O fogo secreto



Baixar 161.1 Kb.
Página1/4
Encontro12.01.2018
Tamanho161.1 Kb.
  1   2   3   4

O FOGO SECRETO:

O Relacionamento entre Kundalini, Cabala e Alquimia*
por Mark Stavish, M.A.


Prefácio

Os exercícios apresentados a seguir são planejados para ajudar na libertação da energia mais poderosa conhecida da humanidade e que reside na criação. Eles não são propostos para alguém com pouca ou nenhuma experiência esotérica. Em geral, seria aconselhável ter ao menos um ou dois anos de experiência prática, diária com os Rituais da Coluna Central e/ou do Pentagrama, e também, um tempo equivalente com os Rituais do Hexagrama. Vários anos de operação do 32º ao 24º Caminhos na Árvore da Vida também seriam desejáveis [1], e uma prática regular de ao menos uma vez por semana do “Elevando-se pelos Planos” [2]. Bom senso, uma disposição para “Apressar-se lentamente,” e um estilo de vida equilibrado podem ser a melhor proteção contra quaisquer efeitos colaterais destas, ou de outras, práticas esotéricas [3]. É muito importante que você mantenha um diário de suas práticas e experiências com os exercícios apresentados.


O tempo que leva para se experimentar o Fogo Secreto não é conhecido, porém a preparação é a melhor garantia de sucesso. O tempo alocado para cada exercício não deve exceder mais do que 15 ou 20 minutos no começo, e uns 30 a 45 minutos depois de uns seis meses. Sugerimos com todo empenho que toda pessoa realizando estes exercícios também faça uso diário de tinturas espagíricas para cada uma das qualidades planetárias do dia que for usada. Esta limpeza adicional, lenta e metódica dos canais sutis psíquicos ajudará no alívio de alguns dos efeitos colaterais do trabalho esotérico. A aplicação, todas as noites, da “Yoga dos Sonhos”, também é sugerida, pois isto vai sintonizar o estudante com as qualidades do dia enquanto estiver dormindo, vai ajudar nos contatos interiores e pode esclarecer problemas particulares do Trabalho. [4]
Ainda que isto possa parecer como muito trabalho, não o é. As tinturas podem ser feitas facilmente. Tudo o que é preciso é seu uso regular, o que não vai levar mais tempo do que engolir uma vitamina. A Yoga dos Sonhos é feita quando estamos prestes a cair no sono, não sendo necessário nenhum tempo adicional para ela também. O que é necessário é a regularidade, compromisso e perseverança. Qualidades que asseguram e conferem o adeptado. Boa sorte em suas práticas. Nos Elos do Esoterismo.
Ora et labora.
Mark Stavish
Wilkes-Barre, Pennsylvania
Abril de 1997

INTRODUÇÃO

Nas práticas esotéricas ocidentais existe um aparente hiato de conhecimento com relação ao papel das práticas esotéricas e seus efeitos nos corpos sutis e não tão sutis dos praticantes. No oriente, todas as práticas, quer sejam designadas como tais ou não, são voltadas para despertar a energia semi-dormente que reside em toda a criação, e nos ‘seres vivos’ em particular. Esta energia é conhecida como “kundalini,” “Fogo Serpentino,” e o “Dragão” dependendo da tradição. Cuidado considerável tem sido tomado, apesar das contradições entre sistemas, para mapear os efeitos dos exercícios nesta energia latente, e saber como ela ‘flui’ pelos corpos físico, emocional e psíquico, em que estágios, e em relação com que exercícios. Uma análise detalhada equivalente está faltando no esoterismo ocidental moderno.


Para os cabalistas modernos, a introdução mais comum à magia cerimonial é por meio do Ritual Menor do Pentagrama e o Exercício da Coluna Central. Este ensaio tem dois propósitos: mostrar como este, e outros exercícios relacionados, podem estimular o Fogo Secreto, e sugerir exercícios para sua regularização por estudantes esotéricos que estão engajados no caminho Hermético, tais como estudos gerais ou alquimia, que podem ter experimentado seu despertar e estão necessitando de exercícios simples e diretos para a sua regularização.

O Fundamento Teórico
A maior parte dos estudantes esotéricos modernos está familiarizada como o exercício da Coluna Central e, como tal, ele será a base fundamental para boa parte deste artigo. Além disto, serão feitas referências limitadas ao Sepher Yetzirah, e à alquimia.
A base da cabala é que por meio de crescentes níveis de densidade, a humanidade surgiu ao seu estado presente de encarnação física e de evolução psíquica. Por meio de rituais, exercícios e meditações, a energia latente na criação, em geral, e no corpo do praticante, em particular, pode ser “despertada,” purificada e direcionada. Essa energia pode então ser usada para desenvolvimento espiritual, expansão psíquica ou para a saúde física e sua melhora.

Criação – “No Princípio ...”
É dito que a criação ocorreu, em termos cabalistas ocidentais e alquímicos, no seguinte processo.
A mente divina de Deus, o Absoluto, ou em hebraico o Ain Soph Aur (A Luz Ilimitada), por meio de uma série de expansões e contrações, estabelece os limites da Criação. O primeiro mundo é o mais sutil, e mais perto do estado original de não-existência, e chama-se Atziluth. Esse é chamado de Mundo de Fogo, por causa da natureza, vívida, indefinida e quase incontrolável do fogo. A seguir vem Briah, ou o Mundo dos Arquétipos e formas no sentido em que nossa mente humana pode apreende-los. Ele é simbolizado como o Mundo do Ar, e resulta numa barreira para o mundo formado a seguir, Yetzirah, ou Água. Este é o mundo altamente psíquico e emocionalmente carregado imediatamente atrás do véu da existência material, ou Assiah. Esse é também conhecido como o Mundo da Terra, por causa da natureza sólida e concreta da vida material.
O propósito deste esquema é mostrar que a criação ocorre em níveis cada vez mais densos de energia-matéria, do mais sutil, ou Fogo, ao mais denso, ou Terra. Dentro deste contexto de crescente densidade, surge também uma série de dez planos ou níveis de consciência que se combinam com e energia-matéria, conhecidos como Sephiroth, ou esferas de ser. Eles ocorrem num padrão de: unidade, reflexo, polaridade, reflexo, polaridade, unidade, reflexo, polaridade, unidade e finalmente materialização. Esta idéia básica de unidade-polaridade-e-reharmonização é a base das práticas cabalistas e alquímicas, e deriva-se da observação da Natureza.
Cada mundo é um reflexo num grau mais denso ou mais sutil do outro antes ou depois dele. Cada Sephiroth é um reflexo, em parte, do que o precede ou segue. No entanto, como cada reflexo é somente parcial, ou levemente distorcido, cada Esfera assume suas características próprias únicas. Somente os assim chamados “Quatro Sephiroth do Meio” têm a habilidade para harmonizar ou refletir na totalidade todas as energias da criação, em algum nível.
O ‘zigzag’ da Criação é chamado de “Clarão do Relâmpago”. O retorno da energia da matéria densa, de volta pelos vários estágios, Sephiroth e Mundos da Criação é conhecido como o “Caminho da Serpente”, por causa de sua natureza inversa, ou complementar, rumo ao alto deste diagrama chamado Árvore da Vida.
Para o alquimista, em algum lugar entre o terceiro e o quarto nível, ou esfera da criação, a energia assume a característica que permitirá a formação da matéria em algum estado futuro, ou nível dez. Essa energia é chamada Prima Matéria, Caos na Bíblia, Spiritus Mundi (Espírito da Terra), e outros. Aqui, a dualidade é tornada completa e existe a genuína polaridade, em contraste com a idéia simples do potencial de polaridade que havia existido anteriormente. A energia é dividida em modos ativo e passivo, com a energia ativa constituindo-se nas energias da vida, e a passiva na energia da matéria. Na “Cadeia Dourada de Homero”, a energia ativa é chamada de Salitre e a negativa de Sal.
A energia da vida manifesta-se de duas formas, Fogo e Ar. Ainda que ambas sejam predominantemente ativas na natureza, o Fogo é a mais ativa das duas, sendo o Ar levemente passivo por causa do Elemento parcial da Água em sua composição. A Matéria potencial manifesta sua energia como Água e Terra. Esses elementos não têm nada a ver com os corpos materiais do mesmo nome, e como tal são capitalizados e chamados de “Elementos” para distingui-los da terra em que caminhamos, da água que bebemos, do ar que respiramos e do fogo com que cozinhamos. Eles são na verdade, estados energéticos, cada qual com suas características próprias únicas, bem como cada um dos dez níveis de consciência em seu interior, mencionados anteriormente. Os Elementos também têm formas preferidas de interagir com cada um dos outros, para formar os Três Princípios da alquimia. Existem, na verdade, quarenta maneiras diferentes em que energia, matéria e consciência podem se manifestar em nosso mundo.
Os Três Essenciais são os princípios alquímicos de Enxofre, Mercúrio e Sal. Assim como os “Elementos” esses conceitos de princípios devem ser considerados como sendo “Filosóficos” e não literalmente como elementos ou compostos químicos. O Enxofre Alquímico, ou Alma, de uma coisa predomina nos princípios animadores da energia (Fogo) e da inteligência (Ar); o Sal Alquímico, ou o corpo físico de uma coisa, predomina nas forças inconscientes, psíquicas e da inteligência instintiva (Água) e da matéria sólida (Terra); o Mercúrio Alquímico, ou força da vida geral, predomina na inteligência (Ar) e nas forças instintivas e na energia psíquica (Água), e como tal é o elo, ou ponte, entre as forças superiores do Enxofre e o corpo inferior de matéria.
No reino mineral a energia dominante é a da Terra, com um pouco de Água, e muito pouco Ar ou Fogo. No reino vegetal, a energia dominante é a Água e o Ar, com pouco Fogo e Terra. No reino animal, o elemento força dominante é o Fogo, depois o Ar, mas pouca Terra. Essas qualidades precisam ser compreendidas como foram definidas para que a informação a seguir seja de alguma utilidade para o praticante hermético, ou aspirante. Por exemplo, usando as definições acima, podemos dizer que o reino das plantas tem uma abundância de energia instintiva (Água) e inteligência, i.e., uma função específica (Ar), mas pouca energia direta (Fogo), pois esta é recebida passivamente do sol; e pouca matéria física sólida (Terra).
No Oriente bem como no Ocidente, a idéia de Elementos Princípios e de Princípios Filosóficos é expressa mais ou menos da mesma maneira. Esta energia original indiferenciada da criação é geralmente chamada, na filosofia indiana, na oculta moderna e nos círculos da Nova Era, como akasha, ou Espírito. No entanto, akasha consiste de dois (2) aspectos, um ativo como já indicamos, Salitre, e outro passivo, Sal. As energias do Salitre são também referidas como as forças da Kundalini, ou forças espirituais. Na alquimia, este é o Fogo Secreto. Ao Sal pertencem as forças de Prana, ou Energia Vital.
A função da energia vital é de manter a vida das formas físicas e da existência. Ela é totalmente instintiva e inconsciente, e é muito influenciada por ciclos cósmicos, pulsações astrológicas e outros fenômenos naturais. A função do Fogo Secreto é de aumentar na humanidade, o único lugar em que ele está presente, seu senso de “eu”. No nível mais baixo de funcionamento, esse é o ego, no seu mais alto, é a Divindade encarnada, pois ambos são os dois lados da mesma moeda. Um é o ‘eu’ (self) em relação ao mundo físico e os outros, o outro é o ‘eu’ em relacionamento com toda a Criação e como um co-criador.
Na vasta maioria da humanidade, este Fogo Secreto, a energia libertadora da auto-consciência, encontra-se dormente, dormindo na base da espinha, enrolado como uma serpente. Somente uma pequena parte escapa, alcançando um nível sephirótico, também chamado chakra, criando desta forma um local de consciência para cada pessoa. Se ele alcança o topo do crânio, e mais além, pode ocorrer um despertar espiritual, possibilitando uma descida e nova ascensão da energia, durante a qual os centros psíquicos podem ser despertados permitindo a manifestação de poderes psíquicos e fenômenos correlatos.
O Fogo Secreto ascende como resultado de um enfraquecimento temporário da Energia Vital no corpo físico. É por isto que muitos despertares espirituais ocorrem sob grande estresse físico, em ocasiões de doença, ou em experiências perto-da-morte. Neste caso o Fogo Secreto ascende pelas várias correntes psico-físicas fazendo com que ele se torne envolvido numa esfera de luz luminosa.
A experiência do Fogo Secreto, em virtude da supressão da Energia Vital do corpo físico, pode criar condições que se manifestam de diferentes maneiras:


  • Alguns percebem a luz brilhante como um anjo, seu Eu Superior, ou “Anjo da Guarda Sagrado”, outros como um instrutor espiritual.

  • Pode resultar numa projeção Astral, juntamente com a percepção do ambiente circundante.

  • Movimentos físicos não controlados podem resultar também, típicos dos assim chamados ‘fenômenos da kundalini’: tremores, respiração ofegante, oscilar do torso, tontura incontrolável, e sentar-se ereto na posição Faraônica.

Depois de um certo tempo, a energia vai descer retornando à base da espinha.


Os efeitos deste despertar demandarão algum tempo para se ajustarem à consciência do indivíduo, não sendo limitados aos campos “não-físicos”. O corpo físico, ainda que em menor grau, também é modificado e aprimorado em seu funcionamento, constituindo num genuíno “renascimento” em vários níveis. No entanto, depende da mente, ou do sentido de “eu”, do indivíduo, cooperar com este afluxo de poder para que mudanças mais permanentes na consciência sejam efetuadas.
No meu entender, o conceito da kundalini, ou o Fogo Secreto, está ligado a dois conceitos opostos: como a energia criativa indiferenciada e como a semente desta energia, que está presa em cada célula da criação material e, na humanidade, focalizada na base da espinha.
Quando esta energia sobe, em virtude de experiências psíquicas, e não por causa de fraqueza física, ela pode fazer com que a Energia Vital do corpo seja concentrada em várias áreas do corpo, criando perturbações físicas e psíquicas. Se a energia for concentrada na cabeça, ela pode criar a ilusão de um despertar espiritual, bem como os conhecidos esguichos, ou correntes, “quente e fria”, subindo e descendo a espinha. Os efeitos do Fogo Secreto, porém, e não seus efeitos redistributivos na Energia Vital, podem criar os seguintes fenômenos:


  • Dores intensas, sugerindo uma doença.

  • Sensações de formigamento na pele, bem como a sensação de “saltos” da energia.

  • Um sentimento de calma e tranqüilidade cristalinas, subindo de centro em centro até o topo da cabeça.

  • Ascendendo no famoso padrão ‘zigzag’ ou serpentino.

  • A energia pode saltar um ou dois centros.

  • A energia pode alcançar o topo da cabeça num lampejo de luz.

  • Os atributos de caráter, tanto positivos como negativos, são exagerados e o poder sexual é aumentado.

Se a energia sobe ao topo da cabeça, torna-se então possível trabalhar diretamente na Energia Vital dentro do corpo, e usa-la como um meio para fortalecer a experiência psíquica e o despertar espiritual.


Em resumo, os centros psíquicos devem ser primeiramente despertos e purificados pelo Fogo Secreto, antes que a energia do corpo físico possa ser concentrada neles.
Portanto, nossos exercícios psíquicos e meditações esotéricas são orientados para preparar nossas mentes, corpos e consciência para a liberação do Fogo Secreto enterrado profundamente em nós. Por meio de uma limpeza progressiva do sangue, sistema nervoso e das glândulas endócrinas, as ‘cadeias’ da Energia Vital sobre o Fogo Secreto são reduzidas e eliminadas, permitindo ao poder e energia sempre presentes, uma verdadeira pressão aguardando ser liberada, para entrar em ação. Assim, a Serpente realmente não está dormindo, somos nós que estamos adormecidos para sua presença e bênçãos potenciais.

O Fogo Secreto e os Sephiroth
Ele (o Senhor) baniu o homem e colocou, diante do jardim de Éden, os querubins e a chama da espada fulgurante para guardar o caminho da árvore da vida”(Gn 3:24).
O uso da “Árvore da Vida” tem sido tanto uma bênção como uma maldição para o esoterismo moderno. Quando compreendida, a “Árvore da Vida” oferece um modelo operacional completo da Criação nas escalas micro e macrocósmicas. No entanto, onde muitos fracassam é no nível pessoal. A habilidade para aplicar as informações gerais da Árvore, às experiências pessoais do iniciado, quando elas lidam com os fenômenos fisiológicos, está lamentavelmente faltando nos círculos esotéricos modernos. As razões para isto são muitas: primeiro, muitos esoteristas modernos simplesmente repetem o que eles aprenderam, sem experimentar se os ensinamentos são verdadeiros ou não a nível pessoal; segundo, a linguagem da cabala é de muitos níveis, com a mesma palavra tendo vários significados e, assim, muitos que estão usando as palavras não sabem o que elas realmente significam, ou em que nível devem ser interpretadas; terceiro, o diagrama da Árvore é simplesmente demasiado puro e compartimentalizado. Muitos cabalistas são incapazes de se adaptar ao fato de que a realidade interior é muito mais flexível do que a Árvore permite quando aplicada à página ou ilustração em duas dimensões.
Estes problemas são compostos também pela idéia de “Uma Árvore” mas “Quatro Mundos”, tornando quase impossível obter suficiente informação prática e importante relacionada com as crises do despertar espiritual e dos assim chamados fenômenos da kundalini, no que diz respeito às práticas cabalistas. Quando comparadas com as informações claras e explícitas disponíveis de fontes taoístas e tântricas, não é de se estranhar que tantos americanos e europeus prefiram aqueles sistemas aos mais diretamente relacionados à nossa cultura e história.
Para ajudar a resolver estes problemas na transmissão de conhecimento, somente informação que esteja relacionada à experiência do autor, ou de outros com os quais ele tenha discutido este tópico, serão incluídas aqui. A teoria será apresentada como teoria, e experiência como experiência. O significado de palavras cabalistas comuns será definido e redefinido, para manter a comunicação clara e direta. Será evitado o uso extenso de formas divinas confusas e um tanto irrelevantes, bem como referências à mitologia e cosmologia não relacionadas com a experiência pessoal.

Despertando a Serpente Adormecida
Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que seja levantado o Filho do Homem, a fim de que todo aquele que crer tenha nele vida eterna” (Jô 3:14-15).
O Ritual Menor do Pentagrama (RMP) é freqüentemente o primeiro ritual aprendido pelos magos aspirantes. Sua função é de ensinar os mecanismos básicos do ritual solitário e dar uma técnica básica pela qual energias destrutivas possam ser repelidas ou dispersadas da esfera de influência do operador. Os símbolos usados no ritual são fundamentais para outros rituais de uma natureza mais complexa. Portanto, é um erro desconsiderar o Ritual Menor como algo de pouca eficácia. Um ritual, não importa quão simples ou complexo, será tão eficiente quanto a habilidade do operador. O uso repetido do RMP pode ser mais efetivo do que o uso incompetente ou irregular de ritos mais sofisticados.
No total, existem aproximadamente seis rituais fundamentais no ocultismo ocidental, refletindo uma influência da Ordem Hermética da “Golden Dawn”: 1) o Ritual Menor do Pentagrama, 2) o Supremo Ritual do Pentagrama, 3) o Ritual Menor do Hexagrama, 4) o Ritual Maior do Hexagrama, 5) o Ritual da Rosa+Cruz. O uso da Espada Flamejante parece ser irregular, porém será também considerado juntamente com seu exercício acompanhante ou, A Serpente Subindo.
Entre estes, o uso da Coluna Central é opcional, porém, é o exercício da Coluna Central que mais contribui para purificar as energias corpóreas, ou a Energia Vital, e abre caminho para a liberação do Fogo Secreto.

A Coluna Central
Quanto ao vencedor, farei dele uma coluna no templo do meu Deus, e daí nunca mais sairá. Escreverei sobre ele o nome do meu Deus e o nome da Cidade do meu Deus – a nova Jerusalém, que desce do céu, de junto do meu Deus – e o meu novo nome”(Ap. 3:12)
Diversas variações da Coluna Central existem, porém seus fundamentos permanecem o mesmo. É irrelevante se a pessoa usa ou não os Elementos como sugeridos por Regardie na “Verdadeira Arte da Cura” ou as correspondências Sephiróticas/planetárias como ele sugeriu mais tarde (e são comumente usadas) em seu livro “A Coluna Central”. Os métodos usados pelo Arum Solis serão considerados também como um exercício alternativo.
A base teórica da Coluna Central é que pela imaginação, respiração e concentração, a energia psíquica da criação, aqui principalmente Yetzirah, pode ser direcionada permitindo uma purificação da Energia Vital que controla o Fogo Secreto. Na medida em que nossos centros psíquicos são purificados de resíduos morais, emocionais e materialistas, eles refletem melhor a energia cósmica que opera por meio deles. Por meio de seu padrão predeterminado de circulação de energia, a Coluna Central ajuda a suavizar as margens de nossa aura, bem como a aumentar o fluxo de energia de forma geral, para que os caminhos psíquicos, tanto maiores como menores, possam ser purificados e fortalecidos por um aumento da Energia Vital.
Os caminhos descritos na Coluna Central são de natureza circular. Eles são em geral amplos, claros e brilhantes, tendo a qualidade de refletir {a luz}*. Regardie diz que as esferas psíquicas deveriam ser imaginadas como diamantes grandes, claros e brilhantes, caso suas cores específicas não forem conhecidas. Porém, no final, toda a esfera e aura mais ampla do praticante deveria ser imaginada como um diamante brilhante irradiando calor e luz.
A beleza da Coluna Central é que ele, como muitas práticas esotéricas, é realmente um exercício em camadas. Ele apresenta uma flexibilidade e um potencial para crescimento quase infinitos. Na medida em que o praticante desenvolve em habilidade e manipulação das imagens, aumenta o número de novas possibilidades.
Um dos movimentos centrais da Coluna Central é a “Fonte de Luz”. Aqui, o praticante imagina uma força de energia brilhante {vindo de baixo e} forçando sua passagem através da planta dos pés e saindo pelo topo da cabeça, borrifando as margens de sua aura, tornando-a forte e livre de qualquer aspereza e, finalmente, reunindo-se e retornando outra vez sob seus pés. Esta imagem cíclica é repetida várias vezes. Esta parte chave do exercício, é a parte fundamental que prepara os caminhos centrais para a liberação final do Fogo Secreto. Ela é semelhante também às práticas orientais vistas no Chi Kung chinês, no Tantra indiano, na yoga tibetana Vajrayana {e na Kriya Yoga}.
Tendo dito isto, fica claro também que algumas diferenças existem entre os métodos orientais e ocidentais para liberar o Fogo Secreto. Os métodos de trabalho direto nos centros psíquicos com a subida da coluna espinhal são mais traumáticos do que o trabalho mais geral da Coluna Central. É por esta razão que as técnicas de yoga, com raras exceções, que estão voltadas para a liberação imediata do Fogo Secreto, requerem a supervisão de um guru. Como elas restringem consideravelmente as atividades do praticante e requerem supervisão direta, elas são também sistemas pouco práticos para a vida diária da cultura americana e européia.
Apesar de existirem semelhanças, que serão examinadas, as principais diferenças parecem ser:


  1. A yoga indiana é principalmente voltada para a libertação do plano físico com o método mais rápido possível. As práticas esotéricas ocidentais são voltadas para o aperfeiçoamento da matéria e da psique dentro do mundo material, e não o seu abandono.

  2. A yoga chinesa, ou Chi Kung, é mais parecida com as práticas ocidentais, pelo fato de ser direcionada para o aperfeiçoamento do mundo material, e até mesmo para a espiritualização do corpo num “Corpo de Luz”. No entanto, ela também se parece com a yoga indiana, pelo fato de começar ao nível do corpo etérico (nadis ou pontos de acupuntura) e seguir dali. Este enfoque “de baixo para cima, e de dentro para fora” é diferente do método da Coluna Central (“o alto para baixo, o exterior para dentro). Como o corpo etérico é diretamente afetado desde o início, os efeitos são mais dramáticos, bem como potencialmente traumáticos para os que não estão preparados. Na Coluna Central, o corpo etérico é com freqüência a última coisa a ser afetada. Isto porque o simbolismo usado, bem como a necessidade de desenvolver habilidades em concentração, visualização e meditação afetam principalmente a perspectiva mental do praticante por muito tempo. Somente depois de muita prática, de um ano ou mais, trabalhando diariamente, é que os efeitos da Coluna Central começam a se infiltrar para o corpo astral e, finalmente, permear até os corpos etérico e físico do praticante. Uma fonte declara que leva um mínimo de três anos para, até mesmo o mais avançado praticante yogue, liberar a kundalini por exercícios especiais. A “liberação” que mencionamos, não é literalmente uma liberação, mas a remoção dos obstáculos para sua expressão natural. Este é um ponto crítico, pois é dito com freqüência que a experiência de kundalini necessita de vinte anos de prática de exercícios esotéricos, ou mesmo de Hatha Yoga, i.e., o mesmo tempo que levou para Nicholas Flamel para preparar A Pedra Filosofal. Durante um congresso recente, Jean Dubuis declarou que pode ser possível completar o método extremamente perigoso de Flamel em três anos. Pode ser que para o alquimista, a criação interior da Pedra Filosofal nada mais é do que a experiência da kundalini, enquanto a criação exterior da Pedra é a habilidade para direcionar esta energia criativa cósmica à vontade.

  3. Os sistemas tibetanos situam-se entre o chinês e o indiano. Eles estão interessados na libertação, mas também na criação de um corpo etérico feito de suas essências corporais. Este Corpo de Diamante, ou Corpo do Arco-íris, é pura luz e pode se materializar ao comando do adepto. Como os sistemas chineses e indianos, os tibetanos usam rituais para a purificação da mente e das emoções dos praticantes, bem como imagens visuais tanto de deidades antropomórficas como de formas geométricas abstratas. Os Rituais do Pentagrama e do Hexagrama cumprem com esta função na prática da Coluna Central.

Vemos, portanto, que as principais diferenças nas práticas orientais e ocidentais podem ser resumidas em função e em referência ao ponto de origem. O oriente procura a libertação por meio da progressiva retirada das amarras da ignorância que prendem a humanidade na encarnação. O ocidente procura aperfeiçoar o mundo material tornando a realidade material um reflexo da realidade espiritual. Quando isto é realizado, o adepto pode então prosseguir desencarnando-se à vontade. O enfoque ocidental procura ser mais ativo no mundo e transforma-lo, enquanto o enfoque oriental é ver o mundo como uma ilusão que é impermanente e, como tal, é mais passivo. Estas filosofias, como todas as crenças e culturas, refletem o ambiente físico de sua origem primeira. Nas zonas tropicais e sub-tropicais a preocupação com o tempo é menos importante do que no hemisfério norte, em que um inverno sem provisões de comida significa morte para a comunidade. O frio e as duras realidades das zonas árticas produzem teorias e técnicas diferentes e, como tal, diferentes ideais (deuses) das áreas agrícolas. Quer a pessoa seja um caçador nômade ou esteja estabelecida numa sociedade agrícola, isto é um reflexo do ambiente físico em que elas vivem e, portanto, afeta os valores, necessidades, filosofias e técnicas espirituais.


Isto tem uma importância crucial quando uma pessoa está considerando adotar práticas esotéricas em outro país ou cultura. Por que ela foi criada e em que circunstâncias? Estas mesmas condições se aplicam hoje e na vida do praticante potencial? Em virtude das condições existentes, as práticas em consideração são de natureza progressiva ou regressiva? Isto é, elas estão continuando o progresso ou são simplesmente uma idealização de uma ‘idade de ouro’ do passado mítico?


  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal