Projeto politico pedagogico



Baixar 0.5 Mb.
Página1/5
Encontro14.02.2018
Tamanho0.5 Mb.
  1   2   3   4   5


COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ DE ANCHIETA - ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO


PROJETO POLITICO PEDAGOGICO


DOIS VIZINHOS, 2013





1- APRESENTAÇÃO
O Projeto Político Pedagógico é um instrumento originado de uma elaboração coletiva que resgata e orienta a unidade do trabalho escolar e garante que não haja uma divisão entre os que planejam e os que executam. Elaborando, executando e avaliando de forma conjunta, tem uma nova lógica. Todos os segmentos planejam garantindo a visão do todo, e todos executam mesmo que apenas parte desse todo, com isso de posse do conhecimento de todo o trabalho escolar, os diversos profissionais e segmentos envolvidos (gestores, técnicos administrativos, agentes de apoio, docentes, discentes, pais e comunidade escolar) cumprem seus papéis específicos, sem torná-los estanques e fragmentados. Todos se tornam partícipes da prática educativa e, portanto, educadores. Assim sendo, viu-se a necessidade de organizar o trabalho pedagógico do Colégio e procurou-se através deste Projeto elaborar, discutir e planejar a finalidade a que a escola estaria servindo. Iniciou-se assim com vários estudos e discussões uma interação entre os diversos segmentos que compõem o âmbito escolar – os professores, funcionários, alunos, Conselho Escolar, APMF (Associação de Pais, Mestres e Funcionários) e outros componentes da comunidade. Resultou assim de vários momentos de reflexão entre alunos, professores, pais, funcionários e equipe pedagógica.

Com os professores e funcionários, discutiu-se sobre o contexto em que a escola está inserida, explicitando o que temos em nossa realidade e também o que queremos, sonhos e expectativas através do trabalho realizado no âmbito escolar.

Os pais e estudantes foram envolvidos em debates para expor e argumentar sobre a função da escola, o que ela está oferecendo ao aluno, em que aspectos está servindo à comunidade e em quais poderia melhorar. A questão pedagógica foi bastante discutida pelos pais, bem como seus anseios de mudanças necessárias para atender efetivamente às necessidades de seus filhos.

Os estudantes participaram da discussão e expuseram seu ponto de vista com maturidade e responsabilidade, demonstrando que possuem uma ampla visão do contexto escolar.

Outros momentos foram utilizados pelos professores para estudos, reflexão e sistematização de ideias sobre vários pontos relevantes ao bom andamento das aulas como o Plano de Trabalho, avaliação, disciplina, dificuldades de aprendizagem e gestão democrática.

A todos foi explicitado o que é um Projeto Político-Pedagógico e a importância de sua construção coletiva e que este deve contemplar a organização do trabalho escolar, suas especificidades, níveis e modalidades de ensino.

A partir desta reflexão foi possível definir como a escola poderia desenvolver suas atividades para proporcionar ao educando um ambiente digno, ético, saudável, respeitoso, com qualidade de ensino, boa convivência e que propicie a ele, ao máximo possível, o desenvolvimento de suas potencialidades. Ao mesmo tempo, um bom ambiente de trabalho para os profissionais que nele atuam e desta forma, a instituição estará atendendo a finalidade social a que se destina.

2- IDENTIFICAÇÃO:
O Colégio Estadual José de Anchieta – Ensino Fundamental e Médio está situado à Rua das Orquídeas, nº 219, Bairro Jardim da Colina, Dois Vizinhos – Paraná. O e-mail da instituição é dvzjoseanchieta@seed.pr.gov.br, o site www.dvzjoseanchieta.seed.pr.gov.br e o telefone é (46)3536-4063.

O trabalho pedagógico vem sendo debatido em torno da forma como a relação entre o que se ensina e o que se aprende se manifesta. Além de passar pela compreensão do currículo, passa pela concepção de ensino-aprendizagem.

Ensinar e aprender são processos inseparáveis, isso ocorre porque o ato de ensinar “é o ato de produzir, direta e intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens” (SAVIANI, 1995, p.17). A efetivação deste processo se concretiza quando o indivíduo se apropria dos elementos culturais necessários à sua formação e à sua humanização.

Nada mais democrático do que ensinar com o compromisso de que haja aprendizagem de todos os alunos. Contudo, a forma, o tempo e o entorno pelo qual se aprende, por parte dos sujeitos, são diferentes. Não se trata de negligenciar o que deve ser ensinado em nome das dificuldades do sujeito, deve-se sim, modificar as formas de mediação para que ele de fato aprenda.

Segundo Vigotsky (1984) “a aprendizagem é um processo histórico, fruto de uma relação mediada e possibilita um processo interno, ativo e interpessoal”. O conhecimento é, portanto, fruto de uma relação mediada entre o sujeito que aprende, o sujeito que ensina e o objeto do conhecimento. Os processos de produção do conhecimento permitem ao aluno sair do papel de passividade e fazer parte dessa relação, através do desenvolvimento de suas funções psicológicas superiores, entre elas a linguagem.

Esta defesa da dimensão política da educação, da indissociabilidade entre o ensino e a aprendizagem, entre o fazer e o pensar, do movimento dialético de apropriação do conhecimento que possibilite compreender o real em suas contradições, são algumas das defesas da abordagem histórico-cultural defendida e ancorada pela nossa instituição.



2.1- Aspectos históricos e descrição do espaço físico
O funcionamento da instituição foi autorizado pela Resolução Conjunta nº 97/82 de 21 de julho de 1982, iniciando seu atendimento como Complexo Escolar Dr. Bento Munhoz da Rocha Neto, com plano de implantação aprovado pelo parecer nº 172/78, homologado pela Resolução nº 271/79, sistema de avaliação aprovado pelo parecer nº 197/82, homologado pela Resolução nº 2020/82 de 28 de julho de 1982. Sendo estabilizada pela Resolução nº 2177/83, a parte documental plano de implantação deu- se pela Resolução nº 2271/85 de 14 de maio de 1985 e publicada em Diário Oficial de 28 de maio de 1985.

Atualmente o Colégio possui 17 salas de aula, sendo que três delas são utilizadas para outros fins, pois a escola não dispõe de salas diferenciadas para secretaria, sala de professores e funcionários. Atende educandos de 6º a 9º ano do Ensino Fundamental de nove anos e 1º a 3º Ano do Ensino Médio Regular. A partir de 2012, de acordo com a Resolução 07/2010 - CEB/CNE que fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos, sendo implantado simultaneamente os quatro anos finais do Ensino Fundamental já em 2012. Assim sendo, os alunos que no ano letivo de 2011 frequentaram, a 5ª série do Ensino Fundamental de oito anos, matricularam-se no 7º ano do Ensino Fundamental de Nove anos permanecendo no Ensino Fundamental até completar o nono ano de estudos. Neste sentido, a metodologia adotada para estas turmas a partir de 2012, será adaptada levando em conta que haverá uma maior exigência por parte dos profissionais da educação quanto ao conteúdo, pois, o livro didático utilizado com, traz uma proposta mais complexa, contemplando maior quantidade de conteúdos. Os demais educandos que encontram-se no 5º ano do Ensino Fundamental de Nove anos, matricular-se-ão a partir de 2012 naturalmente no 6º ano, não necessitando portanto, de muitas adaptações quanto à metodologia das disciplinas.

A sala dos professores é uma sala de aula como as outras, e está sendo utilizada pelos professores nos períodos matutino, vespertino e, noturno, pelas instituições Escola Municipal Jardim da Colina e Colégio Estadual José de Anchieta em turnos opostos.

A biblioteca do Colégio é ocupada exclusivamente por livros de pesquisa, enciclopédias e livros de literatura, mapas e demais materiais de pesquisa que são utilizados em momentos de leitura tanto na escola, quanto em casa.

O prédio contém um laboratório de Física, Química e Biologia e outro de Informática. Conta ainda com uma Sala de Apoio para 6º e 9º e uma Sala de Recursos Multifuncional utilizada exclusivamente para este fim.

A quadra do Colégio é coberta, porém em dias chuvosos impossibilita a aula prática, porque não há passarela coberta que conduza os alunos e professores até este ambiente e está com as laterais inacabadas, permitindo que a chuva molhe o espaço.



2.2 - Função social e objetivos gerais da instituição
É função da escola possibilitar e facilitar a todos o acesso aos conhecimentos historicamente produzidos pelo homem de forma qualitativa. Tem como prioridade o estudante e a aprendizagem. Objetiva a inclusão, a emancipação, o combate às desigualdades sociais e desalienação dos trabalhadores, com princípios de igualdade entre todos.

É importante viabilizar o desenvolvimento de suas habilidades intelectuais e físicas para a intervenção na sua realidade, tendo posse da cultura letrada e dos instrumentos mínimos para o acesso às formas modernas de trabalho.

Assim, contribui com a formação dos estudantes nos aspectos culturais, antropológicos, econômicos e políticos, para que este desempenhe seu papel de cidadão no mundo. A escola é em sua essência pluralista, admitindo correntes de pensamentos divergentes, com respeito às diversidades.


3- MARCO SITUACIONAL
Vivemos em uma sociedade injusta, com má distribuição de renda. A sociedade hoje é o reflexo da colonização do país, perpetuando a dominação e a imposição do poder por aqueles que detêm o capital.

Sendo assim, vemos a necessidade de defender o acesso das camadas populares, ao conhecimento científico produzido historicamente pelos homens. Notamos que há um desvirtuamento do papel social da escola devido à implementação de programas assistenciais dos governos à maioria da população brasileira, ao invés da implementação de políticas sociais adequadas a esta camada da população.

Sabemos das lutas sociais no Brasil - por terra, melhores salários, habitação, assistência à saúde e educação - que estão demarcadas pelos limites de uma sociedade onde as relações sociais de produção obedecem à lógica capitalista e que buscam a superação desta ordem. Os educadores acreditam que a luta organizada na defesa da escola pública, gratuita e de qualidade, ainda tem de ser travada por todos que compreendem sua importância e significado político.

A educação é determinada pela sociedade, pois abrange a dinâmica das mudanças sociais, das interações pessoais e profissionais e desenvolve seus objetivos mediante a participação conjunta de seus profissionais e estudantes. Consequentemente, a educação também interfere sobre a sociedade, contribuindo para sua própria transformação.

O maior desafio é quebrar esse ciclo de dominação para que todos tenham igualdade de condições sentindo-se cidadãos críticos, capazes de sonhar e buscar a realização de seus objetivos.

Hoje os saberes são repassados pela escola de forma homogênea para classes heterogêneas, o trabalho está se encaminhando cada vez mais para atender a todos, com um currículo que contempla a educação do campo, indígena, educação especial, entre outros. Para que a escola atenda a todos com qualidade, ainda é necessário maior espaço físico, materiais de qualidade e em maior quantidade, com o número adequado de profissionais capacitados nas diversas áreas. Nesta perspectiva, o trabalho na escola deverá ser aquilo que fundamentalmente humaniza e possibilita o desenvolvimento humano.

A maioria dos estudantes da nossa escola são filhos de pais de classe trabalhadora e sub-empregados, a outra parte é trabalhador rural. Durante o período da manhã a maioria dos nossos alunos estão sob os cuidados dos educadores na escola e no período da tarde e da noite geralmente ficam sozinhos em casa devido ao período de trabalho dos pais. Assim, muitos ficam pelas ruas por não estarem supervisionados. Uma parte é do meio rural e usa o transporte escolar para frequentar a escola. Há ainda alunos que trabalham durante o dia e vêm para a escola à noite.

Temos alunos em diferentes níveis sociais e devido ao baixo nível de consciência com relação à importância da escola, demonstram pouco interesse, pouca motivação, sem sonhos e perspectivas, porém alguns demonstram comprometimento e preocupação com o aprendizado, compreendem a importância da educação escolar para o seu sucesso presente e futuro. Trabalhamos para que os alunos sejam críticos, participativos, comprometidos com o seu crescimento intelectual e com a melhoria da sociedade em que vivem, atendemos a todos e procuramos instigá-los sempre na superação de seus obstáculos para a transformação da sociedade e melhoria de vida.

O lazer de nossos alunos muitas vezes se restringe ao espaço da escola, não tendo opções construtivas ficam à mercê da marginalidade, como a prostituição, uso e tráfico de drogas lícitas e ilícitas, roubos e vandalismo.

O professor de nossa escola busca os caminhos para a melhoria da educação, procurando uma formação continuada, visando o desenvolvimento integral do aluno, contudo, angústia-se diante de tantos percalços cotidianos.

Os funcionários do Colégio são prestativos, participativos, preocupados em desempenhar seu papel da melhor maneira possível, auxiliando na formação social do aluno, buscam participar de cursos de formação para se adequarem às constantes mudanças que ocorrem tanto na Secretaria quanto nos Serviços Gerais. Participam juntamente com os professores, direção e equipe pedagógica das capacitações previstas no calendário escolar, ou quando surge algum momento de formação proposto pela SEED sobre temas específicos na sua área de atuação no Colégio.

A escola que temos é despreparada estruturalmente, pois, na execução do processo educativo, esta instituição de ensino encontra dificuldades no que se refere à sua estrutura material e humana.

Os recursos financeiros vindos através das verbas do governo são insuficientes para atender as necessidades de manutenção do espaço físico do colégio. No quadro de pessoal, como em todas as escolas paranaenses, não existem professores a disposição para substituir os professores que encontram-se em atestado médico de até três dias ou quando convocados para fazer cursos oferecidos pela Secretaria Estadual de Educação – SEED. Nestes casos, para os alunos não ficarem sem aula, o professor pedagogo realiza o atendimento aos mesmos, comprometendo assim, o seu próprio trabalho. Em termos pedagógicos, percebe-se que alguns professores apresentam carência em sua formação, pois, em sua prática não levam em consideração as dificuldades dos educandos, a necessidade da atenção mais individualizada às suas peculiaridades, aumentando assim, os índices de reprovação dos mesmos.

No geral, trabalhamos na busca de uma escola melhor estruturada que valorize o educando e o educador e que atenda às expectativas da comunidade.

Temos professores com diferentes níveis de comprometimento, mas todos estão em constante formação, conscientes de seu papel na formação do cidadão, porém, insatisfeitos pela falta de valorização profissional.

Os professores e funcionários contam com Plano de Carreira que busca valorizá-los ao longo de sua vida profissional. O que se almeja é que estes profissionais da educação também sejam valorizados pessoal e profissionalmente pela sociedade, para que se sintam cada vez mais comprometidos, motivados e satisfeitos com o trabalho.

Nos últimos anos, devido ao desempenho escolar e aos números de aprovação, percebe-se que houve bom desempenho dos professores, equipe pedagógica e também dos pais na prática com os discentes. Porém, não se alcançou ainda os resultados almejados, pois a meta da instituição é que 100% dos alunos matriculados e ativos sejam aprovados com os conhecimentos básicos adquiridos.

Diferentes estratégias são adotadas pelo coletivo escolar àqueles educandos promovidos com poucas condições à série seguinte, principalmente aos aprovados por Conselho de Classe, visando recuperar os referidos alunos do “atraso” apresentado na série que se encontram. Uma delas é a Sala de Apoio para os educandos que frequentam o 6º e o 9º ano do Ensino Fundamental, bem como de outros anos esporadicamente, quando houver necessidade, implantada no início do ano de 2005 e a Sala de Recursos para oferta de atendimento educacional especializado.

No colégio oferta-se um atendimento individualizado aos alunos com maiores dificuldades, com auxílio constante em sala de aula e diálogo com os pais e/ou responsáveis para que auxiliem seus filhos quanto à responsabilidade com o material e tarefas, tempo para leituras e valorização do estudo, orientando-o na medida do possível para sanar as dificuldades enfrentadas pelo educando. O Colégio possui equipe multidisciplinar, formado por professores das áreas específicas, equipe pedagógica, direção e funcionários que atuam na busca da minimização e solução dos problemas que se apresentam, principalmente os de dificuldades de aprendizagem. Porém não possui atendimento de profissionais de saúde como psicólogo entre outros.
3.1- Participação dos pais na vida escolar dos filhos
Os pais participam, na medida do possível, das decisões da escola e no acompanhamento do aprendizado dos filhos. Sabemos que o interesse ou desinteresse por parte da família é uma questão cultural, algumas não vêem necessidade de envolvimento com a escola, preferem ficar neutros e acomodados.

Ao serem questionados através de perguntas elaboradas pela equipe pedagógica, professores e funcionários sobre a função da escola, para que ela serve, os pais responderam que vem contribuir na formação das crianças tornando-as cidadãs, com responsabilidade e comprometimento, desenvolvendo seus talentos. E que a escola realmente vem oferecendo ao educando, conhecimento, educação, relacionamento interpessoal e oportunidade de crescer como pessoa.

E quando questionados a respeito de como a escola deve ser para que sirva a sociedade, concluíram que precisa ser organizada, justa, aberta a sugestões e críticas da sociedade. Com profissionais preparados para auxiliar a formação, com salas amplas, laboratórios e material de apoio.

Após perguntarmos se a escola vem atendendo às suas necessidades, responderam que em parte, pois tenta respeitar os direitos do cidadão, mas falta muito ainda, percebe-se a falta de recursos materiais. Segundo eles, os governantes precisam valorizar mais a educação.

Analisaram que é impossível termos uma sociedade justa e igualitária sem a parceria entre família e escola, pois é através da família e da escola que o ser humano busca seus direitos de igualdade. Responderam ainda que a escola contribui para o desenvolvimento integral do ser humano, pois atua como um todo: Todos os profissionais da educação trabalhando para o reconhecimento do educando como sujeito de sua própria aprendizagem com a melhor qualidade possível. Também argumentaram que a equipe do colégio procura fazer o elo entre a família e a escola, agindo democraticamente segundo os anseios da comunidade e argumentaram: “nós, pais, deixamos a desejar no que se refere à participação nas Instâncias Colegiadas, porém, temos a oportunidade de participar democraticamente das decisões, assim como os alunos”.

Durante a construção deste projeto, considerou-se importante informar os pais/ responsáveis sobre o trabalho que estava sendo desenvolvido no interior da escola, para isto, recorremos a momentos específicos em que poderíamos entrar em contato com a família e procuramos esclarecer o que era e o que se pretendia ao realizar este trabalho. Nas reuniões, os familiares presentes foram esclarecidos, puderam questionar e sanar suas dúvidas. Aqueles que em nenhuma das reuniões compareceram, puderam conhecer o projeto através de um material escrito juntamente com um questionário enviado pelo colégio, a todas as famílias. Esta foi a forma encontrada para informar e envolver os pais, solicitando suas opiniões, críticas e sugestões.

A maioria das famílias foi muito prestativa, conversando com os filhos, respondendo e devolvendo os questionários ao colégio.

Em 2012, a Direção realizou uma pesquisa com todos os pais, na qual foi sugerido que estes avaliassem o trabalho da escola, levantando críticas sobre a mesma, sugerindo, considerando, enfim, que expusessem suas impressões, expectativas referente a escola de seus filhos. A partir disso, pode-se fazer as seguintes considerações:



  • Que a escola crie oportunidades de maior participação das famílias, seja em momentos de formação como em confraternização;

  • É preciso melhorar a dinâmica de algumas aulas;

  • Direção e funcionários devem manter seu papel atuante e participativo na educação;

Pode-se dizer que, na sua maioria, os pais não são assíduos na participação da vida escolar de seus filhos. Vêm à escola eventualmente, quando convocados para reuniões bimestrais, ou ainda, extraordinariamente, por motivo de transtornos ocasionados pelo filho no ambiente escolar e que merece o acompanhamento dos pais na tentativa de minimização do problema.

Em 2013, a Secretaria de Estado da Educação (Seed), tendo em vista a busca pela melhoria da qualidade da educação paranaense, propôs durante a semana pedagógica do início do ano de 2013 uma autoavaliação institucional envolvendo todas as escolas da rede estadual e equipes dos NREs–Núcleos Regionais de Educação.

A partir dos resultados apresentados, criou-se o Plano de Ações Descentralizadas (PAD), do qual participa este estabelecimento, que tem o intuito de assessorar todos os estabelecimentos de ensino na realização do plano de ações referentes à diminuição das taxas de abandono, reprovação, aprovação por conselho de classe; à melhoria da proficiência em leitura e interpretação de textos e à resolução de problemas de forma disciplinar e interdisciplinar.
3.2- Organização da hora atividade
Dentre as conquistas que o sistema de ensino obteve, está a hora atividade. Os professores buscam neste momento organizar a sua atividade pedagógica, preparando aulas, lendo textos, corrigindo trabalhos e provas, conversando com a equipe pedagógica sobre a aprendizagem dos educandos.

Entretanto, nem sempre há condições de conciliar professores de uma mesma disciplina e/ou área no mesmo horário para a hora-atividade, pois a escola é grande e os professores têm horários específicos entre uma escola e outra. A escola tem que se adaptar a essas particularidades, devido também à rotatividade de professores, apesar de sabermos que seria importante para educadores e estudantes que trocassem experiências para enriquecer o trabalho pedagógico. O espaço utilizado para isto é a sala dos professores, o laboratório de informática e a biblioteca da escola.


3.3- Organização do tempo na escola
A organização de tempo na escola é seriada, contemplando de 6º a 9º ano do Ensino Fundamental e ainda 1ª a 3ª série do Ensino Médio. Temos 5 horas-aula diárias e um total de 25 horas-aula semanais.

3.4- Índices de Aprovação – IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica)








Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal