Ondas lusitanas: a comunidade luso-brasileira no am carioca Alda de Almeida



Baixar 49.9 Kb.
Encontro14.02.2018
Tamanho49.9 Kb.

Ondas lusitanas: a comunidade luso-brasileira no AM carioca

Alda de Almeida1

Resumo:

As revistas radiofônicas voltadas para a comunidade luso-brasileira no Rio de Janeiro. Tipificação das marcas do discurso radiofônico: como são produzidos estes programas, a quem se dirigem, de que falam e como falam. O papel da música como elemento de identificação com o ouvinte. O conceito de desterritorialização de Stuart Hall e as mudanças do perfil do ouvinte à luz de um processo de imigração estancado há 30 anos. A tradução cultural de imigrantes e descendentes. O fado-saudade e a saudade de um país que não mais existe.


Palavras-chave:comunidade luso-brasileira; revista radiofônica; multiculturalismo


Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no Universo...

Por isso a minha aldeia é tão grande como outra terra qualquer

Porque eu sou do tamanho do que vejo

E não do tamanho da minha estatura...



Fernando Pessoa

Aldeias. Marshall Macluhan foi o primeiro a dar outros significados a um pequeno conjunto de casas no interior, quando cunhou a expressão “aldeia global” para simbolizar o efeito dos meios de comunicação na sociedade pós-anos 60. O rádio e a televisão foram responsáveis por este encurtamento de distância. Mesmo no limiar do século XXI, o casamento entre rádio e lusitanismo pode transformar a aldeia num fenômeno de resistência cultural; que mantém vínculos de afetividade entre as populações de imigrantes, seus descendentes e as comunidades onde vivem.

O artigo pretende analisar alguns programas de rádio para a comunidade luso-descendente transmitidos por emissoras cariocas. Identificar o vínculo entre produtor e ouvinte, por meio de gramáticas radiofônicas presentes na escolha dos temas abordados, no enfoque, na seleção musical, estilo de locução, sotaques, vinhetas e cortinas musicais e no mosaico de anunciantes. A investigação não se esgota neste artigo, mesmo porque não foi possível, pela exigüidade de tempo, realizar um mapeamento completo dos programas radiofônicos voltados para a comunidade luso-brasileira.

De acordo com dados fornecidos pelo consulado de Portugal no Rio de Janeiro, nessa “aldeia” vivem atualmente 500 mil pessoas2. Mas o Censo 2000 do IBGE informa que o número de portugueses na capital é de 61.842 cidadãos e, no Estado do Rio, de 82.789. É fácil entender a discrepância. Os dados do Consulado referem-se ao número de pessoas cadastradas, incluindo os filhos dos imigrantes que pediram a cidadania portuguesa. Para a pesquisa do IBGE, estes são brasileiros.

A idéia inicial era promover uma análise comparativa entre produções antigas e atuais, mas no momento a tarefa revela-se, mais do que difícil, espinhosa. Há falta de informações sobre esses programas e nenhuma certeza se alguns estão preservados em arquivos públicos ou particulares. Uma pré-pesquisa foi o ponto de partida do trabalho, por meio de entrevistas com portugueses com os quais tenho contato, amigos radialistas com longo tempo de “estrada” e ainda a leitura do semanário Portugal em foco, editado no Rio de Janeiro.

Com base nessas informações chega-se a três emissoras de ondas médias que transmitem programas para a comunidade luso-brasileira no Grande Rio, todos concentrados nos fins de semana: Rádio Bandeirantes Rio (antiga Rádio Guanabara), em 1360 Khz; Rádio Rio de Janeiro, em 1400 Khz; e Metropolitana, em 1090 Khz. Foram gravados seis programas: Portugal moderno, a voz do Atlântico, apresentado por Armando Campos na Rádio Rio de Janeiro aos sábados, às oito da manhã; Portugal radioesporte, apresentado por José Chança na Rádio Bandeirantes aos domingos, na hora do almoço; Portugal de Norte a Sul, no ar desde 1967, apresentado por José Lopes Gonçalves na Metropolitana, aos domingos, de 11h ao meio-dia. O mesmo apresentador tem outro programa semelhante, aos sábados de 12h às 13h, na Rádio Rio de Janeiro, Ecos portugueses. E ainda o Me deixa falar, apresentado por Delfim Aguiar, aos domingos, de 10h às 11h da manhã, e Mensagens de Portugal, com Priscila Robalinho, aos domingos, às 14h, ambos na Rádio Bandeirantes Rio.

Algumas características os identificam com os portugueses e luso-descendentes que vivem no Rio e ao mesmo tempo os diferem de outras produções. O multiculturalismo constitui-se na principal marca entre todos os programas estudados; está expresso na identificação “programa para a comunidade luso-brasileira” e na mistura de sotaques, o mito “do ser português”, a saudade e o uso do tempo “congelado”. Esses ingredientes estão presentes nos seis, mas a mistura varia de acordo com os objetivos: alcançar os portugueses mais tradicionalistas ou os que, embora se reconheçam como portugueses, abrasileiraram-se ou são brasileiros filhos e netos de portugueses.

Pretende-se apontar as gramáticas comuns a esses imigrantes, um grupo que teve em 1974, portanto há mais de 30 anos, seu último fluxo migratório, após a Revolução dos Cravos, que restaurou a democracia no País e emancipou as colônias portuguesas na África. Essas gramáticas lusitanas são determinantes na audiência; marcas simbólicas da identificação com o Portugal imaginado, imigração, diáspora e desterritorialização.



No ar....o multiculturalismo

A hibridização cultural ajuda a compreender a composição desses programas. Todos se apresentam como dedicados à comunidade luso-brasileira.Uma comunidade que tem em comum parte da História dos dois países, Portugal e Brasil, mas, principalmente, integra a mesma comunidade lingüística: a CPLP, Comunidade de Países de Língua Portuguesa, da qual também fazem parte as ex-colônias portuguesas na África, além do Timor-Leste, na Ásia.. O fato de partilhar a mesma língua facilita essa mistura, junto com outros ingredientes que veremos mais adiante. Ou, como lembra uma vinheta do programa Portugal radioesporte, falar português é possuir um patrimônio com mais de 800 anos de história.

O duplo sotaque também constitui marca forte, seja no recurso da apresentação em dupla, geralmente masculina e feminina, onde um tem sotaque português e outro brasileiro (carioca), ou na alternância de canções portuguesas, fados e músicas regionais com canções brasileiras. No primeiro caso, temos os programas Portugal de Norte a Sul e Ecos de Portugal, com o português José Lopes Gonçalves, o dono do sotaque lusitano, e a Márcia, com acento carioca, além de Portugal radioesporte, com o sotaque de além-mar de José Chança e o “carioquês” de Eliane, sua mulher. No caso de Armando Campos, apresentador do programa Portugal Moderno, temos o “lusioquês”, sotaque mais próximo do carioca, onde se percebe a pronúncia marcante de certas palavras portuguesas. O programa se encerra com a versão instrumental de “Cidade Maravilhosa”, retomando antiga tradição dos bailes de Carnaval que tocavam a marcha de André Filho para avisar aos foliões que o baile estava chegando ao fim. Os dois últimos programas têm em comum também o noticiário esportivo, com o resultado dos jogos do Campeonato Português de Futebol e das copas européias das quais participam os clubes portugueses.

Quadros produzidos pela Radio Difusão Portuguesa Internacional, em Lisboa, e difundidos via ondas curtas e satélite também estão presentes em dois dos programas analisados. Um noticiário de 5 minutos com assuntos de interesse das comunidades portuguesas espelhadas pelo mundo é vaiculado no Portugal radioesporte. Entre os destaques do noticiário apresentado no domingo 6 de março estava o assalto ao ônibus que levava um grupo de turistas portugueses do aeroporto de Recife para o hotel. A notícia também mereceu destaque na imprensa brasileira.

No Portugal Moderno entra um quadro chamado Portugal sem Limites, dedicado à cultura. No sábado 12 de março, o apresentador Alexandre Garatão trouxe a música clássica e antiga em Portugal. O destaque foi a obra de Francisco António de Almeida, considerado o mais importante compositor português da primeira metade do século XVIII.

O programa Me deixa falar exibe traços diferentes, a começar pela identificação. É o único que não tem Portugal no nome, embora mantenha o título de programa para a comunidade luso-brasileira. O apresentador Delfim Aguiar também não evidencia o sotaque lusitano. Mas o multiculturalismo está presente na mistura de canções portuguesas, especialmente fados, com brasileiras antigas. Entretanto, as notas lidas no programa abordam acontecimentos que se passam no Brasil. A seleção musical, que entremeia canções músicas portuguesas e brasileiras, deixa claro que o elemento de identificação com o ouvinte não está apenas na origem cultural, mas na idéia de tempo, de geração. Todas as músicas – serestas, boleros, fados e sambas-canção – remetem para os anos 40/50/60, o que denuncia a faixa etária dos ouvintes.



Ser português é...

Um discurso, na avaliação de Stuart Hall. O discurso da lusitanidade. Os programas operam esse discurso ao reviver através das ondas sonoras um país imaginado, que produz sentidos, construindo um laço de identificação entre os cidadãos portugueses radicados no Rio, imigrantes que se encontram também através do rádio.

...há a ênfase nas origens, na continuidade, na tradição e na intemporalidade. A identidade nacional é representada como primordial- está lá, na verdadeira natureza das coisas, algumas vezes adormecida, mas sempre pronta para ser “acordada” de sua “longa persistente e misteriosa sonolência”, para reassumir sua inquebrantável existência. (Gellner apud Hall,98;53)

Portugal de Norte a Sul e Ecos portugueses mantêm um quadro fixo chamado Atualidades associativas, uma espécie de “agendão”, em que Lopes Gonçalves informa a programação das casas culturais, representantes das várias regiões de Portugal. Na maioria das vezes, as dicas incluem almoços com a participação dos ranchos de músicas e danças típicas, como podemos observar abaixo na transcrição de um dos quadros de Ecos portugueses, gravado no sábado, 5 de março de 2005.

VINHETA-BG

LOC/ (Márcia)- Ecos portugueses apresenta

ATUALIDADES ASSOCIATIVAS

LOC/LOPES GONÇALVES

-Casa de Vizeu, neste domingo, dia 6, especial almoço churrasco em homenagem aos aniversariantes do mês, animação é do conjunto “Filhos da Beira Show”, Praça Comendador Manuel Gomes, 40 a 50, Vila da Penha

-Casa do Porto, dia 6, domingo, almoço festivo, churrasco e variedade de comidas, animação da festa com o conjunto “Ana Madeira e o menos um”. Vinho e sorteio de brindes. Agradecemos o convite, Rua Afonso Pena, 39, Tijuca.

-Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro neste domingo, dia 6, com início às 12 horas, almoço em homenagem aos Conselhos da Régua, Santa Marta do Penafião e Sabrosa, churrasco self-service com guarnições variadas e cozinha portuguesa. Atrações conjunto “Os típicos transmontanos” e o grupo da Casa do Minho.

-Casa de Espinho, centro social, grande festa de inauguração. Mais uma caravana que chega de Portugal para a inauguração do salão social. Neste domingo, dia 6, a partir das 9 da manhã. Almoço especial churrasco rodízio com acompanhamentos. Piscinas, adulto e infantil e quadra de futebol. Show com o grupo folclórico mirim “Espinho do Mar” e a participação especial dos “Desgarrados do Pato”, sociedade sul-riograndense....

- Casa dos Poveiros. Dentro das festividades dos 75 anos de fundação, domingo, dia 6, a partir das 12:30h grande almoço de confraternização. Churrasco e papas de sarrabulho3. Música ao vivo com o tecladista Fernando Duval e a cantora Maria Nívea. Rancho de veteranos da Casa dos Poveiros com o folclore da Póvoa do Varzim...

-Casa do Minho. Dia 13, domingo, a festa de 71 anos de fundação. Ás 10h missa de ação de graças, na Igreja de São Judas Tadeu e ás 12 início do delicioso almoço churrasco com acompanhamento de saladas da casa. Música para dançar e folclore ao vivo com os três ranchos da casa...

-Clube Português do Rio de Janeiro. Domingo, dia 13, com início às 13 horas, grandioso almoço de convívio social. Variedade em comidas. Atrações conjunto “Ana Madeira e menos um”. Folclore ao vivo “Cancioneiro de Águeda”...

-Comunidade Paroquial Nossa Senhora da Ajuda. Neste domingo, dia 6, às 12:30, churrasco rodízio, convívio social. A animação é do conjunto “Lisboa-Rio Show”, do Manuel Cardoso. Folclore ao vivo grupo “Serões da Aldeia”...

O programa explora um caráter intimista, como se transmitisse de uma aldeia. Abre espaço para o Enlace Matrimonial, com convites para cerimônias de casamento de pessoas ligadas à colônia, e anuncia os aniversariantes da semana, com direito a parabéns. Os nomes das pessoas citadas são precedidos do artigo definido “o” e “a”, um recurso anafórico que estreita os vínculos afetivos e passa uma idéia de ação em família. Assim, não se fala do aniversário de Manuel Ferreira, mas “do Manuel Ferreira”, ou do casamento da Eliane Barradas.

Cabe destacar o sincretismo do cardápio: o churrasco rodízio à moda gaúcha e comidas típicas portuguesas. Não escolhi o quadro de propósito. Quem ouve os programas percebe que esse é o cardápio mais comum nos almoços de confraternização da comunidade luso-brasileira do Rio. O multiculturalismo também vai à mesa. E ao samba! As transmissões evidenciam a forte identificação entre a comunidade portuguesa no Rio e a escola de samba Unidos da Tijuca4, apresentada em Portugal moderno, a voz do atlântico como “a nossa escola de samba”. O programa também fala das associações culturais luso-brasileiras em notas soltas lidas pelo apresentador Armando Campos.

As casas culturais promovem encontros para relembrar festas portuguesas como as vindimas e a versão lusa para celebrações cristãs como a Páscoa, onde são servidas amêndoas confeitadas à moda “da terrinha”. Marcas da continuidade, da tradição e da intemporalidade de que nos fala Stuart Hall. Pode-se identificar essa intemporalidade como “tempo congelado”, pois fica a sensação de um tempo passado, antigo. Trata-se, na realidade, de um tempo mítico, construído e reconstruído através do discurso da lusitanidade. Esse tempo compõe-se de histórias, lendas e memórias narradas ad infinitum, na escola, em casa, na literatura, na cultura popular. “Como membros de tal ‘comunidade imaginada’, nos vemos no olho de nossa mente, como compartilhando dessa narrativa”. (Hall, 98; 52)

As músicas são as folclóricas do repertório de ranchos como o malhão, o vira, o fandango e as marchas lisboetas retiradas de discos e CDs ou de gravações feitas pelas próprias equipes dos programas durante as apresentações. E é claro que não poderia faltar o fado, que, ao contrário das músicas folclóricas, não representa regiões de Portugal, mas simboliza o país como um todo. Nascido em Lisboa, compõe a principal trilha sonora da lusitânia imaginada.

O repertório de dois fadistas consagrados, Amália Rodrigues e Carlos do Carmo, está presente na seleção musical. É importante destacar que ambos já fizeram espetáculos no Rio e em São Paulo. No Rio, o Canecão tem sido o palco preferido dos mega-shows para a comunidade luso-brasileira, quase sempre com ingressos esgotados com bastante antecedência.

Amália Rodrigues, principalmente, tornou-se ela mesma um símbolo dessa lusitanidade ao percorrer o mundo cantando para as comunidades portuguesas espalhadas por Europa e América. É o fado-saudade. São canções de repertório, antigas, como “Ai Mouraria”, presentes na memória coletiva. Carlos do Carmo, de uma geração mais nova, é apontado como responsável pela modernização do gênero a partir da década de 60. É do repertório dele o trecho da letra de “Meu nome é fado”, transcrita a seguir: “cantando a vida, deixando atrás tudo o que fiz, eu vou ser a raiz da voz do meu país”.

Os programas também prestigiam os fadistas luso-brasileiros, portugueses e descendentes radicados no Rio, como Maria Alcina, que se apresentam em casas de espetáculos freqüentadas pela comunidade. A fadista foi homenageada em Portugal radioesporte, de 13 de março, quando completou 65 anos de idade, participando como entrevistada. Foram apresentados fados de seu repertório. Ao anunciar “Saudades do Brasil em Portugal”, o apresentador José Chança resumiu o sentimento que sintetiza o imigrante: “É o que sentimos de lá quando estamos aqui e o que sentimos daqui quando estamos lá”.

Outro artista com lugar cativo no dial é Francisco José, cantor português que fez grande sucesso no Brasil nas décadas de 40 e 50, interpretando fados e musicas brasileiras populares e românticas. Na época, a comunidade era bem maior.

Os números coletados pela historiadora Miriam Halpern Pereira mostram que entre 1908 e 1927 entraram no Brasil mais de 592 mil imigrantes portugueses. O período entre a crise econômica de 1929 e o fim da Segunda Guerra Mundial teve pouco ingresso de imigrantes, mas depois de 1945 houve nova corrente migratória. Portanto, na primeira metade do século XX o fluxo de portugueses para o Brasil foi intenso.

A década de 70 registrou nova onda de imigração para o Brasil devido à independência das colônias africanas e a conseqüente diáspora que se seguiu. Atualmente, essa corrente praticamente cessou no sentido Portugal/ Brasil, mas tem-se intensificado em sentido contrário. Tanto que já existem programas de rádio sobre música popular brasileira, com entrevistas com artistas, produzidos no Rio de Janeiro e enviados em minidisc para Lisboa, onde são veiculados por emissoras locais. Um deles é Agita Brasil, produzido e apresentado por Mirthes Oliveira na Tropical FM (95.3 khz), em Loures, distrito de Lisboa. O programa vai ao ar aos domingos, de meio-dia às duas da tarde, e tem o patrocínio de um restaurante chamado Sabor Mineiro.

A lusitanidade e outras gramáticas

O mito da lusitanidade costura um dos principais fios imaginários entre os programas e esse grupo, que se organiza sob a denominação “ouvintes” a partir daquilo que o sociólogo peruano Sandro Macassi Lavancer chama de gramáticas de recepção, no ensaio “Recepcion y consumo radial, una perspectiva desde los sujetos”. No caso em análise essas gramáticas estão presentes na lusitanidade, na imigração e na desterritorialização, além da inserção em uma outra sociedade que gera a nova comunidade “luso-brasileira”. Estas são marcas de identificação e ao mesmo tempo de diferenciação.

Vamos conferir o que diz Sandro Lavander sobre essas gramáticas de recepção: “Vienen a ser el conjunto de códigos construídos por el oyente que tiene como fin hacer significante aquella oferta masiva” (LAVANDER, 93;35).

Mais adiante o sociólogo acrescenta:

“En una misma persona puede existir más de una gramática de acercamiento y vinculación con la oferta masiva y ellas pueden ser confluyentes, complementárias o a veces opuestas. Pero lo importante és que organiza, articula, dá coerência y estabilidade a lo que escucha, en función de sus particulares interese y motivaciones, por lo tanto és un sistema interpretativo pero a su vez es un sistema de vínculos y afectos con la oferta radial. ( LAVANDER, 93;35)

A diferenciação se estabelece como um subdiscurso da comunidade. Os programas reafirmam que os portugueses daqui são imigrantes, mas são diferentes dos imigrantes portugueses de outros lugares do mundo; como Europa, Austrália, Estados Unidos. Uma dessas diferenças se evidencia na baixa participação no processo eleitoral em Portugal, mesmo quando estão sendo escolhidos os representantes das comunidades na Assembléia da República e que participam das decisões do Estado português que afetam diretamente a vida dos imigrantes. Os luso-brasileiros estão no grupo que ostenta o mais elevado índice de abstenção.

O assunto polêmico mereceu um comentário de Francisco Lopes Rodrigues, do Partido Socialista Português, no Portugal radioesporte de domingo, 6 de março. O apresentador José Chança forneceu os números da abstenção

“Fora da Europa eu vou lhe dar os números para o seu comentário. PS 3.552 votos, mais 167 votos do que na última eleição. PSD 7.783 votos, perdeu 2.580 votos. Fez dois deputados da imigração. Abstenção na Europa 69,5 % e fora da Europa 81,7 %. Portanto, fora da Europa votaram apenas 18 %, ou perto disso 18,3%.

No final do comentário de Francisco Lopes Rodrigues, o apresentador de Portugal radioesporte emite opinião sobre o assunto:

“Isso sempre foi complicado, essa eleição. Mas o eleitor ter até que pagar o correio. Isso eu acho uma coisa absurda. Na Venezuela tem mais de 6 mil inscritos e apenas cento e poucos eleitores votaram. Eu nem sei se vale a pena o imigrante ter direito a voto. Principalmente no Brasil, eles não retornam, vão ficando por aqui. Acho que não devem nem ter influência na eleição em Portugal”.

Este trecho do programa demonstra que, apesar dos encontros sociais, existem também assuntos polêmicos no cotidiano da comunidade. Destaco, a partir do que está transcrito, que essas são marcas da diferenciação. Como disse José Chança, os portugueses que se instalaram no Brasil nas últimas décadas não retornam. Ficaram mesmo por aqui. Essa é uma diferença importante se os compararmos aos imigrantes portugueses que vivem, por exemplo, na França ou em Luxemburgo. Estes ainda cultivam o mito do retorno. Vão para fora trabalhar, juntar dinheiro e investem comprando imóveis e abrindo negócios nas regiões de origem. Além disso, tradicionalmente vão a Portugal pelo menos uma vez por ano para as festas de Natal e Ano Novo. Aqui no Brasil a realidade é diferente; muitos nunca mais voltaram, nem mesmo para rever a família.

O mito do retorno marcou a imigração portuguesa para o Brasil ao longo do século XIX, conforme registra a historiadora Miriam Halpern Pereira. Dois exemplos mostram as mudanças de comportamento dos emigrantes.

O mito do retorno articula-se com o mito da fortuna brasileira ou do enriquecimento rápido. São ambos resultantes de uma sociedade extremamente hierarquizada, caracterizada por uma reduzida mobilidade social, na qual a expatriação surge como instrumento de promoção social. Esta saída do país é encarada inicialmente como temporária e possibilitando uma acumulação de capital que permitiria a alteração do anterior estatuto social do emigrante. “Vêm para conseguir certa quantia e voltar a Portugal”_ diria o cônsul do Pará. 5

A historiadora baseou-se em documentos do governo português, datados de 1874. Ela ressalta que a maioria desses imigrantes nunca voltou a Portugal. Morreram no Brasil mesmo e pobres. No final do capítulo sobre a mitologia da fortuna, outro texto fornece pistas para o fim do mito do retorno.

O aperto da vida, o espírito de especulação e de aventura obrigam-nos, desde tempos antigos, a deixar a sua por terras estranhas. Atualmente a emigração faz-se não por famílias, mas por indivíduos: os emigrantes são sobretudo do sexo masculino; partem sempre com o sentido de voltar, esperança que nem todas as vezes se realiza. Uma boa parte casa com as mulheres da região onde se estabeleceram e para onde a necessidade os tinha levado (pág 54)6

Gostaria de destacar que a emigração da década de 70, originada na Revolução dos Cravos e na descolonização da África trouxe para o Brasil famílias inteiras que aqui se instalaram. A julgar pelo que foi dito nos programas e pelo trabalho de Miriam Pereira, os portugueses que vivem no Rio de Janeiro estão no grupo dos que não pretendem mais voltar a Portugal. Refizeram suas vidas por aqui e, sobretudo, têm descendentes brasileiros. Vieram para voltar, mas ficaram. São gente como D. Amélia, de Niterói, ouvinte do Portugal radioesporte homenageado por completar 50 anos de Brasil no dia 15 de março. Mandar mensagens de saudação aos ouvintes, modelo ainda bastante comum em AM, é outro ingrediente forte de identificação. São mensagens de aniversário, bodas, etc.



Negócios de família

Os programas de rádio para a comunidade luso-brasileira do Rio representam uma hipersegmentação da programação do AM carioca, ou “nichos” de ouvintes/consumidores. No caso da Rádio Rio de Janeiro, os horários são comprados. Antes de cada transmissão entra no ar uma vinheta anunciando que se trata de produção independente e o conteúdo é de responsabilidade do produtor/apresentador. A audiência é pequena, mas fiel a suas próprias gramáticas. De acordo com os números do IBOPE, relativos ao último trimestre de 2004 (out/dez), aos domingos, no horário do Portugal radioesporte, de 13h às 14h, a Bandeirantes tem 0,02 % de audiência. O índice é praticamente o mesmo ao longo de todo o dia, abrangendo os horários de vários programas para a comunidade. Rádio Metropolitana, domingo de 11h às 12h, horário do programa Portugal de Norte a sul, audiência de 0,05 %. Após o programa a audiência vai a zero, recuperando-se ao longo da tarde.

Duas das produções analisadas vão ao ar aos sábados na Rádio Rio de Janeiro. Portugal moderno, a voz do atlântico é veiculado de 8h às 9 da manhã e tem 0,05 % de audiência. Mas Ecos Portugueses, que vai ao ar de 12h às 13h, na mesma rádio, de acordo com o IBOPE tem audiência zero. Tal fenômeno pode ser explicado pelo fato de o programa ser praticamente um clone do Portugal de Norte a Sul. Ambos são apresentados por José Lopes Gonçalves.

Quem financia esses programas? Os empresários da comunidade, que têm negócios concentrados principalmente no comércio. Os ouvintes possuem uma importante característica: dominam as mesmas gramáticas que os anunciantes e, pelo menos em princípio, têm interesse em comprar aquilo que se oferece. A seguir a transcrição de um bloco de anúncios de Portugal moderno. .É importante destacar que são anúncios baratos, sem produção, lidos ao vivo na voz do próprio apresentador Armando Campos. Poucos trazem vinhetas produzidas em estúdio.



-Reaberto o restaurante Lisboeta, todo reformado, com ar condicionado. 83 anos de existência. Aprecie bacalhau a Zé do telhado, polvo à portuguesa, badejo e cherne à brasileira. Tudo com vinho português ou nacional, chope gelado e as famosas empadinhas, destacando a empadinha de bacalhau. Restaurante Lisboeta, a melhor petisqueira portuguesa do Rio de Janeiro. Rua Frei Caneca, 5. Telefone 2224-0964. Aberto inclusive sábado, domingo e feriados.

-Confeitarias Palace e Suíça em Copacabana. Serviço de confeitaria, lanchonete, restaurante até 23 horas. 25 pratos quentes e frios. Almoço e jantar com churrasco. Na Confeitaria Suíça aos domingos especial peixe assado no forno a lenha. Confeitaria Palace, Avenida Copacabana 734.Fone 22362623. Confeitaria Suíça, Avenida Copacabana 446, telefone 25477443.

-Café e Restaurante Lamas sucesso há 128 anos com o famoso filé ao Lamas ou à francesa. Abre às 7 e meia com o completo café da manhã, prossegue com o almoço e o chá das três e fecha às 3 da madrugada com a canja imperdível. Café e Restaurante Lamas Rua Marquês de Abrantes 18, Flamengo. Aceita franquia em todo o Estado do Rio. Telefax 2556 0799. Agora com entrega em domicíío do meio dia à meia noite, em moto,

-Escritório Contábil Nova Visão. Contabilidade em geral, declaração de impostos, rendas pessoas físicas e jurídicas. Direção Dr. Joaquim Silva e Dr. José Soares. Rua Álvaro Alvim 31, 16º andar, centro...

-Máquinas Pró-comércio de Alimentos é o primeiro nome em máquinas para bares, restaurantes, açougues e padarias. Alta tecnologia em balcões frigoríficos, geladeiras e câmaras frigoríficas. Modernas vitrines expositoras verticais e horizontais, fornos para pizzas, máquinas de café e de gelo, balanças eletrônicas. Total assistência técnica, além de consertos e reformas. Máquinas Pró-comércio é o maior aliado do empresário de sucesso. Rua do Rezende 42, entre Gomes Freire e Mem de Sá.

O bloco dura oito minutos e usa um BG da versão instrumental de “Casa Portuguesa”. Essa canção, junto com “Lisboa Antiga” e a versão instrumental do hino português, acompanha vários programas. Também são anunciantes as importadoras que trabalham com vinhos da terrinha e fabricantes de doces.

No programa Mensagem de Portugal, na Rádio Bandeirantes, domingo, 14 h, uma história chama a atenção. Com a morte de Sebastião Robalinho, titular do horário e pessoa conhecida na comunidade, quem assumiu foi a filha Priscila, enquanto a mãe trabalha como produtora. Este comportamento repete o que acontece em tantos outros negócios de famílias de imigrantes portugueses. Abaixo temos a transcrição da abertura do programa.

Vinheta- instrumental de guitarras de fado

LOC (Voz masculina)- Mensagem de Portugal um programa elaborado com saudade, humildade e carinho para a família luso-brasileira. Cheio de atrações, novidades musicais, esporte, notícias e vida associativa. Enfim, tudo para amenizar a saudade dos portugueses distantes de sua pátria e para alegria dos brasileiros amantes da boa música portuguesa.

LOC (Priscila)- Boa tarde. Ë com muito orgulho e satisfação que estou à frente destes microfones da Rádio Bandeirantes, dia 13 de março, duas horas da tarde, para apresentar mais um programa Mensagem de Portugal, há 41 anos no ar, com muito orgulho. Uma criação de meu pai Sebastião Robalinho, hoje com produção e apresentação de sua filha Priscila. Conto ainda com a ajuda da minha mãe Maria da Conceição aos telefones...

A tradição da passagem dos negócios de pai para filho, tão comum entre a comunidade, chegou também ao dial. Mas no cotidiano da comunidade é cada vez maior o número de lojas que fecham porque os filhos não têm interesse em manter os mesmos negócios.

Márcio Gonçalves, carioca, 33 anos, é filho de José Lopes Gonçalves, apresentador de dois dos programas analisados e dono da JLG Publicidade – “a agência de publicidade da comunidade luso-brasileira”. Márcio reconhece que é cada vez mais difícil manter os programas no ar. Os horários são comprados e, segundo ele, depois de pagar às rádios não sobra quase nada. O pai mantém os programas por motivos sentimentais, principalmente preservar as tradições culturais portuguesas. Os patrocinadores, em muitos casos, anunciam pelo mesmo motivo.

Márcio Gonçalves reconhece que os que anunciam ainda têm algum retorno, mas a própria agência tem registrado uma queda no número de clientes portugueses. “Há alguns anos 90 % eram da comunidade. Hoje esse número está em torno dos 80 %. Os outros são brasileiros”. Márcio destaca ainda as dificuldades de sobrevivência das próprias casas culturais. Os motivos são conhecidos. A imigração portuguesa para o Brasil praticamente acabou. Há 30 anos não há renovação Hoje no Consulado Geral de Portugal no Rio de Janeiro o mais comum é encontrar filhos de imigrantes que reivindicam a cidadania portuguesa para obter passaporte da Comunidade Européia.

Bibliografia

HALL, Stuart, “A identidade cultural na pós-modernidade”, DP&A, Rio de Janeiro, 1998

LAVANDER, Sandro Macassi, “Recepción y consumo radial, uma perspectiva desde los sujetos” in Diálogos de la comunicação, Lima, 93



PEREIRA, Miriam Halpern, “A política portuguesa de emigração (1850-1930), Edusc, Bauru, 2002

1 Jornalista e professora do curso de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida e professora-substituta da Departamento de Expressões e Linguagens da ECO/UFRJ.

2 Os números foram cedidos pelo vice-cônsul Paulo Teles da Gama

3 Comida ensopada feita com sangue de porco coagulado.

4 O presidente de honra da escola de samba Unidos da Tijuca é o comerciante português Fernando Horta. Um dos últimos enredos da escola homenageou o Vasco da Gama, clube de futebol da comunidade luso-brasileira.

5 PEREIRA, Miriam Halpern. A política portuguesa de emigração (1850-1930), Bauru, Edusc, 2002; pág 45

6 Idem, ibidem


Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal