O sorriso do lagarto



Baixar 1.16 Mb.
Página1/12
Encontro13.04.2018
Tamanho1.16 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12

O SORRISO

DO LAGARTO

João Ubaldo Ribeiro

http://groups-beta.google.com/group/digitalsource




© 1989, by João Ubaldo Ribeiro

Direitos de edição em língua portuguesa, adquiridos pela

EDITORA NOVA FRONTEIRA S/A.

Rua Bambina, 25 - CEP 22251— Botafogo - Tel.- 286-/822

Endereço telegráfico: NEOFRONT - Telex: 34695 ENFS BR

Rio de Janeiro, RJ

Revisão tipográfica:

MARIO ELBER CUNHA

VALBSEREZ ALVES SANTOS

TEREZA DE FÁTIMA BASTISTA DA ROCHA

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte

Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ

Ribeiro, João Ubaldo, 1940 -

R369s O sorriso do lagarto: romance / João Ubaldo Ribeiro. - Rio de Janeiro:

Nova Fronteira, 1989.

(Romances de autores nacionais).

.1. Romance brasileiro. I. Título. II Série.

89-0817

CDD - 869.93

CDU - 869.0 (81)-3


§

Para Berenice, como tudo mais.

É por dentro desta pedra.



1
Talvez isto não fique claro ainda por muito tempo, mas o exame consciencioso dos fatos que levaram aos acontecimentos principais deste relato mostra que sua primeira cena se desenrolou em data já um pouco distante, sem que ninguém então pudesse saber o que pressagiava. Deu-se num dia morno e paralisado, em que até mesmo as copas das árvores amanheceram petrificadas, um dia de soalheira. A soalheira se declara depois de uma conjugação de eventos naturais que somente a sabedoria de uns poucos antigos conhece em sua inteireza. De repente, em meio a uma conversa sobre nenhum assunto, um deles aperta os olhos como num esforço para divisar algo longínquo, esfrega a pele dos braços e da cara, cheira o vento e comenta que, pela lua, pelo ar, pela maré, pela textura da pele e por outros múltiplos sinais, amanhã haverá soalheira. E de fato amanhã o dia nasce revestido de uma fulgência metálica meio baça, que converte em azougue estagnado o mar da contracosta da ilha e embuça numa neblina translúcida os socalcos das terras fronteiras. Logo cedo, o sol se alastra no espelho das águas, trazendo um revérbero desnatural aos rostos e fazendo com que os saveiros navegando morosamente ao largo se ocultem de tempos em tempos, por trás dos lampejos dos sulcos niquelados que abrem no mar. Em terra também tudo é lento, e chega a parecer milagroso quatro andorinhas conseguirem fender velozmente o mormaço vítreo que abafa o mundo, para se evaporarem na névoa, harmonizadas como uma esquadrilha.

Nessa grande soalheira, um homem de calças de brim pardo, camisa branca de colarinho e chapéu de palha armado cambou seu barco a motor e resolveu fazer mais um percurso de ida e volta pela orla norte do manguezal que daí a pouco pretendia contornar. Certamente era por causa daquele dia opressivo, sem dúvida que era, mas começou a sentir uma tristeza e um desânimo inexplicáveis, e já não queria colher amostras, como tencionava antes. Diminuiu a marcha do motor e se aproximou dos baixios em volta do manguezal. Embora, nessa hora em que os caranguejos saem para quentar e todas as criaturas da lama se vêem expostas pela maré baixa, devesse haver muitos pássaros mariscando, viu somente um grupo de bem-te-vis empoleirado nos garranchos de uma gaiteira seca espaventar-se com estridência à passagem do barco, e desaparecer por trás das frondes mais cerradas. Com o motor cortado, deixou que o barco deslizasse por cima da água escura, até parar e ficar imóvel como tudo mais em torno. Fez um movimento para pegar a poita, mas logo desistiu, porque não era necessário. Escorregou para o outro lado do banco da popa sem levantar-se, e se deteve escutando o chapinhar da água contra o casco, cada vez mais surdo e breve, mas ainda assim reboando como estrondos, no meio de todo aquele silêncio. Não haveria ninguém pescando, ninguém caçando aratus ou apanhando sururus, nenhum tainheiro escoltando o peixe na boca do rio? Olhou em redor, nada vivo se descortinava, nem sequer a silhueta de uma canoa ao longe, e seus olhos se postaram sobre a vastidão hirta do manguezal. Medo? Vontade de fugir, de se abrigar, de não estar em lugar nenhum? Que desassossego é este, que o deixa tão inquieto, quase tendo palpitações? Agora que mirava o manguezal, o qual o defrontava como uma agregação de furnas trevosas e eriçadas de espinhos, lembrando bocas carnívoras, não podia dizer que sentia propriamente medo, mas sentia algo semelhante, um pressentimento pesado, uma iminência sinistra, a impressão de que em torno dele se fazia um cerco implacável, que viria a sufocá-lo e matá-lo. Sacudiu a cabeça, repelindo os próprios pensamentos, mas desistiu de sua viagem de coleta. Puxou a corda do motor, retomou o canalzinho e embicou rumo à rampa do Mercado, de onde saíra fazia um quarto de hora, e não se sentiu tranqüilo nem mesmo depois que atracou e pulou para o cais.



A angústia ainda o perseguindo, o calor aumentando e a cerveja lhe sabendo a remédio, ficou impaciente quando dois meninos o procuraram para mostrar um calanguinho de dois rabos, que carregavam numa caixa de sapatos. Teve que repreender-se mentalmente para não enxotá-los com grosseria, como sentiu vontade, e suspirou ao ver o lagarto. Normalmente, fingiria grande interesse pelo achado e inventaria histórias a respeito de calangos a que daria nomes e sobrenomes de gente e emprestaria defeitos e virtudes, mas surpreendeu-se falando de modo professoral, monótono e condescendente, chegando mesmo a fechar a cara, no instante em que um dos meninos, meio desapontado com o tom da conversa, procurou achar alguma graça no que dizia. Pegou o calango pelo pescoço e disse que não havia nada de mais naquilo, muitos lagartos podiam livrar-se da cauda, era uma maneira de frustrar predadores como os próprios meninos e, além disso, o fato de o rabo continuar se mexendo depois de separado ainda distraía ou atrapalhava esse predador, porque fica como outro animalzinho independente, se agitando e reagindo a qualquer toque durante bastante tempo. Quando o seccionamento não se completa — acrescentou, mostrando nas vértebras do rabo velho os planos em que a separação poderia ocorrer —, o rabo velho permanece depois que o novo nasce, pode até haver três. O menino perguntou o que queria dizer aquela palavra longa que ele usara, ele se irritou e respondeu asperamente: "É um corte, é um corte!" E, numa compulsão maníaca, continuou a discorrer sobre répteis em geral e lagartos em particular, como se tivesse decorado uma lição. Só depois de haver falado mais de dez minutos, ignorando as feições perplexas dos meninos e agitando o calango na mão direita como uma batuta, é que, ao ouvir a expressão "ovo amniótico, que acabara de pronunciar, caiu em si e passou a rir. A princípio assustados, porque tinham sido proibidos de rir antes, os meninos terminaram por acompanhá-lo e levaram muito tempo assim, até que o menor deles apontou para o calango e perguntou se ele não estava rindo também. Bicho não ri, respondeu o homem e, agora de melhor disposição, mandou buscar dois guaranás e disse, afetando entonações de comentarista de rádio, que os lagartos eram bichos burros danados. A única invenção dos répteis fora aquilo que ele tinha falado, entre as muitas outras palavras que os meninos não haviam entendido, o ovo amniótico. Ovo amniótico não era nada complicado, era simplesmente um ovo, como ovo de galinha. Então os répteis inventaram o ovo amniótico, que é melhor do que pôr e fecundar os ovos na água, como a maioria dos peixes e anfíbios. Mas por aí ficaram, bichos burros danados, que nem aproveitaram as dezenas e dezenas de milhões de anos em que dominaram o mundo inteiro. Nada disso, bicho nenhum ri, muito menos lagarto, eles perderam essa para nós, os mamíferos. Até com os parentes mais aperfeiçoados deles, como as galinhas, o que é que a gente faz? A gente cria e come! Vocês querem saber o que foi que os mamíferos inventaram, que é ainda melhor do que o ovo que se enterra no chão ou se bota no ninho? Pois os mamíferos...

Agora, tanto tempo depois, a troco de nada, João Pedroso recorda esse dia esquisito, ao caminhar rua Direita abaixo, ainda de madrugada, para abrir sua peixaria. Nem ao menos a manhã que chegava prometia ser de soalheira como aquela, pois o vento norte exalava um bafo úmido sobre a cidade e as ondas da maré cheia transbordavam por cima do cais. Estava contente, antecipava até mesmo a hora em que, na companhia dos peixeiros Nascimento e Boa Morte, começaria a tirar os peixes dos congeladores para expô-los no balcão, imaginava tirar as alpercatas e arregaçar as calças para entrar na água e receber os canoeiros e saveiros de pesca abicando na praia com as cavalas da lua nova, sentia-se feliz por ser dono de peixaria e quase chegou a agradecer ao destino por tê-lo levado, ainda que através de meios tão tortuosos, a essa condição. Muito melhor ser peixeiro do que biólogo, pensou, dobrando o beco para o Mercado. E talvez fosse até rir, lembrando sua palestra sobre répteis, quando ouviu um farfalho de folhas murchas por cima do muro do grupo escolar e um calango, da mesma espécie que aquele de dois rabos, mas muito maior, ergueu o pescoço diante dele com a metade do corpo soterrada sob as folhas e pareceu encará-lo, os olhos miúdos anormalmente destacados no alto da cabeça. Chegou a tomar um pequeno susto, mas logo parou para admirar o bicho, que agora agitava a cabeça para cima e para baixo ritmadamente. Com grande espanto, achou que ele estava sorrindo. Apurou a vista, aprumou os óculos e não conseguiu saber direito se o que via era alguma coisa distorcida ou imaginária, mas o calango de fato parecia envolvido numa atmosfera de riso, algo sugeria que estava mesmo sorrindo. Não era, contudo, uma visão agradável, porque havia um pouco, talvez muito, de mofa no sorriso, quase hostilidade. Tentando não espantar o bicho, deu dois passos cautelosos em sua direção, mas ele logo remexeu as folhas com as patas traseiras e levantou o tronco numa postura de alerta. Dois outros passos e o bicho, numa seqüência de manobras bruscas, virou o corpo para fugir e se deteve por um instante curtíssimo em que, a desconcertante aura de riso ainda perdurando, se postou de lado, deixando ver as silhuetas bem delineadas de dois rabos, um saindo do corpo em linha reta e o outro, um pouco menor, implantado num ângulo grotesco. João Pedroso teve um sobressalto e quis chegar mais perto ainda, mas ele se embarafustou ruidosamente por entre as folhas e sumiu.

Sim, claro que era tudo uma coincidência, mas uma coincidência muito esquisita, bem encaixada em demasia, completa demais. Mas sempre uma coincidência, talvez até fácil de exagerar. Sim, repetiu a si mesmo, nada mais do que uma coincidência, e teria certamente começado a ocupar a mente com qualquer outra coisa se, ao levantar os olhos para o mar picado que se descortinava do beco, não se visse engolfado pelo mesmo sentimento inquietante que o acometera naquele dia, a tal ponto que estremeceu. Não, não, tudo impressão, mas sentiu outra vez o coração apertado, a cabeça latejando e um medo aflito, um medo que o acossava de todos os lados.
Muito longe dali, o Secretário da Saúde, Dr. Ângelo Marcos Barreto, finalmente saiu do banho, depois de cerca de uma hora no banheiro, como de costume. Apesar de estar com hemorróidas já fazia algum tempo, nunca procurara um médico porque tinha medo de que ele recomendasse uma cirurgia, e por isso se enfiava um ou dois supositórios de glicerina e permanecia uns cinco minutos fumando e contraindo as nádegas quase em posição de sentido, até a premência se tornar insuportável. Somente então, suando muito apesar da brisa que sempre entrava pelos basculantes, é que se sentava no vaso, às vezes conseguindo ler um jornal e às vezes gemendo e invocando santos ao se sentir lacerado, para bastante tempo depois baixar ao bidê, onde deixava um jato de água fria arrefecer longamente seus baixios incendiados. Em seguida, passava a cumprir um roteiro meticuloso de hábitos que não observava quando mais jovem, mas, depois de uma sucessão ininterrupta de falcatruas, desvios de verbas, comissionamentos em obras e compras públicas, subornos, grilagens e diversas modalidades de recebimentos por advocacia administrativa, durante uma vida pública de pouco mais de vinte anos, havia ficado milionário e, em leituras e consultas sob nomes falsos a seções de etiqueta e moda de revistas masculinas, aprendera tudo sobre como deve ser e agir o homem moderno. Acabara por elaborar, ao longo dos anos, uma toalete complexa, que se iniciava diante do espelho de corpo inteiro, com pesagem e avaliação do tônus muscular e epidérmico, passava por xampus, rinses de grife e sabonetes de cores exóticas presos a cordinhas, e terminava com uma loção para o corpo, uma colônia for men e a secagem dos cabelos com um secador-escova americano.

Lembrando os bons tempos da política estudantil, quando por pouco não levara a chapa de esquerda à vitória nas eleições para o Centro Acadêmico, sem contar com nada além de seu já então reconhecido talento político e a força de sua oratória, repetiu, a voz empostada como lhe haviam ensinado nos dois cursos de dicção que freqüentara, algumas frases do discurso que ia fazer na inauguração das novas instalações do hospital da ilha. Seria um discurso lido, porque não podia arriscar-se a deixar de lado algumas observações que precisava fazer, mas assim mesmo já praticamente o decorara — memória prodigiosa, dom que sempre o ornamentou, agora robustecido pelas vitaminas americanas que costumava trazer aos potes, quando voltava de Nova Iorque. Olhou-se outra vez no espelho. Aquele menino magro, de olhos afogueados, vasta e revolta cabeleira, cabelos despencando em cima dos olhos e palavra inspirada, para quem tantos e tantos professores previram um futuro de glória e dedicação à causa pública, não decepcionara os vaticinadores. A Secretaria da Saúde, que nunca foi das melhores plataformas para a ascensão política, nas mãos dele se transformava num instrumento mágico, que manejava com habilidade cada vez maior. Um posto médico em cada distrito municipal era sua meta e cavalo de batalha. Meta de grande potencial político-eleitoral e tornada possível, perfeitamente possível, com o recém-obtido financiamento do Banco Mundial, tanto assim que as obras já tinham começado em vários municípios, a cargo da empreiteira de seu primo Rubem Barreto Chaves, com quem mantinha estreitos vínculos comerciais e afetivos. Pensou no slogan que vinha criando secretamente, para sugeri-lo à agência encarregada da propaganda de sua campanha. Imaginou-o resplandecendo no rodapé de uma lista estonteante de realizações em todo o Estado: o Secretário do Século. Não, não, não soa bem, a outra versão é bem melhor: o Administrador do Século. Melhor, muito melhor. Por aí. Tinha de ter "século", disto ele fazia questão, até porque não deixava de ser verdadeiro, sob muitos aspectos, inclusive o dinamismo. E depois Goebbels, o grande Goebbels — ou senão Hitler, um dos dois — já recomendava esse tipo de grandiloqüência, funcionava, era eficaz para empolgar as massas, é indispensável pensar grande e falar grande.

— A nível de atendimento, capacitação tecnológica e qualificação de pessoal — declamou à frente do espelho, a mão em concha fremindo no ar anuviado do banheiro —, podemos afirmar que estamos, neste instante, dotando toda esta sofrida região de um dos melhores hospitais públicos do Norte e Nordeste, capacitado a prestar a toda a população atendimento ambulatorial, obstétrico e geral de elevadíssimo padrão. O convênio que, através de um esforço ingente e arrostando as críticas mais duras, desleais e impatrióticas, firmamos com a Lloyd Gunther Foundation e o Laboratório Loechs-Stroheim hoje tem como resultado este magnífico complexo, digno dos centros mais avançados deste país, onde inclusive a pesquisa científica, no regime de intercâmbio também proporcionado pelo convênio, tem destacado papel, com diversos programas de magna importância já em curso, até mesmo muito antes de as novas instalações serem concluídas. Esta é a resposta mais eloqüente e contundente que podemos dar aos críticos de nossa administração. A democracia, ela não é a penalização do cidadão, em nome de preconceitos xenófobos e retrógrados. A democracia, ela não é sinônimo de atraso, como a esquerda passadista parece desejar. Onde interesse ao Brasil, nós queremos a cooperação internacional, sim, e temos a coragem de proclamar com transparência esta posição patriótica em defesa do bem-estar de nossa população, mesmo que essa posição não seja palatável para os demagogos que se rotulam de esquerda, mas não passam da encarnação perversa do imobilismo e do reacionarismo, disfarçados, mascarados, encobertos por uma tênue e frágil carapaça de bravatas e inverdades pseudonacionalistas e pseudoprogressistas! Nós não falamos, nós agimos! Nós não dizemos, nós fazemos! Nós não prometemos, nós cumprimos!

Dominou a exaltação que lhe sobreveio, ofegou um pouco, passou a mão no cabelo e sorriu. Realmente, era uma coisa curiosa, devia ser o que o velho Abreu Godinho chamava de espírito cívico: se o assunto era o povo, a grande massa de baianos e brasileiros em geral, não podia conter uma emoção arroubada, que o deixava fora de si e falando como se uma voz transcendente se incorporasse nele. Eventualmente, isso podia prejudicá-lo, como, aliás, já tinha ocorrido algumas vezes, mas lhe trazia orgulho ao mesmo tempo, o orgulho de ser um político sincero, comprometido de coração com a defesa dos legítimos interesses do povo, numa vocação insopitável. Se bebesse antes do discurso, tinha certeza de que choraria. Sempre fora assim e até os que o antagonizavam sabiam disso. Quando ingressou na Arena, ainda no tempo em que o MDB se chamava Modebrás, houve quem visse naquilo uma traição a seus princípios. Que traição, a que princípios? Continuava um democrata visceral como antes, talvez mais, agora temperado pelo equilíbrio da meia-idade. Política, coisa que esses caras fingem não compreender e só compreendem de acordo com sua conveniência, é pragmatismo, é pé no chão, é realismo. Sua postura ética durante todo esse tempo é comodamente esquecida, em favor de uma mera questão formal, uma simples filiação partidária, uma coisa circunstancial, destituída de verdadeira importância. Ninguém lembra que, apesar de ligado a certos setores das Forças Armadas, através de oficiais com quem fizera amizade no tempo do CPOR e durante os dois estágios que cumprira, nunca dedurou quem quer que fosse e, pelo contrário, ajudou muita gente boa por aí, que se livrou de uma pior por causa de sua influência. Muitos porretas desses, que hoje estão de volta até em organizações declaradamente comunistas e se sentem à vontade para abrirem o bocão e esculhambá-lo, foram salvos pela sua interveniência, quando a Operação Bandeirantes já estava praticamente com as garras neles. Ou seja, não seria exagero dizer que mui ta gente lhe deve a vida, ou pelo menos a saúde, já que a maior parte nem chegou a apanhar, que era o mínimo que podiam esperar na prisão. Isto além da ajuda que dera a dezenas e dezenas de cassados, embora não, é claro, a clandestinos, porque há limites que não podem ser transpostos. Mas nada disso era lembrado, ninguém lembrava sequer a cristalina verdade de que, sem gente como ele, trabalhando por dentro do sistema, até hoje a abertura poderia ser apenas um sonho. Só se lembravam das pretensas coisas negativas, é espantosa a capacidade do ser humano para a inveja e a destrutividade, não é de admirar que pessoas como ele volta e meia se vejam dominadas por uma avassaladora descrença na Humanidade. E depois que, por ironia, ele ingressara nesse fantástico MDB, isto fazia diferença para eles? Mas quem tem boca diz o que quer, os cães ladram e a caravana passa.



Abriu a porta do banheiro, que dava para uma suíte avarandada e decorada em matizes de laranja, com uma parede de espelhos em frente à vasta cama redonda de cabeceira de bronze reluzente, duas grandes caixas de som embutidas acima de mesas-de-cabeceira de tampo de mármore, um aparelho dê tevê de 36 polegadas em cima de um movelzinho com rodas e uma espécie de saleta de estar junto à varanda, composta de uma mesa oval, quatro cadeiras de estilo indefinido e duas poltronas baixas de couro, entre vasos de samambaias e antúrios. Na passagem, arrancou com um gesto irritado uma folhinha de samambaia e a esmigalhou entre os dedos. Como, naquela época, podia ter deixado de ingressar na Arena? — perguntou-se, exasperado como sempre ficava, ao se deparar com argumentos infundados. Queria fazer carreira política, todo mundo sabia disso, tinha ideais que só podiam ser concretizados através do poder. Em política, quem não está no poder está somente fazendo blablablá, não existe isso de política sem poder. E qual tinha sido seu grande passaporte, seu grande trampolim para o acesso ao poder? O apoio do velho Abreu Godinho, naturalmente. O filho único do velho, seu colega de turma, não queria nem ouvir falar em política, vivia enfurnado num laboratório, perseguindo delírios endocrinológicos, e só trabalhava numa clínica para ter alguma renda própria, além da de professor universitário, que não dava nem para comer decentemente. Então o velho, num processo perfeitamente compreensível, adotara o melhor amigo do filho como seu herdeiro político, quase como um filho também. As opções eram claras: a) entrar para o Modebrás, dar murro em ponta de faca, cair em desgraça com o velho, arriscar-se a comprometer-se definitivamente, empobrecer de vez, conseguir quaisquer mil votos e olhe lá, e não fazer absolutamente nada, a não ser se queixar; b) entrar para a Arena com a eleição garantida pelos votos do velho na região do São Francisco, assumir uma cadeira de deputado estadual e ter condições de efetivamente realizar alguma coisa. Só um mentecapto poderia conceber escolha diferente da que ele fizera, era uma questão de consciência. Tinha convicção de que seus ideais e sua maneira de ver o mundo não mudaram. Apenas tomara uma decisão tático-estratégica de caráter pragmático, apenas isto, do mesmo jeito que a debacle do PDS o levara a filiar-se ao MDB — questão básica de sobrevivência política, esses babacas só elogiam quem despenca e quebra a cara. A política não pode ser conduzida à base de paixões improdutivas e apenas voluntariosas, é isso que muita gente não quer entender, ou finge não entender.

Muito bem, hora de escolher a roupa. Um terno leve, por causa do calor da ilha. Mas terno e gravata, nada dessa cafajestada populista que está na moda agora, coisa de baixa extração tipo PT. Rememorou sua inclusão na lista dos dez políticos mais bem-vestidos — "uma elegância espontânea e relax, sempre discretamente na moda", havia escrito a colunista na legenda de sua fotografia, que ele passara a manhã inteira contemplando. Claro, claro, essas coisas contam ponto, é uma questão de imagem. Colete? Não, colete não, exagero, cafajestada ao contrário. O terno de linho beige, que dá aquele charme amassado, com uma gravata cor-de-vinho. Ou o azul-claro? Lamentou que Ana Clara não estivesse presente, para dar um palpite. Nem de manhã se viam mais, agora que ela tinha inventado essa história de montar uma academia de ginástica no salão em cima das garagens e ficava desde as sete horas mandando um batalhão de mulheres de malha abrir as pernas e dar pulinhos ao som de oito alto-falantes a todo vapor. Razão tivera Nonato, quando, na época da separação de Regininha, que foi aquela merda que todo mundo sabe, lhe disse, enquanto enchiam a cara no Méridien: trocar de mulher é trocar de grilo, uma é pão-duro, outra é estróina, uma lhe corneia, outra fiscaliza até sua sombra, uma tala como uma condenada, outra não alimenta papo nenhum, uma gasta duas safras de cacau por ano em roupas, balangandãs e recauchutagens, outra vive mais despencada do que uma anta com lordose, e por aí vai, trocar é besteira, só se justifica para quebrar a monotonia. Bem, pelo menos Ana Clara não enchia o saco como Regininha, justiça seja feita. No dia em que entrou no gabinete dele de repente e ainda o pegou puxando a mão rapidamente de baixo da saia de Telminha e se instalou aquele clima todo sem graça, ela não deu a menor bandeira, nem falou nada,.ficou absolutamente na dela. Pensando bem, não ' custava nada dar um telefonema para ela no meio do dia, dizer qualquer coisa agradável. Afinal de contas, era sua mulher, uma mulher boa, honesta, bonita e relativamente culta, embora talvez um pouco bobinha, um pouco desambiciosa demais, até em termos intelectuais, meio dondoca, a verdade era essa, mas dondoquinha boa, das inofensivas, que conversam bem e não causam mal-estar em coquetéis. Sua mulher, afinal. E outra separação, a esta altura, nem pensar — política e economicamente seria uma hecatombe, e ele ainda tinha verdadeiras convulsões de ódio, sempre que lembrava como Regininha havia partido para lhe tomar as calças durante o processo e como teve de molhar a mão de mais gente do que a população de Maceió para conseguir melhores condições — molhar não, inundar, inundar, submergir! Dr. Jackson Florêncio, com aquela cara de santa alma reta e digna lá no Fórum, aquele filho de uma puta, aquele corrupto safado que, quanto mais via bens arrolados por ela no processo, mais queria meter a mão. Hoje, desembargador. É de matar em qualquer um a esperança no futuro deste país. Bem, o negócio é esquecer, passado é passado, não adianta remexer.

Sim, telefonaria para ela, decidiu, pensando em se também mandaria umas flores. No começo, se despedia dela lá mesmo na ginástica, mas talvez porque não podia deixar de mesmerizar-se pôr aquelas bundinhas arrebatadoras, naquelas posições tipo "não precisa se mexer, que assim mesmo você morre", ela terminou dizendo que não queria que ele passasse por lá, podia dar falatório e os maridos de algumas alunas podiam não gostar. Ele preferiu não discutir, e agora descia direto para a salinha contígua à copa, onde era servido o café da manhã. Como sempre lhe acontecia, ao se defrontar com a mesa vistosamente arrumada, guardanapos brancos quase luminosos em suportes de prata, porcelanas de cores delicadas e alegres, copos de cristal faiscante, talheres delgados e graciosos, ressentiu-se por lhe ser proibido comer o que gostaria e como gostaria. Aquela mesa era como uma cidade de arquitetura perfeita, mas absolutamente desértica, sem qualquer tipo de vida, uma planta sequer. Nunca mais ovos estrelados com bacon, nunca mais uma omeletezinha como aquelas de primeira classe de vôo internacional, nunca mais salsichinhas fritas com panquecas, nunca mais torrada após torrada, afogadas em manteiga derretida. Sentou-se um tanto melancólico e bebeu mais suco de toranja com adoçante do que pretendera inicialmente. Olhou com desgosto a compoteira onde haviam posto o cereal, abriu-a, colheu um punhado de flocos amarronzados, despejou-os numa espécie de terrinazinha e derramou um pouco de leite desnatado por cima, começando a mastigar como quem está sendo coagido a comer folhas secas. Com gestos miúdos e furtivos, lançou um olhar à porta da copa para ver se não havia algum empregado que o pudesse flagrar, e espalhou duas colheradas de açúcar sobre o cereal, dando uma risadinha juvenil de satisfação.

Já não se sentia tão desalentado durante a segunda xícara de café, acompanhada por um cigarro de baixos teores, embora soubesse que também tinha de deixar de fumar, como já tentara diversas vezes. Diabo, o sujeito vai chegando perto dos cinqüenta e não pode fazer mais nada, é triglicerídio pra lá, colesterol pra cá, cancerígeno pra acolá, tudo faz mal, até se cuidar faz mal, dá estresse. Não se é imortal, vai-se morrer, pensou, inquietando-se tanto com a idéia que teve de sair da sala como quem foge. Quando o sujeito é jovem, é imortal, só quem morre são os outros. Mas de repente gente de nosso tempo começa a morrer, chega a parecer que cada dia embarca um. Veio-lhe à mente, embora ele não quisesse, o cadáver medonhamente roxo de seu amigo Macedinho, que ainda outro dia estivera com ele, muito vivo e, por ironia, num enterro. Não tinha a saúde boa, mas também não era péssima e, que diabo, 47 anos não são ainda velhice. Mas morreu. Morreu de repente, pouco antes de ter chegado à fazenda, segundo os parentes uma morte horrível, agarrando-se aos lençóis com falta de ar e dando roncos arrepiantes. "Laringite edematosa", explicara o Gomes de Melo. "Caso exemplar, a epiglote dele virou uma minhoca. Não é o seu caso, porque ele tinha problemas renais e uma porção de outros trecos que contribuíram, mas está na cara que o risco dele aumentou muito porque ele não tirava o cigarro da boca. Seu caso é bem mais singelo, é claro, mas se lembre que você tem a mesma idade que ele. Seu caso é traqueíte tabagística braba, com alteração de voz. Se não parar de fumar, CA. Deixe comigo, que eu sou bom de traqueotomia radical, não tem mistério." Não gostava nem de ver o Gomes de Melo, que, com aquela cara, devia ser urologista municipal numa zona de puteiro e nunca otorrino de prestígio. Além disso, é tirado a engraçadinho, porque ninguém pode fazer um prognóstico desses assim, isso é um jogo estatístico, não é assim. O rosto de Macedinho, uma ilha cor de ameixa fresca num mar de flores tristes, insistia em ser recordado. Sim, deixaria de fumar, sim, claro que deixaria, só que hoje, especialmente por causa da viagem daí a pouco, precisava deste cigarrinho. Fumar depois do café às vezes lhe dava vontade de ir ao banheiro novamente e lhe causava pânico a idéia de precisar fazer isso durante a viagem, de forma que tinha de precaver-se.

Ainda com o cigarro meio fumado na mão, chegou ao pátio em frente aos canis. Seria mais uma oportunidade para os cachorros se familiarizarem com ele, pois, apesar de tê-los criado desde pequenos e requisitado um sargento da Polícia Militar para adestrá-los, não conseguia convencer-se de que aquelas bestas-feras eram dignas de confiança — não quase comeram um jardineiro, homem com quem pareciam acostumados e nunca tinham ameaçado antes? Os três filas estavam deitados no fundo dos canis, mas se levantaram e colaram os focinhos nas grades, quando ele se aproximou.

— Então, Winston? — disse ele, curvando-se e batendo palmas. — Então, rapaz?

Winston não se moveu e continuou a fitá-lo com uma espécie de atenção desdenhosa, um dos olhos injetado e remelento. Ângelo Marcos pensou em afagar a cabeça dele, que entre todos era o de que tinha menos medo, mas não gostou do olhar que ele dirigiu a sua mão e recolheu-a. Talvez a mão esquerda. Não, besteira, não ia arriscar-se a ter a mão, esquerda ou não, reduzida a uma almôndega, na boca de um paquiderme daqueles. Pronto, basta ficar por aqui, enquanto eles se acostumam mais um pouco com o cheiro do dono. Como é o comando para "sentar"?

— Sit! — ordenou, recordando-se subitamente, mas nenhum deles se sentou. — Sit!

Depois de parecer refletir sobre a ordem, apenas Winston, com um bocejo em que a boca assumiu o lugar de toda a cara, decidiu sentar-se, olhando com indiferença para a frente Os outros continuaram como estavam. Ele ficou meio sem graça, atirou o toco do cigarro fora, chamou um segurança para recomendar-lhe que mandasse alguém pingar colírio nos olhos de Winston e chegou à conclusão de que não mais precisaria ir ao banheiro, não se anunciava a temida repetição. Resolveu mais uma vez que na próxima semana tomaria coragem e marcaria a operação, o problema já estava ficando muito desagradável, até viagem longa de avião era um suplício, enquanto ele se agüentava, para só ir ao banheiro no hotel. O segurança foi chamar o carro, que estacionou ao lado dele alguns segundos depois. Para dar exemplo, usava seu próprio carro, com um motorista do Estado, cujo salário complementava com uma gratificação. Se um Secretário tinha condições de usar seu próprio carro, no caso um de seus cinco, não havia por que utilizar e desgastar um bem do Estado — esta era apenas mais uma faceta de sua conduta, avessa às mordomias às custas do contribuinte. Entrou atrás, resmungou um bom dia ao motorista e, como de hábito, achou o carro pouco espaçoso, uma caixa de fósforos acanhada e mal-amanhada, porcaria nacional, não há um que preste. Sim, mas não podia ter o Volvo com que sonhava e que o fazia mergulhar em devaneios diante dos anúncios nas revistas estrangeiras, não podia ter nenhum daqueles carros deslumbrantes, seria chamar muito a atenção, se bem que pudesse provar, com quilos de provas, a legitimidade de tudo o que estava em seu nome. Mas já bastavam os comentários que ele sabia existirem, como aliás existem a respeito de todo homem público brasileiro, é a nossa baixa educação política. Pode não parecer um grande sacrifício, mas é, é m#is um grande sacrifício, entre muitos, muitos outros. Sim, pode não parecer, mas quem gosta de carros entende, pensou, dizendo ao motorista que primeiro passasse na casa do cônsul americano, que era seu convidado e iria com eles para a ilha.

Às cinco horas da tarde, depois de passar a manhã com as turmas de ginástica, nadar na piscina, almoçar sozinha e dormir um pouco, Ana Clara resolveu que ia fumar um enormíssimo baseado na companhia de Bebel, para depois comunicar a ela que finalmente tomara a decisão de arranjar um namorado, talvez dois, talvez até três. Bem o número não vinha ao caso, em rigor não decidira arranjar um namorado, decidira namorar, genericamente. Namorar, namorar, namorar, pensou, quase rodopiando como as heroínas de musicais americanos em momentos de êxtase. Parou diante do gavetão onde, no fundo, por trás de um tumulto de panos e bolsas, guardava a latinha da maconha e deu uma risada extravagante, uma espécie de hó-hó-hó debochado, que surpreendeu a ela mesma. Gostou da risada e repetiu-a diante do espelho, lançando a cabeça para trás e se achando muito bonita. Namorar! Sistematicamente. Rotineiramente. Nova filosofia de vida, Ana Clara em nova fase. Chega de bobagem, como. aliás, tinha proclamado a própria Bebel, no dia do jogo de biriba em que, sem levantar os olhos das cartas, disse "pensar, não, eu já dei", quando perguntaram se alguma das quatro ali já pensara em dar para outro homem depois de casada. Marcinha, que nunca perdeu nem os erres mineiros nem o costume de ficar vermelhíssima e dar gargalhadinhas tiritantes toda vez que alguma coisa lhe causa nervosismo, deixou cair as cartas em cima da mesa e teve de abandonar a cadeira quase sufocada, até conseguir beber meio copo d'água e a crise de riso e tosse passar.

— E dou — acrescentou Bebel, desta vez levantando os olhos. — O que é que a outra tem, fez uma canastra real?

Juntou-se ao riso geral e acompanhou Ana Clara na tarefa de dar tapinhas nas costas de Marcinha.

— Não fale mais nada ainda, Bebel — disse Marcinha,

tossindo e enxugando os olhos. — Deixa eu me recuperar.

Mas Bebel falou logo, mesmo porque ninguém se interessou mais por outra coisa que não ouvir o que ela, com o jogo abandonado e esquecido e depois de pedir martínis secos para todas menos Marcinha, contou com um sorrisinho meio torto, iniciando por explicar que, quando falara "e dou", não tinha querido dizer que no momento estava dando, porque, honestamente, não estava tendo nada com ninguém fora de casa. Expressara apenas uma atitude geral, uma postura diante da vida, uma posição filosófica — com seu lado lúdico, claro, mas o lado lúdico fazia parte dessa filosofia. Porque, no momento, com toda a sinceridade, não havia ninguém mesmo e homem não é tão fácil assim de achar quanto se pensa.



— E também, se houvesse, eu não diria o nome dele, porque tomei chá em pequena e acho deselegante ficar comentando os homens que eu como — disse com solenidade caricata, e Marcinha teve outra crise de riso, embora menos forte desta vez.

Enquanto se estabelecia uma quietude absoluta na grande varanda envidraçada e apinhada de plantas como um jardim de inverno, Bebel, buscando às vezes uma frase de efeito ou outra e talvez gesticulando exageradamente, expôs sua posição filosófica. Ela não era uma galinha de jeito nenhum, julgava-se até uma mulher sóbria e comedida, que absolutamente odiava, mas odiava mesmo, a idéia de sair por aí, indo para a cama com tudo quanto é homem. Apenas não se considerava morta por ser casada, sabia que o homem dela também não se considerava morto e então às vezes se permitia uma experiência. Ajuizadamente, com equilíbrio e — por que não dizer? — educação, educação, sim senhora, educação é muito mais importante, em tudo, do que se imagina, grossura e insensibilidade são um horror. Ela era adulta, sensata, educada, tinha senso de conveniência, não era maluca para expor o marido, tendo casos com homens de segunda e fazendo bobagens. Agora, também não podia perder essa coisa lúdica, essa coisa na realidade inocente, a que a gente empresta tanta carga ruim, tanto baixo astral, essa coisa linda que é o namoro, a alegria de uma transadinha nova sem culpa. De forma que, quando a oportunidade aparecia e ninguém ia ficar prejudicado, mas ninguém mesmo, ah, aí com certeza! Claro que Nando sabia de tudo, claro que sabia, ela já mantinha um caso com Nando bem antes de se separar de Tavinho. Nando conhece o que ela pensa e, ao contrário do que poderia parecer, o casamento deles, o amor deles, melhor dizendo, se fortalece com isso, é um casamento sólido, sem repressões, em que não se tem de esconder nada e se pode falar tudo. Ela só não contava a ele, naturalmente, os detalhes, nem queria saber dos detalhes dele, porque achava isso uma coisa sórdida, coisa de degenerado, pior do que isso só um desses tarados abjetos que pagam para ver a mulher transando com outro, é necessário manter o respeito e a educação em qualquer relacionamento de amor—e ela adorava Nando, não podia suportar a idéia de ficar sem ele, não gostava nem de cogitar dessa hipótese. Só não acreditava nessa coisa de dar exclusivamente para cornear, como uma espécie de vingança, isso nunca, isso tira o caráter lúdico da coisa, injeta um baixo astral na coisa toda, acaba revertendo para a pessoa na forma de energia negativa. Quando suspeitava que um cara, podia ser até um galã italiano saidinho do banho de toalha enrolada, estava a fim dela porque a dele era cornear Nando, esqueça, não havia força que a fizesse topar. Tavinho mesmo, Tavinho mesmo! Tinha coisa melhor, para ambos os interessados, do que um encontro amoroso com o ex-respectivo, depois de algum tempo de separação, quando não há mais briga nem ressentimento, assim numa transação lúdica e carinhosa? Todo mundo concordava que não tinha, perguntassem a qualquer um. Ela havia até pensado nisso em relação a Tavinho, Tavinho não era má pessoa, muito pelo contrário, era divertido e agradável, só não servia para casar. E as coisas já iam até meio encaminhadas, quando, na festa em que eles se encontraram durante uma viagem de Nando, de onde talvez conseguissem dar uma escapulida sem muitos problemas, ela sacou — sabe essas sacadas que pintam de repente, você não sabe por que, mas você tem certeza? — que Tavinho estava era querendo aplicar o contra-corno em Nando, a motivação dele era essa. Ah, esfriou na hora, mas na hora! Não só isso era desmerecedor para ela, que afinal estaria servindo de mero instrumento para a auto-afirmação de um cabeça-de-vento que, como homem, como caráter, como tudo, não chega nem no chulé de Nando, como também uma coisa dessas ela não permitia que ninguém fizesse com o marido dela, ferir a honra e a dignidade dele, não, isso nunca.

— Mas eu acho meio frescura de vocês fingirem que não sabiam — concluiu, depois de falar uns vinte minutos sem que ninguém a interrompesse. — Eu tenho certeza de que isso se comenta a boca pequena, ou até a boca grande mesmo, inclusive porque eu nunca escondi. Não ando assim alardeando aos quatro ventos, mas também não procuro esconder, eu odeio hipocrisia.

— Eu pensei que era no tempo do Tavinho. No tempo do Tavinho, tudo bem, com aquelas festas na fazenda que levavam uma semana e aquele povo todo lá e os artistas de televisão e aqueles gringos doidos...

— Bem, no tempo de Tavinho não tinha opção, era praticamente obrigatório, não é? Cheirando daquele jeito, Tavinho...

- O Tavinho tem cecê? Cheirando daquele jeito, como, hálito de bebida?

— Marcinha, tem de haver um limite para esse seu abestalhamento! Hálito de bebida?

— Ué, a Bebel falou...

— — Cocaína, cocaína, Marcinha, cocaína! Cocaína você já ouviu falar, não já? E alguém desconhece que Tavinho vive cheirando pó o tempo todo e não sei por que milagre ainda tem nariz? Você mesma não se lembra daquele dia em que ele chegou doidão em sua casa e queria esticar umas fileiras para você e Afrísio e você correu para se trancar no quarto, transida de pavor, e Afrísio quase sai na porrada com ele?

Ah, e me trancaria de novo, não suporto essas coisas, não sei como vocês encaram essas coisas com tanta naturalidade, não gosto nem de me lembrar daquele dia.

— Tudo bem, Marcinha, mas não tem cocaína nenhuma aqui, ninguém aqui está cheirando nem lança-perfume, deixe Bebel responder à pergunta, você mesma foi quem perguntou sobre o tempo de Tavinho. Bebel, você ia dizendo que, no tempo de Tavinho, não tinha opção.

— Não tinha, precisava ser uma múmia para não entrar naquela. Todo mundo completamente louco, inclusive ele, aquela cafungação desenfreada, acabava pintando alguma coisa, era inevitável. Até mesmo porque ele estimulava. Ele mesmo, quando cheira muito, broxa, não é segredo, ele vive anunciando isso, e é verdade. Fica completamente broxa, com aquele negocinho penduradinho, igual a um amendoim cozido, daqueles murchinhos, de fundo de tigela. Mas na cabeça, minha filha, é uma ligação só, ele só pensa e fala em sacanagem. É botar uma fileira no juízo e ele vai comer todo mundo, a mulher dele vai comer todo mundo, todo mundo vai comer todo mundo, até as mulheres da família ele fala em comer.

Você já viu ele atacado algumas vezes, Aninha, você sabe como ele fica.

É, mas ele também fica engraçado, falador, espirituoso.

— Para você, porque ele, mesmo cheirado, nunca teve coragem de cantar você, não só porque você não cheira e aí não facilita, como porque ele tem medo de Ângelo Marcos, mas vá por mim, que já vi ele aprontar milhares de vezes, ele não é fácil.

— E ele dava força para você...

— Dava força? Ele praticamente me jogava! E eu, naquela época, ainda muito boba, apaixonada por ele, achando pó a maior maravilha do mundo, acabava entrando nessa, entrei mesmo. Até que, é claro, encheu o saco e eu descobri que não dou mesmo para esse tipo de vida, não é a minha.

— E ele nunca se chateou com isso, não?

— Na rebordosa, até a fileira seguinte. Quando ele amanhecia viradão e de ressaca, e decidia comer, beber leite e tomar vitaminas e sais minerais durante vários dias, para se recuperar da pauleira, geralmente ficava todo macambúzio,

Talava pouco, não queria conversar sobre a noite anterior e se trancava horas no estúdio. Cansou de dizer que ia dar um grande refresco, passar um semestre sem cheirar e coisas assim. Mas você sabe como é que ele pega o pó dele, não sabe?

Geralmente, é de graça. Pode pó de graça, já imaginou, mesmo ele sendo rico? Quer dizer, o cara que arranja o pó para ele vive tomando dinheiro emprestado e nunca paga, essas coisas, mas basicamente sai de graça. Direto da polícia, da melhor qualidade, como o da polícia sempre é. Quem descola é esse cara, um primo dele que foi criado junto com ele e não deu para nada e foi ser polícia e também cheira em escala industrial, sempre esqueço o nome dele. Alcíades, veja que nome. Pois Alcíades não falha nunca e aí, com aquele pó todo em casa, dava dez horas da noite e Tavinho, depois de devorar ovos quentes como um gambá o dia todo — era a única coisa que ele conseguia comer nessas horas, além de beber o leite de umas quarenta vacas — e dizer que estava se sentindo bem alimentado, resolvia dar um realce. Somente um realce, sabe como é, um realcezinho. Realce esse, já viu, não é? Quando ele levantava a cabeça da bandejinha térmica, com os olhos faiscando e aquele biquinho e dava aquela fungadinha esfregando a aba do nariz, você podia enroscar uma lâmpada de 200 velas na boca dele, que acendia no ato. Aí, pronto, aí ficava tudo normal de novo, tudo natural, todo mundo voltava a dever comer todo mundo etc. etc. etc, a mesma transação de sempre.

— E agora, com Nando, é diferente.

— Completamente! Não tem nada a ver, e inclusive Nando e eu nem cheiramos mais, só assim socialmente, uma vez na vida e outra na morte, quando algum amigo apresenta, mas, assim mesmo, nem sempre. Não, nada disso, agora é uma coisa sadia, honesta, aberta, uma coisa normal, não tem nada daquela maluquice destrambelhada. É como eu disse antes, é uma filosofia de vida sólida, tranqüila, séria.

Nos meses posteriores a essa conversa, que Ana Clara passou a considerar histórica, Bebel e ela se aproximaram ainda mais e agora não havia dúvida de que eram as melhores amigas uma da outra. Com absoluta certeza, nenhuma dúvida. Verdadeiro presente do céu, a volta de Nando à Bahia, depois de tanto tempo no Rio. Inteligente, corajosa, solidária e com um senso de humor sempre afiadíssimo, sempre, como ela mesma dizia, num astral altérrimo, Bebel tinha literalmente subvertido a vida de Ana Clara, tinha feito uma completa revolução, a realidade era essa. Sou outra mulher, pensou Ana Clara, abrindo o gavetão e tendo alguma dificuldade em achar a latinha, que finalmente encontrou, entrouxada num lenço de cabeça velho. Papéis de cigarro americanos extra large, daqueles ótimos, que têm um aramezinho embutido para a pessoa poder queimar a beata até o finzinho, fumo de primeiríssima qualidade conseguido pela própria Bebel, que parecia conhecer todos os transeiros e maconheiros do planeta e tinha peito para sair de carro, como já saíra, altas horas da noite, para comprar dois baseados na mão dos transeiros das barracas de frutas do Mercado Modelo, bem nas barbas da Polícia Federal, juntinho do prédio dela. Tudo em cima, tudo perfeito, e Ana Clara, com a latinha no bolsão da saia, desceu para a sala onde assistiriam a um filme em videocassete que Ângelo Marcos tinha trazido de Miami.

Mas não chegaram a prestar muita atenção ao filme, não só porque era a terceira vez que o viam, como porque Ana Clara não ficou impaciente antes mesmo de terem terminado de fumar o baseado e, com a cabeça zonza e um sorriso maroto, disse a Bebel que tinha uma coisa muito importante, importantíssima, para falar, uma coisa que só podia ser conversada com uma uma amiga assim como ela. Bebel deslizou para a ponta da poltrona e virou-se com os olhos arregalados.

— É o seguinte, Bebel — disse Ana Clara, apertando um botão do controle remoto para desligar o aparelho. — Eu resolvi arranjar um namorado, talvez dois ou três, resolvi que de agora em diante vou namorar. Sistematicamente. Como filosofia de vida. Ana Clara em nova fase.

Bebel jogou-se para trás na poltrona e agitou as pernas no ar. O quê? Que viam seus olhos, que ouviam seus ouvidos? Quase não dava para acreditar! Verdade mesmo? Claro que era verdade, e Ana Clara contou em pormenores como havia pensado semanas e semanas e como aquela conversa com Bebel e as outras que se seguiram foram importantes, especialmente porque ela aprendera a raciocinar com objetividade, a ver as coisas de maneira racional, tal qual Bebel. E só havia uma resposta para a pergunta que ela não conseguia evitar repetir todo o tempo: a troco de que era fiel? Amor? Não, porque realmente não sentia mais amor por Ângelo Marcos, (que na verdade não fazia muita falta na casa, onde, exceto para dormir, raramente estava. A troco de segurança? Não, porque ele não se separaria nunca, ele mesmo dizia que ela fazia parte de seu patrimônio político e, além disso, tinha um medo terrível da idéia de ser obrigado a abdicar de qualquer de seus bens e muito menos do seu dinheiro, mesmo que apenas uma parte ínfima dele. Nem ela tampouco queria separar-se, era uma burrice, uma ação destituída de racionalidade, e doravante — atenção! — ela era a rainha da racionalidade, fora da racionalidade não havia salvação. A separação só ia causar problemas e uma chateação interminável, até porque ela também não tinha saco para ficar brigando por pensões, casas de praia, apartamentos, porcentagens, não sei o quê.

Então permanecia Hei para proteger alguém, pelo menos? Não, porque não tinha filhos, não tinha nada nem ninguém a perder. A troco de reciprocidade? Evidentíssimo que não, porque até já flagrara Ângelo Marcos com a mão embaixo da saia de uma tal Telminha, que trabalhava no gabinete dele, e sabia perfeitamente que ele era metido a rei das mulheres e vivia dizendo vulgaridades sobre como toda mulher merecia pelo menos uma trepada, ou que o lema dele era "se me deres, eu como" e assim por diante. E não dava para contar nos dedos as vezes em que fora visível que ele tinha estado com outra mulher antes de voltar para casa, não existia um indício clássico que ela já não houvesse surpreendido pelo menos uma vez, desde perfumes escandalosos na camisa a lábios rodeados por um contorno arroxeado, ressaltado em sua pele muito branca. Até uma cueca suja de batom na frente ela tinha pilhado, e não falara absolutamente nada. Então a resposta era óbvia: ela era fiel a troco de nada. A troco de nada, não, a troco de viver entediada, de nunca ter experimentado a mínima de suas fantasias, de estar vendo a juventude passar depressa sem que ninguém mais a cortejasse, a elogiasse, a valorizasse como mulher, como fêmea, como gostosa, que ela sempre se achou e nunca mais ouvira de ninguém, nem dele mesmo. A quem estava prejudicando? A ela própria e a ele também, de certa maneira. Assim, havia adaptado a filosofia de Bebel à sua própria situação. Com uma diferença básica: embora, da mesma forma que Bebel, não quisesse prejudicar qualquer pessoa, nem expor o marido, não lhe passava pela cabeça vir a contar a Ângelo Marcos nada daquilo. Se ele viesse a saber por outra pessoa, coisa que ela preferia que não acontecesse, mas podia acontecer, azar, ela negaria de pés juntos. Mas falar com ele, não, nunca, a situação dela era muito diferente da de Bebel.

Decerto que era diferente, e Bebel, sem poder parar quieta de tanta excitação, afirmou que se tratava de uma atitude muito sadia, uma atitude de sobrevivência mesmo — ia ser a maior terapia, com certeza! Do contrário, Ana Clara continuaria entalada com suas frustrações e ia acabar murchando e ficando uma chata doente e insuportável, esse tipo de repressão faz um mal horrível! Que decisão fantástica, que reviravolta existencial!

— E como se eu tivesse aberto uma vida nova para mim, um caminho novo, você entende? — disse Ana Clara com os olhos luminosos, e Bebel respondeu que entendia, sim, claro que entendia.

Primeiro pensaram em fazer um brinde com vinho branco. Ângelo Marcos tinha comprado, de um iatista que fundeou na ilha com toneladas de muamba, umas dez caixas de vinho alemão, desses vinhos gloriosos do Reno com o nome do comprimento de um trem, ali mesmo devia haver várias garrafas, na geladeirinha do bar. Naturalmente que Bebel topava, podiam deixar de brindar? E, além disso, o melhor barato de todos os baratos que ela já experimentara era maconha seguida de um vinhozinho superior, mas Ana Clara de repente resolveu que não, que vinho alemão que nada, ia abrir uma garrafa de champanhe, isso sim — o que providenciaram com grande algazarra, enquanto Bebel começava uma dissertação hilariante sobre homens e amantes, que terminou fazendo Ana Clara rir até despencar do sofá e praticamente rolar no chão, entornando champanhe na cabeça.

Bem mais tarde, já sozinha no salão do segundo andar, ela tentou andar até a sacada, mas se sentiu tonta, tropeçou na mobília duas vezes e preferiu sentar-se de frente para o mar, no grande diva de couro branco, embora o mar somente se ouvisse e não se visse, por trás de uma escuridão sem fim. Quis lembrar-se da conversa e dos conselhos de Bebel, mas não conseguiu e notou então que estava com o rosto contraído. Por que, se o que devia estar fazendo era rir? Relaxou os músculos do rosto, sorriu. Ana Clara em nova fase. Mas nenhum pensamento parecia ter fio, amontoando-se um sem-número deles em desordem, como num caleidoscópio que não parasse de girar. Homens, quartos, camas, beijos, enlaçamentos, sensações, lembranças de orgasmos. De olhos fechados e por um momento brevíssimo, foi possuída longamente por um homem indefinido e se sentiu numa plenitude insuportável, que a fez abrir os olhos ansiosa e respirando forte. Estou grávida, pensou, mas não riu como achara que riria. Pelo contrário, apertou as mãos com força no regaço e suspirou um pouco trêmula, enquanto via com espanto que a idéia de ficar grávida, que antes lhe chegara a sugerir até uma certa repugnância, agora tomava seu corpo todo e lhe trazia um fervor esquisito e desconhecido, em que, apesar de ter medo, queria mergulhar cada vez mais.

Levou um tempo muito grande derreada no divã, sem saber direito em que estava pensando, ou mesmo se estava pensando, até que a escuridão lá fora começou a parecer que latejava como um bicho, e ela, com um pulo repentino e sem olhar para trás, desceu a escada em direção à cozinha, acendendo todas as luzes no caminho. Tão faminta que tinha cãibras no estômago, abriu a geladeira e passou mais de meia hora comendo sem conseguir parar, até que ficou com sono, despencou na cama sem trocar de roupa, dormiu no mesmo instante e teve pesadelos a noite toda.


Sentados com as cabeças baixas, os três tripulantes do batelão tainheiro, todos de chapéu e sem camisa, acabaram de marcar o peixe e principiaram a manobrar para botar a rede, desdobrando-a num círculo preciso e gracioso, fechado pela própria embarcação. Firme como se estivesse em terra e não sobre uma peça de madeira bamboleante, um dos homens, tão logo o círculo foi completado, levantou-se e começou a bater com um mourão na água, para que os peixes assustados se engrazassem nas malhas e não pudessem escapar saltando por cima das bóias, como alguns poucos tinham conseguido.

— Admirável — disse Dr. Lúcio Nemésio, que havia parado perto da fortaleza, na companhia de João Pedroso, para assistir à pescaria. — Um espetáculo realmente admirável. — É mesmo. Principalmente assim, quase de noitinha, com esses reflexos vermelhos e dourados na água, é uma visão muito bonita, parece um quadro impressionista. E eles deram sorte hoje. Cada vez se acha menos peixe por aqui, cada vez menos. Outro dia, eu resolvi andar aí mesmo pela coroa e a água estava muito amarelada e com uma temperatura altíssima, como nunca senti antes por aqui. Aliás, eu pensei até em medir a temperatura, mas passei na praça para beber alguma coisa e me esqueci.

Lúcio Nemésio pareceu não ter escutado e continuou de olhos fixos na pescaria. "Admirável", repetiu, e se voltou repentinamente para João Pedroso, sacudindo no ar um classificador de papelão.

— Daqui a pouco eu lhe conto esta — disse, falando mais alto do que anteriormente. — Esta é fantástica. Mas antes deixe-me dizer-lhe que eu não estava admirando a cena sob o ponto de vista estético, nem me admirando por eles estarem conseguindo pegar peixe. Quando eu disse "admirável", eslava pensando numa coisa completamente diferente, estava pensando em como são resistentes esses sujeitos. Verdadeiros zoológicos ambulantes, todos eles, todo tipo de nematóide, platelminto, protozoário, esses bichos que você conhece muito melhor do que eu, o que você lembrar tem aqui. Você diz xistossomose? Não precisa ser nenhum Hipócrates, que ensinava a conhecer pela cara o sujeito que está com um pé na cova, para olhar para eles e ver que estão com os fígados e os baços do tamanho de melancias. Você diz filariose? Eu dobro e vou ao repique com tripanossomíase, ascaridíase, amebíase e mais todo tipo de infestação por insetos sortidos, de piolho a bicho-do-pé. Aliás, você talvez dissesse que o menos ruim seria o bicho-do-pé, que dá aquela coceirinha gostosa e o sujeito tira com a ponta de um alfinete. Pois eu lhe conto: nós amputamos um pé — um pé, não, uma perna — por causa de bicho-do-pé, não estou mentindo a você, era uma mocinha da contracosta com um quadro infeccioso e parasitológico que dava para fazer um congresso da Organização Mundial de Saúde somente em torno dela. E ainda por cima diabética, como muita gente aqui, talvez por alguma razão genética, reforçada por essa endogamia meio incestuosa que a gente vê muito aqui pelo Recôncavo. O pé dela nem parecia mais um pé, não sei o que era que parecia, parecia uma jaca ulcerada. Claro que o problema é saneamento básico, educação sanitária etc, etc, todo mundo já conhece a ladainha, mas enquanto isso não se pode deixar de tratar esses infelizes e fazer alguma coisa para melhorar a situação deles. Por isso que no meu discurso eu martelei tanto esse ponto da parasitologia. Eu não estudei administração hospitalar, mas não me conformo com esse negócio de, em nossas condições, o setor de parasitologia, além de desaparelhado, ficar sob a supervisão de um hema-ologistazinho de terceira e entregue a dois mexedores de cocô recém-formados, cuja única experiência no assunto foi quebrar fecalomas, quando estagiavam no Pronto-Socorro. Mas, além do discurso, eu ainda falei em particular com Ângelo Marcos, que foi meu aluno e me respeita muito. Eu sei que politicamente ele não vale nada, até moralmente, mas o que me interessa é meu hospital e nessa luta eu vou até o fim. E também falei com os repórteres. Espero que alguma coisa saia publicada, fui o mais enfático que pude, porque isto realmente é um escândalo.

— Lúcio, nunca lhe perguntaram por que um homem na sua situação, com uma carreira ilustre e consolidada, bem estabelecido e sem problemas, podendo passar o resto da vida na flauta, se mete aqui na ilha, socado naquele hospital? Eu conheço você e imagino que sei a razão, mas nunca lhe perguntam isso, não?

— Perguntam, sim, e eu já tenho a resposta pronta. Não é para ir para o céu, porque não acredito em Deus, como você, que eu desconfio que quer ser santo. Aliás, eu também teria a mesma pergunta para você. Como é que um homem como você, cora sua formação científica, um biólogo que podia estar hoje fazendo o que quisesse e só não faz porque é maluco e prefere vender peixe...

— Eu não sou biólogo, biólogos são esses caras que fazem biologia molecular e uma porção de outras coisas de eu não entendo nada, eu virei no máximo um naturalista, como se dizia antigamente. Mas deixe isso para lá, depois a gente laia sobre isso, diga qual é a resposta que você dá.

— A resposta que eu dou é "eu quis ser médico", simplesmente. Médico na expressão mais ampla da palavra, livre para fazer o que gosto e como gosto, para tratar de gente que precisa de tratamento. Eu me sinto bem, quando consigo que alguém fique bom de alguma doença, me sinto muito bem.

Sou muito ligado a este povo humilde do Recôncavo, inclusive porque eu também não nasci propriamente em berço de ouro, fui pobre também, embora não tanto quanto eles. Então eu quis ser médico, médico como sempre desejei. Esse hospital me realiza e me preenche e sou obrigado a confessar que passei a gostar muito de americano e alemão, pela ajuda que eles deram e continuam dando, porque, se não fosse isso, já estaria tudo caindo aos pedaços, como sempre acontece.

— Que é que os gringos fazem aí? Eles têm uma espécie de prédio separado, não têm?

— Não, só um anexo da ala ginecológica e obstétrica, uns dois laboratórios e alguns escritórios. Grande parte do trabalho deles não é nem propriamente médica, é sócio-econômica, eles levantam dados sobre natalidade, estrutura familiar, relações de trabalho, esse tipo de coisa, não sei precisar bem. E também tem o pessoal que trabalha com fertilidade, concepção etc. E os internos e os visitantes, que trabalham conosco no hospital. Todos meus aliados, nessa luta da parasitologia, essa nós vamos ganhar. E, falando em parasitologia, quero lhe mostrar esta novidade daqui, que, com essa conversa toda, eu quase acabo esquecendo. Se prepare para um susto. Pode até não ser realmente novidade para você, mas duvido que já tenha visto algum caso, é o tipo de coisa que a gente pensa que só existe na literatura científica, na realidade a gente pensa que não existe. Que caso! Você sabe o que é um cisto hidático?

— Hem? Sim, deve ter qualquer coisa a ver com ovos de cestóides, não é, não? Eu fui bom de verme, na Faculdade.

— Bom de verme, não, bom de tudo, que eu sei. Eu até hoje não enten... Deixa pra lá. Bem, eu mesmo nunca tinha ouvido falar nisso até menos de um ano atrás, deu um trabalho do Cão para levantar tudo. Você matou em cima, só que não é de ovos, é de larvas.

— Sim, de larvas, claro. Um saquinho redondo, uma bolinha.

— Bolinha não, meu compadre, verdadeiras bolas de pingue-pongue. Já tiramos de fígado e de pulmão. No segundo caso, o sujeito tinha três no pulmão direito, duas bolas de gude e uma de pingue-pongue.

— Mas está havendo infestação generalizada por aqui?

Nunca ouvi falar...

— Bem, não sei o que você chama de generalizado, mas três casos em menos de um ano, e de um negócio de que nunca se tinha ouvido falar aqui... Para não mencionar que o sujeito pode ter um cisto desses e não sentir nada, pelo menos durante muito tempo.

— Que tipo de tênia é? Elas têm uns ciclos peculiares, umas especialidades. Você já conhece bem os vetores?

— Eu sei tudo, levantei tudo. O nome da doença é equinococose. Eu sei que não é coisa para rir, mas tive uma espécie de crise de riso histérico que quase me arrebenta o diafragma, na hora em que li o nome, dá a impressão de que o sujeito contraiu a doença de tanto comer cocô de cavalo.

— Echinococcus, claro, disso eu me lembro. Echinococus o quê?

— Não me lembro, multi-não-sei-o-quê, um negócio com "multi".

— Não me lembro. Mas não tem nada a ver com cavalo, claro. Claro que você sabe, o prefixo é o mesmo que em "equinodermo", quer dizer...

— Aí você não pode me ensinar nada, meu doutor, por que eu tomei um verdadeiro curso com o Tosta Filho, que entende mais de lombriga que o Papa de missa, e já sei tudo, ele me passou até duas monografias. Hospedeiro intermediário: ruminantes, principalmente carneiros, que aqui quase não há. E gente, claro, como nesses três casos. Hospedeiro definitivo: cachorro, que aqui tem demais, embora eu não tenha notícia de nenhum cachorro gaúcho nas redondezas, porque o Tosta me disse que esse negócio dá mesmo é lá pelo sul, e de fato uma das monografias é de um professor de Porto Alegre e a outra de um uruguaio. Tudo, naturalmente, como sempre nesses casos, envolvendo merda, porque o parasito adulto vive nos intestinos de cachorros — e de merda aqui a abundância tambem é grande. Mas nenhum dos três pacientes tem cachorro e muito menos carneiro, se bem que o terceiro, que é um meninote, goste de brincar com cachorro, mas com qualquer cachorro da rua. Quer dizer, tem um trabalho de detetive aí, e quem é minha Scotland Yard? Eu tenho algum sanitarista docente, que saiba montar um projeto de pesquisa modesto, porém correto? Não, tenho os dois rola-bostas e o hematologistazinho, que ficam com aquelas caras de mula, limitam-se a me corrigir professoralmente quando eu chamo tênia de lombriga e acabam não resolvendo nada. Claro que não se trata, nem acho que vai se tratar, de um grande problema de saúde pública, mas para mim tem uma espécie de significado simbólico, um grande significado simbólico.

— Os cistos? A equinococose? Não entendi.

— Você vai entender. Isto aqui...

— E uma radiografia mostrando um cisto?

— Não, olhe aqui, é o laudo e o gráfico de um encefalograma, um eletro. Você não entende nada de encefalograma, entende? Nem eu, mas sei o bê-á-bá, pelo menos o bê-á-bá o cirurgião tem de saber. Eletro não dá para você ter certeza de nada, nesse caso. Mas o menino da encefalografia, um sergipaninho amarelinho que estuda como um celerado, é muito bom e tem umas idéias, me explicou tudo, não tenho dúvida.

Estas ondas aqui, olhe aqui, estas mais gordinhas aqui, que dão essa achatadazinha aqui, configuram o que eles chamam de ritmo delta. No duro que é tumor dentro da massa encefálica, certamente inoperável. Se fosse traumatismo no tronco encefálico, como se chegou a cogitar, porque ele começou a se queixar de dor de cabeça depois de uma queda, a onda provavelmente seria outra, seria larguinha também, mas menorzinha, ritmo teta. Aqui é tumor, não há dúvida, o sergipaninho aposta a peixeira dele como é, e eu aposto qualquer coisa, porque claro que não estou fiado somente no eletro. Logo no primeiro dia de internamento, o menino já era um catálogo clássico de sintomas, desde a dor de cabeça a vômitos e manifestações neurológicas — discretas, mas claríssimas. Bem, até aí nada de mais, de vez em quando aparece alguém com um tumor no cérebro, faz parte da vida. Mas você quer que eu lhe diga o que é que eu acho que esse tumor? É isso mesmo que você está pensando, tenho praticamente certeza de que é um cisto hidático, até porque ele está com um no pulmão também. Tive um palpite, mandei radiografar ele todo, lá estava a bolinha branca, pulmão esquerdo, lóbulo basal, visibilíssima. Tanto assim que já telefonei para o Tosta, que está muito interessado no caso e só não veio aqui porque nunca tem tempo, e consegui internar o menino nas Clínicas, assistido pelo Tosta e mais neurologistas, neurocirurgiões, tomografistas, serra-ossos e aquela raça toda da Universidade, eles vão gostar, é o que se pode chamar de um belo caso. O menino vai morrer, claro, mesmo que aqueles tarados serrem fora a metade dos parietais dele, para aliviar a pressão na dura-máter. É aqui que entra o aspecto simbólico, o aspecto simbólico de que lhe falei.

— É, você vai ter de me explicar, porque não vejo aspecto simbólico nenhum.

— É o seguinte, meu caro Dr. João Pedroso — disse Lúcio Nemésio, ajeitando o chapéu na cabeça e se preparando para tomar o rumo de casa. — Como médico e brasileiro, fico envergonhado por saber que agora no Brasil também se morre de lombriga no miolo. Existe algo de simbólico nisto, não existe? Eu suspeito que existe, inclusive porque verme é geralmente associado com merda.

Riu num timbre um pouco desagradável, as grandes bochechas pendidas parecendo ainda mais desmoronadas que habitualmente. Vamos nos ver de noite, disse a João Pedroso com um gesto vago e, carregando o classificador entre as mãos cruzadas às costas, tomou o Largo da Glória e desapareceu devagar, pela rua dos Patos abaixo. João Pedroso sentiu admiração pelo velho, mais uma vez. Espírito público, espírito de luta, competência, desprendimento, coragem. Só tenho o espírito público e olhe lá, pensou, lembrando com relutância e vergonha que, durante a entrevista dada aos jornalistas pelo velho, tivera a oportunidade de conversar com eles sobre a destruição da ilha e sobre outras coisas que vivia sempre pensando em denunciar e combater, mas não conseguira dizer nada, ficara como um imbecilóide, engasgado e encolhido num canto da sala. Respirou fundo, alisando a nuca com força, como se na verdade quisesse esmagá-la. Sim, não tinha desculpa, ia mudar de atitude, ia fazer alguma coisa, claro que ia, havia muito a seu alcance. Sentiu uma ansiedade repentina ao pensar nisto, quase uma náusea, e caminhou depressa para a praça, porque precisava muito beber alguma coisa.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   12


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal