Meus pais. I know he is a son of a bitch



Baixar 1.65 Mb.
Página1/17
Encontro04.02.2018
Tamanho1.65 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17

Márcio Souza

Mad Maria


Círculo do Livro
Edição integral
Copyright © 1980 de Márcio Souza

Para Jamacy e América,

meus pais.

"I know he is a son of a bitch.

But he is our son of a bitch."
Harry S. Truman.
Livro I

Ocidente Express

Quase tudo neste livro bem podia ter acontecido como vai descrito. No que se refere à construção da ferrovia há muito de verdadeiro. Quanto à política das altas esferas, tam­bém. E aquilo que o leitor julgar familiar, não estará enganado, o capitalismo não tem vergonha de se repetir.

Mas este livro não passa de um romance.

Preste atenção:

Finnegan não sabia que os escorpiões começavam a apare­cer no começo do verão.

E o que era o verão naquela terra, afinal?

Pelo que Finnegan podia notar, o verão era quando as chuvas caíam rápidas e os malditos escorpiões apareciam no chão da barraca, por entre os lençóis e cobertas dos catres, escondidos nas botinas e desafiantes com as suas pinças e cau­das levantadas, estáticos, como pequenas escavadeiras mecâ­nicas.

Era o primeiro verão que Finnegan estava passando ali e começava a aprender sozinho a lidar com os escorpiões. Nin­guém tinha lhe falado de escorpiões. Mas ele não podia se queixar, uma lista de horrores tão extensa que dificilmente um homem poderia levar a sério lhe servira de apresentação àquela terra.

Finnegan sabia que mesmo os horrores precisavam ser comedidos para ganharem credibilidade, mas para aquela terra a imaginação humana parecia ter destinado um conjunto tão vasto de perigos e ameaças, que ele tinha tomado isto como sinal de que algum tipo de mistério estava sendo escondido por esta espécie de cortina de exageros.

Duas semanas, não mais que isto, foram suficientes para provar que ali não havia nenhum mistério e que a lista estava incompleta. É que Finnegan cultivara um sentido de comedimento quanto a horrores, próprio para um médico, mas que não se encaixava na perspectiva dos rigores que estava presen­ciando. O que tinha até então sido horror para Finnegan, ali não passava de uma tímida e ligeira calamidade quase indolor. A capacidade de suceder horrores parecia inesgotável, como os escorpiões. As tragédias irrompiam e naqueles primeiros dias ganhavam um sentido inescrutável. O bom rapaz que ele era, abismava-se com a capacidade dos homens em suportarem os piores extremos. E o mais grave, de buscarem deliberada-mente estes extremos e fingir, passar por cima, morrerem aos gritos, permanecerem indiferentes e taciturnos frente a desgra­ça do vizinho.

Coisas da vida.

Finnegan não sabia se algum dia seria capaz de alcançar esta indiferença taciturna, teimosa, fruto da insolência da mi­séria, diferente do espírito da aventura que ele julgara ser o móvel principal de todos os que chegavam até ali.

E as tragédias nem eram mesmo trágicas, eram casualidades, acidentes de trabalho, infortúnios congelados na cadeia do prosaico.

Naquela manhã, Finnegan já tinha esmagado alguns escor­piões. Sentia-se fisicamente bem, levantara da cama e sacudira vigorosamente as botinas antes de calçar, de onde invariavel­mente caíam um ou dois daqueles repelentes visitantes. As carcaças destroçadas estavam no piso de madeira da barraca e logo seriam carregadas por um batalhão de atarefadas formigas vermelhas, pequenas, e que também faziam parte do interminá­vel elenco de pragas naturais que gravitavam em torno da praga maior, a praga humana. Na verdade, Finnegan ainda estava in­seguro para avançar qualquer juízo definitivo sobre tudo. Era um rapaz esperto mas sem nenhuma experiência. Seus pensa­mentos ainda estavam verdes e não sabia se tinha sido realmente trouxa em aceitar o trabalho ali.

O rapaz olhou para fora, as vidraças da janela estavam tão imundas que não permitiam ver o movimento dos trabalha­dores que ruidosamente começavam a agir mal o sol aparecia. As vidraças permitiam à luz forte invadir o interior da barraca e nada mais. O calor ainda não havia se instalado. Todas as manhãs o calor era obrigado a lutar contra uma umidade que se entranhava fortemente em todas as coisas, que às vezes congela­va os ossos na madrugada, machucava as articulações do corpo como as pancadas machucariam um lutador desastrado. Mesmo sabendo que o calor acabaria vencendo, Finnegan estava intei­ramente vestido, parecia não se importar com o ambiente de sauna doentia que predominaria em sua rotina diária, entre as onze da manhã até as três da tarde. Vestia o uniforme completo porque era este o seu regulamento pessoal. Acima dos horrores, estava a eficiência profissional, a única arma que encontrara até então para suportar os mistérios que não existiam.

Olhou para o interior da barraca, a luz não deixava nenhu­ma parte do ambiente na penumbra, era inacreditável aquela luz. Seus auxiliares já estavam fora, percorrendo as frentes de trabalho. A barraca estava praticamente vazia mas não ficaria assim por muito tempo, ele sabia. Logo outros viriam se juntar ao negro barbadiano, inteiramente debilitado, respiração fraca, queimando de febre, que estava agonizando desde a tarde an­terior.

A barraca era a enfermaria do grupo de construção da passagem do Abunã. Finnegan viu o negro mover um dos bra­ços e se aproximou. O homem tinha os olhos bem abertos, eram escuros e não refletiam nenhum brilho. O barbadiano murmu­rava alguma coisa que Finnegan aprovou com a cabeça, como se tivesse compreendido a agonia que o homem estava passan­do. Os dedos ásperos do moribundo seguraram a manga de sua camisa, ele entendeu e procurou colocar o ouvido próximo da boca do homem. Não custava nada ouvir o que o barbadiano queria dizer, talvez ainda continuasse delirando se a febre não tivesse baixado durante a noite.

— Estou morrendo, doutor? — perguntou o homem. Finnegan colocou a mão no pulso dele, sentindo a febre, embora o gesto também fosse de solidariedade. Ficou calado olhando o homem murmurar a mesma pergunta.

— Então eu estou mesmo no fim, doutor? — concluiu o homem por si próprio, já que não conseguia arrancar nenhuma palavra do médico. — O senhor também caiu na armadilha — disse o moribundo sentindo o corpo inteiro tremer de frio. — O senhor também caiu na armadilha.


Como que ao som das Doze variações em fá maior sobre 'Ein Mädchen oder Weibchen' da ópera 'A flauta mágica' de Mozart, por Beethoven, concerto para violoncelo e piano, um turbilhão de água precipita-se sobre as pedras crispadas no salto principal da cachoeira do Ribeirão.

O sol está fortíssimo e milhões de gotas de vapor com­põem irisações e um fino arco-íris. Uma grande balsa está sendo puxada cachoeira acima, atada por grossas cordas. A balsa dança ao ritmo demoníaco das águas furiosas. Um luzidio piano de cauda, negro, coruscando ao sol, está amarrado à balsa.

Os homens, quase todos índios, procuram vencer a força da correnteza e arrastam as cordas, de cada margem, com uma ansiedade desesperada. Mas a força humana pouco representa perante a correnteza que desce em velocidade fantástica. O único homem branco, Alonso Campero, está gritando e corren­do, saltando as lajes de pedra, estimulando os índios.

Com o mesmo nervosismo, sua mulher, Consuelo, acompa­nha Alonso correndo pelas lajes de pedra. Consuelo não grita porque está inteiramente ocupada com as suas orações, já invo­cou todos os santos do céu, já fez tantas promessas que, se o piano conseguir atravessar a salvo as corredeiras, ela gastará o resto de sua vida pagando promessas. E o mesmo fervor que dedica para conseguir uma ajuda milagrosa do céu, ela concentra no piano sobre a balsa.

Os índios fazem o que é possível mas ela sabe que é pre­ciso muito mais, a violência das águas é maior do que qualquer esforço e exige realmente milagres para ser vencida. Por isto, Consuelo reza, sem parar, correndo atrás do marido, o coração disparando a cada imprevisto, uma blasfêmia escapando por entre as orações quando algum índio se descuida e quase põe tudo a perder.

Alonso não estava no seu ambiente e isto o deixava mais ansioso e apressado. O nervosismo não era apenas pelo fato de ter jogado praticamente todo o seu dinheiro naquele piano, afinal, ainda tinha a sua pequena loja em Sucre que vendia partituras musicais, instrumentos para bandas e um vasto supri­mento para os inumeráveis instrumentos de cordas da cidade. Estava nervoso porque era o quarto piano de cauda importado da Alemanha, para satisfazer um sonho da esposa, e que não podia seguir o destino dos três primeiros, todos perdidos em uma das dezenove corredeiras letais do Madeira.

O investimento era alto, representava anos de economia, mas o pior era ver sua mulher mais uma vez frustrada, chorosa, a beleza apagada porque ela tinha o temperamento infantil capaz de se ferir profundamente com sonhos não realizados. Como filho único de uma família de espanhóis, ele sabia o preço de um sonho desfeito.

Alonso era um homem alto, os cabelos finos e escuros, rosto comprido e bem proporcionado, queixo bem desenhado guardando uma boca de lábios grossos que o bigode espesso imprimia delicadeza e sensualidade. O corpo atlético possuía um tórax musculoso, braços e pernas fortes, mas tudo dissimu­lado pela altura. A sensualidade era adequada e os olhos azuis aguados lhe davam um tom romântico que nunca falhava ao contato com suas freguesas de partituras. Por isso, nenhuma mulher lhe desdenhava uma sugestão, mesmo a mais lacônica, o que o deixava orgulhoso, embora ele fosse inocente quanto ao seu magnetismo viril e acreditasse que o invariável sucesso na venda de partituras se devia ao conhecimento que ele tinha de música.

Somente Consuelo sabia do poder magnético do marido, ela mesma caíra sob o fascínio dele, primeiro sem suspeitar do que realmente aquele moço sempre alegre era capaz e de como ela mostrava-se cada vez mais íntima com ele, todas as vezes que procurava a loja em busca das últimas partituras, das músi­cas da moda e das lições de piano mais recentes.

Alonso estava cuidando sozinho da loja desde que perdera os pais e parecia feliz com aquele trabalho calmo e especializado que lhe colocava em contato com dois mundos diversos e curio­sos. Para as senhoras e senhoritas da sociedade culta de Sucre, a Casa Santa Cecília representava um ponto de afirmação de seus dotes espirituais, pois ali encontravam impressas as notas de Chopin, Mozart, Beethoven e outros mestres, para o deleite de certas noites especiais, reuniões um pouco enfadonhas mas onde elas externavam talentos não exatamente culinários e assim participavam da vida cultural, atividade de homens. Com este lado da sociedade de Sucre, Alonso derramava o seu ro­mantismo e suas freguesas, observadas pelos seus olhares, saíam com braçadas de pautas, deixando o rico dinheirinho. Mas havia também um outro mundo, o das bandas de música do interior e dos violinistas e bandolineiros, gente mais aberta, alegre, debochada, que entrava na loja sempre no final do expediente e comprava pouco, partituras de dobrados, encordoamentos, palhetas, cravelhas, miudezas que financeiramente não pesavam pela quantidade mas pelo contato com uma outra fauna da ci­dade, a dos boêmios, dos cabarés, bares e coretos de domingo.

Para este lado, Alonso pouco dava de si, gostava de receber, perguntar, preencher a sua curiosidade de moço solitário que também sonhava, gostava de beber e da companhia de mulheres compreensivas.

Fora deste ambiente, Alonso estava muito nervoso, gritava com a sua voz forte, estimulando os índios, sem tirar os olhos dó piano.


Tudo o que lhe vinha na cabeça, sempre, era esta sensação de estar deslocado no tempo. No período devoniano devia ser assim. E, quem sabe, também no período cambriano. Collier sentia-se na pré-história do mundo.

A bruma é forte, nada se define bem. O frio matinal se dissipa em orvalho morno. Um corpo suado, metálico, mas de um metal escuro, misturando-se por entre formas esverdeadas, vegetais, avança resfolegando como um dinossauro, ou um estegossauro, ou um brontossauro. Há, também, brilhos repen­tinos de metal cromado, a bruma aumenta em intervalos com­passados, é como uma respiração monstruosa, antediluviana, uma respiração num inverno rigoroso, embora o calor seja forte. Os insetos fazem ruído e há uma fricção de metal contra metal. A bruma é escaldante.

Collier ouve um resfolegar vigoroso, quase um áspero silvo de serpente. A bruma não lhe é familiar, o silvo de serpente é que o tranqüiliza. Mas a bruma domina tudo e complementa-se e mistura-se no vapor do monstro que avança lentamente, quase sem sair do lugar, arrastando o seu enorme peso com indolência t cautela. Por entre a bruma há uma atividade febril de animais menores. São apenas mamíferos, pensa Collier, estão Ativos como sempre àquela hora da manhã, mas é praticamente impossível definir a ação deles. A bruma e o vapor transformam tudo numa ilustração de paisagem pré-histórica, isto todos os dias. São vagas formas que se movem por entre folhas de curio­sos recortes e ela está, também, na bruma, dentro dela. Mar­cando as formas vagas que se movem, estão pontos de luz ama­rela. Parecem vaga-lumes volteando em irritante lentidão.

A bruma adensa conforme aproxima-se do chão. A coisa suada respira vapor e avança penosamente, rilhando. Estamos no rio Abunã, numa manhã qualquer, em 1911, no verão.

No período cambriano devia ser assim.

Collier estava enfrentando os piores momentos de um trabalho tecnicamente simples. Mas são trinta milhas de pântanos e terrenos alagadiços. Os homens estão passando por condições de trabalho jamais imaginadas. Muitos morrerão, porque o tra­balho é duro, porque nunca estarão suficientemente adaptados para enfrentar terreno tão adverso. Collier gostaria de estar longe de tudo aquilo, não precisava mais se expor daquela maneira. Ele sabia que poderia adoecer, e quem caísse doente no Abunã estaria condenado. As condições de trabalho não eram o forte daquele projeto maluco.

Collier pode ver um grupo de nove barbadianos carregan­do um trilho. O dia começa agora a clarear e logo o sol estará forte e o céu sem nuvens.

Os barbadianos já estão bastante suados, as peles negras brilham e eles vão chapinhando na água que lhes atinge os joe­lhos. Collier tem ali sob as suas ordens cento e cinqüenta homens. O objetivo é atravessar os pantanais do rio Abunã com uma ferrovia, o que não parece difícil. Os barbadianos estão carregando o trilho na direção do sítio onde outros tra­balhadores estão abrindo valas com picaretas e pás.

Collier sente sede e seus braços estão cheios de calombos. Quando ele passa a mão sobre a pele do braço, é como se experimentasse a pele grossa de algum sáurio. Os braços do engenheiro Collier foram cruelmente mordidos pelos mosquitos. Tudo porque esqueceu de vestir uma camisa de mangas com­pridas. Ele tinha sido obrigado a entrar vinte metros na mata virgem e foi imediatamente sugado e ferrado pelos insetos. Seu cotovelo direito virou uma maçã mole e sangrenta, o seu coto­velo esquerdo virou uma cereja madura.

O sol agora arde sobre a pele negra dos trabalhadores barbadianos, mas eles procuram ficar protegidos, vestem roupas fechadas e calças compridas, embora este não pareça o traje adequado para trabalhar a trinta e dois graus centígrados. A viga metálica do trilho brilha à luz do sol.

Collier está com sede e tem uma pontada de dor de cabe­ça, seu maior temor é de ficar doente no Abunã, mas ninguém sabe que ele tem medo, é um homem seco, fechado, quase sempre ríspido. Dentre as suas atribuições, ele chefia os cento e cinqüenta trabalhadores, quarenta alemães turbulentos, vinte espanhóis cretinos, quarenta barbadianos idiotas, trinta chineses imbecis, além de portugueses, italianos e outras nacionalidades exóticas, mais alguns poucos brasileiros, todos estúpidos. Os mais graduados, embora minoritários, são norte-americanos. Os mandachuvas são norte-americanos e aquele é um projeto norte-americano. Mas Collier é cidadão inglês, um velho e obstinado engenheiro inglês. Todos os homens que se relacionam direta­mente com o engenheiro são norte-americanos, como o jovem médico, o maquinista, o foguista, os mecânicos, topógrafos, cozinheiros e enfermeiros. Collier era o responsável por todos eles, mas só quanto ao aproveitamento de cada homem no bom andamento da obra, quanto ao resto, cada um cuida de seu pescoço. O engenheiro está com sede e muito medo de ficar doente, está preocupado com o seu próprio pescoço.

Os chineses trabalham no desmatamento, vão avançando pela floresta. Os alemães cuidam do serviço de destocamento e da terraplenagem. Os barbadianos estão no serviço de colo­cação do leito ferroviário. Os espanhóis, egressos do sistema repressivo colonial em Cuba, fazem as vezes de capatazes e compõem a guarda de segurança. Cada homem tem o seu traba­lho definido e a jornada é de onze horas por dia, com direito a um intervalo para o almoço. Mas o aspecto de cada homem é igual, independente de sua nacionalidade. Todos estão igual­mente maltrapilhos, abatidos, esqueléticos, decrépitos como condenados de um campo de trabalhos forçados.

Logo à frente de Collier vem caminhando um trabalhador barbadiano. É um homem alto e magro, olha para o céu e limpa o suor que poreja em sua pele. Os barbadianos possuem feições muito especiais, mas este carrega uma máscara purulenta. Ele tem os lábios e parte do rosto tomados por uma micose que o deforma de maneira repugnante. Ele agora está olhando respeitosamente para Collier. O engenheiro conhece ele de lon­ga data, é um bom trabalhador, um homem que tem respeito, uma grande indiferença respeitosa por tudo que o cerca, in­cluindo Collier. A micose fica irritada com o calor e costuma provocar coceiras torturantes. Por isto o trabalhador coca desesperadamente até começar a sangrar.

Não é um quadro agradável ver um homem esvaindo-se em sangue e suor, ou coçando-se furiosamente com lâminas de facas afiadas ou espinhos do mato. Não é nada agradável a visão do campo de trabalho ali no Abunã. E foi ali que o engenheiro Collier foi se meter.

A locomotiva avança lentamente, soltando fumaça. É uma bela máquina, como um animal do período jurássico. Na fímbria da floresta, grandes árvores cretáceas, insetos silurianos, borboletas oligocênicas, formigas pliocênicas, juntam-se.

A vida fervilha de maneira promíscua e os homens enlou­quecem naquele cenário cenozóico.


Como as formigas que subiam e desciam pelos galhos da árvore, ele estava ali mas se sentia invisível. Os civilizados nem pareciam se aperceber de sua presença. Ele estava confuso, so­zinho, faminto; o pior era esta fome que não parecia querer passar. Dormia pouco e não se afastava dos civilizados, estava sempre por perto, não compreendia nada daquele trabalho que estavam fazendo com tanto desespero. É que, embora estivesse sempre por perto, não fazia parte daquele mundo que agora estava invadindo as terras que pertenceram ao seu povo nos tempos dos antigos costumes e que os velhos falavam com emoção.

Os velhos estavam mortos e as mulheres tinham se muda­do para Santo Antônio, algumas estavam mortas e as vivas ma­tavam os curumins mal estes nasciam. Os homens, mesmo aqueles mais fortes, também estavam mortos. A maioria encon­trara o próprio fim enfrentando os civilizados, isto quando ele ainda era um curumim. Não que pretendessem enfrentar de verdade os civilizados, sabiam que os invasores eram brabos, mais brabos que outros índios sujos de tisna de peixe que desciam o rio para atacá-los, roubá-los e incendiar as malocas.

Os velhos tinham tentado falar com os civilizados uma vez, estavam desarmados e traziam crianças no colo. Os civili­zados não quiseram ser amansados e apontaram suas espingar­das e não deixaram um só velho com vida, apenas as crianças que ficaram chorando e depois correram para a maloca onde contaram o que tinha acontecido.

Mas tudo isto já fazia muito tempo, ele tinha visto sua família morrer de feitiço espalhado pelos civilizados, o corpo de seus amigos, irmãos, mãe, pai, os tios, queimando de febre e milhares de feridas espalhadas na pele, soltando mau cheiro.

Agora, ele estava sozinho e não saía de perto dos civili­zados porque estava invisível, como as formigas.
A vitrine da confeitaria, repleta de variados doces e confeitos, era o seu maior encanto. Todos os dias, quando estava no Rio de Janeiro, antes de subir para o seu escritório, ele atravessava rapidamente a Avenida Central, entrava pela Rua 7 de Setembro, as pastas de documentos sob o braço, bem protegidas, e postava-se alguns minutos frente a vitrine da Con­feitaria Colombo.

Ele não gostava particularmente de doces, mas da sensa­ção de cobiçá-los através do vidro da vitrine. Era um velho costume que vinha, ele pensava, do tempo em que era uma criança pobre e somente lhe era permitido o sentimento da co­biça. Era uma explicação um pouco tola mas que ele guardava para si, como muitas outras sensações íntimas que ele nunca deixava extravasar, e por isto ganhara o rótulo de homem sério e objetivo. Mas ele não considerava muito a sua objetividade, era um homem sério, por isto aprendera que toda objetividade era uma maneira de Deus se manifestar, através de sua mente, guiando as suas emoções, o seu conhecimento, levando o seu discernimento a optar pelo melhor. O fato de continuar acalen­tando um costume da infância, os olhos ávidos na vitrine de doces, também era algum sinal de Deus que ele não conseguira traduzir inteiramente mas que deveria ter a sua utilidade.

Naquela manhã de 1911, enquanto observava a vitrine da Confeitaria Colombo, Percival Farquhar já era um dos homens mais poderosos do Brasil.

A aparência exterior de Farquhar não denunciava a sua verdadeira importância. Parecia um homem qualquer, forte mas baixo, cabelos ralos, escorridos e castanhos, rosto redondo e olhos escuros. O braço que segurava cuidadosamente as pastas de documentos era modestamente musculoso e o antebraço coberto de cabelos mais escuros escapava pelos punhos da ca­misa branca, abo toados com moedas de ouro do Peru.

Os trajes que usava, bem cortados, jamais ultrapassavam o limite da boa apresentação. Usava sempre roupas escuras e poucas vezes tinha sido visto sem o paletó e a gravata de seda fina.

Mas isto era apenas a aparência, porque quando começava a falar, trazia na voz uma confiança inabalável de rufião, uma perseverança de vigarista que desestimulava qualquer retaliação da parte dos interlocutores. Quando estava numa reunião, entre os seus funcionários, quase sempre os assuntos eram conduzidos dentro da mais estreita discrição, daí a sua fama de homem objetivo.

Fora de sua cada vez mais influente organização, entre políticos, ministros, era uma reprodução da energia dos negócios norte-americanos. Sorria pouco, nunca prometia nada e cumpria rigorosamente todos os acertos. Por este motivo, era igualmente respeitado e odiado, o que ele compreendia perfei­tamente, pois sabia que num país como o Brasil, repleto de vícios e não inteiramente democrático, a objetividade, ou seja lá que outro nome usassem, era uma virtude menor frente a dissimulação. E a dissimulação brasileira se parecia muito de perto com aquela cobiça infantil, quase uma volúpia inocente, que ele sentia observando os doces e confeitos defendidos pela vidraça.

2
Primeiro a gritaria, depois, tiros. Finnegan deixou o mori­bundo e decidiu sair, antes, completou a sua roupa com um chapéu esquisito, abas redondas onde estava costurada uma rede fina que descia até quase a cintura. Os enfermeiros, dois rapazes xucros, recrutados quando acabavam de dar baixa do exército, estavam entrando na enfermaria.

— Outra desordem? — perguntou o médico, a voz que­rendo expressar frieza mas revelando um certo abatimento.

— Uma confusão danada entre os pretos e os alemães. O senhor vem com a gente? — respondeu um dos enfermeiros enquanto ajudava o outro a retirar algumas maças de pano do armário de emergência.

— Vítimas fatais? — quis saber o médico.

— Um bocado.

O sol estava realmente terrível. O engenheiro Collier, sujo de barro, vem caminhando e cruza com a comitiva do médico. Collier não conseguia se acostumar com as atitudes do rapaz irlandês que estava brincando de médico. Olha para aquelas três figuras e deixa escapar um sorriso. Finnegan e os enfermei­ros, usando aqueles chapéus com telas antimosquitos, luvas e botas de cano alto, parecem três noivas futuristas. O médico devolve o sorriso de Collier e passa os olhos de maneira clínica pelo engenheiro. Observa os cotovelos inflamados, as picadas dos insetos transformavam-se em edemas que poderiam criar feridas, mas Finnegan não quer chamar a atenção para este problema.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   17


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal