O conhecimento das mulheres sobre detecçÃo precoce do câncer de mama e as barreiras encontradas no serviço de saúDE



Baixar 63.52 Kb.
Encontro03.02.2018
Tamanho63.52 Kb.




O CONHECIMENTO DAS MULHERES SOBRE DETECÇÃO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA E AS BARREIRAS ENCONTRADAS NO SERVIÇO DE SAÚDE

Amanda Dias Xerez 1

Maria do Socorro Mineiro Almeida 1

Sue Helem Bezerra Cavalcante Facundo 2

Cleoneide Paulo Oliveira Pinheiro3

Raimunda Magalhães da Silva4

___________________________________________________________________________

  1. Aluna de graduação do Curso de Enfermagem da Universidade de Fortaleza – UNIFOR

  2. Mestranda em Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza - UNIFOR

  3. Doutoranda em Saude Coletiva pela AAA UECE-UFC-UNIFOR

  4. Pós-doutora em Saúde Coletiva e Professora e Coordenadora de Pós-graduação e pesquisa na Universidade de Fortaleza - UNIFOR

INTRODUÇÃO

O câncer é um termo mundialmente usado para exibir uma variedade de doenças que devido à perda de controle em sua divisão, faz desencadear um crescimento desordenado de células, incluindo tumores malignos com localizações distintas. Dentre os tipos de câncer, o de mama é a tipologia que apresenta comportamentos variados. A diversidade deste câncer pode ser observada pelas várias manifestações clínicas e morfológicas, com assinaturas genéticas distintas e prováveis respostas terapêuticas (INCA, 2014).

No mundo, os tipos de câncer mais incidentes em mulheres são os câncer de pele não melanoma e o CA de mama. Identificaram que 25% dos casos de câncer no mundo, em 2012, foram referentes ao CA de mama. Correspondendo a 1,7 milhões de casos novos(WHO, 2014).

No Brasil, a neoplasia da mama é a mais incidente em mulheres de todas as regiões do país, menos na região Norte, pois o câncer do colo do útero encontra-se em primeiro lugar. Para o ano de 2014 foram previstos 57.120 casos novos, significando uma taxa de incidência de 56,1 casos por 100.000 mulheres (BRASIL, 2013).

As mortes por CA de mama, em 2011, representaram a principal causa de morte por câncer no país, mostrando-se em 15,7% do total de óbitos, mas em 2013 esse número caiu para 7,3%. Neste mesmo ano, a mortalidade proporcional por neoplasia da mama foram os mais altos na região Sudeste (7,3%) e Centro-Oeste (7,3%) e Sul (6,6%), pois representaram segundo lugar e o Nordeste (7,3%) e Norte (5,8%) representando a quarta e quinta colocação em mortalidade (BRASIL, 2014).

A causa do câncer de mama, até então não foi descoberta. Porém existem alguns fatores de risco que predispõem seu aparecimento, tais como: idade, menarca precoce, menopausa tardia, primeira gravidez após os 30 anos, nuliparidade, exposição à radiação, terapia de reposição hormonal, obesidade, ingestão regular de álcool, sedentarismo e história familiar (BRASIL, 2013).

O surgimento de nódulo, na maioria das vezes indolor, duro e irregular é o sintoma mais comum do câncer de mama. No entanto, existem tumores com consistência branda, globosos e definidos. Outras características desta neoplasia, são: edemas cutâneos semelhante a casca de laranja, retração cutânea, dor, mamilo invertido, hiperemia, mamilo descamado ou ulcerado e secreção papilar, principalmente quando é unilateral e espontânea. Geralmente a secreção relacionada ao câncer de mama se apresenta de forma transparente, podendo ser rosada ou avermelhada por conta da existência de glóbulos vermelhos. Linfonodos palpáveis na axila também podem aparecer (INCA, 2014).

O câncer de mama quando identificado nos primeiros estágios, ou seja, quando as lesões encontram-se menores que dois centímetros de diâmetro, mostra um bom prognóstico, mas para isso é preciso a inserção de estratégias para a detecção precoce da doença.6 Tais estratégias são, o rastreamento e o diagnóstico precoce (OWH, 2014). Para as duas estratégias é essencial que a mulher tenha conhecimento das possíveis alterações nas mamas e busque o serviço de saúde imediatamente caso haja alguma anormalidade suspeita (INCA, 2014).

A estratégia do diagnóstico precoce auxilia na redução do estágio em que o câncer se apresenta. Nesse caso é relevante a educação da mulher e dos profissionais de saúde para que possam reconhecer os sinais e a sintomatologia da neoplasia da mama, assim como o fácil acesso e rapidez aos serviços de saúde (INCA, 2014). Os casos com alterações no ECM sugestivas de câncer devem ser encaminhados a um serviço de referência para o diagnóstico do câncer de mama, para assim complementar a investigação diagnóstica (BRASIL, 2013).

O autoexame das mamas mostrou-se como uma estratégia para a diminuição dos tumores de mama diagnosticados em fase avançada, no entanto, ensaios clínicos demonstraram que a mortalidade desse câncer não diminuía com a realização do autoexame das mamas, então foi adotada por vários países uma estratégia de alerta para a saúde das mamas ( THORNTON & PILLRISETTI, 2008).

A estratégia de alerta à saúde das mamas enfatiza a relevância do diagnóstico precoce e orienta às mulheres para a realização da autopalpação das mamas sem técnica específica e sem recomendações, ao realizá-la sempre que estiver confortável, podendo assim, descobrir casualmente pequenas alterações nas mamas. Isso porque, as mulheres com diagnóstico de câncer de mama identificaram o câncer através da autopalpação ocasional quando comparado com o autoexame, ou seja, a estratégia da palpação ocasional mostrou-se mais eficiente do que o autoexame (INCA, 2014).

O direcionamento a um público alvo, uma maior qualidade de exames e um tratamento apropriado, são intervenções que vem reduzindo a taxa de mortalidade por câncer de mama em países que realizaram a implantação de programas efetivos de rastreamento.12 Já no Brasil os métodos utilizados para a atenção total a saúde da mulher para a realização de rastreamento são: a mamografia e o exame clínico das mamas (INCA, 2014).

Diante do exposto, identifica-se a necessidade de conhecer a realidade da assistência à saúde das mulheres. Sabe-se que há falhas nas estratégias disponibilizadas pelo Ministério da Saúde para a detecção precoce, devido ao alto índice de diagnóstico tardio de CA de mama. Assim é importante identificar quais erros estão ocorrendo no sistema de saúde. A relevância do estudo dar-se pela necessidade de buscar essa limitação diretamente com as usuárias, visando conhecer a percepção das mulheres quanto a detecção precoce do CA de mama e a dificuldades encontradas no serviço de saúde.

Desta forma, este estudo teve por objetivo identificar o conhecimento das mulheres acerca da detecção precoce do câncer de mama e a sua percepção quanto as barreiras encontradas no serviço de saúde.


METODOLOGIA

Trata-se de um estudo exploratório e descritivo com abordagem qualitativa, que segundo Minayo, a pesquisa qualitativa contempla aspectos muito particulares, visto que trabalham com o universo dos significados, das percepções, aspirações, atitudes, crenças e valores, correspondendo a um espaço de tempo mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos os quais não podem ser reduzidos as mensurações estatísticas. Esse método permite desvelar processos sociais ainda pouco conhecidos, possibilita a construção de novas abordagens e criação de conceitos durante a investigação (MINAYO, 2013).

O estudo foi realizado na Regional III do município de Fortaleza, Ceará, onde a mesma conta com 16 Unidades de Saúde das quais quatro foram selecionadas aleatoriamente para realizar a pesquisa (CSF César Cals, CSF Santa Liduína, CSF Humberto Bezerra e CSF Anastácio Magalhães).

Participaram da pesquisa 20 mulheres atendidas em quatro unidades básicas de saúde da SER III, cinco em cada unidade, com faixa etária entre 31 a 68 anos de idade, adstritas à área em estudo, livres de doenças com diagnósticos de câncer ou degenerativas. As participantes foram identificadas pela letra P e enumeradas de 1 a 20.

A coleta de dados ocorreu no período de março e abril de 2015, utilizando um roteiro de entrevista semiestruturado contendo dados de identificação, dados históricos de vida, antecedentes ginecológicos e obstétricos, antecedentes de doenças mamárias, antecedentes familiares de câncer, uso anterior de radioterapia, exames periódicos de prevenção, hábitos e perdas. E, questões que nos forneça informações sobre o conhecimento e crenças a cerca do câncer de mama, detecção precoce, autoexame da mama, exames preventivos e dúvidas quanto à doença. O encerramento da coleta de dados deu-se após verificar saturação das falas. As entrevistas foram gravadas com o consentimento das entrevistadas.

Segundo Bardin, analisamos os dados que retratam que a análise de conteúdos contém três etapas: pré-análise; a exploração do material; o tratamento dos resultados, inferência e a interpretação (BARDIN, 2011).

O projeto foi submetido e aprovado ao Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza, conforme o Parecer de nº 618.818. Atendeu-se ao previsto na Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde.

RESULTADOS E DISCUSSÃO




Conhecimento das mulheres em relação à detecção precoce do câncer de mama


Embora estudos realizados afirmem que o Auto Exame da Mama (AEM) não é eficiente para o rastreamento, é importante que a mulher o faça a fim de se obter um conhecimento do próprio corpo e assim, ser capaz de reconhecer alguma alteração. Por tanto, as principais formas de rastreamento do CA de mama é através da realização do Auto Exame da Mama (AEM), do Exame Clínico da Mama (ECM) e da mamografia (BRASIL, 2013).

Quando questionadas acerca da detecção precoce do Ca de mama as participantes referiram:

Ah, eu acho que a pessoa tem assim, mais tempo de correr para obter um tratamento [...]” (P03).

Eu não sei, eu não sei nem falar sobre isso” (P7).

É a pessoa fazer os exames. Olhar, tocar e fazer a mamografia” (P16).

[...] A pessoa tem que tá fazendo todo o toque e algum caroço que aparecer. Aí tem que ir no médico. Pra saber se é câncer”( P17).


Após observar as falas das participantes, pôde-se perceber que a maioria entendia por detecção precoce do Ca de mama a realização de exames como a mamografia e a autopalpação, a identificação de sinais e sintomas e à procura de assistência médica precoce. Entretanto, algumas mulheres ficaram confusas sobre o assunto ou não souberam responder.

Percebemos a limitação e até ausência de conhecimento acerca do que lhes foi questionada. Vale ressaltar que apesar da ambientação devida para as entrevistas, perguntas relacionadas a fim de identificar o conhecimento acerca de determinado assunto pode causar receio no entrevistado (a), dificultando, assim, que ele (a) consiga falar sobre o assunto. Outras variáveis relacionadas são o nível de escolaridade e a renda familiar que são fatores determinantes na contribuição para gerar um bom conhecimento.

Para Batiston, a detecção do câncer de mama precocemente é um fator determinante da doença, onde, no Brasil a maioria dos tumores malignos e de mama é encontrada pela própria mulher em estágios mais avançados, o que acarreta a necessidade de tratamentos mais agressivos, além das altas taxas de mortalidade. O que acontece nesses casos é que o custo de tratamento de um câncer avançado para o Sistema Único de Saúde (SUS) é significativamente maior se comparado a um câncer com diagnóstico precoce BATISTON, 2010).

Quando indagadas sobre quais as formas de detectar precocemente o câncer de mama, obtivemos as seguintes falas de algumas das entrevistadas:

Não, não conheço” (P2).

É a mamografia” (P14).

[...] Através dos exames [...] Principalmente o exame de toque. Pra ver se você encontra algum nódulo pra você procurar um médico e partir pra outros exames. Como a ultrassonografia e a mamografia” (P20).
De acordo com as falas das participantes, o autoexame e a mamografia são os principais métodos que auxiliam na detecção precoce da doença, enfatizando a procura do médico na observação de alguma anormalidade ao realizarem o autoexame da mama em casa e assim dar continuidade no rastreamento até obter um diagnóstico. Porém, percebe-se a restrição e falta de conhecimento por parte de algumas dessas mulheres entrevistadas.

Quando interrogadas, especificamente, acerca do entendimento do autoexame das mamas as participantes responderam que:

Acho que é pra gente detectar se tem um nódulo, alguma coisa assim pra gente saber” (P1).

Eu não conheço não. Ninguém nunca me perguntou, eu nunca perguntei, nunca procurei saber, eu não posso criar uma história que eu não sei” (P4).

Conheço. É no toque mesmo, no banheiro sozinha, levanta os braços, aí faz na região redonda assim [...] (P11).

Justamente como uma prevenção. Você se precaver, se você sentir alguma coisa diferente você já ir procurar o médico.” P13.

Só deita. Ela faz, quando eu faço, ela faz a prevenção e ao mesmo tempo ela e ginecologista e mastologista e ela faz toda a avaliação da mama, ela vai olha tudinho, bota a mão pra cima e ela vê axila, vê essa parte todinha, pra ver se tem alguma coisa [...]” (P17).

Conheço, é aquele após... é antes da menstruação, 10 dias e após, que você levanta o braço, as axilas, faz o autoexame de toque” (P20).


Percebemos nos relatos que a maioria conhece o autoexame da mama, contudo não entendem a forma correta de como proceder, se mostraram confusas e apresentaram incoerência nas falas. O exame clínico foi confundido com o autoexame da mama. Algumas relataram que não conheciam.

Em seu estudo Silva et al, constatou-se grande déficit de conhecimento referente a quem deve fazer o AEM bem como à frequência de realização do mesmo, onde 54,0% das participantes afirmaram que este deve ser realizado por mulheres a partir dos 35 anos e 74,5% delas afirmaram que o exame deve ser realizado uma vez por ano (SILVA, 2011).

Quando questionadas em relação ao conhecimento sobre o câncer de mama a participantes relataram:

[...] Porque eles tiram o seio. No câncer de mama [...]”P2.

[...] A minha nora tem uma irmã que ela perdeu uma mama, e agora ele tá se espalhando no corpo, sabe? É muito triste, o corpo dela tá tomado pela doença [...]” (P3).

Não sei não.” P5.

[...] se a pessoa não cuidar logo é arriscado perder a mama [...]”P8.

Só conheço isso mesmo. Só conheço que é um mioma. Aí tem dois tipos de mioma. O benigno e o maligno, e só” (P10).

Ouvi falar que ou mata ou arranca os seios. Só o que eu vejo falar” P17.

Sofrimento. Porque eu passei foi acompanhando minha mãe durante sete anos de tratamento, muito sofrimento [...]” (P20).


De acordo com as falas das participantes, percebeu-se que muitas associam o Ca de mama à retirada do seio, mastectomia. Percebemos a implantação de mitos no entendimento dessas mulheres. Outras relataram que é uma doença muito triste, de muito sofrimento e que conhecem pessoas próximas que já tiveram o diagnóstico. Ao responderem a respeito do Ca as mulheres sempre demonstravam sentimento de tristeza e medo. As mulheres relacionam a perda do seio ou a morte com o câncer de mama e talvez essa crença seja um ponto muito intenso fragilizando seus sentimentos fazendo-as não procurar o sistema de saúde.

O conhecimento e a consciência das mulheres a respeito do Ca de mama têm merecido atenção de vários pesquisadores. Parece está estabelecida a relação entre o nível de conhecimento das mulheres e o atraso no diagnóstico do Ca de mama e também na aderência às práticas de rastreamento (SEAH & TAH, 2007). Assim, o conhecimento acerca dos fatores de risco e dos métodos de detecção precoce constitui-se como importante fator para o controle do Ca de mama (FERNANDES, 2007).




Estratégias utilizadas pelas usuárias no serviço de saúde para detecção precoce do câncer se mama

Quando se fala em câncer de mama, a mamografia e o exame clínico das mamas são apontados como métodos eficazes na detecção precoce da doença (SANTOS & CHUBACI, 2011).

Quando questionadas acerca dos exames realizados pelas usuárias para a detecção precoce do câncer de mama, pudemos observar nas falas que 13 mulheres já haviam realizado o exame de mamografia, quatro mulheres já realizaram a ultrassonografia mamária, e seis demonstraram que não haviam realizado.

A estratégia de prevenção primária, secundária e terciária tem sido utilizada com o objetivo de prevenir enfermidades, diagnosticá-las e tratá-las precocemente e minimizar seus efeitos na população, assegurando, a cada indivíduo continuidade na sua assistência (RICCI et al, 2000).

Diferentemente da mamografia, que é um exame de imagem com laudo documental, pode-se dizer que o ECM é subjetivo. É importante que os profissionais estejam atentos e percebam que a explicação dos processos a paciente pode ser de grande valia ao diagnóstico.

Quanto à realização do exame clínico da mama, as entrevistadas referiram que:


Que a gente faz na prevenção, já. É, a gente fica deitada na cama, ela vem e faz o toque. No seio da gente, ela mesmo que procura”( P2).

Uma vez que eu fiz um exame, aí deu assim como se fosse um nódulo, você agora vai pro Hospital Geral, chegar lá eu passei por um especialista e disse assim, não, a dúvida que tinha, que você tinha um nódulo é um sinal de carne que você tem fora da mama. Aí eu fui examinada por outro médico e disse que eu não tinha nenhum. Ele examinou assim, palpando, perguntou se doía, observou bem, olhou e disse que não é, era do sinal”(P4).

Não fiz. Não tô na idade” (P11).

Já. A doutora examinou minhas mamas e já tinha pedido a ultrassom e a mamografia e constatou que não tinha nada” (P14).

As participantes mostraram-se um pouco de insegurança, em suas falas, quando foram relatar sobre o exame clínico das mamas, tiveram dificuldade de se expressar, pois não tinham certeza. Mas identificamos 18 mulheres que realizaram o exame e 15 reconheceram o profissional que o realiza. Apenas duas participantes nunca realizaram e uma delas achou que precisava ter mais idade para ser realizado.

Uma prática muito utilizada pelas mulheres estudadas é o Exame Clinico das Mamas, costumam realizar com frequência nos períodos recomendados, sendo mais prevalentes em mulheres jovens, pois as mulheres de idade mais avançada pode demonstrar timidez ao realizar esse exame (SILVA & RIUL, 2011).


Ao serem indagadas se as mesmas já haviam realizado a mamografia, treze entrevistadas responderam que sim, pois já haviam apresentado algum nódulo, outras por se preocuparam em se precaver ou, simplesmente, por estar na faixa etária indicada. Entretanto, houve quem ainda não havia realizado, pois não tinha a idade mínima recomendada para realização do exame.


Indubitavelmente o principal benefício da mamografia na detecção precoce do CM refere-se à redução nas taxas de mortalidade da doença. Em estudos clínicos randomizados, esta redução pode chegar a 35%, sendo que as mulheres com idades entre 50 e 69 anos, são as mais beneficiadas pelos programas de rastreamento mamográfico, pois a redução da mortalidade é maior neste grupo de mulheres (MARINHO et al, 2008; ALBERT et al, 2009).

É importante que as mulheres estejam cientes do por que da solicitação do exame bem como no que ele pode auxiliar, e para o profissional é importante que esteja atento quando pedir o exame.


Percepção das mulheres quanto às barreiras que dificultam a detecção precoce do CA de mama
Dificuldades encontradas ao procurar o serviço de saúde
As seguintes falas relatam as dificuldades percebidas pelas entrevistadas ao procurar o serviço de saúde para detecção precoce do Ca de mama:

Ah minha filha, falta de médico, muita falta de médico nos postos de saúde [...] Mas a gente chega no posto de saúde, quando não tem você vai pra casa morta de chateada. Faz é adoecer mais ainda se você tá com problema adoece mais ainda de ficar preocupada. De não ter sido atendida”( P1).

Dificuldade é pra gente conseguir especialista. Médico especialista [...]” (P6).

Demanda. Demais” (P9).

A fila de espera. A filas de espera que é mais complicado” (P12).

A demora por atendimento. Quando marca um exame é dois meses pra poder conseguir a autorização pra fazer” (P14).

[...] Eu marquei e num instante fiz, eu paguei e fiz logo, se for esperar pelo SUS [...] Você marca um exame e vai ser atendida com 2 ou 3 meses, já tem morrido” (P17).

As entrevistadas relataram muitas dificuldades ao procurar o serviço de saúde a fim de detectar precocemente o Ca de mama. Pontuaram a deficiência dos profissionais médicos, causando-lhes preocupação, pois muitas vezes voltam para casa sem o atendimento. Outro ponto referido foi à falta de especialistas. A grande demanda no serviço de saúde, ainda é um problema grave, pois essas filas enormes comprometem a continuidade da assistência, podendo gerar danos às mesmas. Por receio do tamanho dessa fila de espera as mulheres se vêm forçadas a pagarem do próprio bolso a fim de dar celeridade ao seu diagnóstico.



Entretanto, há mulheres que discorrem do contrário, conforme podemos perceber nas seguintes falas:

Não, encontrei não, toda vida que eu venho aqui graças a Deus, se num marcar no dia marca no outro [...]” (P7).

Não, não teve dificuldade não, só tem que chegar cedo no posto pra marcar, só isso [...]” (P16).

A fragilidade existente nas redes de saúde ainda são grandes e a repercussão é imediata e quem sofre é a população carente que necessita desse atendimento, mas pudemos observar que em se tratando de doença algumas pessoas não medem esforços para ter sua saúde reestabelecida.

Travassos e Martins (2004), consideram a utilização dos serviços de saúde como o centro de funcionamento da saúde, sendo que o conceito de utilização abrange desde consultas e realização de exames preventivos até procedimentos de maior complexidade.27

Segundo Batiston (2010), os serviços de saúde identificam-se, portanto como o lócus onde se dá a atenção a saúde da população, onde é um espaço propicio para práticas de promoção, prevenção e tratamento dos agravos à saúde.


A percepção da mulher quanto à oferta de recursos para o rastreamento do CA de mama pelo serviço de saúde
Quando questionadas sobre as ofertas que o serviço de saúde disponibiliza em se tratando do rastreamento do câncer de mama, eram referiram:

Dá, dá. Dá, o que eu vejo aí, tem o hospital da mulher. Têm vários cantos aí. Basta procurar [...]” (P3).

Com certeza, com certeza. Ele dá muita oportunidade pra gente. Descobrir, pra gente fazer os exames, tudo” (P12).

Eu acredito que oferecer, oferece. Mas só que é difícil pra todo mundo, é por isso que muitas mulheres morrem devido a isso” (P15).

Nem sempre. Tem que haver assim, muita força de vontade, você vai uma vez e você não consegue, você tem que insistir, tem que voltar, porque tudo assim e uma demora [...]” (P18).

Não, eu acho que não, eu acho que deveria ser mais fácil, entendeu?! Porque, por exemplo, uma mamografia, a gente tem que ficar na fila esperando, se você tiver com uma doença, às vezes, quando você vai e não consegue se consultar ela já vai estar num estado avançado entendeu?! [...]” (P6).

Não [...] a minha mãe teve que fazer particular. Porque pelo estado ela não conseguiu” (P10).

Observando os relatos das entrevistadas podemos perceber que as opiniões foram divergentes. Algumas mulheres relataram que o serviço de saúde oferece sim vários meios de rastrear a doença precocemente. Porém houve quem afirmasse a existência desses recursos, entretanto existiam dificuldades e que necessitaria de melhoras nesses serviços, a fim de agilidade nos diagnósticos e tratamentos e de não necessitar procurar o serviço privado em virtude do detrimento do serviço público.

O atraso no diagnóstico e na implementação terapêutica pode estar relacionado às inúmeras barreiras encontradas durante a busca por atenção em saúde (FEKETE, 1996; SHARMA et al, 2012).
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Iniciamos este trabalho com indagações sobre o conhecimento das mulheres acerca da detecção precoce do Ca de mama e qual a percepção das mesmas a respeito das barreiras encontradas nos serviços de saúde, descobrindo, portanto ao longo do estudo que a falta de informação sobre o contexto geral da doença e a falta de acesso favorece o distanciamento da relação paciente/profissional/serviço de saúde. Vimos,

Entretanto, não é somente os fatores de risco conhecidos levam o aumento de óbitos por câncer de mama, o próprio desconhecimento por parte da paciente, o descobrimento tardio bem como a dificuldade em ter atendimento são fatores determinantes nesses casos.

Finalmente buscamos contribuir para que ocorram discussões a cerca do câncer de mama em toda sua dimensão com explicações de procedimentos, pois a informação é uma grande aliada no combate ao Ca de mama e que haja valorização da mulher como um sujeito dentro da relação profissional/paciente/serviço. Sugerimos que os gestores vislumbrem a disseminação eficiente de informações relevantes para o empoderamento das usuárias.

REFERÊNCIAS


Albert US, Altland H, Duda V, Engel J, Geraedts M, Heywang-Kobrunner S. et al.. Update of the guideline: early detection of breast cancer in Germany. J Cancer Res Clin Oncol. 2009.

American Cancer Society. Cancer facts & figures 2008. Atlanta: American cancer society; (INCA) 2008.


Bardin L. Análise de Conteúdo. 70ª ed. São Paulo (SP): 2011.

Batiston AP. Detecção precoce do câncer de mama: conhecimento e prática de mulheres e profissionais da Estratégia de Saúde da Família em Dourados/MS. Rev. Bras. Ginecol. Obstet.. 2010 Fev.32(2): 99-99.

BRASIL. Instituto Nacional do Câncer. O que é o câncer [online]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2014.

__________. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014. Incidência do Câncer no Brasil [online]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2013.

__________. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Informática do SUS (DATASUS), Sistema de Informações sobre Mortalidade-SIM. [Acesso 2015 Mai 21].

__________. Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Informática do SUS (DATASUS), Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS).

__________. Cadernos de atenção básica. Controle dos Cânceres do Colo do Útero E da Mama, N.13. Brasília (DF): MS, 2013.

__________. Instituto Nacional do Câncer. Programa Nacional de Controle do Câncer de Mama [online]. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2014.

___________. Secretaria de atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Brasília (DF): MS, 2004.

__________. Controle do Câncer de Mama. Documento de Consenso. Rio de Janeiro: MS, 2004.

Fernandes AFC, Viana CDMR, Melo EM, Silva APS. Ações para a detecção precoce do câncer de mama: um estudo sobre comportamento de acadêmicas de enfermagem. Cienc Cuid Saúde. 2007.

Fekete MC, Estudo da acessibilidade na avaliação dos serviços. Projeto GERUS. s.l.. s.n, 1996.

International Agency for Research on Cancer. World Health Organization. GLOBOCAN 2007. IARC Screening Group. 2014.

International Agency for Research on Cancer. World Health Organization. GLOBOCAN 2008. IARC Screening Group. 2014.

Thornton H, Pillarisetti RR. “Breast Awareness‟ and “breast self-examination‟ are not the same. What do these terms mean? Why are they confused? What can we do? European Journal of Cancer. 2008.

Marinho LAB, Cecatti JG, Osis MJD, Costa-Gurgel MS. Knoweldge attitude practice of mammography among women users of public health services. Rev Saúde Pública [online]. 2008.

Minayo MCS. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2013.

Nunes XP, Maia GLA., Almeida JRGS, Pereira FO, Lima EO. Antimicrobial activity of the essential oil of Sida cordifolia L. Rev Bras Farmacogn. 2006.

Ricci MD, Pinotti M, Pinotti JA. Perspectivas da ultrasonografia na detecçao e diagnóstico do câncer de mama. Rev ginecol obstet. 2000.

Santos GD, Chubaci RYS. O conhecimento sobre o câncer de mama e a mamografia das mulheres idosas frequentadoras de centros de convivência em São Paulo (SP, Brasil). Cienc. saúde coletiva. 2011.



Seah M, Tan SM. Am I breast cancer smart? Assessing breast cancer knowledge among healthcare professionals. Singapore Med J. 2007.

Silva PA, Riul SS. Câncer de mama: fatores de risco e detecção precoce. Rev. bras. enferm [online]. 2011 Dez. 64(6). 1016-1021.

Sharma K, Costas A, Shulman LN, Meara JG. A Systematic review of barriers to breast cancer care in developing countries resulting in delayed patient presentation. J Oncol. . 2012.

Travassos C; Martins M. Uma revisão sobre os conceitos de acesso e utilização de serviços de saúde. Cad. Saúde Pública . 2004.


Urban LABD et al. Recomendações do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, da Sociedade Brasileira de Mastologia e da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia para rastreamento do câncer de mama por métodos de imagem. Radiol Bras. 2012.



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal