Programação Semestral (atualizado em 07/07/2013)



Baixar 161.37 Kb.
Encontro20.01.2018
Tamanho161.37 Kb.

(NOVO!) Programação Semestral (atualizado em 07/07/2013)


2o. Semestre – 2013

Mestrado e Doutorado

Início das aulas: 27/08/2013


 

HORÁRIO

3ª FEIRA

4ª FEIRA

5ª FEIRA



8h -12h





Seminário de Linha de PesquisaPoder, mercado e trabalho
Cod.: 213024 (Mestrado)
Seminário de Linha de PesquisaPoder, mercado e trabalho II
Cod.: 3010014 (Doutorado
Temática: (vide ementa abaixo)

Docente: Prof. Ângelo Alves Carrara









Seminário de Linha de PesquisaNarrativas, imagens e sociabilidades *
Cod.: 213024 (Mestrado)
Seminário de Linha de PesquisaNarrativas, imagens e sociabilidades II *
Cod.: 3010014 (Doutorado
Temática: (vide ementa abaixo)

Docente: Prof. Alexandre Mansur Barata






 

 

14h – 18h




 Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho III **

Cód.: (Mestrado)
 Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho VII **
Cód.: XXXX (Doutorado)

 

Temática:  (vide ementa abaixo)

 Docente: Profa. Carla Maria C. Almeida






Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho IV

Cód.: XXXXX (Mestrado)
Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho VIII
Cód.: XXXXX (Doutorado)

 

Temática: (vide ementa abaixo)



Docente: Profa. Ronaldo Pereira de Jesus



Tópico Especial em Narrativas, Imagens e Sociabilidades III
Cód.: XXXX (Mestrado)
Tópico Especial em Narrativas, Imagens e Sociabilidades VII
Cód.: XXXX (Doutorado)

 

Temática: (vide ementa abaixo)

 Docente: Profa. Maraliz Vieira Christo

 





Tópico Especial em Narrativas, Imagens e Sociabilidades IV*
Cód.: XXXX (Mestrado)
Tópico Especial em Narrativas, Imagens e Sociabilidades VIII*
Cód.: XXXX (Doutorado)

 

Temática: (vide ementa abaixo)



Docente: Profa. Beatriz Domingues


 

*Disciplinas com início das aulas previsto para os dias 17 e 18 de setembro.

**O primeiro módulo da disciplina será composto pelo curso “Redes econômicas e de poder entre Europa e América na Idade Moderna” oferecidos pelos professores da Universidade de Sevilha, Manuel Francisco Fernández Chaves e Rafael Perez Gárcia, que acontecerá nos dias 26, 27, 28 e 29 de agosto e 02, 03 e 04 de setembro.  
OBSERVAÇÃO:
Seminário de Linha de PesquisaPoder, mercado e trabalho II / Seminário de Linha de PesquisaNarrativas, imagens e sociabilidades II equivalem a Seminário de Linha de PesquisaPoder, mercado e trabalho / Seminário de Linha de PesquisaNarrativas, imagens e sociabilidades (estamos mudando o nome para não gerar conflito com as disciplinas do mestrado)

 EMENTAS 2º_2013

 

Disciplina: Seminário de Linha de Pesquisa – Narrativas, imagens e sociabilidades

Cod.: 213024 (Mestrado)

Cod.: 3010015 (Doutorado

Prof. Alexandre Mansur Barata


Ementa: Esta disciplina tem por objetivo discutir as principais questões teórico-metodológicas que envolvem cada uma das linha de pesquisa do Programa. Será sempre ministrada por, pelo menos, dois professores. Cada um representante da sua respectiva linha de pesquisa. Além disso, será também o espaço de discussão dos projetos de pesquisa dos mestrandos.

———————————————————-



Disciplina: Seminário de Linha de Pesquisa – Poder, mercado e trabalho

Cod.: 213024 (Mestrado)

Cod.: 3010015 (Doutorado

Prof. Ângelo Alves Carrara


Ementa: Esta disciplina tem por objetivo discutir as principais questões teórico-metodológicas que envolvem cada uma das linha de pesquisa do Programa. Será sempre ministrada por, pelo menos, dois professores. Cada um representante da sua respectiva linha de pesquisa. Além disso, será também o espaço de discussão dos projetos de pesquisa dos mestrandos.

———————————————————-

 Disciplina: Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho XXXX

Cód.: XXXXX – (Mestrado)

Cód.: XXXXXX - (Doutorado)

Profa. Carla Almeida
Temática: História, hierarquias e relações sociais
Ementa: O curso pretende apresentar algumas matrizes metodológicas norteadoras dos trabalhos que se dedicam à investigação das estruturas, hierarquias e relações sociais nas sociedades moderna e contemporânea. Num primeiro momento, discutiremos as possibilidades abertas, pela história serial, pela prosopografia, pela micro-história italiana e pela análise de redes, para a apreensão dos grupos e atores sociais. Num segundo momento, discutiremos trabalhos de caráter monográfico que abordem determinados grupos ou sujeitos sociais tendo por método uma das matrizes apontadas acima. O objetivo maior do curso é discutir as potencialidades e os problemas implícitos na opção por uma análise dos sujeitos sociais centrada numa perspectiva estrutural e naquela outra, que desloca o centro da análise do grupo para as relações interindividuais.
PARTE I – Bibliografia básica:

BRAUDEL, F. História e Ciências Sociais. Escritos sobre a História. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BURKE, Peter. Veneza e Amsterdã. Um estudo das elites no século XVII. São Paulo: Brasiliense, 1991. p.7-101.

CASTRO, Hebe. História Social. In: CARDOSO, Ciro F. e VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

CERRUTI, Simona. Processo e experiência: indivíduos, grupos e identidades em Turim no século XVII. In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

CHARLE, Christophe. A prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas. In: HEINZ, Flavio M. (org) Para uma outra história das elites. Ensaios de prosopografia e política. Rio de Janeiro, FGV, no prelo.

CUNHA, Mafalda Soares da. Modelo de análise de redes sociais. In: A casa de Bragança, 1560-1640. Práticas sociais e redes clientelares. Lisboa: Estampa, 2000.

DAUMARD, Adeline. Hierarquia e riqueza na sociedade burguesa. São Paulo: Perspectiva, 1985. (caps. 2 e 3)

DAVIES, Natalie. Las formas de la Historia Social. História social, n.10, primavera-verano 1991, pp.177-182.

DUPÂQUIER, Jacques. Demografia e História Social. In: MARCÌLIO, Maria L. (org.). População e sociedade: evolução das sociedades pré-industriais. Petrópolis: Vozes, 1984.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. Afogando em nomes: temas e experiências em história econômica. Topoi, Rio de Janeiro, set. 2002, pp. 41-70

FURET, Françoise. O quantitativo em História. In: LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre (orgs.). História: novos problemas. 2ª ed. Rio de Janeiro: 1988.

GINZBURG, Carlo. O nome e o como. In: A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1991.

GRENDI, Edoardo. Repensar a Micro-História? In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

LEPETIT, Bernard. Sobre a escala na história. In: REVEL, Jacques (Org.). Jogos de escalas. Rio de Janeiro : Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

LEVI, Giovanni. Comportamentos, recursos, processos antes da ‘revolução’ do consumo. In: REVEL, Jacques (org.). Jogos de escalas. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

LIMA, Henrique Espada. A micro-história italiana. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MIGUEZ, Eduardo. “Microhistoria, redes sociales e historia de las migraciones: ideas sugestivas e fuentes parcas”. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995. pp. 23-34.

MOUTOUKIAS, Zacarías. Narración y analisis en la observación de vínculos y dinámicas sociales: el concepto de red personal en la historia social y económica. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995. pp. 221-241.

NADALIN, Sérgio O. História e demografia- elementos para um diálogo. Belo Horizonte: ABEP, 2004.

OLIVEIRA, Mônica Ribeiro de e ALMEIDA, Carla Maria C. de (orgs.). Execícios de micro-história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

RAMELLA, Franco. Por un uso fuerte del concepto de red en los estudios migratorios. In: BJERG, María & OTERO, Hernán. Inmigración y redes sociales en la Argentina moderna. Tandil: CEMLA –IEHS, 1995. pp.9-21.

ROSENTHAL, Paul-André. Construir o macro pelo micro: Fredrik Barth e a micro-história. In: Revel, Jacques (org.). Jogos de Escala. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

STONE, Lawrence. Prosopography. The Past and Present. Oxford, 1981.

VOVELLE, Michel. A longa duração. In: Ideologias e mentalidades. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

XAVIER, Ângela Barreto e HESPANHA, António Manuel. As redes clientelares. In: HESPANHA, António Manuel (coord.). História de Portugal - O Antigo Regime, vol.4, Lisboa: Estampa, 1998.


PARTE II – Leituras monográficas
As leituras desta parte do curso serão definidas em função dos interesses dos alunos matriculados. A bibliografia, e o programa definitivos serão entregues após o primeiro encontro com os alunos matriculados.
Bibliografia específica do Módulo I (Redes sociais):
-ALESSANDRINI, Nunziatella, RUSSO, Maríagrazia, SABATINI, Gaetano, VIOLA, Antonella, (orgs.),“Di buon affetto e commercio”. Relações luso-italianas na Idade Moderna, CHAM, Lisboa, 2012.

-ANDÚJAR CASTILLO, Francisco, El sonido del dinero. Monarquía, ejército y venalidad en la España del siglo XVIII, Marcial Pons, Madrid, 2004.

_______. Necesidad y venalidad. España e Indias, 1704-1711, Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, Madrid, 2008.

_______., FELICES DE LA FUENTE, María del Mar (eds.), El poder del dinero: ventas de cargos y honores en el Antiguo Régimen, Biblioteca Nueva, Madrid, 2011.

_______., GIMÉNEZ CARRILLO, F. (eds.), Riqueza, poder y nobleza: los Marín de Poveda, una historia familiar del siglo XVII vista desde España y Chile, Universidad de Almería, Almería, 2011.

-ARAM, Bethany, Leyenda negra y leyendas doradas en la conquista de América : Pedrarias y Balboa, Marcial Pons, Madrid, 2008.

-BOXER, Charles R., From Lisbon to Goa, 1500-1750. Studies in Portugal maritime enterprise, Londres, 1984.

-BRADING, David, Orbe indiano : de la monarquía católica a la República criolla, 1492-1867, Fondo de Cultura Económica, México, 1993.

-CANTÚ, Francesca (coord), Las Cortes virreinales de la monarquía española: América e Italia, Università degli Studi Roma TRE, Roma, 2008.

-CARO BAROJA, Julio, La hora navarra del siglo XVIII (personas, familias, negocios, e ideas), Comunidad Foral de Navarra, Institución Príncipe de Viana, Pamplona, 1985.

-CÉSPEDES DEL CASTILLO, América hispánica (1492-1898), Marcial Pons, Madrid, 2009.

-CHACÓN JIMÉNEZ, Francisco, HERNÁNDEZ FRANCO, Juan, GARCÍA GONZÁLEZ, Francisco (eds.), Familia y organización social en Europa y América, siglos XV-XX, Universidad de Murcia, Murcia, 2007.



-CHARTIER, Roger, FEROS, Antonio (eds.), Europa, América y el mundo, Marcial Pons, Madrid, 2006.

-CHAUNU, Pierre et Huguette, Séville et l’Atlantique (1504-1650), Armand Colin, Paris, 1955-1960, 8 vols.

_______. La América española y la América portuguesa (siglos XVI-XVIII), Madrid, 1985.

-CONTRERAS CONTRERAS, Jaime, GARCÍA GARCÍA, Bernardo, PULIDO SERRANO, Juan Ignacio, (coords.), Familia, religión y negocio. El sefardismo en las relaciones entre el mundo ibérico y los Países Bajos en la Edad Moderna, Fundación Carlos de Amberes, Madrid, 2003.

-DE LA PUENTE BRUNKE, José, De la encomienda y encomenderos en el Perú: estudio social y político de una institución colonial, Diputación de Sevilla, Sevilla, 1992.

-DEDIEU, Jean-Pierre, “Las elites. Familias, grupos, territorios”, Bulletin Hispanique, t. 97, n. 1, 1995, pp. 13-32.

_______., MOUTOUKIAS, Z., “Approche de la théorie des reseaux sociaux”, en CASTELLANO CASTELLANO, Juan Luis, DEDIEU, Jean-Pierre, (dirs.), Reseaux, familles, et pouvoirs dans le monde iberique à la fin de l’Ancien Régime, CNRS Éditions, Paris, 1998.

_______. “Procesos y redes. La historia de las instituciones administrativas de la época moderna hoy”, en La pluma, la mitra y la espada, Madrid, 2000, pp. 13-30.

-DOMÍNGUEZ ORTIZ, Antonio, Los judeoconversos en España y América, Istmo, Madrid, 1988.

-ELBL, Ivana, “The overseas expansion, nobility and social mobility in the age of Vasco da Gama”, Portuguese Studies Review, vol. 6, n. 2, 1997-1998, pp. 53-80.

-ELLIOTT, John, H., Imperios del Mundo Atlántico, Taurus, Madrid, 2006.

_______. El viejo mundo y el nuevo, Alianza, Madrid, 2011.

-FELICES DE LA FUENTE, María del Mar, La nueva nobleza titulada de España y América en el siglo XVIII (1701-1746): entre el mérito y la venalidad, Universidad de Almería, Almería, 2012.

-FERNÁNDEZ ALCAIDE, Marta, Cartas de particulares en Indias del siglo XVI: edición y estudio discursivo, Madrid/Frankfurt am Main, Iberoamericana/Vervuert, 2009.

-GARCÍA BAQUERO, Antonio, Andalucía y la Carrera de Indias, 1492-1824, Universidad de Granada, Granada, 2002.

-GARCÍA FUENTES, Lutgardo, Sevilla, los vascos y América: (las exportaciones de hierro y manufacturas metálicas en los siglos XVI, XVII y XVIII, Fundación BBV, Madrid, 1991.

_______. Los peruleros y el comercio de Sevilla con las Indias, 1580-1630, Universidad de Sevilla, Sevilla, 1997.

-GÓMEZ PÉREZ, Carmen, MARCHENA FERNÁNDEZ, Juan, “Los señores de la guerra en la conquista”, Anuario de Estudios Americanos, vol. 42, 1988, pp. 127-215.

-GONÇALVES SALVADOR, José, Os cristaos-novos: povoamento e conquista do solo brasileiro: (1530-1680), Pioneira, São Paulo, 1978.

_______. Os cristãos-novos e o comércio no Atlântico Meridional (com enfoque nas capitanias do sul 1530-1680), Pioneira, São Paulo, 1978.

_______. Os magnatas do tráfico negreiro, Pioneira,São Paulo, 1981.

-GÓNGORA, Mario, Los grupos de conquistadores de Tierra Firme. 1509-1530. Fisonomía histórico-social de un tipo de conquista, Santiago, Universidad de Chile, 1962.

-GITLITZ, David M., The Arias Dávila family of Segovia. Between the synagogue and the Church, Bethesda International Scholars Publication, 1995.

-HERNÁNDEZ FRANCO, Juan, Familia y poder. Sistemas de reproducción social en España (siglos XVI-XVIII), Universidad de Murcia, Murcia, 1995.



-IMÍZCOZ BEÚNZA, José María (ed.), Casa, familia y sociedad: (País Vasco, España y América, siglos XV-XIX), Universidad del País Vasco, Bilbao, 2004.

-ISRAEL, Jonathan, Razas, clases sociales y vida política en el México colonial, 1610-1670, México, 1980 [1975].

_______. “Manuel López Pereria of Amsterdam, Antwerp and Madrid: Jew, New Christian and adviser to the Conde-Duque de Olivares” in, ISRAEL, Jonathan, Empires and entrepots. The dutch, the Spanish Monarchy and the Jews, 1585-1713, Londres, 1990.

-JASMINS RODRIGUES, Miguel, TORRÃO, María Manuel (coords.), Pequena nobreza de Aquém e de Além-Mar. Poderes, Patrimonios e Redes, Fundação para a Ciência e Tecnología, Lisboa, 2011.

-LAPEYRE, Henri, Una familia de mercaderes: Los Ruiz, Junta de Castilla y León, Valladolid, 2008.

-LOCKHART, James, The men of Cajamarca. A social and biographical Study of the first conquerors of Peru, Austin University of Texas, 1972.

-LOHMANN VILLENA, Guillermo, Les Espinosa, une famille des hommes d'affaires en Espagne et aux Indes à l'époque de la colonisation, SEVPEN, París, 1968.

_______. Los regidores perpetuos del cabildo de Lima (1535-1821): crónica y estudio de un grupo de gestión, Diputación de Sevilla, Sevilla, 1983, 2 vols.

_______. Los americanos en las órdenes nobiliarias, CSIC, Madrid, 1993, 2 vols.

-LORENZO PINAR, Francisco Javier (ed.), La familia en la historia, Universidad de Salamanca, Salamanca, 2009.

-LÚCIO DE AZEVEDO, José, História dos cristãos-novos portugueses, Lisboa, 1989 [1921].

-MAGALHÃES GODINHO, Vitorino, Os descobrimentos e a economia mundial, Presença, Lisboa, 1985-1991, 4 vols.

-MAURO, Fréderic, Portugal, o Brasil e o Atlântico, Estampa, Lisboa, 1998, 2 vols.

-MONTEIRO, Nuno Gonçalo, O crepúsculo dos grandes. Casa e património da aristocracia em Portugal (1750-1832), Lisboa, 2003.

_______. Elites e poder entre o Antigo Regime e o Liberalismo, Lisboa, 2007.

-MUSSO, P. Critique des réseaux, PUF, París, 2003.

_______. (ed.), Réseaux et societé, PUF, París, 2003.



-OTTE, Cartas privadas de emigrantes a Indias. 1540-1616, Fondo de Cultura Económica, México, 1996.

-PIKE, Ruth, Enterprise and adventure. The Genoese in Seville and the opening of the New World, Cornell University Press, Ithaca, 1966.

-RIVERO RODRÍGUEZ, Manuel, La edad de oro de los virreyes: el virreinato de la monarquía hispánica durante los siglos XVI y XVII, Madrid, Akal, 2011.

-SÁNCHEZ RUBIO, Rocío, TESTÓN NÚÑEZ, Isabel, El hilo que une. Las relaciones epistolares entre el viejo y el nuevo mundo (siglos XVI-XVIII), Universidad de Extremadura, Cáceres, 1999.

-SERRANO, F., La encrucijada portuguesa. Esplendor y quiebra de la Unión Ibérica en las Indias de Castilla. 1600-1668, Badajoz, 1994.

-SOARES DA CUNHA, Mafalda, A casa de Bragança (1560-1640). Práticas senhoriais e redes clientelares, Lisboa, 2000.

_______. “Portuguese nobility and the overseas government. The return to Portugal (16th to 17th centuries)”, in VAN VEEN, Ernst, BLUSSÉ, Leonard (eds.), Rivalry and conflict. European traders and asian trading networks, 16th and 17th century, Leiden, 2005, pp. 35-54.

-SORIA MESA, Enrique, La nobleza en la España moderna. Cambio y continuidad, Marcial Pons, Madrid, 2007.

-STUDNICKI-GIZBERT, “La «nation» portugaise. Réseaux marchands dans l’espace atlantique à l’epoque moderne”, Annales, Histoire et Sciences Sociales, 2003, n. 3, pp. 627-648.

-VALLADARES, Rafael, Castilla y Portugal en Asia (1580-1680). Declive imperial y adaptación

-VILA VILAR, Enriqueta, LOHMANN VILLENA, Guillermo, Familia, linajes y negocios entre Sevilla y las Indias. Los Almonte, Fundación Mapfre Tavera, Madrid, 2003.

_______. Familia, linaje y negocios entre Sevilla y las Indias: los Almonte, Fundación Mapfre Tavera, Madrid, 2003.

_______. Los Corzo y los Mañara. Tipos y arquetipos del mercader con América, Universidad de Sevilla, Sevilla, 2012 [1991].

-YBARRA, Antonio, DEL VALLE PAVÓN, Guillermina (coords.), Redes sociales e instituciones comerciales en el imperio español, siglos XVII a XIX, Instituto Mora, UNAM, México, 2007.

-YUN CASALILLA, Las redes del Imperio. Élites sociales en la articulación de la Monarquía Hispánica, 1492-1714, Marcial Pons, Madrid, 2009.

-WINDLER, Christian, Élites locales, señores, reformistas. Redes clientelares y monarquía hacia finales del Antiguo Régimen, Sevilla, 1997.

———————————————————-

 Disciplina: Tópico Especial em Poder, Mercado e Trabalho XXXX

Cód.: XXXXX – (Mestrado)

Cód.: XXXXXX - (Doutorado)

Prof. Ronaldo Pereira de Jesus
Temática: História, Cultura e Ideologia
Ementa: Reflexão acerca da centralidade da categoria “Cultura” para o campo de pesquisa que se define como História Social, associado aos campos da História da Cultura, História Política e História do Trabalho. Propõe-se a apreciação das múltiplas definições que, ao longo do século XX, se atribuíram ao termo “Cultura” e da delimitação das principais categorias que podem, ou devem, ser relacionadas ao conceito de “Cultura” no trabalho do historiador, de modo que o resultado seja a redefinição do próprio campo da História Social.
Bibliografia Básica:
Bosi, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

Cevasco, Maria Elisa. Para ler Raymond Williams. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

Eagleton, Terry. A idéia de cultura. São Paulo: UNESP, 2005.

Eagleton, Terry. Ideologia. São Paulo: Boitempo, 1997.

Jameson, Frederic. Pós-Modernismo; a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 1996.

Mészáros, Istvan. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo, 2004.

Mészáros, Istvan. Filosofia, ideologia e ciência social; ensaios de negação e afirmação. são Paulo: Ensaio, 1993.

Thomson, E. P. Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Williams, Raymond. Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

Williams, Raymond. Palavras-Chave; um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.

Zizek, Slavoj. Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

———————————————————-

 Disciplina: Tópico Especial em Narrativas, imagens e sociabilidades XXXX

Cód.: XXXXX – (Mestrado)

Cód.: XXXXXX - (Doutorado)

Prof. Beatriz Helena Domingues
Temática: Richard Morse e a história intelectual
Ementa: O curso aborda os desenvolvimentos da história intelectual nos Estados Unidos e no Brasil a partir da obra do historiador Richard Morse (1922-2001). Pretende mostrar a importância da história intelectual, bem como do gênero ensaio que, graças à contribuição da crítica literária e da filosofia, produzem estudos históricos orientados para a interpretação de culturas. O recorte temporal será entre as décadas de 1920 a 1990, através da carreira do historiador norte-americano Richard Morse, que foi um latino-americanista e brasilianista que ofereceu uma perspectiva singular para compreender a América Ibérica sob o enfoque cultural. A proposta é analisar sua obra em diálogo com pensadores da Europa (Mikhail Bakhtin, Tocqueville e Johan Huizinga), dos Estados Unidos (Dominik LaCapra, Hans Ulrich Gumbrecht) e do Brasil (Oswald de Andrade, Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Antonio Candido) que dialogam com a perspectiva da história intelectual tal qual adotada ele.
Bibliografia:

Richard Morse

MORSE, Richard M. A Prolegomenon to Latin American Urban History, HAHR 52 (1972): 359-94.

MORSE, Richard M.O espelho de Próspero: Cultura e ideias nas Américas. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

MORSE, Richard M. A volta de McLuhanaíma. Cinco estudos solenes e uma brincadeira séria. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

MORSE, Richard M. Cidades ‘periféricas’ como arenas culturais: Rússia, Áustria, América Latina. Revista Estudos Históricos. Rio de Janeiro; FGV, v. 8, n.16, 1995, 205-225.

MORSE, Richard M. A multidiversidade na busca pela identidade na América Latina desde 1920 até 1970. In: BETHELL, Leslie. História da América Latina. Vol. VIII. A América Latina após 1930: ideias, cultura e sociedade. São Paulo: EDUSP, 2011.




Entrevistas com Morse


GOODWIN, Paul, HAMIL JR., STAVE, Hughand Bruce M. A Conversation with Richard M. Morse. Journal of Urban History. May 1976 2: 331-356.

SILVA, Eduardo Lins e. Richard Morse confronta as raízes europeias das Américas. . Folha de São Paulo. 15/03/1988.

BOMENY, Helena. “Entrevista com Richard Morse”, In: Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, p. 77-93.

Textos ou Estudos sobre Richard Morse


DOMINGUES, Beatriz H & BLASENHEIM, Peter L (org.). O código Morse. Ensaios sobre Richard Morse. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

MEIHY, José Carlos Sebe. A Colônia Brasilianista - História Oral de Vida Acadêmica. Editora Ver Novidades, 1990.



Interlocutores de Richard Morse

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Edunb; Brasília: Hucitec, 1993.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoievski. São Paulo: Editora Forense Universitária, 2010.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 29. ed., Rio de Janeiro: Record, 1994.

FREYRE, Gilberto. Sobrados & mucambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano. 3. ed., 2 t., Rio de Janeiro: José Olympio, 1961.

FREYRE, Gilberto. Região e Tradição. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1941.

FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. Traduzido por Waldemar Valente. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1964 ( Social life in Brazil in the middle of the 19th century. New York: Ed. Autor, 1922.)

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

HUIZINGA, Joham. America. A Dutch Historian Vision, from afar and near. New York, Evanston, San Francisco, London. Harper & Row Publishers, 1972.

LACAPRA, Dominick. Repensar la historia intelectual y leer textos. In: PALTI, Elias. José.Giro lingüístico e historia intelectual. Buenos Aires: Universidad Nacional de Quilmes, s/d


———————————————————-

 Disciplina: Tópico Especial em Narrativas, imagens e sociabilidades XXXX



Cód.: XXXXX – (Mestrado)

Cód.: XXXXXX - (Doutorado)

Prof. Maraliz de Castro Vieira Christo e Sônia Maria Fonseca
Temática: Visões do Brasil a partir da pintura do século XIX.
Ementa: A partir de estudos recentes, o curso pretende percorrer os gêneros de pintura desenvolvidos no século XIX (pintura histórica, retrato, nu artístico, pintura de gênero, paisagem e natureza morta), analisando sua inserção no processo de construção da nacionalidade brasileira.

Bibliografia:
1. Pintura de história

BORGES, Maria Eliza Linhares. “Imagens da nação brasileira”. LOCUS: revista de história. Juiz de Fora: NHR, DHIS, Arquivo Histórico e EDUFJF, v.7 nº1, 2001, p. 9-25.

BURKE, Peter. “Pintar la historia nacional, 1770-1914”. In: CHICANGANA-BAYONA, Yobenj A. e GARZÓN, Liliana Cortés (ed.). Peter Burke, Debates y perspectivas de lanueva historia cultura. Medellín: Universidad Nacional de Colombia, 2011,p. 89-112.

CASTRO, Isis Pimentel de. Os pintores de História. A relação entre arte e história através das telas de batalha de Pedro Américo e Victor Meirelles. (Dissertação de mestrado – UFJF- 2007).

CAVALCANTI, Ana M. T. . “O último tamoio e o último romântico”. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, p. 64 - 69, 01 nov. 2007.

CHRISTO, Maraliz de C. V. “O esquartejamento de uma obra: a rejeição ao Tiradentes de Pedro Américo”. LOCUS: revista de história. Juiz de Fora: EDUFJF, dez.1998. p.143 a 166.

CHRISTO, Maraliz de C. V. “Bandeirantes ao chão”. Estudos históricos. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, n.º 30, 2002, p.33-55, e ilustrações. http://www.cpdoc.fgv.br/revista/arq/330.pdf

CHRISTO, Maraliz de C. V. “Bandeirantes na contramão da História: um estudo iconográfico”. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, São Paulo: Editora PUC-SP, n.º 23, 2002, p. 307-336.

CHRISTO, Maraliz de C. V. Pintura, história e heróis: Pedro Americo e "Tiradentes esquartejado". Campinas, 2005 (Tese de doutoramento em História, UNICAMP).

CHRISTO, M. C. V. “A pintura histórica brasileira no século XIX: incorporação e subversão de imagens”. In: III Congreso Internacional de Teoria e Historia de las Artes (XI Jornadas del CAIA), 2005, Buenos Aires - Argentina. Original - copia... original?. Buenos Aires : CAIA - Centro Argentino de Investigadores de Arte, 2005. p. 103-115.

CHRISTO, Maraliz de C. V. (org) “Dossiê: pintura de história”. Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: MHN, 2007, v. 39.

CHRISTO, Maraliz de C. V.Victor Meirelles, Pedro Americo e Henrique Bernardelli: outras leituras.” In: ___ (org) “Dossiê: pintura de história”. Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: MHN, 2007, v. 39, p.167-188.

CHRISTO, Maraliz de C. V. “A pintura de história no Brasil no século XIX: panorama introdutório”. In: Dossiê “Los relatos icônicos de lanación”, revista Arbor do Consejo Superior de Investigaciones Cientificas, da Espanha, 2009.

CHRISTO, Maraliz. C. V. . “Pintura e historia en el Brasil del siglo XIX”. In: BORGES, Maria Eliza Lindares; CORNELLES, Victor Manuel Minguez.. (Org.). La fabricación visual de mundo atlántico. Castellón de la Plana: Editora Universitat Jaume I, 2009, v. , p. 135-153.

CHRISTO, Maraliz de C. V. “Representações oitocentistas dos índios no Brasil”. In: PARANHOS, k. e outros (org.) História e imagens. Textos visuais e práticas de leituras. Campinas: Mercado de Letras, 2010, p. 71-100.

CHRISTO, Maraliz de C. V. “Atahualpaenla corte imperial brasileña”. In: Natalia Majluf. (Org.). LuisMontero. Los funerales de Atahualpa. Lima - Peru: Museo de Arte de Lima, 2011, v. 1, p. 102-131

COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX? São Paulo: Editora SENAC, 2005.

COLI, Jorge. “Introdução à pintura de história” In: CHRISTO, Maraliz de C. V. (org) “Dossiê: pintura de história”. Anais do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: MHN, 2007, v. 39.

COLI, Jorge. Victor Meirelles e a pintura internacional. Campinas, 1997 (Tese de livre docência, UNICAMP).

DENIS, Rafael Cardoso. “Ressuscitando um velho cavalo de batalha: novas dimensões da pintura histórica do segundo reinado”. Concinnitas. Arte, cultura e pensamento. Ano 2, nº2, jan.-jun. de 1999, p. 191-233.

DIAS, Elaine Cristina. Debret, a pintura de historia e as ilustrações de corte da “Viagem pitoresca e histórica ao Brasil”. Campinas: 2001 (Dissertação, Mestrado em História da Arte, UNICAMP).

DIENER, Pablo e COSTA, Maria de Fátima. “A história americana nos pincéis de Rugendas”. A América de Rugendas. Obras e documentos. São Paulo: Estação Liberdade: Kosmos, 1999, p. 145-155.

EULÁLIO, Alexandre. De um capítulo do Esaú e Jacó ao painel d’ O último baile. In: Escritos. São Paulo: Ed.UNESP – Ed.UNICAMP, 1992. p. 367-408.

FARIAS, Edison. Tramas e dramas sobre a tela de Constantino da Motta. 19&20, Rio de Janeiro, v. II, n. 2, abr. 2007. Disponível em: <http://www.dezenovevinte.net/obras/cm_tramas_imagens.htm>.


FERNANDES, Cybele Vidal Neto. “A pintura histórica no segundo reinado” in: Os caminhos da arte, o ensino artístico na Academia Imperial das Belas Artes – 1850/1890. Rio de Janeiro: 2001 (tese de doutoramento, História Social – UFRJ).
FIGUEIREDO, Aldrin Moura de. “Theodoro Braga e a história da arte na Amazônia”. Fundação da cidade de Belém. Belém: Museu de Arte de Belém, 2004.

GUARILHA, Hugo Xavier. A questão artística de 1879: polêmica da crítica de arte no segundo reinado. Campinas, 2005 (Dissertação, Mestrado em História da Arte, UNICAMP).

LEITE, José Roberto Teixeira. “Histórica, pintura” in: Dicionário crítico da pintura no Brasil, Artlivre, Rio de Janeiro, 1988, p. 245-248.
LIMA, Valéria. Uma viagem com Debret. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.
LIMA, Valéria. Alessandro Ciccarelli e a tela “Casamento por procuração da Imp. Teresa Cristina”: um ensaio interpretativo. VALLE, Arthur e outros. Oitocentos – Arte Brasileira do Império à República – Tomo 2. Seropédica/Rio de Janeiro: EDUR-UFRRJ; DezenoveVinte, 2010, p. 657-669.

MAUÉS, Renata de Fátima da Costa. O desvelar da obra de Constantino Pedro Chaves da Motta.19&20, Rio de Janeiro, v.VI, n. 2, abr./jun. 2011. Disponível em: .

MEGHREBLIAN, Caren Ann. Art, Politics and historical Perceptin in Imperial Brazil (1854-1888).Tese Ph.D.em História – UniversityofCalifornia, Los Angeles, USA, 1990.

OLIVEIRA, Cecília Helena de Salles e MATTOS, Cláudia Valladão de. O brado do Ipiranga. São Paulo. EDUSP, 1999.

PEREIRA, Walter Luiz Carneiro. Óleo sobre Tela, Olhos para a História: Memória e Pintura Histórica nas Exposições Gerais de Belas Artes do Brasil Império (1872-1879). Niterói, 2003 (MestradoemHistória, UFF).

PREUSS, Ori.  “Recreating the island, maintaining the bridges: Rio Branco, Spanish America, and the myth of Paz e Concórdia. In: Bridging the Island: Brazilians’ Views of Spanish America and Themselves, 1865-1912. Frankfurt/Madrid: Iberoamericana, 2011.

SALGUEIRO, Valeria. “A arte de construir a nação: Pintura de história e a Primeira República”. Estudos históricos. Rio de Janeiro: n.º30, p. 3-22, 2002.

SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: memórias & imagens. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2003.

SANTOS, Renata. A Primeira Missa e a reprodutibilidade da imagem: um estudo de caso. In TURAZZI, Maria nez (org.) Victor Meirelles – novas leituras. Florianópolis: Museu Victor Meirelles/IBRAM/MinC; São Paulo: Studio Nobel, 2009:130-147.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. “Entre convenções e discretas ousadias: Georgina de Albuquerque e a pintura histórica feminina no Brasil”. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, vol.17 n.º50, Oct. 2002.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Obra em perspectiva: Estudo para Passagem de Humaitá, de Victor Meirelles. Florianópolis: Museu Victor Meirelles, 2010.

Slenes, Robert W.As provações de um Abraão africano: a nascente nação brasileira na Viagem Alegórica de Johann Moritz Rugendas”. Revista de História da Arte e Arqueologia. Campinas: IFCH-UNICAMP, n.º 2, 1995/96 p.271-294.

SQUEFF, Letícia. “Um rei invisível”. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional, Ano 1, nº3, fev./mar. 2006, pp. 33-37.

SQUEFF, Letícia. O Brasil nas letras de um pintor. Campinas, UNICAMP, 2004.

STAROBINSKI, Jean. 1789: os emblemas da razão. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

TORAL, André. Imagens em desordem: iconografia da Guerra do Paraguai (1864-1870). São Paulo: Humanitas : USP. FFLCH, 2001.

VEJO, Tomas Perez. "La pintura de historia y la invención de las naciones". LOCUS: revista de história. Juiz de Fora: NHR e EDUFJF, v.5 nº1, jul.1999. p.139-159. (8)


2. Retrato

Anais do Museu Histórico Nacional, número especial: memórias compartilhadas – retratos na coleção do Museu Histórico Nacional. Rio de Janeiro: O Museu, 2003.

BADEA-PÄUN, Gabriel. Portraits de société, XIXe-XXesiècles. Paris: Citadelles&Mazenod,2007.

BITTENCOURT, Renata. Modos de negra e modos de branca: o retrato “Baiana” e a imagem da mulher negra na arte do século XIX. Campinas, 2005 (Dissertação de Mestrado, IFCH – UNICAMP).

BITTENCOURT, Renata. “Modos de negra e modos de branca: o retrato “Baiana” e a imagem da mulher negra na arte do século XIX.” II Encontro de História da Arte – IFCH / UNICAMP, 2006, p. 78-89.

BURCKHARDT, Jacob. O retrato na pintura italiana do Renascimento. (Org., apres. etrad. Cassio Fernandes). Campinas: UNICAMP, 2012.

CASTELNUOVO, Enrico. Retrato e sociedade na arte italiana. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CIPINIUK, Alberto. A face pintada em pano de linho, moldura simbólica da identidade brasileira. Rio de Janeiro e São Paulo: PUC-Rio e Loyola, 2003.

COSTA, Cristina. A imagem da mulher; um estudo de arte brasileira. Rio de Janeiro: SENAC RIO, 2002.

DIAS, Elaine. “A representação da realeza no Brasil: uma análise dos retratos de D. João VI e D. Pedro I, de Jean-Baptiste Debret”. Anais do Museu Paulista. São Paulo. Nova Série, v.14, nº1, p. 243-261, jan.-jun. 2006.

DIAS, Elaine. “Os Retratos de Maria Isabel e Maria Francisca de Bragança, de Nicolas Antoine Taunay”. Anais do Museu Paulista. São Paulo. Nova Série,v. 19, p. 11-43, 2011.



FARIA, Breno Marques Ribeiro de.Retratos do Poder: a pintura de retrato setecentista da família real portuguesa no Brasil. Campínas, 2012. (Dissertação Mestrado História da Arte)

LEVY, Hannah. “Retratos Coloniais”. In: Pintura e escultura I. FAU-USP / MEC-IPHAN, 1978, p. 154-184.

MURANO, Ana Flora. D. Pedro I e D. Pedro IV. Um estudo de iconografia comparada. Campinas (Mestrado História da Arte, UNICAMP)

OLIVEIRA, João Pacheco de, « De trofeo de guerra a icone del indianismo: 


La doble trayectoria de un niño Bororo en el Imperio de Brasil, siglo XIX », Nuevo Mundo Mundos Nuevos . http://nuevomundo.revues.org/65023 

POMMIER,Edouard.Théoriesduportrait : De laRenaissanceauxLumières. Paris:Gallimard.1998.

PORTRAITS PUBLICS, PORTRAITS PRIVÉS, 1770-1830. Paris: RMN, 2007.

SCHNEIDER, Norbert. El arte del retrato.Lasprincipales obras del retrato europeo, 1420-1670. Colônia: Editora Taschen, 1999.

VERSCHAFFEL, Bart. “Théorieduportrait”. In: ___. Essaissurlesgenresenpeinture; nature morte, portrait, paysage. Bruxelles: La Lettrevolée, 2007, p.37-72.
3. pintura de gênero

BANDEIRA, Alice Guimarãe. Descanso do modelo: trajetória e repercussão da pintura de gênero brasileira no final do século XIX. 2013. (Dissertação mestrado EBA-UFRJ).

CAVALCANTI, Ana M. T. . "Arrufos" de Belmiro de Almeida (1858-1938) - história da produção e da recepção do quadro. In: Anais do III Simpósio Nacional de História Cultural - Mundos da Imagem: do texto ao visual. Florianópolis :Clicdata Multimídia, 2006. p. 300-307. (http://ana.canti.googlepages.com/congressos)

COLI, Jorge. “Pintura naturalista”. In: ___. O corpo da liberdade. São Paulo: Cosacnaify, 2010, p. 285-294, fig. 26,28.

COLI, Jorge. “Almeida Júnior: o caipira e a violência” In: ___ Como estudar a arte brasileira do século XIX? São Paulo: Editora SENAC, 2005.

LOURENÇO, Maria Cecília França.” Leitores/leitura na pintura”. in: PALHARES, Taisa (org.) A arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo, Cosac Naify – Pinacoteca, 2009, p. 72-81.

DENIS, Rafael Cardoso. “A redenção de Cã”. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008, p.102-107.

DENIS, Rafael Cardoso. “Intimidade e reflexão: repensando a década de 1890”.In: CAVALCANTI, Ana M. T., DAZZI,C., VALLE,A. (orgs) Oitocentos – Arte brasileira do Império à Primeira República. Rio de Janeiro: EBA-UFRJ/DezenoveVinte, 2008, p.470-476.

LINS, Vera. “A intimidade em cena”. In: CAVALCANTI, Ana M. T., DAZZI,C., VALLE,A. (orgs) Oitocentos – Arte brasileira do Império à Primeira República. Rio de Janeiro: EBA-UFRJ/DezenoveVinte, 2008, p.470-476.

LINS, Vera. “Representações do primitivo”. Novas perspectivas para o estudo da arte no Brasil de entresséculos (XIX/XX), 195 ANOS DE Escola de Belas Artes. Rio de Janeiro: EBA-UFRJ, 2012, p.315-318.

MALTA, Marize. “A iconografia dos objetos decorativos na pintura acadêmica”. In: ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA, 12, 2006. Anais do XII Encontro Regional de História. Rio de janeiro: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 2006, p. 1-10.

PAULITSCH, Vivian da Silva. Impasses no exercício da feminilidade e da maternidade no tríptico La Faiseuse D`Angels do pintor Pedro Weingärtner., 2009. (Doutorado em História) Universidade Estadual de Campinas.

PITTA, Fernanda Mendonça. Um povo pacato e bucólico: costumes e história na pintura de Almeida Júnior. 2013 (Doutorado em História) ECA-USP.

PONSELLE Genevieve. Petitsthéâtres de l’intime.La peinture de genrefrançaise entre RévolutionetRestauration. Toulouse:MuseedesAugustinsEditions, 2011.

VOTTERO, Michael. La peinture de genreen France, après 1850. Rennes: PressesUniversitaires de Rennes, 2012.

WEISBERG, Gabriel P. Beyond Impressionism: The Natural Impulse in European Art, 1860-1905.New York:Harry N Abrams, 1992.

WEISBERG, Gabriel P.. L'illusion de laréalité : Peinture, photographie, théâtre et cinémanaturalistes, 1875-1918. FondsMercator, 2010.
4. Paisagem

ADES, Dawn. “Os artistas viajantes, a paisagem e representações do Brasil”. In: MARTINS, Carlos (org.). O Brasil redescoberto. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1999, p. 14-21.

AGUILAR, Nelson. O olhar distante. São Paulo: Associação Brasil 500 anos de artes visuais, 2000.

ANDRADE, Rodrigo Mello Franco de. “A Paisagem Brasileira até 1900”. In II Bienal Internacional de São Paulo. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1953 (catálogo de exposição).

BARATA, Mário. “Pintura de paisagem e arte dos jardins: a presença dos itinerantes”.In ZANINI, Walter (org.). História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983 (volume 1).

BATISTA, Daniele Muniz. Pintura de paisagem na Academia: mitos e história. 2003. 90 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, .Orientador: Ana Maria Tavares Cavalcanti.

BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. A construção da paisagem. São Paulo: Metalivros; Salvador, Fundação Emílio Odebrecht, 1994. (O Brasil dos viajantes, v. 3).

BELLUZZO, Ana Maria de Moraes. O viajante e a paisagem brasileira. In: Revista Porto Arte. Vol. 15, n. 25, nov. 2008. P.

CAVALCANTI, Ana M. T. “A pintura de paisagem ao ar livre e o anseio por modernidade no meio artístico carioca no final do século XIX”. Cadernos de Pós-Graduação (IAR/UNICAMP), Campinas - SP, v. 6, n. 1, p. 28-34, 2002.

CARVALHO, Anna Maria Fausto M. de. “O panorama no Brasil”. In: MARTINS, Carlos (org.). O Brasil redescoberto. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1999, p. 105-123

CARVALHO, Vânia Carneiro de. “A representação da natureza na pintura e na fotografia brasileiras do século XIX.” In: FABRIS, Annateresa. Fotografia, usos e funções no século XIX. São Paulo: EDUSP, 1991, p. 199-233.

COELHO, Mário César. Panoramas perdidos de Victor Meirelles: aventuras de um pintor

acadêmico nos caminhos da modernidade. Florianópolis, Tese de Doutorado UFSC, 2007.

DENIS, Rafael Cardoso. “Leandro Joaquim...” A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008, p. 17-21.

DIAS, Elaine Cristina. Paisagem e academia: Félix-Émile Taunay e o Brasil (1824-1851). Campinas: EdUNICAMP, 2009.

DIENER, Pablo.A viagem pitoresca como categoria estética e a prática de viajantes”. In: Revista Porto Arte. Vol. 15, n. 25, nov. 2008. P. 59-73.



ICONOLOGIA e paisagem, coleção cultura inglesa. Rio de Janeiro: Edições Pinakotheke, 1994.

LEVY, Carlos Roberto Maciel. O grupo Grimm, paisagismo brasileiro no século XIX. Rio de Janeiro: Edição Pinakotheke, 1980.

MARQUESE, R. de B.. “A paisagem da cafeicultura na crise da escravidão: as pinturas de Nicolau Facchinetti e Georg Grimm.” Revista do Instituto de Estudos Brasileiros - USP, nº44, fev. 2007, p. 55-76.

MARTINS, Carlos (org.). Revelando um acervo. São Paulo: Bei Comunicação, 2000 (Coleção Brasiliana)

MATTOS, Claudia Valladão de. Artistas viajantes nas fronteiras da História da Arte. Comunicação apresentada no III Encontro de História da Arte, promovido pelo IFCH-UNICAMP, em maio de 2007 (inédito)

MÉROT Alain. Du paysage en peinture :dansl'Occidentmoderne, Gallimard, Paris, 2009.

MOREIRA JR., Mario Fiore. Pintura e paisagem urbana. São Paulo: Programa de pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo /USP, 2001. (Dissertação de Mestrado)

MUSÉE DES BEAUX-ARTS DE CAEN. Parcours «La peinture de paysage»  http://www.mba.caen.fr/activites/scolaires/2013/Caen-MBA-Parcours%20Paysage-sans%20visuels%20XXe-f%C3%A9vrier%202013.pdf.

OLIVEIRA, Helder. “Por uma historiografia da pintura de paisagem no Brasil (1816-1890)”.I Seminário de História: Caminhos da Historiografia Brasileira Contemporânea. Universidade Federal de Ouro Preto. http://www.ichs.ufop.br/seminariodehistoria

PEIXOTO, Elsa Ramos. “Vitor Meireles e os panoramas” In: ___Vitor Meireles de Lima 1832-1903. Rio de Janeiro: Edição Pinakotheke, 1982.

PORTELLA, Isabel Maria Carneiro de Sanson. A Pintura de Paisagem no Brasil: a floresta da obra de Antônio Parreiras. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ. Rio de Janeiro, 2001.

SALGUEIRO, HelianaAngotti (org). Paisagem e arte: a invenção da natureza, a evolução do olhar. São Paulo: FAPESP, 2000.

SALGUEIRO, Valéria. Paisagens de sonho e verdade: Rio de Janeiro, Buenos Aires e cidade do México nos álbuns ilustrados de oito artistas viajantes. Rio de Janeiro: Fraiha, 1998.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. “Nas cores dos trópicos, o pintor francês Nicolas Antoine Taunay mesclou o estilo heróico das glórias napoleônicas com a exuberância natural dos trópicos. Revista Nossa História, Ed. Vera Cruz, BN, Ano 1, n. 4, fev. 2004.

TARASANTCHI, Ruth Sprung. Pintores paisagistas em São Paulo (1890-1920).São Paulo: EDUSP, 2002.

VERSCHAFFEL, Bart. “Le monde du paysage”.In: ___. Essaissurlesgenresenpeinture; nature morte, portrait, paysage. Bruxelles: La Lettrevolée, 2007, p.73-100.



VISÕES do Rio Coleção Geyer. Petrópolis: Museu Imperial/RJ:CCBB, 2000.

ZENHA, Celeste. “O negócio das 'vistas do Rio de Janeiro' - imagens da cidade imperial e da escravidão”. Estudos Históricos. Rio de Janeiro: CPDOC-FGV, Nº 34,2004.

ZENHA, Celeste. “O Brasil na produção das imagens impressas durante o século XIX: a paisagem como símbolo da nação”. DUTRA, Eliana de Freitas e MOLLIER, Jean-Yves (org.) Política, nação e edição. O lugar dos impressos na construção da vida política. São Paulo: Annablume, 2006. P. 354-368.
5.Nu artístico

BATISTA, Stephanie Dahn. “O corpo falante: Narrativas e inscrições num corpo imaginário na

pintura acadêmica do século XIX”. 19&20, Rio de Janeiro, v. VI, n. 1, jan./mar. 2011. Disponível em: .

BATISTA, Stephanie Dahn. O corpo falante: as inscrições discursivas do corpo na pintura acadêmica brasileira do século XIX. Curitiba: 2001.(Tese doutoramento, PPG_História, Universidade Federal do Paraná.)

BONNET, Jacques. Femmesaubain: duvoyeuristedanslapeintureoccidentale. Paris: Hazan, 2006.

COLI, Jorge. “Um erotismo clássico”. In:___. O corpo da liberdade. São Paulo: CosacNaify, 2010, p.35-59. (imagens: https://picasaweb.google.com/corpodaliberdade/UmErotismoClassico).

COSTA Jr. Martinho Alves da.A figura feminina da obra de ThéodoreChassériau. Reflexões sobre nus, vítimas e o fim do século. Campinas, 2013, (Tese de doutoramento, IFCH-UNICAMP).

COSTA, Richard Santiago. O corpo indígena ressignificado: Marabá e o Último Tamoio de Rodolpho Amoêdo e a retórica nacionalista do final do Segundo Império. Campinas, 2013 (Dissertação de Mestrado, IFCH - UNICAMP)

DENIS, Rafael Cardoso. “João Zeferino da Costa (184-1915), A pompeana, 1876” In:___. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008, p.62-69.

DENIS, Rafael Cardoso. ”Antônio Parreiras, Dolorida.” In: ___. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008.

DIAS, Elaine . Um breve percurso pela história do modelo vivo no século XIX - princípios do método, a importância de Violletle Duc e o uso da fotografia. 19&20 (Online), v. II, p. 1-15, 2007.

FORMICO, Marcela Regina. A "Escrava Romana" de Oscar Pereira da Silva: sobre a circulação e transformação de modelos europeus na arte acadêmica do século XIX no Brasil. Campinas, 2012 (Dissertação mestrado, IA-UNICAMP.)

GINZBURG, Carlo.”Ticiano, Ovídio e os códigos da figuração erótica no século XVI”. In: _____.

Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Cia. das Letras, 1989. p.119-141.

HADDAD, Michèle. La divine etl’ímpure: Le nu au XIXe. Paris: Éditions du Jaguar, 1990.

KENNETH, Clark. O nu: um estudo sobre o ideal em arte. Lisboa: Ed. Ulisseia, 1956.

LUCIE-SMITH, Edward. Adam. The male figure in art.Hardcover,1998.

MIYOSHI, Alexander Gaiotto. Moema é morta. Campinas, 2010 (Tese, PPG-História, UNICAMP).

O DESEJO na Academia, 1847-1916. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1991.

O nu além das academias. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2011.

OLIVEIRA, Claudia de. “Imagens da nação: a carioca de Pedro Américo entre o ufanismo e a licenciosidade”. In: CAVALCANTI, Ana M. T., DAZZI,C., VALLE,A. (orgs) Oitocentos – Arte brasileira do Império à Primeira República. Rio de Janeiro: EBA-UFRJ/DezenoveVinte, 2008, p.455-459.

PRAZ, Mario,A carne, a morte e o diabo na literatura romântica. Campinas: Unicamp, 1996.

REYERO, Carlos. Apariencia e identidad masculina; de lailustración ao decadentismo. 2ª ed.,Madrid: EdicionesCatedra, 1999.

SÁ, Ivan Coelho de. Academias de modelo vivo e bastidores da pintura acadêmica brasileira. A metodologia do ensino do desenho e da figura humana. Rio de Janeiro, 2004. Tese de doutorado, EBA-UFRJ.

SÁ, Ivan Coelho de. Academias de modelo vivo: terminologia e tipologia. Anuário do Museu Nacional de Belas Artes, v. 1, 2009, p. 87-104.

ZERNER, Henri. “O olhar dos artistas”. In: CORBIN, Alan e COURTINE, Jean-jacques. Historia do Corpo, da Revolução à Grande Guerra. Petrópolis: Vozes, 2005.
6. Natureza morta

ALPERS, Svetlana. A arte de descrever. A arte holandesa no século XVII, São Paulo: USP, 1999.

BAXANDALL, Michael, “ Os quadros e as idéias: uma dama tomando Chá, de Chardin” Padrões de intenção, a explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, -p. 120-156.

BRYSON, Norman. Volver a mirar. Cuatroensayos sobre la pintura de naturalezasmuertas. Madrid: Alianza Forma, 2005.

DENIS, Rafael Cardoso. “José dos Reis Carvalho, Flor.” In: ___. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008, p. 29-34.

FARIAS,Salvio J. P. . “Entre o Pincel e a Colher, o alimento como tema e material pictórico em cinco artistas do país da feijoada”. Anais do 13 Encontro Nacional da Anpap - A Arte em Pesquisa: especificidades.Brasília :Anpap/ Universidade de Brasília, 2004.

FRANÇA, Cristina Pierre de. Estevão Silva (1845-1891) e Hélio Oiticica (1937-1980). Brasilidade,

a sensação revisitada. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ. Rio de Janeiro, 2002.

NEIVA PESSÔA, Alexandre. Estevão Silva e a pintura de naturezas mortas no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro, 2002 (Dissertação mestrado, UFRJ).

SCHANNER, Irmgard. “A originalidade na representação da natureza na pintura de Agostinho José da Motta”. 180 anos de Escola Nacional de Belas Artes. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997, p. 175-180.

SCHNEIDER, Norbert. Naturezas-mortas. Colônia: Editora Taschen, 2009.

TARASANTCHI,Ruth Sprung. “A vida silenciosa na pintura de Pedro Alexandrino”. In: PALHARES, Taisa (org.) A arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo, Cosac Naify – Pinacoteca, 2009, p. 108—117.

VERSCHAFFEL, Bart. “L’espace pictural de lanature morte.” In: ___. Essaissurlesgenresenpeinture; nature morte, portrait, paysage. Bruxelles: La Lettrevolée, 2007, p. 11-36.


7. Geral

ADES, Dawn. Arte na América Latina: a era moderna, 1820-1980. São Paulo: Cosac &Naify Edições, 1997.

ARGAN, Giulio Carlo e FAGIOLO, Maurizio. Guia de História da Arte. Lisboa: Editorial Estampa, 1992.

BUENO, Alexei. O Brasil do século XIX na coleção Fadel. Rio de Janeiro: Edições FADEL, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas; o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

COLI, Jorge. O corpo da liberdade. São Paulo: CosacNaify, 2010.

COLI, Jorge. O que é arte.São Paulo: Brasiliense.

DENIS, Rafael Cardoso. A arte brasileira em 25 quadros (1790-1930). Rio de Janeiro: Record, 2008.

DUQUE, Gonzaga. A arte brasileira. Rio de Janeiro: H. Lombaerts& Cia., 1888, ed. Aos c. de T. Chiarelli, Campinas: Mercado de Letras,1995.

EULÁLIO, Alexandre. “O século XIX”. In: Catálogo da exposição Tradição e Ruptura. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1984.

FERREIRA, Felix. Belas artes, estudos e apreciações. (Introd. e notas, Tadeu Chiarelli). Porto Alegre: Zouk, 2012.

LACLOTTE, Michel, CUZIN, Jean-Pierre.Dictionnaire de lapeinture. Paris: Larousse, 1996. 2 vol.

LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Artlivre, 1988.

LICHTENSTEIN, Jacqueline (org.). A pintura – Vol. 10: Os gêneros pictóricos. São Paulo: Ed. 34, 2006.

MIGLIACCIO, Luciano. Arte do século XIX. São Paulo: Associação Brasil 500 anos de artes visuais, 2000.

MIGLIACCIO, Luciano. “ A recepção dos gêneros europeus na pintura brasileira”. In: CAVALCANTI, Ana M. T., DAZZI,C., VALLE,A. (orgs) Oitocentos – Arte brasileira do Império à Primeira República. Rio de Janeiro: EBA-UFRJ/DezenoveVinte, 2008, p. 26-31.

PEREIRA, Sônia Gomes. Arte brasileira no século XIX. Belo Horizonte: C/Arte, 2008.

SQUEFF, Letícia. Uma galeria para o Império: a Coleção de Quadros Nacionais formando a Escola Brasileira. São Paulo: Edusp, 2012.

TEXEIRA LEITE, José R.. “A Academia e a pintura no Brasil no século XIX”. In: PALHARES, Taisa (org.) A arte brasileira na Pinacoteca do Estado de São Paulo. São Paulo, Cosac Naify – Pinacoteca, 2009.

VERSCHAFFEL, Bart. Essaissurlesgenresenpeinture; nature morte, portrait, paysage. Bruxelles: La Lettrevolée, 2007.



ZANINI, W. História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto WalterMoreira Salles e Fundação Djalma Guimarães, 1983.
SITES: Dezenovevinte: http://www.dezenovevinte.net;

Itaú cultural: http://www.itaucultural.org.br;

MARE, Museu de Arte para a Educação: http://www.mare.art.br

Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal