Pregão eletrônico nº. 011/7071-2013 gilog/go comunicado



Baixar 1.04 Mb.
Página5/11
Encontro05.07.2018
Tamanho1.04 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11

3.5 Conjunto de Equipamentos, Ferramental e Instrumental:

3.5.1 A MANTENEDORA deverá possuir equipamentos, instrumentos e ferramentas de uso específico, suficientes e apropriados para a realização dos serviços de manutenção preventiva e corretiva em todos os sistemas de climatização e ventilação constantes dos Anexos IV e IV-A deste Edital, com toda segurança aos seus empregados e aos usuários do imóvel atendido.

3.5.2 Exemplo de equipamentos, instrumentos e ferramentas necessárias, não se limitando aos mesmos:

- Transferidora e cilindros para o fluido refrigerante de alta vazão;

- Equipamento para solda-brasagem (PPU) e solda elétrica;

- Bomba pressurizadora com pistola apropriada para limpeza de serpentinas;

- Escadas e andaimes;

- Martelete e furadeiras elétricas;

- Manômetro (Manifold) e vacuômetro eletrônico;

- Kit flangeador de tubos;

- Kit de chaves combinadas e soquetes;

- Bombas de vácuo – nas capacidades compatíveis com a dos circuitos frigoríficos;

- Termômetros e termo-higrômetros;

- Anemômetros, decibelímetros, alicates-amperímetros e wattímetros;

- Luxímetros (para verificação do nível de iluminamento das casas de máquinas).

3.5.2.1 Complementa a relação acima os equipamentos necessários para a proteção individual (EPI) e coletiva (EPC).

3.5.3 É recomendável a utilização de carro-oficina, que promove agilidade no atendimento, sobretudo nos casos de localidades inseridas em um mesmo percurso/trecho rodoviário.

3.5.4 Todos os instrumentos deverão ser aferidos com a freqüência recomendada pelos fabricantes ou legislações específicas e calibrados por empresas credenciadas pelo INMETRO para tal serviço, na periodicidade indicada pelo fabricante de cada aparelho, devendo ser apresentada cópia do certificado à CAIXA/GILOG para constatação do atendimento em referência.

3.5.5 É facultado à CAIXA realizar vistoria técnica nas instalações da MANTENEDORA para constatação da existência do ferramental e instrumental, assim como da sua estrutura declarada.

3.6 Análise e Tratamento Físico-Químico de Água

3.6.1 A análise e o tratamento físico-químico da água de condensação e da água gelada – de acordo com as características dos sistemas constantes do Anexo IV – são de inteira responsabilidade da MANTENEDORA.

3.6.2 Os produtos químicos a serem utilizados deverão estar comprovadamente registrados ou notificados pelo Ministério da Saúde, além de ser inofensivos ao meio ambiente e ao ser humano.

3.6.2.1 Em conformidade com o acima exposto, vale ressaltar que produtos químicos à base de cromatos ou outros produtos de características consideradas como carcinogênicas não poderão ser utilizados em qualquer hipótese.


3.6.2.2 É terminantemente proibido o acondicionamento dessas substâncias no interior das casas de máquinas dos condicionadores.

3.6.3 O tratamento químico da água de condensação deverá ser efetuado por bombas de dosagem, devendo estes componentes receber também a manutenção preventiva e corretiva, inclusive com reposição de peças, se necessário, sem ônus para a CAIXA.



3.6.3.1 A MANTENEDORA deverá instalar as referidas bombas de dosagem nos sistemas onde as mesmas não se estão atualmente previstas.

3.6.4 A MANTENEDORA deverá apresentar relatórios contendo as dados físico-químicos e microbiológicos das águas utilizadas nos sistemas, acompanhados dos valores normais parametrizados, nas seguintes periodicidades:

a) Mensal: para a água de condensação;

b) Trimestral: para água gelada.

3.6.4.1 As informações acima servirão para subsidiar os procedimentos a serem tomados, tais como a alteração das dosagens, substituição de produtos químicos e execução programada de purga para desconcentração.

3.6.5 Limpezas químicas do interior das tubulações hidráulicas e dos condensadores deverão ser evitadas, devido ao risco de perfurações das suas paredes.

3.6.5.1 Caso tenham que ser adotadas, em função da falta de alternativa, a composição química da substância deve ser adequada para o não comprometimento dos componentes a serem limpos.

3.6.6 As águas utilizadas, com menor ou maior concentração de produtos químicos e outros poluentes deverão receber destinação específica na condição de efluente antes de ser lançada à rede pública.
3.7 Testes e Ensaios:

3.7.1 Deverão ser executados os constantes do Anexo VIII e Anexo IX - PMOC, como a verificação da acidez de óleo, além das demais provas exigidas por normas técnicas oficiais para a boa execução do objeto do contrato, sem ônus adicionais para a CAIXA, conforme dispõe o art. 75, da Lei nº 8.666/1993.

3.7.2 Dentre os testes previstos em sistemas de climatização e ventilação mecânica, poderão ser necessários os ensaios relacionados com a manutenção preditiva:


  • Ultrassonografia ou tecnologia equivalente, para avaliação da espessura e integridade dos materiais metálicos, sobretudo das tubulações hidráulicas e as dos condensadores a água;

  • Análise de vibrações e termografia, como forma de antecipar a necessidade de manutenções corretivas e paradas não programadas.

3.8 Atualização dos Dados Técnicos dos Sistemas:

3.8.1 Os dados constantes dos Anexos IV e IV-A deverão ser atualizados pela MANTENEDORA sempre que ocorrerem alterações de quantitativos e/ou de características dos sistemas, tais como os acréscimos ou decréscimos da capacidade frigorífica de condicionadores.

3.8.2 Em conseqüência da atualização dos dados acima, deverá também ser preenchida os campos hachurados da planilha referente ao Anexo X deste Edital, correspondentes à unidade CAIXA que em que ocorreram as alterações.

3.8.2.1 A formalização do termo aditivo estará condicionada à análise técnica da CAIXA, para ratificação ou retificação dos dados fornecidos pela MANTENEDORA.

3.8.3 Outros componentes dos sistemas que venham a ser alterados ou substituídos, desde que considerados relevantes e importantes pela MANTENEDORA e/ou pela CAIXA, também deverão ter os seus dados registrados em planilhas

3.8.4 As planilhas atualizadas deverão ser entregues à CAIXA/GILOG juntamente com o relatório técnico mensal de manutenção do mesmo período do levantamento dos dados.

3.9 Software para Gestão das Atividades de Manutenção:

A MANTENEDORA deverá apresentar software gerenciador de manutenção apto a fornecer dados on-line, via internet, em meio magnético e impressos (relatórios), além de permitir o recebimento e a emissão de mensagem eletrônica protocolada, abrangendo, dentre outras informações, as seguintes:

a) Tempo médio de atendimento, separado por manutenção preventiva e corretiva;

b) Histórico de intervenção por equipamento, com indicação da instalação/unidade atendida e as peças substituídas;

c) Cadastro de novos equipamentos e instalações;

d) Demonstrativo de custos de manutenções corretivas, preventivas, por equipamento e por sistema, em periodicidade mensal e anual;

e) Relatórios mensais das manutenções preventivas e corretivas;

f) Controle dos prazos de garantia.

3.10 Informações sobre a Responsabilidade da Manutenção e o Sistema:

3.10.1 As portas das casas de máquinas deverão receber, no seu lado interno, placa de acrílico de 15cm x 30cm, contendo as seguintes informações relativas à MANTENEDORA:

a) Título principal: “MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO”;

b) Razão social da MANTENEDORA;

c) Nome do engenheiro mecânico responsável e n° do seu registro no CREA;

d) Números de telefone fixo, celular e fax, com o DDD;

e) Endereço eletrônico.

3.10.2 A MANTENEDORA deverá afixar nos gabinetes, em local visível, papel contact ou material equivalente constando os principais dados de identificação dos condicionadores, sem ônus para a CAIXA, adotando fonte Arial, estilo negrito e tamanho 12 ou 14, tendo como base os modelos exemplificados abaixo:



CONDICIONADOR: Self-contained/Splitão

IDENTIFICAÇÃO:

MARCA:

CAPACIDADE FRIGORÍFICA (TR ou BTU/h):

REFRIGERANTE:

TENSÃO:

UNIDADE INTERNA (EVAPORADORAS):

MODELO:

Nº SÉRIE:

UNIDADES EXTERNAS (CONDENSADORAS):

MODELO:

Nº SÉRIE 1:

Nº SÉRIE 2:

COMPRESSORES:

MARCA/MODELO/TIPO:






CONDICIONADOR: Fan-coil




MARCA:

MODELO:

CAPACIDADE FRIGORÍFICA (TR):

Nº SÉRIE:

VAZÃO ÁGUA (m³/h): VAZÃO AR (m³/h):

Nº ROWS: Nº ALETAS/POL:

TENSÃO (V): CORRENTE NOMINAL (A):

MODELO VÁLV. CONTROLE/ATUADOR:

(OUTROS DADOS)




3.10.2.1 Os dados requeridos devem ser inerentes ao tipo de condicionador a ser identificado (ACJ, minisplit, self-contained – condensador integrado ou remoto, splitão, roof-top, chiller, fan-coil, fancolete), tendo em vista que cada um possui características físicas e técnicas específicas.

3.10.2.2 As bombas hidráulicas (potência – em CV, RPM, vazão de água), torres de resfriamento (capacidade – em TR, potência, vazão de água, tipo de enchimento) e ventiladores (potência, vazão de ar, pressão estática) também deverão ser identificados, preferencialmente, com utilização de placa acrílica afixada no lado externo dos respectivos quadros elétricos, constando ainda as informações sobre a marca, modelo, tipo, nº de série e outros dados específicos pertinentes a cada equipamento.

3.10.2.3 As planilhas do Anexo IV e IV-A poderão auxiliar no preenchimento dos dados solicitados, devendo ser conferidos e complementados no próprio local das instalações.

3.11 Remanejamento de dutos flexíveis:

3.11.1 Em função de pequenas alterações de leiaute, a CAIXA poderá solicitar à MANTENEDORA, sem ônus, a realocação de difusores ou grelhas existentes, desde que conectadas a dutos flexíveis e que o comprimento disponível destes seja suficiente para o reposicionamento desejado.

3.11.2 Em caso de constatação da necessidade de materiais referentes aos dutos e acessórios, os serviços serão realizados por meio do processo de PSAC – Pequenos Serviços de Ar Condicionado, descrito no Anexo I-B e I-C deste edital.

3.11.3 O serviço a ser realizado não deverá danificar o material e a estrutura do forro, contudo, no caso da necessidade de adaptação no gesso, a sua recomposição será efetuada por outra empresa contratada pela CAIXA.

3.12 Tipos de Serviços de Balanceamento:

Serviços de balanceamento podem ser necessários nas instalações e, para fins de definição, o termo pode ser classificado e descrito para as seguintes condições:

3.12.1 Balanceamento Termodinâmico:


Ajuste do superaquecimento e sub-resfriamento nos circuitos frigoríficos, de acordo com as faixas estabelecidas pelos fabricantes dos respectivos condicionadores, visando melhor rendimento térmico sem comprometimento das condições operacionais dos compressores.
3.12.2 Balanceamento de Ar:
a) Regulagem das vazões de ar de insuflação nas grelhas e difusores, no caso de sistemas constituídos de rede de dutos, visando proporcionar uma temperatura mais uniforme possível nos ambientes climatizados ou, ainda, para atendimento específico requerido em determinadas áreas, com observância da vazão de ar total dos condicionadores para o não comprometimento do sue funcionamento em função do seu projeto de fábrica;
b) Regulagem das tomadas de ar externo e de retorno, de acordo com a necessidade específica e para atendimento à última edição da Resolução Anvisa e Portaria Ministerial 3.523/98;
c) Regulagem das polias dos ventiladores dos condicionadores, respeitando a faixa admitida pelo fabricante para ajuste, de modo a não comprometer o funcionamento normal do equipamento.
3.12.3 Balanceamento Hidráulico:
Ajuste das vazões de água de condensação e gelada, quando aplicável, através das válvulas existentes e pontos de medição das pressões, de modo a assegurar o bom funcionamento do sistema, conforme projeto existente ou de acordo com as condições operacionais mais adequadas para o melhor rendimento do conjunto.
3.12.4 Balanceamento Estático e Dinâmico:
Serviço eventualmente necessário nos conjuntos de ventiladores dos trocadores de calor (fan-coils, evaporadores e condensadores), em função de desgaste dos seus componentes, tais como rolamentos e eixos ou falta de alinhamento do conjunto polia-correia.
3.13 Planejamento de Serviços Passíveis de Transtornos

3.13.1 Os serviços de manutenção corretiva e preventiva que possam, durante a sua execução, gerar transtornos aos ocupantes do imóvel (empregados e clientes), desde que não se caracterizem como emergenciais, deverão ser previamente planejados para horário mais conveniente, o que não impede que os demais serviços sejam normalmente realizados, de acordo com a programação estabelecida.

3.13.2 Ficam caracterizados como serviços que possam interferir ou trazer transtornos de qualquer natureza ao funcionamento dos ambientes climatizados atendidos aqueles que:

a) Resultam em parada de funcionamento dos equipamentos do sistema por período suficiente para elevar a temperatura interna em níveis acima dos parâmetros máximos estabelecidos na norma técnica ABNT 16.401/2008, gerando desconforto térmico aos usuários e desatendimento aos equipamentos dependentes de climatização;

b) Necessitem de espaço físico em locais de grande concentração momentânea de pessoas, sem condições de remanejamento das mesmas para outro local;

c) Venham, de alguma forma, interferir no trânsito ou comprometer a segurança física de empregados e clientes da CAIXA.

3.14 Equipe Técnica Mínima:

3.14.1 A equipe técnica mínima vinculada aos serviços de manutenção preventiva e corretiva dos sistemas de climatização e ventilação deverá ser composta pelos seguintes profissionais:

a) Engenheiro Mecânico;

b) Mecânico (Técnico) de Manutenção Corretiva;

c) Mecânico (Técnico) de Manutenção Preventiva;

d) Auxiliar de Mecânico de Corretiva;

e) Auxiliar de Mecânico de Preventiva;

f) Técnico Residente (plantonista).

3.14.2 A MANTENEDORA não necessita manter os seus profissionais em caráter de exclusividade para a CAIXA, à exceção do Técnico Residente, conforme indicação da sua necessidade no Anexo V deste Edital, em vista da sua carga horária integral, em regime de plantão na respectiva instalação.

3.14.3 O Técnico Residente deverá ser equivalente a um Mecânico de Preventiva, em termos de conhecimento e experiência, apto a operar todos os equipamentos instalados na unidade CAIXA, prestar os serviços de manutenção preventiva, incluindo limpeza geral dos componentes com maior freqüência sempre que necessário, bem como atender às solicitações dos usuários do prédio, como empregados da CAIXA, restringindo-se as suas atribuições aos serviços pertinentes aos sistemas de climatização e ventilação mecânica.

3.14.3.1 O seu regime de trabalho será de 44 horas semanais, distribuídos pelos dias de expediente das unidades, normalmente 5 dias/semana, equivalente a 8,8 horas/ dia, cujo estabelecimento do horário de entrada e saída, ao longo do dia, bem como a definição do período de almoço ficará a cargo da CAIXA/GILOGGILOG.

3.14.4 Os profissionais acima elencados poderão ser reconhecidos no mercado através de outras denominações, de acordo com a região do país de sua atuação, desde que não haja alterações das suas atribuições e competências.


3.15 Intervenção em Circuitos Frigoríficos:

Os procedimentos básicos para a intervenção em circuito frigorífico despressurizado deverão ser:



  • Limpeza interna, especialmente em caso de queima de compressores;

  • Teste de vazamento com nitrogênio seco;

  • Correção do vazamento;

  • Teste de estanqueidade;

  • Vácuo final igual ou inferior a 500 Hg, na ausência de informações no manual do fabricante.

3.15.1 Devem ser usados manômetros tipo Manifold, bomba de vácuo com capacidade apropriada e vacuômetro, preferencialmente eletrônico.

3.15.2 A leitura da pressão negativa (vácuo) não poderá ser realizada pelo Manifold.

3.15.3 Em hipótese alguma poderá a mantenedora fazer vácuo utilizando compressores ao invés de bombas de vácuo.

3.16 Responsabilidade Ambiental – Camada de Ozônio:

3.16.1 Para atendimento às legislações ambientais, em especial sobre a camada de ozônio, nenhum refrigerante poderá ser descartado diretamente para a atmosfera, devendo ser observada a Resolução CONAMA RE 340/2003, ou equivalente em vigor, e utilizados equipamentos apropriados para:


  • Recuperação: remoção dos fluidos refrigerantes do condicionador e coleta em um recipiente adequado;

  • Reciclagem: realizada em campo sem análise, visando reduzir os contaminantes para reaproveitamento;

  • Regeneração: reprocessamento do refrigerante, com especificação final igual ao produto novo, verificada por análises químicas;

  • Eliminação: Quando o fluido refrigerante apresentar-se contaminado deverá ser encaminhado para empresa especializada na sua destruição, e certificado de forma prévia da sua qualificação para garantia do procedimento de descarte correto.

3.16.2 A MANTENEDORA deverá apresentar, por ocasião da assinatura do Contrato, o Certificado de Registro no Cadastro Técnico Federal do IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, na categoria de usuários de SDO – Substância que destroem a Camada de Ozônio, do Protocolo de Montreal.

3.16.3 Prestar informações à CAIXA, a cada ano, 30 dias antes da data estipulada pelo IBAMA, sobre o tipo e a quantidade de refrigerante utilizada em cada sistema de condicionamento de ar da CAIXA sob a sua responsabilidade.

3.16.4 A limpeza interna dos circuitos frigoríficos, mencionada no subitem anterior, deve utilizar como solvente o substituto já disponível pelo mercado para o HCFC-141b, preferencialmente, sendo terminantemente proibido o uso do R-11 (CFC-11) ou quaisquer outras substâncias relacionadas nos anexos do Protocolo de Montreal.

3.16.5 Tal como ocorre para os refrigerantes, o solvente não poderá ser dispensado diretamente na natureza, devendo ser recolhido após o uso, para providências de destinação adequada.

3.17 Divergência de Indicação/Informação sobre a Capacidade Frigorífica dos Equipamentos:

Em caso de divergência de capacidade frigorífica entre a indicação constante dos gabinetes e a dos compressores, para efeito de pagamento mensal, prevalecerão as informações contidas nesses últimos, seja mediante placa de identificação ou manuais do fabricante dos condicionadores.

3.18 Substituição de Peças e Componentes dos Sistemas:

3.18.1 As peças e demais componentes substituídos pela MANTENEDORA nas instalações e equipamentos da CAIXA deverão ser sempre novos, originais ou, se inexistente no mercado, equivalentes em qualidade e segurança aos substituídos.

3.18.2 A MANTENEDORA será responsável pela especificação e aquisição dos materiais e peças de reposição a serem substituídos, não cabendo qualquer solidariedade e/ou assunção de custos pela CAIXA, advindos da necessidade de troca ou devolução aos fabricantes e/ou seus prepostos envolvendo os produtos já adquiridos.

3.18.3 Toda a mão-de-obra necessária à substituição das peças e componentes ficará integralmente a cargo da MANTENEDORA, incluindo desmontagens, montagens, soldas, ajustes, vácuos, pressurizações e carga de gás em circuitos frigoríficos, testes, balanceamentos, guarda de materiais, transportes e diárias.

3.18.4 Como previsão de peças e outros componentes de desgaste normal, a MANTENEDORA deverá levar consigo para o local dos serviços de manutenção peças, como filtros de ar, correias, fusíveis, condutores, terminais elétricos e outros materiais necessários para substituição tempestiva, em caso de necessidade.

3.19 Recondicionamento de Compressores e Outros Componentes dos Sistemas:

3.19.1 Somente serão aceitos os serviços de recondicionamento de compressores se forem do tipo semi-hermético, sendo vetado tal procedimento para os compressores herméticos.

3.19.2 A MANTENEDORA poderá, a seu exclusivo critério e sem ônus para a CAIXA, efetuar a substituição de compressores semi-herméticos alternativos danificados por outros novos do tipo scroll, preferencialmente, em função da sua maior robustez e confiabilidade operacional.

3.19.2.1 Deverá ser observada, preliminarmente, a compatibilidade entre os compressores, como a capacidade frigorífica, o deslocamento volumétrico e as dimensões físicas, sobretudo em relação à altura disponível nos gabinetes dos condicionadores.

3.19.2.2 A CAIXA deverá tomar conhecimento prévio e concordar formalmente com tal substituição dos compressores.

3.19.2.2 Compressores parafuso somente poderão ser substituídos por outros iguais, não sendo permitida, portanto, a troca citada acima.

3.19.2.3 O recondicionamento de compressores parafuso deve ser efetuado pelo fabricante ou por empresa por ele credenciada.

3.19.3 Prazos:


  • Para a reposição de compressores herméticos: até 3 (três) dias úteis;

  • Para o recondicionamento de compressores semi-herméticos de sistemas de expansão direta: até 10 (dez) dias corridos;

  • Para o recondicionamento de compressores de sistemas de grande porte com expansão indireta (chiller), sejam do tipo alternativo ou parafuso: até 30 (trinta) dias corridos.

3.19.3.1 Os prazos informados neste Anexo I devem ser somados ao tempo de deslocamento quando se tratar de instalações fora da sede da Região atendida.

3.19.3.2 Os prazos considerados são para os dias úteis e em caso de extrapolação a MANTENEDORA deverá apresentar formalmente à CAIXA/GILOG as justificativas julgadas pertinentes, a qual se encarregará da sua análise, concluindo pelo seu acatamento ou não, podendo resultar em aplicação das penalidades previstas neste Edital.

3.19.3.3 Dentre as penalidades possíveis de serem aplicadas, face à extrapolação do prazo refere-se à redução do valor mensal pago de forma proporcional ao total de “TR” equivalente à soma das capacidades frigoríficas dos compressores inoperantes.

3.19.4 As bombas hidráulicas e os motores elétricos poderão ser recondicionados, com observação de prazo para o seu restabelecimento de até 3 (três) dias úteis.

3.19.5 A MANTENEDORA deverá retirar os componentes dos sistemas, transportá-los até a oficina, retorná-los à unidade de origem e promover a sua reinstalação.

3.19.6 A necessidade e a alternativa de recondicionamento em qualquer outro tipo de equipamento deverá ter a anuência expressa da CAIXA/GILOG ou da sua fiscalização, sob pena de aplicação das penalidades previstas neste Edital.

3.20 Garantia dos Materiais, Peças e Equipamentos:

3.20.1 A MANTENEDORA dará garantia total pelo prazo mínimo de 90 dias para todos os materiais e peças substituídos, instalados ou não (art.26 do Código de Defesa do Consumidor).

3.20.2 Na hipótese de emprego pela MANTENEDORA de materiais e peças com prazo de garantia do fabricante já vencido, ficará a MANTENEDORA obrigada a assumir a garantia integral pelo prazo idêntico ao estabelecido pelo fabricante, respeitado o prazo mínimo disposto no subitem anterior.

3.21 Vistoria nas Unidades CAIXA:

3.21.1 A CAIXA promoverá vistoria periódica nas instalações de climatização e ventilação das suas unidades, objetivando avaliar os serviços realizados pela MANTENEDORA, de acordo com as obrigações exigidas neste Edital, utilizando-se como parâmetro os Relatórios de Índice de Conformidade de Manutenção, constantes do Anexo XV deste Edital.

3.21.2 Nos meses que antecedem o final do prazo de vigência do contrato, a MANTENEDORA deverá efetuar vistoria técnica detalhada em todos os sistemas, em conjunto com a Engenharia da CAIXA ou seu representante técnico legal, de modo a efetuar levantamento de eventuais irregularidades e/ou pendências vinculadas ao objeto deste Edital.

3.21.2.1 O pagamento da última parcela, bem como a liberação da garantia contratual somente ocorrerá após a regularização de todas as pendências.

3.21.2.2 Caso a MANTENEDORA não providencie as correções necessárias apontadas pela CAIXA/GILOG dentro do prazo de vigência do contrato, haverá aplicação das sanções previstas neste Edital, em razão de descumprimento do contrato.

3.21.2.3 A entrega das instalações, após a eventual regularização, será formalizada com assinatura pelas partes de um Termo de Recebimento.

3.21.3 Sempre que for definida pela CAIXA/GILOG a necessidade de vistoria conjunta, a MANTENEDORA deverá disponibilizar, no prazo de 48 horas, Engenheiro Mecânico e/ou Mecânicos de Manutenção, disponibilizando todo instrumental e ferramental necessários, adequados e suficientes à inspeção completa dos serviços, objeto deste Edital.

3.22 Relatórios Técnicos de Manutenção



Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal