O verdadeiro espírito do de natal



Baixar 34.36 Kb.
Encontro06.04.2018
Tamanho34.36 Kb.


I - O VERDADEIRO ESPÍRITO DO DE NATAL

Pe. Rafael Magul

Natal, festa da luz! Luz que veio ao mundo iluminar os que andavam nas trevas, porque um Menino nos nasceu, um Salvador, que é o Cristo Senhor (cf. Lc 2,11).
É uma festa do Amor de Deus colocado no coração de um Menino, mas que se abrirá em curas e bênçãos.
Amor que será provado na Cruz, para ser transformado no Fogo do Espírito que será derramado em cada homem que aceitar o Amor do Filho.
Estamos todos convidados para esta festa.
Não através de coisas ou atitudes banais, mas atirando-nos á vida, pelo amor. Que a Hóstia que recebemos seja Deus que está conosco.
De nossas mãos ela passe ao coração e ali saibamos cantar-lhe as doces canções do nosso ser.
Deixemos que sua luz inunde esse nosso pobre ser até que resplandeça sua presença e sua Luz libere em nós a Verdade e o Espírito para proclamá-lo ao mundo.
Ajamos de maneira que de nossa parte ninguém esteja triste, longe de Deus e façamos do Natal a festa dos irmãos no Senhor.

II - PREPARAÇÃO: TEMPO DO ADVENTO
1. Significado – Ir. Raquel

Advento é o tempo que a Igreja destina à preparação do Natal (quatro semanas) e que começa nos últimos dias de novembro, com o Primeiro Domingo do Advento.

Advento quer dizer chegada ou vinda. São Bernardo de Claraval fala das 3 vindas de Nosso Senhor.

1. Como o Servo humilde na manjedoura – início do tempo da Igreja

2. Como Senhor do tempo e da História em plena glória, nos fim dos tempos – fim do tempo da Igreja.

3. Vinda no dia-a-dia, nos sacramentos, na vida matrimonial, vida religiosa, vida jovem, vida infantil...vem presente no próximo.

É a atitude de vigília. A atitude de esperar para melhor receber Aquele que deve chegar. Vigiar crendo. Tempo de espera. Um tempo mágico onde somos acalentados pela esperança. Como ter a virtude da esperança?

1. desesperar do homem e de nós mesmos - desesperar do mundo perfeito. Não poderemos mudar a caducidade do mundo. Se esperarmos em nós ou no mundo nos encheremos de terror e desespero.

2. precisamos crer na bondade e amor de Deus que vem a nós, olhar para a manjedoura e para a cruz e crer: Ele me amou e se entregou por mim.

É o preparar da festa na renovação da mentalidade e do coração.

Esse Tempo possui duas características: As duas últimas semanas, dos dias 17 a 24 de dezembro, visam em especial, a preparação para a celebração do Natal, a primeira vinda de Jesus entre nós. Nas duas primeiras semanas, a nossa expectativa se volta para a segunda vinda definitiva e gloriosa de Jesus Cristo, Salvador e Senhor da história, no final dos tempos. Por isto, o Tempo do Advento é um tempo de piedosa e alegre expectativa.

Escutar e por em prática a exortação de João Batista à conversão e ao reconhecimento do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (cf. Jo 1,29).


2. Espiritualidade – Ir. Raquel
2.1. Advento é tempo de limpar o coração

Tempo propício para viver o Sacramento da reconciliação



2.2. Advento é tempo de ajudar o irmão

Ir. Joana – sobre atos de caridade (história)

Ir. Eunici – como e onde ajudar nossos irmãos
2.3. Advento é tempo de enfeitar o coração

Prática das virtudes de viver o bom o belo e o verdadeiro


Preparar a manjedoura com palhas de virtudes e boas ações - podemos colocar em um lugar de destaque a manjedoura de Jesus sem nenhuma palha, em outro lugar uma caixinha com palhinhas que podemos pegar e colocar na manjedoura para aquecer Jesus no dia de seu nascimento e, sobretudo em nosso coração que é hoje sua morada. O mundo se transforma começando comigo.
2.4. Advento é tempo de meditar e estar com Maria e José que procuram Albergue – Ir. Joana

Encenação do canto “Procura de Albergue”


2.5. Tempo de escutar a Jesus que fala em nosso coração

O silêncio no Advento:



  • para acolher a Palavra de Deus;

  • para gerar a Palavra de Deus

  • para iluminar com a Palavra de Deus


3. Costumes do Advento
3.1 Calendário de Advento – Ir. Raquel

Devemos ser criativos para criar um calendário. Esta prática é muito entusiasmante para as crianças. Escolher com elas figuras, esquadrinhar em uma cartolina. Montar as janelas de modo criativo com os números do mês e a cada dia um abre a janela. É o calendário do advento possui janelinhas numeradas de 1 a 24 e em cada uma há uma surpresa. Esta surpresa pode ser:



  • frases bíblicas adaptadas para crianças

  • flores e bichinhos

  • pequenas tarefas por amor a Jesus que vem

  • o prêmio de um pequeno doce

Eles podem ser de madeira, tecido ou papelão, tem diversos formatos e tamanhos, podem ser confeccionados em casa.

O calendário de advento serve principalmente para que as crianças vivam aos poucos a expectativa do Natal e aprendam que tudo tem seu tempo certo, controlando a ansiedade de querer abrir todas as janelinhas ou caixinhas de uma só vez. E também ajuda a amenizar a vontade de receber o presente antes do Natal se concentrando em atitudes que lembram a chegada de Jesus mais do que do Papai Noel.


3.2 A Coroa do Advento – Ir. Conceição

OBS: teremos uma coroa pronta no local e outra para ser montada com os participantes.

Consiste em uma coroa de ramos de pinheiro, que pode ser de cipreste ou qualquer outra folhagem, que se coloca no centro da mesa, na véspera do primeiro domingo do Advento.

Nessa coroa, que sugere o ano e o mundo, colocam-se quatro velas brancas ou vermelhas a igual distância que representam os quatro domingos do Advento e as várias vindas de Cristo:


  • na Encarnação (laço de fita roxa);

  • nos Sacramentos (laço de fita roxa);

  • no próximo (laço da fita rosa);

  • e na Glória, como Rei e Juiz (laço de fita branca); estas são as cores da liturgia que acompanham os paramentos sacerdotais nos quatro domingos.

As velas irão sendo acesas, uma a uma, a cada sábado, quando as pessoas se reúnem para rezar, dessa forma estarão as quatro acesas no domingo que precede ao Natal.

No dia de Natal coloca-se o Menino Jesus numa pequena manjedoura, no centro da Coroa para iniciar a ceia da família – símbolo do pão partido, a Eucaristia, Cristo vivo, o Emanuel.


Ir. Joana e Firmino ensaio do refrão: Natal é vida que nasce. Natal é Cristo que vem. Nós somos o seu presépio, e a nossa casa é Belém.


3.3. Banner do Menino Jesus - Ir. Joana
O Menino Jesus – nome que significa Deus Salva – é a concretização de um plano divino e a confirmação de uma realidade sublime – Jesus presente no nosso mundo é a libertação, a salvação que começa.

Maria e José foram os primeiros a conhecer esse nome e decerto lhe deveria ser doce ao coração repeti-lo. Eles o receberam de Deus pela boca de um Anjo.

São Bernardo diz que o nome de Jesus era mel para a boca, melodia para os ouvidos, júbilo para o coração, que era, e é uma luz, um alimento, um remédio.

São Paulo, em sua carta aos Filipenses (2,10-11), diz: “Ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos seres celestes, dos terrestres e dos que vivem sob a terra; e para a Glória de Deus, o Pai, toda língua confesse: Jesus é o Senhor. Ele recebeu o poder sobre os seus ombros e foi-lhe dado este nome:Conselheiro maravilhoso, Deus forte, Pai eterno, Príncipe da Paz, para que se multiplique o poder, assegurando o estabelecimento de uma paz sem fim sobre o trono de Deus e sobre o seu Reino” (Is 9,5-6).


III – NATAL
1. SIMBOLOS DE NATAL

1. Presépio – Ir. Fátima
O criador do presépio foi São Francisco de Assis. Em 1223, no povoado de Grecio, nas montanhas da Itália, ele organizou o primeiro presépio com figurantes vivos: “Quero lembrar o Menino que nasceu em Belém, os apertos que passou, como foi posto em um presépio, e ver, com os próprios olhos, como ficou em cima da palha, entre o boi e o burro”(Citado por Tomás de Celano – Vida I – Cap 30)).

E assim o fez: preparada a cena, convidou moradores da redondeza, que compareceram, à luz de archotes, a uma missa celebrada à meia-noite. O altar era a manjedoura, entre um boi e um burro vivos. Milagrosamente O Menino foi visto dormindo sobre a palha, mas acordou quando Francisco cantou, com amor, louvores ao Senhor:


O presépio e o altar fundiram-se ali: aonde os animais vinham comer e feno, os homens vieram se alimentar da Eucaristia, ou seja, de Jesus!

O presépio pode constar, simplesmente, da manjedoura com o Menino, ou podem nele figurar: Maria, Sua Mãe e José; o boi e o burro; os Anjos, os pastores e os seus cordeiros; a estrela guia; os Reis Magos, os seus presentes e os seus camelos.

O encanto do Natal está, não apenas em reviver o nascimento do Menino, mas também em fazê-lo nascer em nossos corações. Por isso cantamos, com os Anjos: “Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens que Ele ama” (Lc 2,14). O Natal é Jesus!
Canto: O Natal é Deus amando, Deus amando. Tocam sinos anunciando, anunciando: Blim, blom, blim, blom...
2. Velas.... Para quê? – Ir. Conceição
As velas são símbolos de Cristo – Luz do Mundo – já anunciado pelos profetas aos que habitam uma região tenebrosa resplandeceu uma LUZ (Is 9,1).

“Não terás mais necessidade de sol para te iluminar, nem de lua para te iluminar, permanentemente terá por LUZ o Senhor, e por resplendor o teu Deus” (Is 60,10).

Há arranjos de Natal em que aparecem três velas. Isto significa a tríplice geração do VERBO:

- Eterna, em Deus: “No Princípio era o Verbo e o Verbo estava em Deus e o Verbo era Deus” (1Jo 1,1).

- No tempo: “E o Verbo Se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a Sua Glória” (Jo 1,14).

- Na Graça: é a Presença de Deus em nós por Cristo Jesus no amor do Espírito Santo...”a todos o que O receberam, deu Poder de se tornarem Filhos de Deus” (Jo 1,12). “Não sabíeis que o vosso corpo é Templo do Espírito Santo que está em vós e que recebestes de Deus?” (1Cor 6,19)



3. A Estrela – Ir. Fátima
É figura da Virgem Maria, Estrela da manhã, a Estrela que anuncia o Sol – Cristo. Fonte de Energia que desponta.

Anunciada no Antigo Testamento: “Eu vejo, mas não é para agora... uma Estrela (Maria) que sai de Jacó, um Cetro (Cristo Rei) levanta-se de Israel” (Nm 24,17).

Seguindo a Estrela, Maria, seguiremos Cristo: “Fazei tudo que Ele vos disser” (Jo 2,5) e, obedecendo-lhe, a água de nossa vida que é suor e lágrimas – transformar-se-á em vinho precioso.

Vivamos o conselho de São Bernardo: “Nas tempestades da vida, OLHA para a ESTRELA, invoca Maria e tudo se acalmará”.



4. Anjos e Sinos – Ir. Fátima
Como outrora os coros dos Anjos, hoje os sinos bimbalham alegremente, anunciando-nos a BOA NOVA que é para todos os Homens: “Nasce-nos o Salvador, hoje e sempre!” (Cf. Lc 2,-14).

5. A árvore - Ir. Flaviana
A árvore, o pinheiro, significa a Igreja – Corpo Místico de Cristo – Árvore da Vida. Cristo é o Tronco que sustenta e alimenta, com sua graça, os galhos que somos nós, presos a Cristo pela graça do Batismo:

“Eu sou a videira, vós sois os ramos; aquele que permanece em Mim e Eu nele, produz muito fruto porque, sem Mim, nada podeis fazer” (Jo 15,5).

Foi escolhido o pinheiro para simbolizar a árvore da vida, por sua resistência ás intempéries, conservando-se verde (esperança) no ano inteiro.

Assim, também o verdadeiro cristão conserva a esperança em todos os dias de sua vida.

As luzes da árvore simbolizam a Iluminação que nos dá a graça de Deus, a presença do Amor em nós: “Outrora éreis trevas, mas agora sois luz do Senhor: andai como Filhos da Luz, pois o fruto da Luz consiste em toda Bondade e Justiça e Verdade” (Ef 5,9).

As bolas multicoloridas e demais enfeites, simbolizam os frutos da Graça em nós, as virtudes e qualidades do verdadeiro Cristão: “o fruto do Espírito (Graça) é Caridade, Alegria, Paz, Paciência, Afabilidade, Bondade, Fidelidade, Mansidão, Temperança” (Gl 22-23).


6. Laços Vermelhos... Por quê? – Ir. Conceição
Simbolizam o Mistério da Encarnação. Puro Espírito, igual ao Pai, o Verbo de Deus se faz Carne no seio da Virgem Maria (Lc 1 e 2).

Vermelho é a cor do Sangue e do Fogo, símbolo do Amor que aquece e ilumina.



7. Maria e José – Ir. Fátima
Maria está no centro deste mistério; ela aceita: FIAT!

Confia em Deus e confia em José.

Para José também foi uma progressiva revelação de Deus, e toda aproximação de Deus é misteriosa e inquietante, José se emociona.

Seu amor por Maria cresce; ninguém, entre as criaturas, deve tê-la amado mais do que ele.

A uma virginal maternidade correspondeu uma paternidade virginal. José toma, guarda, acolhe Maria.

2. COSTUMES POPULARES DE NATAL
1. Presentes... Por quê? - Ir. Fátima
A troca de presentes tem seu fundamento bíblico em João 3,16: “De tal modo Deus amou o mundo que lhe deu Seu Filho único para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a Vida Eterna”.

Tendo recebido de DEUS PAI o máximo presente: CRISTO JESUS, retribuímos ao SENHOR, dando presentes a CRISTO na pessoa de nossos IRMÃOS, pois JESUS o afirmou: “Em verdade, vos digo: tudo o que fizerdes ao menor de Meus Irmãos, a MIM o fizestes” (Mt 25,40).

Por isso é que todos colaboramos para o Natal dos pobres, pois eles são procuradores de Cristo entre nós.

2. Cartões de Natal - Ir. Fátima
Saudando os irmãos, damos nosso testemunho de fé na vinda real de Jesus Cristo, Salvador e Alegria dos Homens.

3. Ceia de Natal - Ir. Fátima
Relembra o Ágape da fraternidade, os Filhos de Deus que se reúnem para uma refeição em comum, em sinal de fraternidade e também para comemorar a Presença do Primogênito entre os Irmãos.

A Ceia do Natal, é também figura do Banquete na Casa do Pai, o céu, o banquete tão mencionado por Jesus em suas parábolas e na Última Ceia.



“Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de sofrer. Pois digo-vos: não tornarei a comê-la até que ela se cumpra no Reino dos Céus” (Lc 22,14-20; confira ainda, Lc 14,15-24 e Mt 22,2-14).
Com a metáfora da vigilância, Nosso Senhor nos ensina uma fé capaz de reconhecer sua vinda: 1) na humildade da manjedoura; 2) na glória do fim dos tempos; 3) e no mistério do nosso dia a dia. A fé é semelhante ao esforço de permanecer acordado, de permanecer no mundo real, enquanto o mundo, sem fé, dorme e vive no mundo dos sonhos. Que a penitência do advento nos tire de nosso sonambulismo de pecado e faça nascer em nós a verdadeira esperança.






Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal