Plano de ensino



Baixar 34.3 Kb.
Encontro02.12.2017
Tamanho34.3 Kb.


PLANO DE ENSINO


Disciplina

Teoria do Conhecimento II



Ano/Semestre

2011.1


Professor(a)

José Edmar Lima Filho



Créditos

04


Carga Horária

60 h/a


Modalidade do Curso

[ ] Licenciatura [X] Bacharelado

Regime de aulas (dias da semana e horário)

N5ABN6CD


Unidade de execução

Centro de Filosofia e Ciências da Religião



Curso

Filosofia



Ementa

Abordagem do problema do conhecimento, visto entre teorias clássicas como o empirismo e o racionalismo, além do ceticismo e criticismo modernos, tratando da problemática dos fundamentos da cognição humana.




Resumo da disciplina

Dentro da disciplina de Teoria do Conhecimento II, é fundamental que se perceba a problemática filosófica acerca do conhecimento humano, mais especificamente sobre os diversos modos de se enxergar a sua origem, a partir de autores fundamentais da Modernidade.

De Descartes até Kant, entremeados por Locke e Hume, as discussões sobre a origem do conhecimento assumiram diversas vertentes. A começar pelo inatismo, passando pela necessária atuação da empiria, chegamos ao final do mundo moderno com a ideia crítica kantiana que põe em bases novas, em forma de síntese, a perspectiva do juízo sintético a priori como sendo aquele sobre o qual se erguem as bases da ciência da modernidade.

Assim, vê-se que a problemática, por demais complexa, conta com o auxílio interpretativo de várias correntes, e nos cabe aqui investigar algumas propostas filosóficas de compreensão da cognoscibilidade humana sob as óticas supracitadas.




Justificativa

Antes de qualquer coisa, devemos entender que aquilo que se convencionou chamar de Teoria do Conhecimento não se resume apenas às discussões e aos problemas abordados pelos epistemólogos ou teóricos do conhecimento contemporâneos, mas se constitui, sobretudo, numa antiga e importante parte da filosofia, que, a partir da modernidade inaugurada por Descartes, assumiu papel central na investigação filosófica. De Descartes a Kant, passando pela tradição anglo-saxônica (especialmente Locke e Hume), os modernos esforçaram-se por mostrar que, antes da filosofia produzir um conhecimento sobre o real, era preciso investigar as próprias condições de possibilidade do conhecimento. Qual a legitimidade de nossas opiniões ou juízos sobre o real? Elas têm fundamento? Conhecemos de fato o real? Como podemos garantir nosso conhecimento? Quais são suas fontes ou origens? Quais são seus limites?

Tal é a tarefa central da Meditação Primeira de Descartes, e tal é o que, na seqüência, se tornará a tarefa principal das filosofias de Locke e de Hume. Todavia, é sobretudo com a filosofia crítica de Kant que a teoria do conhecimento constitui-se na tarefa filosófica por excelência. Nunca antes de Kant e provavelmente jamais depois dele, a teoria do conhecimento gozou de um papel tão privilegiado na história da filosofia. É por isso que parece indispensável para uma disciplina de Teoria do Conhecimento, muito antes de se lançar numa compilação e exposição das diversas e abundantes posições epistemológicas dos contemporâneos, empreender a árdua tarefa de expor, ainda que de um modo um tanto introdutório, o projeto crítico da filosofia kantiana, expresso na Crítica da Razão Pura. A importância de uma tal obra se deve ao fato de que ela se constitui num marco na história da teoria do conhecimento, ao promover, por meio de uma crítica da própria razão, uma das mais completas, minuciosas e sistemáticas investigações das condições de possibilidade do conhecimento, que solapou toda a metafísica clássica e, com ela, toda a pretensão de um conhecimento teórico ou especulativo para além dos objetos da experiência sensível.

O presente curso, portanto, tem como programa oferecer uma compreensão geral primeiramente do conteúdo da perspectiva epistemológica cartesiana, seguida de uma visão esclarecida da concepção empirista de Locke e do ceticismo humeano, até chegar à visualização da transformação radical que Kant opera no procedimento tradicional da filosofia, conhecida como “revolução copernicana”, com vistas a levar o aluno a perceber a importância da temática no conjunto da Filosofia.




Objetivos Gerais e Específicos

GERAL: Apresentar a epistemologia como parte fundamental da Filosofia e seu desenvolvimento no decorrer da modernidade.
ESPECÍFICOS:

  1. Mostrar a passagem do mundo medievo para o moderno, apontando a emergência da reflexão filosófica sobre o conhecimento como algo indissociado do momento histórico vivido;

  2. Apresentar os conceitos-chave e correntes principais da Epistemologia moderna;

  3. Verificar as diferentes abordagens acerca do conhecimento humano, saindo do inatismo cartesiano até desembocar na postura crítica de Kant na Crítica da Razão Pura;

  4. Estimular a construção de argumentações consistentes acerca das possibilidades de compreensão da problemática da gênese da cognoscibilidade humana.




Conteúdo Programático

Unidade temática

Descrição do conteúdo

Carga horária destinada

1) Introdução



1.1. O que é Teoria do Conhecimento (Epistemologia)?

1.2. A Teoria do Conhecimento como parte fundamental da reflexão filosófica

1.3. Relação sujeito x objeto


08 h/a

2) Teoria do Conhecimento e Modernidade

2.1. A passagem do medievo para o moderno e as transformações sócio-culturais

2.2. A modernidade e a efervescência da ciência



08 h/a

3) René Descartes




3.1. O “Discurso do Método” e o cogito

3.2. Inatismo cartesiano – Meditações metafísicas

3.3. “Ideias claras e distintas”


08 h/a

4) John Locke

4.1. A contraposição ao racionalismo

4.2. A fundamentação empirista do conhecimento

4.3. O sujeito como tábula rasa


08 h/a

5) David Hume

5.1. O ceticismo humeano e o questionamento ao método científico

5.2. A probabilidade do conhecimento: suposição da “ideia” de conexão necessária



08 h/a

6) Immanuel Kant




6.1. Kant e a Crítica da Razão Pura

6.1.1. A síntese entre racionalismo e empirismo

6.1.2. O juízo sintético a priori e a nova fundamentação para o conhecimento científico

6.1.3. O limite da cognoscibiliidade humana e a metafísica



20 h/a

Metodologia de ensino

Aulas expositivas dialogadas, realizadas mediante o uso de recursos audiovisuais, tais como quadro e pincel, e data-show, na medida em que auxiliarem uma melhor compreensão dos conteúdos.



Sistema de Avaliação

Elaboração de sínteses, trabalhos individuais, participação em sala de aula e prova subjetiva oral, cujo objetivo será a verificação da compreensão dos alunos com relação às temáticas abordadas na presente disciplina, requerendo que ao final da disciplina os discentes sejam capazes de realizarem a construção de uma argumentação oral que lhes possibilitará a verbalização daquilo que apreenderam, tornando-os capazes de dialogar e argumentar, tendo em vista que o objetivo da disciplina diz da importância de se realizar uma análise acerca da possibilidade de se conhecer.



Bibliografia

Bibliografia Básica

DESCARTES, R. Discurso do Método.

__________. Meditações Metafísicas.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano.

HUME, D. Ensaio acerca do entendimento humano.

_______. Tratado da Natureza Humana.

KANT, I. Forma e princípios do mundo sensível e do mundo inteligível.

______. Crítica da Razão Pura.

______. Resposta à pergunta: Que é o Esclarecimento?


Bibliografia Complementar

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

ERDMANN, B. Die Entwicklungsperioden von Kants theoretischer Philosophie. In: ERDMANN, B. Reflexionen Kants zur kritischen Philosophie (1882-1884). Stuttgart: Frommann-Holzboog, 1992.

GALEFFI, R. A Filosofia de Immanuel Kant. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1986.

GUYER, P. Kant. Trad. bras. Cassiano Terra Rodrigues. Aparecida: Idéias & Letras (Coleção Companions & Companions), 2009.

HÖFFE, O. Immanuel Kant. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

HUME, D. Tratado da Natureza Humana. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

LACROIX, J. Kant e o kantismo. Porto: Rés Editora, 1988.

MORUJÃO, A. F. Prefácio da tradução portuguesa. In: KANT, I. Crítica da Razão Pura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

OLIVEIRA, M. A. de. Lógica Transcendental e Lógica Especulativa. In: VV.AA. Kant. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1981.

PASCAL, G. O pensamento de Kant. Petrópolis: Vozes, 1999.

PHILONENKO, A. L’oeuvre de Kant: la philosophie critique. Tome I. Paris, Librairia Philosophique J. Vrin, 2003.

REALE, G. & ANTISERI, D. História da Filosofia. São Paulo: Paulus, Vol. II, 1991.

__________________. História da Filosofia. São Paulo: Paulus, Vol. III, 1991.

SANTOS, M. V. (org.). Os pensadores, um curso. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, São Paulo: Casa do Saber, 2009.

SCIACCA, M. F. História da Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, Vol. II, 1967.

___________. História da Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, Vol. III, 1967.

CRONOGRAMA: Previsão de aulas:

Fev: 3, 4, 10, 11, 17, 18, 24 e 25. 8 + 9 + 7 + 6 = 30 encontros = 60 h/a.

Mar: 3, 4, 10, 11, 17, 18, 24, 25 e 31.

Abr: 1, 7, 8, 14, 15, 28 e 29.



Mai: 5, 6, 12, 13, 19 e 20.



©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal