Por volta de 80% dos recém-nascidos (RN) de muito baixo peso e 95% de bebês com peso extremamente baixo ao nascer recebem recebem hemotransfusões durante a sua hospitalização1,2



Baixar 68.83 Kb.
Encontro15.01.2018
Tamanho68.83 Kb.

FUROSEMIDA NA TRANSFUSÃO DE CONCENTRADOS DE HEMÁCIAS NOS RECÉM-NASCIDOS PRÉ-TERMOS: ENSAIO CONTROLADO E RANDOMIZADO

Furosemide for Packed Red Cell Transfusion in Preterm Infants:

A Randomized Controlled Trial

Kiran Kumar Balegar V and Martin KluckowJ

From the Department of Neonatology, Royal North Shore

Hospital, Sydney, Australia

Reprint requests: Martin Kluckow, FRACP, PhD, Department of Neonatology,

Royal North Shore Hospital, Sydney, Australia. E-mail: mkluckow@med.usyd.edu.au



J Pediatr 2011;159:913-8

Realizado por Paulo R. Margotto, Professor do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)/SES/DF



pmargotto@gmail.com

www.paulomargotto.com.br
Por volta de 80% dos recém-nascidos (RN) de muito baixo peso e 95% de bebês com peso extremamente baixo ao nascer recebem hemotransfusões durante a sua hospitalização1,2. Os principais mecanismos que causam anemia nessas crianças in-
cluem perdas por flebotomia e diminuída capacidade de eritropoiese efetiva3.
Tem havido uma preocupação persistente de que a hemotransfusão possa levar a
à sobrecarga de volume e aumento da viscosidade, potencialisando a insuficiência cardíaca congestiva nestes bebês prematuros4 . Assim, a furosemida é prescrita para evitar possível sobrecarga vascular provocada pela hemotransfusão5.

A furosemida age por um efeito imediato no início da diurese, independente da venodilatação sistêmica e pulmonar6,7 que reduz a pré-carga e uma diurese de início tardio, o que reduz a pós-carga8. Uma única dose de furosemida geralmente leva a


distúrbio eletrolítico e em doses cumulativas, aumenta o risco de ototoxicidade e nefrocalcinose5,9-12.

Estudos de avaliação dos efeitos cardiopulmonares da furosemida administrada com a hemotransfusão são escassos e mostram resultados conflitantes. Estudos em adultos mostraram que a severa anemia causa estreese hemodinâmico, como indicado por um aumento na pressão capilar pulmonar, que é prevenido pela administração simultânea de furosemida13. Stefanot al14 descreveram deterioração nos testes de função pulmonar em um grupo de prematuros ventilados com doença pulmonar crônica após a transfusão sem furosemida e uma melhora no grupo que recebeu furosemida. No entanto, não houve nenhuma diferença nas variáveis ​​clínicas, como a freqüência respiratória espontânea, parâmetros ventilatório e necessidade de oxigênio entre estes dois grupos.

Sasidharan et al15 também relataram melhora na complacência pulmonar e aumento da resistência e trabalho da respiração em um grupo de prematuros recebendo transfusão sabguínea. Sarkar et al 16, em um estudo randomizado bem conduzido, demonstraram que uma dose única de furosemida após a transfusão não alterou as variáveis ​​clínicas ou pulmonares quando foram comparados com o grupo placebo durante o período de 4 horas após a transfusão em uma coorte de pré-termos ventilados durante as duas primeiras semanas de vida. Apesar de seu uso rotineiro por alguns médicos, não há evidências convincentes sobre os benefícios de uma dose única de furosemida administrada imediatamente após a transfusão sanguínea nos recém-nascidos prematuros. Por outro lado, a furosemida pode ser potencialmente prejudicial
Objetivo
O presente estudo determinou os efeitos de uma dose única de furosemida administrada imediatamente antes transfusão sanguínea nas variáveis clínicas e cardiopulmonares em recém-nascidos pré-termos hemodinamicamente estáveis, eletivamente transfundidos após a primeira semana de vida.
Desenho do estudo
Este é um estudo randomizado, estratificado, duplo-cego, controlado, com comparando o uso de furosemida intravenosa (1mg/kg) versus placebo (soro fisiológico) imediatamente antes da transfusão de glóbulos vermelhos (20 mL/kg por 4 horas) em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.
Resultados
O desfecho primário foi uma mudança na fração inspirada de oxigênio (FiO2) durante as 24 horas pós-transfusão em comparação com o período de 6 horas pré-transfusão. Os desfechos secundários foram ecocardiográfia funcional e variáveis clínicas / bioquímica. Dos 51 prematuros com pesos médios nascimento de 900 g
(+-28); pesos de 1.342 g (+-432); idade gestacional de 27 semanas (+-1); e idade pós-menstrual de 32 semanas (+-4), 40 completaram o estudo. As variáveis pré-transfusão ​​foram comparáveis ​​entre o grupo da furosemida (n = 21) e e o grupo placebo (n = 19). Houve um pequeno aumento, mas significante (P <0,05) na FiO2 pós-transfusional no grupo placebo (aumento relativo de 7%, equivalente a um aumento absoluto 0,27-0,29) em comparação com o grupo da furosemida. Outros variáveis ​​foram semelhantes. Nenhuma criança recebeu furosemida “open-label” (ou seja, de rótulo-aberto). Na figura

1, o diagrama de fluxo, mostrando o fluxo de participantes através de cada fase do ensaio clínico randomizado.




Fig. 1.Diagrama mostrando o fluxo dos participantes através de cada estágio do ensaio randomizado. CCF (congestive cardiac failure): insuficiência cardíaca congestiva; PRBCT(Packed red blood cell transfusion:transfusão de concentrado de hemácias)

N


Tabela1. Características básicas das crianças na entrada do estudo
a tabela 1 as características básicas das crianças que entraram no ensaio foram semelhantes.

O período de estudo foi dividido em epócas, para permitir comparações : um período de 6 horas antes da transfusão, um período de 4 horas durante a transfusão e 4 épocas pós-transfusão, com duração de cada uma de 6 horas



O desfecho primário foi a mudança na exigência FiO2 pré e pós-transfusional. O grupo que recebeu furosemida teve uma diminuição inicial na FiO2 seguido por um retorno ao valor pretransfusion por 24 horas após a transfusão. O grupo placebo teve necessidade de aumento progressivo na FiO2 até o final do período de estudo, resultando em um aumento máximo de 7% acima da FiO2 pré-transfusão (figura 2). Quando traduzido em valores absolutos, isto corresponde a um aumento na média de FiO2 pré-transfusão de de 0,27 para um valor de 0,29 pós-transfusional. Adiferença na exigência FiO2 entre os dois grupos foi estatisticamente significante durante as épocas pós-transfusional 2, 3 e 4 ( figura 2). Embora o padrão global manteve-se o mesmo em análise de subgrupo (<= 32 semanas: 9 furosemida; 8 placebo, e> 32 semanas: 11 furosemida, 12 placebo), apenas bebês de 32 semanas de idade pós-concepção ou mais mostraram diferenças estatisticamente significativas (p <0,05) em FiO2 durante as épocas 3 e 4. (O aumento médio da FiO2 +- desvio padrão no grupo da furosemida versus grupo placebo foi de -2,8%+-7,1 versus 4,6% +-8,1 durante a época 3 e -0,6%+-2,8 versus 9,1%+-11,4 durante a época 4)




Fig.2. Gráfico mostrando a percentagem de mudança na FiO2 após transfusão de concentrado de hemácias comparado com o período pré-transfusão nos dois grupos.*P>0,5,#P=0,03,##P=0,01, épocas intra e pós-transfusão versus pré-transfusão

Quanto aos desfechos secundários: Das várias medidas de desfecho secundário (tabela 2;), apenas as alterações no peso e sódio foram estatisticamente diferentes entre os dois grupos. No grupo placebo, houve um ganho de peso de 4%, traduzindo um aumento de peso pós-transfusional de 50 gramas em 24 horas. Da mesma forma, houve uma redução de 0,8% (1,1mmol/L) da média pré-transfusão do nível de sódio sérico (de 138 mmol / L no grupo da furosemida. A pressão média das vias aéreas, um fator que influencia de forma independente a exigência de FiO2 em bebês que requerem assistência respiratória (n = 17 no grupo da furosemida; n = 16 no grupo placebo) foi semelhante em ambos os grupos. Mudanças nas variáveis clínica e ecocardiográfica


e eletrólitos urinários também foram similares. Ambos os grupos tiveram aumentos comparáveis na hemoglobina pós-transfusional. ​​ Nenhuma criança em cada grupo necessitou de tratamento aberto com furosemida (ou seja, usar furosemida se necessário).


Tabela 2. Resultados secundários:comparação de mudanças percentuais nos parâmetros após a transfusão de concentrado de hemácias


Discussão
Este estudo demonstrou que em um grupo de prematuros hemodinamicamente estáveis e transfundidos de forma eletiva, além da primeira semana de vida, o uso da furosemida teve benefício clínico mínimo. A furosemida com a hemotransfusão impediu um aumento clinicamente pequeno, mas estatisticamente significativo em FiO2. Embora a diferença de FiO2 entre os dois grupos foi estatisticamente significativa, um aumento relativo de 7%, correspondendo a um aumento absoluto 0,27-0,29 no grupo placebo é improvável que seja considerada importante para o dia-a-dia da prática clínica. Melhoria na necessidade de oxigênio foi visto no subgrupo que tinha
idade gestacional pós-concepção de 32 semanas ou mais, mas não naqueles cuja idade pós-concepção foi de 32 semanas ou menos. Isto é contrário à hipótese inicial dos autores , que tinham assumido que a carga de fluido seria melhor tolerado nos bebê mais maduros. Os autores do presente estudo especulam que uma maior proporção de bebês neste subgrupo mais maduro, tendo sido exposto a um maior período de ventilação com pressão positiva, poderia ter tido displasia broncopulmonar e que essas crianças mais maduras com displasia broncopulmonar tiveram uma resposta mais consistente à furosemida do que os do outro grupo. Isso seria consistente com a revisão Cochrane18, que concluiu que as crianças de 3 semanas de idade ou mais velhas que tinham displasia broncopulmonar mostraram uma resposta consistente à furosemida e que aqueles de três semanas de idade ou mais jovens demonstraram efeitos inconsistentes ou indetectáveis.

Sarkar et al16 estudaram o efeito de uma dose única de furosemida, após a hemotransfusão em bebês de 2 semanas de idade ou mais jovens e descobriam que a furosemida não alterou variáveis clínica ou pulmonar ​​, quando comparado com placebo

durante o período de 4 horas de transfusão.

Os presentes autores demonstraram resultados semelhantes, sem alteração da necessidade de oxigênio durante o período de 6 horas pós-transfusão. Na verdade, a diferença de exigência de oxigênio alcançou significância estatística somente após pós-


transfusão de uma época (> 6 horas) e a diferença persistiu até o fim do período de estudo.

Outra indicação comum para a administração de furosemida na UTI Neonatal é para tratar edema ou prevenir ganho de peso após a hemotransfusão. No presente estudo, foi demonstrado que o grupo placebo teve um ganho de peso de 4%, equivalente a 50 gramas, que é pouco provável que seja de importância clínica. Da mesma forma, a 0,8% de diminuição do sódio sérico no grupo tratado com furosemida é clinicamente insignificante. No entanto, os RN prematuros recebem múltiplas hemotransfusões e podem receber furosemida em cada ocasião, além de várias outras indicações para seu uso. MúltiplaS doses pode aumentar o risco de depleção crônica de sódio em bebês prematuros que já estão em estado precário de de equilíbrio sódio.

Os autores não encontraram qualquer diferença entre os dois grupos com relação a diversas variáveis funcionais ​​ecocardiográficas. Yu et al 4 demonstraram que a saída do ventrículo esquerdo diminuiu 24 horas depois de uma hemotransfusão de 10-15 mL / kg durante 3 a 4 horas. Esta diminuição foi atribuída a uma queda do volume sistólico (velocidade de fluxo sanguíneo) secundária a um aumento na viscosidade. O presente estudo mostrou resultados semelhantes na saída do ventrículo direito (embora
estatisticamente não significativa), e a administração de furosemide não mudou isso. Nelle et al22 demonstraram que nem a pressão da artéria pulmonar do ventrículo direito e nem a função ventricular direita mudou em prematuros 4-6 horas depois de uma hemotransfusão com menor volume (10 mL / kg) transfundido mais lentamente (mais de 6 horas). O débito ventricular direito foi usado como uma medida de débito cardíaco no presente estudo, porque é menos afetado pela presença do canal arterial21.

É uma prática comum o uso de 10 a 15 mL / kg de concentrado de hemácias, apesar de algumas evidências de que um volume de transfusão 20-mL/kg em bebês de muito baixo peso não produz efeitos prejudiciais na função pulmonar23. No presente estudo foi utilizados 20 mL / kg com o objectivo de desafiar os bebês com um volume substancial de modo que o efeito da carga de volume e qualquer potencial efeito protetor do furosemide em sobrecarga de volume podesse ser claramente demonstrada. É de interesse que nenhuma criança no estudo requerrese tratamento com furosemida, sugerindo que a furosemida não é uma parte necessária da transfusão de sangue neste grupo de crianças.

Em termos de tempo de administração de furosemida em relação a hemotransfusão, há uma variação na prática; algum usam furosemide antes do início14, outros, no meio (política anterior da Unidade dos autores) e outros ao término da transfusão15,16. Os presentes autores escolheream para administrar furosemida no iníciomento da transfusão com base no conhecimento da farmacocinética da furosemida. O tempo para efeito máximo da furosemida administrada endovenosa é de 1 a 3 horas16. Assim, administração de furosemida no início da transfusão propicia a manifestação do pico máximo da droga no mesmo tempo em que o sistema cardiovascular é exposto a qualquer sobrecarga de volume.

Os autores do presente estudo reconhecem várias limitações do estudo.O período de estudo estendeu-se apenas por 24 horas pós-transfusional. Devido a ocorrência de um progressivo aumento da exigência de FiO2 no grupo placenbo se o estudo tivesse sido continuado além de 24 horas, poder-se-ía ter demonstrado um aumento do requisito de FiO2 a um nível clinicamente significativo. Embora os enfermeiros foram regularmente treinados para a Saturação alvo de Oxigênio, marcando cuidadosamente as mudanças na FiO2 ,uma quantificação objetiva de como isso foi conseguido (tal como a porcentagem do tempo de alvos de saturação foram atingidos nas faixas desejáveis) teria sido mais benéfico.Os autores também relatam que incluíram um grupo heterogêneo de bebês com e sem apoio respiratório e / ou necessidade de oxigênio. Pode haver uma coorte de bebês que poderiam se beneficiar do uso de furosemida, com a transfusão de concentrados de hemácias. Finalmente, as medidas não-invasivas de função cardíaca estão sujeitas a erro de observação significativa, mas no entanto, houve apenas um operador que tornou a abordagem mais coerente .

Em resumo, a administração de uma dose única de furosemida antes da transfusão em recém-nascidos prematuros hemodinamicamente estáveis impediu pequeno aumento, mas estatisticamente significativa na FiO2 e ganho de peso, produziu pequena diminuição, porém significativa, no sódio sérico e não teve efeito sobre varáveis ventilatórias, hemodinâmicas, ecocardiograficas, eletrolíticas e clínicas por 24 horas após a transfusão.

Os pequenos benefícios clínicos do uso rotineiro de furosemida no momento da transfusão eletiva precisam ser equilibrados com os efeitos potencialmente adversos.










Consultem também:


Hemoderivados (critérios)
Autor(es): Samiro Assreuy




Paulo R. Margotto



Brasília, 31 de dezembro de 2011



Unidade de Neonatologia do Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal