrada para todos (deixar somente como Recurso em uma oficina).



Apesar de maravilhosa a experiência, tirou o tempo que poderia ser destinado ao desenvolvimento do tema em sala de aula


      • Poderia ser trabalhado, um / dois objetivos por encontro, com rodízio das oficinas, pelos participantes. Ex. 2 oficinas na parte da manhã, com intervalo para café, entre elas; E 2 oficinas na parte da tarde, após o almoço. As delimitações do tema das oficinas seriam diferentes para cada equipe de facilitadores e determinadas pela organização.

      • Concordamos com a Drª Heloísa quando disse que num encontro é impossível atingir a todos os objetivos propostos. Foi uma pinceladinha! Que esse evento deve ser desdobrado em um Programa de Educação Continuada para transformar-se em prevenção.

      • Indicadores:

        Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal