O debate teórico e metodológico no campo da história e sua importância para a pesquisa educacional



Baixar 37.86 Kb.
Encontro16.03.2018
Tamanho37.86 Kb.

Anais do IV Seminário Nacional

O DEBATE TEÓRICO E METODOLÓGICO NO CAMPO DA HISTÓRIA E SUA IMPORTÂNCIA PARA A PESQUISA EDUCACIONAL1
Dermeval Saviani2
Num encontro de História da Educação, começar pela própria História não parece coisa vã; ainda que, como veremos mais adiante, no debate em curso atualmente ela mesma, a História, vem sendo posta em questão. Acredito, porém, que, até para nos introduzirmos de forma apropriada nesse debate, entendendo o grau, o sentido e o contexto em que a História vem sendo questionada, importa o resgate histórico do problema.

Em visão retrospectiva é possível constatar que a História só se pôs como um problema para o homem, isto é, só emergiu como algo que necessitava ser compreendido e explicado, a partir da época moderna. A razão disso é relativamente simples. Enquanto os homens garantiam a própria existência no âmbito de condições dominantemente naturais, relacionando-se com a natureza através da categoria da “providência”, o que implicava o entendimento de que o meio natural lhes fornecia os elementos básicos de subsistência os quais eram apropriados em estado bruto exigindo, quando muito, processos rudimentares de transformação que, por isso mesmo, resultavam em formas de vida social estáveis sintonizadas com uma visão cíclica do tempo, não se punha a necessidade de se compreender a razão, o sentido e a finalidade das transformações que se processam no tempo, isto é, não se colocava o problema da história.

A ruptura com as formas de vida acima apontadas que prevaleceram até a Idade Média dá origem à época moderna. Nesta, as condições de produção da existência humana passam a ser dominantemente sociais, isto é, produzidas pelos próprios homens. A natureza passa, assim, a ser entendida como matéria prima das transformações que os homens operam no tempo. E a visão do tempo deixa de ser cíclica, caracterizando-se agora por uma linha progressiva que se projeta para a frente, ligando o passado ao futuro por meio do presente. Surge aí a questão de se compreender a causa, o significado e a direção das transformações. A História emerge, pois, como um problema não apenas prático, mas também teórico. O homem, além de um ser histórico, busca agora apropriar-se da sua historicidade. Além de fazer história, aspira a se tornar consciente dessa sua identidade.

Nesse contexto, todo um conjunto de reflexões sobre a História vai se desenvolver a partir do século XVII que atingirão a sua máxima expressão teórica no século XIX nas obras de Hegel e Marx e, numa outra vertente, desembocando na corrente positivista derivada de Comte. Sobre a base dessas reflexões foi possível imprimir caráter científico (no sentido que essa palavra adquiriu na modernidade) aos estudos históricos. Eis porque se pôde afirmar que “até por volta de 1850, a história continuou a ser, para os historiadores e para o público, um gênero literário” (Langlois e Seignobos).

Talvez esse caráter de gênero literário, isto é, a consideração da História como narrativa, seja uma das razões da larga e longa predominância do positivismo na produção historiográfica. Com efeito, mais do que a exigência de cientificidade, a diretriz positivista de descrição fiel dos fatos está em consonância com a visão já arraigada no senso comum, da História como narrativa, aí entendida como descrição dos fatos, isto é, dos acontecimentos passados (do latim “factus” = feito).

Formulando de outra maneira a mesma hipótese, dir-se-ia que o que se entende como predominância do positivismo não se configuraria exatamente como tal, mas se trataria, antes, da persistência da História como narrativa, continuando a tradição que remonta à antigüidade e incorporando, a partir do século passado, procedimentos formais derivados do método científico no processo de levantamento e organização das fontes e na sistematização e exposição das informações. É nesse âmbito que se faria sentir a incidência do positivismo, antes que na concepção de História e na instituição de uma ciência da História.

Essa hipótese ganha ainda maior consistência quando se consideram as reiteradas observações atinentes à pouca familiaridade dos historiadores com o trato da teoria, com a reflexão filosófica e a epistemologia da ciência. Ciro Flamarion Cardoso (1997, p. 4) ao se referir à pretensão dos historiadores de escrever uma história científica e racional, afirma que, no entanto, isto raramente se pratica com rigor, “mesmo porque muitos historiadores carecem de uma formação que a tanto os habilite”. E mais adiante, no mesmo texto (p.11) o mesmo autor, abordando agora as tentativas de utilização da ciência contemporânea, em especial a teoria quântica, para se contrapor às noções de causalidade, objetividade científica, determinação ou realismo, afirma que isto, porém, foi feito de uma forma que evidencia as deficiências de informações, “em especial da parte dos historiadores, vítimas às vezes de sua falta de preparo científico e filosófico, que os faz embarcar nas canoas que lhes pareçam ir no sentido por eles pretendido, sem verificar se estão ou não furadas: com efeito, é freqüente que esgrimam argumentos envelhecidos, além de conhecidos só de segunda mão”.

Essa mesma dificuldade é explicitada também por Francisco Falcon (p.97) ao tratar do “território” histórico denominado de “História das Idéias” quando conclui que “as relações geralmente mantidas pelos historiadores com as ‘idéias’ são no mínimo precárias”. E aponta, entre os fatores explicativos dessa precariedade, os seguintes:



  1. A manifesta indiferença de muitos historiadores em matéria de questões conceituais, tidas como abstrações filosóficas complicadas ou inúteis;

  2. O hábito generalizado entre os historiadores de admitir “a priori” a transparência de significado das categorias utilizadas que são remetidas com naturalidade ora ao senso comum ora a contextos teóricos específicos, sem nenhum senso crítico.

Efetivamente, os historiadores, de um modo geral, não têm se ocupado, com a desejável acuidade, das questões epistemológicas da história. As exceções ficam por conta de Alexandru Xenopol, Princípios fundamentais da história (1899); Paul Lacombe, Da história considerada como ciência (1893); Henri-Irinée Marrou, Do conhecimento histórico (1954); Paul Weyne, Como se escreve a história (1971). Em verdade, a produção nessa área tem sido dominada pelos filósofos e, excepcionalmente, por filósofos-historiadores como é o caso de Benedetto Croce, Teoria e história da historiografia (1912) e A história como pensamento e como ação (1939).

Após a reação anti-racionalista ocorrida na virada do século XIX para o século XX, representada, por exemplo, pelas obras de Dilthey e de Spengler, organiza-se, na década de 20 deste século o movimento que se traduziu na “Escola dos Annales” enquanto busca de superação dos limites da historiografia tradicional de fundo positivista até então dominante. Nas suas duas primeiras fases que se estendem até 1969, com a aposentadoria de Fernand Braudel, esse movimento se pautou pela busca de construção racional de uma história totalizante. A partir dos anos 70 dá-se uma inflexão com a adoção de pressupostos estruturalistas oriundos da filosofia, da lingüistica e da etnologia que desembocará na autodenominada “Nova História” a qual se converteu no pivô do atual debate teórico e metodológico no campo da História ao se contrapor à historiografia que vinha sendo praticada seja na perspectiva tradicional à qual se atribuía a influência positivista, seja na perspectiva crítica de orientação marxista ou tributária da Escola dos Annales das fases lideradas por Lucien Febvre e Marc Bloch e, depois, por Fernand Braudel.

Na visão de Ciro Flamarion Cardoso (1997, pp. 1-23), o embate atual se trava entre dois paradigmas que ele denomina de “iluminista” o primeiro e “pós-moderno” o segundo.

Como foi acenado no início desta conferência, a própria história vem sendo objeto de questionamento neste momento quando se torna corrente a afirmação da impossibilidade do surgimento de novas teorias globais o que inviabiliza “tanto a história que os homens fazem, se se pretende perceber nela algum sentido, quanto a história que os historiadores escrevem entendida como uma explicação global do social em seu movimento e em suas estruturações”. Para Flamarion Cardoso, “a melhor resposta a tal desafio seria, é claro, produzir uma teoria holística do social que, escapando à parte fundamentada das críticas feitas às teorias disponíveis, desse conta das sociedades de hoje – o que a qualificaria também para o entendimento das sociedades passadas”. Ele se pergunta, então, por que isto não ocorreu ainda, e avança a seguinte resposta:

“Parece-me que, nesse particular, as ciências sociais, entre elas a história, estão numa situação análoga à das ciências naturais por volta de 1890. Naquela época, haviam-se já acumulado críticas numerosas e irrespondíveis às teorias vinculadas a uma visão newtoniana do universo. Mas só a partir de 1900, com a teoria quântica e depois a relatividade, um novo paradigma começaria a esboçar-se. Os últimos anos do século XIX caracterizaram-se, então, por um mal-estar teórico e epistemológico entre os cientistas naturais, similar ao dos cientistas sociais da atualidade: com o agravante, para estes últimos, de que as teorias disponíveis caducaram sobretudo porque o próprio objeto central – as sociedades humanas contemporâneas – mudou muito intrinsecamente. Ou melhor, o que nos leva ao cerne do problema: ainda está mudando radicalmente, mas em um processo que, se já revela alguns de seus aspectos e potencialidades, longe está de haver chegado ao fim e portanto de manifestar todas as suas conseqüências” (p.13). Estamos, pois, numa fase de transição em que novas condições já estão se configurando mas ainda não amadureceram o suficiente para permitir a formulação e sistematização da teoria adequada para compreendê-las e explicá-las. Essa circunstância favorece as concepções de dissolução da história em múltiplas histórias e o abandono das explicações de amplo alcance, que passam a ser taxadas como inviáveis e sem sentido, aspectos esses que integram o chamado “paradigma pós-moderno”. Por outro lado, a revalorização da história como narrativa sugere um retorno aos idos de 1850 quando a História era entendida pelos historiadores assim como pelo público de um modo geral, como um gênero literário, conforme afirmação de Seignobos e Langlois na obra “Introdução aos Estudos Históricos”, publicada em 1897.

Quanto ao “paradigma pós-moderno”, após apresentar as suas principais características, Ciro Flamarion Cardoso faz o inventário das principais críticas que, a seu ver, devem ser dirigidas a essa tendência:

1) O anti-racionalismo típico dessa corrente se acompanha, por vezes, de certo desleixo teórico e metodológico e, o que é especialmente grave no caso de historiadores, até mesmo no que diz respeito à crítica das fontes.

2) Os pós-modernos costumam ser mais apodícticos e retóricos do que argumentativos, lançando mão de afirmações apresentadas como se fossem axiomáticas e auto-evidentes, não sendo então demonstradas – como se bastasse dizer “eu acho”, “eu quero”, “minha posição é...”, não se preocupando, também, com a refutação detalhada e rigorosa das posições contrárias.

3) Há paradoxos e aporias insolúveis em muitas das posições pós-modernas. Exemplos: a) na defesa da “desconstrução”, sendo os pontos de partida a negação de um sujeito agente e de qualquer relação referencial entre discurso e realidade, por que o discurso da desconstrução seria mais aceitável, teria maior autoridade do que qualquer outro dos discursos e escritas, no jogo dos significantes que se multiplicam até o infinito? b) e como conciliar a negação do sujeito e do homem com um método hermenêutico relativista que, na prática, descamba para o subjetivismo?

4) Poder-se-ia invocar também, contra muitos membros da corrente atual, o fato de caírem no velho “façam o que eu digo, não o que eu faço”. A denúncia da ciência e do racionalismo como terrorismos a serviço do poder está longe de significar que os pós-modernos, uma vez encastelados em posição de poder, sejam mais tolerantes na prática, devido ao relativismo que em tese pregam, do que aqueles que criticam e combatem.

Essa contraposição apresentada por Ciro Flamarion Cardoso entre os paradigmas “iluminista” e “pós-moderno”, aliás, já proposta por ele em 1991 no I Seminário deste Grupo de Pesquisas quando proferiu conferência sob o título “Paradigmas Rivais na Historiografia Atual” (CARDOSO, 1994), não deixa de ser instigante. Entretanto, é forçoso reconhecer que implica uma esquematização um tanto simplificadora já que coloca sob uma mesma rubrica correntes bastante distintas e até mesmo opostas entre si. Com efeito, embora o marxismo participe com as demais correntes do século XIX do entendimento de que a razão humana é capaz de conhecer a realidade objetivamente, a obra de Marx se formulou em contraposição tanto ao iluminismo quanto ao positivismo, criticando-os de forma contundente.

De qualquer forma, o debate está instalado e tem conseqüências da maior importância para a pesquisa educacional, de modo geral, e para a pesquisa histórico-educacional, em especial. Efetivamente, dada a historicidade do fenômeno educativo cujas origens coincidem com a origem do próprio homem, o debate historiográfico tem profundas implicações para a pesquisa educacional, já que o significado da educação está intimamente entrelaçado ao significado da História. E no âmbito da investigação histórico-educativa essa implicação é duplamente reforçada: do ponto de vista do objeto, em razão da determinação histórica que se exerce sobre o fenômeno educativo; e do ponto de vista do enfoque, uma vez que pesquisar em história da educação é investigar o objeto educação sob a perspectiva histórica.

A propósito cabe observar a dificuldade dos historiadores em reconhecer a educação como um domínio da investigação histórica. Veja-se o exemplo do livro “Domínios da História: Ensaios de Teoria e Metodologia”, recentemente publicado. A obra se compõe de dezenove capítulos distribuídos em três partes.

A I Parte trata dos “Territórios do Historiador: áreas, fronteiras, dilemas”. Os cinco capítulos aí incluídos versam sobre “História Econômica”, “História Social”, “História e Poder”, “História das Idéias” e “História das Mentalidades e História Cultural”. Não só não aparece um “território” chamado “História da Educação” como esta não é sequer mencionada nos “territórios” reconhecidos como a História Social, a História das Idéias ou a História Cultural.

A II Parte está referida aos “Campos de Investigação e Linhas de Pesquisa”, abrangendo dez capítulos: história agraria; história urbana; história das paisagens; história empresarial; história da família e demografia histórica; história do cotidiano e da vida privada; história das mulheres; história e sexualidade; história e etnia; história das religiões e religiosidades. Aqui, também, nenhuma menção à história da educação.

Finalmente, a III Parte trata dos “Modelos Teóricos e Novos Instrumentos Metodológicos: Alguns Exemplos”. São os seguintes os quatro capítulos que compõem essa parte: história e modelos; história e análise de textos; história e imagem: os exemplos da fotografia e do cinema; história e informática: o uso do computador. De novo, nenhuma palavra sobre a história da educação.

De outro lado, as dificuldades teóricas dos historiadores, como já foi apontado, se manifestam também, e até mesmo se poderia esperar que fosse em grau ainda maior, no caso dos educadores. Deve-se, porém, reconhecer que os investigadores-educadores especializados na História da Educação têm feito um grande esforço de sanar as lacunas teóricas, adquirindo competência no âmbito historiográfico capaz de estabelecer um diálogo de igual para igual com os historiadores. E, ao menos no caso do Brasil, cabe frisar que esse diálogo tem se dado por iniciativa dos educadores, num movimento que vai dos historiadores da educação para os, digamos assim, “historiadores de ofício” e não no sentido inverso.

O reconhecimento do empenho dos historiadores da educação não deve obscurecer, porém, as reais dificuldades teóricas. Dir-se-ia que, até mesmo em razão do mencionado empenho em se colocar em dia com os avanços no campo da historiografia, detecta-se uma tendência em aderir muito rapidamente às ondas supostamente inovadoras que aí se manifestam. Apenas à guisa de exemplo, lembro a influência de Foucault, transformado praticamente no guru da historiografia dita avançada. O problema é que a maioria dos historiadores, de um modo geral, e historiadores da educação, de modo especial, tem pouco domínio sobre o universo epistemológico em que se move Foucault e, menos ainda, sobre a matriz filosófica de que é tributário, o que obrigaria a remontar ao pensamento de Nietzsche. Talvez esteja aí a razão da grande receptividade conferida a Foucault nas pesquisas de História da Educação, acolhido como o arauto da defesa da subjetividade humana. Logo ele que escreveu “As palavras e as coisas” para demonstrar que “o homem é uma invenção recente” cujo fim já se anuncia, como se evidencia nessas palavras finais do livro:

“Se estas disposições viessem a desaparecer tal como apareceram, se por algum acontecimento de que podemos, quando muito, pressentir a possibilidade, mas de que não conhecemos de momento ainda nem a forma nem a promessa, se desvanecessem, como sucedeu na viragem do século XVII ao solo do pensamento clássico – então pode-se apostar que o homem se desvaneceria, como à beira do mar um rosto de areia” (FOUCAULT, 1968. p. 502).

Para Foucault o pensamento clássico, isto é, aquele que se constituiu nos séculos XVII e XVIII, entrando em crise no século XIX, tinha por base um “campo epistemológico” gerador das categorias “sujeito”, “consciência” as quais não passam de ficções desse mesmo campo epistemológico. Isto porque, como esclarece Eduardo Lourenço na introdução à tradução portuguesa de “As palavras e as coisas”, a noção de “campo epistemológico” traduz uma intenção implícita que estrutura uma área cultural permanecendo, porém, invisível àqueles que a utilizam, melhor dizendo, àqueles que ela utiliza. Eis porque Eduardo Lourenço dá este significativo título à sua introdução: “Foucault ou o fim do humanismo”.

Essa idéia está explicitamente formulada na obra, como se pode ilustrar, por exemplo, no tópico denominado “o sono antropológico” onde, após referir-se a Nietzsche que teria reencontrado o ponto em que a morte de Deus é sinônimo do desaparecimento do homem, sendo a promessa do super-homem a iminência da morte do homem, afirma Foucault:

“A todos os que pretendem ainda falar do homem, do seu reino ou da sua libertação, a todos os que formulam ainda questões sobre o que é o homem na sua essência, a todos os que querem partir dele para ter acesso à verdade, a todos aqueles, em contrapartida, que reconduzem todo o conhecimento às verdades do próprio homem, a todos os que não pretendem mitologizar sem desmistificar, que não querem pensar sem pensar logo que é o homem que pensa, a todas essas formas de reflexão canhestras e torcidas, não se pode senão opor um riso filosófico – quer dizer, em certa medida, silencioso” (1968, pp. 445-6).

É nesse contexto que Foucault se revela assumidamente estruturalista o que se manifesta mesmo na introdução à “A Arqueologia do Saber” quando, ao tratar dos problemas do campo metodológico da história, afirma: “a estes problemas pode-se dar, se se quiser, a sigla do estruturalismo” (1972, p. 19). É verdade que, nessa mesma introdução ele irá, mais adiante (p. 25), fazer uma autocrítica de suas obras anteriores, entre elas, “As palavras e as coisas”. Não, porém, para abandonar aquela rota, mas para assumi-la de forma mais conseqüente e radical. Com efeito, ao se referir à “Histoire de la Folie” ele irá lamentar o quanto permaneceu aí próximo de “admitir um sujeito anônimo e geral da história”. E se entristece por não ter sido capaz de evitar, em “Les Mots et les Choses”, que “a ausência de balizagem metodológica permitisse que se acreditasse em análises em termos de totalidade cultural” (1972, p. 25). Em outros termos, para ele essas insuficiências decorreriam da força de atração ainda exercida pelo “campo epistemológico” clássico que o teria levado a se aproximar da idéia de um sujeito geral da história, num caso, e da categoria analítica da totalidade cultural, no outro.

Parece, pois, no mínimo estranho que esse autor seja tomado, com alvoroço e entusiasmo por jovens investigadores da história da educação, como aquele que teria vindo a resgatar a liberdade e autonomia dos sujeitos tanto no âmbito da ação histórica como da pesquisa histórica. Trata-se, salvo melhor entendimento, de um tema que está a exigir um estudo sistemático, cuidadoso e aprofundado.

O Grupo de Estudos e Pesquisas “História, Sociedade e Educação no Brasil”, cuja origem data de 1986 surgiu, como o sugere o seu nome, com a preocupação de investigar a História da Educação pela mediação da Sociedade, o que indica a busca de uma compreensão global da educação em seu desenvolvimento. Contrapunha-se, pois, à tendência que começava a invadir o campo da historiografia educacional.

O início formal de suas atividades se deu em 1991 com o I Seminário realizado em duas etapas (maio e setembro) com o propósito de discutir a concepção e a metodologia da investigação histórica, ocasião em que a chamada crise dos paradigmas se manifestou com toda a evidência. Tendo-se decidido iniciar as atividades pelo projeto “Levantamento e Catalogação das Fontes Primárias e Secundárias da Educação Brasileira” mantendo-se a necessária abertura teórica sem dogmatismos ou pré-julgamentos de qualquer espécie, foi organizado em 1992 o II Seminário para discutir especificamente os problemas relativos às fontes da pesquisa em História da Educação. As equipes iniciaram os trabalhos indo aos arquivos e se familiarizando com as fontes disponíveis, daí partindo para estudos de caráter temático de acordo com as perspectivas teóricas entendidas, à luz das informações a que tinham acesso, como as mais adequadas à análise dos temas definidos como objetos de investigação. O III Seminário Nacional realizado em novembro de 1995 permitiu que se traçasse um amplo painel dos projetos temáticos desenvolvidos ou em desenvolvimento nos diversos GTs estaduais.

Diante do caminho percorrido ao longo dos últimos seis anos, evidencia-se a necessidade de se retomar a discussão teórico-metodológica de modo a garantir a consistência e a consolidação das pesquisas realizadas e em realização no âmbito dos diferentes GTs estaduais. Daí, a temática central e as mesas propostas para este IV Seminário Nacional. Empenhar-nos-emos, então, em estabelecer um elo de ligação entre as mesas redondas do período matutino e as sessões de comunicação vespertinas. Nesse quadro releva de importância a Plenária das Comunicações prevista para a quinta-feira à tarde. Aí ensaiaremos verificar o influxo do debate instaurado nas mesas redondas sobre o andamento dos nossos trabalhos de pesquisa de modo a garantir-lhes a necessária consistência teórico-metodológica.

Está, assim, aberto o debate. Acreditamos, pois, haver cumprido a finalidade desta conferência que era tão-somente introduzir-nos no tema geral deste seminário, a saber, “o debate teórico e metodológico na História e sua importância para a pesquisa educacional”.


Referências:

CARDOSO, Ciro Flamarion, “Paradigmas rivais na historiografia atual”. Educação & Sociedade, No. 47, abril/1994, pp. 61-72.

CARDOSO, Ciro Flamarion, “História e Paradigmas Rivais”. In: CARDOSO, C.F. e VAINFAS, R. (Orgs.), Domínios da História: Ensaios de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro, Campus,1997, pp.1-23.

FALCON, Francisco, “História das Idéias”. In: CARDOSO, C.F. e VAINFAS, R.(Orgs.), Domínios da História: Ensaios de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro, Campus, 1997, pp.91-125.

FOUCAULT, Michel, As Palavras e as Coisas: Uma arqueologia das ciências humanas. Lisboa, Portugália, 1968 (Original: Les Mots et les Choses. Paris, Gallimard, 1966).

FOUCAULT, Michel, A Arqueologia do Saber. Petrópolis, Vozes, 1972 (Original: L’Archéologie du Savoir. Paris, Gallimard, 1969).


Campinas, 14 de dezembro de 1997.

Dermeval Saviani.



11 Conferência de abertura do IV Seminário Nacional de Estudos e Pesquisas "História, Sociedade e Educação no Brasil". Campinas, 14 a 19/12/97.

22 Professor Titular do Departamento de Filosofia e História da Educação da UNICAMP.





Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal