Ministério de música e artes



Baixar 58.86 Kb.
Encontro28.12.2017
Tamanho58.86 Kb.

retângulo de cantos arredondados 3


MINISTÉRIO DE MÚSICA E ARTES

O Ministério de Música e Artes é a reunião das expressões artísticas que temos dentro da RCC: música dança teatro, artes plásticas, etc. Este ministério fornece subsídios e formação para aqueles que estão trabalhando com a música, com o teatro e com outras expressões dentro dos grupos de oração e/ou outras atividades da Renovação Carismática Católica.

 Nada é mais satisfatório do que descobrir que aquele instrumento que você está aprendendo tocar já consegue emitir um som razoavelmente agradável, e que seus parentes não estão mais reclamando da "barulheira" dos seus ensaios e até arriscam a te pedir: Toca aquela..."

A música é sem dúvida um elemento socializante, aproxima as pessoas e promove momentos de descontração e alegria nos grupos. Quando estamos aprendendo a tocar um instrumento sentimos a necessidade de alguém que nos escute.


Se você está pensando em tocar, ou cantar na igreja de seu bairro, ou até mesmo se já o faz, preste atenção nessas orientações:


   1- Altar não é palco: Você não vai se apresentar na igreja, você vai servir! Procure ao máximo não desviar a atenção para você. Nada de usar roupas chamativas, penteados e acessórios exóticos, fingir que é cantor de aché... Procure não "abafar" ou arrancar aplausos. Sua música deve levar as pessoas a louvar, meditar, adorar... Ela deve ser um meio de evangelização e não parte da programação religiosa do dia.


     2- Estou cantando para Deus: Muita gente reage assim a críticas negativas que possam surgir ao seu trabalho. Antigamente, só os melhores cantavam na Igreja, pois Deus merece o melhor. Você não precisa ser o melhor cantor do mundo para estar no altar, mas seja o melhor que você puder ser! Para isso é importante ensaiar, e ter a humildade de reconhecer suas dificuldades para trabalhá-las. Deus merece o melhor, e, a propósito, você não precisa estar numa igreja para tocar para Deus, ele é onipresente. Mas se você estiver numa igreja, em um dia de missa ou oração, é sua missão evangelizar as pessoas com a sua música. Olha que responsabilidade!


       3- Prá quem estou cantando mesmo? : Não adianta tocar aquela música nova da "Banda Fulano de Tal" se a maioria das pessoas presentes são senhores e senhoras de idade. Nesse caso cante aquelas músicas mais tradicionais, que todos conhecem a letra, e aos poucos vá introduzindo a novidade. Se o público for jovem, o estilo musical já muda, mas não apele para os modismos do "ritmo da hora", atente para uma letra sadia e coreografias sem malícia.


4- Atente para a sintonia entre o cântico escolhido e o momento: O Grupo de Oração tem partes distintas, que pedem cânticos específicos. O momento de perdão não pode ser feito com cânticos animados (estamos arrependidos, lembra) e o momento de louvor não pode ser feito com cânticos lentos ou de interiorização (Devemos glorificar ao Senhor com Alegria). 
5 - Dê testemunho: Isso é fundamental. É muito triste saber que o "cara" que tocou na missa é o mesmo que está bebendo no bar da esquina  desde que a missa acabou, e que agora usa o mesmo violão para cantar músicas vazias e deprimentes. O músico de Deus é um servo obediente a seus ensinamentos e coerente com as palavras que canta. Você não pode servir a dois senhores, faça sua escolha.

6- Só para reforçar: Ensaie, escolha cânticos adequados ao momento, seja humilde, ponha o serviço em primeiro lugar, faça uma oração antes de servir, entregando-se à Deus naquele momento e dê testemunho.



O que é um Ministério de Música?

O Ministério de Música é um instrumento de Deus posto a serviço da comunidade para atrair os homens.

Seu principal propósito é administrar o Amor, a Palavra e o Espírito de Deus ao seu povo. Com a música e o canto se pode evangelizar, ensinar, inspirar, alentar, profetizar, e é vital na adoração a Deus; por isso, o Ministério de Música deve receber uma atenção cuidadosa.

O Ministério da Música é, em si, a alegria das assembléias. As pessoas gostam de cantar e Deus gosta que elas cantem, porém, é algo mais que entoar um canto, por mais bonito que este seja, é ver o Espírito de Deus amando e formando o homem, transformando-o em criatura nova, moldando-o à imagem de Jesus Cristo. Com os cantos, Deus chega ao coração humano para falar-lhe e atraí-lo para Ele; Deus usa os cantos para dar consolo, esperança, gozo, amor e paz. E o homem usa o canto para dar-lhe glória, louvá-lo, para agradecer-lhe, pedir-lhe que, como Ele, outro Deus não há.

Um Ministério de Música é formado por pessoas que:

- encontram-se com Deus;
- converteram-se a Ele;
- freqüentam os sacramentos;
- conhecem a Palavra de Deus;
- dão testemunho de vida;
- vivem uma relação pessoal com Deus, na oração e com os homens na comunidade;
- formam Igreja;
- possuem inquietações musicais;

- encontram seu serviço neste Ministério.

Há, nas comunidades, muita gente que Deus chamou para este serviço, que resistem a Ele, que sabe ser por força do compromisso, logrando com isso um pobre crescimento espiritual e um sofrimento, porque não vêem, claro, não obedecem ou não entendem qual é a vontade de Deus para eles. Além disso, pelo atrativo deste Ministério, sua simplicidade e sobretudo sua projeção nos grupos de oração faz com que um grande número de pessoas se aproximem dele (em especial jovens), para expressar com cantos o que o seu coração sente.

Normalmente se apresentam duas características fundamentais naquele líder que dirige este ministério: Uma é a espiritual e a outra, a musical. Estas duas características podem se apresentar numa mesma pessoa, ainda que não seja de todo necessário, já que existem ministérios que têm dois dirigentes ou cabeças; um dirige a questão espiritual do grupo, enquanto que o outro dirige a musical.

O líder deve apresentar claramente a visão do Senhor para o grupo, seus propósitos e suas metas. O cabeça do grupo deve cuidar também dos membros de uma maneira individual, ajudar a cada pessoa a amadurecer e a ser um membro que contribua. O líder deve elevar a expectativa de todos, levá-los a um aprofundamento espiritual, ajudá-los a manter o entusiasmo no que diz respeito ao serviço do Senhor. Se o líder é profundo em sua relação pessoal com Deus, o Ministério de Música ver-se-á acrescentado em seu serviço.

A piedade, a confiança, a simplicidade e a alegria são dons que não devem faltar ao dirigente.

O líder do Ministério de Música deve buscar a ajuda e submeter-se às decisões feitas por outros líderes. Se o líder se submete a outros líderes, crescerá em humildade e serviço, e chegará à conclusão de que o que possui não é seu, mas de Deus. Aprenderá a não extinguir o Espírito, sendo instrumento dele.

O dirigente se encarregará de guiar musicalmente o grupo; escolhendo convenientemente os cantos e a música que se expresse, afetará o crescimento dos que recebem a mensagem. O dirigente fomentará o estudo musical no grupo, por meio de ensaio. A paciência é um dom indispensável para realizar este trabalho: O ministério é o reflexo de seus ensaios. Renovará apropriadamente o repertório com cantos novos inspirados pelo Espírito Santo. Não esquecerá aqueles cantos que sejam tradicionais ou formem parte vital de cada um. Partilhará novos cantos com outros Ministérios de Música.

Poder-se-ão usar todos aqueles instrumentos com os quais se louva o Senhor (Sl 150). Por outro lado, se evitarão aqueles instrumentos que desviem a atenção dos que oram.

Por mais belo que seja o som de um instrumento musical, sua principal função é e será acompanhar a voz do homem, não sobrepujá-la. Evitar que o som instrumental demasiado forte abafe as vozes. Também se deve evitar que um instrumento abafe outros.

A função dos músicos é a de reforçar o trabalho do dirigente, possibilitando a rápida aprendizagem dos cantos. Sua postura é a de refletir Deus e não distrair a atenção do assistente e as celebrações.

Entre o ministério de música e o dirigente deve haver tal comunhão que não se precisa de muitas palavras para comunicar-se. Nada mais comovedor que a voz do cantor no templo. Esta música não é somente adorno. Quando o cantor expressa sua fé, chega à essência do culto, do louvor a Deus. Seu canto amplifica o significado das palavras e é uma apaixonada expressão de fé. O canto deve chegar ao coração de Deus. É o cantar do nosso coração ao coração de Deus.

A função do animador é a de mover e animar tanto a assembléia como o próprio grupo. Sua participação sempre alegra, ajuda a que todos louvem a Deus. É elemento fundamental de unidade no grupo.


É importante entendermos algumas características da forma como as pessoas agem distintamente:

 a) Tolo: comete erros, mas continua caindo nos mesmos erros. Insanidade é esperarmos resultados diferentes tendo as mesmas práticas;

b) Inteligente: comete erros, mas aprende com os próprios erros e,

c)  Sábio: aprende com os erros dos outros. Se pudermos aprender com os erros dos outros é melhor, porém sabemos que nem sempre isso é possível.

Errar é humano. Não podemos insistir no erro por não estarmos abertos para aprender com humildade, a fim de não cometer mais as mesmas falhas. Os erros que serão mencionados aqui servem para o nosso crescimento e amadurecimento no ministério.
Vejamos alguns erros que não devemos cometer:
1- Não se preparar musicalmente e espiritualmente para cantar ou tocar.
Aspecto espiritual

- É necessário oração e leitura bíblica diariamente. A base de todo ministério é a oração e meditação. O que se pode esperar de alguém que não medita e não ora? A.W.Tozer disse: “Nunca ouça um homem que não ouve a Deus”. Um ministro que não ora e não medita, deixa de ser um homem de Deus para ser um profissional do púlpito. Se desejamos ter um ministério mais ungido precisamos entender que o endereço da unção está no altar.



Aspecto musical

- É preciso realizar ensaios para que haja entrosamento;

- Ter uma lista definida dos cânticos; quando forem novos, providenciar cifras;

- Durante os ensaios a concentração deve ser total, evitando distrações, brincadeiras e conversas paralelas;

- Estejam atentos às orientações, arranjos, rítmica, andamento, métricas, etc;

- Estude música. 



2- Nunca preparar.

- Devemos ter habilidade para improvisar, porém, isso não deve ser a regra. Quando o ministro não faz a “lição de casa” acaba ficando fácil perceber, não há seqüência coerente nos cânticos, há erros nos acordes e na seqüência da música cantada, não há expressão, há insegurança, etc.

- Os que ministram de improviso, demonstram não levar a sério o lugar que ocupam na obra de Deus (Jr 48:10). O Espírito Santo não tem compromisso com ociosos, preguiçosos e displicentes. Façamos o melhor para o Senhor!

 

3- Atrasar nos compromissos sem dar satisfação.

- O músico maduro tem conhecimento das suas responsabilidades e procura cumpri-las à risca. Portanto, seja responsável e chegue aos horários marcados! Se houver problemas ou dificuldades, comunique-se com sua liderança.

- Quando não damos satisfação sobre nosso atraso estamos agindo com irresponsabilidade. Em outras palavras, estamos dizendo: “isso não é importante pra mim!”.


4- Não aceitar as críticas.

 - Quem não aceita críticas, acaba caindo na mediocridade e se torna um ministro sempre nivelado por baixo. As críticas servem para não nos deixar cair no conformismo e parar de crescer. Devemos receber as críticas com um espírito humilde e disposto a aprender. Quem não é ensinável e não gosta ser contrariado, não pode atuar em nenhum ministério na Igreja.

 

5- Gritaria.

- Não confunda “gritaria” com unção, autoridade e poder. Muitos por não terem o equilíbrio e sensibilidade, tornam-se ministros irritantes, exagerados e em alguns casos, quase insuportáveis. Quem fala deve respeitar a sensibilidade e boa vontade dos que ouvem (I Co 14:40). Não é gritando que se alcança o coração das pessoas, mas sim, com unção, habilidade na comunicação e criatividade;

- Há ministros que cantam e falam tão alto e agressivamente, que deixam a impressão de que estão irados com o público. Quem sabe usar de forma inteligente sua voz e os equipamentos de som disponíveis, com certeza alcançará grandes resultados.

 

6- Tocar, cantar ou dançar com outros músicos sem ser convidado.

- Se algum ministério de outro Grupo de Oração for convidado para tocar em sua igreja, não vá a frente para tocar sem ter sido chamado e convidado. Isto é falta de educação. Não seja mal educado! Muitos por falta de educação e sensibilidade, acabam atrapalhando o desempenho daqueles ministros que foram convidados.

07- Ministrar o tempo todo com os olhos fechados ou olhar só para uma direção.

 - É importante olhar para as pessoas. Os olhos têm um poder impressionante de captar e transmitir mensagens não verbais como o amor, alegria e paz. Com um olhar podemos abençoar as pessoas. Os que fecham os olhos ao ministrar nunca vão saber avaliar seus ouvintes, lendo suas expressões faciais;

- É necessário olhar em todas as direções para alcançar a atenção de todos. Olhar só para uma direção pode transparecer que as pessoas não são importantes, ou que não precisam participar daquele momento. Estamos diante de Deus, mas também estamos diante do público. Estamos ministrando a Deus, mas também sendo instrumentos para abençoar a congregação.

 

08- Exagerar nos improvisos.

- Todo músico deve buscar a disciplina e a maturidade musical. É preciso entender que pausa também é música. Acompanhar um cântico antes de tudo, é uma prática de humildade e sensibilidade. Nas igrejas, geralmente, os instrumentistas e cantores querem mostrar sua técnica na hora errada. O correto é usar poucas notas, não saturar a harmonia, inserir frases nos espaços melódicos apenas, e o baterista conduzir. Economize informações musicais;

- Em relação ao instrumental, procure tocar o que o arranjo está pedindo, sem se exceder. Todo músico deve aprender a se “mixar” no grupo, a ouvir os outros instrumentos, afinal é um conjunto musical;

- Quanto ao vocal, procure cantar a melodia, fazendo abertura de vozes e improvisando apenas em momentos específicos, criando assim expectativa. Muitas vezes o povo não consegue aprender a melodia da música por causa do excesso de improvisos dos cantores;

- Avalie o que está tocando e entenda que o trabalho é em equipe, e não apresentação de seu CD solo;

- Procure gravar as músicas e faça uma avaliação e as correções necessárias.

- Tocar e cantar de forma madura e eficiente requer disciplina, auto-análise e constante aprendizado.

 

09- Não ter expressão durante enquanto está cantando.

- Não seja um “alienígena”. Participe de todos os momentos;

- A entonação da voz também é importante. Não combina, por exemplo, falar sobre alegria com uma entonação e um semblante triste e melancólico. Você pode contagiar o público por meio da sua expressão e entonação de voz.

 

10- Comunicação inadequada ao tipo de público.

- Seja sensível ao tipo de público que está participando do Grupo e utilize uma linguagem adequada. A dinâmica de um Grupo de Oração aberto é diferente, por exemplo, de uma reunião de jovens, de crianças, etc. Não trate um público maduro, por exemplo, utilizando uma linguagem de criança e vice-versa;

- Cuidado com erros de português, vícios de palavras e gírias. Não é preciso ser formal: seja natural, sempre observando o público ao qual você está cantando ou tocando.

 

11- Vestimenta inadequada.

- Sua vestimenta deve ser coerente ao tipo de ambiente e reunião que você estará a frente. Cuidado com vestimenta inadequada, como roupa justa, cores chamativas, etc;

- Esteja atento a sua aparência: cabelos penteados, dentes escovados, maquiagem leve, usar desodorante, perfume, etc. Lembre-se que está a frente é uma vitrine. Quem está cantando ou tocando passa a ser alvo de observação em todos os sentidos.

 

12- Cantar cânticos com o qual não está familiarizado.

- Se você não conhece o cântico, não cante! Se não sabe tocar o cântico, não toque! Para ganhar confiança daqueles que estão ouvindo, é preciso demonstrar convicção e certeza do que está fazendo. Conhecer bem e ter domínio do cântico ministrado é imprescindível para que o ministro atinja seu objetivo.


13- Cantar fora da tessitura vocal.

- A escolha do tom de uma música depende do canto; este deve ser dentro da tessitura vocal e confortável para ela. Mesmo que o tom escolhido não seja o mais confortável para o instrumentista ele deve executá-lo. Na música onde há o canto, a ênfase é para a mensagem, portanto não deve sofrer interferência de outros elementos. Muitas músicas cantada na igreja não fluem como poderiam por causa da escolha errada da tonalidade. Por vezes o tom é muito alto e as pessoas não conseguem cantar;

- O tom pode influenciar na sonoridade da música vocal com acompanhamento, bem como causar danos às cordas vocais.

 

14- Elaborar um repertório inapropriado ao tipo de reunião.

- Elabore um repertório adequado ao tipo de reunião. Por exemplo: reunião de jovens, grupo de oração, santa missa, etc; o repertório de uma missa dominical é diferente de um Grupo de Oração, Seminário, etc.

- Elabore uma seqüência lógica no repertório, ou seja, músicas de celebração, músicas de adoração, músicas de comunhão, etc. A música é como um “vôo de avião”, tem um destino.

 

15- Cantar muitas músicas num período curto de Oração.

- Elabore um repertório adequado ao tempo de duração do louvor (conferir com o condutor). Dependendo do tempo dado à condução, não será necessário uma lista extensa de músicas. Esteja atento à maneira como o louvor está transcorrendo e explore um determinado cântico quando perceber que está fluindo profeticamente;

- Muitos exageram no tempo dos cânticos e passam do horário estipulado, atrapalhando assim, o andamento da Oração. Muitos não se importam se estão agradando ou não. Quando excedemos os limites, podemos cansar os ouvintes, não atingir os objetivos definidos e forçar a reunião a terminar fora do horário.

 

16- Ensinar muitas canções num período de Grupo de Oração.

- Para que haja participação do povo, procure ensinar durante a O Grupo de Oração um ou no máximo dois cânticos. Repita-os para que todos guardem bem a letra e melodia.

- Quando se ensina muitas músicas num período de louvor, o público não consegue assimilar as canções, causando uma dispersão.

 

17- Cantar sempre as mesmas músicas nos Grupos de Oração.

 - A Bíblia nos estimula a cantarmos um cântico novo (Sl 96:1). Porque cantar um cântico novo? Para cantar com o coração e não apenas com a mente. Cantar o mesmo cântico em todos os Grupos pode se tornar cansativo e enfadonho, e as pessoas acabam cantando apenas com a mente;

- Cometemos um grande erro quando não reciclamos o nosso repertório. Reciclar significa “atualizar-se para obter melhores rendimentos”. Os Músicos devem sempre estar atualizados, escutando boas músicas, consultando a internet, adquirindo CD´s, etc.

 

18- Cantar canções sem a direção do Espírito Santo.

- É o Senhor quem sabe qual é o cântico certo para a hora certa. Devemos tomar cuidado para não cantarmos cânticos com o qual nos identificamos sem ouvirmos o Espírito Santo (I Co 14:8). Muitos por cantarem apenas o que gostam, atrapalham assim o fluir da reunião. Estejamos atentos e sensíveis à voz do Espírito Santo.
19- Imitar outros.

- Cada um de nós tem características diferentes. Deus nos fez assim! Ele quer nos usar do jeito que somos, com os dons, talentos e as características que nos deu. Muitos caem no ridículo quando imitam jeitos, frases, modo de cantar de outros músicos, etc.

 

20- Deixar o auditório em pé por muito tempo.

- Não canse o povo! Ficar em pé 30 minutos é uma coisa, e outra coisa é ficar em pé 50 minutos. Esteja sensível ao ambiente. Os jovens conseguem permanecer em pé por mais tempo, mas os mais velhos acabam se cansando mais rápido. Não há nenhum problema em adorarmos a Deus sentado.

 

21- Deixar de participar de outros momentos do Grupo.

- Muitos músicos são irresponsáveis e acabam comprometendo o andamento do Grupo. Participam apenas do momento dos cânticos, mas logo após a música saem para fazerem outras coisas: conversar com amigos, comer, namorar, etc; (isso acontece geralmente em Seminários, Retiros, etc..)

- Temos uma grande responsabilidade do Grupo que está em nossas mãos, por isso não podemos nos dar ao luxo de termos atitudes egoístas, infantis e irresponsáveis (I Co 3:1-2). Lembre-se: somos ministros de Deus!
 22- Não ter um mínimo preparo para atuar na equipe de som.

- É importante estudar e conhecer os equipamentos de som para poder utilizá-los da melhor maneira, evitando também danos nos equipamentos por causa do seu uso inadequado. Existem muitos “curiosos” atuando nesta área;

- Cuidado com o volume dos instrumentos para não saturar o ambiente e provocar incômodo aos ouvintes;

- Lembre-se que o volume das vozes deve ser maior em relação aos instrumentos para que as pessoas entendam o que está sendo falado ou cantado;

- Sua participação no Grupo é fundamental. Fique atento! Não fique “viajando”. Concentração total;

- Seja amável e educado quando as pessoas vierem falar com você ou orientar algo relacionado ao som.

- Não atrapalhe a condução. Quando surgir algum problema, seja discreto para poder solucioná-lo;

- Depois de mixado os volumes, não há mais necessidade de ficar mexendo na mesa de som. Portanto, não mexa, pois isso atrapalha o bom andamento do Grupo de Oração;

- Cuide dos equipamentos e seja zeloso pelas coisas de Deus.

 

23- Não ter um mínimo preparo para atuar na equipe de dança.

- Muitos são bem intencionados, mas não possuem o preparo suficiente para dançar.

- Tenha expressão, tanto a facial como a corporal são importantes e devem ser condizentes com a música que está sendo ministrada;

- Quanto à roupa é preciso ter prudência e discrição para que não venha causar polêmica e escândalo dentro da igreja. Tome cuidado para não tornar a dança algo sensual;

- A técnica e estilo devem ser coerentes ao tipo de música e conhecidos por todos (balé, street dance, etc). O sincronismo entre o grupo é um fator muito importante.

 

24- Atuar no ministério por obrigação e sem alegria.

- Quando realizamos a obra de Deus por obrigação não há alegria, mas se torna peso. Você gosta quando alguém vai fazer algo para você por obrigação? Será que Deus gosta quando vamos servi-lo por obrigação? Com certeza isso não agrada a Deus. Se a obra do Senhor tem sido um fardo para nós ou estamos realizando o serviço por obrigação, então é melhor deixarmos o ministério;

- Nosso serviço deve ser feito com alegria – “Servi ao Senhor com alegria...” (Sl 100:2).

- Valorize o ministério! Valorize esse instrumento poderoso para a edificação da igreja e veículo de evangelização. Você foi escolhido por Deus, portanto, leve a sério o ministério!



25- Não Participar dos Momentos

Tem muitos músicos que pensam que seu papel é só cantar ou tocar, lembre você também é participante do momento de Oração. Então enquanto está acontecendo o momento de oração você tem que participar, enquanto está acontecendo a Pregação você também naquele momento é ouvinte da Palavra de Deus.

=-Preste atenção nestas palavras e medite ..."Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos."

-= Se você já é um Ministro de música...

=-Preste atenção nestas palavras e medite ..."Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos."-= O que estou querendo dizer com isto...

=-Muitas vezes queremos fazer nossa vontade, mas é a de Nosso Senhorque deve ser ouvida, discernida e atendida, acima de todas as coisas, pois é Ele que provê este Dom.


-= O que um Ministro de Música precisa fazer ?
=-Primeiro - deve ter a noção de que está a serviço de Nosso Senhor e NÃO num show

Segundo - deve estar em dia com seus compromissos como cristão, ou seja :. Participar da Santa Missa, pelo menos aos Domingos;. Comungar pelo menos uma (1) vez na semana (provavelmente aos Domingos);

. Se confessar pelo menos uma (1) vez ao mês (será que é pedir muito ?...);

Terceiro - Deve estar sempre em Oração, pois, orando sempre, nós podemos nos defender melhor das tentações que poderão cair sobre nós. Jesus nos diz em Mateus 26,41"Vigiai e orai, para não caíres em tentação, pois na verdade o espírito está pronto, mas a carne é fraca."

Quarto - Deve estar sempre ensaiando e praticando os cantos para o Grupo de Oração.Quinto - Deve estar sempre atento à moção do Espírito Santo que será dada ao dirigente da oração.
As qualidades que você precisa ter para ser um bom Ministro de Música

=-- humildade- ser pessoa de oração- saber sorrir- amar a Deus- ter vida interior- inspirar segurança e confiança- ter bom ouvido musical


- ser discreto- ser instrumento de Deus- ser paciente e persistente- bom senso- ser profeta ( falar e cantar em nome de Deus)Um bom líder sabe que varias cabeças pensam melhor que uma!
-= Ministério de Música e o Grupo de Oração
=-O Ministério de Música em um Grupo de Oração pode ser composto de um só ministro de música até uma Banda inteira, mas é importante salientar que todos devem sempre estar em harmonia com o restante do Grupo, principalmente em harmonia entre os componentes do Ministério como também com o Núcleo e Dirigente do Grupo de Oração.


______________________________________________________________________________

Rua Givaldo Moura da Silva, nº 95, Centro, Pirambu – Sergipe / Fones: (79) 9880-5185/3276-1259/8829-1323

e-mail: rccpropria2012@bol.com.br/blog: rccpropria.webnode.com.br




Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal