Projeto pedagógico do curso de licenciatura em matemática – 2018 santo andré Julho de 2017



Baixar 1.06 Mb.
Página13/13
Encontro11.07.2018
Tamanho1.06 Mb.
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13

Bibliografia Complementar

  1. HALMOS, P. R. Teoria Ingênua dos Conjuntos. São Paulo: Ciência Moderna, 2001.

  2. LIPSCHUTZ, S. S.; LIPSON, M. L. Teoria e problemas de matemática discreta. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

  3. MATOSEK, J.; NESETRIL, J. Invitation to discrete mathematics. 2nd ed. Oxford: Oxford University Press, 2009.

  4. ROSEN, K. H. Matemática discreta e suas aplicações. 6. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2009.

  5. SCHEINERMAN, E. R. Matemática Discreta: uma introdução. 1. ed. Thompson, 2003.

  6. VELLEMAN, D. J. How to prove it: a structured approach. 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

Teoria Aritmética dos Números

Sigla: MCTB023-17

T-P-I: 4-0-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não há

Ementa: Princípios de Indução. Divisibilidade. O algoritmo da divisão. MDC e MMC. Números. Teorema Fundamental da Aritmética. Sistemas de numeração. Representação de um número numa base arbitrária. Mudança de base. Equações diofantinas lineares. Ternos Pitagóricos. Classes de congruência e sistemas completos de restos módulo m. Aplicações: critérios de divisibilidade. Congruências lineares: condições para existência e cálculo de soluções. Sistemas de congruências e o Teorema Chinês de Restos. A função phi de Euler, o Teorema de Euler e o Pequeno Teorema de Fermat. Teorema de Wilson. Números Reais: Representações decimais de um número real. A irracionalidade de π e e.
Bibliografia Básica

  1. HEFEZ, A. Elementos de Aritmética. 2. ed. Rio de Janeiro: SBM, 2006.

  2. NIVEN, I. M.; ZUCKERMAN, H.S.; MONTGOMERY, H. L. An Introduction to the Theory of Numbers. 5th ed. New York: Wiley, 1991.

  3. SANTOS, J. P. O. Introdução à Teoria dos Números. 3. ed. Rio de Janeiro: IMPA, 1998.


Bibliografia Complementar

  1. BURTON, D. Elementary Number Theory. 6th ed. Boston: McGraw-Hill, 2007.

  2. COUTINHO, S. C. Números inteiros e criptografia RSA. Rio de Janeiro: IMPA, 2009.

  3. FIGUEIREDO, D. G. Números Irracionais e Transcendentes. Rio de Janeiro: SBM, 2003.

  4. MILIES, F. C. P; COELHO, S. P. Números: uma introdução à matemática. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2001.

  5. ORE, O. Number Theory and its History. New York: Dover Publications, 1988.


Disciplinas Específica somente da Licenciatura em Matemática

Construções Geométricas e Geometria Métrica

Sigla: MCTD024-18

T-P-I: 4-0-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Geometria Plana Axiomática.

Ementa: Axiomática do desenho geométrico com régua e compasso. Construções geométricas: mediatriz, bissetriz, perpendicular, paralela e arcos capazes. Áreas de regiões no plano euclidiano.  Geometria Euclidiana Espacial: prismas, pirâmides, cilindros, cones e esferas. Poliedros e a característica de Euler. Volume de sólidos.

Bibliografia Básica:

  1. CARVALHO, P.C.P. Introdução à Geometria Espacial. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBM, 2005. 93 p. (Coleção do professor de matemática).

  2. MOISE, E.E. Elementary Geometry From An Advanced Standpoint. 3. ed. Reading, USA: Addison-Wesley, c1990. 502 p.

  3. WAGNER, E. Construções Geométricas. Colaboração de José Paulo Q. Carneiro. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Matemática Pura e Aplicada, 2007. 110 p. (Coleção do professor de matemática).

Bibliografia Complementar:

  1. DOLCE, Osvaldo; POMPEO, José Nicolau. Fundamentos De Matemática Elementar, 10: Geometria Espacial, Posição E Métrica. 7. ed. São Paulo, SP: Atual, 2013. v. 10 . 472 p., il.

  2. EUCLIDES. Os elementos: Euclides. Tradução de Irineu Bicudo. São Paulo, SP: Ed. da Unesp, 2009. 593 p., il.

  3. LIMA, E.L. Medida E Forma Em Geometria: Comprimento, Área, Volume E Semelhança. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBM, 2006. xiv, 116 p., il. (Coleção do professor de matemática, 3).

  4. MILMAN, R.S. et al. Geometry, A Metric Approach With Models. 2nd ed. New York, USA: Springer, c1991. xiii, 370 p.  

  5. REZENDE, E.Q.F.; QUEIROZ, M.L.B. de. Geometria Euclidiana Plana E Construções Geométricas. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2008. 260 p., il.


Fundamentos de Álgebra

Sigla: MCTD025-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Teoria Aritmética dos Números

Ementa: Definição de grupos. Definição de subgrupos. Identificar exemplos de grupos e de subgrupos na Álgebra estudada na Licenciatura e da Álgebra estudada na Educação Básica.

Subgrupos normais e grupos quocientes. Identificar exemplos de subgrupos normais e grupos quocientes tanto na Álgebra estudada na Licenciatura como na Álgebra que será ensinada na Educação Básica. Em todos os casos, identificar o ano escolar que cada exemplo acima é estudado e com qual complexidade. Homomorfismos. Definição e exemplos de anéis. Identificar os exemplos da escola básica. Homomorfismos. Ideais e anéis quocientes. O corpo das frações de um anel de Integridade. Anéis Euclidianos. Anéis de polinômios. Polinômios sobre o Corpo Racional. Anéis de polinômios sobre anéis comutativos. Relacionar o estudo de anéis de polinômios com o ensino de polinômios na escola básica. Discutir em cada momento, a importância de entender as propriedades e teoremas que envolvem essas estruturas algébricas para a formação do professor. Relacionar esses conceitos com os conceitos da Educação Básica. Em especial, discutir, o conjunto dos Números Inteiros, o conjunto dos Racionais, os Polinômios. Fazer conexões entre a Álgebra e a Aritmética.



Bibliografia Básica:

  1. HERSTEIN, I. Tópicos de Álgebra; Tradução de Adalberto P. Bergamasco e L. H. Jacy Monteiro. São Paulo, Editora Polígono, 1970.

  2. KLEIN, F. Matemática Elementar de um Ponto de Vista Superior. Vol. 1, Parte 1, Artimética. Lisboa: SPM, 2009.

  3. RIPOLL, C; RANGEL, L; GIRALDO, V. Livro do Professor de Matemática. Vol 2, Números Inteiros. Rio de Janeiro: SBM, 2016.

Bibliografia Complementar:

  1. COURRANT, R.; ROBBINS, H. O que é Matemática? Uma abordagem elementar de métodos e conceitos. Rio de Janeiro: Ed Ciência Moderna Ltda, 2000.

  2. FRALEIGH, J. B. A First Course in Abstract Algebra. Addison-Wesley Publishing Company, 5a edição. 1994.

  3. GARCIA, A.; LEQUAIN, Y. Elementos de Álgebra. Rio de Janeiro: IMPA, Projeto Euclides, 2002.

  4. GONÇALVES, A. Introdução à Álgebra. Rio de Janeiro: Instituto de Matemática Pura e Aplicada, 2006.

  5. KLEIN, F. Matemática Elementar de um Ponto de Vista Superior. Vol. 1, Parte 2, Álgebra. Lisboa: SPM, 2010.

  6. RIBEIRO, A. J.; CURY, H. N. Álgebra para a formação do professor: explorando os conceitos de equação e de função. Coleção Tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

Álgebra na Educação Básica

Sigla: MCTD026-18

T-P-I: 0-2-4

Carga Horária: 24 horas

Recomendação: Teoria Aritmética dos Números, Geometria Plana e Construções Geométricas e Fundamentos de Álgebra para a Licenciatura.

Ementa:

Definição de Anéis e Corpos. Exemplos. Extensões de Corpos. Extensões finitas e algébricas, grau de uma extensão, corpo de raízes de um polinômio sobre Q. Números Complexos, raízes da unidade. Equações polinomiais de 3º e 4º graus. Teorema Fundamental da Álgebra: relações e implicações para o ensino de equações e funções na Educação Básica. Construções com régua e compasso. Os três problemas famosos: da Matemática: a quadratura do círculo, a duplicação do cubo e a trissecção do ângulo. Discutir em cada momento, a importância de aprender esses conteúdos para a formação do professor de matemática. Relacionar esses conteúdos com os conteúdos da escola básica. Em especial, discutir, o conjunto dos números racionais, o conjunto dos reais, dos Complexos, Polinômios (Equações e funções). Fazer conexões entre a álgebra e a geometria.



Bibliografia Básica:

  1. HERSTEIN, I. Tópicos de Álgebra; Tradução de Adalberto P. Bergamasco e L. H. Jacy Monteiro. São Paulo, Editora Polígono, 1970.

  2. KLEIN, F. Matemática Elementar de um Ponto de Vista Superior. Vol. 1, Parte 2, Álgebra. Lisboa: SPM, 2010.

  3. RIBEIRO, A. J.; CURY, H. N. Álgebra para a formação do professor: explorando os conceitos de equação e de função. Coleção Tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

Bibliografia Complementar:

  1. COURRANT, R.; ROBBINS, H. O que é Matemática? Uma abordagem elementar de métodos e conceitos. Rio de Janeiro: Ed Ciência Moderna Ltda, 2000.

  2. FRALEIGH, J. B. A First Course in Abstract Algebra. Addison-Wesley Publishing Company, 5a edição. 1994.

  3. GARCIA, A.; LEQUAIN, Y. Elementos de Álgebra. Rio de Janeiro: IMPA, Projeto Euclides, 2002.

  4. GONÇALVES, A. Introdução à Álgebra. Rio de Janeiro: Instituto de Matemática Pura e Aplicada, 2006.

  5. KLEIN, F. Matemática Elementar de um Ponto de Vista Superior. Vol. 1, Parte 1, Artimética. Lisboa: SPM, 2009.

  6. RIPOLL, C; RANGEL, L; GIRALDO, V. Livro do Professor de Matemática. Vol 2, Números Inteiros. Rio de Janeiro: SBM, 2016.

Fundamentos de Análise

Sigla: MCTD027-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Funções de uma variável

Ementa: Conjuntos infinitos, enumerabilidade, comensurabilidade. Construção dos conjuntos dos números inteiros, racionais e reais. Topologia da reta. Sequências e séries de números reais. Aspectos cognitivos e didático-pedagógicos da formação do conceito de número real e das sequências e séries. Sistematização do conhecimento matemático orientada para a prática pedagógica na educação escolar básica.

Bibliografia Básica:



  1. ÁVILA, G. Análise Matemática para Licenciatura. 3ª Edição. São Paulo: Edgard Blücher, 2006.

  2. FIGUEIREDO, D. G. Análise I. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

  3. LIMA, E. L. Análise real: funções de uma variável. 9.ed. Rio de Janeiro: IMPA, 2007.

Bibliografia Complementar:

  1. CARAÇA, B.J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa: Tipografia Matemática, 1951.

  2. LIMA, E. L. Curso de análise. 12.ed. Rio de Janeiro: IMPA, 2007.

  3. RIPOLI, C.; RANGEL, L.; GIRALDO, V. Livro do Professor de Matemática da Educação Básica - Volume 1 - Números Naturais. 1.ed. Rio de Janeiro: SBM, 2016.

  4. RIPOLI, C.; RANGEL, L.; GIRALDO, V. Livro do Professor de Matemática da Educação Básica - Volume 2 - Números Inteiros. 1.ed. Rio de Janeiro: SBM, 2016.


Análise na Educação Básica

Sigla: MCTD028-18

T-P-I: 0-2-4

Carga Horária: 24 horas

Recomendação: Funções de uma variável

Ementa: Funções reais de variável real. Continuidade, derivação e integração de funções reais de variável real. Aspectos cognitivos e didático-pedagógicos da formação do conceito de função. Sistematização do conhecimento matemático orientada para a prática pedagógica na educação escolar básica.

Bibliografia Básica:

  1. ÁVILA, G. Análise Matemática para Licenciatura. 3ª Edição. São Paulo: Edgard Blücher, 2006. .

  2. FIGUEIREDO, D. G.. Análise I. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. .

  3. LIMA, E. L. Análise real: funções de uma variável. 9.ed. Rio de Janeiro: IMPA, 2007. v. 1.

Bibliografia Complementar:

  1. CARAÇA, B.J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa: Tipografia Matemática, 1951.

  2. LIMA, E. L. Curso de análise. 12.ed. Rio de Janeiro: IMPA, 2007.


Geometria Plana Axiomática

Sigla: MCTD009-18

T-P-I: 4-0-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não há.

Ementa: Axiomática da Geometria Euclidiana. Congruência de Triângulos. Desigualdades Geométricas. O postulado das Paralelas. Semelhança de Triângulos. Circunferências.

Bibliografia Básica

  1. BARBOSA, J.L.M. Geometria Euclidiana Plana: Com Mais Exercícios. 10. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBM, 2006. 222 p.

  2. MILMAN, R.S. et al. Geometry, A Metric Approach With Models. 2nd ed. New York, USA: Springer, c1991. xiii, 370 p.

  3. MOISE, E.E. Elementary Geometry From An Advanced Standpoint. 3. ed. Reading, USA: Addison-Wesley, c1990. 502 p.

Bibliografia Complementar

  1. DOLCE, O.; POMPEO, J.N. Fundamentos De Matemática Elementar, vol. 9: geometria plana. São Paulo, SP: Atual, 2005. v. 9 . 456 p.

  2. EUCLIDES. Os Elementos: Euclides. Tradução de Irineu Bicudo. São Paulo, SP: Ed. da Unesp, 2009. 593 p., il.

  3. GARBI, G.G. C.Q.D.: Explicações E Demonstrações Sobre Conceitos, Teoremas E Fórmulas Essenciais Da Geometria. São Paulo, SP: Livraria da Física, c2010. 403 p.

  4. MUSSER, G.L. et al. College Geometry: A Problem-Solving Approach With Applications. 2. ed. Upper Saddle River, USA: Prentice Hall, c2008. xvi, 638.  

  5. REZENDE, E.Q.F.; QUEIROZ, M.L.B. de. Geometria Euclidiana Plana E Construções Geométricas. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2008. 260 p., il.


Conjunto IV - Disciplinas de Opção Limitada da Licenciatura em Matemática

História da Matemática

Sigla: MCTD010-18

T-P-I: 4-0-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação:

Ementa: Matemática como construção humana; Origens da Matemática. Contribuições de diferentes civilizações antigas. Matemática Oriental e a Matemática Ocidental na Idade Média. Desenvolvimentos da Álgebra ao longo da História (Álgebra retórica, sincopada e simbólica; números complexos; geometria analítica; estruturas algébricas). Desenvolvimentos da Geometria ao longo da História (Teorias euclidianas e Teorias não euclidianas). Desenvolvimentos do cálculo diferencial e integral ao longo da História (processos de cálculo de área, volume e traçados de tangentes, Newton e Leibniz, crítica e fundamentação do cálculo, análise). Matemática Contemporânea (lógica de Boole, teoria dos conjuntos, aritmetização da análise, teoria dos fractais, teoria do caos). Relações étnico-raciais e de gênero implicadas na História da Matemática; História da Matemática como estratégia na educação básica.

Bibliografia Básica:

  1. BOYER, Carl B. História da Matemática. 2 ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1996. 496 p.

  2. EVES, Howard. Introdução à história da matemática. Campinas: Unicamp, 2004. 844 p.

  3. ROQUE, Tatiana. História da Matemática: uma visão crítica desfazendo mitos e lendas. Rio de Janeiro: Zahar, 2012. 511 p.

Bibliografia Complementar:

  1. EVES, Howard. Foundations and fundamental concepts of mathematics. 3rd ed. Mineola, N.Y: Dover Publications, 1997. 344 p.

  2. GRATTAN-GUINNESS, Ives. From the calculus to set theory 1630-1910: an introductory history. London: Duckworth, 1980. 306 p.

  3. MIGUEL, Antonio et al. História da matemática : em atividades didáticas. 2 ed. São Paulo, SP : Livraria da Física, 2009, 319 p. 

  4. MIGUEL, Antonio; MIORIM, Maria Angela. História na educação matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte, MG : Autêntica, 2004. 198 p. 

  5. MIORIM, Maria Ângela (org) et al. História, filosofia e educação matemática: práticas de pesquisa. Campinas, SP: Alínea, 2009. 291 p.

  6. ROONEY, Ane. A História da Matemática desde a criação das pirâmides até a exploração do infinito. São Paulo: MBooks, 2012.

  7. STRUIK, Dirk Jan. A concise history of mathematics. 4th rev. ed.. New York: Dover Publications, 1987. 228 p

Simetrias no Plano Euclidiano

Sigla: MCTD007-18

T-P-I: 4-0-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Geometria Plana Axiomática; Fundamentos de Álgebra para a Licenciatura I.

Ementa: Estrutura de grupo das isometrias do plano euclidiano. Tratamento geométrico e coordenadas das isometrias do plano euclidiano: translação, reflexão em relação a um ponto, rotação e reflexão em relação a uma reta. Homotetias e inversão em relação a uma circunferência.

Bibliografia Básica

  1. CARVALHO, P.C.P. Introdução À Geometria Espacial. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBM, 2005. 93 p. (Coleção do professor de matemática).

  2. MOISE, E.E. Elementary Geometry From An Advanced Standpoint. 3. ed. Reading, USA: Addison-Wesley, c1990. 502 p.

  3. WAGNER, E. Construções Geométricas. Colaboração de José Paulo Q. Carneiro. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Matemática Pura e Aplicada, 2007. 110 p. (Coleção do professor de matemática).

Bibliografia Complementar

  1. DOLCE, Osvaldo; POMPEO, José Nicolau. Fundamentos De Matemática Elementar, 10: geometria espacial, posição e métrica. 7. ed. São Paulo, SP: Atual, 2013. v. 10 . 472 p., il.

  2. EUCLIDES. Os Elementos: Euclides. Tradução de Irineu Bicudo. São Paulo, SP: Ed. da Unesp, 2009. 593 p., il.

  3. LIMA, E.L. Medida E Forma Em Geometria: Comprimento, Área, Volume E Semelhança. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: SBM, 2006. xiv, 116 p., il. (Coleção do professor de matemática, 3).

  4. MILMAN, R.S. et al. Geometry, A Metric Approach With Models. 2nd ed. New York, USA: Springer, c1991. xiii, 370 p.  

  5. REZENDE, E.Q.F.; QUEIROZ, M.L.B. de. Geometria Euclidiana Plana E Construções Geométricas. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2008. 260 p., il

Tecnologia da Informação e Comunicação na Educação

Sigla: NHZ5019-15

T-P-I: 3-0-3

Carga Horária: 36 horas

Recomendação: Não há

Ementa: Gênese sócio-histórica de interação e interatividade Conceitos de tecnologias de informação e comunicação. Educomunicação.. Tendências metodológicas para a inserção das TIC no Ensino de Ciências e Matemática. Mudanças no contexto educacional: sala de aula interativa. Redes de aprendizagem. Convergência digital, educação e sociedade. Processos de produção de TIC para o ensino de Ciências e Matemática. Educação a Distância.

Bibliografia Básica:

  1. COLL, Cesar; MONEREO, Carles. Psicologia Da Educação Virtual. Porto Alegre: Artmed, 2010.

  2. GIORDAN, Marcelo. Computadores E Linguagens Nas Aulas De Ciências. Ijuí, Unujuí, 2008.

  3. HARASIM, Linda. Redes de Aprendizagem. São Paulo, Senac, 2005.

  4. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

  5. LÉVY, Pierre. As Tecnologias Da Inteligência: O Futuro Do Pensamento Na Era Da Informática. Rio de Janeiro, Editora 34, 1993. 208 p.

  6. SILVA, Marco. Sala De Aula Interativa. São Paulo, Quartet, 2000.

  7. VIGOTSKI, Lev. S. A Construção Do Pensamento E Da Linguagem. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

Bibliografia Complementar:

  1. DEMO, Pedro. Questões Para A Teleeducação. Petrópolis, Vozes, 1998. Lévy, Pierre. Que é o virtual? São Paulo, 34, 1996. 176 p.

  2. LITWIN, Edith. Tecnologia Educacional. São Paulo, Artmed, 1997.

  3. MARTÍN-BARBERO, J. Dos Meios Às Mediações: Comunicação, Cultura E Hegemonia. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2003.

  4. MORIN, Edgar. Os Sete Saberes Necessários À Educação Do Futuro. São Paulo, Cortez, Brasília: DF, Unesco. 2000. 118 p.

  5. SETZER, Valdemar. Meios Eletrônicos E Educação. São Paulo, Escrituras, 2001.

  6. SILVA, Marco. Educação on-line. São Paulo, Loyola, 2003.

  7. TORI, Romero. Educação Sem Distância. São Paulo, Senac, 2010.

Tendências em Educação Matemática

Sigla: MCTD020-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não há

Ementa: Etnomatemática. Educação Matemática Crítica. Resolução de Problemas. Modelagem. TICs e EaD. Leitura e Escrita em Matemática. História e Filosofia da Matemática. Laboratório didático: jogos, materiais manipulativos e recreações. Abordagem CTSA na Educação Matemática. Educação Inclusiva e EJA. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade. Relações étnico-raciais e de gênero implicadas na Educação Matemática.

Bibliografia Básica:

  1. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectivas. São Paulo: Unesp, 1999. 313 p.

  2. D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação matemática : da teoria á prática. 21 ed. Campinas, SP : Papirus, 2010.  120 p.

  3. FIORENTINI, Dario; LORENZATO, Sergio. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3 ed. Campinas, SP: Autores associados, 2009. 228 p. (Coleção formação de professores).

Bibliografia Complementar:

  1. ACQUETE, D. Philosophy of mathematics. Massachusetts: Blackwell Publishers Inc. 2002.

  2. ALMOULOUD, Saddo Ag. Fundamentos da didática da matemática. São Paulo: Caderno de Educação Matemática, PUC/SP, 2000.

  3. BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática: uma nova estratégia. São Paulo: Editora Contexto, 2002. 389 p.

  4. BORBA, Marcelo de Carvalho & PENTEADO, Miriam. Informática e Educação Matemática. 1ª edição 2001. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 102 p.

  5. BORBA, Marcelo de Carvalho. Pesquisa qualitativa em educação matemática. 3 ed. Belo Horizonte, MG : Autêntica, 2010. . 120 p.

  6. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Filosofia da educação matemática: concepções e movimento. Brasília: Plano editora, 2003.

  7. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Educação Matemática: Pesquisa em Movimento. São Paulo: Cortez, 2004. 318 p.

  8. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; GARNICA, Antônio Vicente Marafioti. Filosofia da educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

  9. D'AMBROSIO, Ubiratan. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 107 p. (Coleção tendência em educação matemática, 1).


Didática da Matemática

Sigla:

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Didática (NHI5002-15)

Ementa: Processos de ensino e aprendizagem da aritmética, álgebra, geometria, estatística e probabilidade. Matemática para o ensino: relações da matemática dos cursos de licenciatura com a matemática do ensino básico. Questões curriculares: análises de propostas curriculares e produção de material didático. Estudos de aulas como recursos didáticos para o ensino de matemática. Perfil conceitual: interações discursivas nas aulas de matemática. Tópicos de Didática da Matemática Francesa: transposição didática, obstáculos epistemológicos e teoria das situações didáticas.

Bibliografia Básica:

  1. CURY, H. N. & VIANNA, C. R. Formação do Professor de Matemática: reflexões e propostas. Santa Cruz do Sul: Instituto Padre Reus, 2009. ISBN: 9788599208366.

  2. D’AMORE, B. Elementos de Didática da Matemática. São Paulo: Livraria da Física Editora, 2ª ed. 2010.

  3. PONTE, J. P. Práticas Profissionais dos Professores de Matemática. Lisboa: Universidade de Lisboa, 2014. E-Book..

  4. RIBEIRO, A. J. & CURY, H. N. Álgebra para a Formação do professor: explorando os conceitos de equação e de função. Belo Horizonte: Autêntica, 2015,

  5. WALLE, J. A. V. Matemática no Ensino Fundamental: formação do professor e aplicações em sala de aula. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. EBook.

Bibliografia Complementar:

  1. BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro03.pdf.

  2. BRASIL, SEMTEC. Parâmetros curriculares nacionais plus: Ensino Médio. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf.

  3. CARAÇA, B. J. Conceitos Fundamentais da Matemática. Lisboa: Gradiva, 2000.

  4. COURANT, R. & ROBBINS, H. O que é Matemática? Rio de Janeiro: editora Ciência Moderna, 2000.

  5. HUETE, J. C. S. & BRAVO, J. A. F. O Ensino da Matemática: fundamentos teóricos e bases psicopedagógicas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

  6. LORENZATO, S. Laboratório de Ensino de Matemática para Formação de professores. Campinas: Autores associados, 3ª ed. 2010.

  7. MOREIRA, P. C. & DAVID, M. M. M. S. A formação Matemática do Professor: licenciatura e prática docente escolar. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

  8. MORTIMER, E. F. Linguagem e Formação de Conceitos no Ensino de Ciências. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2011.

  9. MORTIMER, E.F & EL-HANI, C. N. (ed). Conceptual Profiles: a theory of Teaching and Learning scientific concepts. Springer, 2014.

  10. PARRA, C. & SAIZ, I. (org). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artmed, 1996.

  11. ROWLAND, T. & RUTHVEN, K. (org). Mathematical Knowledge in Teaching. Springer.

  12. SÃO PAULO, SEE. Currículo do Estado de São Paulo: Matemática e suas tecnologias / Secretaria da Educação; 1. ed. – São Paulo : SE, 2011.72 p. Disponível em: http://www.educacao.sp.gov.br/a2sitebox/arquivos/documentos/238.pdf


Educação Estatística

Sigla: MCZD002-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não Há

Ementa: Algumas notas históricas sobre Estatística e Probabilidade. Aplicações da Estatística: o homem em seu mundo biológico, político, social e físico. Por que ensinar estatística Objetivos básicos do ensino de estatística e probabilidade. A Estatística e a Probabilidade no currículo de Educação Básica. Considerações metodológicas: a estatística e a probabilidade como tema interdisciplinar, recursos, enfoque exploratório, uso de ferramentas tecnológicas no seu ensino. Impactos dos livros didáticos no ensino de Estatística e Probabilidade na Educação Básica. Erros e dificuldades na compreensão dos conceitos estatísticos e probabilísticos fundamentais. Análise didática de situações de ensino e aprendizagem.

Bibliografia Básica:

  1. BATANERO, C. Didática da Estatística. Departamento de Didática da Matemática. Universidade de Granada, 2001. Disponível em: http://www.ugr.es/~batanero/proyecto.html.

  2. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. In: MEDEIROS, C. A. de. Estatística Aplicada À Educação. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. 130 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/profunc/estatistica.pdf.

  3. CORDANI, L. K. Estatística Para Todos - Atividades Para Sala De Aula. São Paulo: CAEM-IMEUSP, 2012.

  4. LOPES, C. E. Reflexões Teórico-Metodológicas Para A Educação Estatística. In: LOPES, C. E.;

  5. COUTINHO, C. Q. S. Conceitos Probabilísticos: Quais Contextos A História Nos Aponta. REVEMAT – Revista Eletrônica de Educação Matemática, v. 2., n. 3 , p. 50-67, 2007.

Bibliografia Complementar:

  1. BATANERO, C.; GODINO, J. D. Estocástica Y Su Didáctica Para Maestros, 2002. In: GODINO, J. D. Proyecto Edumat-Maestros. Disponível em: http://www.ugr.es/local/jgodino/.

  2. COSTA, S. F. Introdução Ilustrada À Estatística. 4. ed. São Paulo: Harbra, 2005.

  3. COUTINHO, C. Q. S. Introdução Ao Conceito De Probabilidade Por Uma Visão Frequentista. 1994. 151 f. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil, 1994.

  4. COUTINHO, C. Q. S. Introdução Ao Conceito De Probabilidade: Uma Visão Frequentista. São Paulo: EDUC, 1996.

  5. CURI, E. Pesquisas Em Educação Matemática: Um Encontro Entre A Teoria E A Prática. São Carlos/SP: Pedro & João Editores, 2008. p. 67-86.

  6. CRESPO, A. A. Estatística Fácil. 19. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

  7. DOWNING, D.; CLARK, J. Estatística Aplicada. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

  8. FARIAS, A. A.; SOARES, J. F.; CÉSAR, C. C. Introdução à Estatística. 2. ed. São Paulo: LTC, 2003.

  9. FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de Estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

  10. FRANKLIN, C. et al. A Curriculum Framework for K-12 Statistics Education. GAISE Report. American Statistical Association, 2005. Disponível em: http://www.amstat.org/education/gaise/GAISEPreK-12_Full.pdf.

  11. GAL, I.; GARFIELD, J. (Eds.).The Assessment Challenge in Statistics Education. Amsterdan: IOS Press, 1997. Disponível em: http://www.stat.auckland.ac.nz/~iase/publications/assessbk/.

  12. LOPES, C. E.; CARVALHO, C. Literacia Estatística na Educação Básica. In: NACARATO, Adair; LOPES, Celi E. Escritas e Leituras na Educação Matemática. 1ª. Reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p.77-92.

  13. LOPES, C. E.; COUTINHO, C.. Leitura e Escrita em Educação Estatística. In: LOPES, C. E.; NACARATO, A. Educação Matemática, Leitura e Escrita: armadilhas, utopias e realidade. Campinas/SP: Mercado e Letras, 2009. p. 61-78.

  14. MAGALHÃES, M. N.; LIMA, A. C. P. de. Noções de Probabilidade e Estatística, 7. ed. São Paulo: EDUSP, 2011.

  15. OLIVEIRA JUNIOR, A. P.; MIZIARA, E. L.; AMARAL, P. de L. Ensino de Medidas de Posição e Variabilidade a partir de medidas biométricas no Ensino Médio In: Discussões sobre o ensino e a aprendizagem da probabilidade e da estatística na escola básica. Campinas: Mercado de Letras, 2013, v.1, p. 145-166.

  16. OLIVEIRA JUNIOR, A. P.; NETO, G. A. C.; PRATA, A. N. Estratégias de ensino de Probabilidade a partir da Geometria para alunos do Ensino Médio In: Discussões sobre o ensino e a aprendizagem da probabilidade e da estatística na escola básica. Campinas: Mercado de Letras, 2013, v.2, p. 191-212.

  17. OLIVEIRA JUNIOR, A. P.; VIEIRA, M. L. Concepções de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental de escolas estaduais e municipais em relação à Estatística In: Educação Estatística: ações e estratégias pedagógicas no Ensino Básico e Superior. Curitiba: Editora CRV, 2015, v.1, p. 29-40.

  18. REA, L. M.; PARKER, R. A. Metodologia de Pesquisa. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

  19. TOLEDO, G. L.; OVALLE, I. I. Estatística Básica. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, 1994.

  20. TRIOLA, M. F. Introdução à Estatística. 9. ed. Editora: LTC. 2005.

  21. VIEIRA, M. L.; OLIVEIRA JUNIOR, A. P. Ensino de Estatística: atitudes e concepções de professores dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Curitiba: Appris, 2016, v.1. p.168.

  22. VIEIRA, S. Elementos de Estatística. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.


Fundamentos Psicoantropológicos da Educação

Sigla: MCZD003-18

T-P-I: 2-2-6

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não há

Ementa: Abordar teorias sobre as diferenças individuais, colocando em destaque aspectos psicológicos, cognitivos e antropológicos. Nesta, pretende-se caracterizar aspectos que interferem na aprendizagem, diferenciando fatores culturais de síndromes genéticas ou transtornos psiquiátricos ou ainda, neurológicos. Discutir abordagens metodológicas de estimulação/intervenção pedagógica ajustada as características cognitivas do aluno. Além dos estudos teóricos de fatores que interferem na aprendizagem, esta disciplina se propõe, também, a realizar abordagem prática, com o objetivo de transposição da teoria para a pratica na forma de ações educativas, por meio de laboratório de simulação de intervenções educativas, com o objetivo de preparar o futuro docente a pratica inclusiva.

Bibliografia Básica:

  1. VIGOTSKY, L. S.. A construção do pensamento e da linguagem. 2. ed. , 1896-1934. 2009. ISBN 9788578270773

  2. VIGOTSKY, L. S.. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores / 7. ed., 1896-1934. ISBN:  8533622643. 2007

  3. OLIVEN, Ruben George. A antropologia de grupos urbanos. 5. ed. 2005. ISBN 978-85-326-0774-4


Bibliografia Complementar:

  1. Manual diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais - 5.ed.: DSM-5 Por American Psychiatric Association (APA). ISBN: 9788582710883

  2. CID-10 - CLASSIFICAÇAO DE TRANSTORNOS MENTAIS OMS - Organizaçao Mundial Da Saude. http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm



Matemática nos Anos Iniciais

Sigla: MCZD004-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Didática, Desenvolvimento e Aprendizagem, Didática da Matemática

Ementa: Aspectos interdisciplinares no Ensino Matemática nas series iniciais (possiblidades e desafios); LDB; O Ensino de Matemática nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental – Anos iniciais; Alfabetização Matemática; Alfabetização e Letramento.

Bibliografia Básica:

  1. BRENDA, L. S. M.; PASSOS, C. L. B.; NACARATO, A. M. A Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo. Editora autentica. 2009.

  2. NACARATO, A. M. Escrita e Leitura na Educação Matemática. São Paulo. Editora autentica. 2012.

  3. MORETTI, v. d. souza, N. M. M. de. Educação matemática nos anos iniciais do ensino fundamental: princípios e práticas pedagógicas. São Paulo: Cortez, 2015.

Bibliografia Complementar:

  1. DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo. Editora Cortez. 1997.

  2. FREITAS, M. T. M.; FIORENTINI, D. As possibilidades formativas e investigativas da narrativa em educação matemática. Horizontes, Bragança Paulista, SP, v. 25, n. 1, p. 63-71, jan./jun. 2007.

  3. GARDNER, H. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artmed, 1995.

  4. GOLBERT, C. S. Novos rumos na Aprendizagem da Matemática – Conflito, Reflexão e Situações-problemas. São Paulo. Editora Mediação. 2002.

  5. KAMII, C. A criança e o número. Trad. Regina A. de Assis. Campinas: Papirus, 1990.

  6. LORENZATO, S. Educação Infantil e percepção matemática. 3ªed. Campinas: Autores Associados, 2011.

  7. LORENZATO, S. O laboratório de ensino de Matemática na formação de professores. 3ª ed. Campinas: Autores Associados, 2012.

  8. NUNES, T; SCHLIEMANN, A. L.; CARRAHER, D. Na vida dez, na escola zero. São Paulo: Editora Cortez. 1996.

  9. NUNES, T; BRIANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

  10. PARRA, C. et. al. Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre – RS: Artes Médicas, 1996. P. 26-47.

  11. ZOE, R. Da escola para casa – alfabetização matemática. Rio de Janeiro: RHJ Livros. 2012.

  12. VYGOTSKY, L. S.. Pensamento e linguagem. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1989.

  13. VYGOTSKY, L. S.. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

  14. WEISZ, T. O Diálogo entre o Ensino e a Aprendizagem. 2. ed. São Paulo: Ática, 2002.



Projetos de Ensino de Matemática e Ciências com Arte

Sigla: MCZD005-18

T-P-I: 2-2-2

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Bases Epistemológicas da Ciência e Didática

Ementa: Abordagem dos processos de formação e formalização de conceitos da Matemática e das Ciências da Natureza pertinentes à Educação Básica, de forma criativa, sensorial e sensível, por meio de jogos de improvisação teatral e da elaboração de cenas, a partir de textos literários, peças de teatro e textos científicos com temática relacionada a essas áreas de conhecimento. Desenvolvimento e aprofundamento da escuta e do diálogo, verbal e não verbal, por meio de atividades de expressão corporal, associados a reflexões sobre a natureza epistemológica da Matemática e das Ciências, seus conteúdos de ensino conceituais, procedimentais e atitudinais, bem como a relação pedagógica professor-estudantes-conhecimentos. Elaboração de projetos de ensino.

Bibliografia Básica:

  1. D’AMBRÓSIO, U. Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena, 2002.

  2. KOUDELA, I.D. Jogos teatrais. São Paulo, Perspectiva, 2008.

  3. POZO, J. I. e CRESPO, M. A. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Bibliografia Complementar:

  1. BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

  2. BOAL, A. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2002.

  3. BOHR, N. Física atômica e conhecimento humano: ensaios 1932 – 1957. Rio de Janeiro, Contraponto, 1995.

  4. BRECHT, B. A vida de Galileu. In: Brecht, Bertold. Teatro Completo de Bertold Brecht. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991. p.51-170.

  5. CALVINO, I. Todas as Cosmicômicas. São Paulo, Companhia das Letras, 2007.

  6. COHEN, B.; WESTFALL, R.; RIBEIRO, V. (orgs.). Newton: textos, antecedentes, comentários. Rio de Janeiro, Contraponto, EDUERJ, 2002.

  7. CROCHIK, L. Educação e Ciência como arte: aventuras docentes em busca de uma experiência estética do espaço e tempo físicos. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

  8. DESCARTES, R. O mundo ou tratado da luz / O homem. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009.

  9. GALILEI, G. Duas novas ciências. São Paulo: Nova Stella, 1988.

  10. GALILEI, G. Diálogos sobre dois máximos sistemas do mundo ptolomaico e copernicano. São Paulo, Discurso Editorial / Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.

  11. HELLMAN, H. Grandes debates da ciência – dez maiores contendas de todos os tempos. São Paulo, Editora UNESP, 1999.

  12. LEIBNIZ, G. W. Discursos de metafísica e outros textos. São Paulo: Editora Martins, 2004.

  13. NEWTON, I. Principia. São Paulo, EDUSP, 2008.

  14. SPOLIN, V. Improvisação para o teatro. São Paulo, Perspectiva, 2008.

  15. ZANETIC, João. Física também é cultura. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.


Tópicos de Ensino de Astronomia na Educação Básica

Sigla: MCZD006-18

T-P-I: 2-2-4

Carga Horária: 48 horas

Recomendação: Não há

Ementa: Fundamentos básicos de Astronomia para o Ensino; Reconhecimento das fases da Lua; Estações do ano; Movimento aparente do Sol; Apresentação dos aspectos interdisciplinares do Ensino de Astronomia; LDB; Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental; Parâmetros e Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio; O Universo e sua origem. Universo, Terra e Vida; Teorias de origem e evolução da vida; Uso de geometria e trigonometria na Astronomia; Origem dos elementos químicos; Reconhecimento do céu (constelações).

Bibliografia Básica:

  1. BOCZKO, R. Conceitos de astronomia. São Paulo: Editora: Edgard Blücher Ltda,1984;


  2. LANGHI, Rodolfo; NARDI, Roberto. Educação em Astronomia: Repensando a Formação de Professores - Educação para a Ciência. São Paulo: Editora Escrituras, 2014.

  3. LONGHINI, Marcos Daniel. Ensino de Astronomia na Escola. São Paulo: Editora : Átomo, 2014.

Bibliografia Complementar:

  1. ABCMC - Associação Brasileira de Centros e Museus de Ciência: UFRJ. FCC.Casa da Ciência: Fiocruz. Museu da Vida, 2009. Disponível em: http://www.casadaciencia.ufrj.br/Publicacoes/guia/files/guiacentrosciencia2009.pdf. Acesso: 30 mai. 2012.;

  2. ALBRECHT, E.; VOELZKE. M. R.. Ensino de Astronomia: Uma Proposta para a Educação Básica. 1. ed. Saarbruecken - Alemanha: Novas Edições Acadêmicas, 2015;


  3. BARRIO, J. B. M. El Planetário: um recurso didáctico para la enseñanza de la astronomia. 2003. 342 f. Tese (Doutorado)-Universidade de Valladolid, Espanha, 2003; BARRIO, J. B. M. A investigação educativa em astronomia: os planetários como espaço de ensino e aprendizagem. In: LONGHINI, M. D. Educação em astronomia: experiências e contribuições para a prática pedagógica. Campinas, SP: Editora Átomo, 2010. p.159-178.

  4. LANGHI, R. Astronomia nos anos iniciais do ensino fundamental: repensando a formação de professores. 2009. 370 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência)-Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista Bauru, 2009.

  5. 
LANGHI, R.; NARDI, R. Ensino de astronomia: erros conceituais mais comuns presentes em livros didáticos de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 24, p.87-111, 2007.

  6. LANGHI, R.; NARDI, R. Ensino da astronomia no Brasil: educação formal, informal, não-formal e divulgação científica. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 4, p.4402-1 a 4402-11, 2009.

  7. LANGHI, R.; NARDI, R. Formação de professores e seus saberes disciplinares em astronomia essencial nos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Ensaio, v.12, n. 02, p.205-224, maio/ago. 2010.

  8. LEITE, C. Formação do professor de ciências em astronomia: uma proposta com enfoque na espacialidade. 2006. 274 f. Tese (Doutorado)- Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2006.

  9. NOGUEIRA, S. Astronomia: ensino fundamental e médio. Brasília: MEC; SEB; MCT; AEB, 2009. (Coleção explorando o ensino; v.11 e 12).



Conjunto IV-a - Disciplinas de Opção Limitada Não Oferecidas pela LiMa
As ementas das disciplinas que não são oferecidas pela Licenciatura em Matemática estão descritas no Catálogo de Disciplinas de Graduação da UFABC disponível em:

http://prograd.ufabc.edu.br/catalogos-de-disciplinas-alunos


Sigla

Nome da Disciplina

Curso que oferece a Disciplina

NHZ2092-16

Arte e ensino

Licenciatura em Filosofia

MCZC010-15

Atenção e Estados de Consciência

Bacharelado em Neurociência

ESHP004-13

Cidadania, Direitos e Desigualdades

Bacharelado em Políticas Públicas

NHZ2093-16

Corpo, sexualidade e questões de gênero

Licenciatura em Filosofia

NHH2008-13

Ética: Perspectivas Contemporâneas

Bacharelado em Filosofia

MCZB035-17

Evolução dos Conceitos Matemáticos

Bacharelado em Matemática

NHZ2094-16

Filosofia Africana

Licenciatura em Filosofia

MCZB036-17

Filosofia da Matemática

Bacharelado em Matemática

MCTB015-17

Funções de Variável Complexa

Bacharelado em Matemática

MCZB009-13

Geometria Não-Euclidiana

Bacharelado em Matemática

NHZ5016-15

História da Educação

Licenciaturas

NHZ2044-11

História das Ciências no Brasil

Licenciatura em Filosofia

MCZC014-15

Introdução à Bioestatística

Bacharelado em Neurociência

MCZB015-13

Introdução à Criptografia

Bacharelado em Matemática

MCTC014-13

Introdução à Inferência Estatística

Bacharelado em Neurociência

MCZC003-15

Introdução à Psicolinguística e Neurociência da Linguagem

Bacharelado em Neurociência

NHI2049-13

Lógica Básica

Bacharelado em Filosofia

MCZC013-15

Memória e Aprendizagem

Bacharelado em Neurociência

BHP0202-15

Pensamento Crítico

Bacharelado em Ciências e Humanidades

MCTA017-17

Programação Matemática

Bacharelado em Ciência da Computação

MCTC011-15

Psicologia Cognitiva

Bacharelado em Neurociência

MCTB022-17

Sequências e Séries

Bacharelado em Matemática

NHZ5015-15

Teoria do Conhecimento Científico

Licenciatura em Filosofia

MCTA027-17

Teoria dos Grafos

Bacharelado em Ciência da Computação

MCTB026-17

Topologia

Bacharelado em Matemática

ESHR021-13

Trajetória Internacional do Continente Africano e do Oriente Médio

Bacharelado em Relações Internacionais



1 BRASIL. LEI Nº 13.005, DE 25 DE JUNHO DE 2014. PNE, link: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

2 < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192 > Acesso: 17 de agosto de 2016.


3 IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

4 BRITO, M.R.F. ENADE 2005: Perfil, desempenho e razão da opção dos estudantes pelas Licenciaturas. Avaliação, Campinas: Sorocaba, SP, v.12, n.3, p.401-443, set.2007.

5 GATTI, B. A. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr. 2014.

6 <http://portal.inep.gov.br/saeb> Acesso: 17 de agosto de 2016.

7 IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

8 Projeto Pedagógico do BC&T, disponível em: <http://www.ufabc.edu.br/images/stories/pdfs/administracao/ConsEP/anexo-resolucao-188-revisao-do-ppc-bct-2015.pdf> Acesso em 17 de Agosto de 2016.

9 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9394/96.

10 <http://sisu.mec.gov.br/>Acesso: abril de 2016.

11 <http://portal.inep.gov.br/enem> Acesso: junho de 2016.

12 As Resoluções ConsEPE estão disponíveis para consulta em:

<http://www.ufabc.edu.br/index.php?option=com_content&view=category&id=427&Itemid=42> Acesso: junho de 2016.

13 http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf Acesso em 20 de agosto de 2016.

14 http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf. Acesso em 20 de agosto de 2016.

15 <http://www.ufabc.edu.br/images/stories/pdfs/administracao/ConsEP/anexo-resolucao-188-revisao-do-ppc-bct-2015.pdf> Acesso: junho de 2015.

16 O catálogo geral de disciplinas está disponível em:

. Acesso: maio de 2017.


17 Resolução CNE/CP no 1, de 30/05/2015

18 http://proap.ufabc.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=47&Itemid=159


19 http://www.ufabc.edu.br/administracao/conselhos/consepe/resolucoes/resolucao-consep-no-43-071209-dispoe-sobre-normas-gerais-para-as-atividades-complementares-do-bcat


20 IES – Instituição de Ensino Superior.

21 Texto extraído do PPC do BC&T: http://antigo.ufabc.edu.br/images/stories/pdfs/administracao/ConsEP/anexo-resolucao-188-revisao-do-ppc-bct-2015.pdf Acesso em 12 de junho de 2017.

22 Disponível em: <http://biblioteca.ufabc.edu.br/> Acesso em 12 de junho de 2017.

23 Portaria nº 202/2013. Disponível em <http://prograd.ufabc.edu.br/images/pdf/portaria_202_procedimentos_seguranca_laboratorios.pdf > Acesso: 12 de junho de 2017.


24 Regulamenta os arts. 10 e 12 da Lei nº 12.155, de 23 de dezembro de 2009, que tratam da concessão de bolsas para desenvolvimento de atividades de ensino e extensão universitária.

25CURY, C.R.J. Trinta por trinta: dimensões da pós-graduação em educação. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/30ra/sessoes_especiais/Cury.pdf


26 NARDI, R.; GONÇALVES, T. V. O. A pós-graduação em ensino de ciências e matemática no Brasil: memórias, programas e consolidação da pesquisa na área São Paulo: Livraria da Física, 2014.


27 http://graduacao.ufabc.edu.br/licmat/index.php/nucleo-docente-estruturante. Acesso em jun2017.

28 < http://portal.mec.gov.br/index.php?catid=323:orgaos-vinculados&id=13082:apresentacao- conaes&option=com_content&view=article> Acesso: junho de 2015.

29 Parecer CONAES nº 4, de 17 de junho de 2010, sobre o Núcleo Docente Estruturante – NDE.

30 Resolução nº 01, de 17 de junho de 2010 que normatiza o Núcleo Docente Estruturante.

31 http://graduacao.ufabc.edu.br/licmat/index.php/lista-de-docentes acesso em jun2017.

32 Informações detalhadas sobre as áreas de formação e atuação específicas dos docentes estão disponíveis em: <http://www.ufabc.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=899&Itemid=153> Acesso: junho de 2017.



Compartilhe com seus amigos:
1   ...   5   6   7   8   9   10   11   12   13


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal