Primeira folha de rosto



Baixar 0.52 Mb.
Página1/4
Encontro16.01.2018
Tamanho0.52 Mb.
  1   2   3   4

PRIMEIRA FOLHA DE ROSTO

VERSO DA PRIMEIRA FOLHA DE ROSTO



FADÁRIO HÍBRIDO
MARCELO BRAGA

VERSO DA SEGUNDA FOLHA DE ROSTO



FADÁRIO HÍBRIDO
MARCELO BRAGA

1ª EDIÇÃO
2011
SÃO GONÇALO – RJ

© 2011 by Marcelo Braga



marcelobragapoesia@yahoo.com.br
Impresso:

Capa:


Projeto Gráfico:

Ilustrações:

Revisão:
CIP – BRASIL. Catalogação-na-fonte

Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ


22222
Braga, Marcelo, 2010 –

Fadário Híbrido / Marcelo Braga. – 1ª edição – Rio de Janeiro:

Editora


150 p.:
ISBN 22-22222-22-2


  1. Poesia brasileira. I. Título

22-2222
CDD 222.22

CDU 222.22
CORPUS
COLEÇÃO DILEMA
República Democrática de Um Homem Só

Pretensão de Encarar o Sol

Barafunda Fecunda

Partículas Acrílicas


COLEÇÃO ESFERA
Olhos que Brilham Vendo o Paraíso

Estou Vendendo Meus Sonhos

Venerável Ferrão

Narciso do Valão

Tantálico
COLEÇÃO FANTASIA
Bunker de Alvíssaras Suspeitas

Estrangeiro em Meu País



Fadário Híbrido

Quintessência

Esbórnia
COLEÇÃO PEQUENA MENINA
Petit Fille

s Mädchen Klein

Piccola Bambina

Pequeña Niña

Little Girl
OUTROS
Eu em Vinte Pedaços

Ensaios e Aforismos

VERSO DE CORPUS

A memória de



Maurice Ravel e Voltaire

VERSO DA DEDICATÓRIA



APRESENTAÇÃO
Marcelo Braga, carioca da gema, do Flamengo, do Corcovado, do Grajaú,... Pessoa simples, complexa e amplexa...
Um eterno menino que sabe brincar com as palavras, expondo delas o seu lado mais lúdico, mais pernóstico, mais sarcástico, mais humano. Marcelo Braga traduz em seus textos, seu pensamento em constante ebulição, sua emoção  visceral, seus sentimentos e contradições, vivências e filosofias.
Conhecer sua capacidade literária é estar disposto (a) a mergulhar na versatilidade dessa alma inquieta e dinâmica, dançar no ritmo de sua melodia e das contradições do universo  que é Mister Braga...
Mas eu garanto, é sempre um prazer ler seus textos e uma descoberta, pois multifaceta-se em poesias extremamente filosóficas, ao mesmo tempo que, escreve outras com alto teor de humor e ironia, ainda brinca com as palavras criando um universo concreto em poesias para lá de concretas...
Não dá para enquadrar esse Bad Boy de Araque em um estilo literário específico, pois ele trafega com uma habilidade e destreza literária pelas múltiplas formas do escrever... E acima de tudo, revela-se em cada texto, e esconde-se neles (também) quando rebusca nas palavras e expressões.
Marcelo Braga é a própria versatilidade no que tange à arte de escrever.
É portanto, impossível defini-lo, enquadrá-lo, estilizá-lo...
Mas quem o quer enquadrado ou  definido?  Sua arte que tanto nos encanta e nos apetece, tem por princípio principal a liberdade, e nela, o amigo Braga nos satisfaz...
Ser amiga e principalmente leitora deste menino brincalhão é um prazer do qual eu desfruto e desejo continuar sempre. 
Sua obra é altamente  envolvente, divertida, reflexiva, dinâmica; é tudo isso e um pouco mais. Porém eu, Irene Cristina dos Santos Costa - conhecida nesse "mundo das Letras como Nina Costa, professora de Língua Portuguesa e Literatura, escritora  e amante da literatura, prefiro deixar  que cada um leia e sinta, descubra e se delicie como eu, nas descobertas de seus textos: poesias, crônicas, artigos, etc.
Quem experimenta, não esquece, e deseja sempre mais...
A leitura de bons autores desenvolve nossa capacidade reflexiva, nossa acuidade literária, amplia nosso intelecto e dá prazer. Ler Marcelo Braga nos proporciona tudo isso. E por essa razão indico sua obra como uma excelente pedida.


Nina Costa
Je ne sais pas ce que c’est que la vie éternelle, mais celle-ci est une mauvaise plaisanterie.”
Voltaire

ILUSTRAÇÃO 1



NOTA DO AUTOR
Ao pé da letra: DESTINO CRUZADO. Fadário híbrido trará os opostos que por horas, tais opostos, nada mais são que a mesma coisa: DIVERSIDADE.

Tenho reparado que misturados os opostos, o bem e mal, o certo e errado, o correto e o incorreto, a percepção de vida fica mais clara, atrativa e atraente. Os extremos sempre me causaram náuseas e desconfianças. O equilíbrio é algo que sempre persegui adicionado ao medo de alturas. Repudio o finito, o definitivo, as EXATAS; talvez por minha tamanha incompetência de assimilar que as coisas só podem ser vistas de uma forma, de um prisma instituído pela sociedade e convém notar que, esse PRISMA INSTITUÍDO pela sociedade se altera no passar dos períodos. Um exemplo: na Idade Média era O BEM queimar vivas as BRUXAS!

Fico por aqui nessas poucas palavras e peço que você tenha a sorte de ler suas entrelinhas. Nada que venha ser transcendental ou cósmico. Nada que leve a pensar na existência ou não existência do destino. Serão apenas poesias de meu ironizar indigesto dirigido aos fanáticos que co-habitam meu espaço funesto!
Marcelo Braga

08.06.2011.

São Gonçalo - RJ

VERSO DA NOTA DO AUTOR

18 - MARCELO BRAGA

FADÁRIO HÍBRIDO

08.06.2011.

Escrevo por desabafo

Escrevo por mania, vício

Por dom, por queda para tal

Para me amostrar

Pensando no que os outros vão interpretar
Escrevo desde criança

Escrevo porque leio

Quando estou apaixonado

Porque sou apaixonado


Escrevo para ninguém saber o que penso

Escrevo para todo mundo saber

Aquilo que codifico

Aquilo que nem eu explico


Escrevo porque...

FADÁRIO HÍBRIDO – 19



QUE SEJA ATÉ O ÚTERO!

09.06.2011.

Se é pra valer, que seja até o útero!
Nada de uma escada de cada vez

Na linha de Villa-Lobos: de três em três

Ou vai ou racha!
Essa coisa de falsa modéstia

Deixo aos que precisam de atenção

Essa coisa de humildezinho

Deixo aos imbecis

Essa coisa de filantropia

Deixo aos que precisam lavar a grana

Essa coisa de que não tô nem aí

Deixo para mim mesmo!


20 – MARCELO BRAGA



CRIANDO CORAGEM PARA VIVER DE VERDADE

10.06.2011.


Estou criando coragem para ir à ortodontia

Criando coragem para o próximo passo

Estou criando coragem para a endoscopia

Criando coragem para retomar o tempo perdido

Estou criando coragem para a possível cirurgia

Criando coragem para viver de verdade!

FADÁRIO HÍBRIDO – 21



A ÁGUA ME BASTA

10.06.2011.


Destino-me a não pesar se as coisas existem ou não

Incluo nisso também o próprio FADÁRIO

“Me inclui fora disso” risos...

Pouco me importa importar-me com o subjetivo

O além-túmulo

As forças

As energias o esoterismo


Não tenho visões

Contatos extraterráqueos

Não me aparecem aparições
Sou mais a dor de dente que não vejo, mas sinto desde os primórdios

Sou mais a eletricidade que não vejo, mas me promove altos choques

Sou mais o pensamento que não consigo segurar mais o ponho no papel
Como disse Nietzsche: A ÁGUA ME BASTA!

Há uma amplitude imensurável nessa simples frase...

22 – MARCELO BRAGA

SE NASCEU COM UMA LUZ, QUE BRILHE!

11.06.2011.

Se você nasceu para sofrer

Que sofra

Se nasceu para uma missão

Que a cumpra

Se nasceu com uma sina

Que a carregue

Se nasceu com uma luz

Que brilhe

Se nasceu e foi chamado

Que ouça


Se nasceu com um dom

Que o use

Se nasceu para o bem

Que pratique


Se nasceu apenas por nascer

Que morra!

FADÁRIO HÍBRIDO – 23

SÓ SEI QUE TEM ALEMANHA E PORTUGAL

14.06.2011.

Só sei que tem Alemanha e Portugal

Só sei que gosto de Bach e Dulce

Só sei que tem São Paulo e Rio de Janeiro

Só sei que gosto de trabalho e lazer


Quando pela primeira vez em JULHO de 73 no Hospital Italiano do Grajaú – Rio de Janeiro – RJ, olhei tudo ao redor, falei: FUDEU!
Só sei que tem Alemanha e Portugal

Nolding, Braga, Silva

Que gosto da vida

Que gosto de minhas plantas

Que gosto de meus bichos

Que amo 2 mulheres

Que sou apaixonado por meu idioma
Quando pela primeira vez em JULHO de 73 abri os olhos, olhei tudo ao redor, falei: É AGORA OU NUNCA!
Só sei que tem Alemanha e Portugal

Que vivo os melhores dias de minha vida

Que as coisas acontecem

Que ponho a mão na massa e faço

Que digo: HAJA LUZ! E acendo o interruptor...
Hoje meus versos são livres!

24 – MARCELO BRAGA

TE DOU VOCÊ DE VOLTA PARA MIM

15.06.2011.

Excelente:

Te dou tudo que tenho

Me devolves em dobro meu todo vazio

Te roubo seus “nadas”

Prende-me apenas para averiguação
Vamos assim trocando nossos trocados

Trocando nossas pernas

Entrelaçando nossos nadas

Repartindo equitativamente nosso vazio e

Vão-se os anos roubando-nos nossas “valiosidades”
Excelente:

Te dou você de volta para mim

Me devolves de mim seu eu sem mim

Te roubo vazios meus

Suporta-me assim difere!
Vamos assim trocando nossos passos...

FADÁRIO HÍBRIDO – 25



QUERO FICAR VELHO!

22.06.2011.

Fiquei velho demais

Enquanto a expectativa de vida aumenta


Fiquei velho demais

Enquanto aparecem tantas coisas novas


Fiquei velho demais

Enquanto o tempo rejuvenesce


Fiquei velho demais

Enquanto minhas crianças aprendem e crescem


Não, não fiquei velho

Nasci velho

Nasci de 10 meses

Cabeludo e unhas cumpridas


Não, o tempo que está velho

Esse mundo que está velho

Meus textos é que passam a aparência de uma velhice precoce e

Quero também ficar velho, caso ainda não o seja também

Mas acho que sou

Mas acho que não sou!


(sou um misto de uma juventude retrógada e de uma velhice precoce)

26 – MARCELO BRAGA



COMPLETAMENTE FELIZ

22.06.2011.

Completamente feliz quando estou comigo

Completamente feliz quando estou com minhas coisas

Feliz quando sei que volto a existir dia pós outro

Feliz quando descubro que minhas coisas são, só coisas só

Coisas que se perdem, novas coisas que se arrumam

O existir passageiro, o eterno

O reencontro com aquele Marcelo que sempre esteve por aqui

Nunca vi ninguém melhor, ninguém mais belo

Nada mais perfeito que meu simples reflexo

Completamente feliz!

FADÁRIO HÍBRIDO – 27

DESPERDIÇO MEU TEMPO COM A SOLIDÃO

28.06.2011.

Desperdiço meu tempo com a minha solidão

E dela, da solidão, construo frases

Desperdiçadas também...
Desconstruo meu templo com pedras atiradas

E delas, das pedras atiradas, desperdiço meu tempo

Tentando desprender-me de minha solidão!
Desperdiço meu tempo por que fui eu quem inventou esse tempo!

Desconstruo meu templo por que fui eu quem teve o trabalho de catar as pedras!

E assim sou com as frases...

28 – MARCELO BRAGA



MAIS UM CIRCUITO EU COMPLETO

30.06.2011.

Mais uma metade de ano se passa

Mais um conglomerado de dias parecidos

Mais um inverno no hemisfério sul

Mais um circuito eu completo


Nasci careca, pelado, sem dentes

Nasci no frio de JULHO quase em São Paulo

Nasci no Rio descendente de carioca com paulistano

Nasci no dia, no mês, no ano!


e mesmo assim:
Sempre estranho o/ao inverno...
(estranho do verbo “estranhar” ou estranho do adjetivo “misterioso”?)

FADÁRIO HÍBRIDO – 29



...DO PONTO E DO PONTO E VÍRGULA

06.07.2011.

Nada de novo no front

Apenas o desejo de escrever

INSANAMENTE

Pois é bom escrever assim sem nexo

Sem armações; sem pressa

Sem correções, sem consultas a dicionários


Nada de íntimo no dentro

Apenas o circuito da escrita

INDOLENTE

Pois é bom escrever assim

Sem a preocupação da vírgula; do ponto e vírgula

Como se eu não me preocupasse...

30 – MARCELO BRAGA

SETE ANOS NO MARCELO BRAGA

14.07.2011.

Prometo coisas para você desacreditar novamente

Você sabe, cumpro meus descompromissos

Invento palavras que o “Word” tenta corrigir em vão

To nem aí para as obrigatoriedades que podem ser descumpridas

Compridas as frases de desculpas que já lhe esculpi

Deixo para depois de amanhã o que posso fazer amanhã

Meu relógio anda de trás pra frente

Meus cinco fusos horários são profundamente confusos

Acho melhor nada conferir

Acho melhor você parar de me ferir com suas “certinhazidades”

Meus erros viram acertos sublimes, você já reparou isso...
Sete anos de relacionamento chegando...

FADÁRIO HÍBRIDO – 31



PORQUE NOS AMAMOS!

15.07.2011.

Potencialidade!

Sim, vejo a probabilidade de sermos quase tudo que é preciso


Viabilidade!

Vejo que o tempo se encarrega de aperfeiçoar nossas santidades


Possibilidade!

As coisas têm dado certo quando porque o rio segue seu leito


Potabilidade!

Nosso elixir realmente aumenta nossos dias grudados


Executável!

Nossos planos funcionam porque caminhamos de mãos dadas


Transponível!

Cada barreira que aparece, aparece porque nos amamos


Praticável!

A calma de nosso convívio, porque confiamos


32 – MARCELO BRAGA



SOU ÁTOMOS

15.07.2011.

E se não existisse – apenas fosse pedra

Mas pedra há – e dela um amolecido bater das ondas

Sou átomos, pedra e música

Feitiço de um ventre – livre

Espírito livre, sacerdote de minha rês

Lês, letras, minha rês e

Se não existisse – apenas fosse pedra

Mas pedra há e o trem corre sobre elas

Ventam meus cabelos que venta

Tenta ser, existir e isso por pouco tempo

Os átomos se dispersarão

Alguns serão pedra, barro, terra

Outros folhas de papel com partituras!

FADÁRIO HÍBRIDO – 33



QUANDO SE TEM 38 ANOS

18.07.2011.

Quando se tem 38 anos compreende que vale esperar mais alguns minutos; essa é a paciência que se adquire

Quando se tem 38 anos, se sente gigante e valente mesmo sabendo que a curva da vida está chegando ou já chegou

Quando se tem 38 anos descobre-se que ainda faltam 2 para começar a viver ou para ter um infarto

Quando se tem 38 anos o sexo perde a vulgaridade e nos tornamos mais insaciáveis ainda (sic)

Descobre-se que ainda faltam 38 anos para comemorar 76 velhinhas

Os sonhos são mais sofisticados

Os objetos mais identificados

Os atos mais qualificados

Quando se tem 38 anos, quando se tem...
Fiz ontem!

34 – MARCELO BRAGA



DEIXE NAS MÃOS DO SENHOR

19.07.2011.

Deixe nas mãos do Senhor

Tenha o poder de si

Não perca o controle

Aceite as coisas como são

Aceite-as como vêm

Laisser-faire

Laisser-aller

Tenha sangue de barata

Aguente o temporal

Segure os orgasmos múltiplos

Viva e deixe viver

Evite o primeiro gole

Aequam servare mentem

Seja mel e boa índole

Suporte

Ature


Tenha paciência de um santo

Sorria diante de uma afronta

Dê a outra face

Abafe seus gritos

Não perca a serenidade

Crie calo de paciência

Sofra com hombridade

Não ache mal de todo

Faça das tripas, coração

Modere-se, contenha-se

Resfrie-se

Tranquilize-se

Modere

Ame a seus inimigos


FADÁRIO HÍBRIDO – 35

Vença o mal com o bem

Volte-se à calma

Aplaque


Seja sereno

Composto


Modesto

Humilde


Solícito

Fleumático

Meigo

Equânime


Longânime

Paciente como Jó

Suaviter in modo

Magnânimo

Tolerante

Manso
Ou então:


MANDE TUDO PARA PUTA QUE PARIU!
(como diz Caetano: “um olho na Bíblia, outro na pistola!”)

36 – MARCELO BRAGA



PINGUÇO

20.07.2011.

Quando não estou abstêmio sou esponja!

Amigo do balcão

Do copo Nadir Figueiredo

Do boteco, da taverna

Devoto de Baco

Encharcado de álcool

Funil, sopão

Ralé, marufo, aguá-pé

Mestre cervejeiro

Turvo e trôpego

No andar, no falar

Da noite, do dia, da tarde

Cara inchada, pé inchado

Dos porres curados em outros porres

Entre as dez e as onze

Costurando, ventando ruas

Entornando todas

Bebida branca, amarela, roxa

Um carrascão

Mijoca


Bebedor emérito

Assomado


Cambaleante

Falastrão e ridículo

Pagador de micos

Criador de confusões

Virador de mesas

Valente e covarde

Aos bordos

Maltratado e liquidado.


FADÁRIO HÍBRIDO – 37

VAMOS A SACANAGENS!

20.07.2011.

Vamos lá, vamos a sacanagens:
Ménage à trois

Sodomia


Pederastia

Defloramento

Puteiro

Obscenidade



Luxúria

Siririca


Punheta

120


Devassidão

Libertinagem

Voyeurismo

Bacanal


Troca troca

Troca de casais

Sedução

Atentado ao pudor



Masoquismo

Sadismo


Adultério

Chifre


Rendez-vous

Luz vermelha

Orgia
Complete você, tem muito mais!

38 – MARCELO BRAGA




EQUÍDEOS

21.07.2011.

Você cria cavalos?

Segue algumas informações em relação a cores e sinais:


ALAZÃO = cor de canela

AMAME= preto e branco

ARGEL= pés traseiros brancos

ARMINADO= tem malha de cabelos branca ou preta contrastando com a cor do casco

ATAVANADO= preto ou castanho, com malhas brancas nos ilhais ou nas espáduas

BAIO= dourado, amarelo ou castanho

CALÇADO= com “malhas” nos pés

CAMBRAIA= completamente branco

CAMURÇA= pardo-vermelho

CELHEADO= de sobrancelhas brancas

CHAIRELADO= de mancha branca no seladouro

CRINALVO= que tem crina mais clara que os outros pêlos

CRINIPRETO= que tem crina preta e de outra cor os outros pêlos

DESCOPADO= visto de lado, é mal aprumado

DOURADILHO= de cor amarelada, com reflexos dourados quando exposto ao sol

ESTRELADO= que tem uma malha na testa

ESTRELEIRO= que levanta muito a cabeça ao andar, a menor pressão do freio

FAÇALVO= com grande sinal branco no focinho

FERREIRO= que tem pêlo cor de rato

FOUVEIRO= castanho claro

FRONTABERTO= que tem malha branca de alto abaixo na testa

FRONTINO= que apresenta malha branca na testa

GATEADO= de pêlo amarelo-avermelhado

FADÁRIO HÍBRIDO – 39

ISABEL= de cor branca e amarela

LOBUNO= que tem pelo escuro, acinzentado, cor de lobo

LONTRA= baio bem sujo

MALHADO= nem precisa falar...

MANALVO= que tem manchas alvas nas mãos

MASCARADO= de qualquer cor, mas com a cara branca

MELANÓCOMO= que tem pelo escuro

MELROADO= que tem a cor escura do melro

MIL-FLORES= mesclado de branco e vermelho (nunca vi)

MORZELO= da cor de amora

MOURO= preto salpicado de pintinhas brancas

NEVADO ou INTERPOLADO= que tem pêlos brancos entremeados com pêlos escuros

OLHALVO ou OLHIBRANCO= de olhos cercados de malha branca, ou que ao erguer a cabeça, põe os olhos em alvo

OLHIZARCO= que tem cada olho de uma cor

PAMPA= de cara branca, ou malhado no corpo inteiro

PANGARÉ= diz-se do cavalo que tem a parte inferior do ventre e as regiões entre os membros, a garganta e o focinho, esbranquiçados, como que desbotados. Não aceite agora que qualquer um chame teu cavalo de pangaré.

PEDRADO ou PEDRÊS= salpicado de preto e branco

PICARÇO ou PIGARÇO= de cor grisalha

PINHÃO= de cor vermelha, semelhante ao pinhão. Nem desconfiei...

POMBO= de pele preta, coberta de pêlos brancos e com crinas de igual cor

PRATEADO= branco, mascarado, com pintas pelo corpo

QUATRALVO= malhado de branco até os joelhos.

QUEIMADO= tordilho claro

RABALVO= de rabo branco. Também nem tinha imaginado...

RABILONGO= de cauda longa. Não brinca!

RABICURTO= que tem a cauda curta ou cortada

RABICÃO= que tem a cauda entremeada de fios brancos

40 – MARCELO BRAGA

RAUDÃO ou ROSILHO= que tem o pêlo avermelhado e branco, dando o aspecto de cor rosada

RENGO= manco de uma perna

RUANA ou RUÃO= de pêlo branco e pardo ou de pêlo branco com malhas escuras e redondas; de cor clara e crinas amarelas

RUÇO= pardacento

SABINO= de pêlo branco mesclado de vermelho e preto. Esse eu queria! (Flamenguista!)

TESTICONDO= cujos testículos estão recolhidos no ventre

TORDILHO= o mesmo que ruço

VELHORI= de cor acinzentada

ZAINO= de pêlo todo castanho escuro

ZARCO= que tem malha branca em volta de um ou ambos os olhos

ZEBRUNO= de cor mais ou menos escura
Tai, mais “conhecimento”...

FADÁRIO HÍBRIDO – 41



VALE DE LÁGRIMAS

22.07.2011.

Esfera

Orbe


Cosmo

Macrocosmo

Globo

Natureza


Abóboda

Amplidão


Etéreo

Corpos celestes

Esferas de fogo

Poeira cósmica

Luas

Espaço sideral



Nebulosa

Constelações

Galáxia

Via-Láctea



O infinito

Firmamento

Planetas

Vésper


Zodíaco

Meteoritos

Estrelas cadentes

Equinócio

Solstício

Satélites

Astros

Cometas
42 – MARCELO BRAGA



Vênus

Fotosfera

Asteróides

Cruzeiro do Sul

Bólide

Meteoros


O azul

O Sol


Centauro

Escorpião

As Três Marias

A Grande Ursa

Órion

Meridiano


Leverrier

Laplace


Galileu

Kepler


Newton
E nós:

No Vale de Lágrimas

Em nosso mundinho

Trancafiados


ESTERÓIDES!

FADÁRIO HÍBRIDO – 43



QUE TIPO DE BOI VOCÊ É?

23.07.2011.

Abistelado= de estrelas e manchas brancas

Albardado= não malhado, nem sardo, mas tendo no lombo mazela de cor diferente da do resto do corpo

Almarado= que tem em volta dos olhos uma circunferência de cor diversa da do resto da cabeça

Alvação= branco, sem manchas

Araçá= amarelo mascarado, ou matizado preto

Barroso= de pelo branco-amarelado

Bisco= que tem uma haste mais baixa que a outra

Bocalvo= com focinho branco em cabeça escura

Borralho= de cor cinza

Botineiro= cujo pêlo das pernas difere do resto do corpo

Brasino= de pêlo avermelhado com listras pretas ou muito escuras

Braúna= muito preto

Broco= que tem um ou os chifres pequenos e cheios de ruga

Cabano= que tem os galhos inclinados para baixo

Caldeiro= de chifres um tanto baixos e menos unidos que os dos gaiolos

Camurça= pardo-vermelho

Capirote= de cabeça e pescoço da mesma cor e pintas diferentes no corpo

Capuchinho= que desde a fronte à parte superior do pescoço, tem cor diferente da do resto do corpo

Cardim= branco e preto

Chita= branco e vermelho

Chamurro= novilho castrado, que fica tendo a dupla aparência de boi e touro (esse ninguém vai dizer que é...)

Churriado= que tem extensas listras brancas sobre o pelame preto ou vermelho


44 – MARCELO BRAGA

Colorado= vermelho (sem brincar com os sulistas, são bois brabos tchê!)

Cornalão= de chifres muito grandes (sem comentários...)

Corneta= que perdeu um dos chifres

Cornicurto= de chifres pequenos (ainda irá crescer, não se preocupe)

Cornífero= que tem cornos

Cornilargo= de pontas muito afastadas uma da outra

Corombó= de chifres pequenos e quebrados (coitado!)

Cubeto= que possui hastes muito caídas ou quase juntas das pontas

Cumbuco= de chifres curvos, com as pontas voltadas uma para outra

Ensabanado= de pêlo todo branco

Escardado= designativo de chifres, quando se desfiam, batendo de encontro a objetos resistentes

Espácio= de chifres muito abertos

Estorninho= zaino, com pequenas manchas brancas

Fubá= de pêlo branco puxando a azul

Fumaça= de pêlo vermelho tirante a preto (não venha fazer alusão aos flamenguistas!)

Fusco= de pêlo escuro, preto

Gaiolo= de chifres em forma de meia lua e muito próximo nas pontas (que gracinha!)

Gravito= que tem armas direitas e quase verticais

Hosco= de cor escura, com o lombo tostado

Jaguané= que tem branco o fio do lombo, preto ou vermelho lado das costelas e de ordinário branca a barriga (esse eu nunca vi!)

Laranjo= de cor da laranja (oh!)

Listão= que tem no dorso uma listra de cor diferente da do resto do corpo

Lobuno= de pêlo escuro e um tanto acinzentado como o do lobo

Lombardo= negro com o lombo acastanhado

Machacá= mal castrado (putz!)

FADÁRIO HÍBRIDO – 45

Malacara= de testa branca com listra branca do focinho ao alto da cabeça (que medo!)

Mal-armado= de chifres defeituosos (não confundir com o mal-amado, que também possui chifres defeituosos)

Malesso= que tem mau sangue

Malhado ou lavrado= listrado, betado de preto e branco, ou manchado ou raiado de castanho-claro e escuro

Mascarado= de cara branca, ou que tem uma grande malha na cara

Meano= que tem o pêlo dos órgãos reprodutores

Meirinho= diz-se do gado que no verão pasta nas montanhas e no inverno nas planícies (esse boi vai para as montanhas no verão e as vacas para as praias...)

Melanuro= que tem cauda preta

Mocho= sem chifres (ué? Esse sou eu!)

Mogão= de chifres sem pontas (manso...)

Moico= privado de um dos chifre ou de ambos (e não era para estar feliz?!)

Moreno= menos avermelhado que retinto (um grande percentual)

Mouro= preto salpicado de pintinhas brancas

Nambiju= o que tem orelhas fulvas ou amarelas

Nevado= que tem algumas manchas brancas

Nilo= com a cabeça ou metade dela branca e o resto do corpo de outra cor

Oveiro= de malhas no corpo

Pampa= de cara branca, ou malhado no corpo inteiro

Parrado= de orelhas caídas

Pinheiro= de chifres direitos

Pintarroxo= pintado de castanho-claro

Pombo= branco ou camurça, com os olhos brancos

Punaré= amarelado (os orientais?)

Rabicho= sem pêlo na extremidade da cauda

Retinto= que tem cor carregada ou pêlo semelhante as dos cavalos castanhos

46 – MARCELO BRAGA

Rosado= branco, mesclado de amarelo, vermelho ou preto

Rouxinol= da cor do pássaro de igual nome (ih, ele canta também?!)

Salino= com o corpo salpicado de pintas brancas, pretas ou vermelhas

Salmilhado= salpicado de branco e amarelo

Silveiro= com malha branca na testa, tendo escura a cabeça

Torrado= que tem pêlo negro do meio para baixo

Touruno= mal castrado que ainda procura as vacas (como tem...)

Troncho= que falta orelha

Vareiro= que tem o corpo mais comprido do que o comum (além de ser um boi, ainda chama a atenção!)

Vinagre= de pêlo castanho claro, tirante a rubro.
P.S.: inseri como HUMOR, mas pode ser classificado como TUTORIAL também, ou TEXTO ESCOLAR, sei lá!

FADÁRIO HÍBRIDO – 47




  1   2   3   4


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal