Impressionismo



Baixar 26.83 Kb.
Encontro11.03.2018
Tamanho26.83 Kb.

IMPRESSIONISMO

O Impressionismo foi um movimento artístico que revolucionou profundamente a pintura e deu início às grandes tendências da arte do século XX. Havia algumas considerações gerais, muito mais práticas do que teóricas, que os artistas seguiam em seus procedimentos técnicos para obter os resultados que caracterizaram a pintura impressionista.  O impressionismo surgiu na França no século XIX. O nome do movimento origina-se da obra Impressão, nascer do sol (1872), de Claude Monet.

Os pintores impressionistas não se interessavam em temáticas nobres ou retrato fiel da realidade. Utilizavam pinceladas soltas para destacar a luz e o movimento. Geralmente as telas eram pintadas ao ar livre para que o pintor pudesse capturar melhor as nuances da natureza.

Nas telas dos impressionistas são retratados os reflexos e efeitos que a luz do sol produz nas cores da natureza. As cores da natureza mudam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol, e uma dessas mudanças implica na alteração de cores e tons.

A primeira exposição pública impressionista foi realizada em 1874, em Paris. Entre os expositores estava Claude Monet (1840-1926), Édouard Manet (1832-1883), August Renoir (1841-1919), Alfred Sisley (1839-1899), Edgard Degas (1834-1917) e Camille Pissarro (1830-1903).

Algumas características do autor impressionista: rompe completamente com o passado; inicia pesquisas sobre ilusões ópticas; é contra a cultura tradicional; pertence a um grupo individualizado; entre outras.

Apesar de Édouard Manet não ter se considerado um impressionista, foi em torno dele que se reuniu grande parte dos artistas que posteriormente foram chamados de impressionistas.

O impressionismo serviu para inúmeros artistas desenvolverem seu estilo próprio, como por exemplo, para Van Gogh, Paul Cézanne, Toulouse-Lautrec.

No Brasil, o representante mais expressivo do impressionismo atualmente é Washingtom Maguetas.

Principais características da pintura:

 * A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos adquirem ao refletir a luz solar num determinado momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz do sol.

 * As figuras não devem ter contornos nítidos, pois a linha é uma abstração do ser humano para representar imagens.

 * As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-las no passado.

 * Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de acordo com a lei das cores complementares. Assim, um amarelo próximo a um violeta produz uma impressão de luz e de sombra muito mais real do que o claro-escuro tão valorizado pelos pintores barrocos.

 * As cores e tonalidades não devem ser obtidas pela mistura das tintas na paleta do pintor. Pelo contrário, devem ser puras e dissociadas nos quadros em pequenas pinceladas. É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final. A mistura deixa, portanto, de ser técnica para se óptica.

A primeira vez que o público teve contato com a obra dos impressionistas foi numa exposição coletiva realizada em Paris, em abril de 1874. Mas o público e a crítica reagiram muito mal ao novo movimento, pois ainda se mantinham fiéis aos princípios acadêmicos da pintura.


 

Principais artistas:



Claude Monet  - incessante pesquisador da luz e seus efeitos, pintou vários motivos em diversas horas do dia, afim de estudar as mutações coloridas do ambiente com sua luminosidade. 
Obras Destacadas: Mulheres no Jardim e a Catedral de Rouen em Pleno Sol.





+




































Auguste Renoir - foi o pintor impressionista que ganhou maior popularidade e chegou mesmo a ter o reconhecimento da crítica, ainda em vida. Seus quadros manifestam otimismo, alegria e a intensa movimentação da vida parisiense do fim do século XIX. Pintou o corpo feminino com formas puras e isentas de erotismo e sensualidade, preferia os nus ao ar livre, as composições com personagens do cotidiano, os retratos e as naturezas mortas. 
Obras Destacadas: Baile do Moulin de la Galette e La Grenouillière.












Edgar Degas - sua formação acadêmica e sua admiração por Ingres fizeram com que valorizasse o desenho e não apenas a cor, que era a grande paixão do Impressionismo. Além disso, foi pintor de poucas paisagens e cenas ao ar livre. Os ambientes de seus quadros são interiores e a luz é artificial. Sua grande preocupação era flagrar um instante da vida das pessoas, aprender um momento do movimento de um corpo ou da expressão de um rosto. Adorava o teatro de bailados.
Obra Destacada: O Ensaio.




































Seurat - Mestre no pontilhismo. Obra Destacada: Tarde de Domingo na Ilha Grande Jatte.













No Brasil, destaca-se o pintor Eliseu Visconti, ele já não se preocupa mais em imitar modelos clássicos; procura, decididamente, registrar os efeitos da luz solar nos objetivos e seres humanos que retrata em suas telas. Ganhou uma viagem à Europa, onde teve contato com a obra dos impressionistas. A influência que recebeu desses artistas foi tão grande que ele é considerado o maior representante dessa tendência na pintura brasileira.


Obra destacadas são: Trigal e Maternidade.



Para seu conhecimento

- O quadro Mulheres no Jardim, de Monet, foi pintado totalmente ao ar livre e sempre com a luz do sol. São cenas do jardim da casa do artista.

- O movimento impressionista foi idealizado nas reuniões com seus principais pintores e elas aconteciam no estúdio fotográfico de Nadar, na Rue de Capucines, Paris.

PAUL SIGNAC

Neve, Boulevard de Clichy, Paris, óleo sobre tela (48,1 x 65,5 cm), 1886: pontos coloridos. The Minneapolis Institute of Arts (EUA). ARQUIVO ALPHABETUM


Teórico das artes e pintor, Paul Signac (1863-1935) criou, com o também francês Georges Seurat (1859- 1891), a técnica do pontilhismo, que marcaria o início do movimento neo-impressionista, no fim do século XIX. Ambos haviam sido influenciados pelo impressionismo, pela importância que a escola dava à luz, mas queriam algo novo. Buscaram, então, uma maneira mais científica de distribuir a tinta na tela, em pequenos pontos de cores primárias. A idéia era que eles se misturassem nos olhos do observador, formando as nuances desejadas. Após a morte de Seurat, Signac continuou divulgando o pontilhismo, ou divisionismo. Com a técnica, compôs belas paisagens-urbanas e, em especial, marinhas, pois amava a navegação -, além de cenas domésticas. Também escreveu artigos e livros. Influenciou pintores como o fauvista Henri Matisse (1869-1954).
Sua época

Em 1893, Paul Signac comprou uma casa em Saint-Tropez, à época uma vila de pescadores, para onde fugia a cada verão. A fuga fazia sentido: além de encontrar luz mais bonita e clima mais agradável no litoral, a capital francesa, onde ele vivia, se tornava uma metrópole agitada demais para quem gostava da natureza. Nos anos 1880, a cidade já havia trocado a iluminação a gás das ruas pela elétrica; em 1889 foi inaugurada a Torre Eiffel; em 1894 aconteceu a primeira corrida de automóveis, entre Paris e Ruão; em 1900, foi inaugurada a primeira linha de metrô. A modernidade chegou de uma vez, trazendo confortos, mas deixando muitos atônitos.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal