Mercosul/gmc/res



Baixar 33.04 Kb.
Encontro05.12.2017
Tamanho33.04 Kb.

MERCOSUL/GMC/RES. Nº 28/94

FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS

TENDO EM VISTA: o Art. 13 do Tratado de Assunção, o Art. 10 da Decisão Nº 4/91 do Conselho do Mercado Comum, as Resoluções Nº 9/91 e Nº 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação Nº 2/94 do Subgrupo de Trabalho Nº 3, "Normas Técnicas".


CONSIDERANDO

Que os veículos devem cumprir uma série de requisitos técnicos em virtude das respectivas legislações nacionais, entre eles os correspondentes a FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS.


Que tais requisitos diferem de um Estado Parte para outro, o que pode criar obstáculos técnicos ao intercâmbio comercial e à livre circulação de veículos, e que poderiam ser eliminados através da adoção dos mesmos requisitos técnicos por todos os Estados Partes, seja como complemento ou substituição de sua legislação atual.
Que é necessário unificar os métodos de ensaio anteriormente adotados com relação a FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS.
Que para tal fim, os Estados Partes acordaram adequar suas legislações, de modo a possibilitar o livre intercâmbio de veículos e de suas partes e peças.

O GRUPO MERCADO COMUM

RESOLVE:
Art. 1 - Os Estados Partes não poderão limitar nem proibir a livre circulação, homologação, certificação, venda, importação, comercialização, matrícula ou o uso dos veículos que cumpram os requisitos estabelecidos no Regulamento Harmonizado "FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS" que consta como Anexo à presente Resolução, por motivos relacionados com os aspectos técnicos harmonizados no próprio regulamento.
Art. 2 - Elimina-se o ponto 3.3. do Anexo I da Resolução Nº 9/91 do GMC.
Art. 3 - A presente Resolução entrará em vigor a partir de 31 de dezembro de 1994.
Art. 4 - Os Estados Partes colocarão em vigência as disposições legislativas, regulamentares e administrativas necessárias para dar cumprimento à presente Resolução através dos seguintes organismos:
Argentina

Secretaría de Transporte

Secretaría de Industria
Brasil

Ministério da Justiça

Secretaria de Trânsito, Departamento Nacional de Trânsito
Paraguai

Ministerio de Obras Públicas y Comunicaciones

Viceministerio de Transporte
Uruguai

Ministerio de Transporte y Obras Públicas

Ministerio de Industria y Energía

XIV GMC, Buenos Aires, 3/VIII/1994.

ANEXO
REGULAMENTO HARMONIZADO
FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS


  1. Objetivo. Estabelecer requisitos para fechaduras e dobradiças de portas laterais a fim de reduzir as possibilidades de que os passageiros sejam expelidos do veículo.




  1. Aplicação. Este documento aplica-se a fechaduras e dobradiças de portas laterais de veículos das categorias M1 e N1: automóveis e caminhonetes de uso misto derivadas de automóveis, utilizados para a entrada ou saída dos ocupantes.




  1. Definições. Para os fins deste documento, devem ser consideradas:

“Portas”, aquelas com dobradiças cujos pernos estão basicamente na posição vertical.


“Força longitudinal”, aquela cuja direção é fundamentalmente paralela ao eixo longitudinal do veículo.
Força transversal, aquela cuja direção é fundamentalmente paralela ao eixo transversal do veículo.


  1. Requisitos.




    1. Requisitos gerais




      1. As fechaduras e dobradiças devem ser projetadas, construídas e montadas de modo tal que, nas condições normais de utilização do veículo, possam satisfazer as prescrições deste documento.

      2. Cada fechadura deverá ter uma posição intermediária de fechamento e uma posição de fechamento total.

      3. Cada fechadura deve esta equipada com uma tranca que, ao ser acionada, deve deixar desativados pelo menos os elementos externos que acionam a porta.




    1. Requisitos para as fechaduras




      1. Força longitudinal

O conjunto de fechadura e tranca deve ser capaz de resistir a uma força longitudinal de 453 kg na posição intermediária de fechamento e de 1.134 kg quando totalmente trancado, de acordo com o documento "Método de ensaio de fechaduras e dobradiças de portas laterais".

      1. Força transversal

O conjunto de fechadura e tranca deve ser capaz de resistir a uma força transversal de 453 kg na posição intermediária de fechamento e de 907 kg quando totalmente fechado, de acordo ao documento "Método de ensaio de fechaduras e dobradiças de portas laterais".

      1. Resistência aos efeitos da inércia.

A fechadura não deve sair da posição de fechamento total quando for aplicada uma aceleração longitudinal ou transversal de 30 g, em ambos os sentidos sobre a fechadura e seu mecanismo de acionamento, de acordo com o documento "Método de ensaio de fechaduras e dobradiças de portas laterais".


    1. Requisitos para dobradiças

Cada conjunto de dobradiças deve ser capaz de sustentar a porta e de resistir a uma força longitudinal de 1.134 kg, assim como a uma força transversal de 907 kg, em ambos os sentidos, de acordo com o documento "Método de ensaio de fechaduras e dobradiças de portas laterais".



MÉTODO DE ENSAIO DE FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS
DISPOSITIVO, MÉTODOS E EQUIPAMENTO PARA ENSAIO ESTÁTICO.


    1. Dispositivos.




      1. Fechaduras




        1. Os ensaios devem ser efetuados com a utilização de dispositivos rígidos que reproduzam a montagem (1) no veículo dos dois elementos da fechadura: a própria fechadura e sua tranca.

        2. A força descrita será aplicada ao dispositivo citado de forma tal que não gere momentos de flexão sobre a fechadura. Ademais será aplicada uma carga (2) estática transversal adicional de 90,7 kg dirigida a separar a fechadura de sua tranca na direção da abertura da porta.

        3. As figuras 1 e 2 mostram uma ilustração da seqüência de ensaio.




      1. Dobradiças




        1. Os ensaios devem ser efetuados com a utilização de dispositivos rígidos que reproduzam as condições geométricas de montagem no veículo de uma porta completamente fechada.

(3) 1.1.2.2. Será aplicada no citado dispositivo, no ponto médio entre as dobradiças.

(4) (5) 1.1.2.2.1. A força longitudinal indicada, perpendicular ao eixo dos pernos das dobradiças e situada sobre o plano que passa por esse eixo.

1.1.2.2.2. A força transversal indicada, perpendicular ao plano definido pela força longitudinal e ao eixo dos pernos das dobradiças e situada sobre o plano que passa por esse eixo.


        1. Para cada ensaio, deverá ser utilizado um novo conjunto de dobradiças.

        2. A figura 3 mostra uma ilustração da seqüência de ensaio.




    1. Método e equipamento de ensaio

Os dispositivos mencionados nos itens 1.1.1. e 1.1.2 deste documento serão montados em uma máquina de ensaio de tração, de capacidade mínima de 1.500 kg. As forças serão aplicadas de maneira contínua e progressivamente com uma velocidade de translação não superior a 5 mm/min até que sejam atingidos os valores prescritos.




  1. Método para determinar a resistência das fechaduras às acelerações (efeito de inércia).




    1. A resistência à abertura em ambas as direções será determinada por ensaio dinâmico ou analiticamente (ver figura 4), salvo a aceleração de inércia longitudinal e transversal de 30 g, aplicada em ambos os casos, sobre o comando de abertura na direção de acionamento, sem considerar:

2.1.1. As forças de fricção.



      1. Os componentes de aceleração de gravidade, cujo objetivo é conservar a fechadura na posição fechada.

      2. Os dispositivos de tranca da fechadura não devem estar acionados, nem devem ser levados em consideração.

Dado: Um sistema de fechadura de porta lateral submetido a uma desaceleração de 30 g.


F=M.a= P/g. a= P/g .30g= 30P
F1= 30 P1 - Força média da mola do botão

= 30 x 0,16 - 0,454 = 0,026 kg

F2 = 30 P2 = 30 x 0,023 = 0,690 kg
F3 = 30P3/g = 30x 0,012/g = 0,180kg

Mo = F1 d1 + F2 d2 + F3 d3 = 0,026 x 31,5 + 0,690 x 10,67 = 7,312 mm kg


F5= Mo/d4 = 7.312 / 31,5 = 0,232kg
F6 = 30 P4 = 30 x 0,042 = 1,260 kg
MR = Momento da mola de articulação R =
= (F5 d5 + F6 d6) = 45,626 –

(0,232 x 37,59 + 1,260 x 1,90) =


= 45,620 -11,114 = 34,506 mm kg.


  1. Métodos equivalentes de ensaio

Admitem-se métodos de ensaios não destrutivos equivalentes, desde que os resultados descritos nos itens 1.2. e 2 deste documento sejam cumpridos, quer integralmente pelo ensaio de substituição, quer por cálculo baseado nos resultados do ensaio de substituição.


Caso seja utilizado um método diferente ao descrito nos itens 1.2. e 2, sua equivalência deve ser comprovada.


FIGURA 1






FIGURA 2







FIGURA 3




A) Força Transversal

B) Força Longitudinal

FIGURA 4


Exemplo de cálculo analítico


FECHADURAS E DOBRADIÇAS DE PORTAS LATERAIS
FÉ DE ERRATAS (Versão em espanhol)
Onde se lê: Leia-se:

(1) traba TOPE (TRANCA)

(2) traba TOPE (TRANCA)

(3) O citado dispositivo será aplicado No citado dispositivo será aplicada,

(4) A força longitudinal indicada A força longitudinal indicada em 4.2.1

(5) Das dobradiças é situada Das dobradiças e situada

(6) Força transversal indicada Força transversal indicada em 4.2.2.

(7) Dobradiças, é situada Das dobradiças, e situada



(8) Salvo a aceleração Sobre uma aceleração

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal