Programa de disciplina



Baixar 7.98 Kb.
Encontro29.11.2017
Tamanho7.98 Kb.

PROGRAMA DE DISCIPLINA
CENTRO - CCH ANO LETIVO
DEPARTAMENTO - FILOSOFIA 2006
DADOS SOBRE A DISCIPLINA
CÓDIGO NOME
1FIL701 Filosofia I
CURSO SÉRIE
CIÊNCIAS SOCIAIS 1ª
Professor: Vanderson Ronaldo Teixeira
CARGA HORÁRIA ANUAL SEM/OFERTA HABILITAÇÃO(ÕES)
T P TO
TAL X SEMESTRAL 2.
68 --- 68 Semestral

1. EMENTA


Fundamentos filosóficos das Ciências Sociais. Precursores. Empirismo.
Racionalismo, Idealismo. Dialética. Positivismo.

2. OBJETIVOS


2.1. Possibilitar aos alunos de Ciências Sociais uma visão introdutória e
panorâmica da filosofia, como precursora da sociologia.
2.2. Refletir sobre os problemas epistemológicos da história da filosofia. .
2.3. Examinar as questões que envolvam os fundamentos filosóficos das
ciências sociais.

3. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

3.1. ATITUDE FILOSÓFICA x ATITUDE SOCIOLÓGIA
3.1.1PANORMA CONCEITUAL DO SURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO DA RAZÃO (DOS
PRÉ-SOCRÁTICOS ATÉ DESCARTES)

3.2. René Descartes - O DISCURSO DO MÉTODO--Considerações sobre as ciências


3.2.1. Regras do seu Método
3.2.2. Regras morais do Método
3.2.3. Prova da existência de Deus e da alma humana, base de sua metafísica
3.2.4. Física; distinções entre a alma humana e a alma animal.
3.2.5. Insrumentos necessários para ir além nas investigações

3.3. EMPIRISMO


3.3.1. Francis Bacon -NOVUM ORGANUM
3.3.2. Aforismos sobre a interpretação da natureza e o reino do homem livro I
3.3.3. Aforismos sobre a interpretação da natureza e o reino do homem
livro I
3.3.4. Aforismos sobre a interpretação da natureza e o reino do homem
livro II
3.3.5. Aforismos sobre a interpretação da natureza e o reino do homem
livro II

3.4 . John Locke - ENSAIO SOBRE O ENTENDIMENTO HUMANO


3.4.1. Nem os princípios nem as idéias são inatas
3.4.2. Não há princípios inatos na mente
3.4.3. As idéias (as idéias em geral e sua origem)
3.4.4. Percepção - Idéias complexas
3.4.5. Causa e efeito, e outras relações
3.4.6. Conhecimento e opinião (conhecimento em geral)
3.4.7. Os graus do conhecimento
3.4.8. A verdade em geral
3.4.9. A divisão das ciências

3.5. IDEALISMO


3.5.1. Immanuel Kant - CRÍTICA DA RAZÃO PURA
3.5.2. Estética Transcendental (espaço e tempo: intuição e sensação)
3.5.3. Lógica Transcendental (distinção entre analítica e dialética)
3.5.4. Analítica Transcendental (conceitos, princípios, fenômenos e númenos)
3.5.5. Dialética Transcendental (tese e antítese)

3.6. DIALÉTICA


3.6.1. Hegel -FENOMENOLOGIA DO ESPÍRITO
3.6.2. A Tese (afirmação)
3.6.3. A antítese (negação)
3.6.4. A síntese (negação da negação)

3.7. Marx - O CAPITAL


3.7.1. O Método da pesquisa
3.7.2. O Método da exposição
3.7.3. O Materialismo histórico
3.7.4. O Materialismo dialético

3.8 POSITIVISMO


3.8. Auguste Comte - CURSO DE FILOSOFIA POSITIVA
3.8.1 Método positivista
3.8.2 Leis dos três Estados

4. PROCEDIMENTOS DE ENSINO

Aulas expositivas dialogadas
Análise dos textos do programa
Seminários

5. CRONOGRAMA

julho-agosto: atitude filosófica...; racionalismo -Descartes (Discurso do
Método)
setembro: emprirismo: Francis Bacon (Novum Organum) - John Locke (Ensaio
Sobre o entendimento Humano)
outubro: idealismo:Kant (Crítica da Razão Pura)
novembro: dialética: Marx (O Capital) - Hegel (Fenomenologia do Espírito)
dezembro: positivismo: A. Comte (Curso de Filosofia Positiva)

6. FORMA E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

Uma prova escrita; um seminário
Critério: (prova) capacidade de reconstrução, análise e síntese dos
textos discutidos em aula.
Seminário:capacidade de reconstrução, análise e síntese dos textos
discutidos em aula; capacidade de exposição e argüição oral;
Uso coerente da língua padrão, verbal e discursiva;

7 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ARISTÓTELES (1988): Política. Tradução de Mario da Gama Kury. Brasília: UnB.
BACON, F. Novum organum. Trad. José A. R. De Andrade. São Paulo: Abril C
ultural, 1979.
DESCARTES, René (1988): Meditações. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado
Júnior. São Paulo: Nova Cultural, (Os Pensadores).
COMTE, Auguste. Curso de filosofia positiva. São Paulo: Abril, 1973.
_________________. Discurso do método. Trad. Maria E. G. G. Pereira. São
Paulo: Martins Fontes, 1996.
HEGEL (1990): Princípios da Filosofia do Direito. Trad. de Orlando
Vitorino. Lisboa, Guimarães.
_________________. Fenomenologia do Espírito. Trad. Paulo Meneses.
Petropólis: Vozes, 1992.
KANT, Immanuel (1994): Crítica da Razão Pura. Tradução de Manuela Pinto
dos Santos e Alexandre Fradique Morujão. Lisboa, Calouste Gulbenkian.
LOCKE, J. Ensaio sobre o entendimento humano. Trad. Anoar Aiex. São Paulo:
Ed. Nova Cultural, 1997.
PLATÃO (1993):. edição. Introdução, tradução e notas de Maria Helena da
Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. A República. 7a
PLATÃO (1995): "Critão". In: Diálogos. São Paulo: Cultrix, p. 119-134.
MARX , K. Manifesto Comunista, Boitempo. SP., 1000
_________. Para a critica da economia política, prefácio, 1859,
pensadores, Abril 1989.
_________. O capital. Trad. Reginaldo Sant'Anna. Rio de Janeiro:
Civilização brasileira, 1980.
CHATELET., F., O Capital, (org) Dias Edmundo, Unicamp., 1996

Vanderson Ronaldo Teixeira


Prof. responsável
Aprovado pelo Colegiado em ___/___/___ ______________________________


Aprovado pelo depto. em ___/___/___ ______________________________

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal