O discipulado Quadrangular tem como objetivos



Baixar 79.85 Kb.
Encontro28.01.2018
Tamanho79.85 Kb.

APRESENTAÇÃO


O material contido nesta apostila é oriundo de diversas fontes de pesquisas, tais como: a apostila do “Evangelho Quadrangular”, o Estatuto da IEQ no Brasil, e outros materiais já em uso na área do discipulado em nossa denominação.

Logo abaixo temos algumas definições do que vem a ser o “Discipulado Quadrangular”, assim como também alguns dos seus objetivos.

Discipulado Quadrangular – É o grupo de discipulado local da Igreja do Evangelho Quadrangular.



DISCIPULADO – É o investimento de amizade e aconselhamento da parte do discipulador para com o seu discípulo, a fim de compartilharem suas vidas, e estudarem e praticarem as verdades bíblicas que Jesus ensinou aos 12, para que o discípulo possa reproduzir e treinar outros discípulos.

Kuhne define o Discipulado assim: “o aconselhamento pessoal é o estabelecimento de um relacionamento espiritual entre um crente maduro e um crente novo, com o objetivo de ajudar o segundo em seu crescimento e nutrimento espiritual”.



QUADRANGULAR – É qualquer coisa que possui quatro ângulos; que pode ser vista sob quatro aspectos. No caso da Igreja do Evangelho Quadrangular, observamos quatro aspectos: Salvação, Batismo no Espírito Santo, Cura Divina e Segunda Vinda do Nosso Rei (Jesus).
Optamos por “Discipulado Quadrangular”, por que temos como objetivo trabalhar o discipulado enfocando a doutrina do Evangelho Quadrangular: JESUS CRISTO, O SALVADOR – JESUS CRISTO, O BATIZADOR NO ESPIRITO SANTO – JESUS CRISTO, O GRANDE MÉDICO – JESUS CRISTO, O REI QUE HÁ DE VIR.
O Discipulado Quadrangular tem como objetivos:

  • Ajudar o crente novo convertido nos seus primeiros passos na fé cristã, visando o seu crescimento e nutrimento espiritual;

  • Reproduzir no crente novo convertido a plenitude de vida em Cristo, à qual, todo cristão verdadeiramente convertido deve ter, de tal maneira que ele seja capaz de treinar outros, que por sua vez treinem outros;

  • O desenvolvimento de disciplinas espirituais: oração, jejum, leitura da Palavra e Etc.

  • O desenvolvimento dos dons espirituais para fazer o ministério cristão.

Desejamos a você e à sua Igreja um bom uso deste material e que sejam ricamente abençoados com estes estudos, os quais, foram criteriosamente selecionados para a sua edificação espiritual.

Amém!
Igreja do Evangelho Quadrangular

Av. João Alberto N.º 44 – Vila Luizão

São Luís – MA

INDICE

I – RESUMO DA BIOGRAFIA DE AIMÉE SEMPLE MCPHERSON ( Fundadora da IEQ ) 03
1 – Introdução 03

2 – Conversão 03

3 – Chamada para servir e Batismo com o espírito Santo 03

4 – Casamento e entrada no Ministério 04

5 – As primeiras Campanhas 05

6 – As Viagens Transcontinentais 06

7 – A Igreja do Evangelho Quadrangular 07



II – A BANDEIRA DA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR 08

III – A IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR, NO BRASIL 09
1 – O Sistema de Governo da Igreja do Evangelho Quadrangular 09
2 – Estrutura Administrativa da Igreja do Evangelho Quadrangular 09
3 – Deveres, Direitos e Privilégios dos Membros da Igreja do Evangelho Quadrangular 09

IV – AS DOUTRINAS DO EVANGELHO QUADRANGULAR 10

. O que é o Evangelho Quadrangular? 10
. Por que há quatro evangelhos no Novo testamento? 10
1 – Jesus Cristo, o Salvador. 10
2 – Jesus Cristo, o Batizador com o Espírito Santo. 10
3 – Jesus cristo, O Grande Médico. 10
4 – Jesus Cristo, O Rei que há de vir. 11
V – LICÕES (DIVERSOS ASSUNTOS) 11
Lição 1: Sobre Deus e sobre o Diabo 11
Lição 2: Céu e Inferno. 12
Lição 3: Salvação. 12
Lição 4: A volta de Cristo 13
Lição 5: Batismo e Santa Ceia 13
Lição 6: Batismo Com o Espírito Santo 14
Lição 7: Dons Espirituais 14
Lição 8: Usos e Costumes 15
Lição 9: Cura Divina e Libertação 15
Lição 10: A Oração 16
Lição 11: O Jejum 16
Lição 12: A Palavra e a Igreja 17
Lição 13: A Tentação e a provação 18
Lição 14: Falsas Doutrinas 18
Lição 15: O Cristão e o seu Testemunho 19
Lição 16: A Bênção da Prosperidade 19
Lição 17: Disponíveis para Deus 20

I – RESUMO DA BIOGRAFIA DE AIMÉE SEMPLE MCPHERSON ( Fundadora da IEQ )

1-INTRODUCÃO
Aimée Kennedy nasceu numa pequena fazenda perto de Ingersoll, Ontário, no Canadá, a 09 de outubro de 1890. Filha única do casal James e Minnie Kennedy. Lá passou sua infância e mocidade, formando-se no colégio com honras especiais.

Na sua adolescência a jovem Aimée se interessou cada vez mais pelos programas sociais e recreativos da Igreja Metodista que ela freqüentava, usando os seus talentos criativos nas apresentações teatrais da Igreja. Cinema, patinação no gelo, romance e bailes foram às diversões que atraíram-na até o ponto de seu coração ficar cada vez mais frio e longe de Deus.

Com a idade de 17 anos, em quanto cursava o colégio, ela ficou fascinada com os ensinamentos da teoria da evolução. Mesmo sendo criada num lar cristão, Aimée começou a duvidar da veracidade de suas crenças religiosas e até da existência de Deus. Nessa condição de indiferença ateística, Aimée não se sentiu feliz. Entre as dúvidas e a tristeza por Ter discutido com sua mãe, tendo-a magoado, com sua descrença, a luta em seu coração era muito grande.
2-CONVERSÃO
Uma noite ela foi para seu quarto, determinada a achar uma solução para as suas dúvidas. Sem aceder a lamparina, ajoelhou-se em frente à janela aberta onde contemplava a paisagem branca, toda coberta de neve. Levantando os olhos para o Céu, vendo a lua e as estrelas, pensou:

“Oh Deus, se há um Deus, revele-se a mim”. Dentro de 48 horas, Deus respondeu esta oração.

No dia seguinte, passando pelo centro da cidade com seu pai, Aimée viu uma placa anunciando cultos de avivamento pentecostal num salão grande. A pedido da filha, o senhor Kennedy levou-a ao culto na noite seguinte. Aimée foi com a intenção de se divertir, mas toda essa frivolidade e zombaria desapareceram quando o jovem pregador, Robert Semple, se levantou e abriu a Bíblia. O evangelista pregou sobre o texto “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados e recebereis o Dom do Espírito Santo” (At. 2:38).

Depois de explicar o plano da salvação e o que significa arrependimento e fé, o evangelista começou a expor a doutrina do batismo com o Espírito Santo. Ele mostrou que a salvação e o batismo no Espírito Santo devem ser ministrados lado a lado, para que o crente possa viver sua vida na plenitude do plano de Deus. Aimée ficou profundamente convicta de seu pecado. Repentinamente o pregador parou de falar inglês e começou a falar em línguas estranhas pelo Espírito Santo, com seus olhos fechados e os braços estendidos na direção de Aimée. Em seguida Robert Semple continuou a sua mensagem em inglês. Não houve interpretação, mas, Aimée, que até aquela noite nunca soubera do falar em línguas estranhas, sentiu que era a voz de Deus falando com ela, dizendo: “Tu és uma pobre perdida e miserável pecadora, merecedora do inferno”. Aimée não agüentou mais e deixou o culto para assistir um ensaio da peça de Natal de sua autoria. Ela mesma descreveu os eventos que se seguiram com estas palavras: “não sei como terminei o ensaio naquela noite, mas eu sei que por três dias lutei com a mais terrível convicção de pecado e da minha necessidade de Deus. No terceiro dia, sozinha, voltando do colégio em um trenó, a convicção era mais do que eu podia agüentar. Levantando minhas mãos eu clamei em alta voz: senhor Deus tem misericórdia de mim pecadora! Imediatamente o peso se foi; glorias e alegrias subiram do meu coração e transbordavam em louvores através dos meus lábios; lágrimas rolavam pelas minhas faces e eu comecei a cantar: Toma a minha vida e deixe-a ser consagrada, Senhor, a Ti; toma meus lábios e deixa-os cantar sempre, somente ao meu Rei! Agora já se foram as canções mundanas; toma minhas mãos e deixa-as moverem-se pelo impulso do Teu amor! Então não haverá mais música mundana tocada pelas minhas mãos; toma meus pés e deixa-os serem ligeiros e formosos para ti; já acabou para mim o salão de baile e tudo que ele pra mim representava”.

A conversão e a consagração foram completas. Chegando em casa, Aimée pegou todas as músicas de jazz e juntamente com os romances e os sapatos que usava nos bailes, queimou tudo, explicando a seu pai que veio correndo, que daquele dia em diante ela ia cantar e tocar hinos, e a Bíblia seria seu livro.
3-CHAMADA PARA SERVIR E BATISMO COM O ESPÍRITO SANTO
Depois da sua conversão, Aimée passou duas semanas numa alegria impossível de descrever. Um dia, em oração, ela sentiu que precisava ganhar almas. Começou a procurar na Bíblia o segredo do poder e êxito daqueles que ganham almas. Pelo estudo do livro de Atos, ela descobriu que o revestimento do poder para servir era sinônimo de batismo com o Espírito Santo. Desde aquele momento ela começou incessantemente a buscar o Espírito Santo, perdendo muitos dias no colégio, para assistir às reuniões de oração na casa de uma senhora já batizada com o Espírito Santo, que pertencia à Missão Pentecostal, onde Aimée ouviu o evangelho. Quando a mãe de Aimée recebeu uma carta da diretora do colégio, comunicando o fato de ela estar perdendo muitas aulas, proibiu-a de freqüentar os cultos, chamando o povo da Missão de fanático.

Na Segunda-feira seguinte, Aimée conseguiu chegar na cidade, apesar da neve que estava caindo. Resolveu não ir ao colégio, mas, passar o dia em oração na casa da irmã da Missão.Elas oraram juntas, pedindo ajuda a Deus, para que Aimée ficasse na cidade até receber o batismo. O Senhor ouviu a oração e a neve começou a cair numa tempestade muito forte. Ela orou o dia todo e quando foi pegar o trem para voltar à sua casa, descobriu que todos os trens estavam parados, as linhas telefônicas interrompidas e as estradas intransitáveis. Essas condições prevaleceram por uma semana, e aimée ficou na casa da irmã, passando horas a fio, comendo e dormindo pouco, levantando na madrugada, e embrulhada em cobertores, continuava em oração.

Na Sexta-feira ela ficou na presença do Senhor até à meia-noite. Levantou bem cedo no Sábado, antes que qualquer pessoa da casa estivesse acordada, foi à sala, ajoelhou-se, ergueu as mãos e começou a orar pedindo o Espírito Santo, para melhor servir ao Senhor, contando o seu amor para os outros. Em dado momento, uma alegria maravilhosa encheu seu coração, e Aimée com os olhos fechados, viu o mundo como um vasto campo de trigo, já branco para ceifa. Ainda em oração, o trigo começou a se transformar em rostos humanos, a folhagem em mãos levantadas e, sobre tudo, apareceram as palavras do Salvador. “Os campos já estão brancos para a ceifa. A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai ao Senhor da Seara que mande ceifeiros para a sua Seara”. Naquela noite o Senhor colocou na sua mão uma foice de dois Gumes (A Palavra de Deus), e no seu coração soaram estas palavras: “vás recolher o trigo, mas lembres sempre que a foice te e dada para cortar o trigo. Muitos Ceifeiros usam-na corretamente apenas poucas horas, e depois começam a cortar e marcar os seus colegas. Aplica-te a tarefa que está perante ti; corte somente o trigo e recolhe os molhos preciosos”.

Essa foi uma lição que a irmã Aimée nunca esqueceu. Apesar das críticas, perseguições e mesmos calúnias terríveis, não procurava se defender, criticar ou ferir os outros.

Naquele mesmo Sábado inesquecível Aimée Kennedy recebeu o batismo com o Espírito Santo, louvando e glorificando ao Senhor numa língua que ela nunca havia aprendido, “segundo o Espírito lhe concedia que falasse”.

Era quase meio dia quando se levantou radiante, após Ter ficado muito tempo na presença do Senhor, em oração. A tempestade havia cessado; os irmãos da casa entraram na sala e regozijaram-se com Aimée. Ela escreveu mais tarde: “dentro do meu coração ficaram duas convicções: primeiro que o Consolador tinha entrado para ficar e que eu teria que viver andando em consagrada obediência a sua vontade; Segundo, eu tinha recebido uma chamada para pregar o EVANGELHO ETERNO”.



4-CASAMENTO E ENTRADA NO MINISTÉRIO.

Logo após essa experiência maravilhosa o evangelista Robert Semple voltou a Ingersoll e no dia 22 de agosto de 1908, casou-se com Aimée. Juntos entraram no campo evangelístico, seguindo um programa de trabalho intensivo. Foi nessa fase de seu ministério que Aimée recebeu o Dom de interpretação de línguas. Um dia enquanto estava orando no seu quarto começou a falar em línguas, pelo Espírito Santo. Logo ela ficou consciente do fato de poder entender os significados das palavras dadas pelo Espírito. Durante o culto daquela mesma noite, o pastor, Rev. Durham deu uma mensagem em línguas e Aimée recebeu a interpretação, mas por causa da timidez, não a pronunciou ao público. Porem, na reunião seguinte quando uma mensagem em línguas foi dada, com medo de apagar o Espírito, Aimée foi obediente, deixando que o Espírito Santo desse a interpretação através dela.

Algum tempo depois, assistindo a uma série de conferencias, Aimée caiu numa escadaria e fraturou o osso de um dos pés, ficando com quatro dos ligamentos completamente soltos a ponto dos dedos serem puxados para baixo apontando a direção do calcanhar. Depois de colocar o gesso, o médico deu pouca esperança da recuperação dos ligamentos e da flexibilidade do pé e do tornozelo. Com os dedos do pé inchados, pretos e com muita dor, Aimée foi assistir ao culto à tarde, dirigido pelo Rev. Durham. Não suportando mais a dor, deixou o culto, resolvendo descansar no seu quarto, que ficava a um quarteirão de distancia do salão de cultos. Chegando ao quarto, ela ouviu uma voz dizendo: “se tu embrulhares o sapato do pé fraturado, voltares ao culto e pedires a Rev. Durham que ores por ti, levando contigo o sapato para caçá-lo na volta, eu cura-lo-ei”. A princípio, ela estranhou um pouco a idéia, mas a voz do seu coração insistiu tanto que finalmente com a ajuda de muletas, voltou ao culto levando o sapato. Chegou tremendo e atordoada porque no caminho a muleta entrou num buraco na calçada, causando aos dedos já sensíveis, uma dor terrível por haverem tocado o chão. Contando aos irmãos reunidos o que Deus tinha falado, e após uns momentos de oração silenciosa, Rev. Durham colocou suas mãos no tornozelo dela e disse: “no nome de Jesus Receba a Cura”. Instantaneamente ela sentiu que havia sido curada. O gesso foi tirado e num salto ela colocou-se em pé e começou a andar, louvando ao Senhor. O testemunho de Aimée foi esse: “desde aquele dia o poder da cura divina se manifestou vez após vez na minha vida e na vida daqueles que eu tive o privilégio de oferecer a oração da fé”.

Não muito tempo depois disso o casal Semple, sentindo a chamada de Deus partiu para a China como missionários naquele país idólatra. Enquanto eles ministravam ali, lutando pela causa do Mestre, os dois caíram doentes com malária, e Robert Semple deixou essa vida para viver com Cristo eternamente.

Após o sepultamento de seu marido em Hong-Kong, Aimée voltou a América com a sua filha Roberta de seis semanas. Depois de alguns anos de trabalho na Seara do senhor, cansada, sozinha e querendo um lar para criar a sua filhinha, Aimée casou-se com Harold Stewart Mcpherson. Desse casamento nasceu um filho, Rolf Kennedy Mcpherson, o qual a sucedeu na presidência da Igreja (Internacional Church Foursquare Gospel) até o ano de 1988. Nesse lar seguro e confortável Aimée logo percebeu que não poderia ser inteiramente feliz se não fizesse a vontade de Deus. A voz do Senhor falava ao seu coração: “prega a Palavra faz a obra de um evangelista”. Na intensa luta entre a chamada de Deus e o dever a sua família, Aimée caiu num estado de depressão que ela procurou afastar dedicando-se mais as obrigações domesticas e ao cuidado com seus filhos. A escritura que sempre voltava a sua mente era: “e Jonas se levantou para fugir de diante da face do Senhor para Tarsis”. Aimée não podia negar a chamada de Deus na sua alma. Adoeceu e, gradativamente foi piorando a ponto dos ruídos da água fervendo ou da conversa baixa tornarem-se insuportáveis. Foi necessário uma operação, mas ela piorou. As complicações resultantes do coração, hemorragias do estomago e nervosismo intenso levou o médico a aconselhar uma outra operação séria.

Aimée adiou a operação por um tempo, na esperança de que Deus iria curá-la, mas, cada vez que pedia a cura, vinha-lhe a mente as palavras do Senhor, dizendo: “tu irás? Pregarás a Palavra?”. Um ataque repentino de apendicite levou-a a mesa de operações, e o seu desespero era tanto, a ponto de ela pedir que Deus a levasse dessa terra. Cinco operações foram feitas naquele dia, e nos dias que se seguiram, ela chegou a um estado tão crítico, que todos aguardavam a sua morte. Naquela madrugada, no silêncio do quarto do hospital, já com a respiração difícil, Aimée ouviu a voz do Senhor dizendo: “agora tu irás?” E ela reconheceu perfeitamente que estava indo ao túmulo ou à Seara com o Evangelho. Com a pouca força que lhe restava, e em voz inaudível Aimée respondeu: “sim, Senhor, eu irei”.

Naquele momento ela sentiu nova vida no seu corpo e logo a respiração tornou-se fácil e a dor desapareceu. Em quinze dias Aimée estava completamente recuperada. É interessante observar que muitos crentes oram por sua cura, mas, sem resultado por causa da desobediência a Deus. Porém, no momento em que ela submeteu-se à vontade de Deus a resposta veio na hora.


5-AS PRIMEIRAS CAMPANHAS

Restabelecida, Aimée Semple Mcpherson recomeçou o seu trabalho na Seara do Senhor. Ela voltou ao Canadá, onde na pequena cidade de Mount Forest, realizou a sua primeira campanha evangelística em 1915. Esse foi o início de um ministério de dimensões mundiais.

Chegando em Mount Forest, dirigiu-se ao pequeno salão onde ia realizar a campanha. Na primeira noite irmã Mcpherson, como era conhecida ficou desapontada ao encontrar um número reduzido assistindo ao culto. Na Segunda noite pregou àquelas mesmas pessoas, que quase dois anos haviam freqüentado os trabalhos. Na terceira noite, antes do culto ela pegou uma cadeira e dirigiu-se à esquina principal da pequena cidade, a apenas um quarteirão do salão de cultos. Subiu na cadeira, com os braços erguidos, começou a orar em silencio. Logo após, ouviu vozes ao seu redor comentando o fato. Ela parou de orar e abrindo os olhos viu um grupo grande de pessoas. Pegando a cadeira, saiu correndo e gritando: “depressa, venham comigo”. Todos correram atrás dela e chegando ao salão, ela disse ao porteiro: “quando todos estiverem dentro, feche a porta e não deixe ninguém sair”. Realmente ninguém procurou sair durante a pregação que durou 40 minutos.

Na noite seguinte, o salão ficou lotado. Muitos não puderam entrar. O problema só foi resolvido com a remoção do culto para uma grande área gramada que ficava atrás do salão. O número de pessoas que assistia às reuniões cresceu tanto que ultrapassou a quinhentas, e como resultado muitas almas se entregaram a Jesus.

No fim da primeira semana de trabalho ela recebeu uma oferta do povo e, com o dinheiro foi a cidade vizinha e comprou uma tenda de lona, já usada. O vendedor (homem desonesto), abaixou o preço, com a condição que não seria necessário tirar a tenda da sacola antes de vendê-la. Quando ela voltou a Mount Forest, e abriu a “catedral de lona”, descobriu que estava mofada e rasgada. Foi necessário remendar e limpar a tenda, que com muito esforço, finalmente ficou pronta. No primeiro culto realizado na tenda, quando Aimée ia começar a pregar, a lona começou a rasgar-se e vinha caindo sobre o povo ali presente, devido ao forte vento. Irmã Mcpherson levantou os braços e orou: “em nome do Senhor Jesus, ordeno que não caia até depois do culto”. Naquele instante a lona ficou presa num prego e não caiu. No dia seguinte um grupo de senhoras da congregação, ajudou a remendar a tenda. Depois de trabalhar o dia todo, irmã Mcpherson sentiu-se tão cansada, que resolveu cancelar o culto daquela noite. Deixando um aviso na tenda, foi para casa descansar.

Antes de deitar-se, tomou a bíblia e ajoelhou-se para orar e meditar nas escrituras. A Bíblia caiu da cama e quando ela foi pegá-la no chão, percebeu que estava aberta neste versículo: “qualquer que procurar salvar a sua vida perdê-la-á, e qualquer que perder a sua vida, por amor de mim, esse a salvará” (Mateus 16:25). Ela entendeu que Deus tinha falado mais uma vez ao seu coração. Levantou-se e imediatamente se preparou para pregar na tenda. Ainda sentia grande cansaço quando subiu ao púlpito, mas, na hora em que se levantou para cantar o primeiro hino, todo o cansaço a abandonou. Depois de muitos anos no ministério ela escreveu este maravilhoso testemunho: “tem sido assim desde aquela vez. Não importa o que seja, labor ou os apuros do dia a dia, nem importa a fadiga física e mental que eles produzem em mim, estou sempre refeita no instante em que fico em pé no púlpito”. O resultado glorioso de sua obediência veio naquela noite, quando dezoito fazendeiros se converteram a Cristo.

As campanhas em tendas de lona nas cidades da orla marítima do Atlântico continuaram até 1918, com o povo, em número sempre crescente, reunindo-se para ouvir esta extraordinária evangelista. Em junho de 1917 foi lançada a primeira edição da sua revista pentecostal “Bridal Call”, contendo testemunhos e notícias das campanhas, sermões, poesias e outros artigos. Dentro de três meses a revista foi aumentada de uma edição simples de apenas quatro paginas para uma revista mensal de 16 paginas. Atualmente e publicada sob o nome “The Foursquare World Advance” contendo notícias da Igreja do Evangelho Quadrangular no mundo inteiro, com uma tiragem mensal de cinqüenta mil exemplares.

As campanhas evangelisticas desses primeiros anos foram marcadas com grandes experiências de fé e maravilhosas vitórias. Foi nesse período que Deus começou a usar a irmã Mcpherson no ministério da cura divina. Uma noite ela pregou sobre o tema “Jesus Cristo é o mesmo Ontem, Hoje e Eternamente”, mostrando que ele vive hoje para curar e batizar com o Espírito Santo. A fé foi despertada, e ela viu uma figura patética vindo voluntariamente a frente: uma moça auxiliada por duas pessoas, estava curvada, com queixo puxado para baixo tocando no peito, pernas e mãos deformadas com artrite reumatóide, chegava apoiando-se em muletas. A moça foi carregada até o púlpito e assentada numa cadeira. Em poucos minutos, ela aceitou a Jesus e em seguida, ela foi batizada com o Espírito Santo. Depois de orar pela sua cura, irmã Mcpherson disse-lhe que levantasse as mãos e louvasse o Senhor. Assim ela o fez, e louvando ao Senhor começou levantar os braços e as mãos deformadas começaram a endireitar-se. Com os braços libertos e erguidos, ainda louvando ao Senhor, o queixo e o pescoço há tanto tempo endurecidos, foram se tornando livres, ao ponto dela olhar para o céu. Com isso ela se levantou e apoiando com as mãos, começou a andar através da força que as suas pernas receberam para sustenta-la. Saiu andando e glorificando ao Senhor.

Numa campanha em Durant, Flórida, novamente Deus provou seu poder na vida de Aimée Semple Mcpherson. As reuniões foram realizadas num tabernáculo de madeira num local onde não havia eletricidade. A luz de lampiões a querosene e gasolina era muito fraca para o tamanho do tabernáculo, então colocaram um aparelho de luz a gás para iluminar o lugar. Uma noite, antes do culto enquanto a irmã Mcpherson estava fazendo uns ajustes no aparelho houve uma pequena explosão no mesmo e as chamas atingiram o seu rosto. A dor foi tão aguda que ela, sem pensar nas conseqüências, saiu correndo e colocou o rosto numa bacia com água fria. Ao tirá-lo da água, a dor já intensa aumentou, e bolhas brancas começaram a se formar. Irmã Mcpherson ficou andando de um lado para outro sob as árvores, esperando em Deus sempre, enquanto alguém consertava o aparelho danificado. O povo continuava a chegar, mas o início do culto já estava atrasado, devido ao imprevisto que acontecera com o aparelho.

Um senhor, que estava combatendo as reuniões e a pregação de cura divina, aproveitando a oportunidade, levantou-se para avisar o povo que não haveria reunião porque a pregadora da cura divina tinha queimado o rosto. Quando a irmã Mcpherson soube disso, orou pedindo força e subiu ao púlpito em nome de Jesus. Anunciou um Hino com os lábios tão inchados por causa da queimadura, que quase não pode pronunciar as palavras. Terminando a primeira estrofe, ela levantou sua mão e disse pela fé: “louvado seja o Senhor que me tira toda a dor”.

O povo louvou ao Senhor e Instantaneamente, o sofrimento foi aliviado e perante os olhos de todos, o vermelhão do rosto começou a diminuir e as bolhas sumiram. No final do culto, sua pele estava completamente normal e Deus foi glorificado.

Na cidade da Filadélfia, em 1917, a campanha realizada em uma tenda grande trouxe pessoas de muitas cidades vizinhas que acamparam em tendas pequenas ao redor da tenda de cultos. Na primeira noite o poder do Espírito Santo caiu sobre o povo que clamava a Deus pedindo um avivamento. Na Segunda noite o inimigo começou a atacar a obra. O terreno alugado para levantar a tenda antes havia sido usado como campo de futebol, por um colégio vizinho, e os moços, ressentidos por terem perdido o campo, começaram a perturbar o culto. Centenas deles cercaram a tenda e cada vez que havia uma manifestação do Espírito, eles zombavam e davam gargalhadas. O barulho se tornou tão forte que dentro da tenda era impossível ouvir a voz dos solistas e dos dirigentes que falavam ao povo. Mais tarde, foi descoberto que os jovens esconderam latas de querosene e gasolina para incendiar tudo o que havia no terreno. Enquanto o povo cantava hinos, irmã Mcpherson orava pedindo orientação do Senhor. A resposta veio pelo Espírito Santo de Deus, dizendo-lhe: “comece a louvar, porque a alegria do Senhor é a tua força”. Ela começou em voz baixa, com os olhos fechados, mas aos poucos, a sua voz tornou-se mais forte, então clamou: “bendize, oh minha alma, ao Senhor, e tudo que há em mim bendiga ao seu santo nome”. O povo sentindo o Espírito, também louvou ao Senhor. Irmã Mcpherson relatou o que aconteceu depois: “enquanto eu louvava ao Senhor, vi muitos demônios com asas estendidas, semelhantes as de morcego, entrelaçadas uma a uma, lado a lado, ao redor do tabernáculo. Mas cada vez que eu dizia “louvado seja o Senhor”, eu percebia que as forças diabólicas davam um passo para trás até que, finalmente desapareceram entre as árvores”.

Ela continuou clamando “glória a Jesus! Aleluia! Louvado seja o Senhor!”. De repente viu que no lugar onde as forças diabólicas haviam desaparecido, um grande bloco de anjos, vestidos de branco, estavam avançando, também com as asas entrelaçadas e estendidas, e cada vez que se expressava: “louvado seja o Senhor!”, eles davam mais um passo a frente. Sem parar, avançavam a ponto de cercar completamente a orla exterior da tenda de lona. Quando irmã Mcpherson abriu os olhos, os jovens que perturbavam o culto ainda estavam presentes, mas todos quietos, com os olhos atentos e olhando para ela. Houve uma atenção perfeita durante a pregação, muitos aceitaram a Jesus como Salvador, e nos outros cultos eles voltaram trazendo os doentes e aflitos para que recebessem a oração da fé.
6- AS VIAGENS TRANSCONTINENTAIS (1918-1923)
Em 1918, Aimée Semple Mcpherson iniciou uma nova fase do seu ministério. Ela fez sua primeira viagem transcontinental, da orla do Atlântico até a cidade de Los Angeles, atravessando o continente norte americano com seu carro que tinha os seguintes dizeres: “Carro do Evangelho” e “Jesus Voltará, se prepare!”.

Acompanhada pelo casal de filhos, sua mãe e uma secretária, irmã Mcpherson corajosamente pegou a direção do carro e enfrentou chuva, neve, tempestades terríveis, lama e montanhas na sua viagem de 6.400 Km. Pregando e distribuindo milhares de folhetos, ela se dirigiu à cidade de Tulsa, no estado de Oklahoma, ponto intermediário no seu itinerário para a Califórnia. Antes de lá chegar, recebeu um telegrama avisando-a que todas as igrejas de Tulsa estavam fechadas por causa de muitas mortes resultantes da epidemia de gripe. Em oração, o Senhor falou com ela dizendo: “Não temas, continues a viagem, e quando chegares ali, as igrejas estarão abertas”. Quando chegou em Tulsa, num Domingo pela manhã, ouviu os sinos de muitas igrejas. Perguntando a razão de tudo isso, irmã Mcpherson descobriu que a cidade de Tulsa estava regozijando-se pela reabertura de suas igrejas naquele mesmo dia.

Entre 1918 e 1923, irmã Mcpherson atravessou os Estados Unidos por oito vezes, realizando 38 campanhas evangelisticas nos maiores auditórios do país. Esses auditórios tinham capacidade de 3.000 a 16.000 pessoas sentadas, e muitos chegaram para receber a salvação e a cura em Jesus, e para serem batizados com o Espírito Santo.

Uma das grandes campanhas dessa época foi realizada na cidade de Denver, no estado do Colorado, no auditório municipal com capacidade para 15.000 pessoas. O auditório estava sempre lotado, e a cada noite milhares que chegavam não podiam entrar. Uma noite o número de excedentes chegou a 8.000! Muitos se esconderam nos banheiros após o culto à noite como garantia de que no dia seguinte haveria lugar para assistir o culto matinal. O número de conversões era tão grande que houve culto em que quase a metade dos ouvintes se levantava para aceitar a Jesus. Havia sempre um lugar para os cegos e paralíticos, 150 pessoas sobre macas foram colocadas numa área que ficava em frente ao grande palco. Por 2 horas e 45 minutos, irmã Mcpherson foi de maca em maca orando pelos doentes, individualmente. Um repórter escreveu o seguinte relatório do culto; “Foi literalmente um reavivamento de corpos doentes. Pessoa por pessoa, uma após a outra, levantou-se da maca, e erguendo as mãos e o rosto, para o céu declaravam sua cura”.

Outra campanha de grandes dimensões aconteceu em San Diego, na Califórnia. Os cultos foram realizados num ginásio de esportes reservado para lutas de boxe, onde, na véspera da campanha, irmã Mcpherson conseguiu no intervalo da luta, licença para fazer o aviso da campanha. Durante 5 semanas a cidade foi abalada e o número cresceu tanto que foi necessário reservar uma parte do ginásio para pessoas com convites especiais. Isso foi feito para dar oportunidade a mais pessoas de assistirem aos dois cultos diários. Grandes lojas pediam convites para os seus funcionários, entidades civis e militares também fizeram o mesmo. Cada noite era um grupo diferente que assistia ao culto. Não era possível orar por todos os doentes que chegavam, porque o ginásio, com uma capacidade para 3.000 pessoas, ficou pequeno demais. Finalmente conseguiram um lugar para a realização dos cultos de cura divina ao ar livre, na grande concha acústica do Parque de Balboa (somente por dois dias), um lugar para exposições e feiras, semelhante ao Parque do Anhembi, em São Paulo. Após marcada a campanha especial, a cidade foi convocada para oração e jejum. Na véspera, 700 carros chegaram e seus ocupantes aguardavam o início dos trabalhos, dormindo nos próprios carros. Muitos chegaram à pé empurrando cadeiras de rodas ou carregando os doentes em macas. As 10:30 hs, irmã Mcpherson deu início ao culto; depois de alguns hinos e testemunhos maravilhosos, ela pregou sobre a cura dupla – do pecado e da doença. Daí, ela e um grupo de Ministros começaram a orar pelos enfermos. Foi uma fila contínua o dia todo. Eles oraram desde cedo até o pôr do sol, ocupando apenas quinze minutos para um lanche. A polícia estimava que, conforme a hora do dia, havia uma assistência que variava entre 10.000 a 30.000 pessoas durante o dia todo. No dia seguinte, Deus continuou os milagres de salvação e cura no nome de Jesus.

O ministério de Aimée Semple Mcpherson tornou-se internacional em 1922 quando ela realizou uma campanha na Austrália. Mais tarde, ela levou o evangelho a muitas outras nações. O ministério da irmã Mcpherson foi marcado por uma paixão imensa pelas almas. A mensagem de salvação recebeu ênfase, seguida de sinais e prodígios. Nessas campanhas de salvação e cura divina, a mensagem do Espírito Santo também foi proclamada. No final dos cultos, um outro culto de oração era realizado com aqueles que estavam buscando o batismo com o Espírito Santo, o qual, muitas vezes, durou até 5 ou 6 horas do dia seguinte.


7- A IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR
O nome “EVANGELHO QUADRANGULAR” veio por inspiração à irmã Aimée Semple Mcpherson no verão de 1922, quando numa grande tenda em Oakland, Califórnia, manifestou-se o Espírito Santo de Deus com muito poder. A grande tenda que acomodava oito mil pessoas estava superlotada, e mais uma grande multidão permanecia ao seu redor. Muitos tinham vindo de longe, e todos os corações estavam famintos da Palavra de Deus. O assunto para a pregação da noite era “a visão de Ezequiel”( Ez. 1:1-28).

Ela começou a pregar e a sentir o poder do Espírito Santo de um modo maravilhoso. Em suas próprias palavras, vejamos o seu testemunho: “Minh’alma ficou aterrada! Meu coração sobressaltado! A ofuscante glória desta visão celestial parecia encher o Tabernáculo, mas ainda toda a Terra. Nas nuvens do céu que enovelavam e se envolviam numa glória de fogo, Ezequiel vira o Ser cuja glória nenhum mortal pode descrever. À medida que ele contemplava aquela revelação maravilhosa do Ser Onipotente, podia distinguir quatro faces, ou rostos, nos quatro querubins: eram o rosto de um homem, de um leão, de um boi e de uma águia.

No rosto de homem vemos o homem dos pesares e acostumado com a aflição, morrendo sobre o madeiro.

No rosto do leão contemplamos o batizador poderoso com o Espírito Santo e com fogo.

No rosto do boi vemos o grande removedor de fardos de pecados – o mesmo que levou nossas enfermidades e nos afastou as doenças, o qual, em seu amor ilimitado e provisão divina satisfez todas as nossas necessidades.

No rosto da águia contemplamos a vinda do Rei, quando Ele vier buscar a noiva que espera, Sua Igreja.

É um perfeito Evangelho! Um Evangelho Completo para o corpo, alma, espírito e eternidade. Que maravilha e poder, a majestade disso, caindo em forma de cascata por sobre as muralhas do céu, enchendo, inundando e envolvendo o meu próprio ser! Os dedos do Espírito arrebataram as cordas da harpa eólica do meu coração e evocavam uma sublime, maravilhosa melodia semelhante ao som de um grande amém.

Dentro de minha alma nasceu uma harmonia que foi desferida, desprendida e sustentada sobre cordas plenas, vibrantes, de onde foram destacadas as palavras que saltaram para a vida: “EVANGELHO QUADRANGULAR!”.

Instantaneamente, o Espírito trouxe o testemunho. Ondas, vagalhões e oceanos de louvor sacudiram a congregação. Levada sobre os ventos impetuosos de um reavivamento do Espírito Santo, a expressão EVANGELHO QUADRANGULAR que o Senhor me deu distingue vívida e apropriadamente a mensagem que me fora dada para pregar e tornara-se uma palavra conhecida em toda a Terra”.

No mesmo ano, em Los Angeles, Aimée Semple Mcpherson comprou um terreno e começou a construção do templo Sede Internacional (Ângelus Temple). Foi um passo de fé, porque ela tinha apenas 5.000 dólares e a planta do templo que Deus lhe dera. No dia 1º de janeiro de 1923, com capacidade para mais de 5.000 pessoas, o templo foi consagrado. Irmã Mcpherson dirigia pessoalmente 21 cultos por semana, e as novas dependências do templo já não podiam acomodar a multidão que chegava em massa para ouvi-la. Nos primeiros 5 meses, mais de 7.000 pessoas encontraram a salvação em Jesus e 1.200 foram batizadas nas águas. Mais tarde a fundadora escreveu o seguinte comentário: “O fato de nós enfatizarmos a importância da salvação das almas perdidas em nossas reuniões, junto com a manifestação do Espírito Santo, para realizar milagres, levou o Ângelus Temple a ser conhecido, como A IGREJA DO AVIVAMENTO CONTÍNUO durante os primeiros três anos abençoados”.

Aimée Semple Mcpherson foi fiel à visão de evangelização mundial que Deus lhe deu. Trinta e três dias depois da consagração do templo Sede Internacional, no dia 6 de fevereiro de 1923, os primeiros alunos do Instituto de Treinamento Evangelístico e Missionário iniciaram os seus estudos. Em menos de dois anos, o número cresceu tanto que foi necessário realizar as aulas num salão que comportava 500 pessoas. O número aumentou até que, em 1926, foi inaugurado um edifício de quatro andares para uso do Instituto Bíblico (Life Bible College), dedicado ao ensino da palavra de Deus, e ao preparo de obreiros.

Nos primeiros cinco anos, a média era de 1000 alunos preparando-se e estudando para a obra do Senhor.

“orai sem cessar”, diz a Bíblia e, obedecendo esse mandamento, Aimée consagrou uma sala do templo para esse fim. No dia 18 de fevereiro de 1923, com uma equipe de 368 pessoas, cada um orando num período de duas horas por semana, a sala de oração começou a funcionar, com homens orando durante as 12 horas da noite e as senhoras nas horas do dia. Desde então têm sido contínua vinte e quatro horas por dia, com uma média de 13000 pedidos mensais que chegam de diversos lugares do mundo. Deus continua a responder a oração da fé com milagres e maravilhas.

Aimée Semple Mcpherson consagrou a rádio KFSG, em 6 de fevereiro de 1924. Era a primeira rádio pertencente a uma Igreja nos Estados Unidos, e a 3º emissora em Los Angeles. Ainda hoje, a KSFG proclama a palavra de Deus através da música evangélica e mensagens 24 horas por dia. Além do seu ministério de pregação e ensino, Aimée Semple Mcpherson foi a autora de vários livros, de 105 hinos e 13 óperas sagradas, tudo feito para exaltar o nome e a pessoa do Senhor Jesus Cristo.

Seu ministério terminou em 27 de setembro de 1944, enquanto ela estava em plena campanha em Oakland, a mesma cidade onde recebeu a visão do Evangelho Quadrangular. Seu filho Rolf K. Mcpherson assumiu a liderança dessa grande organização.

Hoje a Igreja do Evangelho Quadrangular está estabelecida em 130 países, com milhares de templos, vários ITQs (Instituto Teológico Quadrangular) e milhares de membros em todo o mundo.

O glorioso Evangelho Quadrangular é tão sólido quanto a rocha a qual está fundado. Permanece firme nos quatro ângulos, sólido, forte, inabalável, inamovível, e quando o céu e a terra tiverem passado, ele ainda estará de pé. Porque? Porque é uma mensagem verdadeira de Jesus Cristo, que é “o mesmo ontem, e hoje e eternamente” (Hb. 13:08).


II – A BANDEIRA Da Igreja do Evangelho Quadrangular.

PÚRPURA

(ROXO)
AZUL CLARO
OURO

(AMARELO)
ESCARLATE

(VERMELHO)



O Evangelho Quadrangular é semelhante a um cintilante arco-íris de promessa com quatro cores significativas, derivadas da pura e branca “Luz do Mundo”- Jesus cristo (João 8:12). Decompõe-se na cruz do Calvário contra as nuvens tempestuosas do pecado, doença e morte, formando um lindo arco-íris de esperança – um arco que mede a Dispensacão do tempo – desde o Gênesis ao Apocalipse, e vem pousar na Cidade Celestial, que é “Quadrangular”.(Ap. 21:16).

Pode-se comparar o Evangelho quadrangular a uma jóia com quatro facetas principais, além de muitas outras. É uma jóia de rara beleza, e que encerra simbolismo em suas cores diversas:


  1. Escarlate brilhante, para a salvação da alma.

  2. Ouro faiscante, para o batismo no Espírito Santo.

  3. Azul cintilante, para a cura divina.

  4. Púrpura resplandecente, para a vinda do Rei (Jesus Cristo).


III – A IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULAR, NO BRASIL.
A 15 de novembro de 1951, em São João da Boa Vista-SP, foi fundada a Igreja do Evangelho Quadrangular no Brasil, pelo Rev. Harold Williams. O Evangelho era pregado com entusiasmo. Os enfermos eram curados, muitos eram libertos de espíritos imundos, havia alegria e manifestação dos dons e assim, rapidamente o movimento ganhou adeptos em todo o país. Esse reavivamento foi se alastrando e muitas tendas eram levantadas em vários Estados. Logo surgiu a necessidade de construir templos e de organizar igrejas para dar acolhida ao grande número de pessoas que chegavam sedentas pelas boas novas que ouviram. A obra Quadrangular continuou crescendo e atualmente estamos presentes em todos os Estados do Brasil.
1 – O Sistema de Governo da Igreja do Evangelho Quadrangular.
Uma Igreja Cristã é uma sociedade com vida coletiva e organizada dentro de um certo padrão eclesiástico, adaptada ao objetivo bíblico a que se propõe realizar; que para tanto, possui um ministério com categorias e hierarquias definidas, cujas ordenanças, Estatutos, leis e regulamentos foram instituídos e apropriados para administração de seu governo e cumprimento de seus objetivos.

Durante vários séculos surgiram várias formas de governo eclesiástico:



. Governo Episcopal – Esta forma de governo descansa o poder nas mãos dos prelados ou bispos. As decisões são mais dinâmicas e proporcionam maior unidade e uniformidade nas práticas pastorais. Esta forma de governo é praticada pelas Igrejas Romana, Metodista, Episcopal, Anglicana e Quadrangular. É conhecida como o governo do bispo.

. Governo Presbiterial – Esta forma de governo descansa o poder nas mãos de uma oligarquia, grupo, sínodo, diretoria ou presbitério. O exemplo mais clássico desta forma de governo é o da Igreja Presbiteriana, onde o governo é exercido pelo presbitério e não pelo bispo, nem pela congregação. Seguem esta mesma linha os luteranos. É conhecida como governo do presbitério.

. Governo Congregacional – Esta forma de governo é aquela em que a congregação local pratica o autogoverno. O exercício do poder não é exercido nem pelo bispo, nem pela diretoria ou presbitério; quem governa é a congregação. A seção da Igreja detém o poder de decisão. Ela é quem convida, admite e demite o pastor. A congregação não se submete aos poderes das convenções e cada Igreja local é independente em sua administração. Esta forma de governo é praticada pelos Batistas.

A Igreja do Evangelho Quadrangular é originalmente uma denominação que adotou como princípio e forma de seu governo, o Episcopal. Certamente devemos isto ao fato histórico de vida da fundadora de nossa Igreja, missionária Aimée Semple Mcpherson, que desde sua infância viveu o rigor administrativo-eclesiástico, da Igreja Metodista americana.


2 – Estrutura Administrativa da Igreja do Evangelho Quadrangular.
A administração da Igreja Do Evangelho Quadrangular, no Brasil, é estruturada em três níveis hierárquicos:

. Administração Superior e Geral – exercida pelo Conselho Nacional de Diretores ( CND ). Composição: - Presidente – 1O Vice-presidente – 2O Vice-presidente – 3O Vice-presidente – 1O Secretário – 2º Secretário – 3O Secretário – 1O Tesoureiro – 2O Tesoureiro – 3O Tesoureiro.

. Administração Intermediária – exercida pelos Conselhos Estaduais de Diretores ( CED ), nos Estados da Federação que preencham os requisitos para formação dos Conselhos Estaduais.Composição: - Presidente – Vice-presidente – Secretário – 1O Tesoureiro – 2O Tesoureiro.

. Administração de Base – exercida pelos Conselhos Diretores Locais ( CDL ) nas Igrejas filiadas sob jurisdição da corporação, quando organizadas e registradas no Conselho Nacional de Diretores ( CND ), na forma das exigências dos Regulamentos Internos. Composição: - Presidente ( Pr. Titular ) – Vice-presidente – Secretário – Tesoureiro – Diretor dos Diáconos – Diretor de Patrimônio.

3 – Deveres, Direitos e Privilégios dos Membros da Igreja Do Evangelho Quadrangular.
. Deveres. São deveres do membro da Igreja Do Evangelho Quadrangular, no Brasil:

  • Participar de sua assembléia geral;

  • Participar de seus cultos e reuniões;

  • Apoiar financeiramente a Igreja;

  • Defender intelectualmente a sua fé;

  • Ser leal e ético para com a Igreja;

  • Sujeitar-se à sua hierarquia;

  • E, sujeitar-se à sua disciplina eclesiástica.


. Direitos. São direitos dos membros da Igreja Do Evangelho Quadrangular, no Brasil:

  • Receber assistência pastoral;

  • Solicitar arbitragem pastoral em questões litigiosas entre irmãos;

  • Apresentar, quando ofendido por um irmão, queixa formal a quem de direito;

  • E, recorrer à instância superior em grau de recurso.


.Privilégios. São privilégios dos membros da Igreja Do Evangelho Quadrangular, no Brasil:

  • Participar de reuniões de grupos e departamentos;

  • Representar a Igreja, por delegação;

  • Votar e ser votado em assembléia geral;

  • Acesso à carreira ministerial;

  • E, ocupar cargos nas atividades leigas, na Igreja.


IV – AS DOUTRINAS DO EVANGELHO QUADRANGULAR
. O QUE É O EVANGELHO QUADRANGULAR?

É o Evangelho ou Doutrina que nos dá preceitos espirituais e conhecimento verdadeiro de nosso Glorioso Senhor, a mais formosa mensagem do mundo, apresentando algo de excepcional e que vem satisfazer aos mais altos anseios espirituais do indivíduo.



. POR QUE HÁ QUATRO EVANGELHOS NO NOVO TESTAMENTO?

Por que Mateus, Marcos, Lucas e João apresentam o Senhor Jesus Cristo de um ponto de vista diferente, a saber: Jesus Cristo – o Rei, Jesus Cristo – o servo, Jesus Cristo – o Filho do Homem e Jesus Cristo – o Filho de Deus. Embora haja um só Evangelho, quatros são os principais benefícios que Jesus Cristo providenciou para a humanidade, no calvário (João 19:30).


Todas as doutrinas do Evangelho quadrangular são inteiramente baseadas nas Sagradas Escrituras. São apresentadas neste estudo quatro doutrinas importantes do Evangelho Quadrangular, chamadas doutrinas cardinais:

  1. Jesus Cristo, o Salvador, para o mundo amaldiçoado por causa do pecado, e enganado por Satanás.Lucas apresenta Jesus Cristo como “Filho do Homem”, para a salvação da alma.(Rm. 3:13).

  2. Jesus Cristo, o Batizador com o Espírito Santo e fogo, para uma igreja tímida e fraca. João apresenta Jesus Cristo como “Filho de Deus”, para batizar e abençoar o espírito do homem.(At. 1:8).

  3. Jesus Cristo, o Grande Médico, para a humanidade moribunda e doente, tanto no espírito como no corpo. Marcos apresenta Jesus Cristo como “Servo de Deus”, para cura divina do corpo do homem.(Is. 53:4).

  4. Jesus Cristo, o futuro Rei de paz, para o mundo cansado de guerras, lutas, cobiças, ódio e sofrimento. Mateus apresenta Jesus Cristo como “Rei que há de vir”.(João 14:1-4).


1 – Jesus Cristo, o Salvador:


    1. O primeiro rosto que Ezequiel viu foi o “rosto de homem ”representando Jesus Cristo como Salvador. (Ez. 1:10).

    2. O evangelho que apresenta Jesus Cristo, o Salvador, é o evangelho de Lucas. (Lc. 19:10).

    3. Lucas apresenta o Salvador Jesus Cristo como “Filho do Homem”, perfeito e ideal no corpo, alma e espírito. Este evangelho foi escrito especialmente para os gregos, cujo ideal era o homem perfeito.

    4. O símbolo da salvação é a Cruz. Está vazia porque Cristo vive. (I Co. 1:20).

    5. A doutrina da salvação está simbolizada na bandeira da IEQ, pela cor ESCARLATE (vermelha), representando o sangue de Cristo derramado em nosso favor.


2 – Jesus Cristo, o Batizador com o Espírito Santo:


  1. O segundo rosto que Ezequiel viu foi o “rosto de Leão”, representando Jesus Cristo como o batizador com o Espírito Santo. (Ez. 1:10).

  2. O evangelho que apresenta Jesus Cristo, o Batizador, é o evangelho de João. (João 1:32,33).

  3. João apresenta Jesus Cristo como “Filho de Deus” e afirma: Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus”. (João 20:31).

  4. O símbolo do batismo com o Espírito Santo é a Pomba. (Mt.3:16).

  5. Este aspecto do Evangelho Quadrangular está simbolizado na bandeira da IEQ, pela cor OURO (amarela), tipificando o fogo celestial do Espírito Santo.


3 – Jesus Cristo, o Grande Médico:


  1. O terceiro rosto que Ezequiel viu foi o “rosto de boi”,representando Jesus Cristo como nosso Grande Médico. (Ez. 1:10).

  2. O evangelho que apresenta Jesus Cristo, o Grande Médico é o evangelho de Marcos.

  3. Marcos apresenta Jesus Cristo como “Servo”. “Porque o Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir...”( Mc.10:45).Marcos escreveu aos romanos, um povo militar que tinha orgulho em obedecer aos seus superiores. (obs. Lc. 7:8).

  4. O símbolo da Cura Divina é o Cálice ( I Co. 10:16).

  5. Este aspecto é também simbolizado na bandeira da IEQ, pela cor AZUL CLARA, a cor do céu, de onde vem a cura divina.



4 – Jesus Cristo, o Rei que há de vir:


  1. O quarto rosto que Ezequiel viu quando estava entre os cativos junto ao rio Quebar foi o “rosto de águia”, representando Jesus Cristo, o Rei que há de vir.

A águia é considerada o rei dos pássaros. Com seus olhos penetrantes perscruta as distancias dos elevados céus, sobe às nuvens, desce das alturas vertiginosas e carrega os seus filhotes sobre as asas estendidas. Faz o seu ninho nos penhascos mais elevados e reveste com a penugem tirada do seu próprio peito. É um símbolo atraente do nosso Rei futuro, nosso águia-Rei, que tem o seu lar no supremo céu e está preparando para nós uma morada no alto, comprada à custa de sua própria vida.

  1. O evangelho que apresenta Jesus Cristo, o Futuro Rei é o evangelho de Mateus. (Mt. 27:37).

  2. Mateus apresenta Jesus Cristo como “Rei”, o Rei que voltará para buscar Sua Noiva, e depois tomará seu cetro e governará todas as nações durante mil anos, na Terra. O livro foi escrito para os hebreus, que há muito esperavam pelo Messias Rei, herdeiro legítimo do trono de Davi. A fim de evidenciar Sua descendência real, Mateus abre o livro com sua genealogia. (Mt. 1:1).

  3. O símbolo da Segunda Vinda é a Coroa. ( Ap. 14:14; 19:12).

  4. A doutrina da Segunda Vinda está simbolizada na bandeira da IEQ, pela cor PÚRPURA (roxa), tipificando a realeza de Jesus Cristo – “Rei dos reis, e Senhor dos senhores” (Ap. 19:16).





Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal