Município de passo fundo



Baixar 266.47 Kb.
Página1/3
Encontro02.07.2018
Tamanho266.47 Kb.
  1   2   3

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTÃO


MEMORIAL DESCRITIVO ARQUITETÔNICO

UBS – UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Travessa Joaquim Borges, s/n - (antiga Rua 05).

CENTRO – PONTÃO - RS

Área total a construir: 625,60 m²
Trata-se da construção de uma UBS (Unidade Básica de Saúde) em alvenaria com um pavimento.

A finalidade do presente memorial é estabelecer as normas e especificações técnicas dos materiais e serviços a serem empregados na obra e que deverão ser observados rigorosamente pela Empreiteira na execução da mesma, conforme especificado no projeto arquitetônico e de acordo com o que segue abaixo.



CONSIDERAÇÕES GERAIS:

Caberá a Empreiteira um exame detalhado do local da obra, verificando todas as dificuldades dos serviços, análise do solo, captação de água, luz e força, acessos, transportes e tudo o que se fizer necessário para execução dos serviços iniciais até a entrega final da obra. Deverá fornecer todo o material, mão de obra, leis sociais e trabalhistas, ferramental, maquinaria e aparelhamentos adequados a mais perfeita execução dos serviços.

Na ausência das redes de energia elétrica e/ou água, caberá a Empreiteira tomar as providências que julgar conveniente para execução dos serviços.

DESCRIÇÃO DA OBRA

O prédio da UBS é composto por espaços de Atendimento ao público e de serviço com os seguintes ambientes: área de recepção/espera com sanitários público, consultórios indiferenciados, consultório odontológico, sala de imunização, sala de utilidades, sala de esterilização, sala de enfermagem, sala de curativos, sala de demonstração em saúde, sala administrativa, quarto coletivo de curta duração, área de desembarque de ambulância, DML, copa/cozinha e vestiário de funcionários.




GENERALIDADES:



MATERIAIS:

O fornecimento dos materiais necessário para os serviços descrito no presente memorial será de responsabilidade da Empreiteira.

Deverão respeitar as Normas Brasileiras, e estejam de acordo com as presentes especificações.

Os materiais de construção a serem empregados deverão satisfazer as condições de 1ª qualidade e de 1º uso, não sendo admissíveis materiais de qualidade inferior que apresentarem defeitos de qualquer natureza (na vitrificação, medidas, empenamentos, etc.)

A contratante se reserva o direito de impugnar a aplicação de qualquer material, desde que julgada suspeita a sua qualidade pela Fiscalização, ou de materiais inadequados. A mesma se reserva do direito de determinar sua demolição e tudo o que estiver incorreto, cabendo a Empreiteira o ônus dos prejuízos.

A Empresa deverá fornecer a Fiscalização teste de resistência e de permeabilidade dos tijolos empregados, e teste de resistência “fck” dos concretos, obtidos em ensaios feitos em laboratório oficial.


SERVIÇOS:

Todos os serviços aqui especificados serão fiscalizados pela Prefeitura, devendo serem executados obedecendo sempre os preceitos da boa técnica, critério este que prevalecerá em qualquer caso omisso do projeto ou da proposta suscetível de originar dúvidas em sua interpretação. Deverão respeitar os códigos municipais, bem como as Normas Brasileiras.

Se em qualquer fase da obra, a Fiscalização tomar conhecimento de serviços mal executados no tocante a níveis, prumos, esquadros, amarração, etc., ela se reserva o direito de determinar sua demolição e tudo o que estiver incorreto, cabendo a Empreiteira o ônus dos prejuízos.

A Empresa executora deverá fazer Anotação de Responsabilidade Técnica (ART/CREA/RS) referente aos serviços contratados (execução) devendo entregar a Fiscalização por ocasião do 1º boletim de medição.


PROJETO:

As obras serão executadas em obediência aos projetos apresentados que a definirão nos seus aspectos de arquitetura e instalações. Eventuais modificações que possam haver no decorrer da construção, serão acertadas e discutidas previamente entre as partes interessadas.

A locação das construções, dimensões, afastamentos, detalhes construtivos, e arquitetônicos deverão estar de acordo com o projeto.

Os critérios estabelecidos no projeto devem seguir as normas do fabricante.


SERVIÇOS GERAIS:

Serão de responsabilidade da Empreiteira e correrão por sua conta todos os serviços gerais, tais como: despesas com pessoal de administração da obra, transportes diversos, consumo de água, luz e força provisória, e outros que se façam necessários ao bom andamento da obra.


SEGURANÇA DO TRABALHO:

 A Empresa deverá elaborar e apresentar, de sua responsabilidade, o Plano de Trabalho na Área de Segurança na empresa e na  obra.

No plano deverá  ser atendida as condições:

Relativo a empresa:  PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) . NR9 da Portaria 3.214 do Ministério do Trabalho;

Relativo a obra:  PCMAT . NR18 da mesma Portaria.

Instalar nos locais suscetívies a acidentes equipamentos de segurança tais como tapumes, guarda-corpos, escadas de acesso com corrimão, conforme as NB.

Fornecer aos operários todos os equipamentos de proteção individual (EPI) que se tornarem necessários.


CONDIÇÕES DA ENTREGA DA OBRA:

A obra será considerada concluída após ter condições de funcionamento, habitabilidade e segurança e após serem testadas e feitas as ligações definitivas de água, luz, esgoto e após todos os serviços estarem concluídos e feitas as limpezas gerais e acabamentos finais.




1. SERVIÇOS INICIAIS:


1. 1 SERVIÇOS PRELIMINARES:

1.1.1 ART:

A Empresa executora deverá fazer Anotação de Responsabilidade Técnica (ART/CREA/RS) referente aos serviços contratados (execução de obra) devendo entregar a Fiscalização antes do 1º boletim de medição.


1. 2 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS:

As instalações provisórias necessárias ao funcionamento, como sejam: galpão de obra, sanitários, andaimes, ligações provisórias de água, luz e força, etc., serão de responsabilidade da executante bem como as despesas com as mesmas.


1.2.1 GALPÃO PARA ESCRITÓRIO/DEPÓSITO:

Deverá ser destinada uma área de aproximadamente 6 m2 de área útil para escritório e depósito de materiais, instalado junto ao canteiro de obras . O galpão será em chapa de compensado 12mm, com telha em fibrocimento e assoalho, sendo dotado de mesa de trabalho.


1.2.2 PLACA DA OBRA:

A placa será em chapa metálica galvanizada nº 22, adesivada nas dimenções de 1,50x2,00, e fixada em escoras de eucalipto cravadas no solo com profundidade de 1,00.



1.2.3 LOCAÇÃO DA OBRA:

A locação da obra deverá ser feita após a limpeza do terreno, com aparelhos adequados de modo a corresponder rigorosamente as formas e dimensões registradas no projeto, com uso de guias de madeira.


1. 3 TRABALHOS EM TERRA:

1.3.1 LIMPEZA DO TERRENO:

O terreno deverá estar completamente limpo e livre de entulhos, para permitir a perfeita circulação de materiais e para receber a marcação da obra.

Os serviços de capina e limpeza deverão ser executados de forma a deixar completamente livre, não somente toda a área da obra, como também os caminhos necessários ao transporte e guarda dos materiais de construção. Os serviços de limpeza do terreno deverão ser executados de modo a não deixar raízes ou troncos de árvores, que possam prejudicar os trabalhos da própria obra. O canteiro da obra deverá ser mantido limpo, removendo lixos e entulhos para locais próprios que não causem prejuízos ao andamento da construção.
1.3.2 ESCAVAÇÕES:

A Empreiteira deverá assumir os movimentos de terra que forem necessários para implantação da obra, conforme estabelecido no projeto, escalonando com compactação e drenagem para evitar erosão.

As escavações serão manuais ou com maquinário que a Empreiteira julgar mais conveniente, e terá a finalidade de adaptar as cotas constantes do projeto, até encontrar terreno firme.

O processo a ser adotado dependerá da natureza do solo, sua topografia, dimensões e volume a ser removido ou alterado.

As áreas externas, quando não perfeitamente caracterizadas em plantas, serão regularizadas de forma a permitir, sempre, fácil acesso e perfeito escoamento das águas superficiais.
1.3.3 ATERROS E REATERROS:

Toda a área a construir limitada pelas vigas de fundação externas será aterrada com material adequado e isento de matéria orgânica, devidamente molhado e apiloado de forma a permitir um assentamento perfeito da camada impermeabilizadora de concreto.

As operações de aterro e reaterro, deverão ser executados com material escolhido com terras sem detritos vegetais em camadas sucessivas de 20cm (vinte centímetros) molhados e apiloados manual ou mecanicamente, de modo a serem evitados futuros recalques.

A Empresa deverá fornecer os aterros necessários na obra, podendo reaproveitar as terras de boa qualidade provenientes das escavações.





2. CONCRETO:

O prédio será estruturado em concreto armado que deverá ser executado, rigorosamente, de acordo com o Projeto Estrutural Original e/ou, quando for o caso, de acordo com as modificações expressamente autorizadas pelo RESPONSÁVEL pelo PROJETO e pela FISCALIZAÇÃO.

Correrá por conta da CONTRATADA a execução de todos os escoramentos julgados necessários.

A retirada das fôrmas deverá ser executada, de acordo com a NBR 6118/82, de modo a atender aos prazos mínimos necessários determinados pela ABNT e ainda devendo-se atentar para os prazos recomendados no projeto estrutural.

A execução de acordo com o Projeto e Normas Técnicas é de inteira responsabilidade da CONTRATADA.

O concreto empregado em todos os elementos das fundações e estrutura deverá estar de acordo com as resistências indicadas em projeto específico, devendo a granulometria do agregado ser compatível com as dimensões da peça e aparência desejada a fim de evitar falhas ou nichos no concreto.

A CONTRATADA é responsável pelo controle tecnológico do concreto utilizado na obra, e pelos custos correspondentes, devendo ser fornecido à FISCALIZAÇÃO, Laudo informando a resistência “fck” dos concretos, obtidos em ensaio feitos em Laboratório Especializado.

Durante a concretagem deverão ser moldados 4 (quatro) corpos de prova por lote/caminhão de concreto usinado para rompimento de 2 (dois) deles aos 7 dias e do outro 2 (dois) aos 28 dias. Caso a CONTRATADA opte por utilizar concreto não usinado, deverão ser moldados 1 (um) corpo de prova por lote (betoneira, por exemplo) de concreto para rompimento aos 7 e 28 dias (alternando).

Os relatórios/laudos sobre a resistência a compressão aos 7 dias deverão ser entregues à FISCALIZAÇÃO até 14 dias no máximo, após a respectiva concretagem e 35 dias para o rompimento aos 28 dias.

Nenhum elemento estrutural poderá ser concretado sem verificação e autorização prévia da FISCALIZAÇÃO, bem como de Declaração do RESPONSÁVEL TÉCNICO pela execução. Antes de cada etapa da concretagem, a CONTRATADA deverá solicitar vistoria à FISCALIZAÇÃO, por escrito, com assinatura do RESPONSÁVEL TÉCNICO pela execução. Na solicitação deverão ser especificados os elementos, ou conjunto de elementos, estruturais que já tiverem sido efetivamente conferidos pelo referido RESPONSÁVEL TÉCNICO que deverá Declarar na solicitação que os mesmos se apresentam prontos para concretagem rigorosamente de acordo com o Projeto Estrutural Original (locação, dimensões, armaduras, recobrimento, engastes, etc.) e/ou de acordo com modificação expressamente autorizada pelo RESPONSÁVEL PELO PROJETO e pela FISCALIZAÇÃO, sendo que a referida autorização deverá ser entregue juntamente com a solicitação de concretagem. No caso de algum elemento estrutural apresentar-se em desacordo com o Projeto Estrutural original, antes da solicitação de concretagem, deverá ser apresentada a referida alteração com autorização expressa do RESPONSÁVEL PELO PROJETO.

Os concretos aparentes deverão ser lisos, bem acabados, perfeitamente alinhados, no prumo, esquadro e sem deformações.



3. INFRA-ESTRUTURA E OBRAS COMPLEMENTARES:

A execução das fundações será de acordo com o projeto estrutural específico e deverá satisfazer às normas da ABNT pertinentes ao assunto, especialmente à NBR 6122/ABNT.



3.1 ESTACAS:

Serão executados nos locais demarcados, de acordo com projeto específico.


3.2 BLOCOS DE FUNDAÇÃO:

Serão executados nos locais demarcados, de acordo com projeto específico.


3.3 VIGAS DE FUNDAÇÃO:

Serão executados nos locais demarcados, de acordo com projeto específico.


3.4 EMBASAMENTO:

Somente será iniciado os alicerces após apiloamento e compactação das valas, com soque manual ou mecânico.

Serão em sapata corrida, em concreto ciclópico, fck,mínimo = 15,0 MPa, nas dimensões mínimas de (30x20cm), (largura x altura), sendo admitido o uso máximo de 25% de pedras de mão com bitola não superior a 1/3 da menor dimensão da secção a concretar, com emprego de cimento, areião e brita.



4. SUPRA-ESTRUTURA:



4.1 CINTAS DE AMARRAÇÃO:

Serão executados nos locais demarcados, de acordo com projeto específico.


4.2 PILARES E VIGAS DE CONCRETO:

Serão executados nos locais demarcados, de acordo com projeto específico, sendo revestidos com o mesmo material das paredes.


4.3 LAJES DE CONCRETO:

As lajes de concreto deverão seguir especificações do projeto específico, nas dimensões compatíveis com a carga e sobrecarga estabelecidas pelas Normas Brasileiras, na espessura e malha de ferro de acordo com o cálculo estrutural.

As lajes serão prolongadas onde houver previsão de beirais.



5.0 FECHAMENTOPAREDES E PAINÉIS:


5. 1 ALVENARIA:

As alvenarias obedecerão às dimensões e aos alinhamentos determinados no Projeto de Arquitetura.

As espessuras indicadas no Projeto de Arquitetura referem-se às paredes depois de revestidas.

Os tijolos serão de primeira qualidade, bem cozidos, leves, duros, sonoros, de dimensões uniformes e não vitrificados. Apresentarão faces planas e arestas vivas, superfícies regulares, sem deformações porosidade específica inferior a 20%.

Deverá ser cuidado para não se deixar panos soltos de alvenaria por longos períodos e nem executá-los muito alto de uma só vez.

As alvenarias apoiadas em vigas serão executadas, no mínimo, 24h após a impermeabilização dessas vigas de fundação.

O assentamento dos componentes cerâmicos será executado necessariamente com juntas de amarração.

As fiadas serão perfeitamente niveladas, alinhadas e aprumadas.

Os tijolos devem ser molhados pouco antes do assentamento, para facilitar a aderência pela eliminação da camada de pó que costuma envolver as peças e impedir que o tijolo absorva a umidade da argamassa, que fica com menor aderência e resistência à compressão.

Deverá ser realizada verificação da planeza da parede, do prumo e e nível, periódicamente durante o levantamento da alvenaria.

A execução da alvenaria será iniciada pelos cantos principais ou pelas ligações e amarrações com quaisquer outros componentes e elementos da edificação. Após o levantamento dos cantos será utilizada como guia uma linha entre eles, fiada por fiada, para que o prumo e a horizontalidade fiquem garantidos.

A alvenaria será interrompida abaixo das vigas e/ou lajes. Esse espaço será preenchido, após sete dias, com argamassa com expansor, cunhas de concreto pré fabricadas ou tijolos maciços dispostos obliquamente, sendo executado após o levantamento das alvenarias do pavimento imediatamente acima deste até igual altura.

A amarração das paredes com a estrutura far-se-á através de ferros 5 mm a cada 30cm, colocados nos pilares.

Nesses serviços de impermeabilização serão tomados todos os cuidados para garantir a estanqueidade da alvenaria e, consequentemente, evitar o aparecimento de umidade ascendente.

Na hipótese de não ser possível aquisiçao de argamassa pré-fabricada, admite-se, após consulta à Fiscalização, o emprego de argamassa no traço 1:2:9 de cimento, cal e pasta de areia peneirada.

A argamassa de assentamento dos tijolos será mista de cimento, alvenarite, e areia em proporções adequadas que garantam ótima resistência.


5. 2 ESQUADRIAS E FERRAGENS:

As medidas indicadas nos projetos deverão ser conferidas nos locais de assentamento de cada esquadria ou similar, depois de concluídas as estruturas, alvenarias, arremates e enchimentos diversos, e antes do inicio da fabricação das esquadrias.



Antes de iniciar a fabricação em série, deverá ser montado na obra um conjunto completo, com vidros e todos os acessórios para a aprovação pela FISCALIZAÇÃO.
5.2.1. ESQUADRIAS DE MADEIRA:

5.2.1.1 PORTA DE MADEIRA - MDF:

Os vãos terão que ser abertos na largura e altura com mais a espessura do marco, já que as medidas nas plantas são das folhas e indicam os vãos de luz.

As portas internas e das divisórias serão do tipo semi-oca em chapa MDF BP (Melamínico de Baixa Pressão) 6mm+6mm, com enchimento interno de madeira de pinho e reforço na fechadura.

As folhas serão de abrir, de acordo com o projeto, com espessura total de 35 mm, construídas em material estável de grande resistência, homogeneidade e estabilidade dimensional, totalmente garantidas contra empenamentos, não podendo ter defeitos sistemáticos relativos a dimensões, formato das folhas (esquadro e planeza) e aspecto superficial (manchas e irregularidade de superfície).

As folhas terão revestimento BP, com acabamento liso em cor branca, nas duas faces externas.

Os cortes do MDF BP devem ser perfeitos, sendo indicado o uso do riscador para evitar lascamento e melhorar a qualidade do corte.
No topo das folhas em MDF utilizar proteção com fita de borda de PVC, de maneira a oferecer melhor acabamento em relação ao padrão BP da chapa.
Os batentes serão de cerne de garapeira, cedro, cedrinho ou jatobá sem defeitos visuais sistemáticos, tais como desvios dimensionais além dos limites tolerados, lascamentos, etc.

Todos os marcos deverão ser de um só tipo de madeira, e de coloração uniforme, podendo ser de cerne de garapeira, cedro, cedrinho ou jatobá, com espessura mínima de 1,5 cm sem defeitos visuais sistemáticos, tais como desvios dimensionais além dos limites tolerados, lascamentos, etc.

Os Marcos serão chumbados à alvenaria através de parafusos para telhas de cimento amianto fixados no marco em diversas posições sendo 2 a cada 40 cm, ou de acordo com o especificado pelo fabricante, inclusive na soleira

ou travessa superior, de modo a proporcionar melhor travamento e aderência, sem folga excessiva, com argamassa traço 1:3.

O revestimento dos marcos será em laminado melamínico (fórmica) na mesma cor da folha, colado a superfície de madeira com cola de contato, ou conforme especificado pelo fabricante.

As vistas das portas serão em madeira revestidas com laminado decorativo de alta pressão termo-moldável tipo postforming (PF), de acordo com o detalhe.

As dobradiças serão triplas, com anéis de deslizamento, de acordo com o ítem ferragens.

Os cortes do MDF BP devem ser perfeitos, sendo indicado o uso do riscador para evitar lascamento e melhorar a qualidade do corte.

As fechaduras de cilindro, de 1ª linha, e com maçanetas tipo “alavanca.
5.2.2. ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO:
Antes de iniciar a fabricação em série, deverá ser montado na obra um conjunto completo, com vidros e todos os acessórios para a aprovação pela FISCALIZAÇÃO, que realizará teste de vedação com jatos de água.

Todas as esquadrias recebidas na obra deverão ser cuidadosamente inspecionadas e conferidas com régua e esquadros, a linearidade e ortogonalidade das peças, para fins de aprovação pela FISCALIZAÇÃO.

Serão em alumínio com anodização fosca cor natural, com locais, características, dimensões indicadas em projeto e no quadro de esquadrias (janelas e portas).

Os perfis em alumínio, das esquadrias e demais peças, serão da linha Inova bitola 25mm ou similar e Cittá Due Glazing ou similar, fabricados em alumínio, padrão ABNT, do tipo extrudados, e os demais acessórios para fabricação das esquadrias de alumínio deverão ser também compatíveis com a linha.

Os perfis e demais acessórios com anodização fosca cor natural ou pintura poliester fosca, e deverão seguir sempre as orientações constantes dos catálogos e dos fabricantes dos perfis e acessórios, sempre utilizando-se o acessório mais adequado ao perfeito funcionamento e desempenho da esquadria da linha especificada.

Os cortes das esquadrias de alumínio deverão ser aplainados e lixados, sendo as justaposições retilíneas à 45° sem folgas e perfeitamente ajustadas.

Todas as peças móveis serão fabricadas com roldanas deslizantes e ou patins d e nylon ou Tecnyl, a fim de permitir um perfeito funcionamento.

Antes da colocação dos caixilhos em alumínio, serão executados todos os arremates necessários (chumbamento e pintura de contra-marcos, complementação de alvenaria, emboço e reboco perimetrais ao caixilho, furações no contramarco para a passagem de condutores elétricos pelos montantes, etc.). A proteção dos caixilhos colocados, durante as obras, se fará com vaselina o similar.

As ferragens e demais acessórios para alumínio serão em alumínio e poderão ser das marcas: Fermax, Udinese, Promel, Alusud, Alcan, sempre padronizando um só tipo, depois de escolhido.

Deverão ser fornecidos os certificados da pintura, conforme normas da ABNT .

Onde houver necessidade, nas esquadrias de alumínio, serão utilizadas juntas telescópicas onde a fixação se der no concreto ou juntas de dilatação, bem como colunas e requadros que dêem bom acabamento, e também braços de reversão nos maxim-ar.

Deverão ser fornecidas à FISCALIZAÇÃO, amostras de todas as ferragens a serem usadas para aprovação.

Demais detalhes, tipos, quantidades, e acabamentos das esquadrias de alumínio, deverão ser executados conforme desenhos básicos de execução, e demais detalhes constantes do projeto arquitetônico.



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal