Os romances de Enrique Perez Escrich e o cotidiano de leituras na Biblioteca Provincial do Ceará



Baixar 35.13 Kb.
Encontro09.02.2018
Tamanho35.13 Kb.

OS ROMANCES DE ENRIQUE PEREZ ESCRICH: Cotidiano de leituras na Biblioteca Provincial do Ceará.
José Humberto Carneiro Pinheiro Filho (Mestrando em Teoria e História Literária - Unicamp; bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP)


I

A fundação de uma biblioteca pública na Província do Ceará em 1867 pode ser pensada como sintoma de uma modernização que caracterizou várias mudanças ocorridas em Fortaleza, principalmente, a partir da metade do século XIX. Na perspectiva de configurar uma cidade aos moldes das sociedades mais “civilizadas”, o governo e as elites provinciais investiram na organização de espaços e instituições que possibilitassem uma experiência de vida civilizada para a sociedade da capital da Província. Disciplinar a conduta dessa gente, instilar novos hábitos e gostos, eram ideais que estavam na ordem do dia dos entusiastas dessa modernidade. Vários foram os acontecimentos que nos fornecem indícios dessas iniciativas modernizadoras e civilizatórias em Fortaleza do século XIX, como os projetos de urbanização, as campanhas higienizadoras, com a construção de hospitais, asilos, etc, a criação de estabelecimentos de ensino, a concepção da Biblioteca Pública, tudo isso sendo resultado desse interesse de excitar uma “ordem civilizada” para os corpos, gestos e práticas sociais.

A conjuntura social na qual surgiu a Biblioteca Provincial do Ceará sinalizava a formação das camadas médias em Fortaleza, sintoma e relação da maior autonomia econômica que vivia a Província, possibilitando uma nova ordem na suas relações de capital, mudando o quadro de interesses políticos, e gerando novas demandas sociais – com o adensamento urbano e o aparecimento de novas funções.

A Biblioteca Provincial do Ceará surge nessa perspectiva de civilização, enquanto um espaço com demandas de condutas caras a um ideal de comportamento, e como um lugar onde a instrução, em tese, tornar-se-ia mais acessível. Pelo menos era assim que aqueles envolvidos com a sua realização viam a sua funcionalidade. Essa instituição foi inaugurada oficialmente em 25 de março de 1867, depois de alguns anos de discussões sobre a sua realização. A falta de verba foi sempre o motivo colocado pelo governo provincial para suspender a concretização desse empreendimento para a Província do Ceará. De fato, ao verificarmos, por exemplo, a quantia destinada em 1848 para a construção de uma biblioteca no Liceu, comprovaremos uma cifra insuficiente para tal iniciativa.

Para a sua fundação, podemos notar um ínfimo investimento, pois a Biblioteca Provincial surge em cena ocupando um prédio que havia sido construído para servir de sede a Escola Normal, na Praça Marquês de Herval. Mas como essa instituição acabou não surgindo nesse momento, esse espaço foi usado para a acomodação da Biblioteca. A improvisação dessa instalação geraria um “desconforto” à funcionalidade dessa instituição, tendo em vista que a constituição de uma biblioteca implica numa disposição espacial adequada ao seu emprego. Outro fato que indicou uma apática participação do governo nos primeiros passos dessa Biblioteca foi a constituição do seu acervo, pois houve uma maior participação de particulares, que doaram 1.116 volumes, enquanto 614 volumes foram comprados pela Província.

Todos os dias úteis, de 4 horas da tarde às 8 horas da noite, essa foi a agenda de funcionamento da Biblioteca Provincial nos seus dez primeiros anos de existência. Para a sua administração, teria como responsável um bibliotecário, que ficava incumbido de supervisionar os consulentes, de retirar e pôr os livros nas estantes, enfim, de zelar pela ordem e excelência dessa instituição, atualizando o governo das carências e necessidades da Biblioteca. Pelo que concluímos sobre os gestores desse estabelecimento entre 1867 a 1878, eles eram funcionário do governo, que dentre outros cargos públicos que ocuparam estava o de bibliotecário da Biblioteca Provincial. As administrações dos primeiros vinte anos de funcionamento dessa biblioteca ficaram a cargo dos bibliotecários José de Barcellos, de 1867 a 1869, João Severiano Ribeiro, de 1870 a 1873, Herculano de Araújo Salles, de 1873 a 1875, e Fausto Domingues da Silva, de 1875 a 1885. Esses funcionários deixaram as suas impressões, comentários e pedidos sobre a Biblioteca nos relatórios produzidos por eles durante as gestões.

Como falamos em linhas anteriores, a Biblioteca Provincial do Ceará surgiu investida de anseios otimistas para a difusão da cultura letrada. Porém, não demoraria muito para que alguns obstáculos a essa pretensão fossem apontados pelos seus responsáveis, como uma verba insuficiente, acervo desatualizado, carência de mais funcionários - pois ela contava apenas com os serviços de um bibliotecário -, pouca freqüência de leitores, etc. De 1867 a 1878, encontraremos, nos relatórios sobre a Biblioteca Provincial, freqüentemente essas reclamações, que vinham sempre acompanhadas de sugestões dos seus responsáveis para solucionar esses infortúnios e garantir ditosos resultados para a Biblioteca. Uma questão que se tornou destaque nos balanços da Biblioteca, de 1867 a 1877, foi o problema da sua localização espacial, que implicava, segundo os bibliotecários, na baixa freqüência desse estabelecimento. Este foi um assunto que ganhou destaque nas reclamações dos bibliotecários. Os pedidos para a transferência da Biblioteca sempre se intensificavam quando os números da movimentação de consulentes eram apresentados, sendo a sua localização sempre colocada como principal causa desse problema. Contudo, é importante falar que em nenhum relatório sobre a Biblioteca Provincial foi indicado especificamente algum lugar para onde ela pudesse ser deslocada, sendo solicitado apenas que fosse no centro da cidade. A ocorrência desse assunto nos relatórios não diminuiu com as sucessões dos bibliotecários, aliás, ganhando encorpamento na medida em que voltava a ser destacado no relatório seguinte, assim sendo de 1867 a 1877.

Em 1877, o governo provincial realizou um acordo com a diretoria do Gabinete Cearense de Leitura para a concessão de um prédio público localizado à rua Formosa, 92, em que funcionava o quartel de polícia, para o estabelecimento do mesmo Gabinete. Este acordo previa a instalação do Museu Provincial, que funcionava com a Biblioteca, numa das salas desse prédio, ficando sob responsabilidade de custeio e conservação do Gabinete Cearense de Leitura. Após esse contrato, não demoraria muito para que o governo usasse esse acordo com o Gabinete para realizar a transferência da Biblioteca Provincial. Pois, dez anos após a sua fundação, as reclamações sobre a má localização dessa instituição não tinham cessadas. Dessa forma, a necessidade de uma mudança de endereço da Biblioteca tornava-se mais urgente, já que, segundo os seus administradores, os propósitos que animaram a sua criação estavam frustrados pela condição de quase abandono em que se encontrava.

Portanto, em 1878, a Biblioteca Provincial do Ceará foi transferida do seu endereço na Praça Marquês de Herval para a rua Formosa, 92, para o prédio em que já estavam instalados o Gabinete Cearense de Leitura e o Museu Provincial. Aproveitando exatamente o contrato feito com o Gabinete, o governo provincial transferiu a Biblioteca, ficando a sua administração a cargo de um dos diretores do Gabinete. A Biblioteca continuava sob domínio da Província, porém.

Para legalizar melhor esta nova disposição física e administrativa da Biblioteca, foi elaborado um novo regulamento para essa instituição, publicado em 25 de outubro de 1878. Este regimento trazia no seu texto alguns artigos que tratavam especificamente da relação Biblioteca Pública e Gabinete Cearense de Leitura, como, por exemplo, o que tratava do cargo de bibliotecário a ser ocupado por um dos diretores do Gabinete.

O aumento da freqüência de visitas a esse lugar após a sua mudança para a rua Formosa, 92, confirmava assim, os diagnósticos dos seus bibliotecários que apontavam a suposta descentralização espacial da biblioteca como causa decisiva do baixo número de leitores que circulavam diariamente nesta instituição. Com pouco tempo em que esse estabelecimento encontrava-se no seu novo endereço, já temos a seguinte reação sobre a freqüência dos visitantes:
Observa-se já notável augmento sobre os annos anteriores, atribuo este lisongeiro resultado à transferência da Bibliotheca para o centro da cidade em lugar muito conveniente e à abertura durante algumas horas da noite.i
Nessa sua fase na rua Formosa, 92, a Biblioteca Provincial do Ceará funcionava em todos os meses do ano, e, de segunda a sábado, o que possibilitava uma maior oferta dessa instituição ao público em geralii. Essa organização de funcionamento pode ser vista como indício de uma procura em atingir os propósitos da sua fundação.

De 1878 a 1887, vamos ter registradas, num livro de consulentes da Biblioteca Provincial do Ceará, as consultas realizadas por aqueles que freqüentaram esse estabelecimento nesse período. De acordo com o regulamento de 1867, as consultas já deveriam ser registradas a partir desse ano num livro específico para tal finalidade. Entretanto, o registro mais antigo que conseguimos localizar refere-se ao intervalo entre 1878 e 1887.

O trabalho com os dados desse livro de leitura tem nos permitido fazer algumas discussões caras para o entendimento das relações e das práticas culturais em fins do século XIX na Província do Ceará. Folheando as páginas desse registro de leituras, imediatamente percebemos, o que não seria uma novidade para a época, o predomínio de homens na composição do público que estava freqüentando essa instituição. Nos dias em que há presença feminina na biblioteca, podemos supor, observando as seqüências das assinaturas do livro de consulentes, que elas se dirigiam sempre acompanhadas de outras mulheres. Como alguns exemplos disso, tivemos em 28 de abril de 1879, na Biblioteca, as consulentes Francisca Fernandes, Isabel de Mello Carmo e Josefa Pinto do Carmo, dois dias depois, estiveram juntas Maria José Ferreira, Isabel Maria Ferreira. No dia 07 de maio do mesmo ano, encontramos os registros de Rosa Brigido, Maria Brigido, Isabel Brigido e Ovidia Brigido.

Sobre as escolhas registradas nesse livro, podemos perceber que a maioria é de obras de ficção, havendo um predomínio de romances registrados no livro de consulentes. Como alguns exemplos dos autores mais consultados, temos: Enrique Perez Escrich, Cezar Cantú, Xavier d’ Montepin, Alexandre Herculano, etc. Ou seja, a leitura de romances foi o que predominou entre 1878 e 1887, na Biblioteca Provincial do Ceará. Do ponto de vista das escolhas dos seus freqüentadores, esse estabelecimento transformou-se em um lugar para ler romances na segunda metade do século XIX, na Província do Ceará. Observamos também, por meio dessas referências, que a literatura estrangeira tinha uma maior preferência entre os leitores da Biblioteca Pública.



Mas a recorrência extraordinária do nome de Enrique Perez Escrich nesse livro de consultas foi algo que, indubitavelmente, mereceu uma análise especial nesse estudo. Tendo em vista os dados do registro de consulentes dessa biblioteca, de 1878 a 1887, vimos que os romances desse autor alcançaram números extraordinários em termos de escolhas dos leitores, tendo sido suas obras lidas diariamente nesse espaço. A freqüência com que os títulos desse escritor eram consultados destacava-se entre as outras opções dos leitores.

II
Enrique Perez Escrich nasceu em Valencia, em 1829, e morreu em Madri, em 1897. Indo ainda jovem para a capital espanhola, começou publicando dramas, para os quais usava o pseudônimo de Carlos Peña-Rubia y Tello. Leonardo Romero Tovar, num verbete sobre esse autor, considera-o um “aplaudido autor de piezas teatrales, como La Pasión y muerte de Jesús (1856), que se llegó a representar como espectáculo edificante los Viernes de Cuaresmas”iii. Sobre o sucesso do seu teatro, temos o próprio autor falando, numa introdução, do prestígio que sua peça O Cura de Aldeia, de 1858, conquistou nas suas primeiras e seguintes encenações. Fato este que deixava os senhores Manini, editores e amigos do escritor, interessados em dar outras formas de circulação a essa história, propondo uma versão em romance desse dramaiv. Em 1861 já podíamos encontrar essa peça adaptada a essa forma literária. Segundo Gullon, colaborou também com publicações moralizantes como El amigo de la Família, La Ilustración Católica e o El Mundo de los Niños, encontrando-se em seus trabalhos uma ideologia católica conservadorav. Ele mesmo reconheceria, numa introdução a um de seus romances, a influência que os valores cristãos tiveram na sua formação moral e na sua literatura:
Quando creança, meus Paes fizeram-me comprehender as bellezas da religião christã. Quando homem, os Evangelhos, esse livro rei dos livros, essa obra que brotou dos lábios de Deus e que os apóstolos transmitiram aos homens para consolação da humanidade, veio com a sua divina leitura arraigar ainda mais o christianismo no meu coração... Mas se as ideias de um author se revelam pela essencia que se encerra nas suas obras, leiam-se as minhas, e ver-se-há que, como escriptor, procurei prégar as ideias d’esse grande livro ( os Evangelhos ) ; e como homem procurei, e isto sabem-no quantos me conhecem, pratical-as na minha vida particular.vi
Entre 1863 e 1864 publicava El Mártir del Gólgota, Tradiciones de Oriente, tornando-se logo carro-chefe de um modismo editorial chamado novela por entregas, que tomou jornais e fascículos de Madri e Barcelona. Escrich viu, dessa forma, a sua produção ganhar significativa popularidade, transformando-se, segundo Marlyse Meyer, num dos autores mais conhecidos da Espanha. Não obstante esse sucesso, a autora comenta que Escrich queixou-se, numa introdução d’A Casaca Azul, dos abusos que os editores dessa linha comercial cometiam contra os seus autores (MEYER, 1996).

Ao se referir a Perez Escrich como “um folhetinista que foi popularíssimo no Brasil”, Marlyse Meyer afirma que as suas obras ainda não foram analisadas pela crítica formal, estando bem desconhecidas pela “mal chamada república literária.”

Analisando registros de biblioteca, catálogos de gabinetes de leitura, inventários de livreiros, anúncios de livrarias, vemos como foi expressiva a recepção que seus romances tiveram no Brasil dos oitocentos.

O livro de consultas da Biblioteca Provincial do Ceará, que utilizamos para observar as leituras dos freqüentadores desse estabelecimento, começou os seus registros em abril de 1878, ficando, desse ano, apenas registrado esse mês. Já o cotidiano de leituras nessa instituição a partir de 1879 seria registrado sem interrupções até 1887vii.

As consultas às obras de Escrich foram praticamente diárias no período registrado no livro de leituras, sendo em alguns dias quase absoluta. Os números referentes a Perez Escrich e aos seus romances, nesse momento, na Biblioteca, são surpreendentes: em maio, de 1879, seus romances foram consultados 64 vezes; em julho, de 1879, 95 vezes; em agosto, de 1879, 84 vezes. Esses são apenas alguns exemplos. Enquanto os romances de Escrich obtinham esses índices de escolha, clássicos, como Ovídio, recebiam 1 consulta, as obras de José de Alencar dificilmente alcançavam 4 consultas em um mês, as de Joaquim Manuel de Macedo e de Machado de Assis também quase não eram solicitadas.

Numa observação mais detalhada e cuidadosa desse documento, conseguimos perceber melhor o que foi, no mínimo, um grande interesse dos indivíduos que usavam esse ambiente para a formação da sua cultura letrada e/ou para entretenimento. Para começar temos ao longo dos dias registrados nesse livro uma variedade significativa de títulos de Perez Escrich que foram lidos e, porque não, relidos nessa biblioteca. A Mulher Adultera, Amor dos Amores, Coração nas mãos, A mãe dos desamparados, A Esposa Martyr, O amigo intimo, Um drama no mar, O Martyr do Golgotha, Casamento do Diabo, A Perdição da mulher, são alguns desses títulos.

Percorrendo as páginas do registro de leitura dessa biblioteca, percebemos, com relação às consultas aos romances de Perez Escrich e aos seus leitores, situações muito interessantes. Como o que aconteceu no sábado do dia 23 de junho de 1879, quando houve 3 consultas na biblioteca, sendo duas ao romance A Mulher Adúltera. Nesse dia, José Carneiro Meirelles e Francisco Gonçalves Vieira foram a esse estabelecimento conhecer a história dramática de Madalena, protagonista desse romance. No período de funcionamento da biblioteca registrado no livro de consultas, era a primeira vez que Francisco Gonçalves Vieira lia nesse espaço, já escolhendo a ficção de um autor cujos títulos, nesse momento, na Biblioteca Provincial do Ceará, alcançavam expressivos índices de preferência entre os leitores. Com relação a José Carneiro Meirelles, ele havia estado na biblioteca a 24 de maio do mesmo ano lendo “Os que riem e os que choram”, de Escrich. Já tendo conhecido a escrita desse autor, este leitor voltava à biblioteca quase 1 mês depois para consultar uma outra obra do literato espanhol. Como a biblioteca nesse período fechava aos domingos, José Carneiro Meirelles teve que esperar até a segunda-feira, dia 25 de junho, para continuar a sua leitura do romance A Mulher Adúltera. Tendo em vista a sua volta imediata à biblioteca para continuar lendo essa história, podemos supor que, no mínimo, esta trama despertou alguma curiosidade nesse leitor, levando-o, talvez, a lamentar o não funcionamento dessa instituição aos domingos, já que esperou até segunda para prosseguir com a sua leitura. Nesse mês de junho, as obras de Perez Escrich foram solicitadas 55 vezes ao bibliotecário Fausto Domingues da Silva, ficando, como já apontamos anteriormente, nessa média ou acima durante os outros meses registrados.

Enquanto único espaço institucional público de leitura na segunda metade do século XIX no Ceará, a Biblioteca Provincial funcionou como um aparelho decisivo para a formação do universo de leitura nessa Província. Dessa forma, é plausível afirmar que os romances de Enrique Perez Escrich participaram significativamente dessa constituição.

Os dados apresentados até aqui mostram um pouco da expressiva repercussão de Escrich na segunda metade do século XIX, na Província do Ceará. Entretanto, estando convencidos desse fato, é importante notarmos que isso não significa necessariamente que a prosa desse escritor apenas agradava aos gostos literários de todos que procuravam os seus títulos, pois eram vistos também como uma produção indigna de ser reconhecida como “bellas lettras”. Nesse sentido, vejamos o que comentou o editorial do periódico literário “A Quinzena”, em 15 de janeiro de 1888:
Demanda pouco tempo e trabalho fazer a estatistica dos que lêem entre nós, negligenciado, é claro, o numero avultadissimo dos que se deleitam com os romances de Escrich e Paulo de Kock, as selectas de recitativos e as discussões da imprensa diaria.

E não é destes q’ deve uma publicação puramente litteraria, feita de boccados de bellas lettras e ensaios scientificos, esperar animação e auxilio expontaneo, gostosamente prodigalisado.viii


Sendo mais um indicador dos números “avultadissimo” de leituras aos romances de Perez Escrich, este trecho também traz uma perspectiva que coloca a literatura desse autor como algo irrelevante para os índices do que ele sugere como a “boa” leitura da “boa” literatura. Indubitavelmente, desconsiderar para esses cálculos as leituras de Escrich, tendo em vista os índices das consultas na biblioteca, seria criar uma lacuna significativa à história da leitura da Província.

Algumas de suas tramas também foram publicadas no Brasil, nesse período, na modalidade de folhetim. Entre os anos de 1872 e 1873 duas narrativas de Perez Escrich ocuparam os rodapés do Jornal do Commercio. A mãe dos desamparados – romance original de costumes e Os anjos terrestres – romance original foram publicados em seqüência nesse periódico carioca. De 1879 a 1882 apenas as histórias do escritor espanhol preencheram os rodapés do jornal A Província de Matto-Grosso. Durante esses anos O violino do diabo, O anjo da guarda, O amigo intimo e A verdade nua e crua mexiam com as emoções dos leitores e com as vendas desse jornal. Considerando que o folhetim na imprensa do século XIX era um chamariz importante para o levantamento das vendas dos jornais, a continuidade de um mesmo autor, ocupando com as suas histórias esse espaço, indica que a sua escrita estava funcionando para tal finalidade. Nesse sentido, os dramas familiares e de amor criados pela pena romântica de Perez Escrich despertaram a curiosidade, o interesse, a preferência do público, enfim.




i Falla com que o Exmº Sr. Dr. José Julio Albuquerque Barros presidente da Província do Ceará abriu a 1ª sessão da 25ª legislatura da Assembléia Provincial no dia 1º de julho de 1880.


ii No livro de consulentes de 1878 a 1887, a freqüência era registrada diariamente com a data de cada dia.


iii GULLÓN, Ricardo (dir.). Diccionario de Literatura Española e Hispanoamericana. Madrid: Alianza Editorial, 1990.


iv PEREZ ESCRICH, Henrique. O Cura de Aldeia. Porto: Companhia Portuguesa Editora, 1914.


v GULLÓN, Ricardo (dir.). Idem.

vi PEREZ ESCRICH, Henrique. Introducção. In: O Cura de Aldeia. Porto: Companhia Portuguesa Editora, 1914.


vii A Biblioteca Provincial do Ceará foi fundada em 25 de março de 1867. Desde o início do seu funcionamento, estando previsto no seu regulamento, as consultas realizadas nesse ambiente deveriam ser registradas num livro específico para tal finalidade. Porém, apenas conseguimos localizar os registros de 1878 a 1887. Sobre a instituição desse espaço de leitura na Província do Ceará e suas transformações na segunda metade do século XIX, ver: PINHEIRO FILHO, J.H.C. Ordenar para ler: mudanças na Biblioteca Provincial do Ceará – 1878. Fortaleza, 2004. (monografia) – Departamento de História da Universidade Estadual do Ceará.


viii A Quinzena (Propriedade do Club Litterario). Fortaleza, 15 de janeiro de 1888.


Bibliografia:
BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

GUEDES, Fernando. O Livro e a Leitura em Portugal: Subsídios para a sua história – Séculos XVIII e XIX. Lisboa: Editora Verbo, s.d.

GULLÓN, Ricardo (dir.). Diccionario de Literatura Española e Hispanoamericana. Madrid: Alianza Editorial, 1990.

MEYER, Marlyse. Folhetim, uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

NADAF, Yasmin Jamil. Rodapé das miscelâneas – o folhetim nos jornais de Mato Grosso (séculos XIX e XX). Rio de Janeiro: 7letras, 2002.

PAIVA, Aparecida. A voz do veto: a censura católica à leitura de romances. Belo Horizonte, 1997.

PINHEIRO FILHO, J.H.C. Ordenar para ler: mudanças na Biblioteca Provincial do Ceará – 1878. Fortaleza, 2004. (monografia) – Departamento de História da Universidade Estadual do Ceará.

ROGERS, P. Diccionario de Seudónimos Literarios Españoles. Madrid: Editora Gredos, 1977.



TINHORÃO, José Ramos. A Província e o Naturalismo. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1966.



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal