Materiais metálicos



Baixar 69.26 Kb.
Encontro25.02.2018
Tamanho69.26 Kb.

Hidráulica

Principio fundamental da hidráulica

A pressão exercida em um ponto qualquer de uma massa liquida se transmite integralmente e por igual em todas as direcções.


A pressão p é igual à força R a dividir pela área dada pelo diâmetro d,

Como a área de uma circunferência é igual a π vezes R ao quadrado, e como o diâmetro é igual a duas vezes o raio pode-se substituir R por d/2 assim vem:

π(d/2)2

Desenvolvendo o quadrado, vem que a área de uma circunferência em função do diâmetro é dada por: πd2/4,

Como a força é igual à pressão a dividir pela respectiva área vem que:

p = R /(πd2/4)

p = Q /(πD2/4)

Sabendo que p tem o mesmo valor nas duas equações podem-se igualar as duas equações assim vem:

R /(πd2/4) = Q /(πD2/4)

Resolvendo em função de Q vem:

Q = R (πD2/4)/(πd2/4)= R D2/ d2

A força Q que se obtêm na prensa é proporcional à relação existente entre o quadrado dos diâmetros dos pistões.


Fluído

Um fluído é uma substância que se deforma continuamente quando submetida a uma tensão de cisalhamento, não importando o quanto pequena possa ser essa tensão. Os fluídos são um subconjunto das fases da matéria. Os fluídos incluem os líquidos, gases, plasmas e, de certa maneira, sólidos plásticos

Os fluídos compartilham as propriedades de não resistir a deformação e a capacidade de fluir (também descrita como a habilidade de tomar a forma de seus recipientes). Estas propriedades são tipicamente em decorrência da sua incapacidade de suportar uma tensão de cisalhamento em equilíbrio estático. Enquanto em um sólido, a resistência é função da deformação, em um fluído a resistência é uma função da razão de deformação. Uma consequência deste comportamento é o Princípio de Pascal o qual caracteriza o importante papel da pressão na caracterização do estado fluído.

Fluídos podem ser classificados como:



Fluído Newtoniano; ou

Fluído Não Newtoniano

Conforme a tensão depende a deformação e da sua derivada. O comportamento dos fluídos é descrito por um conjunto de equações diferenciais parciais, incluindo as equações de Navier-Stokes

Os fluídos também são divididos em líquidos e gases. Líquidos formam uma superfície livre (isto é, uma superfície que não foi criada pelo seu frasco) enquanto os gases não.

A distinção entre sólidos é fluídos não é tão obvia quanto parece. A distinção é feita pela comparação da viscosidade da matéria: por exemplo Silly Putty pode ser considerado ou não um fluído, dependendo do período de tempo no qual ele é observado.

O estudo de um fluídos é feito pela mecânica dos fluídos a qual esta subdividida em dinâmica dos fluídos e estática dos fluídos dependendo se o fluído esta ou não em movimento.
Fluído newtoniano

Um fluído newtoniano é um fluído em que cada componente da velocidade é proporcional ao gradiente de velocidade na direcção normal a essa componente. A constante de proporcionalidade é a viscosidade.




Viscosidade

A viscosidade é a propriedade dos fluídos correspondente ao transporte microscópico de quantidade de movimento por difusão molecular. Ou seja, quanto maior a viscosidade, menor a velocidade em que o fluído se movimenta. Define-se pela lei de Newton da viscosidade:



.

Pressão laminar de um fluído entre duas placas. O atrito entre o fluído e a superfície móvel causa a torsão do fluído. A força necessária para essa acção é a medida da viscosidade do fluído.

Onde a constante μ é o coeficiente de viscosidade, viscosidade ou viscosidade dinâmica. Muitos fluídos, como a água ou a maioria dos gases, satisfazem os critérios de Newton e por isso são conhecidos como fluídos newtonianos. Os fluídos não newtonianos têm um comportamento mais complexo e não linear.

Viscosidade é a medida da resistência de um fluído à deformação causada por um torque. É normalmente percebida como a "grossura", ou resistência ao vazamento. Viscosidade descreve a resistência interna para fluir de um fluído e deve ser pensada como a medida do atrito do fluído. Assim, a água é "fina", tendo uma baixa viscosidade, enquanto óleo vegetal é "grosso", tendo uma alta viscosidade.


Viscosímetro de Engler

O viscosímetro de Engler e outros do género medem a viscosidade dos líquidos para uma dada temperatura com o tempo que demora certa quantidade a passar pela abertura.

Na Europa mede-se em graus Engler, excepto em Inglaterra onde se medem em segundos Redwood.

Nos EUA mede-se em segundos Sayblot.



Peso específico

O peso específico de um corpo é o seu peso por unidade de volume. Também é conhecido como densidade.

O peso específico da água é tomado como unidade de referência. 1kg/dm3; 10g/cm3; 1000kg/m3.

Nos óleos minerais a média do peso específico é 0,9kg/dm3, assim é normal estes flutuarem ao cimo da água, contudo há óleos com densidade superior à da água. Exemplo do BRAKE FLUID DOT 4 da Texaco.



Exemplos de fluídos para sistemas hidráulicos de automóveis

BRAKE FLUID DOT 4 (daTexaco- um dos importadores para Portugal é a Consistente Lda, tel 239811644)

É um líquido para freios e embraiagens. A sua composição sintética assegura um elevado ponto de ebulição para resistir ás elevadas temperaturas que se alcançam nos circuitos de freios dos modernos automóveis.

Não ataca as peças de borracha ou de matéria sintética e não corroem os componentes metálicos dos circuitos.

Recomenda-se para os circuitos de freio hidráulico de todos os veículos que requeiram um líquido de freios que cumpram as normas FMVSS116, DOT 3 e DOT 4.

Estas normas substituem as antigas normas J1703F, 70R3 e 70R1.

É miscivél com outros líquidos de freios que cumpram as normas DOT 3 e DOT 4.

Assegurar-se de fechar bem a embalagem depois da sua utilização (fluído higroscópico, absorve água do ar).

Não se recomenda nos sistemas hidropneumáticos de veículos Rolls Royce e Citroën

CARACTERISTICAS TIPICAS


Aparência

transparente

Densidade a 15ºC

ASTM D4052

kg/l

1.037




Viscosidade a 100ºC

ISO 3104

mm2/s

2.0

Ponto de ebulição

ºC

265

Ponto de ebulição húmido

ºC

>155

Corrosão, ensaio SAE

passa

Fluidez, 6 dias a -40ºC

passa



TEXAMATIC DEXRON II (Texaco)

É um óleo para transmissões automáticas formado com bases minerais refinadas de alta qualidade e aditivos especiais que lhe proporcionam excelentes propriedades anti-fricção e anti-desgaste, resistência à corrosão e estabilidade térmica e à oxidação.

Recomenda-se para a direcção assistida e transmissões automáticas de veículos de passageiros e camiões, veículos da indústria mineira e agricultura, sistemas hidráulicos em geral e aplicações industriais (ISO 46).

É homologado pelos seguintes fabricantes:

GM DEXRON II-D 21914 ; DAIMLER BENZ 236.5/236.7 ; VOITH G 607 (Diwa e Midimat) : ALLISON C-3/C-4 C4-11680289 ; RENK Doromat, MAN 339 D ; ZF TE-ML 03D; TE-ML 04D, TE-ML 11A; TE-ML 14A, TE-ML 17C ; ZF Lenksysteme TE-ML 09A

Está recomendado em aplicações: CATERPILLAR TO-2

CARACTERISTICAS TIPICAS


Cor

rojo

Densidade a 15ºC

ASTM D1298

kg/l

0.870

Viscosidade a 40ºC

ISO 3104

mm2/s

38

Viscosidade a 100ºC

ISO 3104

mm2/s

7.3

Índice de viscosidade

ISO 2909

158

Visc Brookfield -40ºC

ASTM D2983

mPa.s

38000

Ponto de fluidez

ISO 3016

ºC

-48

Ponto inflamação, COC

ISO 2592

ºC

202

Estado de carga FZG, a/8.3/90

DIN 51354

11


Fluxo laminar

Fluxo laminar é o tipo de fluxo onde existe um mínimo de agitação das várias camadas do fluído.

As diferentes secções do fluído se deslocam em planos paralelos, ou em círculos concêntricos coaxiais (tubo cilíndrico), sem se misturar. Um fluxo laminar é definido como um fluxo em que o vector velocidade é aproximadamente constante em cada ponto do fluído. Num fluxo laminar as linhas de corrente não se cruzam, tal como descrito pela figura.

Hidráulica aplicada a tubagens

Hidráulica aplicada a tubagens é o estudo da passagem de fluídos por tubulações forçadas. O escoamento está sujeito às rugosidades das paredes da tubagem que influi na vazão do fluído que o percorre. As equações de Colebrook-White e de Darcy-Weisbach visam avaliar a influência desta rugosidade.

Entende-se por conduto forçado aquele no qual o fluído escoa à plena secção e sob pressão. Muitas vezes os condutos de secção circular são chamados de tubos ou tubulações. Um conduto é dito uniforme quando a sua secção transversal não varia com o seu comprimento. Se a vazão do fluído em qualquer secção do conduto não variar com o tempo, o regime de escoamento é dito permanente.

A densidade dos líquidos, ao contrário do que se passa com os gases, varia muito pouco quando se varia a sua pressão ou temperatura. A título de exemplo, considerando que a água tem compressibilidade igual a 5.10-5 cm2 / Kgf, isto significa que em condições normais seria necessário um incremento de pressão de 20 Kgf / cm2 para que um litro de água se reduza de 1 cm3, ou seja, para que sua densidade aumente um milésimo. Por isto, do ponto de vista prático, a densidade da água e da maioria dos líquidos é independente da temperatura e da pressão.

Diante dessa reduzidíssima variação da densidade, nos escoamentos de líquidos em regime permanente considera-se que os mesmos se comportam como incompressíveis. Neste contexto se incluem querosene, gasolina, álcool, óleo diesel, água, vinho, leite e muitos outros, aos quais se aplicam os conceitos aqui comentados.

É conveniente ressaltar que um escoamento se classifica também como turbulento ou laminar. No escoamento laminar há um movimento disciplinado das partículas fluidas, seguindo trajectórias regulares, sendo que as trajectórias de duas partículas vizinhas não se cruzam. Já no escoamento turbulento a velocidade num dado ponto varia constantemente em grandeza e direcção, com trajectórias irregulares, e podendo uma mesma partícula ora localizar-se próxima do eixo do tubo, ora próxima da parede do tubo.

Em geral, o regime de escoamento na condução de líquidos no interior de tubulações é turbulento, excepto em situações especiais, tais como escoamento a baixíssimas vazões, como ocorre em bicos de rega de irrigação, onde o escoamento é laminar.

Sempre que um líquido escoa no interior de um tubo de um ponto para outro, haverá uma certa perda de energia denominada perda de pressão ou perda de carga. Esta perda de energia é devida ao atrito com as paredes do tubo e devida à viscosidade do líquido em escoamento. Quanto maior for a rugosidade da parede da tubulação, isto é, a altura das asperezas, maior será a turbulência do escoamento e, logo, maior será a perda de carga.

Já há cerca de dois séculos estudos e pesquisas vem sendo realizados, procurando estabelecer leis que possam reger as perdas de carga em condutos. Várias fórmulas empíricas foram estabelecidas no passado e algumas empregadas até com alguma confiança em diversas aplicações de engenharia, como as fórmulas de Hazen-Williams, de Manning e de Flamant. Mas, trabalhos de diversos investigadores tem mostrado que, em sua totalidade, são mais ou menos incorrectas. A incorrecção dessas fórmulas é tanto maior quanto mais amplo é o domínio de aplicação pretendido por seus autores.

Actualmente a expressão mais precisa e usada universalmente para análise de escoamento em tubos, que foi proposta em 1845, é a conhecida equação de Darcy-Weisbach:



onde:


hf = perda de carga ao longo do comprimento do tubo (mca)

f = factor de atrito (adimensional)

L = comprimento do duto

Q = vazão

D = dimensão característica (no caso de um tubo de secção circular, o seu diâmetro interno)

g = aceleração da gravidade local

π = 3,1415...

Mas somente em 1939, quase 100 anos depois, é que se estabeleceu definitivamente o factor de atrito f, através da equação de Colebrook-White:



onde:


f = factor de atrito (adimensional)

k = rugosidade equivalente da parede do duto

D = dimensão característica (no caso de um tubo de secção circular, o seu diâmetro interno)

Re = Número de Reynolds

Obviamente, trata-se de uma equação implícita, isto é, a variável f aparece nos dois membros da equação, de forma não ser possível explicitá-la. Mas isto não sugere que seja impossível resolver equações implícitas. Os métodos numéricos, embora aproximativos, são capazes de resolver equações implícitas com a precisão que se desejar. São métodos basicamente computacionais pois incorrem em operações matemáticas repetidas. Encontram, contudo, muita utilidade em hidráulica.

É o caso dos métodos iterativos, nos quais ordena-se adequadamente a equação, e arbitra-se um valor inicial qualquer para a variável procurada que está no seu segundo membro. Com o valor inicial já arbitrado, calcula-se um novo valor para esta mesma variável procurada, mas para a que está no primeiro membro. Se a diferença entre o valor inicial e o novo valor calculado estiver fora da precisão desejada, repete-se esta operação, porém colocando como valor inicial o novo valor calculado. Se a diferença aumentar diz-se que os valores estão divergindo, e se diminuir diz-se que os valores estão convergindo para a solução. O número de repetições, isto é, o número de iterações poderá ser pequeno ou não, dependendo do método a ser utilizado, e se sucederá até que a diferença seja suficientemente pequena ou compatível com a precisão desejada.

Um esquema básico de cálculo, passo-a-passo, seria algo do tipo:

Arbitra-se um valor inicial qualquer para a variável do segundo membro.

Calcula-se novo valor para a mesma variável que está no primeiro membro.

Compara-se a diferença entre o valor calculado e o valor inicial com a tolerância estabelecida.

Se maior, o novo valor passa a ser o valor inicial, e volta-se para o passo (2). Se menor passa-se para o passo (5).

O corrente valor da variável é o valor procurado.

Métodos iterativos como o de Newton são muito potentes e convergem muito rapidamente, podendo alcançar resultados altamente precisos com três ou quatro iterações.

Na prática, em termos específicos, a análise do escoamento em tubos basicamente envolve três grandezas a se calcular:

a) o diâmetro

b) a velocidade

c) a perda de carga

Estas são em síntese, as três variáveis principais envolvidas no cálculo hidráulico, pois as demais (material do tubo, tipo de líquido, temperatura, etc), são especificadas pelo projecto. Por qualquer método que viermos a empregar, para se determinar qualquer uma dessas três variáveis, as duas demais deverão ser conhecidas ou estimadas.

Em que pese a técnica iterativa associada à precisão das equações dar um pouco de velocidade ao cálculo, contudo permanece o mesmo sendo realizado manualmente, o que não deixa de ser cansativo, enfadonho e sujeito a erros. Com o uso de algoritmos, a resolução torna-se simples, fácil, automática e rápida. Entretanto, devem ser observados os erros recorrentes de qualquer método computacional devido aos erros inerentes às operações matemáticas usando números com várias casas decimais em computadores.
Golpe de aríete

Chama-se golpe de aríete, o aumento súbito da pressão que aparece numa canalização quando o liquido que lá circula pára bruscamente. A energia cinética transforma-se em onda de pressão. Não se devem fechar bruscamente a circulação dos fluidos para que não surja o golpe de aríete.




Mário Loureiro


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal