O pastor Evangelista



Baixar 376.07 Kb.
Página1/7
Encontro05.12.2017
Tamanho376.07 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

Prólogo
O Pr. Roy Allan Anderson, autor do livro “O Pastor Evangelista”,

gostava de narrar a história de um pequeno londrino que até aos cinco anos, não havia visto o mar. Fascinado e atemorizado, observava o rolar das ondas. De pé, com pazinha e balde na mão, estava quase sem fala de admiração. “É tão grande papai!” dizia ele. Na manhã seguinte veio correndo para a praia. Mas era maré razante. A água estava longe. Abatido, gritou: “Que pena que o mar foi embora”.

Mas algumas horas mais tarde, teve uma uma experiência excitante.

Pode observar a enchente da maré que veio mais acima do que antes. Com emoção, exclamou:

_ Papai, o mar sempre volta assim depois que vai embora?

_ Sim, meu filho, sempre, foi a resposta.

Caros evangelistas, a maré está subindo. Agora mesmo emocionei-me

ao ler sobre os resultados da campanha evangelística de Mark Finley - NET 96, transmitida via satélite a partir de Orlando, Florida, EUA, para 45 países do Continente europeu e americano. Só nos EUA foram batizados mais de 17 mil pessoas, e mais de 8mil foram batizadas na Europa. Evangelismo tem sempre sido e sempre será o coração palpitante do adventismo. Através da pregação evangelística, o adventismo está predestinado a um glorioso clímax com centenas de milhões prontos e aguardando o retorno do Rei.

Eu penso agora em Guilherme Miller. Ele iniciou pregando em igrejas

pequenas da área rural. De Dresden, New Hampshire e outras pequenas congregações rurais ele foi para Boston para começar um ministério para grandes congregações. Das grandes igrejas para auditórios públicos e dali para a grande tenda !Era a maior tenda do mundo, com assentos para 6 mil pessoas. Que rápido progresso! E por quê? O grande relógio profético de Deus anunciara a chegada da hora do juízo. Miller e seus associados batizaram 50 a 60 mil em poucos anos atraíram vasta audiência em pouco tempo.

De acordo com a enciclopédia dos ASD, Tiago White resignou o

emprego de professor escolar para entusiasticamente proclamar a tríplice mensagem angélica. Em 1842 ele adquiriu um painel profético e alguns folheto missionários e se aventurou a pregar. Em resposta à sua primeira pregação durante o frio inverno daqueles meses, mais de mil pessoas foram levadas a Jesus.

Falando a pastores e evangelistas, Ellen White declarou que nestas

cidades onde há tantos atrativos e divertimentos, “os ministros deverão empregar esforços extraordinários, a fim de atrair a atenção de multidões. E quando têm bom êxito em congregar bom grande número de pessoas, devem apresentar mensagens tão fora do comum, que o povo seja despertado e advertido”. Ev. 40. Em tempos passados, H. M. S. Richards alugou um gorila enjaulado para divulgar o seu sermão sobre evolucionismo. Em São Francisco, em 1962, surgiu o uso da luz negra no evangelismo. Em Detroit, em 1966, surgiu o Plano Como Deixar de Fumar em 5 Dias. No Brasil, o Pr. Bessa fez escola com os painéis da “Grande Guerra”. Mas o evangelismo adventista precisa mudar com os tempos. O problema é que alguns de nós estão usando sermões e métodos da década de 60 e 70, na década de 90. Perdemos nosso toque criativo. Necessitamos desesperadamente de mais evangelistas criativos como E. E. Cleveland que criou “ O Aniversário da Mãe de Adão”! O evangelismo precisa marcar passo com os tempos modernos. Estamos competindo com a TV a cabo e as diversões computadorizadas.

Eu creio que nossos futuros evangelistas que farão o maior impacto na

população mundial, serão aqueles que puderem utilizar o rádio e a TV em grandes cruzadas públicas. Posso ouvi-los pregando novos sermões com novo zelo e posso ver um novo entusiasmo e suporte de nossos membros tanto em recursos financeiros como em envolvimento pessoal. Sonho em ver mais de nossos futuros evangelistas como homens impecáveis nas finanças, como excelentes organizadores e exemplares na integridade.

Caros evangelistas, a maré está subindo .... É hora de aprontarmos as

redes esperando em Deus abundante pescaria, pois, como disse John Wesley certa vez: “Vosso negócio não é pregar tantas vezes ou tantos sermões, ou cuidar desta ou daquela sociedade __ mas SALVAR ALMAS !”.


EMÍLIO ABDALA




O Preparo do Evangelista

Alguém poderá perguntar, “Quando é a melhor ocasião para o evangelismo?”. À luz das necessidades do mundo, só pode haver uma única resposta: “Agora”. “Mas”, ele poderá dizer, “Isto é precipitação . Como posso eu sair e começar a pregar sem a devida preparação? A resposta forçosamente será : “Se você não está pronto agora, você já está atrasado! “.

A primeira preparação que o evangelista faz é dentro dele mesmo. Naturalmente que este preparo não pode esperar até que o local e a data da próxima campanha tenham sido escolhidos, mas algo constante em sua vida. “Pregar não é uma arte, mas uma encarnação”. E isto começa com a consagração.

O obreiro precisa conhecer a Cristo por si mesmo, antes de poder pregá-Lo a outros. Precisa conhecer a Cristo como seu Salvador pessoal, Amigo e Companheiro. Conhecê-Lo como Aquele que ouve orações - oração por sabedoria, por perdão dos seus pecados, por força contra a tentação. O evangelista precisa se consagrar para a sua obra, não por causa do salário, nem por promoção, ou por publicidade, mas pela importância da obra que lhe foi confiada, proclamar o evangelho e levar almas à decisão - este deve ser o seu primeiro objetivo. Spurgeon afirmou que “os pregadores devem trovejar quando pregam e relampejar quando conversam; devem arder na oração e brilhar na vida. Se não são Sansões espirituais, como as portas do inferno poderão ser levantadas nos seus gonzos?”

Além da consagração, o evangelista precisa desenvolver caráter. “Caráter é poder”. O silente testemunho de uma vida piedosa, verdadeira e altruísta possui uma irresistível influência. Revelando em nossa vida o caráter de Cristo, nós cooperamos com Ele na obra de salvar almas”- Christ`s Object. Lessons, p.340. Já ouvi a história do evangelista que pregava tão bem e vivia tão mal que, quando estava no púlpito, toda gente dizia que ele não devia sair mais de lá, e quando estava fora dele, todos declaravam que ele não devia ocupá-lo. Que Deus nos livre de tal coisa.

Outra qualificação é ter boa saúde. “O caráter e a eficiência da obra dependem largamente das condições físicas do obreiro... Muito sermão tem recebido uma sombra escura vindo da indigestão do ministro”. Healthful Living, p.43. “Eu sou instruída a dizer aos meus irmãos no ministério: Pela intemperança no comer, vocês se desqualificam em ver claramente a diferença entre o sacro e o comum” - Testimonies, vol.7, p.258. O evangelista não pode se esquecer do seu exercício. Mesmos em meio a mais estressante campanha, ele pode programar o dia a permitir tempo para o vigoroso exercício. Andar ou ciclismo poderiam ser boas opções pela sua facilidade de praticar. Quando Robert McCheyne, o jovem e santo ministro escocês, jazia morrendo, à idade de vinte e nove anos, ele se voltou para um amigo sentado ao seu lado e disse: “Deus me deu uma mensagem para entregar e um cavalo para cavalgar. Bolas, matei o cavalo de exaustão e agora não posso entregar a mensagem!”.

O evangelista precisa por atenção em sua aparência pessoal. “A perda de algumas almas será relacionada afinal com o desalinho do ministro”. Evangelismo, p.67l. Esta citação é forte. Isto significa que pelo descuido com nossas roupas, por não vestir roupas limpas, por não manter nossas unhas limpas ou os cabelos alinhados, poderemos ser o meio de perdição de algumas almas. Muitas pessoas são sensíveis sobre estas coisas, e eles não ouvirão o que nós dizemos, se forem repelidos pela maneira pela qual vestimos.

Existe também a questão da voz. Uma entonação de voz alta é um esforço desgastante tanto para quem fala, quanto para quem ouve. Ele não poderá pregar assim todas as noites sem que traga transtorno para si. E a audiência que tem de ouvir o seu gritante discurso, rápido se cansará e deixará de vir. “Esse gritar, porém , que faz?... Causa uma sensação de desagrado nos ouvintes, e fatiga os órgãos vocais do orador. Os tons de voz têm muita influência em afetar o coração dos que ouvem”- Evangelismo, p.667.

Nossa voz precisa ser treinada a falar bem, assim como nossos dedos são treinados para usar o teclado do computador. “Deve prestar-se cuidadosa atenção para se obter uma articulação distinta, sons macios e bem modulados, e uma enunciação não demasiado rápida”- Educação, p. l99 . Veja Demóstenes com pedras na boca, argumentando com as ruidosas e encapeladas ondas, para que fosse capaz de fazer-se ouvir nas tumultuadas assembléias, e falando enquanto subia correndo morro acima para que seus pulmões acumulassem força. Uma boa voz exige o correto uso do diafragma. Muitos evangelistas de êxito usam suspensórios para segurar as calças, em vez de cinto; isto deixa livre os órgãos internos e permite o uso do diafragma

Dê algumas considerações aos seus gestos - antes da reunião, não durante seu sermão! Gestos devem ser espontâneos, originando dos pensamentos que você expressa e ajudando as palavras a expressar o pensamento. Viva o seu sermão diante dos olhos de sua audiência. Mas não represente, nem se torne monótono ou repetitivo nos gestos. Alguns oradores, equipados com microfone sem fio, acham que devem andar para frente e para trás na plataforma para reter a atenção das pessoas. Cuidado. Aqueles que assentam na primeira fileira, se sentirão como espectadores de uma partida de tênis. Mobilidade para o orador é desejável, mas evite imitar um bicho enjaulado.

O ministro que não está constantemente estudando e buscando aprimorar-se constantemente não é digno do seu salário. Ele necessita conhecer sua Bíblia, tanto o que ela diz quanto onde encontrar os textos necessários. Precisa estudar as pessoas, como atrair sua atenção e manter o interesse, trazendo-as à uma decisão. O evangelista necessita estar bem informado sobre os eventos do dia a dia, para que possa pregar inteligentemente acerca do cumprimento das profecias.

O conselho de Paulo a Timóteo “aplica-te a leitura”, sem dúvida referia-se à leitura bíblica das Escrituras do Velho Testamento. Sua admoestação, contudo, é muito apropriada para outros tipos de leitura também.

João Wesley tinha verdadeira paixão pela leitura, a maior parte da qual ele fazia enquanto cavalgava. Às vezes ele percorria 150 quilômetros, e frequentemente 80 quilômetros, num dia, a cavalo. Tinha hábito de viajar com um volume de ciências; ou história, ou de medicina enfiado no bolsão da sela e , desta maneira, devorou milhares de livros. Três grandes livros dominaram a vida de Wesley, e seu coração, durante seus dias em Oxford: “A imitação de Cristo”, “Viver e morrer em Santidade” e “A Séria Chamada”. Ele dizia aos jovens pregadores das sociedades que deviam ler ou deixar o ministério!

Como parte de sua preparação para uma campanha evangelística, leia os livros Obreiros Evangélicos e Evangelismo, de Ellen White. O último livro especialmente, nunca deveria estar fora do seu alcance durante uma campanha. Assine a revista Ministério; estude e arquive os artigos sobre evangelismo que aparecem em cada exemplar.

O bem preparado evangelista incluirá em sua preparação, um estudo sobre o povo e os costumes da localidade onde ele trabalhará. Deveria familiarizar-se com a história da cidade, ou se há qualquer especial característica que distingue este povo. São eles progressistas ou retrógrados ? Confortavelmente ricos ou miseravelmente pobres? Deveria conhecer também seus costumes religiosos, não para argumentar contra eles, mas para entender como alcançá-los pela mensagem salvadora de Cristo.

O último ítem a ser mencionado aqui acerca do preparo pessoal do evangelista é a sua atual preparação de sermões . Este não deveria ser necessariamente o último passo. A tendência de alguns é esperar e preparar cada sermão durante a campanha. Mas o preparo de sermões pode consumir todo o tempo do evangelista, e isto seria um desastre, como você perceberá no capítulo sobre a visitação no evangelismo.

Por outro lado, não é bom ter “sermões em conserva”, isto é , sermões preparados com antecedência, seja pelo evangelista ou qualquer outro, e no momento apontado, entregá-lo à audiência sem fazer uma particular adaptação a suas necessidades. Assim, é bom para o evangelista gastar tempo, antes do início das reuniões, num esforço de preparar as mensagens básicas de variados temas, e acrescentar ilustrações e pontos adicionais adaptáveis ao contexto do local.

Da mesma maneira, sermões pregados pela segunda ou terceira vez devem se estudados e melhorados antes de ser pregados novamente. Isto é bom para o evangelista e melhor para a audiência.

Eu sei que tudo o que abordei já é familiar ao pastor, porém relembrar estes pontos sempre se faz necessário para o nosso crescimento.

Pregação Evangelística.

Alguém perguntou: - “Que é um sermão? “. E a significativa resposta de Ruskin foi:

-“São trinta minutos capazes de ressuscitar mortos”.

“Desejaríamos que fosse assim, mas muito frequentemente não há despertamento algum. A arte de pregar é um amplo assunto e não pode ser coberto completamente aqui, mas diversas sugestões à pregação evangelística serão apresentadas. Alguns homens se preocupam com a ordem dos sermões a pregar e como esboçar um sermão evangelístico. Isto é importante e será discutido brevemente, porém a mais importante coisa é ter a mensagem. Você não estará lá para divertir o povo, nem educá-lo, muito menos informá-lo. Sua tarefa é trazê-los a Cristo, e cada sermão pregado deve ter este propósito.

Não tenha como alvo principal convencer o povo acerca do sábado, ou da reforma de saúde ,ou mesmo sobre o batismo. Quando você leva as pessoas a amarem a Jesus como você O ama, eles farão todas estas coisas como você faz.

Você não pode preparar qualquer sermão, pregá-lo a uma multidão de não-adventistas, e chamar isto de evangelismo. Cuidadosa e completa preparação é necessária. Mantenha estes pontos em mente enquanto prepara o sermão:


A necessidade do pecador - O natural anelo da alma por algo melhor neste mundo.

  1. A expiação do Salvador - Como Cristo providenciou uma saída para cada homem.

  2. Passos para Cristo - ponto a ponto, passo a passo, leve o pecador à resposta de sua necessidade .

  3. Apelo à resposta - muitas pessoas não virão sem um específico, mesmo urgente, direto apelo.

  4. Estabeleça a estrutura da Verdade Presente - O que Deus espera de cada pessoa hoje, na preparação de um lugar em seu Reino.

O que pregar? - Pregar a “Verdade Presente” é um desafio especial ao pregador da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Uma vez que a pessoa tenha sido convertida a Cristo, há cinco pilares da verdade, ao redor das quais ele deverá construir o edifício da fé. Estes são os principais pontos a serem cobertos pelo evangelista.


1 - A segunda vinda de Jesus.

2 - As reivindicações do sábado.

3 - A mensagem dos Três anjos (salvação pela fé, não obras)

4 - O ministério de Cristo no Santuário Celestial.

5 - A não-imortalidade da alma
A mensagem permanece sempre a mesma, mas precisa ser apresentada de forma atual e relevante. Adapte-a aos valores do tempo, localidade, nacionalidade, mostrando como o evangelho de Cristo pode atender a estas necessidades.

Temas como a Marca da Besta e as 2300 tardes e manhãs não podem ser olvidadas, pois fazem parte da mensagem. Mas é vital que o evangelista entenda o lugar e o momento de pregá-las. Não é para pregá-las meramente porque fazem parte da lista de sermões. Se o evangelista tem dúvidas quanto a apresentar estes temas em público, dirija o estudo nos lares, ou no culto de sábado de manhã, onde os mais interessados estão acostumados a frequentar, o mesmo vale para o assunto do Espírito de Profecia.

Ellen White aconselhou certo evangelista este princípio: “Nem todos os pontos de nossa fé devem ser expostos em público e apresentados às multidões que nutrem preconceitos....As verdades que não são comuns devem ser apresentados em primeiro lugar e alcançada a confiança dos ouvintes.”- Evangelismo, pp. 164 e165.

Como apresentar a mensagem do Sábado - O evangelista Eric Ward recomenda os seguintes sete principais verdades a serem apresentadas antes do Sábado:
1 - Cristo crucificado por nossos pecados.

2 - Cristo ressuscitado da morte.

3 - Cristo nosso Intercessor.

4 - A obra do Espírito Santo.

5 - A vinda de Cristo pela segunda vez.

6 - A preexistência de Cristo.

7 - A graça de Cristo ( em estabelecer os Dez Mandamentos).
Ellen White diz que estes temas acima devem “ser abordados com simplicidade e poder”- Ibidem, p.87.

Há dois extremos a serem evitados - fazer do sábado nosso principal ponto de aproximação, ou adiá-lo até que tudo mais tenha sido apresentado. É melhor não tomar de surpresa a audiência na apresentação do sábado. Com tato você poderá preparar as pessoas lendo alguns versos que o mencionam, sem porém comentá-lo. Não obstante, pregue com convicção , e profundo amor e simpatia . Lembre-se de que você não é um advogado arguindo o caso, não provoque a audiência.



Preparação de sermões: Cada sermão poderia ter algo semelhante ao seguinte esboço, ou esqueleto de um sermão evangelístico. Primeiro, formule a condição. Se está falando sobre saúde, então mostre a condição de um mundo cheio de crime, pobreza, etc;. Então exponha a ­­­­­causa. Em primeira instancia é a desobediência às leis de saúde; em segundo, o pecado. O terceiro ponto é mostrar a cura . No primeiro caso, a solução está em observar as leis de saúde conforme estão nas Escrituras. No segundo caso, a solução é aceitar a Cristo e guardar seus mandamentos. A parte final é a convicção - apele ao povo a fazer algo sobre o problema , a aceitar a cura.

Consiga toda a informação que puder sobre o assunto. Faça perguntas sobre ele como : “O que

causa doenças?” , “Por que devemos ter vida saudável? “,etc. Selecione as cinco perguntas mais importantes, arranje-as numa sequência lógica com um texto bíblico em cada um , e você terá um esboço. Então encha cada ponto com uma ilustração e material de apoio (citações, pesquisas, etc.).

Não apenas discorra sobre um tema, mas explique, descreva, prove e apele!

Acrescente o elemento emoção. As pessoas podem já conhecer o dever, o que eles necessitam é estímulo para fazer algo sobre isto.

Corações são alcançados pela avenida das associações familiares. Esta é a razão pela qual Jesus usou as parábolas. Use ilustrações, situações da vida, coisas que realmente aconteceram; estas coisas são melhores que ilustrações tiradas de livros. Ao contrário do profeta, a ilustração tem sua maior honra em seu próprio país. As histórias de Cristo deram olhos espirituais que os habilitaram a perceber a verdade da mensagem. Estava certo o árabe que disse: “O melhor orador é aquele que pode transformar um ouvido em olho”.

Construa as sentenças de forma a causar impacto. Spurgeon assim ensinava: “O homem que não pode enunciar sentenças tão fortes e tão diretas como as varetas de aço da espingarda, melhor seria que se tornasse chapeleiro de senhoras, lidando com penas e enfeites, em vez de tentar falar em público, aos seus semelhantes, sobre palavras que são espírito e vida.” Pastor Evangelista , p.218
Ilustrações: Use apenas as ilustrações que encaixam convenientemente ao tema. Alguns oradores “jogam” uma fieira de historietas apenas para tornar o tema interessante. Porém , isto arruina a linha de pensamento. Mas se encaixa, use. Use ilustrações verídicas. O fato de se contar fatos que realmente aconteceram acrescentará poder à sua pregação. As ilustrações sempre são mais valiosas se forem suas mesmo - quartzo cavado em sua própria pedreira. Pode dizer : “Eu vi”.

Onde encontrar ilustrações?


1 - Na Bíblia - Há imediato poder em recontar as histórias bíblicas - são as melhores!

2 - Na natureza - A outra Bíblia de Deus .

3 - De leituras - Incidentes e fatos nos jornais, etc.

4 - De sermões e conversas com outros. Um orador ou um seminário podem ser fontes de boas ilustrações.

5 - De situações ordinárias da vida. Na vida de suas crianças ou em seu relacionamento com eles surgirão boas ilustrações.

Não use ilustrações pessoais muito freqüentes, e naturalmente não faça de você um herói ou exalte tanto a sua família.

Escreva suas ilustrações e guarde-as em arquivo, ou computador. Faça um pequeno título no alto da página para que instantaneamente saiba o que a estória ilustra - obediência, fé, etc.
Como Pregar - Há algo quase definido sobre a postura do evangelista diante de sua audiência. É dito que ele precisa ser : “dominante, mas não exigente; autoritário, mas não ditador, zeloso , mas não fanático, prudente mas não letárgico”.

Mantenha os seus sermões curtos, não mais de trinta minutos, incluindo o apelo. “Pregai sermões curtos”. - Evangelismo, p. 183. Spurgeon disse que quando um homem tem bom material preparado não excederá trinta minutos ; quando tem menos a dizer, irá aos quarenta e cinco minutos; e quando não tem absolutamente nada, precisará de uma hora para dizê-lo.

Outra técnica que Jesus usou com resultado foi a arte de fazer perguntas. Faça perguntas ao seu auditório que os leve de um ponto a outro ponto na Bíbllia. Com habilidade, isto fará com que a audiência pense que eles estão descobrindo a verdade por eles mesmos, na medida que o tema se desdobra numa sequência lógica.

É importante lembrar que há vários tipos de pessoas em cada audiência. Alguns não são nem convertidos nem sabem como viver. Outros são convertidos, mas precisam de luz sobre como viver. Ainda alguns conhecem as normas, mas não tiveram uma experiência transformadora. Estas necessidades precisam ser atendidas pelas partes do sermão ,se cuidadosamente preparados.

Creio que possa ser proveitoso, usarmos os sermões de evangelistas de sucesso como base para nossas pregações. Não fique embaraçado em aprender a experiência de outro. Porém , em vez de refletir o pensamento do outro, adapte e estude o sermão até que ele seja entregue em sua própria personalidade e estilo.

Olhe a audiência nos olhos. Não fixe o olhar no teto, no soalho, janela ou algo fora do auditório. Olhe para o povo com quem você fala. Estude a expressão dos rostos, como reagem ao que você fala. Se você está perdendo a atenção deles, não aumente a voz, mas diga algo interessante. Dê-lhes uma ilustração! Faça pausa . Mude a velocidade e a entonação da voz. Fale devagar, mas não tão lento . Uma palavra hoje e outra amanhã, é uma espécie de fogo lento que só os mártires podem suportar.

Finalmente, o essencial é que haja conteúdo. É preciso haver luz além do fogo. Alguns pregadores são de todo luz sem fogo; outros fogo sem luz. O Dr. Sloane Coffin dá-nos uma receita para fabricar muitos sermões comuns: “Tomar uma colher de chá de pensamento fraco, adicionar água, e servir”. Então ele acrescenta: “O fato de ser muitas vezes servido quente pode aquecer os ouvintes, mas nunca nutrí-los”.
Pregue por decisões: Cada sermão deve ter um só objetivo - obter decisões. Cada sermão deve finalizar com um apelo de qualquer tipo. Isto é verdade por diversas razões. O sermão que você está pregando pode ser o último que alguma pessoa na audiência ouvirá na sua vida. Dê à pessoa uma chance de expressar-se em resposta à mensagem de Deus. O apelo é como o nó na linha. Li acerca de um alfaiate que fez fortuna e prometeu contar aos colegas de ofício o seu segredo. Quando estava para morrer , eles se reuniram à sua volta e ouviram atentos o que ele dizia: “Vou contar-lhes o segredo, dêem sempre um nó no fio. Se houver um nó no fio da linha, este não sairá do tecido”. Alguns pregadores enfiam a agulha muito bem, mas não fazem o nó na costura. Rompendo-se um ponto, a costura inteira se desfaz.

Assim , ao final do primeiro sermão, você pode, por exemplo, perguntar ao povo se eles apreciaram a reunião. Peça a eles que expressem seu sentimento pelo levantar de mãos. Ao pregar sobre a Bíblia, além do apelo final para aceitação da Palavra de Deus, pergunte se estão felizes por Deus ter-lhes dado este livro pelo erguer das mãos. Quando pregar sobre oração, convide-os a ficar em pé, se desejam ser lembrados em sua oração.

Inclua todas as pessoas no apelo. Por exemplo, se fizer apelo para que as pessoas dêem o coração a Cristo, lembre-se de que pode haver alguns que já se entregaram a Cristo. Assim, depois de ter o seu primeiro levantar de mãos, peça agora àqueles que já se entregaram a Jesus, mas que desejam reconsagrar-se, que façam o mesmo. Finalmente, peça àqueles que não deram ainda o coração a Jesus, mas que desejam ser lembradas por Deus para dar-lhes força para decisão, que demonstrem seu desejo pelo levantar de mãos. Assim todos estarão incluídos no apelo.


Visitando os Interessados

Em cada escola de evangelismo, em cada concílio de obreiros de evangelismo, atrás da plataforma de cada auditório evangelístico, estas palavras devem ser escritas com destaque:




  1   2   3   4   5   6   7


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal