Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa da Reforma Agrária – iterra



Baixar 76.97 Kb.
Encontro26.02.2018
Tamanho76.97 Kb.

Instituto Técnico de Capacitação e Pesquisa da Reforma Agrária – ITERRA


Universidade Federal de Brasília-UNB

Unidade de Educação Superior – UES


Instituto de Educação Josué de Castro-IEJC

Setor de Formação-Unidade de Produção Registro e Memória

Curso Licenciatura em Educação do Campo-Etapa 1

MEMÓRIA DO TEMPO ESCOLA DA ETAPA 1 DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO1




  1. Dia 24/09, segunda feira, primeiro dia da Etapa 1, da turma de Licenciatura em Educação do Campo, foi marcado pela emoção dos educandos que passaram na primeira chamada, também pelo compromisso com o curso que se inicia. Nesse dia, os educandos fizeram o registro acadêmico a partir das 8horas até às 17horas. No final do dia ainda faltavam chegar cinco pessoas, a turma realizou a visita aos espaços internos e externos da escola acompanhados por Clarice, Zelmar, Deise e Tiago.

  2. O Ato de Abertura da etapa iniciou no salão de atos do IEJC às 17h. e 15 minutos. Participaram do mesmo os educandos da turma, os quais demonstravam grande emoção, pela conquista obtida. O momento foi composto de: leitura do poema “Credo do Educador”, acolhida e apresentação de cada educando/a dizendo o nome e o estado de origem, falas da coordenadora do Instituto de Educação Josué de Castro, Diana Daros; da representante da Universidade Federal de Brasília, Anna Isabel; do representante da direção do ITERRA, Ivori de Moraes e da integrante da Coordenação do curso, Roseli Salete Caldart. As músicas que fizeram parte da mística de abertura foram as seguintes; “Construtores do Futuro” e “Um canto Novo” do CD Cantares da Educação do Campo.

  3. Foi apresentado, aos educandos, o Coletivo de Acompanhamento Político Pedagógico, (CAPP - AT) da turma, sendo estes: Deise Bender, Denise Queiroz, Paulo Davi Johann, Fátima Knopf e Antonio Escobar de Almeida e os coordenadores do curso Roseli Caldart, Paulo Ricardo Ceriolli, Vera Mazzini.

  4. À noite, iniciou o processo de Inserção na Gestão da Escola, conduzido, pelo educador Antonio Escobar que referenciava o funcionamento da Democracia Ascendente e Descendente. Após, a turma foi organizada em seis Núcleos de Base, com dez membros cada um.

  5. A seguir se realizou a escolha dos coordenadores e secretária (o) dos NB’s2 e a indicação de duas pessoas para integrar a CDE (Comissão de Disciplina e Ética), e duas pessoas para o CF (Conselho Fiscal). Ficando assim, composta a Coordenação dos Núcleos de Base da Turma (CNBT):

NB-Emiliano Zapata, coord. Abrão Godois, coord.(a) Mônica Luciana frozi, sec.Elisiane Barbieri.

NB-Gregório Bezerra, coord.Ananias Rodrigues, coord.(a) Eliza de Biazi, secret.Eliane Flor Alves.

NB-Máximo Gorki, coord. Zelmar Berg, coord.(a) Janice Fritz, secret.Rosana santos.

NB-Olga Benário, coord.Robison Risso, coord.(a) Edieni Ariadi, secret. Paulo Cezar Costa.

NB- Roseli Nunes, coord. Tiago Sottilli, coord(a) Anelise Becker, secret.Adriana Fernandes.

NB- Sepé Tiaraju, coord.Antonio de Miranda, coord.(a) Claudete Alves, secret. Alexandre Vieira.

Após, reuniram-se todos os coordenadores dos NB’s para fazer a escolha da coordenação da turma, que ficou constituída pelos coordenadores:

Coordenador Tiago Sottilli, coordenadora Luciana Frozi, secretária Claudete Alves.

No Conselho Fiscal e Comissão de Disciplina e Ética ficaram os educandos:

Conselho Fiscal (CF)- Fernanda Zschitschick e Luis Carlos Pilz.



Comissão de Disciplina e Ética (CDE) Paulo César Costa e Maria Aparecida Fontes Gomes.

  1. Como não chegaram todos os Educandos da 1º chamada, a grande expectativa da turma era saber quem seriam os próximos da lista a serem convocados.

  2. No dia 25/09/07, no tempo formatura, aconteceu à ratificação dos NB`s da turma, no tempo aula foi realizado o estudo do Promet e propostas de trabalho do tempo comunidade em seguida o educador Antonio explanou a organicidade do IEJC, assistindo um filme sobre a vida de Josué de Castro, ainda na manhã foi repassadas aos NB`s propostas de nomes dos núcleos.Ä tarde houve inserção dos educandos nas unidades de produção do Instituto, essa inserção foi considerada com muitos limites, no sentido de que muitos educandos não conseguiram compreender seu papel dentro da unidade de trabalho. Em algumas unidades não foram entregues nem estudadas as atribuições dos postos de trabalho, as APTs .Com a saída da turma do TAC 11, para prática de campo tivemos dificuldade, pois apenas estávamos conhecendo cada ambiente e tivemos que conduzir algumas atividades sem saber como fazer. Foi realizada a 2° chamada para o curso da licenciatura em Educação do Campo, os educando chamados foram: Letícia Pereira, Sebastião Carlos da Silva, Janaina Volp Martins,Vanessa Santos da Silva. No período da noite tivemos a Inserção nos grupos de convivência que representa a organização dos educandos em alas de moradia, essa inserção não deu conta de explicar os objetivos desses grupos.

  3. Dia 26/09/07 Roseli Caldart trabalhou sobre o método de avaliação do IEJC e o da UNB e a função do diário de campo, bem como o que considerar para esse registro. A turma teve aula com o educador Paulo Cerioli referente ao método pedagógico enfocando o significado do trabalho, da coletividade e sobre os desvios ideológicos.Nesse dia chegaram os educandos da segunda chamada: Letícia Pereira, Sebastião Carlos da Silva, Vanessa Santos da Silva e Janaina Volpi Martins, Jose Aparecido lima e Silva. A turma teve a primeira oficina,sendo esta de construção de informe com balanço crítico (IBC)conduzidas pelas educadoras Clarice dos Anjos e Diana Daros. Após a explicação os educandos foram organizados em três grupos para realizarem diferentes IBC’s: um grupo deveria realizar o IBC de sua chegada ao IEJC e mandar ao dirigente que lhe indicou para fazer o curso: o outro grupo a ala 1 do 4º pavimento do grupo de convivência feminino, que deveriam fazer o IBC em relação a reunião que acontecera no dia anterior, o terceiro grupo foi a CNBT, que deveria realizar um IBC da turma, nesse grupo houve desentendimentos quanto a forma de elaboração .

  4. Dia 27/09 - No Tempo Formatura o NB Sepé Tiaraju,fez a primeira Mística da turma, seguindo a programação da semana de apresentar o nome e o legado de cada lutador/a homenageado pelos NB’s. Nesse tempo aconteceu a ratificação da Coordenação dos Núcleos de Base do Instituto(CNBI),Conselho Fiscal e Comissão de Disciplina e Ética. O dia foi marcado Pela aula do componente curricular educação do campo I, conduzida pela educadora Roseli Caldart, disciplina que deixou uma grande questão a ser refletida para a turma. “Qual o campo da Educação do Campo”, foi difícil para a turma conceituar “que campo”, pois durante o debate apareceram diferentes maneiras de pensa-lo. Aconteceu a primeira reunião da CNBT para debater assuntos relacionados a turma,como a avaliação da inserção e discussão da mudança do horário de silencio. Foi realizada a oficina de orçamento e planejamento conduzida pelo coordenador do setor de produção da escola Fabiano Pires e pelo educador Zelmar Monteiro. A turma demonstrou dificuldade de compreender o conteúdo trabalhado por não entender a metodologia de quem conduzia a oficina, foram envolvidos outros assuntos, como a prestação de contas do curso, porém a mesma não é coordenada pelo IEJC e sim pelo ITERRA.

  5. Dia 28/09, Nesse dia a turma preencheu a ficha de bolsista da Universidade de Brasília (UnB), e fez o pagamento da taxa de cinco reais para encaminhar a a carteira de estudante. Os educadores Rafael Villas Boas e Manoel Dourados Bastos, da UnB, apresentaram à turma a Área das Linguagens, uma habilitação do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. O trabalho apresentado foi avaliado pela turma como muito bom. Essa apresentação conseguiu mexer até com quem já estava convicto que queria a Área de Ciências da Natureza e Matemática. Houve a desistência das educandas Alda Vidal de Negreiros e Rosimari Rosa de Souza, que assinaram um termo de desistência para que pudesse ser feita a 3ª chamada. Para ocuparem essas vagas foram chamados mais dois educandos: Carina Adriana Waskievics RS, e José Aparecido MG.

  6. Nesse dia retornou, ao IEJC, a turma do Tac 11, que estava em prática de campo desde quarta-feira, participando da marcha estadual dos acampados do RS. Os educandos se inseriram na coluna da marcha que saiu de Porto Alegre e nestes dias estava em Caxias do Sul. Durante a noite teve oficina de como coordenar uma reunião, com o educador Antonio Escobar. Após a janta foi realizado o estudo do regimento interno nos NB’s, nenhum conseguiu terminar a parte que foi orientada para o estudo.

  7. Dia 29/10 - A turma teve aula com o educador Romir Rodrigues, que trabalhou a construção do memorial, contribuindo no processo de elaboração individual de cada educando, sendo que, no final do dia alguns não conseguiram terminar, ficou encaminhado que os mesmos entregassem segunda-feira pela manhã. O momento fez com que relembrássemos fatos importantes para nossa formação. Algumas pessoas se emocionaram, aconteceu um fato que mexeu com a turma, pois enquanto estávamos envolvidos na dinâmica da memória, a educanda Janice, quando perguntada sobre uma comida, a mesma lembrou-se do bife de sua avó e minutos depois recebeu a noticia de que ela acabara de falecer,motivo pelo qual ela se ausentou .Chegou à escola Carina Waskievics educanda da terceira chamada, José Lindolfo da quarta chamada não compareceu. Alguns educandos, durante esse dia, contribuíram com a preparação da noite cultural de integração entre a coletividade.

  8. A noite de integração iniciou-se às 20h.30mim, como combinado foi até as duas horas da manhã.No início da mística a coletividade saiu em marcha do refeitório se dirigindo para o espaço de convivência do IEJC para lembrar as três colunas da marcha do RS em direção a fazenda Guerra. Chegando no espaço teve a fala do educando Antonio de Miranda chamando a atenção para os compromisso dos educandos e a responsabilidade com os Movimentos.Houveram dinâmicas de integração, apresentação de músicas e danças. Muitos educandos permaneceram além das 23horas. Houve, em alguns momentos, disputa pelo volume do rádio. Foi questionado o nível das músicas tocadas nessa noite, por serem letras carregadas de preconceitos.

  9. No decorrer da semana, a inserção da turma foi confusa, não ficaram claras as atribuições que competia a cada posto de trabalho, como a turma do TAC saiu da casa na semana, tivemos dificuldades de conduzir o processo, deixando o coletivo da turma perdido, também houve confusão de horários, não sabíamos qual era o próximo passo a ser dado.

  10. Marcaram a semana a questão dos horários, tanto o de intervalo da tarde, que impossibilita a turma de chegar no horário certo da aula devido o tempo trabalho, quanto o horário do Diário de Campo, que acontece das 22h30mim. às 22h50mim. Argumenta-se que esse horário não é o mais viável para a elaboração do DC.

  11. O estudo do Regimento interno do IEJC não aconteceu no inicio da semana deixando a turma sem saber das normas, outra dificuldade foi que durante esses dias foram mencionadas muitas siglas não explicando o que as mesmas significavam, deixando as pessoas mais confusas ainda.

  12. Esteve na Escola, do dia 24 a 28/09, a Mestranda da UnB - Ligia, a mesma, provavelmente, contribuirá no acompanhamento nos tempos comunidades dos educandos de DF e MG.

  13. Os educandos/as que integram o curso são militantes dos Movimentos Sociais da Via Campesina (MST, PJR, MMC), dos estados de RS, SC,PR, DF, SP,RJ e integrantes do STR e Quilombolas do Município de Ouro Verde e Almenara, MG, e CONTAG.

2ª Semana - período-30/09 a 06/10/07




  1. Dia 30/09/07 Domingo-A turma se envolveu nas atividades de trabalho de sobrevivência da casa, também cuidaram da organização pessoal como lavagem de roupas e organização do quarto. A CNBT reuniu-se extraordinariamente para discutir as metas da etapa. Muitos educandos (as) foram passear pela cidade, na praça onde havia atividades culturais relacionada à cultura italiana, e outras pessoas foram ao balneário do retiro, Na noite algumas foram a um baile no salão da vila Val Verde.

  2. Dia 1º/10/07 Segunda - feira, na primeira parte da manhã, a turma foi envolvida na atividade das oficinas conduzidas pelos educandos da turma: A educanda Leila conduziu a oficina de mística, a oficina de oratória por Tiago e Abrão e informática por Zelmar. As oficinas foram organizadas a cada dois núcleos, o momento foi de boa participação pelos educandos. Todos os núcleos realizarão as três oficinas no decorrer da etapa .

  3. Iniciou-se o componente curricular Política Educacional I com a educadora Lucia Camini. A turma teve o desafio de estudar e se apropriar de textos, dentro dos Núcleos de Base, dentre essa aula aconteceu dispersão da turma. Durante a noite fomos para as unidades fazer a prestação de contas e avaliação do mês que passou e projetar o mês de outubro, construindo as metas de cada unidade de produção, houve pouco entendimento no conjunto da turma.

  4. Dia 02/10/07-Pela manhã, a turma fez leitura durante o tempo estudo referente ao componente, após demos continuidade a aula de Política Educacional, a educadora não conseguiu desenvolver uma dinâmica que envolvesse a turma. Durante a noite fomos para as unidades fazer a prestação de contas e avaliação do mês que passou e projetar o mês de outubro, houve pouco entendimento do conjunto da turma sobre essa atividade, Nos Núcleos houve discussão dos pontos vindos da CNBT, assim como, os levantados por o próprio núcleo. Anteriormente a reunião do NB Gregório Bezerra o componente do núcleo Vagner e a coordenadora do mesmo, Eliza, haviam feito uma conversa em relação as dificuldades enfrentadas pela coordenação dessa instância na condução das reuniões, combinaram que abririam um ponto em relação a isso, porém esse integrante ao fazer isso no núcleo não conseguiu fazer-se entender e causou discussão e discordância nos integrantes dando a entender que o mesmo queria aparecer-se causando indignação nos membros,devido a isso o fato alastrou-se sendo comentado por parte da turma. Na parte da noite, foi o momento da coletividade se reunir nas alas de convivência, a reunião de cada ala teve o caráter de retomar o fundamento da existência desses grupos de convivência, pois a reunião da semana passada deixou dúvidas nos educandos da turma.

  5. Dia 03/10/07 - A aula de Políticas Educacionais Tivemos o desafio de responder as questões que guiaram à aula. Comenta-se de que, no geral, a turma estava achando a aula um tanto parada, mas apesar disso percebeu-se que esses dias foram muito importantes, pois ao responder as questões da avaliação veio o entendimento e a assimilação do tema trabalhado ao final a turma realizou o agradecimento pela contribuição da educadora com a turma momento esse que envolve o coletivo. Aconteceu o primeiro tempo educação física. A turma organizou-se em dois grupos para fazer uma caminhada e o terceiro grupo optou por correr. Algumas pessoas não se integraram ao grupo para realização deste tempo educativo, permaneceram na escola, a atividade foi desorganizada os grupos se dispensaram não seguindo as orientações.Nesse dia o NB Gregório Bezerra se reuniu procurando solucionar o desentendimento do dia anterior, onde os membros esclareceram os fatos e se entenderam.

  6. Dia 04/10/07- Iniciou-se a primeira aula do componente curricular Práticas Pedagógicas, conduzidas pela educadora Vera Mazzini, a aula inicia com a dinâmica de trocas de lugares que gerou um certo desconforto, a atividade de responder algumas questões em relação a nossa visão de mundo serviu para nos enxergarmos em que educação acreditamos: A tradicional ou a libertadora, emancipatória. A educadora, na parte da tarde, trouxe a síntese das questões que cada um respondeu, houve risos de algumas pessoas ao ver crenças religiosas contidas nessa síntese, embora a educadora tenha chamado a atenção para essa atitude, ocasionou certo constrangimento em quem colocou. A avaliação em relação à aula da educadora Vera, é que esta foi muito boa. Na noite, a turma teve oficina de prestação de contas com o Fabiano, foram esclarecidas dúvidas referentes ao processo de gestão da escola e foi explicada a diferença entre ITERRA e IEJC pois, até então, não estava claro para turma,recebemos o material de estudo da reprodução da gestão somente tivemos 30 minutos para estudar debater e compreender.
  7. Dia 05/10/07 - No dia de hoje a programação da escola mudou devido à educadora de filosofia Roberta Lobo não poder chegar a tempo para a aula da manhã. No tempo oficina a turma foi novamente organizada em três grupos para as oficinas de oratória, informática, e mística, nesta onde muitas pessoas se emocionaram,o passo seguinte da manhã foi nossa participação no Encontro Geral da Coletividade, o primeiro em que a turma participa, por isso muitas pessoas foram para o encontro imaginando o que aconteceria sendo que a participação da turma foi fraca, pois não tinham clareza sobre os objetivos do mesmo. Durante a tarde, iniciou a aula de filosofia ministrada por a educadora Roberta Lobo, que continuou na parte da noite com a projeção do filme; “O sétimo Selo”. Foi feita a 4º chamada para o curso, sendo chamado o educando Alan Santos Morais, do Paraná.


  8. Dia 06/10/07- Em sala de aula, houve muitos bilhetinhos e conversas paralelas, na noite no salão de atos assistimos ao filme “Daens: um grito por liberdade”, Os educandos levaram cobertores e travesseiros e até um colchão, a fim de ficarem mais a vontade, aconteceu que muitos acabaram dormindo. Parte do coletivo está se sentindo chocado em relação às aulas, há muitos termos e conceitos no componente, desconhecidos para a maioria dos educandos, que estão tendo o primeiro contato com essa área, também há pessoas que estão com problemas de saúde principalmente pressão arterial alterada. Foi divulgada na turma a peça de teatro “O casamento do pequeno burguês” da obra de Bertolt Brecht, do grupo teatral Tem Gente no Palco que acontecerá na Casa de Cultura de Veranópolis, às 20h do domingo, os educandos estão combinando para ir assistí-la.



3ª Semana –período 07/10 a 13/10

  1. Nesse período no IEJC aconteceu a Semana de Solidariedade e do Trabalho Voluntário. As místicas do tempo formatura foram relacionadas aos legados de Che Guevara. Os (as) educandos (as) realizaram trabalhos voluntários na comunidade Veranense, contribuindo no lar dos idosos, São Francisco, deixando os moradores muito contentes com a visita. Na Escola Virgínia Bernardi foi realizada a divulgação dessa semana de solidariedade nas turmas de Ensino Médio com debate político sobre o tema. Houve doação de sangue para o Hemocentro de Caxias do Sul, porém nossa turma não pode participar em função da aula. Os núcleos de base realizaram trabalhos voluntários dentro do Instituto: O NB Olga Benário pintou o tabuleiro de Xadrez na sala de leitura, o Roseli Nunes pintou frases no galpão de artes, Dandara deverá pintar a bandeira do MST e símbolo de Che Guevara no espaço de convivência, Máximo Gorki desenvolverá atividades lúdicas na coletividade, Alexandra Kolontai organizou o espaço do refeitório, e os NB Josué de Castro e CAPP plantaram mudas de flores no jardim.

  2. No domingo (07-10), à tarde, a turma realizou o passeio nos pontos turísticos de Veranópolis, os lugares foram: A casa de artesanato Saretta, a propriedade agroecológica de um casal que trabalha com agro-turismo, neste local percebeu-se, que foi somente uma propaganda, nos levaram para colher ovo e ver animais como se nunca tivéssemos feito isso, foi uma rota comercial, poderíamos ter ido para outro lugar. A terceira visita foi na caverna indígena que segundo o guia tinha vestígios da nação Kaegangue e o quarto local a Vinícula Simoneto, lá a turma degustou vinhos, doces de frutas e licores.Essa visita foi importante, porque muitas pessoas não conheciam e tinham curiosidade de conhecer uma vinícola. Finalizamos o passeio no mirante tendo a vista para o rio das antas,a barragem e a paisagem do município. A noite parte da coletividade se dirigiu à casa de cultura do município para assistir a peça “O casamento do pequeno burguês”, que não alcançou o esperado por se tratar de um texto de Bertodt Brecht, pois, além de um dos atores ter feito comentários machistas durante a encenação, não foi trabalhado o sentido de questionar os valores perdendo o sentido da peça. Sendo que algumas pessoas foram jogar futebol.

  3. Segunda-Feira (08/10) - Teve seqüência das aulas de filosofia. À noite a turma assistiu um filme, proposto pela educadora - “Nós que aqui estamos, por vós esperamos”. A reunião dos grupos de convivência teve como pauta esclarecimentos sobre a Coopese. O presidente da cooperativa Nelson Krupinski falou sobre o histórico e funcionalidade no IEJC. Após, a turma decidiu fazer o diário de campo para não precisar retornar a sala. Nos Núcleos foi realizado estudo dos legados de Che Guevara, houve núcleos que não concluíram a atividade de construção das frases de cada legado. Pois o tempo foi muito curto.

  4. Terça-Feira (09/10) - Durante a manhã houve a avaliação do componente de Filosofia, o trabalho foi realizado em duplas, a proposta feita pela educadora era de relacionar o que foi trabalhado em aula, com um dos textos e um dos filmes assistidos. Parte da turma enfrentou dificuldade de realizar a avaliação proposta, pois não conseguiam relacionar os três elementos. As aulas desse componente foram complexas, foi difícil, no início, entendermos principalmente os textos, faltou tempo para maturarmos o conteúdo dos mesmos nos NB, não deu tempo de aprofundarmos as leituras. A metodologia usada pela educadora nos instigou a investigar e interessar-se mais pelo assunto. Faltou tempo de aprofundar as leituras e assimilar o conteúdo nos NB´s. O tempo trabalho, de alguns membros da CNBT, está interferido na participação das reuniões da instância, também há uma dificuldade de garantir as discussões dentro do NB, pois, este espaço está sendo ocupado por outras atividades. No tempo aula da tarde iniciou o processo de crítica e autocrítica. Uma mística, em que cada um lavou a suas mãos introduziu esse momento, em seguida o educador Cerioli explicou a metodologia do processo, revisando os vícios e desvios ideológicos e encaminhou a atividade aos NB para realizar a mesma. A turma estava temerosa, pois, era uma experiência que muitos ainda não haviam vivenciado. Anterior ao momento havia se criado todo um cenário em torno do processo como comentários do tipo; ainda é muito cedo, ainda não nos conhecemos o suficiente, mas na avaliação geral da turma, foi um momento de reflexão muito rico e com aprendizados, porém, não houve compreensão de todos dentro desse momento e algumas pessoas levaram a crítica para o lado pessoal. À noite, como todos os núcleos já haviam realizado a crítica e autocrítica, os NB´s discutiram os pontos vindos da CNBT.

  5. Quarta-feira (10/10). Durante a manhã foi estudado o componente curricular Sujeitos do Campo que foi conduzido pelo educador Paulo Cerioli que nos indagou: “Quem são os sujeitos do campo?”. Devido o tempo oficina ter sido ocupado pelo componente, o mesmo aconteceu na segunda metade da manhã com as oficinas de oratória, mística e informática. De tarde dando continuidade ao componente curricular o educador Marcelo Andreatta, mostrou nos de forma dinâmica o papel da revolução agrícola na construção histórica da civilização. A Irmã Elda Broilo conduziu o tempo educação física momento em que fizemos atividades de exercício corporal com músicas, dançamos musicas circulares e o último momento foi feito o exercício de meditação, nesses dez minutos em que ficamos em silêncio muitas pessoas choraram. O momento foi bom para colocarmos para fora o que está nos angustiando, o trabalho foi muito positivo, após aconteceu o tempo Núcleo de Base para discutirmos proposta de organização do ato político do Curso de Licenciatura em Educação do Campo que se realizará no dia 23/10.

  6. Quinta-Feira (11/10) - O educador Marcelo Andreatta conduziu a aula do componente Sujeitos do Campo, exibindo os filmes denominados “Brasis” da obra “O povo brasileiro”, do antropólogo Darcy Ribeiro” - o Brasil caboclo (Amazônia), caipira(SP, MG, GO,RJ), sulinos (PR, SC, RS), sertanejo ( sertão) e crioulo ( nordeste “zona da mata”), percebendo como o povo brasileiro foi se construindo culturalmente na história. O último momento da aula foi destinado a um diálogo sobre a compreensão dos educandos, entretanto, por falta de comunicação, não foi feito o agradecimento ao educador pela sua contribuição com a turma. De tarde o educador Cerioli retomou a aula e nos pediu para que repensássemos nosso memorial e fazer um outro acréscimo guiado por ele. Na noite, foi realizada dentro dos NB´s a verificação das Metas de Aprendizagem (Convivência e Militância). O intuito era avaliar o conhecimento pessoal dos membros do núcleo e a outra foi a compreensão do funcionamento das instancias : NB, CNBT, CNBI, Encontro Geral.

  7. Sexta-feira (12/10)- No tempo formatura a companheira Clarice dos Anjos nos lembrou que as crianças do Iterra estavam participando do Encontro dos sem terrinhas em Porto Alegre aula, da manhã o educador Cerioli, trabalhou o processo de formação da consciência, dando continuidade ao componente Sujeito do Campo, sendo que, na segunda metade da manhã, fizemos a discussão sobre a organização do ato político do curso. Durante o dia algumas pessoas se envolveram com o preparo da Jornada Socialista da Semana da Solidariedade, que aconteceu no tempo cultura da noite, foi um momento marcante de estudo e preparação envolvendo o conjunto da turma, que resultou na socialização através de apresentações de poemas, projeção de fotos dos trabalhos voluntários realizados pelos membros da coletividade, músicas latinas que nos inspiraram a fazer uma mandala com frases, com a orientação pela Irmã Elda e a distribuição de livros. O educando Paulo Cezar foi para sua base resolver questões judiciais, o mesmo retorna na terça-feira.

  8. Dia (13/10) - Aconteceu à última aula do componente Sujeitos do Campo, que causou na turma uma crise de identidade em relação a nossa prática enquanto ao “ser camponês”, o estudo da formação da consciência fez com que olhássemos para nós mesmos e percebêssemos em que estágio estamos. Nos núcleos os educandos concluíram as leituras e o trabalho sobre o conceito de camponês e como esse se reproduz enquanto categoria, muitos tinham uma visão romântica sobre o sujeito camponês, o componente tratou de iniciar essa desconstrução daquilo que entendíamos sobre esse conceito, e algumas pessoas por conta da militância em movimentos sociais dentro das estruturas organizativas em que estão envolvidos se sentem perdendo suas raízes, foi essa uma das inquietações que ficaram. Dentro de alguns NB´s houve a avaliação de seus respectivos acompanhantes. Ao final da aula foi realizada a avaliação do componente, na avaliação da turma, as metas do componente foram alcançadas, sendo que, ficaram algumas dúvidas em relação ao Campesinato, o que deixou para a turma uma chave de estudo, nos incentivando a buscar informações através do estudo e pesquisa. A parte do tempo aula, da tarde, foi destinada à orientação da inserção dos educandos no tempo comunidade. No final da noite, muitas pessoas estavam apressadas, não esperando o término dos avisos, houve também confusão nas informações sobre o tempo diário de campo ocasionando que parte da turma não veio para a sala fazê-lo.

  9. Ao final da Semana da Solidariedade e Trabalho Voluntário as místicas e a jornada socialista trouxeram boas reflexões sobre essa prática, fica o questionamento sobre a continuidade dessa atividade, se de fato o coletivo vai trabalhar no seu cotidiano, pois percebemos que, mesmo refletindo sobre os legados de Che, faltou refeição para algumas pessoas. A avaliação da equipe que organizou a semana é que esta jornada deveria ser no inicio da semana, pois motivaria mais as pessoas a se envolverem nas atividades, Os núcleos ficaram esperando alguém chamar para as tarefas voluntárias, não tendo iniciativa para se organizar e concretizar as atividades, a avaliação é de que conhecemos muito pouco sobre o legado de Che e o espírito de solidariedade e de trabalho voluntário não envolveu o coletivo. Referente o trabalho nas escolas a educadora Vera Mazzini se integrou na equipe como membro da CAPP, embora não participado de algumas reuniões de planejamento desta atividade, ajudou no desempenho do trabalho.

4ª Semana: período 14/10 a 20/10




  1. Domingo14/10, Com a mudança de horários nesse dia, os educandos retornaram da cidade no horário correto durante a madrugada, portão não foi aberto, o conselho fiscal não mudou o horário do relógio, foi apertada a campainha por várias vezes com isso parou de funcionar e a pessoa responsável pela recepção da noite não atendeu, isso gerou indignação nas pessoas ocasionando conversas altas que acabaram acordando algumas pessoas da coletividade. Havia sido planejado um almoço no balneário, esta proposta era uma definição coletiva, porém havia posições diferenciadas, algumas pessoas manifestavam uma vontade maior em realizar o encaminhado e outras queriam permanecer no Instituto devido a necessidades diversas. O fato de o tempo estar nublado cancelou a atividade, o churrasco e a integração com a coletividade aconteceram no espaço de convivência.

  2. Segunda feira 15/10, Na programação estava prevista para esse dia o serviço externo da turma, porém, como o tempo estava chuvoso não foi possível realizar esta atividade, devido a não ter uma programação extra a CNBT reuniu-se nesse momento com o objetivo de montar uma proposta de composição de equipes para organização do ato político que não acontecerá mais no dia 23, mas sim no dia 22/10, devido à agenda da representante da CONTAG, os demais educandos foram estudar os textos em que estavam pendentes e o PROMET, em seguida retornaram a sala de aula para encaminhamentos dessa proposta as pessoas incluídas nas equipes se organizaram para pensar propostas de organização, as demais retornaram ao estudo até as 11:00hs. No tempo educação física as atividades desenvolvidas foram: aquecimento, alongamento, massagem e dança nessa atividade algumas pessoas não participaram por não saber ou por não gostar do ritmo das músicas. No tempo aula iniciou o componente curricular Economia Política com a Educadora Virginia Fontes, o educador Marcelo Andreatta assistiu as aulas até na sexta-feira.

  3. Terça feira 16/10, continuamos com aula do componente Economia Política, no tempo estudo, lemos o texto do capítulo XXIV do livro Capital. Na reunião dos grupos de convivência foram estudadas orientações vindas da COOPESE e Setor de Formação para a entrega do patrimônio do TAC 11 que aconteceu na quinta feira. A turma durante esse dia estudou o PROMET em função da VMA (Dimensão do estudo) essa atividade aconteceu na noite foi conduzida pela educadora Roseli Caldart na hora da avaliação houve falta de atenção na orientação da prova, após os educandos se dirigiram aos NB para realizarem discussão política.

  4. Quarta-feira 17/10, Nesta manhã teve oficina de como construir o diário de campo com a educadora Roseli Caldart em função da dificuldade de compreensão sobre essa elaboração, após deu-se continuidade a aula de Economia Política. Houve desentendimentos em função do coordenador do dia ter sugerido que não houvesse os 5 minutos de intervalo devido aos atrasos anteriores,o intervalo aconteceu pelo que a turma já havia combinado. A turma participou do ato de abertura da turma Victor Jara.

  5. No tempo notícia realizamos plenária da turma para discutirmos problemas, que supostamente estavam acontecendo, porém não estavam sendo levados para as instâncias, assim ficando nas discussões de corredores. Os pontos a serem discutidos foram relacionado a suposta discriminação “com dois educandos de MG”. No decorrer dos posicionamentos dos mesmos, foi percebido que era um equivoco essa discriminação, ocorreu foi um estranhamento pelo fato de estarem convivendo pela primeira vez em uma coletividade dessa natureza .Essa discussão para muitas pessoas foi surpresa causando espanto, mas, no entanto eram motivos de fermentações em conversas nos bastidores, Ficou como desafio para a turma se afirmar enquanto coletivo, e que estas discussões devem ser levadas para as instâncias, para que de fato haja o fluxo de informações.

  6. Quinta-feira 18/10 Inicia-se o dia com uma bonita mística feita pelo NB Olga Benário que trouxe presente a cultura afro-descendente quilombola, em seguida a turma fez a inserção dos educandos da turma Victor Jara nas unidades de produção. Foi um momento de desafio para a turma, pois era a hora de estudar e passar o conhecimento adquirido nas unidades de produção desde o inicio da etapa, isso exigiu domínio das atribuições dos postos de trabalho.Teve o ato de envio da turma TAC11 foi um momento importante para nós, pois está turma foi com quem convivemos no período.A fala do Toni colocou o compromisso na turma durante o TC de retornarem para escola, mais amadurecidos politicamente que serve para nós que daqui alguns dias estaremos indo ao tempo Comunidade. No tempo aula realizamos a avaliação do componente com base no texto “A Assim Chamada Acumulação Primitiva” de Karl Marx, as questões elaborada da avaliação foi a própria turma que construiu, as mesmas tiveram a intenção de ser realizada individualmente, mas algumas pessoas não seguiram a orientação e realizaram a discussão em grupos sendo que a elaboração foi realizada individualmente. Na noite realizamos no NB o estudo orientado do componente Economia Política, alguns aproveitaram para repassar informes vindos da CNBI. Na sala de aula grande parte da turma esteve sentindo muito sono, com isso tendo dificuldade de se concentrar e algumas levantam e ficam perto da janela pra passar o sono, foi feito um pedido de ventiladores em função do abafamento do espaço.

  7. 19/10 Sexta Feira-O educando Luiz Carlos Pilz foi até Porto Alegre para assinar projeto de seu assentamento o mesmo retornou neste dia. Teve a chegada dos integrantes da CONTAG: Eliene Novaes Rocha, Éryca D.Silva Galindo e o integrante da comunidade Quilombola de Ouro Verde, Mauro Alves estes que vieram visitar e realizar reuniões com os educandos indicados pela Federação, sendo que estas não aconteceram no espaço do Instituto, pois a sala que havia sido reservada na hora da atividade estava ocupada, Mauro permaneceu para participar do Ato Político do dia 22/10. Durante o tempo NB aconteceu a verificação de Metas de aprendizagem referente à dimensão do trabalho nas unidades de produção e sobre os objetivos, princípios e bandeiras de luta do Movimento Social ou organização que indicou-nos para o curso, por termos inseridos o TAC11 nas unidades a avaliação da dimensão do trabalho tornou-se mais clara, houve pessoas que sentiram dificuldades no que se refere ao sindicato, pois o material da organização chegou na última hora e não deu tempo pra estudar, também por não ser militante orgânico as questões foram respondidos com duvidas.Após esta atividade as equipes de Organização do Ato Político se reuniram para organização do mesmo.

  8. Dia 20/10, Sábado, no tempo formatura encerrou a Semana do Educador com a mística do NB Sepé Tiaraju, esse que trouxeram presente a ruptura com a cerca do latifúndio do saber. Foi o último dia do componente curricular Economia Política, ao final da tarde foi realizada a avaliação das aulas que foram consideradas importantes, por conta de educadora corrigir as avaliações e colocar as observações.A educadora teve que sair mais sedo em função da viagem, assim aconteceu o primeiro ensaio da mística para o ato. No intervalo do meio dia as unidades se reuniram extraordinariamente para realizar a reunião semanal em função de que a reunião ordinária na segunda feira não se realizará por conta do Ato Político. Na noite tivemos alteração no horário do jantar em função da apresentação do nome da Ciranda Infantil que se chama Pequeno Colibri, a apresentação aconteceu em forma de uma mística que as crianças apresentaram, após aconteceu uma gincana pedagógica de integração entre a coletividade que não teve a participação total dos integrantes de ambas as turmas ( Ledoc e TAC) e do NB Josué de Castro, essa atividade tinha uma teto para acabar as 24:00h, porém durou somente até as 23:00h, pois as músicas selecionadas não garantiram a animação após a gincana.

  9. Durante a semana os NB discutiram sobre os objetivos da turma e critérios para escolha do nome da mesma, a sistematização das propostas foram elaboradas por membros da CNBT, onde ficou definido que cada educando/a deverá trazer 20 reais na próxima etapa. A semana foi marcada pelo sono e cansaço dos educando/as, algumas pessoas chegam a dormir em aula, o componente da semana foi muito importante na questão do aprendizado, porém como foram seis dias de aula tornou o momento desgastante por ser uma área que exigiu bastante leituras e que por falta de tempo não conseguimos fazê-las. Há necessidade de fazer leituras individuais, pois nos NB`s mesmo em silêncio não se consegue adquirir concentração durante a leitura de todo o texto, desde o início da etapa perdemos muito aprendizado referente a isso, não há tempo para fazer as anotações, pois temos que acompanhar o texto. Estamos apresentando dificuldade de entrosamento com a turma Victor Jara, talvez devido a turma estar com muitas atividades em relação aos TCC.

  10. Uma constatação da turma é que na unidade da ciranda infantil estão faltando educadores pelo número de crianças. Há preocupação de quem trabalha na cozinha por sempre perder o final das aulas, é um momento onde o educador costuma fazer um apanhado sobre o que trabalhou durante o período.

5ª Semana –período 21/10 a 27/10.




  1. Dia 21/10-Domingo de manhã grande parte da turma se envolveu no ensaio da mística, durante essa atividade a equipe do túnel de ferramentas enfrentou dificuldade de sincronia e a equipe do coro, por não ter se encontrado anteriormente.Três educandos da turma Victor Jara participaram dos ensaios, a equipe do chamamento aos povos fará esse momento com peneiras e sementes, porém a unidade de cultura não possui, o ensaio foi feito sem esse elemento na perspectiva de se consiga encaminhar a compra das mesmas, o grupo dos imigrantes não possuía a musica Mérica Nostra.

  2. Dia 22/10-Segunda Feira, neste dia celebramos oficialmente o início do curso. Referente a aula iniciamos o componente curricular política educacional com a educadora e coordenadora do curso Monica Molina, está que trabalhará conosco até o dia 13/10, a turma esteve envolvida com as atividades do ato político, durante o intervalo do almoço os educandos foram se envolvendo na ornamentação, a P.S externa liberou os educandos do trabalho para realizarem a ornamentação do Instituto e a organização do salão de atos e preparação do jantar, houve pessoas que não foram trabalhar e não tinham sido liberadas das unidades de produção, o que gerou alguns comentários cujos questionam a capacidade organizativa da turma, devido ao informe da liberação chegar a CNBI sem maior antecedência, bem como havendo problemas de comunicação e de fluxo das informações, pois os educandos que haviam sido liberados eram apenas os que prestavam serviço externo, no entanto, os demais se auto liberaram, o que causou problemas nos postos de trabalho onde estavam inseridos, faltando um trabalhador, não havia outro para substituir.

  3. As 15:30 a equipe da mística iniciou o ensaio geral. No grupo dos imigrantes a expectativa era com o figurino, motivo de risos no ensaio, felizmente a musica América Nostra foi encontrada e gravada na rádio Veranense horas antes do ato. Carina teve queda de pressão momento antes da entrada, a mesma se recuperou e conseguiu cumprir com seu papel. O grupo dos indígenas caracterizou-se com as roupas trazidas pelo Companheiro Chocolate de Viamão, as mesmas são figurinos da peça “Morte aos Brancos”, o Setor de formação conseguiu as peneiras emprestadas por um comerciante da cidade.

  4. A mística iniciou com o chamamento dos povos indígenas, os mesmo entraram cantando e dançando em guarani “Yvoty pytã eru” (flor vermelha companheira) se dirigindo ao núcleo da mandala, em seguida foram chamados os povos negros, estes dançaram e apresentaram dança afro e maculêlê, integrando-se a mandala, o terceiro povo a entrar foram os imigrantes que a som de América Nostra dançaram demonstrando os produtos da terra, e se integraram aos demais povos, ao som de batidas de foices, facão e enxadas foi se formando um túnel de ferramentas os povos cantaram conjuntamente a música educação do campo, os grupos foram saindo por debaixo do túnel e em seguida retornaram ao salão com produtos da terra, plantas e alimentação, novamente foi formada a mandala onde a educanda Leila fez a fala representando a turma apresentando nesta os objetivos do curso, em seguida tirou de dentro da fonte a bandeira da Via Campesina e convidou os presentes a entoar a Internacional Socialista.

  5. Após a mística Tiago e Adriana coordenaram a composição da mesa que contou com as seguintes representatividades; pela Via Campesina Cedenir de Oliveira...pela direção do Iterra: Ivori de Moraes, pelo IEJC: Antonio Escobar, pelo INCRA: Maria de Lurdes, pelo INCRA/PRONERA Clarice dos Santos , pela CONTAG:Alexandra Lucas, Pelo MEC Artemio Shimith, pela UNB: Mônica Molina, Pela coordenação do Curso Roseli Caldart, pela assembléia Legislativa do RS: o deputado Dionilson Marcon.

  6. Nas falas destacam-se questões históricas referentes à luta dos Movimentos Sociais na conquista do primeiro curso de Licenciatura em Educação do Campo, em parceria com a UNB e o MEC por representar o acesso ao conhecimento que negado a classe trabalhadora.

  7. Também revelam o problema criado por falta de clareza de que ao nos movimentarmos como indivíduos, o que aparece externamente é o conjunto dos Movimentos Sociais, neste sentido, procuram reforçar a unidade da turma devido à situação que tencionou o coletivo, bem como, identificamos a falta de compromisso de indivíduos perante a luta travada para a conquista do curso e para com a coletividade.

  8. Houve uma breve contextualização na fala do companheiro representante de La Via Campesina que reafirma a importância dos Movimentos Sociais tencionarem o Estado, pois estamos vivenciando um momento de forte enfrentamento tanto no Rio Grande com a marcha rumo à fazenda Guerra, quanto nos ataques ocorridos no Paraná que resultou na morte de um companheiro, sendo o curso parte dessa luta pelo direito.

  9. Esses elementos reforçam o comprometimento de cada educando e educanda, pois representamos o conjunto destes movimentos que enquanto estamos aqui trabalhando e se apropriando de conhecimentos que possibilitam uma maior condição de interferir na realidade há homens, mulheres, idosos e criança se movimentando também, fazendo enfrentamentos que em alguns casos pagam o preço com sua própria vida.

  10. Após o ato a turma organizou o espaço do salão de atos e ao final da tarefa realizaram dança de roda com cantoria tendo a participação da educadora Mônica Molina, o jantar foi servido nas mesas pela equipe, após foi realizado um mutirão de limpeza do refeitório que não contou com a participação total da turma. A noite um grupo de educandos/as cantaram no pátio externo da Escola que acabou interferindo na aula do TAC 10, e foram advertidos pela Comissão de Disciplina e Ética.

  11. Os fatos como a liberação apurada do trabalho, a cantoria no pátio revela o entendimento da turma referente ao conjunto da escola, pois não estamos sozinhos na casa, bem como, que ainda temos limites em planejar as ações antecipadamente e de forma eficiente, necessitando de tempos alem dos organizados.

  12. Dia 23-10 Terça feira - Nesse Dia tivemos a última aula de políticas educacionais na reunião da CNBT onde foi avaliado o ato político e também a gincana pedagógica, discutido o ponto sobre a memória da turma concluindo-se que a mesma trás poucos elementos, com isso se tirou dois encaminhamentos; dois coordenadores irão ler e contribuir com mais elementos; o posto de trabalho se reunirá com os secretários/as do NB afim de recuperar informações referente aos fatos que foram se dando na turma no decorrer desta etapa,

  13. Nesta também foi encaminhada a avaliação da plenária da turma da semana passada, trazendo com novos elementos referente a postura de uma educanda referente ao fato da suposta discriminação, pois foi feita uma denuncia a UNB afirmando de que os educandos de MG estavam sendo discriminados pelo ITERRA, essa informação partiu da educanda Valéria para a CONTAG, cuja denuncia foi efetivada pela confederação, no dia da plenária os educandos ligados a CONTAG já sabiam da denuncia mas não socializaram o fato com a turma.

  14. A retomada da discussão referente à postura da educanda perante o coletivo procurou apontar para uma reflexão política diante do seu posicionamento, dos rumos desta denuncia que prejudica a própria existência ou não do curso, sendo que também revela uma falta de compreensão sobre como viver em uma coletividade. O debate dentro dos núcleos se estendeu chegando a ocupar o tempo de diário de campo.

  15. 24/10 Quarta- feira - Aconteceu no Tempo estudo a avaliação do ato político e da gincana do domingo, tivemos aula com o educador Luiz Ricardo Leitão que trabalhou sobre sua obra o campo e a cidade na literatura brasileira, o mesmo apresentou uma forma dinâmica de trabalhar não linear, instigando e provocando os educandos a participarem do momento, utilizando-se do humor, a turma acompanhou a aula com a obra literária na mão, o educador acabou a aula as 16:10, pois tinha atividade junto SMEC do município, a turma nesse momento foi realizar a educação física com caminhada.

  16. 25/10 Quinta feira, iniciou o componente curricular Teoria pedagógica, que nesta etapa será trabalhada pelas educadoras Simone Valdete, Zita Possamai, Roseli Caldart na primeira parte da manhã apresentou o componente para turma, neste dia aconteceu o lançamento do livro “O campo e a cidade na literatura Brasileira” com o escritor Luiz Ricardo Leitão, a turma do Tac10 através de intervenções artísticas representando a cultura do povo brasileiro e declamações de trechos da literatura, encerrou-se a noite com um arrasta-pé e caipirinha.

  17. 26/10 Sexta Feira neste dia a turma continuou com a aula Teoria Pedagógica, a educadora demonstrava-se entusiasmada ao se referir a organização dos educandos, na noite demos continuidade ao componente e assistimos parte do filme “tempos modernos”, a partir das discussões e proposições em relação a postura adotada pela educanda Valéria os NB´s enviaram-nas para a CNBT a instancia encaminhou que esta elaborasse uma carta a UnB esclarecendo sua atitude uma vez comprovada em plenária de turma que não existiu descriminação as pessoas de MG, na reunião da coordenação da turma Valéria não concordou com a decisão tomada pelo coletivo e continuou a afirmar que houve sim discriminação, contrariando a posição dos educandos envolvidos.



6ª Semana –período 28/10 a 03/11





  1. Dia 28/10 -Durante os domingo os secretários/as dos NB´s, mais o posto de registro e memória da turma o coordenador Abrão Godóis, se reuniram para estudar e fazer acréscimos aos textos de registro e memória da turma ocuparam parte do dia em função dessa tarefa. Algumas pessoas que não tinham tarefas com o coletivo aproveitaram para cuidar de suas coisas pessoais, assistir aos filmes propostos pela equipe de cultura, estudar, ou ainda dormir e passear pela cidade.

  2. Dia 29/10- segunda feira, inicia-se a aula do componente pesquisa I que seria conduzido pela educadora Laís Mourão, porém esta realizou uma cirurgia recentemente, quem a substituiu foi o Educador Marcelo Andreatta, em sua aula foi discutido coletivamente o conceito de Pesquisa, no final da aula trinta educandos se retirou 30 minutos antes em função do recebimento do valor das bolsas, as demais pessoas leram individualmente o texto de Miguel Arroyo sobre a pesquisa nos MS.

  3. 30/10 O Educador Marcelo Andreatta continuou a sua aula sobre Pesquisa, onde realizamos um debate sobre como fazer uma pesquisa, ainda em cima do texto de Miguel Arroyo, e finalmente uma avaliação sobre o conteúdo. Ainda na manhã, tivemos a presença de Roseli Caldart, retorno da avaliação do Diário de Campo, algumas pessoas tiveram de se ausentar e comparecer ao banco para retirar o dinheiro da bolsa de estudo. Na discussão sobre as relações afetivas, foi apontado um caso que aconteceu com a companheira Elisiane, que teve envolvimento com o companheiro Dedé do NB Josué de Castro, a mesma estava deixando o filho kauê com outras companheiras para namorar, criando um mal estar no NB, que havia discutido sobre o tempo trabalho, onde ela estava se ausentando para cuidar do bebê.

  4. Dia 31/10 – Neste dia tivemos o componente curricular Escola do Campo I, com a Roseli. Foi encaminhado para a turma fazer em NB’s uma reflexão sobre o IEJC, na perspectiva do Instituto ser um objeto de pesquisa, e nessa primeira parte a seria de observação. A turma não entendeu a proposta e acabou fazendo uma avaliação sobre a etapa. Tivemos que retornar para os NB’s e fazer a reflexão de fato.




  1. As crianças que compuseram o coletivo da turma foram: kauê que trocou a noite pelo dia fazendo que a mulherada do quarto fizessem o mesmo, Kauani que adotou a política de cobrança de pedágio nas escadas e Aime depois do tempo no IEJC Não quer saber de comer outra coisa a não ser arroz, Alice tem como seu objeto de pesquisa a turma da LedoC sendo uma nata observadora durante nosso tempo aula, juntamente com seu colega Murilo, também de Maria Rita, que marcou presença com sua agitação dentro do ventre de sua mãe Leila Maria, e tivemos ainda a novidade da futura mamãe Rejane que veio confirmar sua gestação aqui na terra da longevidade!

  2. A música marcante da turma foi, Vitória do Trigo cantada inúmeras vezes no agradecimento dos educadores.

Questões a serem respondidas pelo NB:



  • Os sujeitos se reconhecem no texto? Por que?

  • Se não se reconhece o que precisa ser acrescentado?]

  • Quais os momentos que marcaram e movimentaram a turma no tempo escola e quais os aprendizados?



1 Texto elaborado em 01/11/2007 e alterado em....

2 A escolha dos nomes dos núcleos aconteceu no dia 25/09/07.






Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal