O pastor Evangelista



Baixar 376.07 Kb.
Página4/7
Encontro05.12.2017
Tamanho376.07 Kb.
1   2   3   4   5   6   7

7. Programa de Continuidade e Conservação........................R$________

8. Imprevistos..........................................................................R$________

Total das Despesas R$________

Entradas
1. Doações de organizações superiores...................................R$________

2. Ofertas Especiais.................................................................R$________

3. Poupança evangelismo........................................................R$________

4. Outros..................................................................................R$________

Total das Entradas R$________

Quando as entradas estimadas se equiparam com as despesas estimadas, você tem um orçamento balanceado. Tudo que você comprar com fundos evangelísticos pertencem à Associação. Se você compra ítens maiores como som, projetores, etc, isso se torna propriedade da Associação. Quando a campanha terminar, eles deverão ser transferidos à custódia da Associação, a menos que você tenha específica permissão de continuar a usá-los.



Mantendo Registros
Lembre-se de que você deverá prestar contas do uso da verba enviada semanalmente ou mensalmente pela Associação, ou dos fundos da igreja local. Para melhor controle, pague todas as despesas acima de dez reais com cheque e requeira nota fiscal ao consumidor. Se você está erguendo um auditório móvel e espera fazer diversas compras numa loja de ferragens, faça arranjos para pagá-los todos no final da semana. Isto evitará multiplicar notas de pequeno valor.

Mantenha um livro de caixa, desses comprados em livraria para registrar todo o movimento.




Data Descrição Nota Pago Recebido





A B C D E
Ponha a data de cada transação à esquerda (a) e descreva a natureza de cada transação na coluna (b). Se pagou com dinheiro ou cheque, sempre exija a nota fiscal. Escreva nessas notas números consecutivos (1,2,3...) para organizá-los na coluna ©. Coloque a quantia paga na coluna (d) e a recebida na coluna (e).

É importante ter um demonstrativo de como as despesas estão andando em comparação com o orçamento. Cuide com pequenas somas gastas em ônibus, quitandas, gás, etc. Muito dinheiro pode ser perdido aqui se não houver cuidadoso registro, e isto lhe será cobrado de sua conta pessoal.

Finalmente, cuide em manter os fundos evangelísticos inteiramente separados de sua conta pessoal.

Música no Evangelismo

Muitas partes da Bíblia foram originalmente escritas para serem cantadas. Alguns tem notado que enquanto a ordem para pregar aparece seis vezes nas Escrituras, a injunção para cantar, louvar, expressar gratidão em alta voz, etc., é encontrado quinhentas vezes na Bíblia. Até a instrução de Paulo para “orar sem cessar” é prefaciada por “regozijai-vos sempre”.

Nós expressamos nossa emoção através da música, e inversamente, ela pode estimular nossas emoções. Ellen White assim falou acerca de importância da música no evangelismo: “O canto é um dos meios mais eficazes para gravar a verdade espiritual no coração”. Evangelismo, p. 500.

A propósito, conta-se que o heresiarca Ário, fundador da seita que tem o seu nome, embora dispusesse de argumentos bem mais fracos que os do seu ferrenho adversário Atanásio, doutor da Igreja e patriarca de Alexandria, era um sagaz, infatigável e fanático propagandista de suas esdrúxulas doutrinas.

Assim é que , levando em consideração o obscurantismo e a religiosidade dos seus fiéis prosélitos, Ário compôs para os mesmos atraentes e entusiásticos corinhos, uma espécie de catecismo contendo os seus ensinamentos. Em breve, a metade das pessoas das cidades circunvizinhas entoava os singelos cânticos.

Esses hinos heréticos foram amaldiçoados pelo irascível Atanásio; contudo, as suas ameaças de excomunhão para os transgressores contumazes foram inoperantes.

Um dos grandes milagres do Velho testamento envolve o uso da música. Você pode ler desta experiência em 2 Crônicas 20. Acerca disto, Ellen White observou: “Se mais louvores de Deus tivessem lugar agora, esperança e coragem e fé aumentariam constantemente e isto não fortaleceria as mãos dos valentes soldados que hoje estão firmes em defesa da verdade? “ Profetas e Reis, p.202

Eu resumiria as funções da música no evangelismo nos seguintes pontos:




  1. O serviço de cânticos no início ajuda a coletar os pensamentos das pessoas das variadas preocupações e canalizá-los para uma atitude receptiva para a mensagem da noite.

  2. A música ajuda a quebrar os preconceitos e cria laços de companherismo com a equipe evangelística.

3. Cria o canal emocional através do qual coração pode se unir à mente em exercitar a vontade.

Os hinos que Lutero introduziu deram força à Reforma, ao permitir às pessoas expressarem suas experiência pessoais. Peter Von Cornelius declarou que os cânticos luteranos tinham atraído mais gente para a Reforma que os próprios sermões e escritos de Lutero. Os hinários dos Presbiterianos e os seis mil ou mais hinos que Charles Wesley escreveu como metodista devem ser considerados altamente responsáveis pelo sucesso do Protestantismo. Ira D. Sankey, que unia seus talentos em cantar para a pregação de Dwight L. Moody, quebrava o gelo pela música evangélica. Sua personalidade cativante e rica voz testificava da alegria que é parte do cristianismo. O hino de Sankey, “As noventa e nove “, é exemplo de cântico que ganha almas.

Hower Rodeheaver, que cantou como associado de Billy Sunday, define o hino como geralmente sendo dirigido a Deus em louvor e adoração, uma entrega do eu a Deus. “Gospel Songs” são geralmente endereçados a pessoas; eles testificam de experiência pessoal e exortam ao comportamento cristão. O hino é mais apropriado ao grupo de adoradores, enquanto o cântico é mais aceitável em grupos heterogêneos como numa série evangelística.



Cantor evangelista
A pessoa escolhida para dirigir os cânticos precisa fazer mais do que anunciar números. Ele deve somar um espírito de entusiasmo e companherismo cristão, reconhecendo que o serviço de cânticos é mais que uma preliminar enquanto as pessoas estão chegando. Ele deve introduzir cada cântico com poucas

palavras para ressaltar o significado e mostrar a conexão com o tema. Segue alguns lembretes práticos:




  • O líder de cânticos é o primeiro a ter contato com o povo do púlpito. Deverá começar com um cântico conhecido, e trazer outros com melodias alegres que convidem à participação. Ilustre alguns hinos com slides na tela, e tenha um cântico oficial da campanha.

  • Mantenha o serviço variado. Ocasionalmente você poderá ter músicas especiais para crianças ou convidá-las a cantar. Os pais apreciarão esta atenção e lhe recompensará retornando noite após noite.

  • Os jovens preferem cânticos antifonais, onde a audiência é dividida em duas ou mais partes. Uma seção do auditório responderá para a outra cantando parte do cântico. Este era o método de cantar os salmos na Bíblia.

  • Os adultos apreciarão aprender uma abreviada história do cântico ou hino que eles gostam.

  • Arranje os cânticos de acordo com o tema da noite - “Oração”, “Segunda vinda de Jesus”, etc.

Em adição ao serviço de cânticos e música especial, o líder de cânticos deverá estar pronto para providenciar músicas de apelo - solista ou grupo musical. O evangelista necessitará desta música durante o seu apelo, no clímax do sermão. Esta música providenciará o background, tanto em melodia quanto em letra, para o apelo.

Exemplo de favoritos:


  • “Quase persuadido”

  • “Tal qual estou”

Ter senso de oportunidade é importantíssimo. O cantor deverá estar em posição e pronto para cantar no instante em que percebe o sinal do evangelista. Não pode haver pausa embaraçosa ou confusão aqui. A música de apelo deveria ser uma das que são familiares à audiência, uma que eles aprenderam a amar, cuja mensagem eles possam repetidamente alcançar. O cantor deveria conhecê-la tão bem que ele não necessite de cópia de letra, e ele deveria sentir a música para que o auditório sentisse também.

Visitando as pessoas em seu lar ajudará ao cantor evangelista em sua obra. Desta forma ele poderá se familiarizar com os problemas do auditório, e isto o guiará na escolha dos cânticos para o próximo serviço. Assim, o cantor evangelista se sentirá como parte integrante na equipe, e seja ele um estudante ou leigo, sua consagração e preparação serão indispensáveis.



O Evangelismo da Saúde

Temas de saúde têm sido uma peculiar característica do evangelismo público adventista. Cristo estabeleceu o exemplo para isto, naturalmente. Ele não apenas dedicou mais tempo curando que em pregação, mas estabeleceu a relação entre o estado do corpo e a condição do coração. Ele usou seus milagres do corpo para preparar o coração para o reino da graça.

Para os Adventistas do Sétimo Dia, doença e morte são resultado do pecado. Cremos que Deus tem certas leis que governam o bem-estar do corpo, bem como tem leis governando o bem estar mental e espiritual. Por isso, colocamos a saúde no mesmo nível de outras doutrinas religiosas - Deus deseja salvar-nos corpo, mente e alma.

Por muitos anos, referências a assuntos de saúde eram extremamente limitados no evangelismo público. O “Trio de Males”, tabaco, álcool e porco (com o chá e café) eram atacados vigorosamente, mas apenas em um ou dois sermões na série. Então os evangelistas começaram a despertar para as implicações de referências no Espírito de Profecia à mensagem de saúde como sendo “o braço direito da mensagem”. Assim, a ênfase na saúde aumentou, a ponto de se poder listar algumas das avenidas do evangelismo da saúde abertas ao evangelista, para que ele possa escolher aquilo que melhor preencha seu estilo e recursos.


1. Palestras de Saúde - Inclue dez minutos de palestra por um médico adventista ou enfermeira em cada noite. A série pode incluir tópicos de prevenção de doenças, primeiros-socorros, dietas, tratamentos caseiros, etc. Nem todos os médicos são bons oradores públicos. Com um pouco de estudo, o evangelista pode ele mesmo preencher esta função na ausência de alguém capacitado. Se a palestra for ilustrada com slides, este momento será aguardado com grande interesse pelas pessoas.
2. Curso Como Deixar de Fumar - Isto poderia se extender para além de uma discussão dos perigos do tabaco e como abandoná-lo em cinco dias. Se o evangelista tiver a série de terapias em grupo, e toda a parafernália necessária (pulmões mecânicos, slides, vídeos), ele poderá alongar a extensão na medida que mais pessoas se interessarem, usando dez minutos de programação diária.
3. Seu Doutor Rádio - Tape de 15 minutos ou programa ao vivo realizado na estação de rádio local. Você poderá fazer anúncios da série de palestras e outros serviços oferecidos pela campanha.
4. Clínica de Controle de Peso e Stress - Este pode ser um serviço muito popular na comunidade. Dando ênfase na nutrição, exercício físico, e terapia de grupo, usando recursos em slides e vídeo, pode-se criar um programa dinâmico para cortar o peso e alongar a vida.
5. Classe de Nutricionismo - Uma escola de nutricionismo pode ser conduzida em conjunção com as reuniões evangelísticas. Em algumas tardes discute-se a teoria; em outras tardes pode haver demonstrações de cozinha e preparação de alimentos. É necessário haver utensílios de cozinha, além de uma pequena brochura de receitas.
6. Filmes de Temperança - Há uma variedades de filmes em vídeo sobre tabaco, alcoolismo, drogas e stress. Eles podem ser locados e apresentados numa sequência de dez minutos diários.
7. Literatura Pré-campanha - Em algumas áreas, pode-se sentir que uma aproximação com literatura de saúde na preparação do território seria preferível ao uso de lições de classe bíblica. Seria mais efetivo se oferecidas com a promessa de palestras de saúde a vir.
8. Meio a Meio - Neste tipo de programa, igual publicidade e tempo são repartidos para partes de saúde e religião. Completos uso de recursos audiovisuais podem ser feitos, com luz negra, verificação de pressão arterial cada noite, vídeos, curso como deixar de fumar, clínica anti-alcoolismo, etc. Pode-se também oferecer consultas médicas gratuitas ou serviços na clínica móvel, caso disponha. Este programa é útil em lugares onde há necessidade de ensino de assuntos básicos de higiene e nutricionismo.
9. Verificação de Pressão Arterial - Recrute um grupo de enfermeiras da igreja local ou treine membros do staff evangelístico para que verifiquem a pressão arterial das pessoas que vierem para a reunião evangelística à noite. Devidamente uniformizados e com aparelhos apropriados, eles serão uma atração para muitos idosos que necessitam de acompanhamento à sua delicada saúde.
10. Mutirão de Consultas Médicas Gratuitas - Com a ajuda de médicos adventistas, pode-se organizar para os domingos ou sábados à tarde, mutirões de atendimento às pessoas e parentes dos assistentes das reuniões.
É necessário dar especial atenção às “pontes” , ou termos de conexão entre saúde e doutrinas. A transição deverá ser suave e natural. Assim, a batalha entre os glóbulos brancos e germes podem introduzir a grande controvérsia entre entre Cristo e Satanás. A necessidade do corpo por alimento bom pode ser unido com a experiência da dieta de Daniel e por seu turno ao estudo do sonho de Nabucodonosor.

Estes temas de saúde não apenas quebram preconceitos, mas ajudam as pessoas a terem mente clara e forte poder de vontade nos momentos decisivos da apresentação das verdades probantes. Pessoas que são convertidas “mente, corpo e alma” tornam-se melhores adventistas.



DURAÇÃO DA CAMPANHA

Um problema que sempre preocupa a mente do evangelista é a cerca do que pregar e como organizar os sermões numa sequência efetiva. A ordem na qual os tópicos da verdade são apresentados em reuniões públicas depende da extensão da série e da aproximação melhor para alcançar o povo.



A Extensão da Série
Leva tempo para se fazer um bom adventista do sétimo dia. Sim, há alguns convertidos de forma rápida, mas não conhecemos por quanto tempo o Espírito Santo preparou o seu interior. O carcereiro de Filípia se converteu numa noite - mas o terremoto teve muito a ver com isso, e nós não podemos incluir terremotos em nossas séries evangelísticas! Por outro lado, homens como Nicodemos levam mais tempo para fazer sua decisão.

Alguns aprendem vagarosamente, outros se beneficiam de forma mais rápida. Alguns necessitam de muita repetição, outros se insultariam pela mesma. O evangelista precisa conhecer sua audiência.

Veterano evangelista e professor de evangelistas, John Shuler, em seu livro “Public Evangelism” diz : “a questão de quão longo um esforço evangelístico deva durar depende do tamanho da cidade, da extensão do interesse e das circunstâncias. Se o pregador lida com interessados que já tiveram contato com a mensagem através dos leigos, resultados podem ser obtidos com duas ou três semanas. Se a campanha consiste da pregação apenas aos domingos, levará cinco a seis meses ou talvez mais”. pg. 167.

Nos Estados Unidos, uma campanha longa pode ir até três meses. Na África, nove semanas na média. Na América Latina com população predominantemente católica, a média é de três a quatro meses.



CAMPANHAS CURTAS
Por causa da brevidade do tempo e da explosão populacional, precisamos dar forma aerodinâmica em nossos métodos e apressar o processo de conversão.

Campanha curta é mais um processo de colheita. É conduzida em favor daqueles que tiveram considerável contato com as doutrinas adventistas através dos estudos bíblicos, escola sabatina, televisão, rádio, etc. Os sermões da campanha revisam as doutrinas de forma concisa concentrando-se em tema de decisão . Em adição, um programa de intensiva visitação conduz os interessados à decisão. Por isso, campanha de curta duração devem ser precedidas por um programa de preparação e extensivo programa de conservação.

A preparação pode consistir de dois ou três meses de cursos bíblicos ministrados no lar, por um membro para ajudá-los com as lições. Então vem três ou quatro semanas de evangelismo, seguidas de forte visitação pelo staff evangelístico. Após o batismo de ser matriculado numa classe pós - batismal de pelo menos três meses de duração.

Em campanhas curtas, maior dependência é colocada na obra dos leigos, rádio. Literatura evangelística, programa de saúde e assistência social da igreja. Isso ganha a confiança do interessado e ensina-o as doutrinas. A campanha de colheita leva-o a decisão. A obra de visitação é mais concentrada e inicia logo no primeiro dia.

Há vantagem nesse método. O evangelista pode trabalhar em mais lugares. Se ele é evangelista de Associação ou União, pode pregar num lugar, enquanto os membros da igreja prepara um outro local. Ao partir , o pastor local dá continuidade com classe bíblica.

Este plano também torna possível para o pastor distrital ocupado em conduzir um programa regular de evangelismo, considerando que ele tem a campanha de recolta, escola, desbravadores.

Tem as vantagens para o público também. É difícil para pessoas ocupadas atenderem longas campanhas de evangelismo. Mas por três semanas muitas pessoas se disporão em atender regularmente.

Finalmente, a campanha curta tem vantagem para a igreja. Isso porque ela dá ênfase na importância da participação dos membros envolvidos na salvação de almas.



Temas de aproximação
Por aproximação refiro-me aos temas que esperamos atrair e manter nossa audiência.

Através de pesquisas nos lares pode-se conhecer os sentimentos do povo, seu padrão de vida, que temas estão interessados.

No passado, o método mais popular de aproximação usado pelos evangelistas adventistas era o da crise. Tomando os eventos do mundo como referência. Abordavam Daniel 2 e as profecias para demonstrar a brevidade da vinda de Jesus. Termos arqueológicos têm sido usados na Ásia ou África mostram que o cristianismo não é ocidental.

Numa pesquisa conduzida pelo departamento de religião Andrews university, descobriu que 69% das pessoas estão mais interessadas em termos de saúde e 80% em dinheiro. Na América do Sul , a maioria católica, os termos de abertura que abordam a cor, educação dos filhos, e saúde, atraem boa multidão e constróem a confiança no orador.


Ordenando os Temas
Uma ordem natural e progressiva dos sermões da série segue a seguinte ordem:


  1. Desperta o interesse e cria confiança no evangelista, como o informado orador com uma mensagem importante;

  2. Cria confiança na Bíblia;

  3. Converte a Cristo;

  4. Instrui no caminho da vida ( doutrinas, profecia, vida cristã );

  5. Cria confiança na Igreja, como o corpo de Cristo na terra;

  6. Leva à decisão.

Lembre-se de que nós precisamos estabelecer a verdade da Bíblia ,antes de tentar estabelecer verdades bíblicas. As pessoa também necessitam conhecer que cremos em Jesus Cristo, Seu nascimento virginal, Divindade, Onipotência, Poder Redentor, etc.

Temas não controvertidos devem ser apresentados primeiro. Eles atrairão atenção, agradarão e conservarão o interesse. Pregue verdades práticas ( vencer o mau gênio, como ter um lar feliz, oração, etc. ). E não se esqueça dos cinco pilares da verdade:


  1. Segunda vinda de Cristo;

  2. Lei e o sábado;

  3. Santuário;

  4. Imortalidade condicional;

  5. As três mensagens de Apocalipse 14.

As verdades probantes devem ser apresentadas na forma de uma corrente lógica - cada uma é preparada pela palestra anterior e, por sua vez, conduz à outra. Cada uma das cinco categorias ilustradas abaixo pode ser dado em um período de três semanas, os principais sermões pregados estrategicamente aos sábados e domingos.

Em adição à organização dos membros da igreja, o evangelista

necessitará organizar o seu próprio staff, ou auxiliares mais diretos. Em grande escala, os membros da igreja são uma extensão do seu staff. Os líderes de equipes supervisionarão a obra em suas respectivas áreas, trabalhando em harmonia com um conselho geral, sob a coordenação de um chairman, presidente. Uma noite antes da abertura, todos os participantes devem passar por um ensaio geral para certificar se cada pessoa sabe o que fazer e quando fazer.




Equipamentos para a campanha

Eis agora uma lista sugestiva para se conferir os materias e outros suprimentos que você necessita ter em mãos antes do início. Sua campanha pode não necessitar de alguns aqui sugeridos, por outro lado, necessitará de ítens não listados.



  • Sistema de som, microfones

  • Mesas, cadeiras, suportes para as caixas de som

  • Projetores de slides, lâminas, filmes em vídeo

  • Órgão, Guitarra

  • Lâmpadas , fusíveis, refletores, luz negra

  • Convites para a 1º noite, Bíblias, brindes, talões de sorteio, picotadores, cartões de presença

  • Folhas de testes, literatura para distribuição ( saúde, família, educação filhos, namoro, etc)

  • Material Curso Tabagismo (remédios, lições, incentivos, bonecos, cigarrão, etc)

  • Lápis cortados ao meio, canetas, livros de cânticos, lições bíblicas.

  • Tanque batismal, certificados de batismo, espelho, roupões de batismo

  • Ferrramentas, escada, cestas de lixo, copos , carimbos, tinta, pincéis.

  • Faixas, posters, spots de rádio, som de anúncios na rua



Passos consecutivos de uma campanha Evangelística
Uma campanha evangelística não começa nem termina quando o evangelista dita a primeira e última conferência. Uma campanha bem sucedida tem sido pensada e planejada meses antes do primeiro sermão e se prolonga por meses depois que o evangelista deixou de apresentar-se em público.

Uma campanha bem realizada segue uma sequência de passos bem definidos e importantes que estudaremos a seguir:




  1. Escolha do lugar: Pode ser que um campo local deseje fortificar a obra em certo lugar, ou que se queira abrir obra nova.




  1. Consenso favorável: É de desejar que haja um consenso favorável com respeito a escolha do lugar por parte do campo local, do evangelista, do pastor e das igrejas.




  1. Planejamento: Uma vez escolhido o lugar e conhecido pelo evangelista, este traça os planos provisórios da campanha. Tais planos incluem:




  1. estratégia da campanha

  2. tema da campanha

  3. Duração da campanha

  4. Lugar ou lugares sugeridos para as conferências

  5. Temário

  6. Comissões

  7. Plano de preparação do terreno

  8. Equipe de obreiros

  9. Materiais necessários

  10. Programa de treinamento

  11. Finanças

  12. Alvos vários

  13. Calendário de eventos da campanha

  14. Batismos, datas, e programas

  15. Participação dos leigos

  16. Relações públicas

  17. Organização interna da campanha



1   2   3   4   5   6   7


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal