Ministério da educaçÃo universidade federal de rondônia



Baixar 14.42 Kb.
Encontro03.01.2018
Tamanho14.42 Kb.




MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO – DED

PROGRAMA POS-GRADUAÇÃO SCRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO

MESTRADO ACADÊMICO EM EDUCAÇÃO








DISCIPLINA: Educação e Movimentos Sociais

CARGA HORÁRIA: 60 h/a CRÉDITOS: 04
EMENTA: A organização e luta de classes e os movimentos sociais no Brasil. As principais abordagens e perspectivas analíticas sobre movimentos sociais. Os principais conteúdos das lutas dos movimentos sociais: operário, feminino, ambientalista, contracultura, indígena, negro, GLBT, terra e direitos humanos. Lutas sociais por educação na sociedade contemporânea. Movimentos sociais e Educação Popular. Trajetória da Educação Popular no Brasil e na América Latina. Estudo dos traços da Educação Popular, suas concepções, as metodologias e as tendências contemporâneas. Análise da relação dos movimentos, suas teorias e práticas de aprendizagem no campo da educação não formal. O papel dos movimentos sociais na articulação da educação não formal com o sistema formal de ensino e reconhecer os processos educativos nos diversos lócus sociais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALVES, G. Trabalho e sindicalismo no Brasil dos anos 2000: dilemas da era neoliberal. In: ANTUNES, R. (org.) Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial, 2007, p. 461-474.

ANTUNES, R. Os Sentidos do Trabalho: Ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002.

ARROYO. M. G. Pedagogias em Movimento – o que temos a aprender dos Movimentos Sociais? Currículo sem Fronteiras, v.3, n.1, pp. 28-49, Jan/Jun. 2003.

BEISIEGEL, C. R. Estado e Educação Popular. Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais, SP, 1985.

CALDART, R.S. A Pedagogia do Movimento Sem Terra. Petrópolis: Vozes, 2000.

CANÁRIO, R. (org). Educação popular e movimentos sociais. Lisboa: EDUCA – Universidade de Lisboa, 2007.

DOIMO, A. M. A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro. Relume-Dumará/ANPOCS, 1995.

ENGELS, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 13. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

ESCOLA POPULAR. Documento básico. Jaru, RO, 2008.

FAVERO, O. Cultura popular, educação popular: memória dos anos 60. Ed. Graal, 2004.

FERNANDES, B. M. A Formação do MST no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 2000.



FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 13ª ed. Rio de Janeiro: Graal. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A.Guilhon Albuquerque, 1999.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1980.

FRDDP. A Mulher e a Revolução. São Paulo: Seara Vermelha, 2011.

GARCIA, P. B. (org.). Educação Popular e pós-modernismo. Relume Dumará, RJ, 1996.

_____. Algumas reflexões em torno da Educação Popular. In: Carlos Brandão (org.), A questão política da Educação Popular, Brasiliense, SP, 1985.

GOHN, M. G (Org.). Movimentos Sociais no Início do Século XXI: Antigos e Novos Atores Sociais. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

_____. A educação não-formal e a relação escola-comunidade. Revista ECCOS, nº 2, vol. 6, Dez 2004, p. 39-65.

_____. Conselhos gestores e participação sociopolítica. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

_____. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 3 ed., São Paulo, Cortez, 2005. (Coleção questões de nossa época; v. 71).

_____. Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Revista Ensaio- Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Rio de Janeiro, Fundação Cesgranrio, vol 14, n. 50, Jan/Março 2006, p. 17-38.

_____. Movimentos sociais e educação. 6 ed., São Paulo, Cortez. 2006.

_____. Não-fronteiras: Universos da Educação Não-Formal. São Paulo: Instituto Itaú Cultural, 2007.

_____. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997.

_____. Teorias dos movimentos sociais. 4 ed., São Paulo: Loyola, 2006.

LCP. Nosso caminho. Goiânia: Coordenação das Ligas de Camponeses Pobres, 2006.

LIMA. E.N. & NETO. L.B. Educação e trabalho: é possível uma leitura marxista sobre os discursos e práticas educacionais no campo? Revista HISTEDBR On-line, Campinas, número especial, p. 295-308, abr. 2011.

LIMANSKI. T.& DEITOS. R.A. O neoliberalismo e a crise dos movimentos sociais. Educere et educare Revista de Educação Vol. 1 nº 1 jan./jun. 2006 p. 239-243

LUTA OPERÁRIA. Sem a participação da mulher não pode haver libertação da classe operária. Disponível em: http://lutaclassista.wordpress.com/2007/09/19/sem-a-participacao-da-mulher-nao-pode-haver-libertacao-da-classe-operaria-2/

MANFREDI, S. Política e Educação Popular. São Paulo: Cortez Editora, 1981.

MARX, K. Manifesto do Partido Comunista. Rio de Janeiro: Frente Revolucionária de Defesa dos Direitos do Povo, 2008.

NOVAES. H. Reatando um fio interrompido: a relação universidade-movimentos sociais na América Latina. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

PAIVA, V (Org.). Perspectivas e dilemas da Educação Popular. Rio de Janeiro: Graal, 1984.



PEDROSO, R. C. Violência e cidadania no Brasil: 500 anos de exclusão. São Paulo: Ática, 2006.

PINTO, C. R. J. Uma história de luta do feminismo no Brasil. São Paulo: Editor Perseu Abramo, 2003.



SCHWARCS, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, 287 p.

SILVA, A. L. A temática indígena na escola – novos subsídios para Professores de 1º e 2º.grau. São Paulo: MEC/MARI/UNESCO.




Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal