Orientação Escolar e Profissional e Desenvolvimento da Personalidade



Baixar 145.82 Kb.
Encontro15.04.2018
Tamanho145.82 Kb.

BIBLIOGRAFIA

1. Livros, Artigos e Relatórios de Investigação


Abreu, M.(1985). “Orientação Escolar e Profissional e Desenvolvimento da Personalidade”. in Cadernos de Consulta Psicológica,1, Porto, F.P.C.E.

(1996). Pais, professores e psicólogos. Coimbra: Almedina.


Adamski, W. e Staszyynska, K. (1989). “Social structure and transition”. In Adamski, W. e Staszyynska, K. (Eds). Youth, education and work in Europe. London: Routledge. Pp:1-29.


Afonso, N. (2005). Investigação Naturalista em Educação. Um guia prático e crítico. Porto: Edições Asa.

Aglietta, M. (1999). La globalisation financiére. In L’economie mondiale 2000. Paris: La Decouvérte.

Almeida, J. Costa, A. e Machado, F. (1994). “Identidades e orientações dos estudantes: classes, convergências, especificidades”. In Revista Crítica de Ciências Sociais, 27/28, 189-209.

Almeida, J. e Pinto, J. (1995). A Investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença.

Almeida, L. (2005). “Posfácio”. In Saúde, S. (Org.) Percursos de Inserção Profissional dos Diplomados do Ensino Superior Politécnico. Beja: Instituto Politécnico de Beja.

Almeida, J. et al. (2003). “Diversidade na Universidade – um inquérito aos estudantes de licenciatura”. In Colecção sobre a Juventude, 6. Oeiras: Celta/IPJ.

Almeida, P. (2005). “Serviço(s) e Sociologia do Trabalho. Que práticas? Que objectos?”. In Sociologia. Problemas e Práticas. N.º47. pp: 47-67.

Alves, M. (1997). A inserção na vida activa de jovens diplomados do ensino superior: contributo para o estudo das relações entre percursos educativos, formativos e profissionais e processos de construção de identidades sociais e profissionais. Tese de Mestrado em Ciências da Educação – Educação e Desenvolvimento. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

(2001).”A inserção profissional de diplomados da FCT/UNL: Abordagens teóricas e representações de empregadores”. In Da Universidade para o Mundo do Trabalho: Desafios para um diálogo in Actas do Seminário realizado na Universidade do Minho. Braga: Universidade do Minho, Conselho Académico.pp:149-166.

(2004). A inserção profissional de diplomados de ensino superior numa perspectiva educativa: o caso da Faculdade de Ciências e Tecnologia. Tese de Doutoramento, Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

(2005). “Como se entrelaçam a educação e o emprego? Contributos da investigação sobre licenciados, mestres e doutores”. In Interacções n.º1.pp: 179-201. Disponível em http://www.eses.pt/interaccoes. consultado em 20 de Setembro de 2006.

(2005). Contextos e perfis de inserção profissional dos diplomados pelo IPB – contributos para a discussão. Comunicação proferida na Conferência realizada pelo Projecto PROFINSERTION no Auditório da ESAB- Beja em 25 de Outubro de 2005.

Alves, N. (1999). “Escola e trabalho: atitudes, projectos e trajectórias”. In Pais, J. e Cabral, L. (Coord.) (1999). Jovens Portugueses Hoje. Oeiras: Celta.

(2000). Trajectórias académicas e de inserção profissional dos licenciados (1994-1998). Lisboa: Universidade de Lisboa.

(2001). “Da universidade para o mundo de trabalho: uma inserção rápida mas na precariedade”. In Gonçalves, A. et al. (Eds.) (2001). Da universidade para o mundo do trabalho: desafios para um diálogo. Braga: Universidade do Minho.

Ambrósio, T. (2003). “O Capital Humano”. In Mesa Redonda. Grandes Opções de Política Económica e Social. Pp: 64-68.

Amaro, R. (1991). “A empresa e o desenvolvimento – novas perspectivas e exigências”. In ISCTE – Gestão, 2, pp.78-95.

Andrade, M. (1989). “O trabalho, o emprego, a profissão”. In Andrade, M. (Org.) (1989). Juventude Portuguesa: Situações, Problemas e Aspirações. Lisboa: ICS/IJ.

Apolinário, J. (2004). “O Elemento mais valioso das organizações são as pessoas...”. In Revista Dirigir. Pp:3-8.

Archer, E. e Raban, A. J. (1998). Working in the European Union: A Guide for Graduate Recruiters and Job-Seekers. Londres: Hobsons Publishing.

Arendt, H. (1983). A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo. 3ª edição. São Paulo.

Aron, R. (2004). “A sociedade industrial”. In Foracchi, M. e Martins, J. (Eds.). Sociologia e Sociedade – Leituras de introdução à Sociologia.(23ª edição). Rio de Janeiro: LTC. Pp: 90-98.


Arrow, K. (1973). “Higher education as a filter”. In Journal of Public Economics. 2 (3). Pp:193-216.


Atkinson, J.(1987). “La flexibilité de l’emplois sur le marché internes et externes de travail”. In Dahrendorf, R, Kohler, E. e Piotet, F. (Org.). Nouvelles formes de travail et activité. Dublín: Fondation Européene pour l’Amélioration des Conditions de Vie et de Travail. Pp: 3-48.

Aubert, F. e Pierre Sylvestre, J. (1998). “Vers une nouvelle mission des organismes de formation dans les dispositifs d’insertion des jeunes ». In Charlot, B. e Glasman, D. (Dir.). Les jeunes, l’insertion, l’emploi. Paris : Presses Universitaires de France. pp : 243 – 252.

Avanzini, G.(1980). O tempo da adolescência. Lisboa: Edições 70.

Aventure, F. (1999). “Factors in the spread of continuing training in the European Community”. In Training & Employment.n.º 35. pp:1-4.

Azevedo, J. (1999). Voos de borboleta: Escola, trabalho e profissão. Porto: Edições Asa.

Azevedo, J. e Fonseca, A. (2007). Imprevisíveis itinerários de transição escola-trabalho: a expressão de uma outra sociedade. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão.

Aznar, G. (1996).Emploi: la grande mutation. Paris: Hachette.

Balsa, C. et al. (2001). Perfil dos estudantes do Ensino Superior: desigualdades e diferenciação. Lisboa: Edições Colibri.


Balters, P. B. (1997). “Theoretical propositions of life-span developmental psychology: on the dynamics between growth and decline”. In Developmental Psychology. 23. pp: 614-623.


Bardin, L. (1979). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baudelot, C. e Gollac, M. (1997). “Le travail ne fair pas le bonheur, mais il y contribue fortement”. In Sciences Humaines. N.75. pp: 34 – 54.

Becker, G. (1993). Human capital. London: University of Chicago Press.

Bekourian, A. (1991). « Les bilans de compétences: une approche sociologique de l’outil-notion ». In Education Permanent, 108.

Benko, G. (1996). Economia, Espaço e Globalização na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec.

Bernstein, B. (1967). “Open schools, open society?”. In New Société. September. Pp:351-353.  


(1977). Class, Codes and Control. (3ºvol.). Toward a Theory of Educational Transmissions. London: Routledge e Kegan Paul.

Bidwell, C. E. (1971). “ A juventude na sociedade moderna”. In Sociologia Americana. São Paulo: Cultrix. Pp:285-314.

Blanch, J. M. et al .(1987). “Psychosocial factors of employability”. In II Congress of the Psychology of Work and Organisation. Cambridge, April 1987.

Blanch, J. M. (1991). “Variables psicosociales del paro y perfil psicosocial del parado”. In Seminário monográfico organizado por el ICE de la Universidad Autónoma de Barcelona. Bellaterra, 12 e 13 de Dezembro de 1991.

Blancke, S. et al. (2000). Employability („Beschäftigungsfähigkeit“) Als Herausforderung für den Arbeitsmarkt - Auf dem Weg zur flexiblen Erwerbsgesellschaft - Eine Konzept- und Literaturstudie. Stuttgart: Akademie für Technikfolgenabschätzungin Baden-Württemberg.

Blau, P. M. et al (1956). “Occupational choice : A conceptual framework”. In Industrial and Labour Relations Review. 9(4). Pp:531-543.

Bloch, S. e Bates, T. (1995). Employability. Your way to career sucess. London: Kogan Page.

Bowles, S. e Gintis, H. (1983). “El problema de la teoria del capital humano: una crítica marxista.” In Educación y Sociedad. 1. pp:197-206.

Bordieu, P. (1980).Questions de Sociologie. Paris: Édition Minuit.

Borg, W. e Gall, M. (1989). Educational research: an introduction (5ª ed.). New York: Longman.

Boudon, R. (1995). Tratado de sociologia. Porto: Edições Asa.

Boyer, R. (2000). Para uma Europa da inovação e do conhecimento. Oeiras: Celta.

Bonazzi, G. (1993). “Modelo japonés, toyotismo, producción ligera”. In Sociología del Trabajo. Pp: 12-34.

Bradley, L.J. (1988). “Developmental assessment: A life-span process”. In Hayes, R. E Aubrey, R. (Eds.). New directions for counseling and human development. Denver Colorado: Love Pub. Co.

Brammer, L. M. e Abrego, P.J. (1981). “Intervention strategies for coping with transitions” in The Counseling Psychologist, nº9, pp: 15-29.

Brandão Moniz. A. (1998). “Políticas de Emprego e Sociedade da Informação: para uma Sociedade do Conhecimento”. In Sociedade e Trabalho. N.º2. pp: 56-65.

Brandão Moniz, A. e Kovács, I. (1997). Evolução das Qualificações e das Estruturas de Formação. Lisboa: IEFP.

Brennan, J. e McGreevor, Ph. (1987). CNAA graduates: their employment perspectives. London: CNAA.

Bridge, R. et al. (1979).The determinants of educational outcomes : The impact of families, peers, teachers and schools. Cambridge: Ballinger Publishing Co.

Bridges, W. (1994). Jobshift, How to Prosper in a Workplace without Jobs. Reading (Mass.): Addison- Wesley.

Bronfenbrenner, U. (1977). “Toward an experimental ecology of human development”. In American Psycologist. 32. pp:513-531.

(1986). “Ecology of the family as a context for human development: Research perspectives”. In Developmental Psycology. 22. 6. pp:723-742.

Brown, D. (2002). “Introduction to Theories of Career Development and Choice: Origins, Evolution and Current Efforts”. In Brown, D. & Associates (Org.). Career Choice and Development. San Francisco: Jossey-Bass.

Brown, A. e Drew, W. (2003). Employability: culture, competition and careers in a Knowledge Economy. Disponível on-line em www.lstn.ac.uk/ESECT consultado em 13 de Julho de 2005.

Brown, P. (2000). “The globalisation of positional competition?”. In Sociology, 34 (4), 633-653.

Brown, P. et al. (2003). “Employability in a Knowledge Economy”. In Journal of Education and Work, Spring.

Bruto da Costa, A. (2002). Exclusões Sociais. Lisboa: Gradiva.

Bryman, A. e Cramer, D. (1992). Análise de dados em ciências sociais. Introdução às técnicas utilizando o SPSS. Oeiras: Celta Editora.

Burns, T. em colaboração com Philippe Deville (2006). “Teorias dos sistemas dinâmicos. Teorizações sobre o capitalismo e a sua evolução.” In Sociologia, Problemas e Práticas. n.º50. pp: 11-44.

Caetano, A. (coord.) (2000). Mudança organizacional e gestão de recursos humanos. Lisboa: Observatório do Emprego e da Formação Profissional.

Cahuzac, E. et al. (1997). Cursus de formation dans l’enseignement supérieur et trajectoires d’insertion. Marselha: CEREQ.

Campos, B.(1980a). “A orientação vocacional numa perspectiva de intervenção no desnvolvimento psicológico”. In Revista Portuguesa de Pedagogia, Ano XIV, Coimbra: F.P.C.E.

(1980b) Orientação vocacional no unificado e formação de professores. Lisboa: Livros Horizonte.

Campos, B. (2004). Novas dimensões do desempenho e formação de professores. Discursos – Série: Perspectivas em Educação. N.º1.

Carneiro, R. (2001). Fundamentos da Educação e da Aprendizagem. Lisboa: FML.

Carneiro, R. (2005). Casa Pia de Lisboa, um projecto de esperança: as estratégias de acolhimento das crianças em risco. Relatório final. São João do Estoril: Principia.



Carvalho, A.(1999). “Os caminhos da entrada na vida: da escola ao mundo do trabalho”. In VI Colóquio Nacional da AIPELF/AFIRSE: [s.l.].

Carvalho, A. e Porfírio, M. (1991). “Dinamização da sala de aula, escola e comunidade” In Manual do Formador, nº1. Porto: GETAP/ME.

Carvalho, J. M., Neves, J. e Caetano, A.(2001). Manual de Psicossociologia das Organizações. Lisboa: McGraw- Hill.

Casaca, Sara (2005). Flexibilidade, trabalho e emprego: ensaio de conceptualização. SOCIUS Working Papers.



Casals, J., Masjuan, J.M. e Planas, J. (1989). “Educación e inserción social de los hombres y mujeres de 25 años . Estudios, valores y expectativas y modelos de insércion.” In Revista de Educación. N.º137.pp:2-7.

Casals, J., Masjuan, J.M. e Planas, J. (1991). “La inserción social de los jóvenes.” In Revista de Educación. N.º293.pp:109-122.

Castetter, P. e Haiser, J. (1982). Educational research. London: Logman.

Castel, R. (1998). As Metamorfoses da Questão Social. Petrópolis : Vozes.

Castells, M. (1998). La Era de la Información. Economia, Sociedad y Cultura : El Poder de la Identidad. Madrid : Alianza Editorial.

Castillo, J.J. (1998). “Em busca do trabalho perdido (e de uma sociologia capaz de o encontrar…)”. In Kovács, I. e Castillo, J.J. (Org.). Novos Modelos de Produção : Trabalho e Pessoas. Oeiras : Celta Editora.

Cavaco, C., Correia, C. e Faustino, F. (2000). “Relação entre a escola e o mercado de emprego envolvente: uma problemática em permanente evolução”. In Revista Sociedade e Trabalho n.º10, pp: 51-67.

Charlot, B. E Glasman, D. (1998) (Dir.). Les jeunes, l’insertion, l’emploi. Colecção : Éducation et Formation. Paris : Presses Universitaires de France.

Chickering, A. W. (1979). Education and identity. San Francisco: Jossey- Bass.

Chickering, A. W. e Reisser, L. (1993). Education and identity (2nd ed.). San Francisco: Jossey-Bass Publishers.

Chomsky, N. (1973). Le langage et la pensée. Paris: Petite Bibliothèque Payot, n.º 148. Versão original: Language and Mind. New York: Harcourt, Brace & World Inc., 1968.

Claes, M.(1985). Os Problemas da Adolescência. Lisboa: Verbo.

Cleto, P.(1991). “Inserção dos jovens no mundo do trabalho”. In Manual do Formador, n.º 2. Porto: GETAP/ME.


Collins, R. (1979). The credential society: na historical sociology of education and stratification. New York: Academic Press.


Corno, L. e Snow, R. (1986). “Adapting Teaching to individual differences among learners”. In Merlin C. Wittrock (Ed.). Handbook of Research on Teaching. (3ª ed.). London: Collier Macmillan Publishers. Pp:605-629.

Costa, A. (1986). “A pesquisa de terreno em Sociologia”. In Silva, A. S. e Pinto, J.M.(Org.) Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento.pp: 129-148.

Cotton, K. (1993). Developing Employability Skills. School Improvement Series, Close-Up. 15. Northwest Regional Educational Laboratory. Disponível em http://www.nwerl.org/scpd/sirs/8/c015.html acedido em 21 de Julho de 2004.

Covas, M. M. (2007). “Família, Escola e Autarquias: Repensar os Modelos de Eficiência das Políticas e dos Actores na Educação para o Sucesso”. Comunicação apresentada no IX Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação subordinado ao tema: Educação para o sucesso: Políticas e Actores integrada na área temática: Educação, Regiões e Autarquias. Funchal, 26-28 de Abril de 2007.

(2006), Percursos da sociologia da família: das origens consolidação científica. Gambelas: Universidade do Algarve.

(2005). “Género, Imigração e Trabalho: do paradoxo das igualdades às expectativas dos paradigmas do transnacionalismo e das migrações globais”. Comunicação apresentada no I Congresso Internacional “ A Imigração em Portugal e na União Europeia” organizado pela AGIR – Associação para a Investigação e Desenvolvimento Sócio-cultural, realizado em Vila Real de Santo António nos dias 9 e 10 de Dezembro de 2005, publicado nas Actas do Congresso em versão CD-Rom.

(2004). “Reflexões sobre os desafios da sociedade globalizada e a compatibilidade educativa”. Comunicação apresentada no II Congresso Internacional de Investigação e Desenvolvimento Sócio-cultural, realizado em Paredes de Coura entre 28 e 30 de Outubro de 2004, subordinado ao Tema: Violência, Exclusão Social e Justiça, publicado nas Actas do II Congresso em CD-Rom.

Crozier, M. e Friedberg, E. (1977). L’acteur et le systéme : les contraints de l’action collective. Paris : Éditions du Seuil.

Cruz, M. et al. (1995a). O desenvolvimento do Ensino Superior em Portugal: a PGA e os estudantes ingressados no Ensino Superior. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Ministério da Educação/DEPGEF.

(1995b). O desenvolvimento do Ensino Superior em Portugal: situação e problemas de acesso. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Ministério da Educação/DEPGEF.

Daniels, P. W. (1994), “Serviços às empresas e desenvolvimento económico”. In Pinder, D. (Organiz.). Europa Ocidental: desafios e mudanças. Oeiras: Celta Editora. Pp: 141-162.

Dearing, R. (1997). National Committee of Inquiry into Higher Education (NCIHE) Report. in Higher Education in the Learning Society. London: HMSO.

Debaty, P.(1967). La mesure des attitudes. Paris: PUF.

Delors, J. (1996) Educação: um tesouro a descobrir. Lisboa, Edições Asa.

Drucker, P. (1993). Post-Capitalist Society. London: Harper Collins.

Dubar, C. (1995). La socialization. Construction des identités sociales et professionnelles. Paris : Armand Colin.

Durand, C. (1979). Le travail enchainé. Paris : Seuil.

Erikson, E. H. (1950). Childhood and society. New York: Norton.

(1982). The Life Cycle Completed. New York, London: W.W.Norton

Enguita, M. F. (1989). “Los efectos del desempleo juvenil sobre las transiciones a la vida adulta”. In Torregrosa, J. E Álvaro, J. (Eds.). Juventud, trabajo y desempleo. Madrid: M.T. e S.S. pp: 119-133.

Entonado, F. e Fustes, M. (2001). “Integração na Vida Activa: Necessidade de uma mudança estrutural”. In Figueira, E. (Coord.) Formação Profissional na Europa: Cultura, valores e significados. Lisboa: INOFOR.

ESECT (2003). Enhancing Student Employability Conference. Derby: [s.n.].



Estanque, E. e Nunes, J. (2001). “A Universidade perante as transformações dos estudantes: O caso da Universidade de Coimbra”. In Gonçalves, A. et al. (Eds.) (2001). Da Universidade para o mundo do trabalho: desafios para um diálogo. Braga: Universidade do Minho, Conselho Académico.

Esteves, J. (1994). Jovens e idosos: família, escola e trabalho. Porto: Edições Afrontamento.

Fayol, H. (1984). Administração industrial e geral. São Paulo: Ed. Atlas.

Felstead,A. e Jewson, N. (1999). Global Trends in Flexible work. Londres: Macmillan Pres Ltd.


Fernández, J. (1988). “La formación y la inserción professional: una reflexión desde la perspectiva de l’educación y el desarrollo”. In Jornadas sobre La inserció social i professional dels joves. Barcelona, 22 de Novembro de 1988. (policopiado).


Ferrão, J. (1991). “Terciarização e território: emergência de novas configurações espaciais?”. in Análise Social. nº 114. pp: 829-845.

Ferreira, J.(1996). “Flexibilidade: os tempos e as exigências”. In Pessoal, nº73, pp: 14-31. Lisboa: I.E.F.P.

Fevre, R. (2003). The new Sociology of Economic Behaviour. London: Sage.

Figuera, P. (1995). “Panoramica de la investigación sobre los procesos de inserción sócio-profesional.”. In Revista de Investigación Educativa, 25. pp: 125-148.

Figueiredo, E. (1988). Portugal: Os próximos 20 anos- Conflito de Gerações, Conflito de Valores. Vol. II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Firmino, M. (2007) (2ª ed.). Gestão das Organizações. Conceitos e Tendências Actuais. Lisboa: Escolar Editora.

Figueiredo, E. (2006). Critica à teoria sistêmica da sociedade. Disponível em www.calvadps.c3sl.ufpr.br/oj2. Acedido em 25 de Janeiro de 2006.

Flanders, S. (1995). “The coming of the blue-collar graduate”. In Human Resources. N.º54. pp:32-54.

Fluixá, F. (1994). “La salida de la escuela y la incorporación de los jóvenes al mercado de trabajo”. In Revista de Educacion,303.

Fonseca, A.(1994) Personalidade, projectos vocacionais e formação pessoal e social. Porto: Porto Editora.

Fonseca, A. et al. (2005). Desporto, emprego e empregabilidade em Portugal: uma visão centrada nas perspectivas dos futuros protagonistas. Relatório Intermédio do estudo. Porto: FCDEF/ UP.

Freeman, R. (1976). The over-educated America. New York : Academic Press.

Freire, J. (1993). Sociologia do Trabalho: Uma Introdução. Porto: Edições Afrontamento.

Friedberg, E. (1995a). O poder e a regra – dinâmicas da acção organizada. Lisboa: Instituto Piaget.

(1995b). “Organização”. In Boudon, R. (Org.).Tratado de Sociologia. Porto: Edições Asa.

Friedmann, G. e Naville, P. (1973). Tratado de Sociologia do Trabalho. São Paulo: Ed. Cultrix e Ed. Universidade de São Paulo. 2Vols.

Galland, O. (1985). Les Jeunes, Paris, Ed. La Découverte.

(1991). Sociologie de la jeunesse. Paris: Armand Colin.

Galliano, A. (1986). A Introdução à Sociologia. São Paulo: Harbra Editora.

Garcia de Cortázar, M. L. (1988). “La demanda actual de carreras universitária: tendencias y distorciones”. In Enseñanza universitária y mercado de trabajo: el primer empleo de los titulados universitários. Madrid: Fundación Universidad y Empresa. Pp: 72-75.


Gaspar, M. I. (2004). “Competências em questão: contributo para a formação de professores”. In Discursos. Série: Perspectivas em Educação. Unesco. Pp : 55-71.

Gazier, B. (1990). “L’Employabilité: Breve Radiographie d’un concept en mutation ». In Sociologie du Travail. 32(4). Pp :575-584.

(1992). Économie du Travail e de l’emploi. Paris : Precis Dalloz.

(2001). “Employability : An Evolutionary Notion, An interactive concept". In Gazier, B. (Ed.). Employability: Concepts and Policies. Berlin: IAS. Pp :37-67.

Gazo, P. (2001). La inserción del Universitário en el mercado de trabajo. Barcelona: EUB.

Gergen, K. (1999). “If persons are texts”. In Messer, S., et al (Eds.) Hermeneutics and Psychology Theory. New Brunswick: Rutgers University Press.

Ghiglione, R. e Matalon, B. (1992). O Inquérito . Teoria e prática. Oeiras: Celta.

Giddens, A. (1996) (3ª ed.). As Consequências da Modernidade. Oeiras: Celta Editora.

Ginzberg, E. et al (1952). Occupational choice. New York : Columbia University Press.


Gitterman, A. et al. (1998). Outcomes of school career development. ERICDigest. n.º 4014.

Giust-Desprairies, F. (1996). “L’identité comme processus, entre liasion et déliasion ». In Éducation Permanente.N.º 128, pp :63-70.

Gonçalves, C. (1998). A influência da família no desenvolvimento vocacional de adolescentes e jovens. Disponível em www.psicologia.com.pt/artigos . Acedido em 25 de Janeiro de 2006.

(2005). “Trabalho: Novas interrogações e novos desafios”. In Actas dos ateliers do Vº Congresso Português de Sociologia. Sociedades Contemporâneas, Reflexividade e Acção. Atelier: Mercados, Emprego e Trabalho. Pp: 18 – 27.

Gonçalves, M. (2005). “Trajectórias sócio-profissionais de diplomados universitários: uma proposta para a sua construção.” In Actas Congresso Internacional Educação e Trabalho Representações Sociais, Competências e Trajectórias Profissionais. Aveiro: Universidade de Aveiro.

González, V. (2002). “Qué significa ser un professional competente? Reflexiones desde una perspectiva psicológica.” In Revista Cubana de Educación Superior. Vol. XXII.1. pp:45-53.

Gorz, A. (1988). Metamorphoses du Travail Quête du Sens. Paris : Gallièe.

Grácio, S. (1997). Dinâmicas da escolarização e das oportunidades individuais. Lisboa: EDUCA.

Grilo, E.M. (2006). “Licenciados desempregados”. in Semanário Expresso do dia 14 de Janeiro de 2006. Pp:18.

Grip, A. De, Van Loo, Jasper e Sanders, Jos (2005). The Industry Employability Index: taking account of supply and demand characteristics. Maastricht: Maastricht University

Grootings, P. (1985). “Les jeunes, le travail et lémploi en Europe ». In Revue Internationale des Sciences Sociales. Vol. XXXVII. n.º4. pp : 515-530.

Grozellier, A.M. (1998). Pour en Finic avec la Fin du Travail. Paris : Les Éditions Ouvrières.

Gustavsen, B. (1992).  « Investigação social e acção no local de trabalho ». In AAVV. Sistemas Flexíveis de produção e Reorganização do Trabalho. Lisboa : CESO & I e D/ PEDIP.

Hall, D. T. e Mirvis, P.H. (1996). “The new protean career: psychological success and the path with a heart”. In Hall, D. T. (Ed.). The career is dead: Long live the career. San-Francisco: Jossey-Bass.pp:15-45.

Handy, C. (1984).The Future of Work. Oxford: Blackwell.

Harvey, L. (1998). “Defining and measuring employability”. In Quality in Higher Education, (7) 2, 97-109.

Harvey, L. (1999). Employability: developing the relationship between Higher Education and Employment. Presentation at Fifth Quality in Higher Education 24-Hour Seminar. Disponível on-line em www.uce.ac.uk/crq, acedido em 4 de Dezembro de 2004.

Harvey, L. (2000). Employability audit toolkit. Birmingham: Centre for Research into Quality, University of Central England.

Harvey, L. (2003). Transitions from Higher Education to work. York: The Learning and Teaching Support Network. Disponível em www.lstn.ac.uk/ESECT, acedido em 13 de Julho de 2005.

Harvey, L. et al. (2002). Enhancing employability, recognising diversity: making links between Higher Education and the world of work. London: Universities UK.

Havinghurst, R. (1953). Human development and education. New York: Longman.

Higher Education Academy (2000). Employability and work-based learning. York: Higher Education Academy.

Hill, M. e Hill, A. (2000). Investigação por questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Hillage, J. e Pollard, E. (1998). Employability: developing a framework for policy analysis. Research Report Nº. RR85. London: Department for Education and Employment

Holmes, L. (2001). Reconsidering graduate employability: the graduate identity approach. In Quality in Higher Education, (7) 2, 111-119.

Horkheimer, M. e Adorno, T. (2004). “Sociedade”. In Foracchi, M. e Martins, J. (Eds.). Sociologia e Sociedade – Leituras de introdução à Sociologia.(23ª edição). Rio de Janeiro: LTC.

Huberman, A. e Gather-Thurler, M. (1991). La mise en pratique de la recherché. Bern: P.Lang.

Hyatt, C. (1995). Lifetime Employability, How to Become Indispensable. New York: Mastermedia Limited.

ILO (2000). Training for employment: Social inclusion, productivity and youth employment. Geneva: International Labour Conference 2000. Report V.

Imaginário, L. (2003). “Empregabilidade versus profissionalidade?!”. In Formar. N.º Especial. Pp: 13-19.

Industrial Research and Development Advisory Committee (IRDAC) (1990). Skills shortages in Europe: IRDAC opinion. Bruxelas: Comissão Europeia.

Infestas, A. (1985). “Juventud y empleo: tendencias y expectativas”. In Studia Pedagogica. 17-18. pp:47-59


Jamieson, I. (2003). “The changing context”. In WATTS,A.G. (eds) Guidance and educational change: a cross sectoral review of policy and practice. (4ª edição).CRAC.

Jodelet, D. (1997). Les Representations Sociales. Paris: Presses Universitaires de France.

Klarsfeld A e Oiry E (2003). Gérer les compétences : des instruments aux processus. Cas d'entreprises et perspectives théoriques. Paris : Vuibert.

Kleinman, M. e West, A. (1998).“Employability and the New Deal”. In New Economy, 3. pp:174-79.

Kluber, B. e Forbes, P. (2004). Student Employability Profiles. A guide for employers. London: The Council for Industry and Higher Education.

Knight, P. (2002). Employability in the first graduate job. in Innovation in education for employability. Notes from the 13th June 2002 Skills plus Conference. Disponível on-line em www.open.ac.uk/vqportal/Skills-Plus/documents/13%20June.pdf, acedido em 24 de julho de 2004.

Knight, P. e Yorke, M. (2003). Assesment, learning and employability. Berkshire: Open University Press.

Knight, P. e Yorke, M. (2004). “Learning, curriculum and employability”. In Higher Education. London: RoutledgeFalmer.

Kovács, I. (1991). “A estratégia de produção flexível e práticas organizacionais”. In ISCTE-Gestão, 9, pp: 34-51.

(1993). Sistemas antropocêntricos de produção. Lisboa: SOCIUS – ISEG.

(1999). “Qualificação, Formação e Empregabilidade”. In Sociedade e Trabalho. N.º 4. pp: 7 –17.

(2002). As metamorfoses do emprego – ilusões e problemas da Sociedade de Informação. Oeiras: Celta Editora.

(2006). “Formas Flexíveis de emprego em Portugal: Riscos e Oportunidades”. In Sociedade e Trabalho. N.º 28. Pp: 17-34.

Kovács, I. e Casaca, S. (2001). “A Abordagem qualitativa como instrumento indispensável para a compreensão das formas flexíveis de emprego”. In Actas do IX Encontro Nacional de Sociologia Industrial, das Organizações e do Trabalho – Globalização e Competitividade: Novos Cenários para o Trabalho.

Kovács, I. e Castilho, J.J. (1998). Novos Modelos de Produção: Trabalho e Pessoas. Oeiras: Celta Editora.

Kovács, I. et al. (1994). Qualificações e mercado de trabalho. Lisboa: Instituto do Emprego e Formação Profissional.

LaBruffe, A. (2003). Les competénces. Saint-Denis La Plaine:Afnor.

Laanan, F. (1998). “Community colleges as facilitators of school-to-work”. In ERICDigest, 3833.

Lallement, M. (2003). Temps, Travail et Modes de Vie. Paris: Puf.

Lankard, B. (1996). “Job training versus career development: what is Voc ed’s role?”. In ERICDigest, n.º 39521.

Lamo de Espinosa, E. (1988). “Universidad y Mercado de trabajo.” In J.Grao (Coord.). Planificación de la educación y mercado de trabajo. Madrid: Narcea. Pp:144-173.

Landsheere, V. (1992). L'éducation et la formation. Paris: PUF

Law, B. (1981). “Community interaction a “mid-range” focus for theories of career development in young adults”. In British Journal of Guidance and Counseling. 9(1). Pp:36-45.

Lawe, P.H. C. (1971). Sistémes de valeurs et aspirations culturelles. Images de la culture. Paris : Payot.

Le Boterf, G. (2005). Contruir as competências individuais e colectivas. Resposta a 80 questões. Porto: Asa Editores S.A.

(2006). “Avaliar a competência de um profissional - Três dimensões a explorar.” In Saúde, S. (Ed.). A transição para a vida activa e a inserção no mercado de trabalho: cultura, valores e propostas de intervenção. Relatório Final do Projecto PROFINSERTION. Beja: IPBeja.

Lefresne, F. (2003). Les jeunes et l’emploi. Paris: La Decouverte.

Leguay, L. e Choplin, J. (1998). “Vers une nouvelle mission des organismes de formation dans les dispositifs d’insertion des jeunes ». In Charlot, B. e Glasman, D. (Dir.). Les jeunes, l’insertion, l’emploi. Paris : Presses Universitaires de France. pp : 121-131.

Lent, B. (2004). “Social cognitive career theory, career education, and school-to-work transition: building a theoretical framework for career preparation”. In Taveira, M.C.(Coord.) et al. Desenvolvimento vocacional ao longo da vida – Fundamentos, princípios e orientações. Coimbra: Almedina.

Levin, H. (1989). “Mapping the economics of education: An introductory essay”. In Educational Researcher. 18 (4). Pp:13-16.

Levinson, D. et al. (1978). The seasons of a man’s life. New York: Ballantime Books.

Levy, et al. (1992)."Attitudes of fortune 500 corporate executives toward the employability of persons with severe disabilities: A national survey”. In Mental Retardation. 30 (2). Pp:67-75.

Liepietz, A. (1996). “Le Monde de l’aprés-fordism ». In Notas Económicas. N.º7. Julho. Pp: 34 – 51.

Lima, R. (2004). “Reflexões sobre a prática da orientação da carreira: um contributo para a definição de uma política nacional do desenvolvimento vocacional”. In Taveira, M.C.(Coord.) et al. Desenvolvimento vocacional ao longo da vida – Fundamentos, princípios e orientações. Coimbra: Almedina.


Loevinger, J. (1976). Ego-development: conceptions and theories. San- Francisco: Jossey- Bass.


Lopes, M. (1997). Estratégias de qualificação e metodologias de avaliação. Oeiras: Celta Editora.

(1999). Estratégias empresariais e competências-chave. Lisboa: Observatório do Emprego e da Formação Profissional.

(2000). As modalidades da empresa que aprende e empresa qualificante. Lisboa: Observatório do Emprego e da Formação Profissional.

(2003). “O Capital Humano em Portugal – alguns traços de um diagnóstico recente e propostas de intervenção”. In Mesa Redonda. Grandes Opções de Política Económica e Social. Pp: 79-85.

Lopes, M. e Pinto, A. (2001). “O ensino superior e a formação e aprendizagem ao longo da vida”. In Moreira, A. e Barata-Moura, J. (Coord.) Ensino Superior e Competitividade. Vol.II. Lisboa: Conselho Nacional de Avaliação do Ensino Superior. Pp: 145-226.

Madureira, C. (2000). “A organização neotaylorista do trabalho no fim do século XX”. In Sociologia, Problemas e Práticas. N.º 32. pp: 159-182.

Malicet, D. (1997). Éléments de Sociologie du Travail et de l’Organisation. Paris : Ed. ECONOMICA.

March, J. G. e Simon, H. (1993) (2ª ed.). Organizations. Cambridge : MA Blackwell.

Martinet, J. e Petit, G. (1991). A empresa num mundo em mudança. Lisboa: Edições Sílabo.

Masi, D. (1999).O futuro do trabalho. S. Paulo: José Olympio.

Mauritti, R. (2003). “Atributos de valorização de profissões futuras”. In Almeida, J. et al. (2003). Diversidade na Universidade: um inquérito aos estudantes de licenciatura. Oeiras: Celta Editora. Pp: 141-149.

(2005). Empregabilidade e perfis de inserção profissional de diplomados do ensino superior – uma visão comparativa. Comunicação proferida no Colóquio Internacional - As profissões do desporto: Desafios e perspectivas de futuro. Auditório da FEUP-Porto- dia 7 de Junho de 2005.

Mazariegos, A. et al. (1998). Competencias transversals. Un reto para la formación profesional. Barcelona: SURT/FORCEM.

McCall, J. e Simmons, J. L.(1978). Identities and interactions- an examination of human association in everyday life. London: Free Press.

Mead, M. (1935). Sex and Temperament in three primitive societies. London: Routledge & Kegan Paul.

Méda, D. (1999). O Trabalho – Um valor em Vias de Extinção. Lisboa: Editora Fim de Século.

Medina, E. (1983). “Educación, universidad y Mercado de trabajo.”. In REIS. Vol.24. pp:7 –46.

Montané, J. (1990). “La orientación ocupacional: enfoques y técnicas.”. In Actas de las VI Jornadas Nacionales de Orientacion Escolar y Profesional. Canárias, 29 de Outubro -3 de Novembro de 1990.

(1993). Orientación Ocupacional. Barcelona:CEAC.

Moscovici, S. et al. (1985). Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Moura, J. (1997). “Problemas de Política de Emprego”. In Sociedade e Trabalho. n.º1

Muller, F. (2003). L’approche par compétence de l’éleve. Disponível em http://francois.muller.fr/diversifier/comperrenoud.htm . Acedido em 14 de Fevereiro de 2006.

Mowshowitz, A. (1997). “Le meilleur des marchés : marchandises informationnelles et changement de société ». In Mayere, A. (Org.). La Sociéte Informationelle. Paris : L’Harmattan.

Murphy, K. e Welch, F. (1989). “Wage premiums for college graduates: Recent growth and possible explanation”. In Educational Research. 18 (4). Pp:17-26.

Murteira, M. (2004). Economia do Conhecimento. Lisboa: Quimera Editores, Lda.

Neugarten, B. (1976). “Adaptation and the life cycle”. In Counseling Psychologists. 6 (10). Pp:16-20.

Nicole-Drancourt, C e Roulleau-Berger, L. (1995). L’insertion des jeunes en France. Paris : PUF.

Nihhof, W.J. e Streumer, J. N. (s/d) (Eds.). Key qualifications in work and education. Dordtrecht: Kluwer Academic Publishers. (policopiado).

Olímpio, M. (1997). Alentejo 2010. O cenário mais provável. Tese de Doutoramento em Sociologia Rural e Urbana. Évora: Universidade de Évora.

Oliveira, L. (1994). “Trajectórias, identidades, projectos profissionais e sucesso na formação”. In Estado Actual da Investigação em Formação. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

Ortega, A. e Rosa, M. (2002). Trabajo, empleo y cambio social. Valência: Titant Blanch.

Outin, J. L. (2000). “Trajectoires Professionelles et mobilité de la main-d’Ouvre : La construction Sociale de l’Employabilité”. In Sociologie du Travail, 72 (4). Pp :469-489.

Pahl, R. (1984). Divisions of Labour. Oxford: Basil Blackwell.

Pais, J. M. (1991). “Emprego Juvenil e Mudança Social: velhas teses, novos modos de vida”. In Análise Social, vol.114.

(1993). Culturas Juvenis. Lisboa: I.N.C.M.

Paixão, M.(1988). “A Perspectiva Temporal de Futuro (P.T.F.) em algumas Teorias do Comportamento Vocacional”. In Psychologica, 1, Coimbra, F.P.C.E.

Paradeise, C. (1994). “Analyse stratégique et théorie de la décision ». In Pavé, F. e Crozier, M. (Org.). L’analyse stratégique : sa génese, ses applications et ses problémes actuels. Paris : Éditions du Seuil. Pp : 193-203.

Parsons, T. (1980). “O conceito de Sistema Social”. In Cardoso, F. H. e Ianni, O. (Org.).Homem e Sociedade: leituras básicas de Sociologia Geral. 12ª ed. São Paulo: Editora Nacional. Pp: 39-64.

Pascual,A.(1995). Processos paradojicos de construccion de la juventud en um contexto de crisis del mercado de trabajo. REIS.

Pearson, R. W. (1998). “Creating Flexible Careers: Some Observations on a “Bridge” Programme for Unemployed Professionals”. In British Journal of Guidance and Counseling. 16(3). Pp:250-267.

Peiró, J. et al. (1994). “Patrones de significados del trabajo antes y después de las transiciones desde la formación profesional”. In Revista de Educación, nº303 (Transición de la educacion a la vida activa).Barcelona: CIDE.

Perrenoud, P. (2002). O que fazer da ambiguidade dos programas escolares orientados para as competências. Disponível on-line em www.unige.ch/fapse/SSE/teachers/perrenoud/php_main/textes, acedido em 14 de Abril de 2005.

Perry, W. (1970). Forms of intellectual and ethical development in the college years. New York: Holt, Rinheart e Winston.

(1992). The sense of vocation: A study of career and life development. Albany: State University of New York Press.


Perron, R. (1971). Modéles d’enfants. Enfants. Modéles. Paris: Ed. Puf.

Petrella, R. (1994). “As armadilhas da economia de mercado para a formação no futuro: para além do anúncio, a necessidade da denúncia”. In Formação Profissional. N.º 3.pp: 14- 36.

Pinto, J. (2000). “Flexibilidade, segurança e identidades socioprofissionais”. In Cadernos de Ciências Sociais, 19/20, 5-39.

Pires, A. (1995) Desenvolvimento pessoal e profissional: um estudo dos contextos e processos de formação das novas competências profissionais. Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Ciências da Educação. Lisboa: FCT/UNL.


Planas, J., et al. (1991). Itinerários de inserción professional y social de los hombres y mujeres de 31 años. ICE-UAB e Instituto de la Mujer – Ministerio de Asuntos Sociales.


Popper, K. R. (1999). A VIDA É APRENDIZAGEM. Lisboa: Edições 70.

Purcell, K. et al. (1999). Graduate Opportunities, Social Class and Age: Employers’ Recruitment Strategies in the New Graduate Labour Market. London: Council for Industry and Higher Education.

Raffe, D. (Ed.) (1998). Education and the youth labour market. London: Falmer Press.

Ramos, L. (1991). “A escola e a vida activa - tendências contemporâneas”. In Actas da Conferência Nacional Novos Rumos para o Ensino Tecnológico, Artístico e Profissional. Porto: GETAP/ME.

Ramos dos Santos, A. (1989). “Flexibilidade do trabalho e flexibilidade da tecnologia: conceitos, tipologias e medidas”. In Estudos de Economia. IX(3). Pp:325-336.

Rapapport, C. et al. (1982). A idade escolar e a adolescência. Vol.4. Colecção: Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, Lda.

Rebelo, G. (2002). “Para uma tipologia da precariedade da actividade laboral.” In Organizações e Trabalho. N.º28. pp:69-85.

Reuter, E. B. (1937). “The sociology of adolescence”. In American Journal of Sociology. Vol 43. pp:414-427.

Rifkin, J. (1995). The End of Work: The Decline of the Global Labor Force and the New Post-Market Era. New York: Jeremy P. Tacher; G.P. Putnam’s Sons.

Roberts, K. (1984). School leavers and their prospects: Youth labour market in the 1980s. Milton Keynes: Open University Press.

(1988). “El acesso de los jóvenes al mercado de trabajo y la orientación vocacional: lo que está en juego”. In Perspectivas. 68. pp:521-534.

Rodrigues, M. (1992). O Sistema de Emprego em Portugal: Crise e Mutações. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

(1994). Competitividade e recursos humanos. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

(1995). “Atitudes da população portuguesa perante o trabalho”. In Organizações e Trabalho, 14. pp: 33-63.

Roquero, E. (1994). “Los tránsitos laborales: por la diversidad de las estrategias personales, en el marco de la organización de la transición”. In Revista de Educación, 303.

Rose, J. (1987). En busca de empleo. Formación, paro, empleo. Madrid: M.T.y S.S.


Rumberger, R. (1980). “The economic decline of college graduates: fact or fallacy?”. In Journal of Human Resources. 15. pp:99-112.

Sainsaulieu, R. (1977).L’identité au travail. Paris : PFNSP.

(1987). Sociologie de l’organisation et de l’entreprise. Paris : Presses de la Fondation Nationale des Sciences Politiques & Daloz.

Salgueiro, T. (Coord.) et al. (2000). Emprego e empregabilidade no comércio - Relatório Final. Lisboa: Grupo de Estudos Cidade e Comércio.

Saúde, S. (1998). Os valores e as aspirações profissionais dos jovens. O caso dos estudantes do ensino secundário do concelho de Beja. Tese de Mestrado em Sociologia. Évora: Universidade de Évora.

(2002). A inserção profissional dos alunos diplomados no Instituto Politécnico de Beja – identificação de perfis e factores de limitação. Relatório de Investigação não publicado. Beja: IPB.

Sauvy, A. (1980). La machine et le chômage. Paris: Dunod.

Schein, E. (1982). Dinamica de la carrera empresarial. México: Fondo Educativo Interamericano.

Schlossberg, N.K.(1981) “A model for analyzing human adaptation to transition”. In The Counseling Psychologist, nº3, pp: 4-12.

Schnapper, D. (1997). Contre la fin du travail. Paris: Textuel.

Schultz, T. W. (1961). “Investment in Human Capital.”. In American Economic Review.n.º51. pp:1-17.

(1971). Investment in human capital: the role of education and of research. London: Free Press/Collier-Macmillan.

Schwartzenberg, R. (1979). Sociologia Política – Elementos de Ciência Política. São Paulo: Difel.

SEDA (2004). Supporting staff to Enhance Student Employability Conference. Leicester: UK.

Sedas Nunes, A. (1968). Sociologia e Ideologia do Desenvolvimento. Lisboa: Moraes Editora.

(2000). “A população universitária portuguesa: uma análise preliminar” e “O sistema universitário em Portugal: alguns mecanismos, efeitos e perspectivas do seu funcionamento”. In Sedas Nunes, A. Antologia Sociológica. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.

Sheehy, G. (1976). Passages. Predictable crises of adult life. New York: Dutton.

Silva, C.G. (1999). Escolhas escolares, heranças sociais. Oeiras: Celta.

Silva, C., Olímpio, M., Saragoça, J., Bugio, A., Pedro, M. e Silva, S. (2001). “ Formação profissional dos jovens e sua empregabilidade no Alentejo”. in Actas X Encontro Nacional de Sociologia Industrial das Organizações e do Trabalho. Lisboa: APSIOT.

Simão, J., et al. (2002). Ensino Superior : Uma visão para a próxima década. Lisboa: Gradiva.

Simon, H. (1976) (3ª ed.). Administrative Behaviour. New York: Free Press.

Smetherham, C. (2003). The employability of first class graduates. Paper presented at the British Educational Research Association Annual Conference. Disponível on-line em www.leeds.ac.uk/educol/documents, acedido em 7 de Janeiro de 2005.

Sorel, M. e Wittorski, R. (2005). La professionalisation en actes et en questions. Paris: L’Harmattan.

Spencer, A. (1973). “Job market signalling”. In Quaterly Journal of Economics. 87 (3).pp: 24 – 35.


Stahl, T, Nyhan, B. e D’Aloja, P. (1993). A Organização Qualificante. Bruxelas: Comissão da Comunidade Europeia, Eurotecnet.

Standing, G. (2000). “Do trabalho penoso ao trabalho decente”. In Economia Pura.pp: 37-41.

Sterns, H. L. e Dorsett, J. G. (1994). “Career development: A life span issue.” In Experimental Aging Research, Special Issue on Cognition, Work Technology and Environmental Design for the Elderly. 20 (4). Pp:257-264.

Stroobants, M. (1993). Sociologie du Travail. Paris: Ed. Nathan.

Stoeffer-Kern, F. e Martinelli, D. (Eds.) (1998). Parcours de formation et insertion professionnelle des étudiants. Marselha: CEREQ.

Super, D. E. (1942). The dynamics of vocational adjustment. New York : Harper & Brothers Publishers.

(1950). The psychology of careers. New York: Harper & Row.

(1980). “A life span, life-space approach to career development”. In Journal of Vocational Behavior. N.º16. pp:282-298.

(1990). “A life-span, life-space, aprroach to career development.” In D. Brown e L. Brooks (2ª edição). Career choice and development. San Francisco: Josset – Bass. Pp: 167-261.

Tajfel, H. (1982). Grupos humanos e categorias sociais: estudos em psicologia social. Lisboa: Livros Horizonte.

Taks, M. et al. (2000). Careers of graduates in sport and sport related programmes (including Physical Education) - Final Report. European Observatory of Sport Occupations.

Tarsh, J. (1988). “El mercado de trabajo de los titutlados en el Reino Unido”. In Experiencias de acercamiento entre la educación superior y el empleo. Madrid: Fundación Universidad y Empresa. Pp: 123-145.

Taylor, F. (1982). Princípios de administração científica. São Paulo: Ed. Atlas.

Terssac, G. (1996). “Savoir, compétences et travail”. In Barbier, J.M. (Dir.). Savoirs théoriques et savoirs d’action. Paris: PUF. Pp: 223 -248.

Tezanos, J. (2001).El trabajo perdido. Madrid: Biblioteca Nueva.

Thérry, M. (2002). “An european approach to lifelong learning: goals and reality”. In Training & Employment. N.º49. pp:1-4.

Thijssen, J. (2002). Employability : Conceptual change and Components. Utrecht : University of Utrecht.

Thurow, L. (1983). “Educación e igualdad económica”. In Educación y Sociedad. 2. pp:159-171.

Toffler, A. (1980). A Terceira Vaga. Lisboa: Ed. Livros do Brasil.

Touraine, A. (1976). Em Defesa da Sociologia. Rio de Janeiro : Ed. Zahar.

(1998/1999). “Antigua y nuova sociologia del trabajo”. In Sociologia del Trabajo. N.º35. pp: 24- 41.

(2004). “Os movimentos sociais”. In Foracchi, M. e Martins, J. (Eds.). Sociologia e Sociedade – Leituras de introdução à Sociologia.(23ª edição). Rio de Janeiro: LTC. Pp: 283-308.

Trottier, C. (2000).  « Questionnement sur l’insertion professionnelle des jeunes ». In Lien Social et Politiques, 43.

(2001). « La sociologie de l’éducation et l’insertion professionnelle des jeunes ». In Éducation et Sociétés, 7, 93-101.

Vala, J. (1986) “A Análise de Conteúdo”. In Silva, A. S. e Pinto, J.M.(Org.) Metodologia das Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento.pp:101-128.

Vala, J., Monteiro, M. B., Lima, L. e Caetano, A.(1995). Psicologia Social das Organizações. Oeiras: Celta Editora.

Vergnies, J. e Sigot, J. (1998). L’insertion professionnelle des diplômés de l’enseignement supérieur. Enquête 1997 auprès des sortants de 1994. Marselha: CEREQ.

Verniéres, M. (1997). L’insertion professionnelle. Analyses et Débats. Paris : Ed. Económica.

Weber, M. (1971). “Os três aspectos de autoridade legítima”. In Amitai Etzioni (Ed.) Organizações complexas: Estudo das organizações em face dos problemas sociais. São Paulo: Atlas.

(2004). “Ação social e relação social”. In Foracchi, M. e Martins, J. (Eds.). Sociologia e Sociedade – Leituras de introdução à Sociologia.(23ª edição). Rio de Janeiro: LTC.

Yorke, M. (2004). “Employability in higher education: what it is-what it is not?”. In Learning & Employability Series. Disponível em www.itsn.ac.uk/ESECT, acedido em 14 de Abril de 2005.

Yorke, M. e Knight, P. (2002). “Employability through the curriculum”. In Skills Plus: tunning the undergraduate curriculum. June 2002 edition. Disponível em www.open.ac.uk/vqportal/Skills-Plus/home.htm, acedido em 8 de Setembro de 2004.


Young, R. E Valach, L. (2000). “Reconceptualising career theory and research: Na action-theoretical perspective”. In A. Collin e R. A. Young. (Eds.). The future of career. Cambridge, Uk: Cambridge University Press. Pp: 181-196.

Zárraga, J. (1988). La inserción de los jóvenes en la sociedad. Madrid: Instituto de la Juventud.

(1999). Informe de la juventud en España. Madrid: Instituto de la Juventud.



2. Outros documentos

Conclusões da Presidência. Conselho Europeu de Lisboa. 23-24 de Março de 2000. Disponível em http://www.estatisticas.gpeari.mctes.pt/docs/ficheiros/EstrategiaLisboa.pdf. Acedido em 14 de Janeiro de 2006.

Comissão das Comunidades Europeias (2003). Comunicação da Comissão ao Conselho, ao Parlamento Europeu, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões. O futuro da Estratégia Europeia de Emprego. “Uma estratégia de pleno emprego e melhores postos de trabalho. Disponível em http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/site/pt/com/2003/com2003_0006pt01.pdf. Acedido em 14 de Janeiro de 2006.

Comissão das Comunidades Europeias (2005). Comunicado da Comissão. Uma política de coesão para apoiar o crescimento e o emprego: orientações estratégicas comunitárias, 2007-2013. Disponível em http://eur-lex.europa.eu/LexUriServ/site/pt/com/2005/com2005_0299pt01.pdf . Acedido em 14 de Janeiro de 2006.

Comissão Europeia (1996). Teaching and Learning. Towards the Learning Society. Bruxelas : Comissão Europeia.

(2000). Lisbon European Council. Presidency conclusions. Bruxelas:Comissão Europeia.

Commission Européenne (1997). Les jeunes de L’Union Européenne: ou les âges de transition. Luxembourg, Eurostat: Office des Publications Officielles des Communautés Européennes.

Commonwealth Australia (2002). Employability skills for the future. Australia: Department of Education, Science and Training.

Confederation of British Industry (1998). In search of employability: a CBI discussion document. London: CBI.

Consejo de Universidades de España (1988). La situaciones y perfil del desempleo y subempleo de los titulados universitarios. Madrid: MEC.


DGEEP (2005).Inquérito à execução de acções de formação profissional. Lisboa: MTSS/DGEEP.

Dicionários PRO de Língua Portuguesa (2005). Porto: Porto Editora.

European Commission (1991). Memorandum on Higher Education in the European Community, 5. Brussels: Commission of the European Communities.

Kok, W. (2003). Alargar a União Europeia. Realizações e Desafios. Relatório de Wim Kok à Comissão Europeia. Disponível em http://ec.europa.eu/enlargement/archives/pdf/enlargement_process/past_enlargements/communication_strategy/report_kok_pt.pdf. Acedido em 18 de Junho de 2007.

Instituto Nacional de Estatística (1970). 11º Recenseamento Geral da População – 1970. Lisboa: INE.

(1981). Recenseamento Geral da População – 1981. Lisboa: INE.

(2001). Recenseamento Geral da População – 2001. Lisboa: INE.

(2007). Estatísticas do Emprego. 2º Trimestre 2007. Boletins e Folhas de Informação Rápida. Lisboa: INE. Disponível em http://www.ine.pt/portal/pagr/portal/PORTAL_INE/Publicacoes, acedido em 27 de Agosto de 2007.

Ministére de L’Éducation Nationale – Réseau des Greta (2006). Glossaire – Adapt- DYNAMO – Dinamiques Territoriales et Mobilité des competences. Paris : CR2i.

Ministério do Trabalho e Solidariedade (1999). Plano Nacional de Emprego – Portugal e a Estratégia Europeia para o Emprego.

Novas Oportunidades. Iniciativa no âmbito do Plano Nacional de Emprego e do Plano Tecnológico (s/d). Disponível em http://www.portugal.gov.pt/NR/rdonlyres/37639A8E-7B86-4A78-8729-B65CDF6FB2A1/0/Novas_Oportunidades.pdf, acedido em 14 de Janeiro de 2006.

ODES (2002). Apresentação do 1º inquérito de percurso aos diplomados do ensino superior 2001: primeiros resultados. Disponível on-line em http://www.inofor.pt/calendario/result_odes.html, acedido em 18 de Dezembro de 2004.

OECD (2005). OECD EMPLOYMENTO OUTLOOK – 2005 Edition. Summary in Portuguese.

OECD (2006). REVIEWS OF NATIONAL POLICIES FOR EDUCATION – TERTIARY EDUCATION IN PORTUGAL. Examiners’ Report. Disponível em www.mctes.pt/docs/ficheiros/OCDE___Relatorio__124_paginas_.pdf acedido em 11 de Dezembro de 2006.

OEFP (Observatório do Emprego e Formação Profissional) (2006). Aspectos estruturais do mercado de trabalho. Lisboa: OEFP.

PNACE – Programa Nacional de Acção para o Crescimento e o Emprego (2005-2008) disponível em http://www.portugal.gov.pt/Portal/PT/Primeiro_Ministro/Documentos/20051028_PM_Doc_PNACE.htm. Acedido em 10 de Outubro de 2006.







Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal