Luiz felipe schervenski pereira



Baixar 1.34 Mb.
Página1/19
Encontro29.11.2017
Tamanho1.34 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19


- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA

NÍVEL DOUTORADO

LUIZ FELIPE SCHERVENSKI PEREIRA

DISCURSOS POLÍTICOS DO MINISTRO OSWALDO ARANHA E A DEFESA DO PAN- AMERICANISMO NO PERÍODO DO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES

(1938-1944)

SÃO LEOPOLDO/RS

2015

LUIZ FELIPE SCHERVENSKI PEREIRA

DISCURSOS POLÍTICOS DO MINISTRO OSWALDO ARANHA E A DEFESA DO PAN- AMERICANISMO NO PERÍODO DO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES

(1938-1944)
Tese apresentada à Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS, como registro parcial para obtenção do título de doutor em História.

Linha de pesquisa: Poder, Ideias e Instituições.


Orientador: Prof. Dr. Cláudio Pereira Elmir.

São Leopoldo/RS

2015

LUIZ FELIPE SCHERVENSKI PEREIRA



DISCURSOS POLÍTICOS DO MINISTRO OSWALDO ARANHA E A DEFESA DO PAN- AMERICANISMO NO PERÍODO DO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES

(1938-1944)

Tese apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre ou Doutor, pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS.

Aprovado em (dia) (mês) 2015.


BANCA EXAMINADORA

____________________________________________________

Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence

____________________________________________________

Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence

____________________________________________________

Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence

____________________________________________________

Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence

____________________________________________________

Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence

São Leopoldo/RS

2015

“A vida é uma obra de continua superação, e para isso, a liberdade é uma condição iniludível. A democracia é um imperativo da Civilização e da Cultura. O mundo melhora sem cessar e continuará a melhorar cada vez mais. A paz permanente surgirá como uma consequência dessa evolução material e moral do mundo. Todavia, reconheço que tal evolução poderá encontrar obstáculos e atrasos, crises em sua evolução”. Discurso de abertura da II Assembleia Geral das Nações Unidas, Nova York, em 16 de setembro de 1947. ARANHA, Oswaldo. 1894/1960 – discursos e conferências. Brasília: FUNAG, 1994, p. 93.



AGRADECIMENTOS

Inicialmente, gostaria de agradecer ao Prof. Claúdio Elmir Pereira, pelo aceite em orientar esta tese. Agradeço também aos professores e colegas do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Meu agradecimento se estende a todos os colegas de profissão da cidade de Alegrete.

Ao querido amigo Paulo de Tarso Pereira por ajudar a chegar a Porto Alegre.

Agradeço a minha esposa Simone Teixeira e aos meus filhos Raquel e Gabriel Pereira pela paciência e apoio nas horas difíceis. Agradeço também pelo pouso na capital e pelo apoio a minha irmã Ariete e ao meu cunhado Ricardo.

Por fim, ao alegretense, que legou sua trajetória ao Brasil, da qual me apoderei para fazer este trabalho.




RESUMO
Essa tese tem como objetivo a analisar os discursos do Ministro Oswaldo Aranha, e a sua defesa pela causa do Pan-americanismo, no período em que foi Ministro das Relações Exteriores do Brasil, durante o governo do Estado Novo, entre 1938 e 1944. Propomos analisar o tema do pan-americanismo em Oswaldo Aranha a partir dos seus discursos e conferências. Com isso, torna-se necessário ter pleno discernimento dos objetivos do Estado Novo no cenário nacional e internacional; torna-se importante o posicionamento assumido por Aranha na política interna e externa no período em que esteve à frente do Ministério das Relações Exteriores. Buscamos também contribuir para a compreensão da política externa durante o período em que Oswaldo Aranha foi Chanceler, quando as relações exteriores do Brasil com os Estados Unidos se tornaram prioridade e compreender também a linha mestra de sua política de relações exteriores para o Brasil: o pan-americanismo.
Palavras-chave: Oswaldo Aranha. Pan-americanismo. Estado Novo.

ABSTRACT
This thesis aims to analyze the speeches of the Minister Oswaldo Aranha, and his defense for the Pan-Americanism cause, in the period when he was Minister of Foreign Affairs of Brazil, during the government of the New State, between 1938 and 1944. We propose to analyze the subject of Pan Americanism in Oswaldo Aranha from his speeches and conferences. Thus, it becomes necessary to have full insight into the new state goals in the national and international scene; becomes important the position assumed by Aranha on domestic and foreign policy in the period that he was ehead the Ministry of Foreign Affairs. We also seek to contribute to the understanding of foreign policy during the period in which Oswaldo Aranha was Chancellor when foreign relations between Brazil and the United States became priority and also understand the guideline of his foreign affairs policy for Brazil: the pan -americanism.
Keywords: Oswaldo Aranha. Pan-Americanism. New State.

SUMÁRIO


1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS 9

2 INTRODUÇÃO 11

3 POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA: DA REPÚBLICA VELHA AO ESTADO NOVO 27

3.1 Política Externa Brasileira da República Velha 29

3.2 Política Externa Brasileira no Governo Provisório (1930-1934) e no Governo Constitucional (1934-1937) da Era Vargas 35

3.3 Política Externa Brasileira do Estado Novo (1937-1945) 38

3.4 Oswaldo Aranha: o Embaixador em Washington 44

3.5 Oswaldo Aranha Chanceler: da Nomeação à Posse 51

3.5.1 A Repercussão na Imprensa da Posse do Chanceler Oswaldo Aranha 51

3.5.2 Análise do Discurso de Posse do Chanceler Oswaldo Aranha 59

4 PAN-AMERICANISMO EM OSWALDO ARANHA 75

4.1 Oswaldo Aranha e a defesa do Pan-americanismo 75



Dando seguimento ao discurso Aranha lembra, a Guerra do Chaco (1932-1935) conflito entre Bolívia e Paraguai pela posse do Chaco Boreal, região que por muito tempo não recebeu atenção de nenhuma das duas repúblicas, mas que com a descoberta de recursos naturais, como o petróleo, passou a ser intensamente disputada, levando à guerra. O conflito trouxe risco de desestabilização na região. Argentina, Brasil, Uruguai, Peru e Chile tinham interesses políticos e comerciais na Bolívia e no Paraguai. Por esses motivos o Brasil manteve-se neutro no conflito e teve um papel importante nos acordos de paz. O Ministro das Relações Exteriores José Carlos de Macedo Soares (1934-1937), participou junto com os Ministros das Relações Exteriores da Argentina, Bolívia e Paraguai na longa negociação que pôs fim ao litígio do Chaco, com o “Tratado Definitivo da Paz, Amizade e Limites”, assinado em Buenos Aires. 107

4.2 As relações Brasil e Estados Unidos nos discursos do Chanceler Oswaldo Aranha 119

5 A CONFERÊNCIA DO RIO DE JANEIRO DE 1942 E A CONTRIBUIÇÃO DE OSWALDO ARANHA PARA A POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 149

5.1 III Reunião de Consulta dos Ministérios das Relações Exteriores das Repúblicas Americanas no Rio de Janeiro 149

5.2 A contribuição do Ministro Oswaldo Aranha para a política externa brasileira 174

6 CONCLUSÃO 190


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal