Igreja congregacional reformada em campina grande



Baixar 0.57 Mb.
Página1/13
Encontro31.12.2017
Tamanho0.57 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13



CURSO PRÁTICO DE HOMILÉTICA

Um estudo prático sobre a mecânica da elaboração de sermões


Autor

JOSÉ SANTANA DÓRIA

Mestrando em Teologia


Curso de Ministério

Para estudantes de Licenciatura e Mestrado em estudos teológicos

UM CURSO DO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE MIAMI

MIAMI INTERNATIONAL SEMINARY

14401 Old Cutler Road

Miami, FL 33158

305-238-8121 ext. 315

Email, MINTS@OCPC.ORG

Web site, www.mints.edu

Aracaju, – Fevereiro de 2012

GUIA DO ESTUDANTE E FACILITADOR



Introdução:

Entre as inúmeras atividades de um pastor, a preparação de um sermão é classificada como aquela que ocupa mais tempo. Particularmente, gasto em média de dez a quinze horas por semana para preparar um sermão, e essa média não inclui as horas de preparação informal que ocorrem por meio da leitura auxiliar, da observação da contexto cultural e da interação com membros da congregação. Preparar sermões envolve uma grande parte do meu tempo e do tempo de qualquer pastor que encara com seriedade o ministério pastoral. Por que fazemos isso? Por que somos pagos para pregar? Por que nossa congregação espera um bom sermão toda semana? Por que gostamos disso? Essas razões tem algum mérito – o mérito do dever cumprido, pessoas satisfeitas e o prazer do estudo – mas elas não são boas o suficiente. Uma razão melhor, aquela que eu suspeito que anima a maioria de nós, é a convicção de que a pregação é indispensável a vida da Igreja. Por meio da pregação Deus forma a igreja e a faz crescer. A pregação bíblica tem ocupado lugar de destaque na igreja evangélica, uma vez que a igreja foi organizada como instituição especial, tendo a pregação como missão especial. Por esta razão é impossível o cumprimento de tão elevada missão sem o devido preparo. Paulo encorajou Timóteo a trabalhar para melhorar sua pregação: “Seja diligente nessas coisas; dedique-se inteiramente a elas, para que todos vejam seu progresso.” (1Tm.4:15). Você por sua vez pode estar perguntando: “Como eu faço isso?” Como eu melhoro a minha pregação?”. Nesse curso apresento algumas idéias que se mostrarão muito úteis na prática, principalmente, no que diz respeito a mêcanica da elaboração de sermões.


Objetivos do curso

  1. Apresentar elementos que auxilie a todos os que desejam aprender ou aperfeiçoar a bela arte de elaborar e pregar sermões bíblicos;

  2. Identificar os principais tipos de sermões bíblicos (temáticos, textuais e expositivos);

  3. Proporcionar aos pregadores iniciantes elementos que o capacitem a construir um esboço básico de um sermão.

  4. Tornar a preparação de mensagens bíblicas mais simples e mais estimulantes;

  5. Capacitar os pregadores a extrair esboços bíblicos de diferentes porções da Bíblia.

  6. Mostrar a conexão que há entre a vida íntima do pregador e a eficiência da sua pregação.


Metodologia do curso

Para a aplicação das técnicas de elaboração e apresentação de sermões faremos uso de várias metodologias, com o propósito de equipar o pregador no seu trabalho homilético, com vistas um melhor desempenho no púlpito. Entre as metodologias temos:



  1. Exposição geral, com uso de esboço da aula, trabalhando a mecânica para elaboração de um sermão bíblico;

  2. Participação dos alunos, expondo seus comentários, questionamentos e pontos de vista, no intuito de esclarecer dúvidas, enriquecer os debates e proporcionar maior interação aluno/professor e grupo.

  3. Aulas expositivas, ministradas pelos próprios alunos;

  4. Leitura e discussão de textos.

  5. Elaborara tarefas pelos alunos, que incluem as várias etapas de um sermão.

  6. Apresentação pública de sermões. O aluno será avaliado pelo professor e também pelos demais alunos.


Requisitos acadêmicos para aprovação desta matéria

  1. Assistência a conferência e aulas - 10%

  2. Leitura das lições e perguntas para cada capítulo. 15% O estudante lerá a apostila, e responderá as perguntas que está ao final de cada capítulo. O estudante do curso de bacharel lerá um livro relacionado com o tema, de maneira que completem 300 páginas adicionais as leituras do módulo entregado por MINTS. Já o aluno do curso de mestrado fará a leitura de um ou vários livros até atingir a meta de 600 páginas. Todos os alunos a cada semana deve junto com as perguntas entregarem um resumo de 1 página das leituras adicionais.

  3. Elaboração de sermões de acordo com cada etapa do planejamento orientado -

1ª semana - Elaboração de 10 esboços de sermões limitados a definir os seguintes aspectos: (ICT, Tese, Título, Propósito básico e específico). 10%

2ª semana - Elaboração de 04 sermões de acordo com o planejamento orientado, incluindo a Introdução - 15%

3ª semana - Elaboração de 03 sermões de acordo com o planejamento orientado, incluindo a Introdução e o Corpo. - 15%

4ª semana - Trabalho Final - Elaboração e exposição de 01 sermão de acordo com o planejamento orientado, incluindo todas as outras partes da mensagem. 35%

  1. Avaliação final - 15%

SUMÁRIO - ÍNDICE

Lição I - Introdução....................................................................................................06

O que vem a ser homilética?.........................................................................................06

Os problemas da homilética..........................................................................................08

O conteúdo da homilética..............................................................................................12

Lição II - Os Principais tipos de sermões bíblicos....................................................14

O Sermão Temático.......................................................................................................14

O Sermão Textual..........................................................................................................18

O Sermão Expositivo....................................................................................................22

Lição III – A estrutura homilética do sermão (Parte 1)..........................................30

1- A idéia central do texto.............................................................................................31

2- A tese do sermão.......................................................................................................35

3- O título do sermão.....................................................................................................48



Lição IV – A estrutura homilética do sermão (Parte 2)..........................................53

4- O propósito básico do sermão...................................................................................53

5- O propósito específico do sermão.............................................................................58

Lição V – A estrutura homilética do sermão (Parte 3)............................................62

6- A introdução do sermão............................................................................................62

7- As divisões do sermão..............................................................................................71

8- A conclusão do sermão.............................................................................................84



Lição VI – O uso de ilustrações..................................................................................94

Lição VII – A aplicação do sermão..........................................................................101

Lição VIII – O pregador e o sermão........................................................................112

Bibliografia................................................................................................................121
LIÇÃO I
INTRODUÇÃO

A pregação é uma responsabilidade sagrada. Em razão disso, o pregador deve ter grande reverência pelo texto que expõe, junto com o grande desejo de aprender o que cada texto significa, de modo a comunicar o entendimento da mensagem àqueles que ouvem. Além disso, intérpretes de confiança das Escrituras reconhecem que estão lidando com a informação mais importante de toda a vida e querem ser fiéis ao fazer isso. Em razão disso eles reconhecem que em tudo que dizem represen­tam o Deus do universo e que, se falhar em entender ou proclamar fielmente a verdade, distorcerá a Deus. Ser fiel ao texto e ao Espírito Santo que fez com que ele fosse escrito deve ser a preocupação fundamental do pregador. Em relação a isso, pregadores conscientes sempre mantêm 2Timóteo 2:15 como seu referencial.

Pregar é uma das tarefas mais difíceis reservadas ao ministro de Deus. John Stott, baseado nas palavras de Paulo (1Co 4:1-2), afirmou: “o pregador é um despenseiro dos mistérios de Deus, ou seja, da auto-revelação que Deus confiou aos homens e é preservada nas Escrituras”.1 Isto significa que ele tem a grande responsabilidade de colocar-se diante das pessoas para falar em nome de Deus. E para o desempenho da importante missão de falar em nome do Senhor precisamos estar preparados.

O estudo da Homilética é uma bênção a todos quantos desejam dedicar-se à comunicação da Palavra de Deus. Para um melhor aproveitamento de tudo quanto esta disciplina pode oferecer, precisamos conhecer o que vem a ser esta ciência.


1- O Que Vem a Ser Homilética?

Segundo alguns dicionários, “exegese, hermenêutica e homilética” significam a mesma coisa, porém, para nós, evangélicos, costumamos fazer as seguintes distinções:



a) Hermenêutica – “É a disciplina que estuda e sistematiza os princípios e técnicas, com as quais, partindo de determinados pressupostos (gramatical, histórico, teológico, etc.), se busca compreender o sentido original do texto bíblico.” 2

b) Exegese – “É o exame detalhado de um texto bíblico, aplicando os princípios da hermenêutica para chegar-se a uma definição correta do texto”. 3

Isto é: tendo compreendido qual a mensagem do texto para os seus leitores originais, verifica-se em que sentido esta mensagem é aplicável aos nossos dias e ao nosso contexto?



c) Homilética - O Dicionário Aurélio define Homilética como “a arte de pregar sermões religiosos.”4 O termo (homilética) deriva do substantivo grego "homilia", que significa literalmente "associação", "companhia", e do verbo homileo, que significa "falar", "conversar".5

É por essa razão que Reifler declara que o termo "homilética" tem suas raízes etimológicas em 3 palavras da cultura grega: 6

1. Homilos, que significa "multidão", "turma", "assembléia do povo" (cf. At 18.17);

2. Homilia, que significa "associação", "companhia" (cf. 1 Co 15.33); e

3. Homileo, que significa "falar", "conversar" (cf. Lc 24.14s.; At 20.11,24.26).

Segue abaixo cinco definições que, conjuntamente, podem nos oferecer uma visão mais abrangente do que seja homilética:

1- "A ciência que se ocupa com a pregação e, de modo particular, com a prédica proferida no culto, no seio da comunidade reunida. 7

2- “A ciência da qual a arte é a pregação e cujo produto é o sermão.” 8

3- “É a arte de compor e enunciar sermões.” 9

4- “É a adaptação da retórica às finalidades especiais e aos reclamos da prédica cristã.” 10

5- “A homilética é ciência, quando considerada sob o ponto de vista de seus fundamentos teóricos (históricos, psicológicos e sociais); é arte, quando considerada em seus aspectos estéticos (a beleza do conteúdo e da forma); e é técnica, quando considerada pelo modo específico de sua execução ou ensino.” 11

Hermenêutica, exegese e homilética “andam” juntas. Reifler falando dessa harmonia afirma:

Enquanto a hermenêutica é a ciência, arte e técnica de interpretar corretamente a Palavra de Deus, e a exegese a ciência, arte e técnica de expor as idéias bíblicas, a homilética é a ciência, arte e técnica de comunicar o evangelho. A hermenêutica interpreta um texto bíblico à luz de seu contexto; a exegese expõe um texto bíblico à luz da teologia bíblica; e a homilética comunica um texto bíblico à luz da pregação bíblica. A homilética depende amplamente da hermenêutica e da exegese. Homilética sem hermenêutica bíblica é trombeta de som incerto (1 Co 14.8) e homilética sem exegese bíblica é a mera comunicação de uma mensagem humanista e morta. 12



  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   13


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal