Mini baja fesurv. IV copa jma 2014



Baixar 0.55 Mb.
Página5/5
Encontro11.02.2018
Tamanho0.55 Mb.
1   2   3   4   5

7.8.6 Os recipientes de combustível

Atenção: Todo o combustível deve ser realizada, e colocado em tanques de combustível do veículo, de aprovado containers.

7.8.7 Sistema de Reabastecimento

Um sistema de reabastecimento que não permita vazamento de combustível ou derrame deve ser desenvolvida e utilizada durante todos os procedimentos de reabastecimento. O bom funcionamento do

este sistema deve ser demonstrada durante a Inspeção Técnica. (Emenda 1, 01/Dez/2010) 7,9 de direção e suspensão

7.9.1 roda paralamas

Páralamas nas rodas não são mais obrigatórios. Eles são considerados, porém, como boas práticas de projeto.
7.9.2 Proteção Rod Tie

Os tirantes de todos os veículos devem ser protegidos contra impacto frontal. Um pára-choque pode ser exigido, a critério do inspetor técnico, dependendo do concepção e instalação.
7.9.3 Tie Rod Ends ajustável

Terminais de rótula ajustável empate deve ser limitado com uma porca de aperto para evitar afrouxamento. Depois de ajustado e fixado o tirante deve ser duro.
7.9.4 Direção e suspensão integridade componentes

Práticas de engenharia de som deve ser aplicado na construção de direcção e componentes da suspensão. Utilização de peças soldadas deve ser evitada. Todas as peças serão inspecionados contra a força de fabricação, qualidade e funcionalidade. Reforço ou reparo pode ser exigido no momento critério técnico inspetor.
7,10 FASTENERS

Todos os prendedores rosqueado na direção, suspensão (porcas são isentos), frenagem (paquímetro e cilindro mestre rotores OEM de montagem e não e sistema de hub) acelerador e sistemas de retenção condutor deve atender as seguintes orientações.

7.10.1 Requisitos Locking

Todos os fixadores roscados utilizados nos sistemas designados em 7,10 deve ser cativo; definido como porcas NYLON exigindo, porcas ou parafusos cottered segurança com fio (em aplicações cego). Arruelas de pressão ou selante de rosca não atendem a esse exigência.

7.10.1.1 Procedimento de bloqueio Detalhe Fio

EXEMPLO: A equipe usando um hub personalizado com um rotor OEM deve atender aos bloqueio de requisitos, mas uma equipe usando um hub OEM e OEM rotor seria isento. Figura 7-21 ilustra o procedimento para a utilização de fios de bloqueio.

Figura 7-21 - Lock detalhes procedimento fio

A. Acima de ilustrações assume tópicos mão direita.

B. Não mais do que 3 (três) parafusos podem ser seguro-amarrados.

C. cabeça de Bolt pode ser seguro-amarrado como mostrado apenas quando o receptor rosca fêmea é prisioneira, ou as porcas atender aos requisitos anteriores porca de bloqueio.

D. Nuts (pré-perfurados) pode ser seguro-amarrado de forma semelhante às ilustrações com as seguintes condições:

1. As nozes são tratados termicamente.

2. As nozes são "fábrica perfurado" para uso com fio de bloqueio.

E. fio de bloqueio deve preencher um mínimo de 75% do furo fornecido para o uso de fio de bloqueio.

F. fio de bloqueio deve ser de aço inoxidável de 0,020 "Dia., 0,032" Dia., Ou 0,042 Dia ".

Diâmetro do fio de bloqueio é determinado pelo tamanho da rosca do fixador a ser

satisfeitas:

1. Tamanhos de rosca de ¼ "e menor uso 0.020" fio.

2. Fio do tamanho de ¼ "a ½" use fio 0,032 ".

3. Tópico tamanhos> ½ "use 0,042" de arame.

4. Quanto maior o fio pode ser usado em parafusos menores em casos de conveniência, mas menor do fio não deve ser utilizado em tamanhos maiores fixador.

7.10.2 Grau Requisitos Fastener

Todos os parafusos utilizados nos sistemas designados na Seção 7.10 deve atender grau SAE 5, métrica M8.8 grau ou AN especificações militares. Veja a Figura 7-22 e Figura 23/07. Qualquer threaded componentes de fixação não demonstrou a conformidade com os

requisitos (incluindo haste roscada) deve ter documentação de suporte.

(Por exemplo, transmissões de valores, componentes de suspensão, direção e frenagem ou controlador de sistemas de retenção.)

Figura 7-22 - manchas na cabeça de Bolt

Graus aceitáveis ​​Parafuso Especificação Militar:

Figura 7-23 - Aceitável notas parafuso especificação militar
7.10.3 Exposição Tópico

Todas as superfícies roscadas devem ter pelo menos 2 (dois) últimos tópicos mostrando a porca.

7.10.4 Único Conexões de cisalhamento

Todas as juntas bola ou tirantes em cisalhamento único deve ter uma fábrica de lavadora de segurança em aço.

Juntas OEM bola são a única exceção. Veja a Figura 7-24.

Figura 7-24 - Simples e dupla conexão de cisalhamento

7.10.5 As juntas Bola Qualquer juntas esféricas comercialmente fabricados ou terminais de rótula com pregos são permitidos.

Articulações estudante fabricados bola ou terminais de rótula com pregos são especificamente proibidas.

7,11 GUARDAS

7.11.1 Guarda Powertrain

Todas as peças rotativas, tais como cintos, correntes e rodas dentadas que giram à taxa de o eixo de tração (s) ou mais rápido deve ser blindado para evitar ferimentos ao condutor ou espectadores devem voar para além da componente devido à força centrífuga. Estas guardas / escudos deve estender-se em torno da periferia em qualquer área que está em linha em direção ao motorista, transeuntes, tanque de combustível ou linhas de combustível. Na altura de passeio estática se o guardas vêm com em 30,4 cm (12inches) do chão, em seguida, o guarda deve apenas

passar a linha central da peça em rotação. Eles devem ser montados com sua prática de engenharia, para resistir à vibração. Eles devem ser:

(A) feitos de aço 1010, pelo menos, 1,524 milímetros (0,06 polegadas) de espessura ou;

(B) um material com absorção de energia equivalente a ruptura. Devido ao comum questões de construção, peças de material alternativo será duas vezes mais grossa (2 x 1,524 mm). Métodos de demonstração de equivalência aceitos são a energia do impacto Os testes de absorção (Charpy, Izod ...).
7.11.1.1 Shields Side
Proteções laterais devem impedir dedos de ser pego em qualquer parte rotativa. A
completa cobertura em torno do motor e trem de acionamento será aceitável.
NO MATERIAL DE POLICARBONATO são permitidos (ie Lexan)
Figura 7-25 - guardas Powertrain
7.11.2 Ações Guarda Fábrica
Guardas estoque da fábrica deve ser demonstrada a ser iguais aos descritos no
Nesta seção (Polaris cobrir CVT é permitido).
7,12 EQUIPAMENTO REQUISITOS DRIVER
7.12.1 Helmet, Neck Suporte Collar / & Goggles
Todos os motoristas devem usar um bem-encaixe Motor Cross-capacete de segurança com um estilo
integrado (um pedaço de casca composta) guarda queixo / face e um M2000 Snell,
SA2000, ou British Standards Institution BS 6658-85 tipos A ou A / FR classificação.
Capacetes brasileira INMETRO aprovados são permitidos, se desde que com validade
carimbo de aprovação. Óculos de proteção devem incorporar o uso de tear-offs ou roll-off
sistemas para condições de lama.
Motor-Cross Estilo Não Capacetes Rua Estilo Bicicleta
Figura 7-26 - Capacetes driver
Além do capacete, um colar cervical support / deve ser usado. O apoio do pescoço
deve ser um círculo completo (360 °) e SFI 3,3 nominal não colar uma ferradura. Simpson,
RCI, GForce, deísta ou Produtos Folha Corrida pescoço colares de fornecimento que atendam a esta
exigência. Chaves pescoço pode haver mais de 3 anos, como indicado pela
datas na cinta.
Figura 7-27 - o apoio do pescoço do driver
AVISO: Alguns capacetes Motor-Cruz guardas queixo estendida que não vai
contacte o coleiras necessária quando a cabeça é flexionada para a frente. este
combinação de capacete / colar sistema é proibida.
Qualquer capacetes não-especificação serão confiscados até depois da competição.
Esta regra não tem exceções e será rigorosamente cumprido. Capacetes certificados para
outros sistemas de classificação não podem ser usados​​.
7.12.2 vestuário
Os motoristas devem usar roupas apropriadas, incluindo calças compridas, meias, sapatos,
luvas e uma peça de roupa com mangas compridas superior. Material de roupas devem ser resistentes
ao fogo (algodão, Nomex, etc), de preferência SFI ou FIA nominal.

ANEXO 7-1 – FICHA DE ESPECIFICAÇÃO DA GAIOLA

Escola:


Equipe:

O objetivo da Ficha de Especificação da Gaiola é verificar os materiais e

processos utilizados na construção da gaiola de proteção bem como

acompanhar a idade das estruturas.

1. Ano letivo em que o chassi foi construído:

2. Material (descrever tipo, condições, dimensões):

3. Cálculos de equivalência se necessários (anexar);

4. Todas as soldas e outros métodos de junção devem ser inspecionados

quanto à integridade:

Data da Inspeção:

Examinamos as informações acima e no melhor do nosso entendimento

concordamos com sua veracidade.

Capitão da Equipe:

(Assinatura)

Data: E-mail:

Professor Orientador:

(Assinatura)

Data: E-mail:

Carimbo da Universidade ou do

Professor Orientador



REGULAMENTO

BAJA SAE BRASIL

CAPÍTULO 11

PROCEDIMENTOS DA

COMPETIÇÃO

RBSB 11 – EMENDA 1

DATA DE EFETIVIDADE: 01 DE DEZEMBRO DE 2010

CONTROLE DE REVISÃO

Emenda Data de Efetividade

0 01 de Janeiro de 2010

1 01 de Dezembro de 2010

ÍNDICE

11.1 APLICABILIDADE................................................................................ 4

11.2 PROCEDIMENTO DA COMPETIÇÃO................................................. 4

11.3 QUESTIONAMENTOS......................................................................... 4

11.4 PROCEDIMENTOS GERAIS............................................................... 4

11.5 VERIFICAÇÃO DE MOTOR ................................................................ 5

11.5.1 Governador do Motor.................................................................... 6

11.6 AVALIAÇÕES DINÂMICAS ................................................................. 6

11.7 ENDURO DE RESISTÊNCIA............................................................... 6

11.7.1 Bandeiras...................................................................................... 8

11.8 PONTUAÇÃO FINAL ......................................................................... 10

11.9 CONDUTA ......................................................................................... 10

11.10 ÁREA OFICIAL............................................................................... 10

11.11 PROTESTOS ................................................................................. 11

11.12 CONDIÇÃO DA PISTA................................................................... 11

11.13 BEBIDAS ALCOÓLICAS E MATERIAL ILEGAL ............................ 11



11.1 APLICABILIDADE

Este Capítulo se aplica a todas as equipes que vão participar da Competição

Baja SAE BRASIL.

11.2 PROCEDIMENTO DA COMPETIÇÃO

Este Capítulo reúne os procedimentos que as equipes devem adotar durante a

participação na Competição Baja SAE BRASIL.

11.3 QUESTIONAMENTOS

Qualquer dúvida, seja técnica ou operacional, deve ser postada no fórum oficial

da SAE Brasil (http://www.saebrasil.org.br), devidamente identificada com

nome, equipe e escola. Questionamentos não identificados não serão

respondidos. Os questionamentos técnicos serão encaminhados ao Comitê

Baja SAE BRASIL. Somente o Comitê está autorizado a interpretar os

requisitos técnicos abordados neste regulamento.

11.4 PROCEDIMENTOS GERAIS

_ Os veículos devem ser transportados até o local da competição

respeitando-se as regras de segurança exigidas pelas autoridades de

trânsito (sinalização, engate, etc.).

_ Todos os veículos devem permanecer em seus transportes até serem

inscritos.

_ Os veículos devem chegar prontos para competir. Equipes que chegarem

com veículos inacabados, necessitando extensa montagem são

indesejáveis na competição. Equipes que abusarem desta situação

receberão penalidade e a Instituição representada será comunicada.

_ O tanque de combustível do protótipo deve chegar ao local da competição

totalmente vazio.

_ O combustível deve estar armazenado em recipientes aprovados para este

uso, conforme prescrito no RBSB 7. Procedimentos mais detalhados sobre

o manuseio do combustível durante a competição poderão ser

disponibilizados no site da SAE BRASIL.

_ Veículos não podem ser operados antes de aprovados na Inspeção Técnica

e de Segurança e na Verificação de Motor, à exceção do momento em que

realiza a Parte Dinâmica da Inspeção Técnica e de Segurança.

_ O veículo só poderá ser abastecido em local indicado pela organização,

com motor desligado, o piloto fora do habitáculo, utilizando equipamento

adequado e aprovado pelos Juízes Credenciados de Segurança e com um

membro da equipe de prontidão portando um extintor de incêndio

carregado. Não são permitidos trabalhos no veículo durante o

reabastecimento. Este procedimento deve ser respeitado durante toda a

competição. (emenda 1, 01/Dez/2010)

_ Em qualquer deslocamento do veículo com motor acionado, o piloto deverá

utilizar os equipamentos de proteção individual: cinto de segurança,

capacete, óculos de proteção, restritores de braço e vestimenta apropriada.

Fora dos locais destinados a testes oficiais e Avaliações Dinâmicas, um

membro da equipe deve caminhar ao lado do veículo, sem encostá-lo. O

não cumprimento desta regra penaliza a equipe. Durante as Avaliações

Dinâmicas, principalmente no Enduro de Resistência, a movimentação de

veículos e alunos é muito grande, normalmente acompanhado de muita

adrenalina e empolgação. Portanto é muito importante que os veículos

sempre trafeguem em baixa velocidade dentro dos boxes.

_ As equipes devem demarcar suas áreas de boxes e respeitar a área dos

demais competidores. Quando a equipe deixar o local, a área de boxes

deve estar limpa e nas mesmas condições iniciais.

_ Somente os Bajas SAE, peças sobressalentes e ferramental de apoio

podem ficar na área de boxes. A organização indicará locais para

estacionamento dos carros de apoio, caminhões, carretas e ônibus.

Bicicleta, skate, moto, scooter, quadriciclo ou qualquer outro meio de

locomoção não é permitido na área de boxes.

_ Os organizadores poderão limitar o acesso dos boxes aos membros de

equipe, professores orientadores e voluntários da organização.

_ Operar o veículo fora das áreas definidas pela organização acarreta

penalização severa.



11.5 VERIFICAÇÃO DE MOTOR

_ Cada equipe deve se apresentar para esta verificação com o motor

regulado, transmissão desacoplada e o eixo do motor livre.

_ O motor deve estar governado na rotação máxima de 3800rpm (verificado

no governador e não no pedal do acelerador), com a mola do governador no

furo #6 e assim devem permanecer durante toda a competição. Após a

Verificação de Motor, a organização poderá inspecionar a rotação em

qualquer momento, inclusive durante o Enduro de Resistência. Para as

inspeções posteriores à Verificação de Motor, haverá tolerância de

+100rpm. Se os valores estiverem fora da tolerância, a equipe estará

automaticamente desclassificada do evento em questão.

_ Caso a equipe tenha problemas com o governador do motor, deve procurar

a organização da prova imediatamente.

_ É de responsabilidade da equipe solicitar ao responsável pela prova que

assinale no protótipo o cumprimento da prova (ex. adesivos, cartões

perfurados, etc).



11.5.1 Governador do Motor

O governador do motor deve estar ajustado para uma rotação máxima de

3800rpm, durante a verificação do motor. Qualquer alteração no governador

que resulte no aumento da rotação além dos limites estabelecidos pelo item

11.5, resultará na desclassificação da equipe na prova em que a alteração foi

verificada. A organização poderá verificar o motor do veículo em qualquer

momento da competição, inclusive durante o Enduro de Resistência. Equipes

que tiverem problemas com o equipamento devem procurar imediatamente a

organização. (emenda 1, 01/Dez/2010)

Caso seja encontrada em outra posição, a equipe será desclassificada da

prova em que a alteração foi verificada.

11.6 AVALIAÇÕES DINÂMICAS

_ Para realizar as Avaliações Dinâmicas, todos os veículos devem ser

aprovados na Inspeção Técnica e de Segurança e Verificação de Motor.

Veículos aprovados na repescagem poderão participar apenas do Enduro

de Resistência.

_ As Avaliações Dinâmicas terão duração estipulada pela organização. Este

prazo será comunicado às equipes antes do início das mesmas.

_ As Avaliações Dinâmicas serão realizadas com qualquer condição climática,

em locais estipulados pela organização.

_ Logística e procedimentos das Avaliações Dinâmicas serão informados no

início da competição. Salientamos que as mesmas podem ocorrer

simultaneamente, de forma combinada, separadamente ou de outra forma

definida pela organização.

_ É de responsabilidade da equipe solicitar ao responsável pela prova que

assinale no protótipo o cumprimento da prova (ex. adesivos, cartões

perfurados, etc.).



11.7 ENDURO DE RESISTÊNCIA

_ As equipes devem fornecer membros da sua equipe para orientar a posição

de largada do seu veículo no grid de largada.

_ O grid de largada será definido através da classificação obtida na prova de

“Suspension and Traction” ou através de outra avaliação, caso seja

necessário. Qualquer modificação será comunicada pela organização.

_ As equipes que não enviarem representantes ao “briefing” inicial da

competição sofrerão a penalização de 3 (três) voltas no enduro. Estas

equipes serão colocadas no fim do grid respeitando a sua ordem de

classificação, e somente serão autorizadas a largar quando a pista estiver

em situação segura depois da terceira passagem do líder da prova.

_ O enduro terá 4 horas de duração, a ser confirmado pela organização.

_ É responsabilidade do piloto e dos fiscais de pista remover veículos parados

para fora da pista. Veículos poderão receber auxílio de outros que não o

piloto para dar partida no motor e retornar à competição. Entretanto é

responsabilidade do piloto ter certeza da operação apropriada e segura. Os

pilotos não devem sair do veículo para ligar o motor ou com o motor em

funcionamento.

_ O percurso da prova estará todo demarcado. Não será permitida a presença

ou o cruzamento da pista por quaisquer pessoas, sejam estes membros de

equipes, fiscais ou pilotos fora de seus veículos. A entrada ou cruzamento

da pista somente serão liberados para a remoção ou reparo de veículos

mediante a sinalização dos fiscais. A desobediência a esta regra implicará

na penalização indicada no RBSB 9.

_ Reparos durante a prova podem ser feitos sob as seguintes condições:

_ O veículo deve estar fora da pista (faixa demarcada), em local que não

represente perigo para os fiscais de pista e demais pilotos.

_ Nenhum veículo que estiver parado na parte interna do autódromo

poderá ser empurrado de volta ao box. A equipe poderá contar apenas

com dois representantes trabalhando no veículo dentro do autódromo.

Somente ferramentas e equipamentos que possam ser facilmente

transportados até o veículo podem ser usados. A equipe que for flagrada

com mais de dois componentes na parte interna do autódromo está

sujeita à penalização prevista no RBSB 9.

_ Qualquer piloto, membro da equipe, ou outros ajudantes que, no julgamento

de qualquer oficial de pista, estiver agindo de maneira insegura, deverá

interromper os reparos e aguardar até o final da prova para recuperar o

veículo.


_ Qualquer veículo, que devido a problemas durante o enduro, deixe de

cumprir com qualquer um dos itens solicitados pelos RBSB 5 e 7, será

chamado aos boxes para que os reparos necessários sejam realizados.

_ No final do Enduro de Resistência, todos os veículos serão levados para

uma área reservada, denominada "parking fechado". Nenhum membro de

equipe poderá adentrar este recinto a menos que seja orientado pela

organização. Pelo menos os seis primeiros colocados no enduro realizarão

a verificação da rotação do motor.

_ A organização poderá confiscar o motor de qualquer equipe para análises

mais detalhadas. Sendo verificada qualquer irregularidade, a equipe será

desclassificada da competição.

11.7.1 Bandeiras

Durante o Enduro de Resistência, bandeiras de sinalização serão utilizadas

para comunicação com os pilotos e garantir a segurança de todos, além de

fazer com que o regulamento seja respeitado. Os pilotos devem agir

imediatamente sem questionamentos ao ser advertido ou informado pelas

seguintes bandeiras:

_ VERDE – PISTA LIVRE. Indicação de que um problema que

havia anteriormente já foi solucionado a partir daquele trecho.

_ AMARELA – CONDIÇÃO INSEGURA. Indica sinal de perigo.

Poderá ser temporário ou definitivo. Qualquer que for o caráter de uma

situação de perigo, ela será indicada por essa bandeira. A sua

apresentação de forma agitada indicará que a tal situação existe no setor

imediatamente seguinte ao posto em que estiver sendo mostrada. A fim de

sinalizar para os pilotos um novo perigo que vier a se apresentar no mesmo

setor, e sobre o qual eles não estiverem cientes, ela deverá ser

apresentada agitada durante duas voltas. Em seguida, deverá ser mostrada



imóvel durante outras duas voltas, após o que será retirada, mesmo que o

obstáculo não possa ser removido. Quando necessário, os pilotos deverão

ser instruídos com as mãos ou com bandeiras, de modo que se mantenham

no lado da pista que não estiver obstruído. Os pilotos deverão,

imediatamente após terem passado por uma bandeira amarela,

apresentada imóvel ou agitada, manter suas respectivas posições, e não

fazer manobras de ultrapassagem.

_ VERMELHA - PARE IMEDIATAMENTE. A prova está paralisada.

_ AZUL - Indica ao piloto que ele será ultrapassado por um ou

por vários veículos mais rápidos. Quando apresentada imóvel, indicará que

um veículo mais rápido se aproxima, e ele deverá estar atento para a

iminente ultrapassagem. Quando apresentada agitada, um veículo mais

rápido está a ponto de proceder a ultrapassagem, e o piloto para quem tiver

sido mostrada, deverá dar passagem imediatamente. Não será necessária a

sua apresentação, quando: a) No decorrer das primeiras voltas da prova,

quando os veículos ainda estiverem agrupados; b) Dois ou mais veículos de

possibilidades muito semelhantes estiverem muito próximos, disputando

posição por várias voltas; c) Um veículo manifestar para outro o fato de que

ele será ultrapassado (seja se afastando para a lateral da pista, seja

fazendo gesto com a mão dessa sua intenção, ou seja, por qualquer outro

meio); d) A bandeira amarela estiver presente (proibição de

ultrapassagens). Será imperiosa a apresentação da bandeira quando: a)

Ocorrer a obstrução caracterizada da ultrapassagem; b) Os veículos mais

lentos estiverem a ponto de ser ultrapassados pelos veículos dos líderes da

corrida; c) Um veículo rápido, após uma largada ruim ou parada nos

“boxes”, alcançar os concorrentes mais lentos.

_ PRETA – PENALIDADE. Indica que o veículo sofrerá uma

penalidade em tempo e o piloto deverá ir IMEDIATAMENTE para o setor de



penalidades, e não para os boxes da equipe. Deverá ser apresentada

imóvel, acompanhada de um número sobre um painel, correspondente ao

número do veículo do piloto infrator. Ela indicará que o piloto está sendo

penalizado e deverá se dirigir ao o setor de penalidades na volta seguinte.

Não será permitida a presença de nenhum representante de equipes no

local de penalidades. Haverá tolerância de uma volta para o cumprimento

da penalidade e, caso não seja cumprida no máximo na volta seguinte + 1

volta, a cada volta será acrescido em 50% do tempo de penalidade ao limite

de 100%, quando o veículo será excluído ou desclassificado da corrida. As

penalidades e os tempos a serem cumpridos são determinados pelo diretor

de prova.

_ PRETA COM CÍRCULO LARANJA – PROBLEMA

MECÂNICO OU VEÍCULO FORA DE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. Deverá

ser apresentada imóvel, acompanhada de um número sobre um painel,

correspondente ao número do veículo. Ela informará ao piloto que seu

veículo tem problemas técnicos que representam perigo para si ou para os

outros competidores, ou situações que no momento estão descumprindo a

regra e que ele deve parar imediatamente no seu box. Indica que o piloto

deve parar para corrigir defeito no veículo, podendo regressar à pista logo

que a situação estiver resolvida. Haverá tolerância de uma volta para a

entrada aos boxes. Caso não seja cumprida no máximo na volta seguinte +

1 volta, será imposta uma penalidade ao piloto através de bandeira preta. O



problema a ser corrigido será informado por um fiscal da prova ao

piloto assim que o mesmo chegar à entrada dos boxes.

_ QUADRICULADA – FINAL DE PROVA. Dirija-se ao local

indicado pelos fiscais de pista.

As bandeiras utilizadas pelos comissários de pista poderão ser apresentadas

imóveis ou agitadas. A apresentação de uma bandeira “agitada” reforçará e

acentuará o seu significado.

11.8 PONTUAÇÃO FINAL

Será declarada vencedora da competição a equipe que somar o maior número

de pontos. Em caso de empate no resultado final, as seguintes provas serão

usadas como critério de desempate, nesta seqüência:

- Enduro de Resistência;

- Avaliações Dinâmicas;

- Avaliação de Projeto.

Caso o empate ainda persista, todas as equipes empatadas na primeira

colocação serão declaradas vencedoras.

11.9 CONDUTA

Após o encerramento das atividades, nenhum veículo será permitido nos locais

de prova exceto o resgate autorizado. Qualquer piloto, membro da equipe,

espectador ou professor orientador que pela sua conduta prejudique o caráter

do evento, ou que insulte, ameace ou use linguajar inadequado para com um

membro da organização ou voluntário, receberá penalidade por conduta

antiesportiva e o fato será comunicado à direção da respectiva instituição. As

advertências e penalidades serão devidamente comunicadas pela organização.



11.10 ÁREA OFICIAL

Uma área será designada somente aos organizadores da provas, sendo

proibida a presença de pessoas que não ligadas à organização.

REGULAMENTO BAJA SAE BRASIL – CAPÍTULO 11

11/11

11.11 PROTESTOS

Somente protestos por escrito serão aceitos, quando entregue pelo capitão da

equipe ou professor orientador ao Diretor Técnico do Comitê Baja SAE

BRASIL. Ao entregar o protesto, a equipe terá automaticamente 100 pontos

descontados. Caso o protesto seja procedente, os 100 pontos serão

devolvidos. Caso o protesto seja improcedente a retirada dos pontos será

mantida. Protestos sobre quaisquer aspectos do evento devem ser

protocolados em no máximo uma (1) hora após o encerramento do evento ao

qual o protesto se refere.

Qualquer forma de protesto não prevista no regulamento poderá ser punida

com a desclassificação da equipe e o fato será comunicado à direção da

respectiva instituição por conduta antiesportiva.



11.12 CONDIÇÃO DA PISTA

Os locais utilizados na Competição Baja SAE BRASIL são propriedades

privadas e devem ser tratadas como tais. Todo o lixo deverá ser recolhido.

Falhas nesse procedimento resultarão em penalidade por conduta

antiesportiva. A premiação não será entregue até que todos os veículos

estejam em seus transportes e o local limpo.



11.13 BEBIDAS ALCOÓLICAS E MATERIAL ILEGAL

Durante os dias de competição, não será permitido aos pilotos e equipe, o

consumo de bebidas alcoólicas. Evidências de consumo ou porte de bebidas

alcoólicas ou de substâncias controladas em qualquer momento da competição

implicará na desclassificação imediata, sem direito a reclamações, da escola a

qual o time pertencer. Além disso, o fato será comunicado à direção da



respectiva instituição de ensino.

1   2   3   4   5


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal