Indexador: 4183



Baixar 178.06 Kb.
Página1/4
Encontro29.01.2018
Tamanho178.06 Kb.
  1   2   3   4

METROSUL IV – Caderno de Resumos



Indexador: 4183
PARÂMETROS PARA INSPEÇÃO DIMENSIONAL DE PLACA DE ORIFÍCIO E DE RUGOSIDADE DE TRECHOS RETOS DE TUBULAÇÕES
Alberto Kennedy de A. Medeiros (CEFET-RN), Jeffersson F. de Lima (CEFET-RN), Gilson Gomes de Medeiros (CEFET-RN e DEQ-UFRN), Nivaldo Ferreira da Silva Jr. (CEFET-RN), Raimundo Nonato B. Felipe (CEFET-RN), Renata Carla T. S. Felipe (CEFET-RN)
RESUMO: Segundo o Regulamento Técnico de Medição de Petróleo e Gás natural (aprovado em 2000), nos sistemas de medições de gás natural devem ser utilizados medidores de vazão tipo ultrasônico, turbinas e, em especial, as placas de orifício, que representam a base mais expressiva do sistema de vazão, sendo empregadas nas medições fiscais e nas medições operacionais. Este trabalho tem como objetivo avaliar os parâmetros a serem considerados durante a inspeç ão dimensional de placa de orifício e da rugosidade dos trechos retos de tubulações usados para medição de gás natural, visando orientar os profissionais responsáveis pela medição de volume de gás natural por placa de orifício, como também a profissionais de laboratórios de calibração visando a emissão do certificado de calibração. No trabalho, são recomendadas especificações mínimas, independentemente do tipo de tomada ou de orifício, especificações estas descritas de acordo com as normas ISO 5167, AGA Report Nº 3 e com a Portaria conjunta PAN/INMETRO Nº 1 de 19 de junho de 2000, como também analisa a influência destas como também analisa a influência destas da vazão volumétrica.
Palavras-chave: placa de orifício, rugosidade superficial, parâmetros de medição

Evento: I Seminário de Metrologia na Indústria Petroquímica e do Gás


Indexador: 4184
PARÂMETROS PARA CALIBRAÇÃO DE TUBOS CENTRÍFUGOS USADOS NA DETERMINAÇÃO DO BSW EM PETRÓLEO
Jeffersson Fernandes de Lima (CEFET-RN), Alberto Kennedy A. Medeiros (CEFET-RN), Gilson Gomes de Medeiros (CEFET-RN e DEQ-UFRN), Nivaldo Ferreira da Silva Jr. (CEFET-RN), Raimundo Nonato B. Felipe (CEFET-RN), Renata Carla T. S. Felipe (CEFET-RN)
RESUMO: Desde tempos remotos, a busca por instrumentos de elevada exatidão e de baixa incerteza de medição vem sendo fonte de vários estudos realizados. Dentro desta realidade, este trabalho tem como objetivo abordar as principais grandezas de influência envolvidas no processo de calibração da vidraria aplicada à indústria do petróleo, em especial, dos tubos centrífugos, bastante utilizados neste setor, cuja finalidade é a determinação do BSW.
Palavras-chave: Tubo centrífugo, BSW, indústria do petróleo.

Evento: I Seminário de Metrologia na Indústria Petroquímica e do Gás

Indexador: 4218
ESTUDOS DE INCERTEZAS, ERROS E RASTREABILIDADE NA MEDIÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL EM TURBINAS
Andrei T. S. Gomes (CEFET-AM), Sávio Raider M. Sarkis (CEFET-AM)
RESUMO: O objetivo deste trabalho é contribuir para o desenvolvimento do setor de Gás Natural e Petróleo, visando melhorias da qualidade dos serviços de medição e redução de custos dos produtos. O presente estudo visa determinar os meios para localizar as fontes de incertezas envolvidas no processo de medição e obsevar as características, o funcionamento, a calibração e instalação das turbinas para medição de óleo e gás.
Palavras-chave: incerteza, erros, turbina

Evento: I Seminário de Metrologia na Indústria Petroquímica e do Gás


Indexador: 4118
ATUAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE LUBRIFICANTES E PRODUTOS ESPECIAIS DA PETROBRAS/CENPES EM PROGRAMAS INTERLABORATORIAIS NO BRASIL E NO EXTERIOR
Rosana Almeida de Azevedo (PETROBRAS-CENPES)
RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo apresentar a sistemática de participação e o desempenho dos laboratórios de Lubrificantes e Produtos Especiais nos Programas Interlaboratoriais do IBP e da ASTM.
Palavras-chave: Programa Interlaboratorial, lubrificantes

Evento: I Seminário de Metrologia na Indústria Petroquímica e do Gás

Indexador: 4195
PARÂMETROS QUE INFLUENCIAM NA MEDIÇÃO DE VOLUME UTILIZANDO MEDIDORES DO TIPO DESLOCAMENTO POSITIVO
Janaina Karla de Medeiros Penha (CEFET-RN), Magalí Araújo Damasceno (CEFET-RN), Renata Carla T. S. Felipe (CEFET-RN), Raimundo Nonato B. Felipe (CEFET-RN), Gilson G. Medeiros (CEFET-RN e DEQ-UFRN), Nivaldo Ferreira da Silva Jr. (CEFET-RN)
RESUMO: A medição da produção de petróleo pode ser feita através da utilização de instrumentos de medição do tipo turbina, coriolis e deslocamento, bem como em tanques. Porém sabe-se que os medidores do tipo deslocamento positivo são um dos mais usados para a medição de volumes, pois os mesmos retiram a energia do fluido para seu funcionamento. Estes podem medir líquidos e gases, porém a construção deles para líquidos é diferente daquela que é própria para gases. Para cada caso ainda existe muitas variantes construtivas, daí a importância de se estudar os parâmetros que infl uenciam no processo de medição de volume pelos respectivos medidores. A medição da produção de petróleo por meio destesmedidores deve seguir o que está normatizado na Portaria Conjunta N.º 1, de 19 de junho de 2000 que aprova o Regulamento Técnico de Medição de Petróleo e Gás Natural, estabelecendo as condições e requisitos mínimos para os sistemas de medição de petróleo e gás natural. Desta forma, este trabalho visa apontar determinados parâmetros que influenciam na medição de petróleo utilizando o medidor de deslocamento positivo. Foi verificado com isso que determinados parâmetros, quando não levados em consideração, influenciam na medição do volume produzido de petróleo.
Palavras-chave: medição, petróleo, deslocamento positivo.

Evento: I Seminário de Metrologia na Indústria Petroquímica e do Gás


Indexador: 4202
ATIVIDADES DO INMETRO VISANDO À CONFIABILIDADE DAS MEDIÇÕES DE CONDUTIVIDADE ELETROLÍTICA
I. C. S. Fraga, M. A. Getrouw (INMETRO), P. P. Borges (INMETRO), P. R. G. Couto (INMETRO), R. S. Couto (INMETRO), A. P. Ordine (INMETRO), J. C. Damasceno (INMETRO), R. M. H. Borges (INMETRO)
RESUMO: Medições de condutividade eletrolítica em soluções aquosas são importantes, porque fornecem informação valiosa sobre a qualidade das soluções e em particular da água, matéria-prima de inúmeros produtos das indústrias farmacêutica, cosmética, alimentícia, entre outras. Existem vários requisitos aos quais essas medições devem atender, entre os quais: ser rastreáveis a padrões de trabalho, secundários ou terciários, ter sua incerteza de medição declarada e seu método analítico devidamente validado. Neste artigo serão discutidas as realizações da Divisão de Metrologia Química (Dquim) do Inmetro visando à confiabilidade das medições de condutividade eletrolítica em soluções aquosas diluídas. As principais atividades focalizadas serão: a participação do Inmetro na comparação internacional CCQM-P47, que consistiu na determinação da condutividade eletrolítica de soluções com valores nominais iguais a 500 mS×cm-1 e 50 mS×cm-1, obtendo-se valores de medição de (499,30 ± 0,74) mS×cm-1 e (48,95 ± 0,59) mS×cm-1, com erros experimentais de 0,028% e 1,6%, respectivamente, em relação aos valores de referência da comparação; a produção de material de referência de trabalho para medições da condutividade eletrolítica de (1422,90 ± 0,70) mS×cm-1 e a organização de um ensaio de proficiência.
Palavras-chave: condutividade eletrolítica, incerteza de medição e material de referência

Evento: I Seminário do CONESUL de Metrologia em Química

Indexador: 4200
INFLUÊNCIA DAS CONCENTRAÇÕES DE NACL E HCL NA DETERMINAÇÃO PRIMÁRIA DE PH PARA CERTIFICAÇÃO DE MATERIAIS DE REFERÊNCIA
V. Souza, A. P. Ordine (INMETRO), I. C. S. Fraga (INMETRO), M. A. Getrouw (INMETRO), P. P. Borges (INMETRO), J. C. Damasceno (INMETRO), P. R. G. Couto (INMETRO)
RESUMO: O pH é um importante parâmetro para o controle do processo de produção de inúmeros insumos e produtos finais da indústria alimentícia, farmacêutica, petroquímica, entre outras. Assim, o uso de soluções tampão certificadas na calibração de medidores de pH é necessário para conferir confiabilidade às medições. Uma das missões da Divisão de Metrologia Química (Dquim) do Inmetro é a certificação de materiais de referência, no caso do pH, soluções tampão, utilizando o sistema primário de medições de pH implantado em 2003. A solução tampão de fosfato com valor nominal de pH igual a 6,865 será a primeira solução a ser certificada, sendo importante para isso o estudo de determinados parâmetros de medição, tais como: concentração de HCl e NaCl, potencial padrão do eletrodo de Ag/AgCl e temperatura. Neste trabalho, a influência de alguns parâmetros na medição exata da grandeza pH é discutida, valendo-se dos resultados obtidos pelo Inmetro com amostras da intercomparação SIM 8.11P, utilizando o sistema primário de medição de pH. Observou-se que a influência dos valores nominais e experimentais das concentrações de NaCl e HCl afetam o valor de pH em 0,33% e 0,11%, respectivamente, em comparação ao valor de consenso da intercomparação, utilizado como valor de referência.
Palavras-chave: Metrologia química, sistema primário de pH, material de referência

Evento: I Seminário do CONESUL de Metrologia em Química

Indexador: 4223
PARTICIPAÇÃO DO INMETRO EM INTERCOMPARAÇÃO DO SIM: ANÁLISE DE ETANOL EM ÁGUA
Vanderléa de Souza (INMETRO), Janaína M. Rodrigues (INMETRO), Rafael A. L. da Silva (INMETRO), Leandro J. R. Pereira (INMETRO), Paulo R. G. Couto (INMETRO)
RESUMO: O presente trabalho descreve a participação da Divisão de Metrologia Química do Inmetro, Dquim, no estudo piloto (SIM.8.14.P) do Sistema Interamericano de Metrologia (SIM), referente à análise de etanol em água em quatro concentrações diferentes. A análise de etanol em água possui relevância em diversos países, pois os equipamentos (etilômetros) utilizados para a determinação de etanol no ar expirado dos condutores de veículo, têm por determinação da Organização Internacional de Metrologia Legal (OIML), em sua maioria, o seu modelo aprovado a partir de ensaios com soluções aquosas de etanol. Desta forma, o SIM decidiu organizar uma intercomparação, a fim de avaliar como cada país, com base em sua metodologia usual de análise, está realizando esta medida. A diferença percentual do valor de referência daqueles obtidos pela Dquim foi, para cada concentração, correspondente a 0,72, 5,84, 0,10 e 0,83 %. A incerteza padrão combinada, assim como a incerteza expandida, foram também determinadas. A participação da Dquim foi considerada satisfatória, tendo sido este um passo primordial para a avaliação da metodologia de preparo de soluções de etanol em água e da metodologia de análise, já que a Dquim preparou seus padrões de calibração, não se utilizando da rastreabilidade a qualquer outro laboratório/instituto.
Palavras-chave: comparação interlaboratorial, etanol, SIM.

Evento: I Seminário do CONESUL de Metrologia em Química

Indexador: 4198
A IMPORTÂNCIA DO MÉTODO PRIMÁRIO DE DILUIÇÃO ISOTÓPICA APLICADA À METROLOGIA EM QUÍMICA INORGÂNICA
Maria Cristina B. Quaresma (INMETRO), Ana Cristina Almeida (INMETRO), Akie K. Ávila (INMETRO), Thiago O. Araujo (INMETRO)
RESUMO: A diluição isotópica por espectrometria de massas (IDMS) é uma técnica analítica utilizada em química que está entre os métodos primários reconhecidos pelo Comité Consultatif pour la Quantité de Matière (CCQM). Quando combinada à espectrometria de massas com plasma indutivamente acoplado (ICPMS), é utilizada para certificação de materiais de referência, os quais fornecem rastreabilidade ao Sistema Internacional de Unidades (SI). Esta técnica tem como vantagem a possibilidade de determinação de vários metais simultaneamente, apresentando limites de detecção em níveis de ng L-1 ou mg L-1, com repetitividade de cerca de 0,2%. Além disso, pode ser aplicada em diferentes áreas, tais como: geoquímica, biologia, nuclear, química, medicina, nutrição, ciências da terra e meio ambiente. Neste trabalho, são abordadas algumas características deste método, incluindo as equações básicas que descrevem as medições de diluição isotópica, bem como as considerações a respeito da produção e certificação de materiais de referência, que são imprescindíveis para a obtenção de resultados com rastreabilidade.
Palavras-chave: metrologia química, espectrometria de massas com plasma indutivamente acoplado (ICPMS), diluição isotópica.

Evento: I Seminário do CONESUL de Metrologia em Química


Indexador: 4192
INCERTEZAS DE MEDIÇÃO ENVOLVIDAS NA CALIBRAÇÃO DE VIDRARIA VOLUMÉTRICA DE LABORATÓRIO
Monica Costa Padilha (UFRJ), Luiz Nelson Ferreira Gomes (UFRJ), José Renato Real Siqueira (INMETRO), Elcio Cruz de Oliveira (TRANSPETRO),Paula Fernandes Aguiar (UFRJ),Francisco Radler de Aquino Neto (UFRJ)
RESUMO: Os laboratórios analíticos nas suas mais diversas áreas de atuação, necessitam garantir a confiabilidade de seus resultados através de procedimentos e técnicas validadas. Como meio de garantir o resultado analítico é necessário que toda a vidraria volumétrica utilizada seja calibrada através de procedimentos que permitam determinar a incerteza de medição. O artigo apresenta o trabalho desenvolvido no Laboratório de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico LADETEC - IQ - UFRJ, na área da calibração de vidraria volumétrica discutindo as variáveis relacionadas as condições ambientais e as possíveis fontes de erro, encontradas durante as operações de calibração. São apresentadas e discutidas as equações utilizadas para o cálculo da estimativa do volume de vidrarias volumétricas e da massa específica da água e do ar. É apresentado um diagrama de causa e efeito para a calibração de vidrarias, descrevendo todas as possíveis fontes de incertezas associadas a cada parâmetro envolvido na estimativa do volume de uma vidraria volumétrica.
Palavras-chave: calibração, incerteza de medição, vidraria volumétrica de laboratório

Evento: I Seminário do CONESUL de Metrologia em Química

Indexador: 4138
AUTOMAÇÃO NOS LABORATÓRIOS DA DIRETORIA DE METROLOGIA LEGAL
Marcos Antonio Salvino da Silva (INMETRO)
RESUMO: Este trabalho mostra a automação de um processo de calibração usando o programa LabView®, buscando a melhoria do procedimento atual de calibração do padrão de pressão Onneken. O uso do programa auxilia no aumento da produtividade e a eficiência dos laboratórios da DIMEL, onde alguns passos do processo atual foram reduzidos ou eliminados.
Palavras-chave: Calibração, Esfigmomanômetro, Metrologia Legal.

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde


Indexador: 4143
AVALIAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TERAPIA POR ONDAS CURTAS BASEADA EM NORMAS BRASILEIRAS
C. R. Gruber (CEFET-PR), P. M. Gewher (CEFET-PR)
RESUMO: Equipamentos de diatermia por ondas curtas (DOC) são utilizados em clínicas de fisioterapia e aplicados terapeuticamente, utilizando radiação de radiofreqüência (RF) em 27,12 MHz. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa diagnóstica para equipamentos de DOC mostrando dados relativos aos equipamentos, condições de uso, inspeção visual e análise dos documentos acompanhantes tendo como referência os requisitos descritos nas normas brasileiras NBR IEC 601-1 (geral) e NBR IEC 601-2-3 (específica). Além disso, apresentam-se os resultados de testes de segurança elétrica efetuados nos equipamentos e nas instalações onde os mesmos são utilizados. Os resultados em geral mostraram que os fabricantesnão seguem as normas para as especificações tanto do equipamento quanto do ambiente e dos documentos acompanhantes, e que há falta de conhecimento das normas por parte dos fisioterapeutas. Os testes de segurança elétrica envolvendo correntes de fuga dos equipamentos obtiveram valores dentro dos limites especificados pelas normas, porém algumas instalações elétricas apresentaram falhas. Conclui-se que deve haver uma maior conscientização por parte dos fabricantes e dos profissionais em relação aos requisitos das normas incluindo a segurança elétrica, com o intuito de assegurar o correto funcionamento do equipamento e não fornecer riscos para o tratamento do paciente.
Palavras-chave: terapia por ondas curtas, avaliação de equipamentos, segurança elétrica

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde

Indexador: 4145
MEDIÇÃO DA DOSE DE RADIAÇÃO BETA ABSORVIDA EM ARRANJO EXPERIMENTAL PARA AMOSTRAS BIOLÓGICAS UTILIZANDO TLDS
José Eduardo Manzoli (IPEN e USJT), Valdir de Souza Carvalho (IPEN), Eliomar Jacinto Gomes de Cerqueira (IPEN)
RESUMO: A irradiação de amostras em arranjos experimentais peculiares sujeitos a espalhamento necessita de uma determinação própria da dose absorvida que a amostra irá receber. Neste trabalho é apresentado o procedimento para determinação da dose em um arranjo para irradiação beta de amostras, normalmente biológicas, utilizando curvas de calibração obtidas pela irradiação de dosímetros termoluminescentes no ar. É apresentado um exemplo de aplicação para amostras irradiadas de sangue.
Palavras-chave: dosimetria beta, termoluminescência, irradiação.

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde


Indexador: 4154
AVALIAÇÃO DO LIMITE DE REPETITIVIDADE E DE DETECÇÃO DE DOSÍMETROS DE CaSO4: Dy
Vicente de Paulo de Campos (IPEN), Mirian Saori Doi (IPEN), José Eduardo Manzoli (IPEN e USJT)
RESUMO: A resposta de um dosímetro termo-luminescente, TLD, utilizado por um trabalhador ou colocado em um local que possa estar sujeito a um campo de radiação gama, deve ser muito bem caracterizada afim de se obter a Dose Individual para Fótons, Hx, ou a Exposição, X, a ele atribuída com precisão e confiança. Entre as avaliações envolvidas nesta caracterização encontra-se a seleção dos dosímetros segundo a sua sensibilidade, a sua repetitividade quando usado várias vezes num mesmo campo de radiação e o seu limite de detecção, avaliações estas que são apresentadas neste trabalho para os detectores produzidos no IPEN.
Palavras-chave: selecionamento, monitoração individual, dosimetria

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde

Indexador: 4173
PROPOSTA DE PROTOCOLO PARA AVALIAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE INSTRUMENTOS MEDIDORES DE pH
Niza Helena de Almeida (PUCPR e LACEN/PR), Percy Nohama (PUCPR)
RESUMO: Este artigo apresenta uma metodologia e uma proposta de protocolo de avaliação e qualificação de medidores de pH fundamentado no que prescrevem as normas ASTM E70-97 e NBR 7353, complementadas com a avaliação da prescrição das normas NBR ISO IEC 17025, BS 1647: Parte 2, BS 3145-1978, JIS Z 8805-1978, DIN 19260, DIN 19263, DIN 19265, DIN 19266, DIN 19267, DIN 19268, GOST 8134 e com os resultados de pesquisa de campo junto a profissionais que realizam ensaio de medição de pH em laboratórios de saúde pública. A proposta consiste em avaliar o medidor de pH com auxílio de um formulário, cujo preenchimento baseia-se, principalmente, na inspeção e ensaios no sistema medidor. O formulário fornece variações aceitáveis para os parâmetros testados, propiciando parecer conclusivo quanto à adequação do instrumento. A aplicação do protocolo permite definir um critério adequado de análise, tendo em vista a influência que sofre tal ensaio de medição e a necessidade de repetitividade e reprodutibilidade de resultados quando a referida medição é empregada, especialmente, em análises de amostras de produtos com finalidade fiscal, no âmbito da saúde pública.
Palavras-chave: Controle de qualidade, medidor de pH, instrumentação

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde


Indexador: 4214
TESTES DE QUALIDADE DE APARELHOS DE RAIOS-X PERIAPICAIS DE ACORDO COM A PORTARIA N. 453 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
Mychelle Schmitt Gurgacz (FAG), Pedro Miguel Gewher (CEFET-PR), João Gilberto Tilly Jr. (HC-PR)
RESUMO: Tendo em vista os procedimentos de radioproteção em consultórios odontológicos, faz-se necessário verificar as condições técnicas dos aparelhos de raios-X periapicais. Este trabalho verifica o desempenho destes equipamentos de acordo com as normas estabelecidas pela Portaria n. 453 do Ministério da Saúde de 01/06/98, apresentando-se as não conformidades detectadas e indicando-se as providências a serem tomadas
Palavras-chave: Controle de qualidade, Aparelhos de Raios-X periapicais, Radioproteção

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia Aplicada a Equipamentos para a Saúde

Indexador: 4141
DETERMINAÇÃO DE RESÍDUOS DE ANTIBIÓTICOS BETA-LACTÂMICOS EM LEITE POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA
Roseane Brandão de Brito (LARA/MG), Roberto Gonçalves Junqueira (UFMG)
RESUMO: Um método para determinar resíduos de antibióticos beta-lactâmicos em leite por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) foi desenvolvido e validado. Amostras brancas foram adicionadas de padrão e desproteinizadas. O extrato foi purificado por extração em fase sólida C18, os antibióticos eluídos com acetonitrila:água (50:50 v/v) e posteriormente derivatizados com anidrido acético e solução de 1- metil-imidazol contendo HgCl2, a 70 C por 60 minutos. A análise cromatográfica foi realizada utilizando coluna C18, fase móvel composta por acetonitrila e tampão fosfato 0,1 mol/L, pH 6,5, na presença de Na2S2O3 0,0157 mol/L em gradiente e detecção a 325 nm. O método foi seletivo para ampicilina, penicilina G e penicilina V, sendo este último utilizado como padrão interno. As médias de recuperação para ampicilina e penicilina G situaram-se, respectivamente, na faixa de 60,0% a 104,9% e de 82,7% a 109,2%, com coeficientes de variação na faixa de 11,1% a 24,6%, e de 2,1% a 25,2%, indicando11,1% a 24,6%, e de 2,1% a 25,2%, indicando quantificação de 4,0 µg/L para ampicilina e de 3,0 µg/L para penicilina G foram determinados.
Palavras-chave: antibióticos, leite, cromatografia.

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia em Alimentos


Indexador: 4190
VALIDAÇÃO DE MÉTODO PARA ANÁLISE DA CONTAMINAÇÃO DE FERRO EM LATAS DE ALIMENTOS
EUDES PEREIRA DE SOUZA JUNIOR (PUC-RJ)
RESUMO: Este artigo apresenta uma proposta de validação do método para determinação de ferro em embalagens de latas de aço que contém alimentos, a partir da Espectrofotometria. O método de determinação de ferro por Espectrofotometria tendo como padrão a Fenantrolina é bastante utilizado pela sua especificidade e sensibilidade e por este motivo não é descrito neste trabalho que tem como objetivo apresentar as etapas e as formas de se organizar e realizar os testes de validação , principalmente para aqueles laboratórios que desejam acreditação na ISO 17025. Inúmeras são as dúvidas daqueles que se defrontam com este desafio principalmente quanto as aplicações e cálculos estatísticos , sendo então, apresentado neste artigo, uma metodologia que pode ser seguida como uma opção viável.Vale ressaltar que outras formas podem ser obtidas pelos analistas que desejem esta validação pois tal estudo de deve sempre levar em consideração as particularidades de cada laboratório. Por ser uma proposta consubstanciada em uma metodologia consagrada os resultados obtidos serão com certeza aplicáveis e exatos o suficiente para garantir e confirmar a evidência objetiva do seu uso.
Palavras-chave: ferro, latas, alimentos

Evento: I Seminário Internacional de Metrologia em Alimentos

Indexador: 4219

Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal