Plano do Curso Superior de tecnologia em agroindústria



Baixar 0.68 Mb.
Página1/9
Encontro01.03.2018
Tamanho0.68 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CUIABÁ – UNED CAMPO NOVO DO PARECIS




Serviço Público Federal

Ministério da Educação

Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Centro Federal de Educação Tecnológica de Cuiabá

UNED – Campo Novo do Parecis


Plano do Curso Superior de

TECNOLOGIA EM AGROINDÚSTRIA



Campo Novo do Parecis

JANEIRO DE 2009

Presidente da República



LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Ministério da Educação

FERNANDO HADDAD
Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

ELIEZER MOREIRA PACHECO
Secretária de Educação Superior

RONALDO MOTA
Direção Geral do CEFET Cuiabá

LEONE COVARI
Vice-Diretor

ALUÍZIO ALVES DA COSTA
Diretor da Uned de Campo Novo do Parecis

DARLON ALVES DE ALMEIDA

Equipe de Elaboração do Plano de Curso



ANA LÚCIA PINHEIRO DE BEJARANO, ANA REGINA BRESOLIN, ANDRÉ LUÍS DE ANDRADE, ANSELMO AFONSO GOLYNSKI, ARNALDO GONÇALVES DE CAMPOS, CARLOS ALBERTO DA SILVA JÚNIOR, CASSIANA KISSEL, DAYANA FONSECA SOARES, DALTRO ANDRÉ MACHADO, DORIVAL PEREIRA BORGES DA COSTA, JOÃO BOSCO PEDROSO FILHO, KÁTIA ROBERTA FERNANDES, LUCINÉIA MACEDO DOS SANTOS, LÚCIO BASTOS MADEIROS, MARIANA SEGUI PEREIRA, QUINTILIANO SIQUEIRA SCHRODEN NOMELINI, RODOLFO CARLI DE ALMEIDA, ROSANI Nonenmacher.

ÍNDICE
1. Apresentação da Instituição...........................................................................04

2. Plano de Curso..............................................................................................08

2.1. Apresentação do Curso..............................................................................08

2.2. Justificativa.................................................................................................08

3. Objetivos........................................................................................................11

3. Objetivo Geral................................................................................................11

3.1. Objetivos Específicos..................................................................................11

4. Formas de Acesso.........................................................................................13

4.1. Concurso Vestibular....................................................................................13

4.2. Perfil Profissional, Competências e Habilidades........................................14

5.Título e Diplomação........................................................................................16

6. Organização Curricular e Administração Acadêmica....................................17

6.1. Fundamentação geral.................................................................................17

6.2. Regime de ensino.......................................................................................17


6.3. Regime de matrícula...................................................................................18

7. Matriz Curricular.............................................................................................19

8. Ementas.........................................................................................................21

9. Estagio Curricular Supervisionado.................................................................84

10. Trabalho de Conclusão de Curso................................................................85

11. Atividades Acadêmicas Complementares...................................................86

12. Quadro Resumo...........................................................................................87

13. Quadro de Professores................................................................................88

14. Avaliação da Aprendizagem e Aproveitamento...........................................90

15. Infra-Estrutura..............................................................................................92

16. Corpo Técnico-Administrativos....................................................................94

17. Fontes de Pesquisa.....................................................................................95

Anexos...............................................................................................................96

a. Legislação Aplicada.......................................................................................96

Ata de Aprovação do Conselho Diretor do CEFET Cuiabá...............................97


  1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

Em 14 de abril de 1943, após a conclusão das construções necessárias (autorizadas em 4 de julho de 1939), o Presidente da República, Getúlio Vargas, assinou decreto-lei criando o Aprendizado Agrícola, vinculado à Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário do Ministério da Agricultura, em área de propriedade da União, no alto da Serra de São Vicente, originada de uma doação.

Em 12 de maio de 1944, recebeu o nome de Aprendizado Agrícola “Gustavo Dutra”. Em 1964 passou a Ginásio Agrícola Gustavo Dutra, e em 1978, passou a oferecer os Cursos Técnicos de nível médio e em 1979, foi transformado em Escola Agrotécnica Federal de Cuiabá.

Em 1996, após promover uma ampla reforma da educação, a Escola passou a oferecer o Curso Técnico nas Habilitações de Agricultura, Zootecnia e Agroindústria. A partir de 2000, passou a oferecer também o Curso Técnico em Informática com ênfase em agronegócios, e em 2002, o Curso Técnico em Agropecuária com ênfase em Agricultura Familiar.

A Escola Agrotécnica Federal de Cuiabá, hoje CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE CUIABÁ (Decreto 5.225 de 01/10/2004), é uma instituição pública vinculada ao Ministério da Educação e supervisionada pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica - SETEC. Tem-se como Diretor Geral o servidor LEONE COVARI, docente, nomeado pela Portaria nº 1.123 de 27/11/2007, publicado no DOU de 28/11/2007.

O CEFET Cuiabá possui 5.000 hectares de área total e 30.599,0 m² de área construída. Está localizado no km 329 da rodovia BR 364, a 86 km da capital do Estado, no distrito de São Vicente, extremo leste do município de Santo Antônio do Leverger, tendo parte de sua área no extremo sudoeste do município de Campo Verde, cuja sede é o núcleo urbano mais próximo, estando situado a 43 km do CEFET. O segundo núcleo urbano mais próximo, Jaciara, tem sua sede a 56 km de distância.

A MISSÃO do CEFET Cuiabá é ser uma Escola líder na educação profissionalizante, comprometida com a formação integral de profissionais com valores éticos e humanos, com consciência social, crítica e mentalidade empreendedora. Gerar, promover e difundir conhecimentos científicos e tecnológicos, para o desenvolvimento sustentável das comunidades e dos segmentos agropecuários de sua área de ação. Formar jovens e adultos no Ensino Médio e em Cursos profissionalizantes de Nível Básico, Técnico e Superior, bem como em estratégias de educação continuada.

Esta Instituição Federal de Ensino (IFE) oferta cursos de nível médio, superior, de extensão e capacitação técnica. Os cursos de nível médio são: técnico em Agropecuária, Informática e Proeja. Os cursos superiores são: Tecnologia em Alimentos, Bacharelado em Agronomia e Bacharelado em Zootecnia.

A chegada do CEFET Cuiabá a Campo Novo do Parecis, através da instalação de uma UNED (Unidade de Ensino Descentralizada), é resultante do Plano de Expansão II da Rede Federal de Educação Tecnológica. A Prefeitura cedeu toda a área de 73 hectares, antes pertencentes à Escola Agrotécnica Municipal Dorvalino Minozzo (que estava desativada há dois anos), para a Diretoria do CEFET Cuiabá, em solenidade de entrega de chaves realizada no dia 26 de novembro de 2007.

No ano de 2008, iniciaram as obras de construção e reformas nas 20 unidades, entre prédios de aula, blocos administrativos, biblioteca, refeitório, dormitório, viveiro, unidades de produção e outros. Os primeiros servidores da unidade, entre professores e técnicos administrativos, foram selecionados através de concurso público, no mês de julho.

O mês de setembro marca o início efetivo das suas atividades pedagógicas com a primeira turma de Licenciatura em Matemática, quando 35 acadêmicos ingressaram no curso através de vestibular. No dia 8 de setembro, foi nomeado o primeiro Diretor Geral da UNED de Campo Novo do Parecis, Darlon Alves de Almeida, mestre em engenharia da informação. Neste mesmo dia, foi realizada a aula magna do curso, com a presença do Diretor Geral do CEFET Cuiabá, Leone Covari.

Em franco crescimento, a UNED de Campo Novo do Parecis já programa, para o mês de dezembro, o vestibular que ofertará mais de 200 novas vagas, nos cursos de Técnico em Agropecuária, Licenciatura em Matemática, Bacharelado em Agronomia e Tecnologia em Agroindústria.


A implantação e ampliação gradativa dos cursos de tecnologia é um instrumento precioso para adequar o ensino superior brasileiro ao contexto da realidade socioeconômica do país. Não se trata apenas de implantar cursos novos, mas de criar uma nova sistemática de ação, fundamentada nas necessidades da comunidade.

A proposta de implantação do Curso Superior de Tecnologia em Agroindústria utiliza dois princípios dos cursos de tecnologia: o primeiro impõe a necessidade de serem criados cursos flexíveis permanentemente atualizados e contemporâneos da tecnologia produtiva; outro, de somente serem ofertados para a formação de profissionais necessários em nichos de mercado claramente definidos e cuja demanda lhes garanta espaço e, conseqüentemente, remuneração.

Com a aprovação da Lei n.o 9.394 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDBE), em 20 de dezembro de 1996, pelo Congresso Nacional e com o Decreto no. 4.154, de 23 de julho de 2004, que regulamentou os artigos da LDB referentes à educação profissional, consolidaram-se os mecanismos para a reestruturação dos cursos de tecnologia, permitindo a utilização de todo o potencial que lhe é característico sem as amarras que a velha legislação lhes impunha.

Ancorado pelo Parecer CNE/CES n.o 436/01, de 02 de abril de 2001, das Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Profissional de Nível Tecnológico - DCN, aprovada pelo CNE em 03 de dezembro de 2002, a atual proposta aqui exposta é a caracterização efetiva de um novo modelo de organização curricular de nível superior de graduação que privilegia as exigências de um mercado de trabalho cada vez mais competitivo e mutante, no sentido de oferecer à sociedade uma formação profissional de nível superior com duração compatível com a área tecnológica e, principalmente, mais inter-relacionada com a atualidade dos requisitos profissionais. Esta proposta também atende o decreto 5.773 de 9 de maio de 2006, e a portaria nº10 de 28 de julho de 2006, que aprovaram o Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia, iniciativa do MEC/SETEC com o propósito de aprimorar e fortalecer os cursos superiores de tecnologia e servir como um guia para referenciar estudantes, educadores, instituições, sistemas e redes de ensino, entidades representativas de classes, empregadores e o público em geral.

Com as mudanças no cenário econômico mundial que vêm ocorrendo nos últimos anos, devido ao fenômeno da globalização, verifica-se o surgimento de novos atributos necessários aos profissionais da era do conhecimento. O mercado mundial tornou-se mais competitivo e exigente, tanto em produtos como, em serviços, o que impõe uma nova postura profissional. O Curso de Tecnologia em Agroindústria unifica as áreas de carnes, laticínios, vegetais, grãos e bebidas, de modo a ampliar os conhecimentos dos estudantes, possibilitando o acesso ao mundo do trabalho na grande área de agroindústria.


2- PLANO DE CURSO


    1. Apresentação do Curso

A aplicação de novas tecnologias no processo agroindustrial é indispensável às indústrias que objetivam o aumento de sua produtividade, a melhoria de qualidade, a redução do tempo de lançamento de novos produtos e, conseqüentemente, a melhoria da sua competitividade.

O Curso Superior de Tecnologia em Agroindústria tem como foco disciplinas técnicas relativas aos processos de industrialização dos produtos de origem vegetal e animal, bebidas e produtos não alimentícios. Também apresenta disciplinas de abrangência gerencial e humana, direcionadas ao desenvolvimento de tais capacidades, resultando em competências básicas demandadas pelo mercado.

O Tecnólogo em Agroindústria é um profissional que irá planejar serviços, implementar atividades, administrar, promover mudanças tecnológica e aprimorar condições de segurança, qualidade, saúde e meio ambiente das agroindústrias. O Curso tem duração de três anos, desde que o estágio e o trabalho final sejam realizados concomitantemente com as disciplinas, e é desenvolvido, desde o seu início, em atividades teóricas e práticas.




    1. Justificativa

O Estado do Mato Grosso possui a maior parte de suas terras dentro dos limites da Amazônia legal. Embora já ocupado desde o século XVIII com uma economia baseada em agricultura de subsistência e pecuária extensiva resultante do ciclo da mineração, o Estado foi incorporado definitivamente ao espaço produtivo brasileiro somente na década de 70.

A partir deste período, graças a uma política de incentivos fiscais e forte ação estatal, houve a implantação de grandes projetos agropecuários, atraindo importantes empresas agroindustriais, tanto de capitais nacionais quanto estrangeiros. Com isso ocorreram significativas transformações, em sua base produtiva, com a agropecuária tradicional cedendo espaço a uma agricultura modernizada e a uma pecuária em franca modernização.

Segundo dados da Associação Matogrossense de Municípios (2006), o município de Campo Novo do Parecis, apresenta uma população de 17.638 habitantes, estando localizado na mesoregião norte do Estado de Mato Grosso, no Chapadão do Parecis, sendo cortado pela BR 364 que interliga a região norte e sul do Estado. Tem os municípios de Brasnorte e Nova Maringá ao norte; Tangará da Serra e Nova Marilândia ao sul; Diamantino a leste; e Sapezal a oeste. As rodovias MT 358, MT 170, MT 235 e BR 364 facilitam o escoamento da produção.

Possui uma extensão territorial de 9.448,38 km², estando localizado a 385 km da capital do Estado, a uma altitude de 572m, nas coordenadas 13º39’51” latitude e 57º53’11” longitude (PNUD, 2000).

Campo Novo do Parecis e os outros municípios em seu entorno, tornam a região um pólo de desenvolvimento econômico, contribuindo com uma grande parcela da produção agrícola do Estado de Mato Grosso. A agropecuária contribui com 61% do PIB municipal, devido a grande produção de grãos, além do cultivo de arroz, mandioca, banana, algodão, cana-de-açúcar e pecuária de corte.

Os sistemas de produção agrícola desenvolvidos na região são em sua maioria caracterizados pelo uso intensivo de insumos e máquinas em todas as etapas de cultivo. Segundo dados da Associação Matogrossense de Municípios (2006), com uma área plantada de 32.050 ha de milho, 350.000 ha de soja, 24.874 ha de algodão e 26.745 ha de cana de açúcar, o município apresenta um cenário que demanda profissionais qualificados para o cultivo de áreas que utilizam alto nível de tecnologia.

A definição pela área de agroindústria tem como fundamentos o perfil socioeconômico da cidade de Campo Novo do Parecis e municípios limítrofes, abrangendo as principais atividades industriais e comerciais desenvolvidas na região.

A importância de uma profissão tecnológica está em que, ao lado da ciência, ela é uma das grandes alavancas para o progresso do país; contribui com a pesquisa, o desenvolvimento e o uso de tecnologias modernas e de ponta no ramo de sua competência. Voltado à demanda do mercado de trabalho, o ensino tecnológico capacita recursos humanos para atender a essa necessidade.

Neste contexto, evidencia-se a contribuição do Curso Superior de Tecnologia em Agroindústria para formação de profissionais qualificados, atendendo à demanda regional, estadual e nacional. Tais profissionais estarão aptos a atuar nas áreas de economia industrial, gestão de empresa e trabalho, gestão de fábrica e gestão de sistemas de produção em processos de transformação de matérias-primas em alimentos e bebidas agroindustrializados. Sua atuação ocorre desde a elaboração do projeto industrial e seleção de matérias-primas até o transporte e comercialização do produto.

Assim, o Tecnólogo de Agroindústria com formação baseada fundamentalmente na atuação prática, garante habilitação segura ao profissional para ingresso imediato no mercado de trabalho, com funções próprias e bem definidas para o nosso modelo econômico suprindo com profissionais de nível superior um setor em expansão.

O curso tem como objetivo proporcionar à população jovem da região e profissionais que atuam na área, um ensino de nível superior na área tecnológica, elevando o nível educacional e tecnológico da região e atuando como fator de favorecimento a novos investimentos.






Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7   8   9


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal