Inteligência emocional



Baixar 176.76 Kb.
Página2/2
Encontro20.01.2018
Tamanho176.76 Kb.
1   2

S - salvador

P - perseguidor


V - vítima
Salvador é o papel daquele jogador que se ocupa de dar soluções para os problemas dos outros. Ele está sempre protegendo e cuidando de alguém que faz o papel da vítima.
Perseguidor é o papel daquele jogador que está sempre acusando a vítima numa postura de quem sempre tem razão e sabe o que está certo ou errado.
Vítima é o papel daquela pessoa que se coloca na posição de prejudicada, merecedora de compreensão e ajuda. Ela sente um certo prazer em buscar atenções do salvador e ao mesmo tempo de acusar o perseguidor pelo seu sofrimento.

Exemplos de Jogos:



Jogos de Perseguidor

  1. Agora eu te peguei, seu F.D.P.

  2. Veja só o que você me fez fazer.

  3. Defeito.

  4. O meu é melhor que o seu.

  5. Cheque de goma.

  6. Tribunal.


Jogos de Salvador

  1. Eu só estava querendo ajudar

  2. Veja quanto eu me esforcei.

  3. Carregador de pedras.

  4. Mártir.


Jogos de Vítima

  1. Perna de pau.

  2. Desculpe.

  3. Estúpido.

  4. Querida.

  5. Por que isto sempre acontece comigo?


Outros jogos:

. Eu sou maravilhoso.

. Veja o que fizeste de mim.

. Você deve aceitar-me como eu sou.

. Alcoólatra.

. RAPO.
Todo jogo pode ser jogado em três níveis:

Primeiro grau – Não chega a causar grandes danos, apenas causando mal-estar.

Segundo grau – Chega a causar prejuízos medianos e em geral as pessoas não gostam de comentar a respeito.

Terceiro grau – Causa grandes danos, inclusive podendo chegar a separações, violências chegando a polícia

ou hospitais.


O jogo nunca acontece apenas com uma pessoa. É preciso mais de uma pessoa para jogar. O jogo terminará quando você para de fazer a sua jogada, pois ninguém joga sozinho. As vezes quando você se nega a jogar com uma pessoa, ela vai buscar um novo parceiro.
Parar de jogar completamente é impossível, pois somos normais. Mas é possível jogar menos, ou pelo menos jogar o jogo em um grau menor que não cause grandes prejuízos.
POSIÇÃO EXISTENCIAL
É a forma como cada um se vê e vê o mundo. É o acúmulo de juízos de valor ou conceitos de si mesmo e dos demais, adquiridos na infância, através de tomada de decisões imaturas e irreais, baseadas nas condições da criança para raciocinar e pensar objetivamente.
Toda pessoa tem uma forma predominante de se vê e vê o mundo e isso é primordial para os seus resultados obtidos.
Tipos:

  1. +/- eu sou superior a ...

  2. -/+ eu sou inferior a ...

  3. -/- tanto eu quanto o outro estamos por baixo ...

  4. +/+ tanto eu quanto o outro estamos (irrealisticamente) por cima

5 - +-/+- tanto eu quanto o outro as vezes estamos por cima e as vezes estamos por baixo. (única posição realista).



+/- eu sou superior ...
Nesta posição a pessoa se sente em um andar superior, como se realmente fosse superior às outras. Precisa sempre ter razão e se sente o dona da verdade. É comum você está conversando e uma pessoa desse tipo se intrometer na conversa discordando e dizendo o que acredita ser a verdade. Só ela sabe da verdade. Ela nunca admite estar errada.
Tal posição é muito nociva aos chefes que tendem a ser centralizadores e a colocar defeitos nas tarefas dos seus subordinados. Esta posição é muito comum entre os políticos, aliás, é a postura predominante em todos os partidos.

Quando o professor atua assim, ele tem dificuldade em admitir seus erros tendendo a olhar o aluno de cima para baixo.

Na relação casal um tende a se achar melhor que o outro dificultando o relacionamento.
Um jogador de futebol que atua nesta posição quer que a bola sempre esteja no pé dele, esquecendo que o time é formado de vários outros jogadores.

Entretanto esta é a posição que mais conduz as pessoas a atingir as maiores posições, pois nela apesar da pessoa ter uma visão deturpada do resto do mundo, tem uma visão positiva de si mesmo, o que facilita as coisas para si.


Postura:

  • arrogância, olhar de cima para baixo, peito inflado...

  • a culpa é sempre do outro, projeção em todos os relacionamentos ...

  • usa facilmente a raiva para se impor.

Mensagens infantis:



  • Meu filho é um retado

  • Está no sangue

  • Ela é a mais inteligente da família

Conseqüências na idade adulta:



  • agressão

  • isolamento

Frases comuns:



  • não se pode confiar em ninguém

  • se eu não fizer não sai certo

  • não posso tirar férias nem ficar doente senão isto aqui para

-/+ eu sou inferior a ...
Nesta posição a pessoa se sente inferior às outras, colocando-se sempre numa posição de desconforto comparando-se irrealisticamente de forma inferior. Não importam os talentos que tenha achando-se sempre abaixo de alguém. Isto serve para impedir o seu crescimento pessoal e profissional. Nada pode impedir de você se sentir abaixo de alguém se foi este o seu aprendizado infantil predominante.
A pessoa nesta posição acha que sempre tem alguém com mais chances para uma promoção ou para passar em um concurso. O homem que entra numa festa nesta posição, terá sempre dúvidas se a mulher bonita está realmente olhando pra ele. Enquanto que a mulher nesta posição ao ser observada tende a achar que tem algo errado com a sua aparência.
O jogador de futebol que atua nesta posição desiste de chutar a bola mesmo estando de frente para o gol, preferindo dar o passe. Às vezes parte para bater pênalti na certeza de que vai perde-lo.

Numa entrevista de seleção ele poderá apresentar insegurança e com isso perder a vaga, embora nada tenha a ver com seus talentos e suas competências.


Postura:

  • olhar para baixo demonstrando subserviência, coluna curvada ...

  • sentir-se culpado sem saber exatamente o porquê ...

  • usa o medo para não crescer

Mensagens infantis:



  • Saia daqui que isto é conversa de adulto

  • Vai brincar menino

  • Veja como fulano é melhor que você

Conseqüências na idade adulta:



  • não defender seu espaço

  • desqualificar-se e permitir ser desqualificado

  • ter medo de aparecer

Frases comuns:



  • nunca serei igual a fulano

  • eu não sou importante

  • para mim tudo é difícil

  • dou um azar ...



-/- tanto eu quanto o outro estamos por baixo
Nesta posição a pessoa tem uma visão negativa de todas as coisas, não conseguindo enxergar nada de bom no que lhe cerca. Naturalmente que isto contribui para não progredir profissionalmente e interfere negativamente em seus outros relacionamentos.
Esta pessoa costuma fazer comentários negativos sobre tudo que lhe é proposto, tendo uma vivência predominante do pessimismo. Dificulta a evolução da paquera e consequentemente do relacionamento. Tende a depressão.
O jogador de futebol que atua nesta posição nem arrisca bater o pênalti. Consegue encontrar desculpas inconscientes para evitar situações em que poderia ter algum crescimento. Por exemplo, desiste de se inscrever em um concurso dizendo saber ser tudo cartas marcadas.
Postura:

  • nihilista, vazia

  • ninguém vale nada, ninguém sabe nada, todos vamos morrer e virar bicho

  • vivência preferencial da tristeza

Mensagens infantis:



  • Meu filho, você nasceu de um acidente.

  • A vida não presta, ninguém é confiável. Você nem devia ter nascido.

  • Quando você crescer a vida vai estar ainda pior do que hoje.

Conseqüências na idade adulta:



  • isolamento

  • pensamento suicida (falta de vontade de viver)

  • fracasso profissional

Frases comuns:





+/+ tanto eu quanto o outro estamos por cima
Aqui se encontra aquela pessoa que tem olhos apenas para aquilo que é bom, com uma visão cor de rosa do mundo, deixando de reconhecer que a vida tem também coisas ruins. Sua visão é completamente alienada.
Nas indústrias podemos encontrá-lo sem usar os equipamentos de segurança e em seu lugar usar um colar no pescoço. No trânsito quando motoqueiros costumam colocar o capacete no braço achando que nunca algo de ruim poderá lhe acontecer.
A pessoa nesta posição tende a ser inconseqüente não progredindo profissionalmente. Como chefe assume uma posição de Laissez-faire. Na relação casal não assume responsabilidades e dificilmente mantém a relação.
A pessoa que vai fazer uma entrevista de seleção nesta posição provavelmente vai passar uma imagem de inconseqüência e irresponsabilidade.
Postura:

  • visão cor de rosa do mundo

  • desqualificação das coisas negativas

  • vivência reticente de uma falsa alegria

Mensagens infantis:



  • o mundo é bom e você é bom

  • o que você quiser papai/mamãe te dá

  • você pode conseguir tudo que quiser, o mundo é maravilhoso

Conseqüências na idade adulta:



  • crença de que pode tudo e por isto faz bobagens

  • distúrbios mentais



-+/-+ tanto eu quanto o outro as vezes estamos cima as vezes estamos por baixo.
Esta é a única posição adequada. Nela a pessoa percebe claramente que a vida é composta de coisas boas e coisas ruins e que o importante é fazer esta distinção.

As pessoas que atuam predominantemente nela, sabem que não sabem tudo e que ninguém é melhor que ninguém tendo uma visão realista e adequada do mundo. Sua tendência é ter sucesso em todos os seus relacionamentos.


Nenhuma pessoa trouxe da infância esta posição como predominante, exceto os grandes mestres. Entretanto ela pode e deve ser desenvolvida na idade adulta. Uma pessoa emocionalmente inteligente é aquela que passa mais tempo atuando nesta posição.
Nós vivemos as nossas 24 horas flutuando pelas cinco posições existenciais. Tendemos a ficar mais tempo naquela que trouxemos da infância como a principal. Entretanto podemos aprender a passar mais tempo nesta posição +-/+-. Isto é o que podemos chamar de maturidade emocional.
Postura:

  • adequada e realista.

  • bom uso do raciocínio lógico.

  • sensata e coerente.

Mensagens infantis:



  • Eu te aceito como você é.

  • Eu te amo incondicionalmente.

  • Todo nós erramos e acertamos.

Conseqüências na idade adulta:



  • noção clara de realidade.

  • auto qualificação.

  • sucesso.

Frases comuns:



  • o mundo é feito de coisas boas e coisas ruins

  • é preciso respeitar para ser respeitado

  • unidos seremos mais fortes.


Bibliografia:
GOLEMAN, Daniel. Inteligência Emocional, Rio de Janeiro, Objetiva, 1995.

GOLEMAN, Daniel. Trabalhando com a Inteligência Emocional, Rio de Janeiro, Objetiva, 1998.

STEINER, Claude & PERRY Paul, Educação Emocional, Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.

GOTTMAN, John & DECLAIRE, Joan, Inteligência Emocional e a Arte de Educar Nossos Filhos, Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.

DYER, Waine, W., Seus Pontos Fracos, Rio de Janeiro, Record, 1976.

COOPER, Robert & SAWAF, Ayman, Inteligência Emocional no Empresa, Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.

WEISINGER, Hendrie, Inteligência Emocional no Trabalho, Rio de Janeiro, Objetiva, 1997.

SANTOS, Jair, Educação Emocional, Salvador, Editado pela Faculdade Castro Alves, 2000.

KLEIN, Stefan. A Fórmula da Felicidade. 2a edição Rio de Janeiro, Editora Sextante. 2005.

DAMASIO, Antonio. Em Busca de Espinosa: Prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo, Companhia das Letras. 2004.

Outros livros indicados:
CARLSON, Richard, Não Faça Tempestade em Copo Dágua, Rio de Janeiro, Rocco, 1998.

SIMMONS, Steve & SIMMONS, John C. Avaliando a Inteligência Emocional, Rio de Janeiro, Record, 1999.







Compartilhe com seus amigos:
1   2


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal