Nossa Senhora de Nazaré como produto na publicidade em Belém



Baixar 143.81 Kb.
Encontro23.12.2017
Tamanho143.81 Kb.

Nossa Senhora de Nazaré como produto na publicidade em Belém.

Resumo

O Círio de Nossa Senhora de Nazaré realizado em Belém do Pará há mais de duzentos anos, no 2.º domingo do mês de outubro é a manifestação de identidade cultural do povo paraense e a mídia como publicidade vem adotando a simbologia como elemento de venda de seus produtos. Fato observado na publicação do Jornal “O Liberal” no dia de realização do evento.


Palavras Chaves

Publicidade – cultura – tradição –produto.




Nossa Senhora de Nazaré como produto na publicidade em Belém.
Analaura Corradi1.

O Círio da Nossa Senhora de Nazaré é a maior manifestação popular ligada à religiosidade de origem portuguesa realizada na cidade de Belém no Estado do Pará e mobiliza cerca de 2 milhões de pessoas no segundo domingo de outubro todos os anos.

Esse trabalho visa descrever como é apresentada e desenvolvida a publicidade durante o período desta manifestação de identidade cultural dos paraenses, que atinge proporções gigantescas de religiosidade e de massificação de costumes e atitudes. O objeto de pesquisa está delimitado pelas mensagens apresentadas através do Jornal O Liberal, publicado no domingo de realização do Círio (14/11/01). Vale salientar que a contextualização da cultura, evidenciada através da continuidade da tradição, implica numa “produtivação” de elementos que possam ampliar o Círio, de maneira que venha se relacionar com os diversos setores e anunciantes dos veículos de comunicação.

Apresentação

Há 208 anos na cidade de Belém, no Pará, a população vem manifestando seu ardor de fé através do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, mantendo uma tradição ligada à lenda2 de que a imagem da Santa fugia da casa do caçador Plácido de Souza, em 1700, para ficar às margens do Igarapé Murutucu, hoje local que foi construída a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré.

A procissão do Círio propriamente dita, acontece no 2º domingo de outubro, quando saindo da Catedral, a Imagem é conduzida pelo povo até o Largo onde está a Basílica de N.S. de Nazaré. Esse percurso de mais ou menos 3 Km é percorrido em aproximadamente 6 horas e mobiliza milhares de pessoas nas ruas de Belém, sem contar outras milhares que assistem à passagem da santa dos edifícios, das janelas das casas, dos palanques e arquibancadas armados nas praças, entoando cânticos e proferindo fervorosas orações num lindíssimo espetáculo de fé que é transmitido pelos meios de comunicação a nível nacional.

Toda a manifestação é repleta de simbolismo. Desde da corda que representa o elo de ligação do povo com a Virgem que é transportada em uma luxuosa berlinda, onde milhares de romeiros, descalços, disputam cada pedaço da corda, ou no pagamento de promessas durante a procissão, onde muitos romeiros se vestem com longas mortalhas arrastando pesadas cruzes de madeira, outros levam miniaturas de casas, mini-embarcações e muitos outros objetos que aludem aos milagres feitos pela Virgem, ou mesmo o "carro dos milagres"3, um barco sobre rodas onde são colocados braços, cabeças e outras partes do corpo trabalhadas em cera, que representam a cura de uma enfermidade por milagre da Santa.

Tem ainda como simbologia aspectos de sociais e culturais que implicam em formas de tratamento e comportamento aplicados neste período de festa cristã.

A manifestação de fé envolve não só a população da cidade de Belém, mas todo de o Estado. É importante participar da manifestação de fé e de estar junto com os entes queridos, sendo assim na região, conhecido como o Natal dos paraenses.

O mês de outubro transforma a cidade de Belém, pois a cada ano é inserida na manifestação mais homenagem a Santa alterando não só o tempo da procissão4 como os eventos distribuídos pela cidade que perduram na quinzena do Círio.

Estrutura

Oficialmente, desde 1986, as festividades de Círio incluem a Romaria Rodo- Fluvial, realizada na sexta feira à tarde, como homenagem dos motoristas de carros e demais veículos, a imagem é levada pelas principais avenidas da cidade e pelas rodovias federais e estaduais até o município vizinho de Ananindeua, pernoitando na catedral local. Já no Sábado de manhã, a imagem é levada através da Baía de Guajará, do trapiche de Icoaraci à escadinha do Cais em Belém, acompanhada por um grande número de embarcações concretizando a homenagem dos pescadores e dos que necessitam dos rios como meio de transportes. Em terra firme inicia-se a homenagem dos motoqueiros que acompanham a imagem até à Basílica, novamente, pelas avenidas da cidade de Belém. Depois destas homenagens, a população se prepara para a Trasladação no sábado à noite. Nesta etapa, a imagem encontrada pelo caboclo Plácido, sai da guarda da capela do colégio Gentil Bittencourt e inicia uma procissão acompanhada por milhares de pessoas que cumprem promessas entoando rezando e ladainhas portando velas acessas fazendo o trajeto inverso do Círio que se realiza na manhã do 2. º domingo de outubro.Que simbolicamente é a representação da lenda, onde a Santa ao ser conduzida para longe das margens do igarapé sempre retornava ao seu lugar original.

Há programação especial nas galerias de arte, nos veículos de comunicação seja impresso ou eletrônico. Durante os 15 dias no arraial no largo de Nazaré, tudo é festa, há fogos de artifícios, comidas típicas e parque de diversão. O encerramento dos festejos dá-se após o 4º Domingo de outubro, com a procissão de retorno, chamada Recírio, quando a imagem é devolvida ao seu nicho na Capela Gentil Bittencourt localizada próxima à Basílica de Nossa Senhora de Nazaré.

Há também as festas ditas profanas, que são manifestações populares realizadas entre a Trasladação e o Círio onde alguns romeiros aguardam para se posicionarem na corda e depois do Círio. Por outro lado, de maneira nada profana, há o tradicional almoço composto de comidas típicas regionais para agradar todos os familiares e congregando os parentes e amigos do interior do Estado que vieram homenagear a Santa e agradecer por mais um ano de graça de nossa senhora.


Mídia

Durante mais de 200 anos de realização do Círio o seu crescimento se dá através da fé e também da divulgação realizada através dos meios de comunicação. Antes havia apenas o registro através dos veículos impressos e depois com implemento dos veículos eletrônicos como rádio houve a transmissão de partes das homenagens, com o crescimento do número dos romeiros as emissoras de televisão passaram a transmitir inicialmente partes e depois, se estruturar para divulgação integral para a cidade de Belém e em seguida para o Estado do Pará e demais Estados, via as emissoras nacionais.

Atualmente, a rede Tv Cultura, via a emissora local ligada ao Governo do Estado - Fundação de Telecomunicações do Pará, transmite na íntegra o Círio de Nazaré a nível nacional e as demais emissoras da rede comercial estão a cada ano abrindo maior espaço de tempo em suas programações. O número de turistas de forma crescente lota a rede hoteleira da cidade provocando diversas mudanças de comportamento do comércio local que visam transmitir as características da cultura de fé local aos visitantes e conseqüentemente atendê-los em suas necessidades da melhor maneira.

Delimitaremos como objeto desta pesquisa as mensagens apresentadas através do Jornal O Liberal, publicado no domingo de realização do Círio (14/11/01).

O jornal O Liberal tem mais de 55 anos de fundação com publicação diária e a edição do dia 14 de outubro foi a de número 29.723. Na edição de domingo O Liberal é composto normalmente de 6 cadernos padrões e os encartes a Revista Troppo; a Revista da TV e Classificados. Nesta edição considerando a realização do Círio anexou um caderno especial referente à data e como encartes divulgou um calendário em parceria com a empresa de telecomunicações Telemar; e um Boletim informativo Novo Detran n.º 03 – Transitando.

Segundo pesquisas, o Jornal Liberal é o de maior circulação no Estado, sendo considerado o veiculo imprensa de preferência da população paraense. Segue em termos de linhas editoriais a política de preservar a cultura local sempre enaltecendo as tradições seja nos níveis municipal, estadual ou mesmo da região Norte. Com a base comercial de anúncios, assinaturas e venda a varejo no Estado do Pará e nas demais capitais do país.

Considerando a edição objeto deste trabalho temos, portanto, 142 páginas em 9 cadernos com 131 anúncios dos mais variados tamanhos sendo destes 54 ligados efetivamente em homenagens para população pelo transcurso das festividades do Círio de 2001 representando 41,22% dos números de anúncios na edição só de mensagens do Círio (tabela 01).

Algumas empresas ou instituições marcam a presença com dois tipos de mensagens as institucionais (temáticas- Círio) e a dos seus produtos ou serviços. Outras geralmente, escritório ou consultórios de profissionais liberais, mantém a assiduidade dos contratos de comercialização e se apresentam na edição do Caderno Especial, fazendo uma relação de marcar o seu nome como apoio ao instrumento especial da publicação do veículo “O Liberal”.

No contexto da simbologia dos elementos do complexo Círio as empresas ou instituições governamentais fazem a sua homenagem utilizando em sua maioria elementos significativos de fé, força, união, paz e amor. Elementos representados pela imagem da Santa padroeira, do povo carregando a corda, procissão e dos promesseiros, além de detalhes como mãos, terços, pombas (representando tanto a Paz ou a Santíssima Trindade).

Iremos, portanto, destacar cerca de 16% dos anunciantes que se preocuparam não só em transmitir os votos e homenagens à festividade, mas também buscou em suas peças vender o seu produto ou serviço.

a) Telemar

A


Figura 01
empresa Telemar (figura 01) veicula uma peça em policromia na dimensão de 26cm x 3 colunas. Tem como um de seus produtos os cartões telefônicos aproveitando a época lançou uma série que destaca os elementos tradicionais da cultura do Círio, portanto, imagens dos vitrais da Basílica de Nossa Senhora de Nazaré5, pratos típicos da época e da região, brinquedos de miriti, etc. Na peça, a empresa comparou o uso e o porte dos cartões telefônicos como o costume de fé de conduzir santinhos protetores, reforçado na imagem da carteira porta cartões e na frase: “ É como santinho: você leva na carteira e usa quando mais precisa”. O produto tem como reforço de venda outras frases no anúncio: “Séries de cartões telefônicos Telemar em homenagem à Festa do Círio de Nazaré. Compre o seu no posto de venda mais próximo.” Como assinatura tem a coleção dos cartões e a logomarca da empresa.

b) Shopping Iguatemi

O
Figura 02
Shopping Iguatemi (figura 02) um dos maiores da cidade de Belém, localizado em bairro de tradição de comércio mantém a idéia de shopping classe A da região. Divulga uma peça publicitária em monocromia em tons de cinza, na dimensão de 30 com x 6 colunas. Considerando que a moda é o tema chave do empreendimento, a peça indica um desenho da imagem da Santa Nossa Senhora de Nazaré com um lápis sobre a mesa com as seguintes frases localizadas nas extremidades do lado direito: “Círio de Nazaré, a fé nunca sai de moda” (superior) e “Iguatemi Belém Lugar de ser feliz é aqui.” (inferior).

c) Aspin

E
Figura 03
mpresa de material elétrico (figura 03) que faz um anúncio pequeno de 10 cm x 1 coluna, em policromia. Utilizando o contraste do azul e amarelo (cores oficiais do Vaticano) centralizando a imagem da Santa dentro de uma lâmpada como se essa fosse o próprio filamento da iluminação, acompanhando as frases: Santa Luz! Círio de Nazaré. Fé com energia. Homenagem: Aspin Elétrica (logomarca).

d) Beira Rio Hotel

Beira Rio Hotel (figura 04) localizado em local privilegiado junto ao rio Guamá com muito arborização em sua área de lazer, também conhecido como um dos locais que servem comidas típicas paraenses. Em sua peça publicitária de 20 centímetros por 3 colunas, em policromia faz a relação de seu serviço de alimentação com um dos símbolos da cultura do Círio de Nazaré que é o almoço6 familiar com comidas tradicionais da região, especificamente usando a representação da maniçoba7 e da Santa Nossa Senhora de Nazaré e citando outros elementos da simbologia cultural da festividade na seguinte mensagem : “Círio de Nazaré. A berlinda, a corda, os brinquedos de miriti, os anjos, o carro dos milagres, todos esse são símbolos da maior manifestação de fé da Amazônia: o Círio de Nazaré. Todos líricos e emocionantes. Porém, nem um aproxima mais a família e os amigos que o almoço tradicional d
Figura 04
epois da procissão. Pato no tucupi, maniçoba, vatapá, tantas delícias que encantam o paladar e aquecem o coração do povo paraense. Feliz Círio e bom apetite. São os votos do hotel mais paraense de todos, o único abençoado pela nossa natureza.” Com a assinatura Beira Rio Hotel (logomarca) e o endereço.

e) Cerpa

C
Figura 05


ervejaria Paraense (Cerpa) (figura 5) empresa tradicional no mercado de bebidas na região com repercussão nacional. Produziu anúncio de página inteira em policromia destacando detalhe do rótulo de seu produto – cerveja draft beer – onde inseriu em período de festa o desenho da imagem da berlinda com ênfase na Santa e em partes dos rostos dos promesseiros e também parte da foto de seu produto, isto é, a cerveja engarrafada com a características transpiração de bebida gelada. O anúncio contém as seguintes frases: “Cerpa Círio de Nazaré. Círio... festa nossa! Cerpa ...Cerveja nossa! Os nossos desejos de um Feliz Círio ao povo paraense.”

f) Amazônia Celular e Servcell

A
Figura 06
Amazônia Celular empresa de telefonia e a Servcell revendedora de aparelhos celulares em parceria (figura 06) publicam uma peça em policromia na dimensão de 15 centímetros x 3 colunas destacando a uma foto da imagem da Santa e outra das pernas dos promesseiros da corda do Círio8 interligadas com uma corda, fazendo a relação da parceria e os procedimentos tecnológicos para acessar a comunicação telefônica. A mensagem da peça publicitária convoca e faz com que o possível comprador venha fazer parte da interligação através do produto, pois parte do valor de aquisição será encaminhado para ação assistencial. “Uma ligação que jamais poderá ser cortada. A Servcell também está ligada nas obras assistenciais da Igreja Nossa Senhora de Nazaré, doando R$ 10,00 a cada habilitação de pós-pago durante o mês de outubro. Homenagem ao Círio de Nazaré, a festa de quem se liga na união e na paz.” Com as logomarcas de assinaturas das duas empresas.

g) Ducar Veículos

E
Figura 07
mpresa revendedora de veículos (figura 07) que publica peça publicitária em monocromia em tons de cinza e apenas a assinatura na cor lilás, padrão da logomarca Ducar Veículos. A dimensão do anúncio é de 5 centímetros por 2 colunas. A relação da mensagem esta de forma subliminar, pois o produto da empresa (carros) está posicionado de forma que o contorno interno coincide com a forma da Santa de Nossa Senhora de Nazaré e o contorno externo como mãos espalmadas em oração. O texto faz menção ao ato de “fazer promessa” na seguinte expressão além da assinatura e endereço completo da empresa: “Adquira seu novo carro sem precisar fazer promessa.” “Taxa de 2,3% até 36X.”
h) Ana Unger

A


Figura 08
na Unger Centro de Dança (figura 08) que vem a cada ano desenvolvendo além do ensino da dança em diversos estilos, atuando em eventos culturais na região ligados a dança e a saúde. Sua peça publicitária é em policromia, na dimensão de 16 centímetros x 5 colunas. A empresa escolheu interligar a dança com a simbologia lúdica representada nos brinquedos de miriti9 na forma de casais dançando com dizeres que colocam a vida num palco. “Círio. Fé e arte no palco paraense. O Centro de Dança Ana Unger homenageia o Círio de Nazaré e todas as expressões artísticas e culturais que estão presentes nessa grande festa.” O anúncio contém a logomarca da empresa como assinatura.

i) Eletronorte

C
Figura 09
entrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (figura 09) empresa de produção de energia elétrica da região Norte que transmite parte da energia para região Nordeste e Sudeste do país. Sobre uma foto, em policromia, na dimensão de 26 centímetros por 6 colunas, a qual destaca as mãos dos promesseiros puxando a corda fazendo a relação da força humana movida pela fé com o trabalho da empresa em produzir energia para o viver da comunidade. Como reforço tem a seguinte frase em destaque: “O condutor da fé.” E a seguinte mensagem acima de sua assinatura: “A Eletronorte se junta à gente do Pará e celebra o Círio de Nazaré, um acontecimento único de fé e confraternização. Eletronorte conduzindo energia em todos os momentos de nossas vidas.”

Considerações

Todos os casos apresentados envolvem toda a tradição que fundamenta a prioridade das festividades do Círio na região, inclusive sendo culturalmente mais importante que as festividades natalinas. Todos os momentos, desde dos preparativos até o momento do final do Recírio, tem uma simbologia na cultura paraense que remonta diversas passagens de fé, amizade, amor e fraternidade ao logo de mais de 200 anos de realização.

O número de anúncios totaliza 131, mas para preservar a tradição algumas empresas incidem duas ou mais peças na edição de “O Liberal” que circula no domingo de realização do evento. Das mensagens que relacionam a homenagem a Santa e os produtos e ou serviços das empresas /instituições podemos afirmar que esses 16% abordam os elementos da tradição cultural religiosa com respeito e enaltecendo os atos de fé.

Há a predominância da representação da imagem da Santa que congrega em sua essência todos os elementos de seu complexo de tradição cultural, não foi esquecida a corda que implica no sacrifício ao amor e à dedicação no próprio pagamento da promessa realizada nas procissões (Trasladação/Círio), assim como os brinquedos, ou mesmo a confraternização do almoço.

Atuar com a divulgação da tradição vem fazendo da manifestação no Estado do Pará um foco de atenção que a “produtivação” do evento justifica o crescente número de atividades paralelas existentes, a cada edição, para que possam todos os visitantes e turistas visualizar e vivenciar momentos de fé.

As empresas não podem deixar, no atual momento econômico, passar a atenção do leitor que sensibilizado pode agregar mais um valor ao seus produtos. Vale salientar que desde de 1997, segundo Leila Jinkings, presidente da empresa municipal de turismo da capital do estado – Belemtur, o setor de turismo vem registrando um crescimento de 12% , justificando a melhoria da infraestrutura da cidade em recebê-los.

A procissão registra uma média de 1,7 milhões de romeiros o que aquece o setor comercial em 30% de acordo com dados da Secretaria Municipal de Economia, que libera as autorizações para o comercio informal durante as festividades. O Dieese divulga que deste crescimento cerca de 10% são gastos em vestuários, 20% com alimentação e em torno de 2% com lembranças e promessas. A estimativa do Governo do Estado do Pará é que o Círio movimenta e injeta cerca de 7 milhões de dólares com os setores do comércio, industria e serviço.Comparativamente o paraense gasta de seu salário 32% no Círio e cerca de 41% da população economiza todo o ano para gastar na quadra nazarena.

Evidentemente que com o apoio da mídia, o evento ocasiona a “produtivação” e a cada ano as empresas vem direcionando suas mensagens para que possam também encampar os recursos disponíveis no mercado.

Vale salientar que a contextualização da cultura, evidenciada através da continuidade da tradição, implica nesta “produtivação” de elementos que possam ampliar o Círio, de maneira que venha se relacionar com os diversos setores e anunciantes dos veículos de comunicação.

O próprio veículo “O Liberal” faz parte das Organizações Rômulo Maiorana que vem promovendo eventos e produtos para que possam comercializar mais espaços publicitários atendendo a demanda dos anunciantes e as necessidades dos assinantes e leitores. Com estas ações fundamentadas e apoiadas pela a mídia de forma geral atuam como representações sociais conforme afirma Sodré (1996:165) que “incorporam conteúdos na fronteira do individual ao social relativos à vida cotidiana, reorganizando-os numa modalidade de saber adaptada à fácil comunicação” No “corpo grupal”, segundo o autor, a sociedade mediatizada vem naturalmente admitindo a integração dos elementos. No caso, os elementos da tradição cultural do Círio como os elementos utilizados na venda de produtos e serviços.

Desta forma a medialização faz com que o conceito de cultura venha coincidir com a opinião de Canclini (1983 p. 29) que corresponde com “a produção de fenômenos que contribuem, mediante a representação ou reelaboração simbólicas das estruturas materiais, para a compreensão, reprodução ou transformação do sistema social”. Assim, podemos registrar que as empresas, via a mídia, vêm reelaborando a forma de vender seus produtos ou serviços salientando a idéia de integração da manifestação cultural-religiosa de seus elementos simbólicos com o cotidiano de consumo no universo da comercialização.



Bibliografia
ALVES, Isidoro O carnaval Devoto : Um estudo sobre a Festa de Nazaré, Belém Petrópolis Ed. Vozes 1980.

AZEVEDO, Luiza Elayne.Uma viagem ao Boi Bumbá de Parintins: do turismo ao marketing cultural.In: Somanlu, Revista de Estudos Amazônicos.Publicação do Programa de Pós- Graduação em Natureza e Cultura na Amazônia, da Universidade do Amazonas. Ano II, n.º2:edição especial – Manaus: editora Valer, 2002

BONNA, Mizar Klautau Círio: Painel de vida. Belém Secult 1992.

BORDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas . São Paulo Perspectivas 1974.

BORDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, Rio de Janeiro: Bertrand

Brasil,1989.



BRANDÃO, Carlos Rodrigues –A Cultura na Rua. Papirus. Campinas 1989.

CAMARA CASCUDO, Luis da – Dicionário do folclore Brasileiro. Rio de Janeiro. Ed Ouro.

CANCLINI, Nestor Garcia. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CORRADI, Analaura. Círio de Nossa Senhora de Nazaré a divulgação com a grandeza da fé. In IV Conferência de Folk Comunicação, Campo Grande –MS, 2001 {Comunicação Oral}.

DA MATTA, Roberto O carnaval com um rito de Passagem. In Ensaios de Antropologia Estrutural. Petrópolis Vozes 1973.

DURKHEIM, Emile – As Regras do Método Sociológico. São Paulo. Ed Nacional 1972.

GEERTZ, Clifford O saber local. Novos ensaios em antropologia interpretativa.Petrópolis, Vozes. 1998

ILDONE, José. Círio, eterno tema. O jornal o Vigiense. 1984. Pará.

_____- Festa de Nazaré, luz e penumbra. Jornal O Liberal de 1984. Belém.

JORNAL O Liberal edição de 14/11/2001 – Belém Pará

MAUÉS, R. Heraldo – O círio de Nossa Senhora de Nazaré: Manipulação e protesto político. Comunicação do ISER. 1982.

MONTEIRO, Benedito – O carro dos Milagres – Belém Ed Boi Tempo.1975.

REVISTA Ver o Pará. Agência Ver editora - n.º 12 Junho 1998

REVISTA Guia Executivo Belém e Interior – Gazeta Mercantil 2000.

ROCQUE, Carlos – História do Círio e da Festa de Nazaré – Mitoograph 1981.

SODRÉ, Muniz- Reinventando @ cultura . a comunicação e seus produtos –Petropolis Vozes 1996

OLIVEIRA, Omar Souki – Genocídio Cultural. Ed Paulinas São Paulo 1991.

Anexo 01 Tabela 01

Quadro de identificação das mensagens publicitárias




n.º

Página/caderno

Anunciante

Imagens

Tamanho(cms)

01

1.ºp. capa

Estacon Engenharia

S/I

5x14,5

02

1.ºp. capa

Telemar

S/I

5x14,5

03

05/atualidades

Sindicato da Industria de Panificação e Confeitaria dos Estados do Pará e Amapá

F. Santa

3x14,5

04

5/atualidades

Câmara Municipal de Belém

F. Santa

15x14,5

05

5/atualidades

Tribunal de Contas dos Municípios

F. Berlinda

10x14,5

06

14/atualidades

NBT – Telefonia celular

Procissão/Berlina

40x24,5

07

01/esportes

Radiolux

S/I

5x9,5

08

01/esportes

Microtécnica

F. Berlinda

5x9,5

09

01/esportes

Botequim

F. corda

5x9,5

10

06/esportes

Goden Palace

Loterpa


CLI-Concessionária Loterpa

Estação da Sorte



Santa/ Pombas

28x25

11

06-07/esportes

Prefeitura de Parauapebas

S.I

10x60

12

07/esportes

Sistema da Federação das Industrias do Estado do Pará

Terço na mão/ F. corda

25x19,5

13

08/esportes

Banpará

Criança em embarcação

30x24,5

14

12/esportes

Bel-Fone

S/I

5x19,5

15

01/Painel

Amazônia Celular

Santa

26,5x29,5

16

05/Painel

Aspectho

S/I ( Paz- com o logo da empresa

12x19,5

17

08/Painel

Silveira,Athias, Soriano de Mello,Guimarães, Pinheiro &Scaff,Brandão S/C Advogados

Luz da Santa sob a Terra no Universo

40x24,5

18

12/Painel

Saga- Viligância Transporte de Valores

Santa

54x29,5

19

13/Painel

Companhia Vale do Rio Doce

Procissão/Berlinda e fita de bons devotos

40x 24,5

20

17/Painel

Bemol

Sugestão da corda

15x9,5

21

17/Painel

Big Bem Farmácias

Santa

35x19,5

22

19/Painel

Vereador Mario Correa

Mensagem de Paz com foto dele e da filha abraçados

14x9,5

23

19/Painel

Assembléia Legislativa do Pará

Círio/Berlinda

20xx14,5

24

18-19/Painel

Prefeitura Municipal de Ananindeua

Foto da prociss ão Rodo Fluvial em Ananindeua e a Santa em destaque

26x60

25

20/Painel

A Pontual –Peças e Motores

Desenho da Berlinda estilizada

10x30

26

20/ Painel

Governo do Estado do Pará

Mãos e pé do Círio

26x30

27

24/Painel

Geo (escola)

Santa

53x14,5

28

24/Painel

Telemar*

Fotos do produto “cartão telefônico” com elementos do Círio.

26x14,5

29

01/Cartaz

Shopping Iguatemi*

Desenho estilizado da Santa

26x30

30

03/Cartaz

Cairu Sorveteria

Santa

5x9,5

31

03/Cartaz

Sindicato dos Estivadores e Trabalhadores em Estivas de Minério do Estado do Pará

Santa

5x9,5

32

03/Cartaz

Tribunal de Justiça do estado do Pará

S/I

16x9,5

33

07/Cartaz

Assembléia Paraense(clube)

Coroa da Santa

10x9,5

34

07/Cartaz

Revisão Unificado

A palavra Paz com a figura estilizada da Santa no lugar da letra “A”.

26x14,5

35

07/cartaz

Norsegel

Círio e Santa em destaque

26x14,5

36

12/cartaz

Cerpa*

Desenho estilizado da procissão, berlinda como rotulo do produto “cerveja”.

54x30

37

13/Cartaz

ASPIN Elétrica*

Santa

10x4,5

38

13/Cartaz

Beira Rio Hotel*

Santa x maniçoba

20x14,5

39

17/cartaz

Amazônia Celular e Servcell*

Santa/pés ligados pela corda.

15x14,5

40

18/Cartaz

Bemol

Sugestão da corda

14,5x9,5

41

19/Cartaz

Ana Unger*

Brinquedos de miriti (casais dançando)

16x24,5

42

19/Cartaz

Equatorial Hotel

Fita de devotos

20x24,5

43

20/Cartaz

Iniodonto

Fita de devotos

12x30

44

24/Cartaz

ORM

Imagem com efeito da Berlinda

54x30

45

01/Automóvel

Ducar Veículos*

Estilizando a imagem da Santa (forma dos Carros)

5x9,5

46

01/Automóvel

Moraes Veículos

Santa e Basílica (desenho)

5x9,5

47

01/Automóvel

Motobel e Nippon Veículos

Santa e corda

14x14,5

48

01/Mulher

Pharmacia Artesanal

Rostos e Santa

20x14,5

49

01/Especial Círio

Eletronorte*

Corda

26x30

50

06/Especial Círio

IESAM

Santa /Basilica

20x14,5

51

06/Especial Círio

Di Marco

Santa

10x4,5

52

08/Especial do Círio

Banco da Amazônia e Governo Federal

Santa/Basílica

40x19,5

53

08/Especial Círio

Texa Cargas expressas

S.I

5x9,5

54

08;Especial Círio

Pavan Churrascaria

Santa

10x9,5

S.I sem imagem só texto institucional.



1 Ms. Analaura Corradi - Bacharel em Comunicação Social nas habilitações de Jornalismo e Relações Públicas – UCPEL / RS, Especialista em Teoria e Metodologia da Comunicação – UFPA, em Avaliação do Ensino a Distância –UNB/UNAMA, Mestre em Lingüística-UFPA. Professora do Curso de Comunicação Social nas habilitações de Relações Públicas e Publicidade e Propaganda e do Curso Seqüencial de Gestão em Turismo da Universidade da Amazônia - Unama – Pa


2 Segundo a lenda, Plácido era um caboclo da região que em certo dia, saiu para caçar no rumo do igarapé Murutucu e depois, de muito caminhar na mata, parou para refrescar-se nas margens do igarapé e viu a imagem de uma Santa entre as pedras cheias de lodo. Plácido levou a imagem da Santa Nossa Senhora de Nazaré para sua casa e ali num altar humilde passou a venerar a Santa. Mas, no dia seguinte a imagem havia sumido. Sem saber o que acontecera, Plácido saiu andando pela estrada indo parar nas margens do Murutucu. Para sua surpresa, a imagem estava novamente entre as pedras, no mesmo lugar onde fora encontrada. Dizem os devotos, que a Santa sumiu outras vezes e essa história chegou ao conhecimento do governador, que mandou levar a Imagem para o palácio, sede do governo do Estado do Pará (localizado no bairro da Cidade Velha) e a manteve sob severa vigilância. Mas, pela manhã a imagem havia sumido novamente. Plácido e os devotos concluíram que a Santa queria ficar às margens do Igarapé e lá construíram a primeira Ermida, hoje Basílica de Nossa Senhora de Nazaré.

3 Este carro representa o naufrágio do navio São João Batista, em 1846, em que as pessoas se salvaram graças à ação milagrosa da Virgem. Outro carro que percorre o Círio é o dos Anjos onde crianças vestidas de anjos cumprem os propósitos de agradecimentos por bênçãos recebidas.


4 No ano 2000 o tempo da procissão foi de aproximadamente 10 horas e 2001 por controle dos organizadores o tempo foi reduzido para cerca de 6 horas.

5 A Basílica de Nossa Senhora de Nazaré foi construída (desde 1866) nas margens do iguarapé Murucutu, local em que a Santa foi encontrada e que, segundo a lenda, sempre retornava é uma réplica da Basílica de São Pedro de Roma e contem vitrais doados por famílias nobre e tradicionais do estado do Pará que contam as principais passagens e lendas relacionadas a Santa Padroeira.

6 Almoço do Círio- por tradição, mais importante que as festividades natalinas no Pará, requer dos donos da casa atenção em bem servir as visitas, familiares e pessoas do interior , que sempre com dificuldades de transportes sofriam para chegar a capital, mas por fé e devoção vinham agradecer às benção recebidas durante o ano.Caracteriza–se por servir comidas típicas, que originárias da culinária indígena, requer cuidados e tempo para o preparo. Ex .: Pato no Tucupi e a Maniçoba foram inseridos como pratos principais, pois antigamente os moradores eram ribeirinhos do igarapé Murucutu, portanto pescadores, que optavam por um manjar diferenciado do pescado para agradar os visitantes.

7 A maniçoba é um prato típico da região feito da folha da mandioca e partes de porco ( parecido com feijoada) que depois da folha moída, fica em fervura por sete dias para eliminar o veneno contido em sua essência. A tradição e a cultura para o consumo do prato implicam no cuidado e na consideração do anfritião que efetivamente se prepara para receber seus convidados, considerando as necessidades para o preparo do prato.

8 Corda do Círio – Nas primeiras procissões, considerando o terreno na época de terra batida e o excesso de chuvas nos meses de setembro a dezembro na região, a berlinda atolava e para retirar a Santa do atoleiro os romeiros prenderam uma corda a berlinda para puxá-la. Desde de então, passou a ser motivo de pagamento de promessas ficar na corda, a qual a cada ano tem sua extensão ampliada. Atualmente a corda tem mais de 500 metros de extensão tanto do lado masculino como feminino. Durante o percurso, devido estreitamento das ruas ou condições para se realizar as curvas, a corda é cortada por ordem dos organizadores, motivo de polemica anual, para garantir a segurança dos promesseiros e dos romeiros.

9 Brinquedos de miriti – segunda a tradição cultural do Círio o morador do interior, nosso cabloco, ao vir a Belém para participar da procissão e festividades do Círio de Nazaré , por educação e gentileza produzia ( feito de caule de um tipo de palmeira) e trazia como lembranças para os filhos dos donos das casas que estariam hospedados. Atualmente, os brinquedos de miriti são produzidos, com antecedência, para serem vendidos nas ruas, apenas durante o mês de outubro. Tem pessoas que acreditam dar sorte presentear amigos e crianças com brinquedos de miriti no dia do Círio.


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal