Pontifícia universidade católica do paraná



Baixar 474.71 Kb.
Página14/14
Encontro28.06.2018
Tamanho474.71 Kb.
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14

6.4Limitações da pesquisa


A natureza da pesquisa, um estudo de caso, as técnicas utilizadas e o público alcançado impõem limitações à interpretação dos seus resultados.

No levantamento das expectativas, o trabalho considerou um grupo de pessoas, que não representa o universo maior dos excluídos. O grupo foi de uma região do Estado do Paraná, que possui características particulares, como perfil das profissões, condições sociais, aspectos culturais, etc.

Ainda com relação ao público pesquisado, uma segunda questão se apresenta. O fato de ele estar participando de um programa de alfabetização digital já pode o colocar numa categoria diferenciada de excluídos: os excluídos já com interesse prévio no tema. Se isto for uma hipótese verdadeira, a interpretação dos resultados deve ser feita ainda com mais cuidados.

No viés do levantamento do projeto de Governo Eletrônico, foi estudado o projeto do Governo do Estado do Paraná, o e-Paraná, que também não pode ser tomado como uma referência de todas as iniciativas governamentais rumo à utilização da TI.

Outro aspecto que pode ter imposto limitações diz respeito à dificuldade de obtenção de bibliografia e de resultados de pesquisas acerca do tema estudado, tanto na realidade brasileira como, em especial, na realidade paranaense.

Ainda a dificuldade de fazer os levantamentos das expectativas, por mais que preocupações metodológicas tenham sido tidas, pode impor algumas restrições. O método de coleta, observação participante, pode gerar influências a partir das interpretações do pesquisados. A forma de pesquisa e da análise feita, mesmo tendo sido utilizadas técnicas de validação dos dados, não elimina eventuais manifestações do entendimento do pesquisador acerca da temática.


6.5 Estudos futuros


Possibilidades se apresentam a partir deste estudo, entre elas:

O mesmo levantamento de expectativa poderia ser feito com diferentes públicos, em diferentes lugares, buscando a confirmação de alguns resultados aqui identificados, bem como a descoberta de outras características associadas ao perfil dos participantes.

Uma pesquisa de expectativa, de mesma natureza, também poderia ser feita em outras condições ambientais, que não um programa de alfabetização digital. Se as pessoas fossem entrevistadas nos seus locais de trabalho, em suas casas ou nos bares, os resultados aqui encontrados seriam confirmados?

Outras pesquisas poderiam ser feitas tendo como referência a Administração Pública, em especial a administração da TI. Relevante seria pesquisar como o administrador público trata da expectativa dos potencialmente excluídos.

Também relevante seria pesquisar quais os fatores que contribuem na definição das ações e das prioridades do uso da TI no setor público e, mais uma vez, onde figura a expectativa de uma grande parte da população nestas definições.

Finalmente, a pesquisa realizada também aguça o interesse de descobrir qual é a expectativa dos que têm uma condição de acesso à TI, em relação ao uso da mesma pelo governo. Tanto os usuários dos serviços do governo quanto os que acessam os recursos de TI, mas não se relacionam com o governo por este meio.



7Referências Bibliográficas


AKUTSU, Luiz. PINTO, José A. G. Sociedade da Informação, Accountability e Democracia Delegativa: investigação em portais de governo no Brasil. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Anais em CD. Salvador: Anpad, 2002.

ALVES, Fernando C. C. A. Celepar na comunidade: a utilização da informática como processo transformador do cidadão. Bate Byte. Curitiba: Celepar No.124, setembro de 2002.

BACKUS, Michiel. E-Governance and Developing Countries, In: Research Report Nr. 3, Abril de 2001. Site: http://www.ebape.fgv.br/e_government/asp/dsp_artigos.asp (acesso: 15/set/2002). 2001.

BAHIENSE, Geraldo C. Alinhamento Estratégico de Tecnologia da Informação no Setor Público: A Oferta de Serviços Eletrônicos em Secretarias de Fazenda no Brasil. São Paulo, 2002. Tese (Doutorado) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo – Fundação Getúlio Vargas.

BECKETT, Julia. The “government should run like a business” mantra. American Review of Public Administration, 30, june 2000.

BLUMM, Márcia H. N. Possibilidades e constrangimentos à autonomia política dos municípios brasileiros: o caso de Salvador (1993-1996). In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Anais em CD. Florianópolis: Anpad, 2000.

BERGER, P. LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade. Petrópolis: Vozes, 1989.

CASSIOLATO, José E. A Economia do Conhecimento e as Novas Políticas Industriais e Tecnológicas. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CAMPOS, A. Accountability, quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro: fev./abr. 1990.

CARDIA, N. Percepção dos direitos humanos: ausência de cidadania e a exclusão moral. In: SPINK, M. J. P. A cidadania em construção. São Paulo, Cortez, 1994.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. 3v.

COUTINHO, Marcos J. V. Administração Pública voltada para o cidadão: quadro teórico-conceitual. In: Revista do Serviço Público, Ano 51, No. 3, jul./set. 2000.

CRESWELL, John W. Research design: qualitative and quantitative approaches. California: Sage Publications, 1994.

CRUZ, Maurício S. Tecnologia de Informação no Espaço Público: o caso Telecidadão no Paraná. São Paulo, 1999. Dissertação (Mestrado) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas.

CUNHA, Maria A. V. C. Administração dos Recursos de Informática Pública: estudo de caso do modelo paranaense. São Paulo, 1994. Dissertação (Mestrado) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas.

CUNHA, Maria A. V. C. Portal de Serviços Públicos e de Informação ao Cidadão: Estudo de casos no Brasil. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado) – Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – FEA/USP.

CUNHA, Maria A. V. C; MARQUES, Érico V; MEIRELLES, Fernando S. Modelos de Gestão de Informação no Setor Público Brasileiro. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, Anais em CD. Salvador: Anpad, 2002.

DEMO, Pedro. Cidadania Tutelada e Cidadania Assistida. Campinas : Autores Associados, 1995.

DIAS, Cláudia. Pesquisa qualitativa – características gerais e referências. Site: www.geocities.com/claudiaad/qualitativa.html, (acesso: 15/nov/2002). 2000.

DRUCKER, Peter. Além da Revolução da Informação. In: HSM Management, No. 18, ano 3, jan./fev. 2000.

ETZIONI, A. Alternative Conceptions of Accountability: The Example of Health Administration. In: Public Administration Review, Washington, D.C. v. 35, n. 3, p. 279-86, maio/junho 1975. (Utilizado texto traduzido e comentado por Francisco G. Heidemann – mimio.).

FERNANDES, Andréa Gomes. E-Governo: o que já fazem Estados e Municípios. In: INFORME-SE, No.. 20, outubro de 2000.

FERNANDES, Andréa Gomes. E-Governo no Brasil. XIII Seminário Regional de Política Fiscal. Santiago, CHILE, 2001.

FERNANDES, Florestan. A Revolução Burguesa no Brasil, Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

GALINDO, Fernando. e-Government Trust Providers. In: Gröhlund, Âke. Electronic Government: Design, Applications & Management, USA: Idea Group Publishing, 2002.

GARSON, G. D. Computer Technology and Social Issues. USA : Idea Group Publishing, 1977.

GRÖNLUND, Âke. Electronic Government: Design, Applications & Management. USA: Idea Group Publishing, 2002.

HAMEL, Gary; PRAHALAD, G. K. Competindo pelo futuro. Rio de Janeiro, Campus, 1995.

HEEKS, R. Reinventing government in the information age. In: HEEKS, R. (ed.). Reinventing government in the information age: international practice in IT-enabled public sector reform. London: Routledge, 1999.

HEIDEMANN, Francisco G. Ética da responsabilidade: sensibilidade e correspondência a promessas e expectativas, mimio.

HOLDEN, Stephen, H. The evolution of Information Technology management at the federal level: implications for public administration. In: GARSON, David G. Information Technology and computer applications in public administration : issues and trends. USA: Idea Group Publishing 1999.

JOIA, Luiz Antonio. O que é Governo Eletrônico: Em busca de uma conceituação, site: http://www.ebape.fgv.br/e_government/asp/asp_oquee.asp, (acesso: 03/dez/2002). 2002.

LANDO, Amir. Cidadania: dos conceitos à realidade brasileira. In: Revista de Educação Brasileira, 15 1o. semestre 1993, Brasília, 1993.

LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Chaves para o Terceiro Milênio na Era do Conhecimento. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LASTRES, Helena M. M. FERRAZ, João C. Economia da Informação. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

LAUDON, K.; Laudon, P. Jane. Management Information Systems – New Approaches to Organization & Technology, Prentice Hall, 1998.

LAUDON, K.; LAUDON, P. Jane. Management information systems: organization and technology in the networked enterprise. 6. ed. New Jersey : Prentice Hall, 2000.

LENK, K.; TRAUNMÜLLER R. Broadening the Concept of Eletrctronic Government. In: Designing E-Government, Prins J.E.J (ed.) Kluwer Law International, 2001.

MARTINS, Luciano. Reforma da Administração Pública e Cultural no Brasil: uma visão geral. Cadernos ENAP. Brasília: ENAP, 1995.

MINTZBERG, Henry. Managing government, governing management. Harvard Business Review, may-jun 1996.

MCT – Ministério da Ciência e Tecnologia. Livro Verde: A Sociedade da Informação no Brasil. Brasília, 2000.

MARSHALL, T.H. Cidadania e Classe Social. Brasília: Fundação Projeto Rondon, 1988.

NOLAN, R. Managing the crisis in data processing. Harvard Business Review, USA, mar./abr. 1979.

MERRIAM, S. Case study research in education: a qualitative approach. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1988.

NPR – National Performance Review. 1993 Report Executive Summary. Relatório oficial do governo americano, www.npr.gov (acesso: 08/out/2002). 1993.

NORRIS, Pippa. Digital Divide Civic Engagement, Information Poverty, and the Internet Worldwide. New York: Cambridge University Press, 2001.

OSBORNE, David; GAEBLER, Ted. Reinventing government: how the entrepreneurial spirit is transforming the public sector. Boston: Addison-Wesley, 1992.

PASSOS, Carlos A K. Novos Modelos de Gestão e as Informações. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

PERRI, 6. E-Governance. Do Digital Aids Made a Difference in Policy Making? In: Designing E-Government, Prints J.E.J (ed.) Kluwer Law International, 2001.

QUIRINO, C. G.; MONTES M. L. Constituições Brasileiras e Cidadania. São Paulo, Ática, 1987.

REINHARD, Nicolau. Informatização no governo federal. Revista da administração, São Paulo, v. 28, No. 2, abr./jun. 1993.

REINHARD, Nicolau. A internet mudou tudo? In: Congresso Nacional de Informática Pública, São Paulo, 1999.

ROVERE, Renata L. L. As Pequenas e Médias Empresas na Economia do Conhecimento: Implicações para Políticas de Inovação. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

SANDOVAL, S. A. M. Algumas reflexões sobre cidadania e formação de consciência política no Brasil. In: SPINK, M. J. P. A cidadania em construção. São Paulo, Cortez, 1994.

SPINK P. Cidadania na organização e cidadania da organização: notas para a desconstrução de “recursos humanos”. In: SPINK, M. J. P. A cidadania em construção. São Paulo, Cortez, 1994.

TIGRE, Paulo B. Comércio Eletrônico e Globalização: Desafios para o Brasil. In: LASTRES, Helena M. M. ALBAGLI, Sarita. Informação e Globalização na Era do Conhecimento (org). Rio de Janeiro: Campus, 1999.

ZAVALA, Rodrigo. A taxa de exclusão digital empaca governo eletrônico brasileiro, site: http://www.uol.com.br/aprendiz/n_noticias.htm, (acesso: 15/set/2002). 2002.

YIN, Robert K. Life histories of innovations: how new practices become routinized. Public Administration Review. Jan./feb. 1981.



1 IBGE – Pesquisa Nacional por amostra de domicílios – 2001, disponível na internet no endereço www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pnad2001.pdf, acessada em 15 de janeiro de 2003.

2 No contexto do presente trabalho também poderia ser utilizado o conceito de Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, mas a ênfase do trabalho sugeriu a adoção de Tecnologia da Informação – TI.

3 No contexto deste trabalho, alfabetização digital significa: “Processo de aquisição de habilidades básicas para o uso de computadores, redes e serviços de internet” (MCT, 2000: 165).


4 IBGE – Pesquisa Nacional por amostra de domicílios – 2001, disponível na internet no endereço www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pnad2001.pdf, acessada em 15 de janeiro de 2003.

5 Termo usado para designar a utilização da TI, em especial da Internet, nas transações comerciais entre organizações.

6 Relação definida entre os componentes preço e capacidade, não refletindo necessariamente a redução nominal do preço de um computador, mas de uma determinada capacidade de processamento.

7 KRAEMER, K. L. Managing information sustems. In: PERRY J. L. The corparation of the 1990’s. New York : Oxford University Press, 1991.

8 VENKATRAMAN, N. IT-induced business transformation. In: SCOTT MORTON, M. The corporation of the 1990’s. New York : Oxford University Press, 1991.



9 IBGE – Pesquisa Nacional por amostra de domicílios – 2001.

10 Dados segundo metodologia apresentada por Norris (2001, p.43:49)

11 IBGE – Pesquisa Nacional por amostra de domicílios – 2001, disponível na internet no endereço www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pnad2001.pdf, acessada em 15 de janeiro de 2003.



12 O termo info-excluído é usado para indicar a condição de pessoas sem acesso aos recursos da TI, em especial o computador e a internet.

13 Informações do site IBGE – Cidades@, acessadas em www.ibge.gov.br/cidadesat/default.php (junho/2003)

14 Informações a partir do site www.pr.gov.br, em junho de 2003, acessadas em http://celepar7.pr.gov.br/e-Prefeituras/Relatorios/idh-geral-parana.xls

15 O termo computador era o mais familiar aos participantes, para representar o que neste trabalho está sendo tratado por TI – Tecnologia da Informação.

16 Fonte: site www.ibge.gov.br, acessado em 29 de janeiro de 2003.

17http://www.pr.gov.br/e-parana em 10/12/2002

18 Site http://www.pr.gov.br/e-parana/index.shtml

19 FPM – Fundo de Participação dos Municípios, que define o valor do repasse da cota do ICMS que o Estado faz aos Municípios.

20 A autora registra que a classificação social foi obtida pela utilização da tabela ABIPEME, citando Steiner, Neto, P.J. Pesquisa em marketing I, II e III. Curitiba: Centro de Pesquisa em Pós-Graduação – CEPPAD, Universidade Federal do Paraná, 1999.

21 A FUNCEL é a Fundação CELEPAR, mantida pelo corpo funcional da CELEPAR e pela mesma, que desenvolve atividades sociais, culturais e recreativas, além de operacionalizar os benefícios e serviços assistenciais aos funcionários da CELEPAR.

22 Ver site http://www.pr.gov.br/comunidade/comecou.shtml.

23 A página http://www.pr.gov.br/comunidade/celepar_comunidade/18out.html registra a participação da primeira turma.

24 Considerando a existência de aproximadamente 8.500.000 paranaenses sem acesso à Internet.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   6   7   8   9   10   11   12   13   14


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal