Práticas educacionais e saberes pedagógicos difundidos pela escola dominical presbiteriana



Baixar 52.12 Kb.
Encontro16.01.2018
Tamanho52.12 Kb.

PRÁTICAS EDUCACIONAIS E SABERES PEDAGÓGICOS DIFUNDIDOS PELA ESCOLA DOMINICAL PRESBITERIANA
Nicole Bertinatti

Universidade Tiradentes

E-mail: nicolebertinatti@yahoo.com.br

Ester Fraga Vilas-Bôas Carvalho do Nascimento

Universidade Tiradentes

E-mail: ester.fraga@uol.com.br


Eixo Temático 2: História das Instituições e Práticas Educativas

RESUMO:
Este texto propõe apresentar o modelo pedagógico das Escolas Dominicais Presbiterianas no Brasil, caracterizando-as como um espaço de educação extra-escolar presente nas igrejas protestantes. Fundada na Inglaterra, no ano de 1781, estudos realizados até então evidenciam que no Brasil a primeira Escola Dominical foi organizada pelo missionário metodista Justin Spaulding em 1836. No entanto, devido a dificuldades, a missão metodista encerrou-se no ano de 1841 abolindo, consequentemente, a Escola Dominical, a qual voltou a ser implantada definitivamente em 1855, pelo ministro protestante Robert Reid Kalley e sua esposa Sarah Poulton Kalley, vinculados à Igreja Congregacional, no Rio de Janeiro. Já a igreja presbiteriana organizou sua primeira Escola Dominical, também naquela cidade, em abril de 1860, através do missionário Ashbel Green Simonton. Este estudo tem como objetivo analisar de que maneira as Escolas Dominicais Presbiterianas eram organizadas, verificando a metodologia utilizada nas mesmas. O recorte teórico-metodológico está pautado em Roger Chartier (1999), Dominique Julia (2001), Jorge Nascimento (2008) e Carlo Ginzburg (2007), os quais oferecem categorias de análise como representações, cultura escolar, educação extra-escolar e método indiciário. A pesquisa apresentada se encontra em andamento e justifica-se pela ausência de estudos referentes às práticas educacionais das Escolas Dominicais Presbiterianas na história da educação brasileira. Este trabalho insere-se na perspectiva da Nova História Cultural, a qual permite aos estudiosos de História da Educação explorar outras áreas do conhecimento que venham enriquecer suas pesquisas. Um dos procedimentos utilizados é o método indiciário, elaborado por alguns historiadores, como é o caso do italiano Carlo Ginzburg (2007), para auxiliar no desvelamento de práticas educacionais e culturais. Esse método explicita a condição de que o pesquisador deve estar sempre atento as minúcias do texto, não se baseando somente nas características mais visíveis mas nas particularidades que o forma. As fontes utilizadas para o embasamento deste texto foram Importância da Pedagogia Religiosa na Consolidação da Igreja Presbiteriana do Brasil (KERR, 1925) e a Primeira Convenção Regional das Escolas Dominicais no Rio de Janeiro (REIS, 1909). Os resultados parciais apresentam a Escola Dominical como um espaço de realização de práticas pedagógicas, onde o principal objetivo era ensinar a doutrina protestante através da Bíblia. As Escolas Dominicais tornaram-se um espaço relevante de contato dos novos convertidos com a nova cultura religiosa, aprendendo a interpretar a Bíblia, a cantar hinos evangélicos e a orar a Deus.
PALAVRAS-CHAVE: Escola Dominical Presbiteriana; Práticas pedagógicas; Brasil.
INTRODUÇÃO
Na perspectiva da Nova História Cultural, este trabalho insere-se na História da Educação, a qual tem possibilitado aos pesquisadores exceder barreiras, permitindo aos mesmos fundamentar teoricamente seus objetos de estudos, trocando informações e explorando outras áreas do conhecimento que vem a enriquecer as suas pesquisas. Diante disto, alguns conceitos e procedimentos metodológicos tornam-se importantes para a compreensão deste texto.

Compreendo o método como uma maneira de proceder adequadamente diante de um determinado conteúdo, “o próprio método, portanto, passa a ser concebido como instrumento de trabalho, como ferramenta que pode ser bem ou mal utilizada” (GRESPAN, 2005, p. 293), o qual exigirá do pesquisador uma execução aguda na elaboração de seu procedimento, é o que norteia uma pesquisa. Um dos procedimentos úteis utilizados nessa pesquisa é o método indiciário, elaborado por alguns historiadores, como é o caso do italiano Carlo Ginzburg (2007) para auxiliar no desvelamento de práticas educacionais e culturais. Este método explicita a condição de que o pesquisador deve estar sempre atendo as minuciosidades dos textos, não se baseando nas características mais visíveis e sim nas particularidades que forma o todo.

Este trabalho propõe analisar as práticas de educação extra-escolar, levando em consideração que as práticas de ensino podem ser realizadas também fora dos muros das escolas, embasando-se no conceito de cultura escolar elaborado por Dominique Julia (2001) quando afirma que,
para além dos limites da escola, pode-se buscar identificar em um sentido mais amplo, modos de pensar e de agir largamente difundidos no interior de nossas sociedades, modos que não concebem a aquisição de conhecimentos e de habilidades senão por intermédio de processos formais de escolarização (JULIA 2001, p.11).
As Escolas Dominicais foram um dos mais eficazes meios de disseminação do Protestantismo no Brasil, pois serviu como a fonte mais segura de conversão dos católicos através da leitura e pregação da Bíblia. Cabe aqui ressaltar o conceito de representação, definido por Roger Chartier (1999), que diz que ao criarem representações, os indivíduos descrevem a realidade tal como pensam que ela é ou como gostariam que fossem. Dessa forma, os missionários viam nas Escolas Dominicais uma das maneiras de modificar a sociedade brasileira que, “no entendimento dos norte-americanos, ignorantes e supersticiosos sobre os preceitos bíblicos” (NASCIMENTO, 2007a, p.19).

Outro conceito útil para compreender as Escolas Dominicais como espaços educacionais é o de educação extra-escolar que, segundo Jorge Nascimento (2008, p. 8), deve-se compreender “as prerrogativas que são próprias à escola como agência educativa e aquelas que estão em outros espaços, outras agências de Educação organizadas pelas práticas da vida social”. A agência educativa refere-se à educação formal de uma escola, enquanto a agência de educação organizada caracteriza-se por uma educação com objetivos traçados e uma organização consciente, porém fora dos muros da escola, com uma atividade que visa um aprendizado. Esse tipo de organização e relação dependerá do meio social em que o indivíduo estiver inserido, pois, além de frequentar a escola, eles praticam e se inserem em outras atividades, as quais podem ser organizadas ou não. No caso das Escolas Dominicais, elas foram organizadas para atingir alguns objetivos, dos quais, sendo primordial o de conversão através de estudos da Bíblia.

Este texto tenta elucidar sobre o modelo de educação oferecida nas Escolas Dominicais Presbiterianas no Brasil. A pertinência deste tema para a História da Educação encontra-se na compreensão da repercussão dos métodos pedagógicos utilizados em instituições religiosas além de justificar-se pela insuficiência de estudos sobre esses métodos pedagógicos.

As principais fontes empregadas para a fundamentação deste texto foram os livretos intitulados Importância da Pedagogia Religiosa na Consolidação da Igreja Presbiteriana do Brasil (KERR, 1925) e a Primeira convenção regional das Escolas Dominicais no Rio de Janeiro (REIS, 1909).


O PROTESTANTISMO E A ESCOLA DOMINICAL
Os estudos realizados na História da Educação brasileira têm demonstrado que a religião e a educação sempre estiveram interligadas. Com a Reforma Protestante no século XVI, uma nova identidade religiosa desenvolveu-se e, consequentemente, alguns conceitos e valores também foram se modificando, uma vez que as pessoas passaram a ter acesso à leitura da Bíblia em sua língua vernácula, ao canto comum de hinos e as orações. Os reformadores publicavam impressos de linguagem popular, os quais favoreciam fácil acesso, possibilitando a leitura para os mais novos fiéis. O Protestantismo influenciou assim, as diferentes culturas e, no que se refere à Pedagogia, criou escolas e Igrejas Protestantes.

No Brasil, o Protestantismo começou a ser implantado no século XIX, com a circulação de impressos através do trabalho desencadeado pelas Sociedades Bíblicas, as quais eram associações voluntáriasi que utilizaram como estratégia a oração e o discurso para instalar igrejas e escolas, além disso, publicavam livros na imprensa e, antes mesmo de atuarem no Brasil, realizaram um programa em diversos países que tinha como intenção a divulgação da Bíblia na língua vernácula de cada povo. No Brasil venderam e distribuíram milhares de exemplares da Bíblia, além de livros, livretos, opúsculos, folhetos e panfletos.


Até a década de 50 do século XIX, foram introduzidos no Brasil aproximadamente 4.000 impressos protestantes pelas Sociedades Bíblicas, através de seus agentes e colportores. O agente geralmente era um missionário, com nível superior, e representante da instituição no país. O colporteur – palavra originária do francês – era o mascate, vendedor ambulante que levava sua mercadoria numa caixa de pinho quadrada. No Brasil, a palavra colporteur adquiriu outro sentido, passando a significar o vendedor de Bíblia (NASCIMENTO, 2007b, p. 93).

O plano de inserção do Protestantismo contava também com a implantação de escolas no Brasil, no caso a Escola Dominical que, “ao lado do culto doméstico dos ‘crentes’, tornou-se o núcleo de uma nova igreja e, em muitas localidades, a única igreja que o povo daquela área conhecia” (HAHN, 1989, p. 274). A Escola Dominical era uma parte importante do culto protestante, constituindo um caráter central de todas as suas igrejas.

A Escola Dominical é uma estrutura educacional caracterizada pelos ensinamentos bíblicos e pela doutrina de cada igreja protestante. A expressão dominical deve-se ao fato de acontecer aos domingos. Criada em 1781, por Robert Raikes, na Inglaterra, surgiu com o propósito de evangelizar crianças que ficavam sem atividade durante os serviços de domingo. A escola de Raikes tinha como objetivo principal alfabetizar através da Bíblia e do catecismo, além de ministrar aulas de religião, como a intenção de reformar a sociedade, modificando-lhes o caráter através dos ensinamentos bíblicos.

A idéia de instalar Escolas Dominicais logo se espalhou por diversos países e, no Brasil, a concretização de Robert Raikes foi seguido inicialmente pelo missionário metodista Justin Spaulding em 1836, ao implantar no Rio de Janeiro a Escola Dominical Sul-Americana, com mais de 40 crianças e jovens distribuídos em um total de oito classes. Contudo, a missão metodista encerra-se no ano de 1841 e, consequentemente, encerra também a Escola Dominical. Segundo Colsta (2010, p. 4), naquele mesmo ano ou em 1842, o Rev. Spaulding retornou aos Estados Unidos. A missão Metodista só teria o seu reinício definitivo no Brasil em 05/08/1867, com a chegada do Rev. Junius Eastham Newman (1819-1895)”.

Em 19 de agosto de 1855, o casal Sarah Poulton Kalley e Robert Reid Kalley implantou, em território brasileiro, na cidade de Petrópolis no Rio de Janeiro, a Escola Dominical de modo definitivo. Em sua própria casa, Sarah Kalley recebeu poucas crianças, ensinando-as cantos e orações, mas foi o suficiente para que o seu trabalho rendesse bons frutos e atingisse vários locais do Brasil. Em 1858, aquela Escola Dominical deu origem à primeira igreja protestante brasileira, a Igreja Evangélica Fluminense, local onde atualmente encontra-se instalado o Colégio Opção. Como conseqüência desta ação inicial, “até 1934, existiam 3.912 Escolas Dominicais com 14.832 professores e 166.164 alunos” (NASCIMENTO, 2007a, p. 18).

Com a ação missionária, o número de adeptos ao Protestantismo cresceu rapidamente e as casas evangélicas se expandiram, apesar de serem razoavelmente distantes. Sendo assim, o missionário Kalley orientou que todos que desejassem deveriam realizar em suas próprias casas o culto doméstico, assumindo a categoria de Escola Dominical, conduzida por leigos, faltando apenas os sacramentos, que deveriam ser feitos por um pastor. Com essa prática, as Escolas Dominicais foram crescendo e se organizando cada vez mais, passando então a serem organizadas em congregações, pequenas células da igreja e, por último, tornavam-se novas igrejas dirigidas por pastores. Essas novas igrejas passavam então a ser o centro de outras novas Escolas Dominicais, conduzidas novamente por leigos, até se concretizar uma nova igreja.

A ESCOLA DOMINICAL PRESBITERIANA
No Protestantismo a educação sempre esteve muito presente, sendo altamente valorizada, em especial pelos “reformados ou presbiterianos” (NASCIMENTO, 2004, p. 14), Eles acreditavam que todas as suas conquistas se dariam por meio da educação. Sendo assim, a Igreja Presbiteriana dos Estados Unidos da América,
criou, em 1837, a Junta das Missões Estrangeiras que, tinha por objetivo a difusão da fé evangélica (e da cultura norte-americana) entre outros povos do mundo, através das missões internacionais. Inicialmente enviou missionários para a Índia, Tailândia, China, Colômbia e Japão. O sexto país a ser contemplado foi o Brasil, para onde o primeiro missionário, reverendo Ashbel Green Simonton, foi enviado em 1859 (NASCIMENTO, 2004, p. 20).
Assim que Simonton chegou ao Brasil percebeu a importância de uma estratégia educacional e, um ano após sua chegada, em abril de 1860 criou, no Rio de Janeiro, a primeira Escola Dominical Presbiteriana do Brasil. Em sua própria casa, Simonton contou com a presença de cinco crianças e utilizou a Bíblia, o Catecismo e o livro O Peregrino, como instrumentos pedagógicos. Fundou a primeira Igreja Presbiteriana, também no Rio de Janeiro em 1862, assim como o primeiro jornal evangélico do país, a Imprensa Evangélica, em 1864.

De acordo com Nascimento (2008, p. 6, 12, 13) os presbiterianos norte-americanos começaram a organizar escolas protestantes a partir de 1870. Fundaram em São Paulo a Escola Americana, futuro Mackenzie College. Eles substituíram o método decorativo pelo indutivo, que tem como princípio partir de questões particulares para as conclusões generalizadas, e instituíram a co-educação dos sexos, enfatizando a experimentação e a verificabilidade, valorizando atividades, como os trabalhos manuais e a Educação. Oferecia os cursos primário, secundário e superior científico. O Mackenzie College seria a escola modelo da denominação, utilizando os métodos, os livros didáticos traduzidos e a organização, similares aos das escolas públicas de Nova Iorque. Na escola primária anexa ao Mackenzie College, conhecida como Escola Americana, os futuros professores praticavam o novo método de ensino, que se propunha a ser “concreto, racional e ativo, denominado ensino pelo aspecto, lições de coisas ou ensino intuitivo”, ou seja, aliar a observação e o trabalho numa mesma atividade.


Processos intuitivos era uma arte da minúcia, da dosagem, da gradação, que se queria fundada na observação de cada aluno, na experiência de cada situação, na concatenação minuciosa dos conteúdos de ensino pacientemente isolados e colecionados no cultivo de cada faculdade da criança numa ordenação que se pretendia fundada na natureza (CARVALHO, 2003, p. 28)
Para consolidar os novos princípios religiosos e sociais através das Escolas Dominicais, missionários presbiterianos norte-americanos iniciaram a produção de revistas pedagógicas religiosas, apresentando estratégias pedagógicas de remodelação das práticas religiosas e sociais através da apresentação de estudos bíblicos sistemáticos aplicados ao cotidiano. A instrução religiosa era dada aos alunos no próprio salão de culto ou numa sala anexa. Os alunos matriculados, que podiam ou não ser membros das Igrejas, eram classificados pela idade e, sob a direção de um professor, ou professora, estudavam a Bíblia e as doutrinas protestantes. Muitas vezes, os professores eram os próprios missionários e suas esposas, auxiliados pelos membros mais experientes da Igreja. As escolas dominicais presbiterianas eram abastecidas com as Revistas de Estudos Bíblicos publicadas pelo Conselho de Educação Religiosa do Brasil (NASCIMENTO, 2004).

De acordo com KERR (1925), os métodos de educação adotados pelas Escolas Dominicais precisavam condizer com a mudança na vida dos alunos. A reconstrução espiritual vinha, em primeiro lugar, da força divina, sendo realizada pelo Espírito de Deus. Desse modo, o professor e a organização escolar caracterizavam-se como ações humanas realizadas para que este processo ocorresse, portanto, estes precisavam ser bem preparados.

Sendo assim, todos os avanços da pedagogia moderna - distanciando-se da educação antiga - como na visão de Pestalozzi, que consiste na idéia de que o professor não deve simplesmente depositar conteúdos em seus alunos, como se a educação ocorresse de fora para dentro. Era preciso que o professor conhecesse o desenvolvimento físico, intelectual e moral dos mesmos, para que compreendesse como eles aprendem e então aplicaria métodos eficazes, assim, a educação ocorreria de dentro para fora. O professor estimularia a criatividade, desafiando seus alunos e auxiliando nas suas necessidades.

Baseando-se nisto, a Escola Dominical buscou adaptar o espaço físico de suas salas de aula para que realmente ocorressem os princípios da pedagogia moderna, com uma organização atraente e destinada conforme a idade. A Escola Dominical moderna conheceria e respeitaria a personalidade de seus alunos, sabendo da importância da imaginação e das gravuras, utilizar-se-ia disso para tornar o espaço agradável e atrair seus alunos para Cristo.

Diante disto, é possível perceber a preocupação das Escolas Dominicais em atender, de maneira coerente, a todas as faixas etárias, principalmente as crianças que, de acordo com Comenius (2006, p. 100), os “(...) anos da infância e da primeira educação depende todo o resto da vida, se os espíritos não forem, desde o princípio, suficientemente preparados para as circunstâncias de toda a vida, não haverá mais nada a fazer”. Para isso, atraíam-nas com muitas gravuras e imagens, além das salas devidamente ornamentadas. Uma das fontes aqui analisadas apresenta o modelo de organização das salas de aulas das Escolas Dominicais.



Figura I – Departamento de Principiantes ou Jardim de Infância. Fonte: KERR, W. C. Importância da Pedagogia na Consolidação da Igreja Presbiteriana do Brasil. São Paulo: Irmão Ferraz, 1925.

A figura demonstra a preocupação na organização das salas de aula para o jardim de infância, as cadeiras eram colocadas de maneira estratégica para que as crianças ficassem próximas e visualizassem a todos, sem mesas, facilitando as atividades destinadas a essa faixa etária, enquanto as cadeiras para os professores eram posicionadas atrás. A ornamentação da sala também fica evidenciada na figura. Já a sala de aula para o Departamento Primário apresenta algumas características distintas.





Figura II – Departamento Primário. Fonte: KERR, W. C. Importância da Pedagogia na Consolidação da Igreja Presbiteriana do Brasil. São Paulo: Irmão Ferraz, 1925.
As crianças, ricas em imaginação, também gostavam de ilustrações práticas e precisavam ser estimulada a isto, foi sugerido então ao professor, segundo Glenn, que fizessem analogias com as coisas materiais e espirituais. Glenn cita alguns exemplos como:
Aqui temos uma boa ilustração de pecado; esta linha é muito fraca e facilmente se quebra. Ajuntemos mais alguns fios e torna-se mais difícil a partir-se, se ajuntarmos mais alguns fios ainda, não se quebrará: Assim é a força do pecado, cada vez que se repete torna-se mais forte até que enfim é impossível escapar de seus laços (GLENN apud REIS, 1909, p. 18).
Esse exemplo foi um modelo de como o professor poderia encontrar ilustrações para quase todas as lições espirituais, de modo que as crianças ficassem interessadas e fosse algo prazeroso para elas.

Quanto aos métodos para ensinar os alunos maiores, os que compreendem idade superior a 15 anos, REIS (1909, p. 15) sugeriu que o professor e o superintendenteii procurassem “levá-los a Jesus”, fazendo-os se interessarem pelo desenvolvimento da escola, pois quanto mais interesse pela escola e engajados em atividades atrativas e prazerosas, menor seria o risco de perder esses membros e afastá-los da escola e, consequentemente, da Igreja. Caso contrário, isso poderia ser considerado “um erro estratégico”.

Para Braga (apud REIS, 1909, p. 14), o que mais prejudicava a Escola Dominical era “a falta de bom senso”, compreendido por ele como a ciência de fazer tudo direito. Sendo assim, a Escola Dominical não necessitava de pessoas excepcionais ou condições extraordinárias, pelo contrário, bastaria ter bom senso, fazer tudo correto, começando pela escolha do professor. Os missionários estavam cientes de que cada cidade e cada povo possuem costumes distintos, variando até de bairro para bairro, o que ocasionava a variação dos métodos de ensinar aos maiores, cada qual atendendo a sua realidade, porém, tinham escolhas que deveriam ser feitas com o mesmo cuidado em todas as Escolas Dominicais, pois uma das situações que mais a prejudicava era a má escolha dos professores, que muitas vezes era feita “devido antes ao parentesco com membros e oficiais da igreja do que as suas aptidões” (REIS, 1909, p. 14).

O professor destinado ao ensino dos maiores, antes de tudo, deveria ser conhecedor profundo da Palavra de Deus, além de ter paciência, tato e firmeza. Jamais poderia tratá-los como crianças, a fim de fazer com que passassem vergonha, e lembrar sempre de que estes alunos já possuíam suas próprias idéias e pensavam por si mesmos. O professor também ganharia a confiança de seus alunos sendo sincero com eles, por exemplo, em uma situação em que um aluno fizesse um questionamento para o professor e este não soubesse responder, não deveria enganá-lo ou ignorar sua fala, pelo contrário, deveria admitir que não tinha conhecimento da resposta, pedindo-lhe um prazo para que pudesse pesquisar e então responder. O aluno assim sentiria confiança para com o professor, pois este teria sido honesto em assumir que não sabia.

O bom professor, além das qualidades e competências já descritas, deveria também ser pontual em suas aulas, pois uma das causas da falta de êxito em muitas classes era justamente a impontualidade do professor, este que “chega depois da hora, não tem a força moral precisa para incitar os alunos a serem pontuais e, o que é mais grave, pela sua conduta como instrutor eleva a impontualidade a altura de um princípio perante seus alunos” (REIS, 1909, p. 14), ou seja, o professor deveria ser o exemplo. Braga cita ainda que não se espantaria se os alunos que frequentavam uma Escola Dominical, cujos professores se atrasassem para as aulas, passassem a se atrasar diante de suas obrigações quando adultos, afinal, tomariam como princípio o atraso do professor, o qual serviu de exemplo.

Ter bom senso e saber selecionar bem os professores para que estes conquistassem a confiança dos alunos, contemplaria uma Escola Dominical de sucesso e interesse para os alunos maiores, sem que estes se afastassem da Palavra de Deus e da Escola Dominical.

Glenn mencionava que o professor deveria ter um planejamento do seu trabalho. Precisaria calcular o tempo da lição e procurar atividades para preencher a hora, sem exageros, para não sobrecarregar as crianças, porém, sem muito tempo ócio, pois se as atividades acabassem antes do horário a turma ficaria dispersa e uma turma de crianças não poderia ficar parada, se elas não tivessem com o que se distrair o professor acabaria perdendo o domínio da classe, afinal, “se ele mesmo não guia a classe, esta há de guiá-lo” (GLENN apud REIS, 1909, p. 17). Por isso, para não perder a ordem e o domínio, o professor deveria planejar suas aulas com atividades interessantes e ocupando todo o horário previsto.

Reforçava ainda, para o professor “como ensinar?” que consistia em o professor falar breve e concisamente. Seus questionamentos para a turma sobre as lições deveriam ser bem diretos e claros, de maneira que a criança logo compreendesse a pergunta e fosse capaz de responder sem fazer confusão em seu pensamento, uma boa pergunta consistia em ter clareza. A classe que já estivesse mais adiantada e seus alunos fossem alfabetizados, o professor deveria acompanhar a leitura explicando cada passagem da história, já aquelas turmas em que as crianças ainda não soubessem ler, o professor contaria a história de maneira com que elas pudessem imaginar cada cena em “tempo real”.

No entanto, a Escola Dominical e a educação religiosa também encontraram vários obstáculos nas igrejas do Brasil, como a constatação do alto nível de analfabetos, principalmente nas zonas rurais. Isto se apresentou como um problema para a Escola Dominical, onde a única medida nessa situação era colocar em prática o programa de Raikes, criando classes de alfabetização. Outro obstáculo foi a utilização dos métodos baseados na pedagogia moderna, pois muitas pessoas apresentaram objeções quanto à organização ou à utilização desses métodos, o que “é natural. Todas as idéias novas são combatidas” (KERR, 1925, p.22).

A falta de literatura para auxiliar os professores de crianças entre três e sete anos, assim como a incompatibilidade da literatura para alunos de nível intermediários e para as igrejas rurais, pois nenhuma se adaptava à realidade, foram outros problemas enfrentados. Porém, o maior dos obstáculos era “a falta de professor habilitado. O bom professor supre todas as lacunas” (KERR, 1925, p.26).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os resultados aqui reunidos apresentam a Escola Dominical como uma prática pedagógica, onde o principal objetivo era ensinar a doutrina protestante através da Bíblia. As Escolas Dominicais foram um dos mais eficazes meios de disseminação do Protestantismo no Brasil. Serviram como fonte mais segura de conversão dos católicos através da leitura e pregação da Bíblia, sendo uma estratégia de atrair novos adeptos ao Protestantismo.

A Escola Dominical era idealizada como uma instituição imprescindível da igreja, existindo para levar melhor instrução ao povo sobre o conhecimento da Bíblia, sendo este o seu desígnio principal. A sua finalidade era ensinar a Palavra de Deus através de professores bem preparados para conduzir os cristãos ao “serviço de Deus e da humanidade” (REIS, 1909, p. 13), com o poder de instruir para a salvação através da fé em Cristo Jesus.

As Escolas Dominicais foram crescendo e se organizando cada vez mais, passando então a serem organizadas em congregações, pequenas células da igreja e, por último, tornavam-se uma nova igreja dirigida por pastores. Essas novas igrejas passavam então a ser o centro de outras novas Escolas Dominicais, conduzidas novamente por leigos, até se concretizar uma nova igreja.

Foi possível perceber as características que o professor da Escola Dominical deveria possuir. Ter paciência, tato, firmeza e ser conhecedor profundo da Palavra de Deus, além de conquistar a confiança dos seus alunos. Em suma, o professor necessitava ter conhecimento da pedagogia, seus princípios e metodologias adequadas a cada sala de aula, ele era o ponto fundamental para o sucesso de uma Escola Dominical.


FONTES
KERR, W. C. Importância da Pedagogia na consolidação da Igreja Presbiteriana do Brasil. São Paulo: Irmão Ferraz, 1925.


REIS, Álvaro (presidente da convenção). Primeira convenção regional das Escolas Dominicais no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typ. Methodista, 1909.

REFERÊNCIAS


CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a República e outros ensaios. Bragança Paulista: EDUSF, 2003.
CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Diefel; Rio de Janeiro: Bertrand, 1990.
CHARTIER,Roger (Org). Práticas da leitura. Trad: Cristiane Nascimento. São Paulo: Estação da Liberdade, 1996.
CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. 2ª ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.
COMENIUS. John. Didática Magna. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
GHANEM, Elie e TRILLA, Jaume. Educação formal e não-formal: Pontos e Contrapontos. São Paulo: Summus Editorial, 2008.
GINZBURG, Carlo. O fio e o rastro. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GRESPAN, Jorge. Considerações sobre o método. In: PINSKY, Carla et alli. Fontes Históricas. São Paulo: Contexto, 2005, p. 291-300.

HAHN, Carl Joseph. História do culto protestante no Brasil. São Paulo: Aste, 1989.
JULIA, Dominique. “A cultura escolar como objeto histórico”. In: Revista Brasileira de História da Educação. Campinas: Autores Associados, 2001, jan./jun, n.1, p. 10-11.
LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: Enciclopédia Einaudi – Memória-História. Porto: Imprensa Nacional/Casa da Moeda. V.I, 1984, p. 95-106.
LE GOFF, Jacques. História. Enciclopédia Einaudi. V. 1. Porto: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1984, p. 158-259.

LOPES, Eliana Marta Teixeira e Ana Maria de Oliveira Galvão. História da Educação. 2ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

NASCIMENTO, Ester Fraga Vilas-Bôas Carvalho do. A Escola Americana: origens da educação protestante em Sergipe (1886-1913). São Cristóvão: Grupo de Estudos em História da Educação/NPGED/UFS, 2004.

NASCIMENTO, Ester Fraga Vilas-Bôas Carvalho do. Imprensa protestante nos Oitocentos. Projeto de Pesquisa. Aracaju: Unit/NPED, 2007a.

NASCIMENTO, Ester Fraga Vilas-Bôas Carvalho do. Educar, curar, salvar: uma ilha de civilização no Brasil tropical. Maceió: EDUFAL, 2007b.

NASCIMENTO, Jorge Carvalho do. A escola de Baden-Powell: cultura escoteira, associação voluntária e escotismo de Estado no Brasil. Rio de Janeiro: Imago, 2008.


WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS


COSTA, Hermisten Maia Pereira da. A origem da Escola Dominical no Brasil: esboço histórico. Maringá, 2010, 14 p. Disponível em: http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:9IjnzZHGelwJ:www.mackenzie.br/fileadmin/Graduacao/EST/DIRETOR/Introducao_a_Educacao_Crista__15__-_Final.pdf Acesso em 17 de junho de 2010, às 09 horas e 48 minutos.


i As associações voluntárias também chamadas de sociedades voluntárias, ou sociedade de idéias, foram formas modernas de sociabilidade que ofereceram novos modelos associativos em meio de uma sociedade globalmente organizada em torno de uma estrutura corporativa hierárquica (ordens) e composta na essência por atores sociais coletivos. Teve início no século XVII na Inglaterra, mas desenvolveu-se principalmente na América do Norte durante o século XIX (NASCIMENTO, 2007b, p. 55).



ii O Superintendente é o responsável pela direção geral da Escola Dominical, ou seja, pelos seus membros – os alunos e os professores.



Compartilhe com seus amigos:


©ensaio.org 2017
enviar mensagem

    Página principal