Nome da Disciplina – Leituras dirigidas: Narrativas das margens: oralidade e escrita



Baixar 26.13 Kb.
Encontro20.03.2018
Tamanho26.13 Kb.

Nome da Disciplina Leituras dirigidas: Narrativas das margens: oralidade e escrita

Nº de Créditos: 04

Professor Responsável: Ana Lúcia Liberato Tettamanzy

Semestre: 2009-1
Súmula: Definições e usos da narrativa. As relações oralidade e escrita: fundamentos epistemológicos. A narrativa oral e a performance: experiências de campo e registros. Narrativas das margens: impasses, limites e perspectivas.
Objetivos: Problematizar a natureza das narrativas orais tendo em vista a tradição literária. Refletir sobre a natureza e as possibilidades das narrativas das margens do cânone literário em língua portuguesa e dos discursos autorizados.
Programa:


  1. A Narrativa na história e na antropologia

    1. Perspectivas da história oral

    2. A história e as culturas populares

    3. O antropólogo como narrador

    4. Narrar imagens e sons




  1. Narrativa e oralidade

    1. A “equação oralidade-escrita”

Por uma poética da oralidade

O discurso, a recepção e o contexto da obra literária

Noções de performance
3. As narrativas das margens

Os espaços e o poder

A questão das “altas literaturas”

As narrativas das margens e a crise da representação


Procedimentos didáticos: Aulas analítico-expositivas; seminários sobre leituras teóricas e literárias; registro e análise de narrativas orais.
TEXTOS DE ESTUDO: A última morte do coronel Santiago, Luís Cardoso: Aprender a rezar na era da técnica, Gonçalo Tavares; As mulheres de meu pai, José Eduardo Agualusa; Venenos de Deus, remédios do Diabo, Mia Couto; Nem tudo começa com um beijo, Jorge Araújo & Pedro Sousa Pereira; Nove noites, Bernardo Carvalho; Literatura periférica, Ferrez.
Bibliografia básica:
ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2004.

ALMEIDA, Maria Inês de & QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica: FALE/UFMG, 2005.

AMADO, Janaina (org). Usos & abusos da história oral. 4.ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2001. p.149-164.

BAHBHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BARRENTO, João. A espiral vertiginosa. Lisboa: Cotovia, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Medo líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1980. (Obras escolhidas, v. 1)

___. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades: Ed.34, 2002.

BORDIEU, Pierre. Efeitos de lugar. In: ___ (coord.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna: Europa, 1500-1800. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CANCLINI, Néstor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: EdUFRJ, 1996.

CASCUDO, Luís da Câmara. Coisas que o povo diz. Rio de Janeiro: Bloch, 1968.

_____. Literatura oral. Rio de Janeiro: José Olympio, 1952.

CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. Campinas: Papirus, 1995.

____. A invenção do cotidiano. 11.ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

CHARTIER, Roger (org.) Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: Antropologia e Literatura no século XX. 1.reimpr. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

CONTURSI, Maria Eugenia & FERRO, Fabíola. La narración: usos y teorias. Buenos Aires: Norma, 2000.

DaMATTA, Roberto. O ofício de etnólogo, ou como ter antropological blues. Boletim do Museu Nacional. Rio de Janeiro, n.27, mai.1978.

DARNTON, Robert. O grande massacre de gatos.5.ed. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

FERNANDES, Frederico Augusto Garcia. Entre histórias e tererés: o ouvir da literatura pantaneira. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

____. A voz e o sentido: poesia oral em sincronia. São Paulo: Ed.UNESP, 2007.

FERRARA, Luciana D’Alessio. Olhar periférico.Informação, linguagem, percepção ambiental.São Paulo: EDUSP, 1993.

FERREIRA, Jerusa Pires (org.) Oralidade em tempo e espaço: Colóquio Paul Zumthor.São Paulo: Educ: FAPESP, 1999.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso.São Paulo: Loyola, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer.São Paulo: Ed.34, 2006.

___. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1994.

____. Sete aulas sobre linguagem, memória e história.Rio de Janeiro: Imago, 1997.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. Cordel: leitores e ouvintes. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 8 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

____,  Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG: Brasília: Representações da UNESCO no Brasil, 2003.

HAVELOCK, Eric A. A musa aprende a escrever. Lisboa: Gradiva, 1986.

ISER, Wofgang. O fictício e o imaginário: perspectivas de uma antropologia literária. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1996.

___. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed.34, 1996.

JÚDICE, Nuno. O fenómeno narrativo: do conto popular à ficção contemporânea. Lisboa: Edições Colibri/ IELT, 2005.

LIMA, Francisco Assis de Sousa. Conto popular e comunidade narrativa. Rio de Janeiro: FUNARTE; Instituto Nacional do Folclore, 1985.

LIMA, Nei Clara de. Narrativas orais: uma poética da vida social. Brasília: Editora UNB, 2003.

MALINOVSKI, Bronislaw. Introdução. In: Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARTINS, José de Souza, ECKERT, Cornélia & NOVAES, Sylvia Caiuby (orgs.). O imaginário e o poético nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC, 2005.

MEIRELES, Maria Teresa. Quem isto ouvir e contar, em pedra se há-de tornar: sobre o conto e o reconto. 2 ed. Lisboa: Apenas Livros/IELT, 2005a. (col. À Mão de Respigar)

____. A partilha da palavra nos contos tradicionais. Lisboa: Apenas Livros/IELT, 2005b.

MAINGUENEAU, Dominique. O contexto da obra literária: enunciação, escritor, sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

___. Discurso literário. São Paulo: Contexto, 2006.

NOVAES, Adauto (Org.). Civilização e barbárie. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

OLSON, David R. & TORRANCE, Nancy. Cultura escrita e oralidade. São Paulo: Ática, 1995.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas, SP: Papirus, 1998.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Altas literaturas. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

PINTO-CORREIA, João David. A literatura popular e suas marcas na produção literária portuguesa do século XX: uma primeira síntese. Revista Lusitana, Lisboa, n.9, p.19-45, 1988.

PIRES, Maria da Natividade Carvalho. Pontes e fronteiras: da literatura tradicional à literatura contemporânea. Lisboa: Caminho/IELT, 2005. (col. Universitária)

Revista Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 5, n.12, dez. de 1999.

Revista Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 11, n.24, jul.dez. de 2005.

RICOUER, Paul. Tempo e narrativa. Tradução Roberto Leal Ferreira. Campinas, SP: Papirus, 1997. (Tomo III)

______. Tempo e narrativa. Tradução Maria da Penha Villela-Petit. Campinas, SP: Papirus, 1995. (Tomo II)

____. O si-mesmo como um outro. Campinas: Papirus, 1991.

ROCHA, Ana Luísa Carvalho da; ECKERT, Cornelia. O tempo e a cidade. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2005.

RIEDEL, Dirce Côrtes (org.). Narrativa: ficção e história. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

SARAIVA, Arnaldo. Literatura marginalizada – novos ensaios. Porto: Edições Árvore, 1980.

SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo. São Paulo: EDUSP, 2007.

SANTIAGO, Silviano. O cosmopolitismo do pobre. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

SATRIANI, Luigi M.L. Antropologia cultural e análise da cultura subalterna. São Paulo: Hucitec, 1986.

TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 1970. (col. Debates)

_____. Poética da prosa.São Paulo: Martins Fontes, 2003.

VICH, Victor & ZAVALLA, Virginia. Oralidad y poder. Norma: Buenos Aires, 2004.

WALTY, Ivete. Corpus rasurado: exclusão e resistência na narrativa urbana. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EdUSP, 1994.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

____. Introdução à poesia oral. São Paulo: Hucitec, 1997.

____. Performance, recepção, leitura. São Paulo: EDUC, 2003.



____. Escritura e nomadismo. Cotia: Ateliê, 2005.

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal