Plano municipal de abastecimento de água e esgotamento sanitário de teresina – pmae/the



Baixar 1.28 Mb.
Página9/11
Encontro11.07.2018
Tamanho1.28 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

5.4 AÇÕES DE LONGO PRAZO
Os programas e ações de longo prazo (2022 a 2031) estão a seguir.


Tabela 5.4 - Programas e ações de longo prazo

Metas quantitativas e de eficiência

Período da ação

Cobertura de rede de água

Ação 1 - Programa de crescimento vegetativo - área urbana - AGESPISA

2022-2031

Ação 1 - Programa de crescimento vegetativo - área rural - AGESPISA

2022-2031

Ação 1 - Programa de crescimento vegetativo - área rural - Prefeitura

2022-2031

Cobertura de rede de esgotos e fossas sépticas

Ação 1 - Obras de interceptores, rede e ligações na área urbana - AGEPSISA

2022-2031

Ação 2 - Implantação de fossas sépticas na área rural - Prefeitura

2022-2031

Cobertura do tratamento de esgotos

Ação 1 - Obras de elevatórias, emissários e ETE - área urbana - AGESPISA

2022-2031

Ação 2 - Programa de adesão e caça esgotos - área urbana - AGESPISA

2022-2031

Redução de perdas – AGESPISA

Ação 1 – Continuidade das ações de redução e controle de perdas

2022-2026

Metas qualitativas

Período da ação

Qualidade da água

Ação 1 - Programa permanente de controle de qualidade da água

2022-2031

Qualidade do efluente

Ação 1 - Programa permanente de controle de qualidade dos efluentes de ETE

2022-2031

Qualidade do abastecimento

Ação 1 - Programa permanente de eliminação da intermitência

2022-2031

Atendimento aos prazos dos serviços

Ação 1 - Monitoramento do registro de solicitações - ARSETE

2022-2031




    1. AÇÕES PARA EMERGÊNCIAS E CONTINGÊNCIAS




      1. Ações para o abastecimento de água

5.5.1.1 Situações de emergência

A - Ocorrência: racionamento geral de água

  • Causas possíveis

a) situação de cheias: inundação com danificação de equipamentos e estruturas; deslizamento e movimento do solo atingindo tubulações e estruturas;

b) situações de seca: vazões críticas de mananciais

c) interrupção prolongada no fornecimento de energia elétrica às instalações de produção de água;

d) qualidade inadequada da água dos mananciais; contaminação por acidentes como derramamento de substâncias tóxicas na bacia de captação

e) ações de vandalismo e/ou sinistros.


  • Ações corretivas

a) comunicação à população, instituições, autoridades e Defesa Civil;

b) disponibilidade de frota de caminhões tanque;

c) comunicação à concessionária de energia e possível ação de disponibilidade de gerador de emergência;

d) ação com a gestão de recursos hídricos para controle da demanda

e) controle da água disponível em reservatórios;

f) reparo das instalações danificadas;

g) execução de rodízio de abastecimento;

h) comunicação à Polícia no caso de vandalismo.



B - Ocorrência: falta de água localizada

  • Causas possíveis

a) deficiência de vazão nos mananciais em períodos de estiagem;

b) interrupção temporária de energia;

c) danos em equipamentos de bombeamento;

d) danos em estrutura de reservatórios;

e) rompimento de tubulação de rede ou adutora de água tratada;

f) ações de vandalismo e/ou sinistros.



  • Ações corretivas

a) comunicação à população, instituições, autoridades e Defesa Civil;

b) disponibilidade de frota de caminhões tanque;

c) comunicação à concessionária de energia e possível ação de disponibilidade de gerador de emergência;

d) controle da água disponível em reservatórios;

e) reparo das instalações danificadas;

f) execução de rodízio de abastecimento;

g) transferência de água entre setores;

h) comunicação à Polícia no caso de vandalismo.



5.5.1.2 Ações de contingência

A - Ações de controle operacional e manutenção

  • Controle dos mananciais

  1. recarga de mananciais subterrâneos: níveis e rebaixamento, tempo diário de funcionamento

  2. limitações aos usos do solo na bacia de captação superficial: registro de produtos químicos utilizados, controle de atividade humana e das descargas de águas residuárias.

  3. fiscalização regular na bacia hidrográfica contra atividades poluidoras.

  • Controle das instalações de produção:

a) realização de medição na saída captação e entrada da ETA;

b) monitoramento a distância do bombeamento da captação

c) monitoramento a distância dos principais pontos de controle da ETA e do bombeamento da elevatória de água tratada

d) qualidade nos mananciais e controle sanitário da bacia de montante

e) qualidade da água distribuída conforme legislação vigente


  • Controle dos equipamentos:

a) horas trabalhadas e consumo de energia;

b) corrente, tensão, vibração e temperatura;

c) controle de equipamentos reserva.


  • Monitoramento do sistema distribuidor:

a) vazões encaminhadas aos setores

b) pressão e regularidade na rede

c) programação de limpeza e desinfecção periódica dos reservatórios


  • Gestão da manutenção:

a) cadastro de equipamentos e instalações;

b) programação da manutenção preventiva;

d) programação da manutenção preditiva em equipamentos críticos;

e) programação de limpeza periódica da captação

f) programação de inspeção periódica em tubulações adutoras;

g) programação de limpeza periódica na ETA;

h) registro do histórico das manutenções.


  • Prevenção de acidentes nos sistemas

a) plano de ação nos casos de incêndio

b) plano de ação nos casos de vazamento de cloro

c) plano de ação nos casos de outros produtos químicos

d) gestão de riscos ambientais em conjunto com órgãos do meio ambiente



B - Aumento da demanda temporária

  • Monitoramento da demanda

  1. registro estatístico do afluxo da população flutuante

  2. registro dos consumos e da distribuição espacial do mesmo

    • Plano de comunicação

  1. alerta a população para controle do consumo e reservação domiciliar de água

  2. articulação dos diferentes órgãos envolvidos nos eventos




    • Estratégia de operação

  1. plano de manobras e atendimento às áreas de maior demanda

  2. disponibilidade de frota de caminhões tanque

  3. equipamentos reserva e contingências para falta de energia (uso de geradores)

    • Mecanismo tarifário para demanda temporária

  1. sistematização dos custos e investimentos necessários para cobrir a demanda

  2. cálculo tarifário e quantificação das receitas e subsídios necessários

  3. negociação com as partes interessadas para cobrança temporária dos serviços

      1. Ações para o esgotamento sanitário

        1. Situações de emergência

A - Ocorrência: paralisação da ETE

  • Causas possíveis

a) inundação das instalações com danificação de equipamentos;

b) interrupção prolongada no fornecimento de energia elétrica às instalações;

c) danos a equipamentos e estruturas da ETE ou de emissários e tubulações de recalque;

d) ações de vandalismo e/ou sinistros.



  • Ações corretivas

a) comunicação aos órgãos de controle ambiental;

b) comunicação à concessionária de energia e possível ação de disponibilidade de gerador de emergência;

c) reparo das instalações danificadas;

d) comunicação à Polícia no caso de vandalismo.



B - Ocorrência: extravasamento de elevatórias

  • Causas possíveis

a) interrupção no fornecimento de energia elétrica às instalações;

b) danos a equipamentos e estruturas;

c) ações de vandalismo e/ou sinistros.


  • Ações corretivas

a) comunicação aos órgãos de controle ambiental;

b) comunicação à concessionária de energia e possível ação de disponibilidade de gerador de emergência;

c) reparo das instalações danificadas;

d) comunicação à Polícia no caso de vandalismo.



        1. Ações de contingência

A - Ações de controle operacional e manutenção

  • Controle das condições do tratamento:

a) realização de medição na entrada da ETE;

b) monitoramento a distância dos principais pontos de controle da ETE e do bombeamento da EE (elevatória) final

c) qualidade dos efluentes conforme legislação vigente


  • Controle dos equipamentos:

a) horas trabalhadas e consumo de energia;

b) corrente, tensão, vibração e temperatura;

c) controle de equipamentos reserva.


  • Gestão da manutenção:

a) cadastro de equipamentos e instalações;

b) programação da manutenção preventiva;

d) programação da manutenção preditiva em equipamentos críticos;

e) programação de limpeza periódica em coletores e ramais;

f) programação de limpeza periódica de elevatórias e na ETE;

g) registro do histórico das manutenções.



  • Prevenção de acidentes nos sistemas

a) plano de ação nos casos de incêndio

b) gestão de riscos ambientais em conjunto com órgãos do meio ambiente




5.6 CRONOGRAMA DAS AÇÕES

5.6.1 Cronograma das ações prévias, de curto e médio prazo

Tabela 5.5 - Cronograma das ações prévias, de curto e médio prazo

META / ANO

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

2018

2019

2020

2021

Metas para institucionalização dos serviços

Planejamento

Grupo executivo de planejamento dos serviços

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Regulação e controle social

Regulamento de normas e padrões dos serviços

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conselho Consultivo da ARSETE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sistema municipal de informações do saneamento

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Prestação

Contrato de prestação dos serviços

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Metas quantitativas e de eficiência

Cobertura de rede de água

Obras de sub-adutoras, rede e ligações - área urbana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obras de sub-adutoras, rede e ligações - área rural

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cobertura de rede de esgotos e fossas sépticas

Obras de interceptores, rede e ligações - área urbana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Obras de fossas sépticas - área rural

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quantidade de água ofertada

Obras de sistemas completos para a área rural

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cobertura do tratamento de água

Instalação de cloração em poços - área urbana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Instalação de cloração em poços - área rural

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cobertura do tratamento de esgotos

Obras de elevatórias, emissários e ETE - área urbana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Programa de adesão e caça esgotos - área urbana

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Eficiência - Redução de Perdas

Capacitação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Software tecnológico - balanço hídrico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Software tecnológico - gestão de perdas

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Combate a fraudes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Substituição de padrão de LP

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aquisição de material para cortes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aquisição de 2 medidores ultra-sônicos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Execução do Plano de Macromedição

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caça vazamentos - zonas de alta pressão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Retirada de vazamentos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Caça vazamentos ocultos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Setorização - divisão macro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Setorização - divisão micro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal