Oliver Lodge Porque Creio na Imortalidade da alma



Baixar 368.38 Kb.
Página1/14
Encontro20.12.2018
Tamanho368.38 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   14

www.autoresespiritasclassicos.com


Oliver Lodge
Por que creio na

imortalidade da Alma

Traduzido do Inglês

Why I believe in personal immortality,

(1928)



El Greco

A Última Ceia


Conteúdo resumido


Nesta obra Sir Oliver Lodge faz um resumo das experiências levadas a efeito ao longo de anos de pesquisa científica, e que o levaram à convicção da sobrevivência do ser espiritual após a morte do corpo físico.

Os inúmeros contatos mediúnicos travados com o espírito de Raymond, seu filho, morto em 1915, durante a guerra, fortaleceram ainda mais sua convicção sobre a imortalidade da alma.

Todas as suas pesquisas e experiências mediúnicas se resumem nesta afirmativa, tirada de suas próprias palavras:

“Que nos baste saber, no momento, que esta vida não é o fim de nossa individualidade e que, se soubermos utilizá-la com retidão, constituirá ela a primeira etapa, por muito tempo adiada, de uma tarefa sempre mais efetiva, tarefa em harmonia com a nossa natureza íntima, equivalente, por conseqüência, à liberdade completa.”




Sumário


Nota da editora 4

Prefácio 8

Introdução 20

Capítulo I
Visão cósmica da vida e do Espírito 22


Capítulo II
As sete proposições 33


Capítulo III
A pesquisa psíquica 55


Capítulo IV
Explicação de alguns fenômenos psíquicos 68


Capítulo V
Métodos de comunicação ou mediunidade 103


Capítulo VI
É possível a comunicação com os mortos? 116


Capítulo VII
Perspectiva. Breve resumo 127




Nota da editora


As “Edições FEESP” estão publicando a 3ª edição da magistral obra de autoria de “Sir” Oliver Joseph Lodge, intitulada Por que creio na imortalidade da Alma, cuja 1ª edição foi lançada pela Editora Calvário, no ano de 1973.

Trata-se de uma impecável tradução elaborada pelo emérito Dr. Francisco Klörs Werneck, um dos mais eruditos espíritas dos tempos presentes.



Por que creio na imortalidade da Alma foi o sugestivo título escolhido pelo notável sábio inglês para essa importante obra, o que, por si só, revela o seu empenho em legar aos seus contemporâneos e pósteros, um manancial de ensinamentos que contribui para elucidar um tema que sempre se constituiu na cogitação máxima dos homens.

Na realidade, o problema da imortalidade da alma tem merecido a atenção dos homens de todos os tempos, principalmente nos dias atuais, quando se salienta a escalada da violência e das dores, e quando o materialismo deletério procura preencher os claros que as religiões vão deixando, pela total incapacidade de poder comprovar que a alma subsiste à chamada morte.

Indagações aflitivas partem de todos os lados: Por que vivemos? De onde viemos? Para onde vamos? Uma coisa, no entanto, é absolutamente certa e irretorquível: o túmulo não é o fim. O corpo, mera indumentária que reveste o espírito para o desempenho de sua tarefa terrena, se desintegra, mas a alma imortal persiste, porque ela é eterna e progride incessantemente, caminhando rumo ao Criador de todas as coisas.

O contato com o espírito de Raymond, seu filho desencarnado em 1915 nos campos de guerra da França, robusteceu a sua convicção, embora não tenha sido esse fato que o entusiasmou a estudar os fenômenos espíritas. Ele já fazia isso muitos anos antes. Os resultados das investigações não foram guardados unicamente para si. Lodge jamais silenciou diante dos fatos; divulgou-os na certeza de que, assim procedendo, estava prestando inestimável serviço à humanidade sofredora.

Dessa forma, a obra de Oliver Lodge representa mais um contributo do Espiritismo, ajudando as demais religiões a comprovarem a imortalidade da alma, uma vez que a falta dessa comprovação tem sido uma das causas do esvaziamento dos templos, pois muitas religiões não conseguem fazer com que seus adeptos aceitem uma coisa que lhes é imposta como artigo de fé, como um dogma que não admite discussão.

Oliver Lodge nasceu no dia 12 de junho de 1851, em Penkhull, Staffordshire, Inglaterra, e desencarnou a 22 de agosto de 1940, com a avançada idade de 89 anos.

A sua vida pode ser dividida em duas partes, durante as quais sempre procurou elucidar o que ainda não estava bem claro e que ainda não se acreditava muito. O primeiro desses períodos Lodge o empregou em experiências materiais sobre as coisas da Natureza e durou até aos seus 56 anos de idade. Nesse campo granjeou ele fama mundial como inventor, contribuindo para o desenvolvimento da eletricidade e os seus fenômenos, notadamente no campo da radiotelegrafia. Mais ou menos nessa época, escreveu a sua famosa crítica a respeito da obra de Haeckel, Os Enigmas do Universo, que o colocou novamente em evidência por um espaço de 20 anos.

Foi educado na Grammar School, de Newport e no University College, de Londres, especializando-se em Física. Suas contribuições no domínio da ciência propiciaram-lhe muitos galardões. Em 1891 foi eleito presidente da Seção de Matemática e de Física, da British Association; em 1898 foi o detentor da medalha Runford da Royal Society; em 1899 e 1900 foi presidente da Physical Society, de Londres; de 1901 a 1904 tornou-se presidente da Sociedade de Pesquisas Físicas; em 1903 professou uma cadeira da Universidade de Oxford; de 1913 a 1914 foi presidente da British Association e em 1919 foi o detentor da medalha da Royal Society of Arts.

Foi feito cavalheiro pelo rei Eduardo VII, no ano de 1902, recebendo ainda o grau de doutor em ciências por sete universidades: Oxford, Cambridge, Toronto, Victoria, Liverpool, Sheffield e Adelaide.

Oliver Lodge, chamado o gigantesco, em vista de sua estatura de 1,90 m, iniciou os estudos científicos dos fenômenos espíritas publicando o resultado de suas pacientes e laboriosas pesquisas em várias obras que alcançaram grande repercussão mundial. De 1901 a 1903, como estudioso dos fenômenos espíritas, presidiu a Sociedade de Pesquisas Psíquicas (S.P.R.), cargo que tornou a ocupar mais tarde, no ano de 1932.

Atendendo a veemente apelo de Fredrich W. H. Myers, exarado no livro A Personalidade Humana, Oliver Lodge abandonou seu laboratório de física e química, onde havia efetuado numerosos e importantes inventos, a fim de dedicar-se às pesquisas do invisível, onde foi encontrar a solução para os problemas da imortalidade da alma e dos transcendentais mistérios da vida.

Seus instrumentos de trabalho deixaram de ser retortas, alambiques, tubos de ensaios. Onde houvesse uma reunião espírita, lá estava ele implantando o seu laboratório. Clarividência, premonição, voz direta, xenoglossia, incorporação, materialização e uma infindável terminologia caracterizaram os surpreendentes e maravilhosos resultados de seus esforços em novos estudos. No Livro Por que creio na imortalidade da Alma (Why I believe in personal immortality), à luz meridiana da ciência e da razão, esboça a sua crença e enaltece a sua fé.

Lodge realizou numerosas experimentações com os médiuns Madame Piper e Verall, a primeira uma grande médium que a tantos sábios e materialistas converteu e convenceu.

As provas que afirma ter obtido da sobrevivência e comunicação do espírito de seu filho foram das mais robustas. Numerosas comprovações foram obtidas com médiuns de confiança em grande número de sessões. Essas manifestações foram para ele de transcendental importância e tão evidentes, que escreveu o livro Raymond, vertido para o português por Monteiro Lobato.

Lodge foi o inventor do “coherer”, o primeiro detector de ondas a ser usado, o qual representou relevante papel na telegrafia sem fio. Em memorável aula realizada em Oxford, no ano de 1894, ele foi o primeiro a enviar mensagens pelo telégrafo sem fio, entretanto, devido ao emprego de correntes de baixa freqüência, que não eram adequadas, não se obteve um raio de transmissão suficiente. Essa engenhosa prova foi feita pouco antes de Marconi ter-se ocupado do assunto. Uma das suas maiores glórias foi a momentosa descoberta das ondas hertzianas e o modo de detectá-las. A mesma descoberta foi efetuada por Hertz quase que simultaneamente, daí o nome desse último ligar-se àquelas ondas eletromagnéticas.

As obras sobre eletricidade, de autoria de Oliver Lodge, desfrutam de justo renome mundial, sendo também muito apreciados os seus livros de vulgarização científica e pedagógica.




Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   14


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal