I justificativa



Baixar 1.16 Mb.
Página7/19
Encontro23.01.2018
Tamanho1.16 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   19


_______________________________________________________________

  1. Atividades de apoio e reforço

As atividades de reforço e recuperação de aprendizagem deverão ocorrer:

I - de forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e de aprendizagem, no desenvolvimento das aulas regulares;

II - de forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso às aulas regulares, sob a forma de projetos de reforço e recuperação de aprendizagem;

Este projeto é anual, envolvendo todos os ciclos e etapas, visando atender os alunos em suas dificuldades.

Tem como objetivo principal a contribuição para o avanço das hipóteses de escrita das crianças, através de atividades significativas e intervenção constante do professor.

O professor após análise de toda sala, através de observações e sondagens, seleciona um grupo de alunos, com o qual irá desenvolver o projeto. Os encontros ocorrerão uma vez por semana com duração de uma hora e meia.

O grupo de alunos poderá e deverá ser flexível, podendo o professor fazer alterações no mesmo, conforme os avanços durante o decorrer do projeto. O Projeto Reforço acontecerá em período contrário ao de aula e durante as aulas também para garantirmos um atendimento adequado aos alunos com déficit de aprendizagem.

O projeto de reforço deverá transformar-se em procedimentos rotineiros, voltados para as dificuldades dos alunos, conforme as necessidades de cada escola da Rede Municipal de Educação de Caieiras.

Durante todo o ano letivo desenvolvem-se atividades de apoio para os alunos que apresentam dificuldades durante o processo de aprendizagem, onde o professor titular da sala irá ministrar as aulas do reforço. Tendo a disponibilidade de professores de apoio, os mesmos também atenderão as necessidades dos alunos com dificuldades dentro do horário de aula.

Os alunos são atendidos as terças, no período das 10h20 às 12h e das 13h30 às 15h10.



_______________________________________________________________XVI-AVALIAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM

  1. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

A avaliação da escola constitui um dos elementos para reflexão e transformação da prática escolar e terá como princípio o aprimoramento da qualidade do ensino.

A avaliação interna, processo a ser organizado pela escola e a avaliação externa, pelos órgãos locais e centrais da administração, serão subsidiados por procedimentos de observações e registros contínuos e terão por objetivo permitir o acompanhamento sistemático e contínuo do processo de ensino e de aprendizagem de acordo com os objetivos e metas propostos. Acompanhará também o desempenho da direção, da coordenação, dos professores, dos alunos e dos demais funcionários nos diferentes âmbitos escolares.

A participação efetiva da comunidade escolar nas mais diversas atividades propostas pela escola. Será avaliado também o planejamento curricular. Como também a escola em si, como um espaço privilegiado de execução do processo educacional.


B) AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM (REGIMENTO ESCOLAR)

O processo de avaliação do ensino e da aprendizagem será realizado através de procedimentos externos e internos.

A avaliação interna do processo ensino e aprendizagem tem por objetivo:

I - Diagnosticar e registrar os progressos do aluno e suas dificuldades;

II - Possibilitar que o aluno auto avalie sua aprendizagem;

III - Orientar o aluno quanto aos esforços necessários para superar as dificuldades;

IV - Fundamentar as decisões do Conselho de Classe quanto à necessidade de procedimentos de reforço e recuperação da aprendizagem, de classificação e reclassificação de alunos;

V - Orientar as atividades de planejamento a replanejamento dos conteúdos curriculares.

A avaliação do processo de ensino e aprendizagem envolve a análise do conhecimento e das habilidades adquiridas pelo aluno e também aspectos formativos, através da observação de suas atitudes referentes à presença às aulas, participação nas atividades pedagógicas e responsabilidades com que assume o cumprimento de seu papel.

_______________________________________________________________

A avaliação externa do rendimento escolar, tem por objetivo oferecer indicadores comparativos de desempenho para a tomada de decisões no âmbito da própria escola e nas diferentes esferas do sistema central e local.

A avaliação interna do processo de ensino e aprendizagem de responsabilidade da escola será realizada de forma contínua, cumulativa e sistemática, tendo como um de seus objetivos o diagnóstico da situação de aprendizagem de cada aluno, em relação à programação curricular prevista e desenvolvida em cada nível e etapa de escolaridade.

Os alunos serão avaliados a cada cinquenta dias letivos, através de atividades escritas, sondagem, trabalhos, pesquisas e observação direta, tanto individual quanto o grupal.

Os resultados das avaliações serão registrados por meio de sínteses avaliativas, em cada componente curricular.

O desenvolvimento escolar do aluno será traduzido em sínteses avaliativas expressa das seguintes formas:



  1. 8 a 10 – o aluno evidencia de modo plenamente satisfatório, os conhecimentos apresentados, desenvolvendo com competência os objetivos propostos;

  2. 5 a 7 – o aluno evidencia de modo satisfatório, os avanços necessários à continuidade do processo educativo;

  3. 3 a 4 – o aluno evidência dificuldades de aprendizagem, necessitando de atividades de reforço ou de recuperação de estudos em determinados conteúdos ou etapa de aprendizagem.

  4. 1 a 2 – o aluno evidência muitas dificuldades de aprendizagem, principalmente na alfabetização, necessitando de atividades de reforço paralelo ou de recuperação intensiva de estudos auxiliando-o no processo de construção do conhecimento;

A síntese será registrada ao final de cada 50 dias letivos consecutivos.

O processo de avaliação do aluno será organizado de acordo com o procedimento de tabulação de notas de 1 a 10, sendo apontadas por componentes curriculares, considerando o desenvolvimento individual do aluno no processo de aprendizagem.


__________________________________________________________

A média de cada síntese será média 5 (cinco).

A avaliação será sistemática e contínua, utilizando dois instrumentos norteadores para análise do desenvolvimento do aluno, que são:

I - Duas Avaliações por classe valendo de 1 a 10 pontos, feita durante a cada cinquenta dias letivos;

II - A média do aluno computadas nas sínteses será a soma das duas avaliações divididas por 2 ( dois) ;

III - Ao final de cada Etapa do Ciclo o aluno deverá ter no mínimo a soma de 20 pontos nas 4 (quatro) sínteses.

IV - Na etapa intermediária do ciclo não haverá retenção, caberá instrumentalizar ações para recuperar as defasagens de aprendizagem apresentadas pelos alunos, através de reforços e recuperação.

V - A reflexão para encaminhamentos dos alunos para o reforço ou recuperação deverá partir da análise dos dados obtidos em qualquer síntese de cada etapa;

VI - As notas serão registradas em números inteiros.

VII - O rendimento escolar dos alunos será instrumentalizado em registros contínuos, através de ficha individual, elaborada pelo corpo docente e coordenação, ressaltando o desenvolvimento sobre o processo de aprendizagem, divulgados a cada cinquenta dias letivos.

Os registros do processo de avaliação por ciclo deverão ser analisados com o educando e seus pais.

Pela natureza e objetivos do processo de avaliação, as sanções disciplinares não poderão interferir nos registros de acompanhamento do processo educativo.

Os Conselhos de Classe / Ciclo/ Etapa reunir-se-ão a cada cinquenta dias letivos e no final do ano letivo para analisar os resultados das avaliações e decidir sobre a promoção ou retenção.


_______________________________________________________________

XVII-QUADRO DE COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA

O Conselho de Escola é composto por direção escolar, professores, funcionários, pais e alunos e seu principal objetivo é solucionar problemas da escola. Ele reúne-se quando convocado e suas decisões devem ser tomadas a partir de votação de forma democrática e ser acatado por toda a Unidade Escolar.



SEGMENTO: ESPECIALISTA



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Carla Francini Gabriel da Silva

25.823.035-6

Diretora de escola

SEGMENTO: PROFESSORES



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Tatiana Aparecida da Silva de Sousa

28.148.755-8

Professora

SUPLENTE



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Elvira Cristina Oliveira Natti

27.941.978-8

Professora

SEGMENTO: PAIS



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Paulo Roberto de Moraes

20.855.670-9

Empresário

SUPLENTE



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Márcia Aparecida Fernandes de Moraes

8.030.862-0

Do lar

SEGMENTO : ALUNOS



NOME

RA

PROFISSÃO

1

Camilly Evangelista Exposto

107.099.571-X

Estudante

SUPLENTE



NOME

RA

PROFISSÃO

1

Nathalie Eduarda Oliveira Floriano

107.915.700-1

Estudante

SEGMENTO: FUNCIONÁRIOS



NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Patrícia Silva Barreto Lirussi

27.651.369-1

Coordenadora

SUPLENTE












NOME

RG

CARGO/FUNÇÃO

1

Maria Aparecida do Nascimento de Barros

35.196.372-8

Coordenadora

_______________________________________________________________XVIII-ATA DE ELEIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA

ASSEMBLEIA GERAL DOS MEMBROS QUE INTEGRARÃO EM ELEIÇÃO, OS SEGMENTOS DE PROFESSORES, PAIS DE ALUNOS, ALUNOS E FUNCIONÁRIOS PARA A COMPOSIÇÃO DO CONSELHO DE ESCOLA DO ANO DE 2014
Aos trinta dias do mês de março do ano de dois mil e catorze, reuniram-se em uma das salas da EMEF Professor Joaquim Osório de Azevedo , às 9 horas, sob a presidência da diretora Carla Francini Gabriel da Silva, R.G. 25.823.035-6, atendendo os artigos 25,26,27 e 28 do Regimento Escolar de 13/08/02, pais de alunos, professores e funcionários para a eleição dos membros que integrarão os segmentos do Conselho de Escola, no corrente ano letivo. Todos foram convocados anteriormente. Neste momento a diretora prestou esclarecimentos sobre a função legal vigente que versa sob as atribuições e composição do Conselho de Escola, R.E. 25 à 28 de 13/08/02. Após esclareceu sobre a importância dos professores, alunos, pais de alunos e funcionários participarem do Conselho de Escola.

Após iniciou-se a votação e, em seguida, a apuração dos votos, ficando assim constituída:



Segmento de Professores: 1) Tatiana Aparecida da Silva de Sousa Foi eleita como suplente, que substituirá o membro eleito em sua ausência e impedimento: Elvira Cristina Oliveira Natti 2) Segmento de Pais de alunos: Paulo Roberto de Moraes 1).Foi eleita como suplente, que substituirá o membro eleito em sua ausência e impedimento: Márcia Aparecida Fernandes de Moraes 2). Segmento de alunos: Camilly Evangelista 1).. Foi eleita como suplente, que substituirá o membro eleito em sua ausência e impedimento: Nathalie Eduarda Oliveira Floriano Exposto 2). Segmento de Funcionários: 1) Patrícia Silva Barreto Lirussi Foi eleita como suplente, que substituirá o membro eleito em sua ausência e impedimento: 2) Maria Aparecida do Nascimento de Barros

Após a eleição e registro em ata e nada mais havendo a tratar, eu, Carla Francini Gabriel da Silva, RG: 25.823.035-6, lavrei a ata que após lida e achada conforme, será por mim e por todos assinada.

Sem mais nada a declarar,

_______________________________________________________________

XIX- ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA DA APM DA EMEF PROFESSOR JOAQUIM OSÓRIO DE AZEVEDO

Aos vinte e nove dias do mês de abril do ano de dois mil e catorze, às sete horas e trinta minutos, em 1ª chamada, atendendo o Edital de Convocação, datado de vinte e dois de abril de dois mil e catorze, em uma das salas desta unidade escolar, situada à Rua João Dártora, 400. Jardim São Francisco, na cidade de Caieiras, Estado de São Paulo, reuniram-se os membros e os associados da Associação de Pais e Mestres da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Joaquim Osório de Azevedo, devidamente assinados na lista de presença, nos termos do estatuto em vigor para deliberarem quanto a Eleição e Posse dos membros da DIRETORIA EXECUTIVA, CONSELHO DELIBERATIVO E CONSELHO FISCAL. Assumiu a direção dos trabalhos Carla Francini Gabriel da Silva, diretora da escola, que escolheu a mim Patrícia Bíscaro, para secretariá-la. Após constatar o quorum estabelecido no estatuto vigente, a Presidente, declarou regularmente instalada a Assembleia Geral. A reunião começou com a explanação da importância da Associação de Pais e Mestres no andamento da Unidade Escolar. Após essa explanação, deu-se início a Assembleia Efetiva pela proclamação do término do mandato dos atuais associados. Em seguida a Assembleia Geral entrou em deliberação por uma hora para estudo dos candidatos. Após o tempo solicitado deu-se início a eleição, sendo escolhidos por aclamação, ficando assim constituídos:


DIRETORIA EXECUTIVA


Cargo

Nome

Eleito/

Reconduzido


Diretor (a) Executivo(a):


Viviane Spera Bergamin


Reconduzido

Vice- Diretor(a) Executivo(a):


Solange Vicente Ortiz de Godoy

Reconduzido

Secretário (a):


Patrícia Bíscaro




Diretor (a) Financeiro(a):


Izabela Moreira Abreu




Vice- Diretor (a) Financeiro(a):

Vanessa dos Santos Silva




Diretor (a) Cultural:


Claudineia Cornachione Antoni




Diretor (a) Social:


Alessandra Gabriel da Silva Domingues




Diretor (a) de Esportes:


Maria Otaciana Pereira Nunes Leon




Diretor (a) de Patrimônio:

Jeane Cleide Costa Vieira





_______________________________________________________________

CONSELHO DELIBERATIVO


Cargo

Nome

Eleito


1-Diretora de Escola:


Carla Francini Gabriel da Silva




2-Professora:


Suellen Carolina Pacheco




3-Professora:


Cristiane Maria Souza Bilotta




4-Professora:


Vanessa Macedo Mitsumori




5- Mãe de aluno:


Adriana Mello




6- Mãe de aluno:


Mirella Paula da Costa




7-Mãe de aluno:


Ana Lúcia Pereira Dias da Silva




8- Mãe de aluno:


Silvana Rosa Moreira




9. Mãe (substituindo aluno maior):

Deusi Gonçalves Fernandes




10. Mãe (substituindo aluno maior):

Sueily Gonçalves Lopes




11. Associado Admitido

(funcionária):

Rosangela Cristina Eusebio Rodrigues





CONSELHO FISCAL


Cargo

Nome

Eleito/Reconduzido










Funcionária:

Kátia Imperial de Campos




Pai de aluno:

Fernando Donizete Bergamin

Reconduzido


Mãe de aluno:

Juliana Gonçalves Gouvea






ANO

TIPO DE ENSINO

TOTAL DE ALUNOS

SEXO

M

SEXO F

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

2000

ALUNOS COM IDADE CORRESPONDENTE À SÉRIE

ALUNOS COM DISTORÇÃO IDADE SÉRIE



FUND

100

59

41

57

43

-

-

-

-

-

-

-

98

-



FUND

48

27

21

-

25

23

-

-

-

-

-

-

48

-



FUND

97

53

44

-

-

44

49

3

1

-

-

-

93

4



FUND

49

19

30

-

-

-

23

24

2

-

-

-

47

2



FUND

71

39

32

-

-

-




29

40

-

1

1

69

2

TOTAL DE ALUNOS

365

197

168

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

-

IDADE (ANOS)

-

-

-

57

68

67

72

57

43

-

1

1

355

8
_______________________________________________________________XX- TOTAL DE ALUNOS POR SÉRIE/ANO DE NASCIMENTO E SEXO-2014

XXI-RENDIMENTO ESCOLAR-2013
Ao final do ano letivo de 2013, após o Conselho de Classe, foi lavrado em Ata, a retenção de 08 alunos do 3º ano e 01 aluna do 5º ano, sendo que tivemos o total de 09 crianças reprovadas nesta unidade escolar, sendo que a escola continha 325 alunos devidamente matriculados.

Mesmo tendo uma porcentagem pequena de retenção no rendimento final, foi traçado ações para que esses alunos tivessem mais condições de aprendizagem em 2014.

A unidade escolar teve 2,8% de rendimento abaixo do esperado. Vale ressaltar que os alunos retidos são do 3º e do 5º ano. Por isso, tivemos outras crianças com rendimento inferior, porém não estavam no ano que poderiam ser retidos, mas também foram incluídas nas ações para 2014.
_______________________________________________________________XXII-PROJETOS DA ESCOLA

Nossa escola conta com projetos de duração anual ou semestral.



A) PROJETO ESTRADA PARA A CIDADANIA – Programa Educação para o trânsito e Meio Ambiente

Em parceria com a Autoban, responsável pela administração das rodovias do Sistema Anhanguera-Bandeirantes desenvolvemos um projeto anual com os alunos da 1ª e 2ª Etapa do Ciclo II(4º e 5 º ano), que tem como um dos objetivos propostos à preservação da vida, pois é através da educação que alcançaremos o cumprimento de todos os objetivos, como: a formação de cidadãos responsáveis e conscientes de suas ações na sociedade em que vivem.

Este projeto foi idealizado e elaborado para cumprir a tarefa de humanizar o trânsito em nossas ruas e rodovias. No desenvolvimento do mesmo, a família será parceira da escola, sendo convidada a participar de maneira interativa por meio de jogos, exercícios e reflexões sobre questões do dia a dia.

O trabalho com o projeto Estrada para a cidadania visa à contribuição para a melhoria da participação do cidadão no trânsito, através de mudanças de hábitos e atitudes, que possibilitem uma maior segurança e uma prevenção eficaz.

Os livros trazem personagens que ajudarão na assimilação dos conteúdos e dos objetivos a serem alcançados, como:


  • A importância das regras de convivência;

  • Conhecer leis de trânsito e de sinalização necessárias para nossa segurança;

  • Ser capazes de identificar e praticar as atitudes que nos tornam bons cidadãos;

  • Formar cidadãos que desenvolvam valores éticos voltados para a preservação da vida;

  • Que sejam conscientes das medidas preventivas que valorizam a vida;

  • Que saibam conviver de forma solidária;

  • Que respeitem a diversidade e que valorizem as ações voltadas para o bem estar da coletividade;

  • Que sejam capazes de atuar em sociedade de acordo com as regras sociais, o bem-estar de todos e a preservação da vida;

  • Que se mostrem conscientes das necessidades, como cidadão, de dispor de espaços públicos de qualidade e dos seus direitos enquanto usuários desses espaços.


_______________________________________________________________

  1. PROJETO SELF SERVICE

O projeto é anual, tem como objetivo principal proporcionar mudanças de comportamento à mesa, desenvolvendo a autonomia da criança, oferecendo condições de opção pelos diversos alimentos, bem como a quantidade a ser ingerida.

Para o pleno desenvolvimento desse importante projeto, conta-se com a parceria das merendeiras e bolsistas, professores e direção. Cabendo a cada um dos envolvidos, colocarem as etapas em prática, tais como, preparo da merenda, mesa e utensílios, reposição de alimentos, observar hábitos de higiene, cuidar da limpeza do local, fazer prévia da mesa que vão utilizar, orientar sobre a quantidade de alimentos, observar e acompanhar o momento da merenda e garantir as condições necessárias para que todas as ações sejam reais e eficazes

Semanalmente, o cardápio é enviado pelo setor da Alimentação escolar, com o café da manhã, almoço e café da tarde. Levando em consideração uma alimentação equilibrada e saudável, com a garantia dos nutrientes necessários a idade escolar, bem como, frutas da época.

De acordo com as necessidades, o cardápio pode ser adaptado, pois existem crianças com restrições alimentares. Com isso, o nutricionista faz as alterações atendendo a cada particularidade.

O sistema favorece as crianças, a liberdade na escolha e na quantidade dos alimentos, o que evita o desperdício, haja vista que a criança se serve da quantidade adequada e desejada; podendo também repetir os itens oferecidos.



_______________________________________________________________

C) PROJETO FORMADOR ESCRITOR

O projeto formador escritor é desenvolvido pela diretora pedagógica Cássia de Fátima Ferrando, primeiramente com os coordenadores. Após o estudo com essa equipe, os professores participam do projeto, nos HTPC’s Formador com as coordenadoras pedagógicas.

Segue o projeto:

Projeto Formador Escritor

OBJETIVO GERAL: contribuir com o processo de formação da coordenação e professoras , assegurando um espaço de interlocução para análise e reflexão da própria prática, dos processos de ensino e de aprendizagem da produção textual e dos conteúdos da formação.
JUSTIFICATIVA:

Sabemos que a capacidade de produzir textos é condição para transitar plenamente pela cultura escrita. Esperamos atender às necessidades de formação dos professores quanto ao desenvolvimento de uma prática pedagógica que promova a formação de produtores competentes de textos. Esperamos ainda, contribuir para a construção da identidade do coordenador pedagógico como formador do professor dentro da unidade escolar.


Conteúdos: Leitura e Produção de texto

Leitura


Leitura como atividade permanente

Comportamentos leitores:

Comentar ou recomendar o que se leu;

Compartilhar a leitura;

Confrontar com outros leitores a interpretação gerada por um livro;

Antecipar o que se segue em um texto;

Saltar o que não se entende ou não interessa e avançar para compreender melhor;

_______________________________________________________________

Reler um fragmento anterior para se verificar o que se compreendeu, identificar-se com o autor ou distanciar-se dele assumindo uma posição critica.

Ler para escrever

Produção de texto

Linguagem escrita

Critérios para seleção de textos;

Condições didáticas para a prática de produção textual;

Projetos didáticos, sequências e atividades permanentes

Reescritas e texto de autoria: produção coletiva e individual

Conhecimentos do processo de escrita: discursivos, pragmáticos, textuais, gramaticais e notacionais;

Comportamento escritor: Planejar, Redigir,Revisar,Passar a limpo

Análise de textos bem escritos;

Revisão de textos produzidos pelos alunos;

Tipos de revisão;

Concepção da avaliação da aprendizagem.
Conteúdos da formação (para coordenadora)

Concepção de formação de professores;

Rotina de estudo e planejamento;

Estratégias metodológicas de formação: observação, registro, tematização, análise de produção.


OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM PARA COORDENADORA:

CONHECIMENTO DIDÁTICO

Incluir a leitura como atividade permanente na rotina diária;

Reconhecer a leitura como condição didática para produção de texto;

Compreender a importância da leitura na aprendizagem da linguagem escrita;

Reconhecer os comportamentos leitores como conteúdos da leitura;

_______________________________________________________________

Utilizar os projetos como modalidade para organizar os conteúdos da produção de texto;

Considerar as condições didáticas para prática de produção de texto;

Compreender quais são os conhecimentos envolvidos no processo de escrita;

Saber propor os diferentes tipos de produção textual de acordo com as necessidades de aprendizagem dos alunos;

Reconhecer os comportamentos escritores como conteúdo da produção de texto;

Considerar a análise de textos bem escritos como uma fonte de informação para processo de produção de texto;

Considerar a revisão como parte integrante do processo de revisão de texto;

Reconhecer as especificidades do processo de revisão do ponto de vista do ensino e da aprendizagem.

Distribuição de conteúdos e os critérios de continuidade e diversidade.



FORMAÇÃO

Organizar a rotina de formação considerando:

Diferentes estratégias formativas que possam atender demandas individuais e coletivas, tais como:


  • Tematização de situações práticas por meio de vídeo/produção das crianças, relatos de experiência das professoras para reflexão e tomada de consciência de situações-problema e resolução dos mesmos;

  • Observação de atividades realizadas pela professora com as crianças, seguidas de reflexão.

Uso do registro como instrumento capaz de possibilitar a reflexão organizada sobre a prática;

Diferentes espaços de formação

Articular os conhecimentos didáticos às situações da sala de aula vivenciadas pelos professores;

Pesquisar bibliografia que enriqueça o trabalho desenvolvido;

Documentar o processo de formação e ação profissional;
_______________________________________________________________

Utilizar a leitura e escrita no desenvolvimento do processo formativo e profissional;

Avaliar recursos dos sujeitos envolvidos
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM PARA PROFESSORAS:

CONHECIMENTO DIDÁTICO

Incluir a leitura como atividade permanente na rotina diária;

Reconhecer a leitura como condição didática para produção de texto;

Compreender a importância da leitura na aprendizagem da linguagem escrita;

Reconhecer os comportamentos leitores e as modalidades como conteúdos da leitura;

Adequar as modalidades às diferentes situações de comunicações;

Utilizar as diferentes modalidade para organizar os conteúdos da produção de texto;

Considerar as condições didáticas para prática de produção de texto;

Compreender quais são os conhecimentos envolvidos no processo de escrita;

Reconhecer os comportamentos escritores como conteúdo da produção de texto;

Considerar a análise de textos bem escritos como uma fonte de informação para processo de produção de texto;

Considerar a revisão como parte integrante do processo de revisão de texto;

Reconhecer as especificidades do processo de revisão do ponto de vista do ensino e da aprendizagem.

Compreender a pontuação como elemento da textualidade e recurso estilístico como parte integrante do processo de revisão.

Compreender as regularidades e irregularidades que organizam o sistema ortográfico.
_______________________________________________________________

D)PROJETO RECREIO DIRIGIDO

Este projeto abrange todos os alunos da unidade escolar, onde participam de atividades desenvolvidas durante a hora do almoço (jogos, brincadeiras e leitura). As atividades são organizadas/dirigidas pelos professores. Neste ano, temos uma organização por sala, de acordo com as atividades, como: jogos, corda, brinquedos, livros...tudo baseado no Projeto elaborado pelos professores.(anexo)


E) PROJETO: "ENSINAR E APRENDER" Reforço Escolar (professor de apoio)

JUSTIFICATIVA:

Tendo em vista a multiplicidade de dificuldades apresentadas por parte de nossa clientela e a necessidade de promover progresso em suas aprendizagens para que possam prosseguir seus estudos, promoveremos recuperação nas disciplinas em que o aproveitamento for insatisfatório.


ESSAS ATIVIDADES DEVERÃO OCORRER:

  • De forma contínua, como parte integrante do processo de ensino e aprendizagem, no desenvolvimento das aulas regulares;

  • De forma paralela, ao longo do ano letivo e em horário diverso às aulas regulares.


OBJETIVOS:

  • Criar uma nova via de acesso ao conhecimento;

  • Estimular a curiosidade e o prazer em aprender, dando novos significados a velhos conteúdos;

  • Possibilitar a aceleração dos estudos, através de diferentes metodologias;


_______________________________________________________________

DESENVOLVIMENTO:

Após elaboração da listagem dos alunos que frequentarão o reforço (8 alunos por turma – no máximo) e ciência dos pais, iniciar o reforço que acontecerá de segunda a sexta-feira.

Já foram aplicadas inicialmente sondagens, cujos resultados determinaram os conteúdos que serão desenvolvidos.

Preparar as aulas – material, intervenções, espaço para atendimento desses alunos.

O foco do reforço poderá ser: Aquisição da base alfabética, revisão de texto, compreensão global do texto.
FUNÇÕES DO PROFESSOR DE APOIO:


  • Substituir professor ausente; quando não encaminhar o trabalho com alunos com dificuldades de aprendizagem;

  • Planejar as aulas;

  • Ministrar aulas dentro e fora do horário do aluno;

  • Elaborar relatórios por síntese das aprendizagens individuais - para o Conselho de Classe – de cada síntese;

  • Participação das reuniões de HTPC.

  • Participação do Conselho de Classe.

  • Participação das Formações Continuadas propostas pela SME.

Vedado aos professores de Apoio

  • Trabalho e atividades na Secretaria da escola.

  • Sair da escola em horário de trabalho para atividades outras que não seja ministrar aula para alunos com dificuldades ou substituição de professor ausente.

_______________________________________________________________

AVALIAÇÃO:

A avaliação terá especial importância auxiliando no progresso dos resultados, através do diagnóstico de dificuldades e programação das atividades. Por síntese as professoras de sala de aula e reforço, preencherão quadro com as principais dificuldades detectadas no reforço para direcionamento das ações.



Cronograma de Execução




Fevereiro

Março

Abril

Maio

Junho

Julho

Agosto

Setembro

Elaboração do Projeto










x













Análise da sondagem










x













Definição dos alunos de reforço – turmas










X













Início do reforço – dentro e fora do horário










X













Elaboração dos relatórios para Conselho
















X




X

Exemplo da organização da semana do professor de apoio.






Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

7:30 às

9:00

Turma I

Turma I

Turma I

Turma I

Turma I

9:00 às 10:30

Turma II

Turma II

Turma II

Turma II

Turma II

10:30 às 12:30

Turma III

Turma III

Turma III

Turma III

Turma III

12:30 às 13:30

Almoço

Almoço

Almoço

Almoço

Almoço

13:30 às 16:30

HTPL

Reforço com o professor titular

Formação

HTPC

HTPL

__________________________________________________________

  • Descrever as atividades que serão aplicadas.

  • Usar o semanário para preparar as aulas, além de descrever os dias de substituição que não foi ministrado o reforço.

  • Usar uma lista que determina a frequência dos alunos que estão sendo atendidos.

  • Fazer anotações frequentes sobre avanços e dificuldades dos alunos.

  • Trabalhar com os Jogos do Pacto e material do Ler e Escrever.

Importante:

  • Conversar com o grupo se o professor de apoio atenderá os alunos no espaço da sala de aula – como professor auxiliar do professor titular, interagindo com as atividades de sala de aula com alunos com dificuldades de aprendizagem, ou;

  • Professor de apoio irá retirar os alunos da sala de aula – tendo um espaço próprio e um planejamento próprio – com aulas preparadas pelo professor de apoio (acompanhadas pelo coordenador).

  • Deixar essa qual a opção explícita do plano de trabalho desse professor de apoio. Mesmo que o professor de apoio esteja substituindo HOJE – deixar seu plano de trabalho montado e também entrega-lo.

F)PROJETO CANTOS

O trabalho com os cantos, uma das modalidades de organização do tempo didático, sugere espaços às crianças para que possam escolher o que irão fazer, em um tempo pré-determinado, a partir de opções oferecidas e organizadas pelo professor (canto das brincadeiras, dos jogos, da “beleza”, de arte), onde poderá observá-las e verificar suas dificuldades, aprendizagens, gostos e interesses, aproximando seu olhar de educador aos saberes dos alunos e então planejar seu trabalho ou ainda aproveitar destes momentos para atender um pequeno grupo em ações mais especializadas.



O projeto abrange principalmente os 1º anos, mas os demais anos possuem cantos específicos também.
_______________________________________________________________

Conteúdos para serem trabalhados nos Cantos e nas Rodas de leitura


  • Análise cultural do brinquedo e critérios de escolha de acervo.

  • Planejamento de atividades lúdicas, dentro do contexto pedagógico da organização.

  • Organização de espaços para o brincar.

  • Intervenções educativas que contemplem a leitura e o brincar.

  • Criação de brinquedos e jogos.

  • Jogos simbólicos e jogos de regras.

  • Jogos de tabuleiro.

  • Histórias e memórias: textos e contextos.

  • O papel significativo dos contos.

  • Características da oralidade.

  • O lugar do contador: apropriação e domínio do texto.

  • A escolha da história de acordo com os ouvintes.

  • Ler e contar: diferenças e semelhanças.

  • O apoio de alguns materiais – construção da caixa e / ou baú.

  • Teatro e jogos teatrais.

O papel do professor:



  • Saber valorizar o brincar e a leitura da criança.

_______________________________________________________________

  • Saber propor situações nas quais as crianças participem da definição do projeto de confecção de brinquedos e jogos, participando da determinação do tempo e do espaço.

  • Observar e registrar os momentos de brincadeiras e jogos das crianças como material de reflexão para seu trabalho: os enredos que criam, como lidam com as regras, etc.

  • Saber organizar o espaço e os materiais de forma que facilite o aparecimento das brincadeiras e do interesse pela leitura.

  • Saber ser um elemento integrante das brincadeiras, como observador, organizador e mediador.

  • Possibilitar o enriquecimento do conhecimento.

  • Possibilitar o uso dos conhecimentos ligados à língua para ter um participação social cada vez mais intensa, sabendo expressar idéias, sentimentos e opiniões.

  • Favorecer o gosto pela leitura.

  • Saber selecionar os livros para as diferentes faixas etárias.

  • Incluir as rodas de leitura e as brincadeiras em seu planejamento como atividades permanentes.

  • Planejar diferentes propostas de atividades envolvendo leitura.

  • Promover momentos de troca de informações e opiniões a partir de leituras.

  • Construir diferentes recursos e materiais de acompanhamento e avaliação que possam ser usados durante as ações tanto do brincar quanto do ler.

Montagem do espaço

  • Considerar as características dos usuários.

  • Considerar a versatilidade do espaço transformando em diferentes ambientes, com diferentes propósitos.

  • Buscar uma organização que tenha uma certa lógica de uso.

  • Contemplar espaço para sucatas no acervo lúdico.

_________________________________________________________

  • Considerar a participação das crianças na criação do acervo.

Sugestões para organizar jogos, brinquedos e livros

  • Uso de prateleiras para livros e brinquedos.

  • Divisórias para separação de títulos.

  • Caixotes de madeira para armazenar os brinquedos.

  • Caixotes de madeira com rodinha para transportar os brinquedos.

  • Móvel – revisteiro para revistas, periódicos e livros ficarem em pé.

  • Tambores e cestos para guardarem os brinquedos.

  • Sacos, para guardar panos, cordas e bolas.

  • Malas de viagem para acomodar fantasias.

  • Baús feito de papelão.

  • Gavetas para guardar brinquedos.

  • Expositores de livros feitos de pano e plástico transparente.

  • Quadros de aviso para facilitar a comunicação.

  • Painel de indicação de leitura.

  • Fichário para armazenar textos e montar a hemeroteca.

  • Fichário para marcar empréstimo de livros.

  • Cabideiro.

  • Arara.

  • Espelhos.

  • Carrinhos de feira para transportar brinquedos.

  • Espaço especial para leitura: tapete, almofadas, colchonetes, pufes.

Alguns Cuidados:

  • Realizar a listagem do acervo recebido.

  • Montar uma pasta com cópias das regras dos jogos.

  • Organizar caixas com kits de faz de conta, divididos por temáticas. Exemplo: salão de beleza, veterinário, casinha, etc.

  • Discutir com as crianças os critérios de organização.

  • Registrar na caixa os materiais que compõem determinado Kit.

__________________________________________________________

  • Reservar um local de destaque para guardar brinquedos e jogos produzidos pelas crianças.

  • Reforçar a embalagem dos jogos com contact.

  • Separar uma caixa para achados e perdidos.

  • Criar uma comitiva de crianças responsáveis para manter o espaço.


Organização do espaço de leitura:

  • Varal de poesias – pode ser criado com um ou mais cordões esticados; com o auxílio de pregadores de roupas são fixados poemas, parlendas, trava-língua, letras de música.

  • Livros de versos – cadernos nos quais as crianças anotam versos conhecidos para ampliação do repertório de brincadeiras cantadas.

  • Caixinha de trava-língua e adivinhas – em uma caixa podem existir pequeninos cartões com essas brincadeiras.

  • Mural – com recortes, cartazes e comunicados informando eventos, cursos, entrevistas e palestras.

  • Cartazes com foto e nome de autores – pequenos cartazes podem ser trocados periodicamente, com foto, nome, data de nascimento (e falecimento), curiosidades sobre sua vida e sua obra.

  • Quadro ou tarjetas com indicações literárias – esse material pode ser elaborado por todos. Em pequenos cartões ou tarjetas são escritas opiniões sobre uma obra, e estes são afixados em um quadro.

  • Acervo diversificado – com revistas, gibis, jornais, livros de gêneros diversos, etc.


_________________________________________________________

Jogo simbólico

Os jogos simbólicos, também conhecidos como jogos de representação ou de faz-de-conta, são aqueles em que as crianças interpretam diferentes papéis, fazendo uso de símbolos para representar ou substituir um objeto por outro.



Acervo de possibilidades: Jogo simbólico


  • Jogo simbólico em que a criança atua como personagem.

  • Jogo simbólico em que a criança manipula bonecos.

  • Jogo simbólico ligado ao campo da realidade.

  • Jogo simbólico ligado ao campo da ficção (fantasia).

Jogo simbólico em que a criança atua como personagem


_______________________________________________________________

  • Levantamento de quais Kits de jogo simbólico pretende fazer, tais como: navio pirata, super-heróis, show de calouros, sorveteria ou outros em que as crianças tenham interesse.

  • Levantamento com as crianças do que precisa haver nos kits e escrita de bilhetes à comunidade, envolvendo-a na aquisição dos materiais e sucatas.

  • Montagem do ambiente.

  • Se possível, visitar alguns lugares nos quais a brincadeira é inspirada ou assistir a um vídeo que mostre a organização de tais lugares.

  • Oficina de montagem de materiais para o jogo simbólico, em diversas etapas.

  • Montagem dos cantos de jogo simbólico.

  • Depois de alguns dias propondo a brincadeira com os kits que escolheram, avaliar com o grupo de crianças as possibilidades de incrementar o jogo, a partir das interações lúdicas (é interessante que socializem as soluções criativas das crianças).

  • Nova oficina para produção de materiais e posterior registro da brincadeira.

  • Brincar.

  • Arrumação do ambiente.


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   19


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal